Insurance Garage: o ecossistema inovador do mercado de seguros 94526

Confira a edição 227 da Revista JRS na íntegra

Os principais movimentos do último mês no mercado brasileiro de seguros estão na edição 227 da Revista JRS. A edição mostra a nova identidade visual da Agrifoglio Vianna Advogados Associados e uma entrevista especial com o presidente da Porto Seguro, que analisa oportunidades para expansão do setor.

Especialistas em Comunicação falam sobre desafios e a nova realidade na forma de interagir com o público externo e interno. Outro destaque deste número de JRS é a reinauguração da filial Porto Alegre (RS) da SulAmérica Seguros. Também na capital gaúcha o destaque é para o GBOEX, que está sempre à disposição dos clientes.

A Tokio Marine Seguradora enxerga o potencial do agronegócio para a economia brasileira e aposta cada vez mais no segmento, entenda mais sobre as características deste tipo de seguro. Fator humano é um dos principais motivos de sinistros com incêndios, confira algumas dicas da AIG Seguros. Tem também a nova lei de licitações, que deve aprofundar a análise de riscos e diversificar seguros de garantia.

Também é relevante na edição 227 o otimismo de Jorge Nasser, da FenaPrevi, com a aprovação de mudanças na previdência. O presidente da CNseg, Marcio Coriolano, acredita que o “setor segurador vive uma revolução silenciosa”. Tem ainda um especial com Paulo Tusi Mann, há 45 anos se reinventando no mercado de seguros. A apresentação do novo Superintendente Sucursal Corporate RS da Bradesco Seguros e as soluções eficientes para donos de smartphones fruto de parceria entre a Axa Seguros e o Grupo PLL completam a seleção de notícias preparadas especialmente para um público qualificado e preocupado não apenas com a segurança, como também, a educação financeira!

Formação de equipes vencedoras é tema da live da Gente Seguradora 1779

Momento acontece hoje às 17h30

Hoje é dia de live da Gente Seguradora. Na 14ª edição, o tema será a formação de esquipes vencedoras com a perspectiva de autorresponsabilidade como parte do conjunto de relações no sistema. Renata Bidone, psicóloga e palestrante motivacional, é a convidada da vez.

A Live da Gente será transmitida hoje às 17h30, pelo Instagram @GenteSeguradora.

CCS-RJ: equilíbrio entre o virtual e o presencial 768

O presidente do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro acredita que os encontros presenciais também serão mais valorizados que hoje no pós-pandemia.

Para Fabio Izoton, presidente do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ), “a tecnologia mostrou, nesta pandemia, todo o seu lado produtivo para o nosso dia adia”. Ele conta que, desde o primeiro dia de isolamento, a entidade manteve o atendimento a associados e parceiros 100% em home office, com a mesma qualidade. Além disso, criou um grupo de trabalho que acompanha a fundo os acontecimentos do mercado referentes às coberturas no caso de Covid-19, tanto para seguro de Pessoas, como em ramos elementares, para auxiliar e orientar aos corretores associados no caso de sinistros.

“Os corretores de seguros, como profissionais facilmente adaptáveis que são, já assimilaram que a tecnologia abriu portas de aprendizado em quaisquer áreas da vida, e principalmente que podemos ter, através do vídeo, approach com empatia com clientes e parceiros de negócios”, diz Izoton.

A primeira reunião virtual do Clube foi realizada recentemente, conduzida pela diretora Sonia Marra, com grande participação dos associados. Outros encontros neste formato já estão confirmados para as próximas semanas: com convidados da nova parceira Argo Seguros e também da Capemisa, apoiadora do CCS-RJ desde janeiro deste ano.

“Esse nosso início de experiência online certamente não substituirá os nossos eventos presenciais, como o nosso tradicional Almoço com o Mercado, quando eles puderem voltar a serem realizados – e sim vai somar um novo tipo de contato que iremos passar a ter com os associados e com o mercado em geral”, afirma Izoton.

Ele acredita que as relações virtuais serão, sim, expandidas, até porque a realidade já caminhava para isso antes da pandemia. “Nossa atual diretoria foi eleita virtualmente, em processo totalmente eletrônico, a primeira experiência desse tipo no mercado, lá em dezembro de 2018”, relembra.

Ele aposta que os contatos presenciais podem voltar a ser mais valorizados. “Podemos tirar a lição de não exagerar no uso da tecnologia, que pode causar o afastamento das pessoas quando elas estão frente a frente, e poderemos voltar a dar o devido valor ao contato pessoal”, opina.

Justiça concede liminar à Fenacor e suspende eficácia de dispositivos da Resolução 382/20 1955

Art. 4º da Resolução prevê que corretor informe ao segurado valor de sua comissão

A juíza Andrea de Araújo Peixoto, da 10ª Vara Federal do Rio de Janeiro, concedeu, nesta quarta-feira (1º de julho), liminar a mandado de segurança coletivo impetrado pela Fenacor contra a superintendente da Susep, Solange Vieira, e contra a própria autarquia, suspendendo, até a decisão final do processo, a eficácia do trecho do art. 4º da Resolução 382/20 do CNSP segundo o qual, antes da aquisição de produto de seguro, de capitalização ou de previdência complementar aberta, o intermediário deve disponibilizar formalmente ao cliente, no mínimo, informações sobre, entre outros, o montante de sua remuneração pela intermediação do contrato, acompanhado dos respectivos valores de prêmio comercial ou contribuição do contrato a ser celebrado.

