Inovar para continuar evoluindo como corretores de seguros 1704

Alexandre Camillo é corretor de seguros e presidente do Sincor-SP / Divulgação

Primeiro passo é entender que não devemos combater a inovação, mas nos inserir no novo mundo

Viver é essencialmente a superação de um primeiro desafio, se estamos vivos é porque decidimos aceitar os riscos, a partir disto vivemos em constante superação. O sentimento de medo não vem para nos coibir, mas para manter o nosso sentido de preservação, fazer a leitura dos acontecimentos e assim continuar o nosso processo de vida, seja pessoal ou profissionalmente. Quando perdemos o medo entramos em uma zona de conforto que paralisa e não nos deixa produtivos.

O mundo está em disrupção, não somente o mercado de seguros, e nós somos agentes dessa transformação. Somos usuários e influenciadores para novos comportamentos, em tudo: para obter lazer, informação, pedir táxi, comida, nos comunicar. Quando essa transformação invade nosso espaço temos sentimento diferente do que quando outras áreas profissionais precisaram se mexer para se manter em atividade.

Toda essa transformação da sociedade é inexorável, e a despeito de tantas incertezas com o desconhecido, precisamos ter a consciência de que temos uma papel a cumprir. No Sincor-SP, temos duas grandes missões: ajudar o corretor, conduzindo-o na necessária adaptação a estas transformações e também promover esta transformação na própria entidade, para atender ao corretor no novo mercado e novo consumidor.

Não podemos promover o futuro com o olho no passado, temos que, de fato, encarar o mundo digital e buscar essa imersão de conhecimento. O Sincor-SP fará seu papel, mas somente conseguirá a adaptação necessária aquele que assim desejar, que entender que é preciso evoluir. O primeiro grande entendimento é que toda a modernização que chega ao mercado, a avalanche de tecnologia trazida pelas insurtechs, tudo isso é possível e está ao alcance de todos, mas tem que se inserir, principalmente porque o cliente também é agente de transformação.

Ao final deste processo de adaptação, o corretor, robustecido, precisa de nova motivação para fazer parte de um agrupamento de profissionais. Temos então que promover essa mesma transformação na entidade, nos reinventar para fazer sentido na vida do corretor, que se transformou, melhorou e ficou ainda mais robusto e apto a atender aos novos hábitos de consumo. O Sincor-SP, para fazer sentido na vida de profissional, tem que ser um provedor de soluções ao corretor quando este se depara com desafios e oportunidades.

Com o entendimento dessas duas missões temos trabalhado intensamente na criação do Sincor Digital, um bureau de serviços digitais para conectar os corretores de seguros a todos os players desse mundo novo, promovendo essa imersão, e não o afastamento ou o sentimento de que o mundo vai acabar. Pelo contrário. Ainda temos muita lenha para queimar e estamos na direção para o futuro.

Por maiores que sejam os desafios deste momento, nunca estive tão motivado. Vemos movimentos que irão garantir a perenidade dos corretores de seguros –pelo menos aqueles que estiverem adaptados às novas possibilidades.

Em viagem recente à Argentina, visitando a sede da Sancor Seguros, pude experimentar um olhar sobre nossa atuação em outros mercados, vi que lá também se proliferam os canais digitais, inclusive financeiros, mas, sem haver desprezo ao corretor de seguros, ao contrário, promovendo a inclusão dele neste processo.

Mesmo com a crise que tivemos em nosso país, fruto de um ambiente de instabilidade política e econômica, o mercado de seguros é um dos únicos que ainda aponta crescimento. Temos grandes oportunidades neste mercado, que é tão visado por investidores.

O primeiro passo está sendo dado. A consciência de que não devemos combater tudo o que está por vir, mas nos inserir neste modelo digital. Vamos dar as mãos para o novo mundo que trará desafios e oportunidades para todos nós.

*Artigo do corretor de seguros e presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo.

