Governança e mitigação de riscos na indústria financeira 1419

Governança e mitigação de riscos na indústria financeira

Confira artigo de Javier Duran, diretor de grandes riscos da corretora Marsh Brasil

Grandes poderes trazem grandes responsabilidades. A frase, de Stan Lee, criador do personagem dos quadrinhos Homem Aranha, resume bem os reflexos que a tecnologia trouxe para os mais diversos aspectos do mundo dos negócios: grandes facilidades, dinâmica e agilidade, mas, ao mesmo tempo, mais ameaças. Tanto que, a percepção dos riscos provenientes do avanço tecnológico, mudou radicalmente nos últimos três anos. O recente Global Risks Report 2019 mostra que ao longo dos últimos 3 anos, as preocupações migraram de questões econômicas, geopolíticas e sociais, para impactos no meio ambiente e tecnológicos (este último ganhou mais força no Brasil com as discussões em torno da Lei Geral de Proteção de Dados – LGDP). 

O risco cibernético, que se concretiza nos casos de ataques de hackers já não é mais uma questão de “se” irá acontecer, e sim “quando” irá acontecer e como responder ao incidente dos impactos (interrupção de negócios ou roubo/furto de informações) das suas operações e de seus clientes. Com a indústria financeira não é diferente. Este cenário exige das empresas mais governança e mitigação de riscos. 

Não por menos. Os ataques cibernéticos são considerados hoje um dos riscos com a maior probabilidade de ocorrência e os prejuízos superam cifras inimagináveis, segundo relatório da corretora Marsh. Os prejuízos no mundo decorrentes desse tipo de crime já geram perdas de US$ 1 trilhão para as empresas de todos os segmentos de negócios, bem acima dos US$ 300 bilhões de perdas com desastres naturais em 2017, segundo o estudo Cyber Handbook 2019. Outro dado preocupante: na Europa, em um ano de funcionamento do Conselho de Proteção de Dados, foram registradas 94 mil reclamações, 64 mil notificações de vazamentos de informações e cobrados 56 milhões de euros em multas. 

Na indústria financeira se tem hoje um dos exemplos mais claros dos desafios dessa transformação digital, que deve levar a uma grande desintermediação financeira e à redução do papel dos bancos tradicionais. Não por acaso, as autoridades financeiras, tanto no Brasil quanto no exterior, acompanham atentamente esse processo e buscam modernizar suas regras para organizar essa transição. No Brasil, Banco Central (BC) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vem desde 2013 criando regulamentações para preparar o Sistema Financeiro Nacional para esse grande salto, dentro da Agenda BC+, substituída agora pela Agenda BC#. 

O maior controle tem um fundamento. No CIAB 2019, congresso de tecnologia da informação para instituições financeiras promovido pela Febraban, estudos indicaram que os investimentos em soluções contra fraudes de identidade vão chegar a US$ 10,4 bilhões até 2023, enquanto os prejuízos decorrentes de fraudes de cartão de crédito alcançarão os US$ 35 bilhões até 2020. Outro estudo apresentado no congresso apontou o prejuízo de US$ 15 milhões que o sistema bancário mexicano sofreu após um ataque de cibercriminosos. Dados da Fecomércio também mostram que o Brasil amarga R$ 60 bilhões em prejuízos oriundos transações comerciais fraudulentas. 

A preocupação dos órgãos que regulam o setor também faz mais sentido para fazer frente à amplitude dos riscos. As ameaças não se limitam aos riscos cibernéticos e às operações da própria instituição. Elas se espalham também pelos agentes externos, ou seja, seus fornecedores e clientes. Quando um banco entra no financiamento de um projeto por exemplo, os riscos (fatores climáticos em caso de uma usina eólica, sucroalcooleira, entre outros) que podem impactar a não conclusão de um determinado empreendimento, também precisam ser considerados e amparados com garantias que serão solicitadas para viabilizar esses investimentos. 

Por conta destas exposições, as instituições financeiras enfrentam um ambiente marcado pela alta volatilidade de ameaças que demanda uma grande atenção que exige delas uma visão mais holística do mapeamento, identificação e financiamento dos riscos. Uma estratégia alinhada com os objetivos dos negócios e que dê segurança para seus executivos nos momentos de tomadas de decisões. 

Análise: 2019 comprova resiliência do setor de seguros 1772

Análise: 2019 comprova resiliência do setor de seguros

Apesar de cenário econômico desfavorável, estudo realizado pelo Sindseg-SP e Sincor-SP aponta crescimento de dois dígitos do mercado de seguros

“O mercado de seguros brasileiro tem se mostrado resistente e flexível diante do momento econômico mais complicado do País, devendo, mais uma vez, ter crescimento real de receita neste ano”, é o que diz a última edição da Carta de Conjuntura do Setor de Seguros, produzida pelo Sindicato das Empresas de Seguros e Resseguros (Sindseg-SP) e pelo Sindicato de Empresários e Profissionais Autônomos da Corretagem e da Distribuição de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP).