A decisão também suspende os efeitos do art. 9º da mesma Resolução 382/20, o qual cria a figura do “cliente oculto”, que, segundo a norma, “poderá pesquisar, simular e testar, de forma presencial ou remota, o processo de contratação, a distribuição, a intermediação, a promoção, a divulgação e a prestação de informações de produtos, de serviços ou de operações relativos a seguro, capitalização ou previdência complementar aberta, com vistas a verificar a adequação das práticas de conduta de intermediários e entes supervisionados à regulação vigente”.

O parágrafo único desse artigo, que também perde a eficácia com a liminar, estabelece que “o ente supervisionado ou o intermediário não precisam ser avisados sobre a atividade de supervisão do cliente oculto.”

Em sua sentença, a juíza salientou que, em exame sumário, observou “a plausibilidade das alegações”, notadamente quanto à ausência de competência do CNSP e da Susep, nos termos do art. 33 do Decreto-Lei 73/66 e de vários artigos do Decreto 60.459/67, para a criação de obrigação profissional não prevista “em lei stricto sensu” para os corretores de seguro. “Com efeito, há a relevância na alegação da impetrante no sentido de que a regulamentação do CNSP sobre os aspectos da profissão de corretor, em atendimento ao art. 32, inciso XII, do Decreto-lei 73/66, é meramente incidental, uma vez que a competência do Conselho estaria limitada a disciplinar apenas os aspectos atinentes à operação de seguro, com a vedação constitucional para a criação, por meio de ato infralegal, de obrigações diversas daquelas já estabelecidas pela lei stricto sensu, em respeito ao princípio da estrita legalidade no que tange à regulamentação de atividades e profissões”, acrescenta a magistrada.

Outro ponto importante destacado pela juíza é que, em decorrência do cenário jurídico-econômico decorrente da pandemia do COVID-19, mostra-se “carente de razoabilidade” o prazo assinalado para o cumprimento, pelo mercado de corretores, das alterações promovidas pela aludida resolução, haja vista que, nos termos do seu art. 17, ela entra em vigor na data de hoje, 1º de julho de 2020, “o que também comprova a urgência na concessão da medida”.

Por fim, ela informa que não vislumbra prejuízo inverso pela concessão da medida liminar ora pretendida, ressaltando nesse sentido a via célere do mandado de segurança.

CVG RS transfere webinário para o dia 08 de julho 834

Ciclone que atinge Região Sul do país deixou conexões de luz e internet instáveis

O Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG RS) informa que o webinário online “Uma visão do futuro pós-pandemia” com o vice-presidente corporativo da Icatu Seguros e presidente da Rio Grande Seguros e Previdência, César Saut, que aconteceria hoje, quarta (1º), teve de ser adiado devido ao ciclone-bomba e fortes chuvas que atingiram o sul do país, deixando boa parte da população do RS sem luz e internet.

Em respeito ao convidado e aos participantes inscritos, que não podem ser penalizados com a espera pelo retorno destes serviços ainda hoje, o evento online acontece na próxima quarta (08), às 18h30. O webinário em formato de bate-papo tem o objetivo de ampliar a compreensão do público sobre o mercado de seguros pós-pandemia.

Sindicato dos Securitários do RS elege diretoria através de sistema eletrônico 650

Valdir Brusch e Denise Martins, do Sindicato dos Securitários do Rio Grande do Sul - Foto: William Anthony/JRS

Processo eleitoral contou com 62% de participação

O Sindicato dos Securitários do Rio Grande do Sul elegeu sua nova diretoria por meio de sistema eletrônico. Valdir Brusch segue na presidência, com Denise Martins como secretária geral, o diretor financeiro Everton Figueira e Ubiratã de Oliveira como diretor para assuntos trabalhistas.

A entidade realizou o processo eleitoral no dia 30 de junho. “[O Sindicato] inovando, de uma forma rápida, prática e segura, em virtude do estado de pandemia decretado pelos governos federal, estadual e municipal e também devido as medidas de isolamento social que obrigam as empresas e seus empregados a manterem suas estruturas de atendimento em home office, realizou seu processo eleitoral para a gestão 2020/2024 usando uma plataforma de sistema eletrônico e on line de votação, onde 62% dos sócios participaram apoiando a atual diretoria para continuidade do trabalho desenvolvido em prol da categoria securitária”, anunciou a nota enviada.

Diretoria Executiva Sindicato dos Securitários do RS
Presidente: Valdir S. Brusch
Secretária Geral: Denise S. Martins
Diretor Financeiro: Everson A. Figueira
Diretor para Assuntos Trabalhistas: Ubiratã de Oliveira