Foz do Iguaçu recebe edição 2020 do Brasesul entre 14 e 15 de maio 790

Foz do Iguaçu recebe edição 2020 do Brasesul entre 14 e 15 de maio

Encontro dos Corretores de Seguros da Região Sul conta com centenas de inscritos e 11 patrocinadores

O Congresso Sul Brasileiro dos Corretores de Seguros acontece entre os dias 14 e 15 de maio de 2020. O evento, organizado pelos Sindicatos dos Corretores de Seguros do RS, SC e PR, tem como cenário o Hotel Rafain Palace Hotel & Convention, em Foz do Iguaçu (PR).

José Antonio de Castro, Coordenador do Brasesul 2020, explica que a programação está em fase de formatação. “Estamos preparando tudo com muito carinho e a temática ‘Customer Sucess – Fidelize, Diversifique e Monetize’ é propícia para a promoção de um encontro dinâmico”, comenta.

Serão 12 apresentações ao longo dos dois dias de evento, que contará com duas arenas de 60 lugares e espaços na Feira dos Seguradores. Serão palestras e apresentações ligadas ao segmento, com o propósito de contribuir para o crescimento profissional do Corretor de Seguros.

Os associados ao Sincor investem R$ 165 para participar do evento. O público em geral desembolsa R$ 310. As reservas para hospedagem também já podem ser feitas. Saiba mais neste endereço.

Bradesco, HDI, Porto Seguro, Mapfre, Zurich, Tokio Marine, Sompo, SulAmérica, Liberty, Capemisa e também a Escola de Negócios de Seguros já confirmaram participação.

Lázaro Brandão, ex-presidente do Bradesco, falece aos 93 anos 687

Lázaro Brandão, ex-presidente do Bradesco, falece aos 93 anos

Executivo foi considerado um dos banqueiros mais poderosos da América Latina

O ex-presidente do Bradesco e do Conselho de Administração do banco, Lázaro de Mello Brandão, faleceu nesta quarta-feira (16), aos 93 anos. Brandão recuperava-se de uma cirurgia, no Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo.

O executivo foi considerado um dos banqueiros mais poderosos da América Latina e sucedeu o fundador do Bradesco, Amador Aguiar. Brandão deixou a presidência do conselho do Bradesco no final de 2017, quando Luiz Carlos Trabuco Cappi assumiu o posto, mas ainda atuava como presidente de empresas controladoras do Bradesco.

Brandão deixa mulher, duas filhas e um neto. O velório acontece a partir das 13h30min e vai até ás 17h, no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra. A cremação será ás 17h, no mesmo local.

*Com informações de G1.

Relatório Interbrand “Best Global Brands”: Allianz é a seguradora número 1 do ranking 759

Relatório Interbrand “Best Global Brands”: Allianz é a seguradora número 1 do ranking

Ranking foi divulgado nesta quinta-feira (17)

A Allianz tornou-se a seguradora número 1 no ranking global de marcas do relatório Interbrand 2019, divulgado hoje, 17. O valor da marca Allianz cresceu 12%, de US$ 10,8 bilhões, em 2018, para US$ 12,1 bilhões.

“Temos orgulho de nos tornar a marca de seguros número 1 – um sinal de nossa estratégia, chamada de ´Simplicity Wins´ e transformação em ação. Nosso crescimento reflete um valor de marca global mais relevante, consistente e com serviços e produtos mais intuitivos. Assim, reequilibramos os negócios em áreas de alta demanda e rentabilidade”, diz Serge Raffard, head de Estratégia, Marketing e Distribuição do Grupo Allianz. 

“Este é apenas o começo. Continuamos nos esforçando para superar o desempenho não apenas do setor, mas também das principais marcas globais, permitindo que nossos clientes sigam em frente. Este é um elemento chave para criar atração para nossos produtos e serviços. Ao mesmo tempo, precisamos da pontuação mais alta no Net Promoter Score para garantir que nossos clientes obtenham a melhor experiência”, completa.

Para Christian Deuringer, head de Gerenciamento Global de Marcas, há mais por vir. “É muito satisfatório alcançar este marco, desde entrar na tabela dos 100 melhores, em 2007, até nos tornarmos a marca de seguros número 1 em todo o mundo, agora em 2019, e a 43ª no ranking geral de empresas. Construindo nossa marca, aproveitando insights exclusivos e trabalhando em conjunto com nossos clientes para proporcionar uma experiência ainda melhor, enquanto investimos em parcerias sustentáveis ​​e inovadoras, como a Fórmula E, para aumentar nossa presença e relevância na vida dos clientes”.

Concessões de campos de petróleo aquecem o mercado segurador 721

Concessões de campos de petróleo aquecem o mercado segurador

Proteções para o segmento podem ser contratadas de forma modular e abrangem do processo de licitação à extração do produto

A Petrobrás avançou neste mês com o processo de venda de sua participação em 27 campos de petróleo terrestres no Espírito Santo e em outros 14 municípios na Bahia. A expectativa é de que as concessões ampliem a produção de óleo e gás e aqueçam mercados que fornecem serviços para estes segmento, como o de seguros.

Para Jonson Marques, diretor de Empresas da MAPFRE, companhia líder do mercado de Grandes Riscos, a retomada dos leilões deve impulsionar o segmento, que está muito atrelado ao bom desempenho da extração e venda destes produtos.

“Este segmento deve trazer oportunidades ao mercado segurador em diferentes frentes. Isso porque as empresas que prestam serviços às petrolíferas também precisarão contar com proteções como a de Responsabilidade Civil Operações, Danos Morais e Poluição Súbita”, explica.

O executivo pontua que as proteções para este ramo são abrangentes e contemplam todas as etapas, desde o processo de sísmica (estudo do subsolo) até a produção. “É possível contratar proteções desde o momento do leilão de concessão. Nesta primeira etapa, geralmente, é adquirido o Seguro Garantia, que assegura que os prazos e valores definidos em contrato sejam cumpridos”, pondera Marques.

O especialista destaca que, superado o processo de licitação, as empresas têm a opção de adquirir a apólice de risco de petróleo, que ampara todos os riscos das operações de prospecção, produção e perfuração. Este tipo de seguro pode ser contratado de forma modular, em que o cliente adequa as proteções às suas necessidades. “Em virtude da especificidade da atividade, o empresário pode optar por adquirir individualmente a cobertura para danos físicos aos ativos [plataformas]; para o processo de construção de unidades de exploração ou produção; operações de extração ou todas as modalidades em uma mesma apólice, dividida apenas por seções.”

Outra proteção muito importante para este setor é a cobertura de Responsabilidade Civil Offshore (RC), que ampara os prestadores de serviços nas unidades de operação. A apólice protege contra riscos ocasionados a terceiros em função da atividade exercida.

SulAmérica participa de almoço na Aconseg-SP 671

SulAmérica e a diretoria da Aconseg-SP, da esquerda para a direita: Jairo Christ, Roberto B. Oliveira, Helio Opipari Junior (que assume a presidência da entidade em 2020), Luciano Lima, Ricardo Montenegro, Portella, Colantonio, Lauzana e Milton Ferreira / Divulgação

Executivos da companhia prestigiaram tradicional almoço da entidade paulistana

A SulAmérica marcou presença em tradicional almoço oferecido pela Aconseg-SP para parceiros. Gabriel Portella, presidente da seguradora, André Lauzana, vice-presidente Comercial e de Marketing, e Luciano Lima, diretor Comercial de São Paulo foram recepcionados pelo presidente da entidade, Marcos Colantonio, e por membros da diretoria.

Para Lauzana, o encontro é uma “ótima oportunidade de mostrar como a SulAmérica valoriza as assessorias e seus corretores, e para solidificar a longa relação da empresa com a Aconseg-SP”.

Gabriel Portella, Marcos Colantonio e André Lauzana durante almoço oferecido na sede da Aconseg-SP / Divulgação
Gabriel Portella, Marcos Colantonio e André Lauzana durante almoço oferecido na sede da Aconseg-SP / Divulgação