Segundo o estudo, apesar do cenário desfavorável, o mercado de seguros deve fechar 2019 em alta. Um dos destaques é o segmento de pessoas, com taxas de crescimento acima de 10% ao ano.

Nos ramos típicos de seguros, como automóvel, pessoas, residencial, empresarial, etc., a variação acumulada foi de +8% em valores até outubro. Já na separação, os ramos elementares registraram faturamento de R$ 6,4 bilhões, influenciados pela queda da receita do DPVAT.

Os seguros de pessoas conseguiram registrar faturamento de R$ 3,7 bilhões até outubro deste ano. O segmento está crescendo acima de 15% nos últimos anos, superando a taxa de inflação.

Confira a Carta de Conjuntura.

39 planos de saúde estão suspensos a partir de hoje 467

39 planos de saúde estão suspensos a partir de hoje

Medida ocorre em função de reclamações sobre problemas assistenciais relatados por beneficiários

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspendeu temporariamente a venda de 39 planos de saúde de 12 operadoras em todo o país, devido a reclamações efetuadas pelos consumidores no terceiro trimestre deste ano. A proibição da venda começou a valer nesta segunda-feira (09 de dezembro) e faz parte do Monitoramento da Garantia de Atendimento, que acompanha o desempenho do setor e atua na proteção dos beneficiários.

Além das suspensões, a ANS divulgou também a liberação de comercialização de 11 planos de saúde de 07 operadoras. Eles haviam sido impedidos de serem comercializados em ciclos anteriores, mas melhoraram os resultados no Monitoramento e, com isso, poderão voltar a ser vendidos para novos clientes a partir de hoje, desde que não estejam com a comercialização interrompida por outros motivos.

O Monitoramento da Garantia de Atendimento avalia as operadoras a partir das denúncias sobre descumprimento dos prazos máximos para realização de consultas, exames e cirurgias ou sobre negativa de cobertura assistencial encaminhadas para a fiscalização da ANS. A intenção do programa é estimular as operadoras a garantir o acesso do beneficiário aos serviços e procedimentos de acordo com o que foi contratado. Neste ciclo, 1,4 milhão de beneficiários ficam protegidos com a medida.

Panorama do ciclo de Monitoramento da Garantia de Atendimento – 3º trimestre/2019*

  • 39 planos com comercialização suspensa pelo Monitoramento da Garantia de Atendimento
  • 12 operadoras com planos suspensos
  • 1,4 milhão consumidores protegidos
  • 07 operadoras com planos liberados da suspensão
  • 11 planos liberados da suspensão

(*) Denúncias recebidas no período de 01/07/2019 a 30/09/2019.

Acesse aqui a lista de planos com comercialização suspensa

Acesse aqui a lista dos planos que já estavam suspensos por outros motivos e que também foram suspensos pelo monitoramento da garantia de atendimento

Acesse aqui a lista dos planos reativados

Acesse aqui a lista dos planos liberados pelo monitoramento da garantia de atendimento, mas que continuam com sua comercialização suspensa por outros motivos

Os beneficiários também podem consultar informações sobre o Monitoramento da Garantia de Atendimento por operadora, conferindo o histórico das empresas e verificando, em cada ciclo, se ela teve planos suspensos ou reativados nesse programa. A ANS disponibiliza ainda um panorama geral com a situação de todas as operadoras, com a classificação das empresas nas quatro faixas existentes (que vão de 0 a 3).

Clique aqui para acessar a página do Monitoramento e faça a consulta por operadora de plano de saúde

Consulta sobre a situação do plano

A página do site que reúne as informações sobre suspensão da comercialização de planos também passa a apresentar, de forma mais destacada e de fácil acesso ao consumidor, a ferramenta de consulta que possibilita verificar a situação de comercialização de todos os planos registrados na ANS. A busca pode ser feita por operadora ou por plano, e o usuário obtém dados como o número de registro, segmentação e abrangência geográfica do produto, entre outros.

Acesse o link e consulte a situação do plano de saúde.

Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo 408

Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo

4 mudanças de hábito para melhorar sua versão em 2020

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que o Brasil tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com o transtorno. Segundo Vivian Wolff, especialista em desenvolvimento humano e mindfulness pelo Integrated Coaching Institute (ICI), e com MBA em Marketing Estratégico pela University de Catalunya, Barcelona; todos nós temos alguns hábitos do dia a dia que nos impactam negativamente e nem percebemos. “São práticas tão automáticas que já viraram rotina. E já que estamos na época de fazer um balanço da vida, indico 4 mudanças de hábito que podem fazer você começar 2020 com o pé direito”.

Apertar o botão “soneca” do despertador

Quando você faz isso, inconscientemente quer reivindicar o controle da sua vida, como se pensasse “eu decido a hora de levantar”. O problema é que esse hábito faz você entrar em um modo automático de procrastinação e deixar tudo para mais tarde. É realmente dessa forma que você quer começar seu dia? Levantar assim que o despertador toca interrompe esse processo e ajuda a começar o dia com tempo suficiente e sem correria. Adotando isso como regra de vida, passamos a diminuir uma tendência de pensar excessivamente sobre cada detalhe, o que muitas vezes nos paralisa, e partir para a ação no momento em que ela nos chama, decisão que fará toda a diferença quando temos uma meta ou objetivo.

Lotar a agenda sem incluir tempo para você

Passamos muito tempo envolvidos com detalhes da rotina, do trivial e do outro, o que não só reduz nosso tempo, como desvia a atenção do autocuidado. Se não dedicamos tempo para nós e para o que desejamos, ao final do dia só o que sentimos é um vazio, apesar de termos feito mil coisas. Bloquear momentos para nós e para nossas prioridades não é egoísmo, é oxigênio para nossa vida. Se cuidamos de nós, estamos mais potentes para cuidar dos outros. Nossos dias passam a ter mais significado e experimentamos a sensação de satisfação por estarmos caminhando rumo ao nosso objetivo, incluindo nós mesmos.

Alimentar pensamentos negativos

Quando você define uma lente pela qual enxergará o mundo, seu cérebro começa a captar as coisas sempre focado nela. E sempre que acontece algo que valida essa lente, ele manda sinais para prestarmos atenção naquilo. O resultado é que o pensamento negativo gera resultados negativos, que confirmam nossos pensamentos negativos, nos colocando em um espiral direto para o fundo do poço. Passamos a ver só o que é ruim, o que dá errado, o mal. A boa notícia é que o contrário também é verdadeiro, se focarmos no lado bom das coisas, temos a tendência de ver o copo meio cheio. Um exercício fácil e poderoso para entrar nesse novo modo é praticar a gratidão. Você pode começar agradecendo diariamente por 3 coisas bacanas que aconteceram no seu dia.

Comparar-se e tentar fazer igual

Com as redes sociais nos dando acesso a todas e todos, cair nessa armadilha é muito fácil. Muitas vezes deixamos de ser nós mesmos para tentar agir/ser como alguém que é mais famoso, bonito ou bem-sucedido. Esse é um dos hábitos mais destrutivos que podemos ter. A comparação e a cópia matam sonhos, paralisam e deixam o mundo mais pobre, pois todos perdem quando um ser humano decide não expressar sua criatividade original. Você nunca será uma melhor versão da pessoa que você copia. O que você faz e fala, o post que você publica, a roupa que você veste, tem que ter a sua cara. Sua força está na sua autenticidade.

Momentos e imagens marcantes celebram 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros 4081

Momentos e imagens marcantes celebram 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros

Corretora de origem gaúcha atua em todo o Brasil

Momentos especiais marcaram os 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros, na última sexta-feira, em Porto Alegre (RS). Diversos parceiros de negócios da empresa participaram da confraternização, que aconteceu em grande estilo, no Iate Clube Guaíba, na capital gaúcha.

Confira o show de imagens registradas pelo fotógrafo especial de JRS, Matheus Henrique Pé:

Pedrinhas em Seguros (RS) celebram final de ano em alto estilo 1330

Pedrinhas em Seguros (RS) celebram final de ano em alto estilo

Entidade contará com nova diretoria em 2020

O Clube da Pedrinha em Seguros do Rio Grande do Sul promoveu na noite desta quinta-feira (05) sua comemoração especial de final de ano. O encontro contou com casa cheia e foi recheado de expectativas para o próximo ano.

A atual presidente da entidade, Ana Maria Pinto, enfatizou as ações implementadas pela entidade ao longo de 2019 para fomentar soluções ao mercado segurador da região. “É um orgulho vermos tantas pessoas em confraternização conosco. Este é o reconhecimento da integração e relacionamento que sempre buscamos promover com os operadores do Rio Grande do Sul. Estou muito feliz e destaco a modernização do nosso site e também do Banco de Currículos, em parceria com o Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg/RS)”, comentou.

A nova diretoria da entidade deve ser presidida pela advogada Suelen Farias, que atua na C. Josias & Ferrer Advogados. A executiva comenta o desafio em assumir a gestão da confraria. “Entrei no Clube a convite da querida Yara Bolina e tive a honra de fazer parte da diretoria de diversos presidentes, como o José Coelho e a própria Ana Maria Pinto. É um trabalho muito lindo que está em construção e sempre será guiado pelos ideais formados por nosso veteranos. As expectativas são gigantes diante desse desafio”, explicou.

Confraternização do Clube da Pedrinha (RS) – Todas as imagens: