SindSeg/RS recebe parceiros no Acampamento Farroupilha 1281

Piquete Portal do Rio Grande reuniu operadores

O Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg/RS) preparou uma noite especial na terça-feira, 10. Parceiros e amigos da entidade foram recebidos no Piquete Portal do Rio Grande, no Acampamento Farroupilha em Porto Alegre.

Tradicionalmente, o maior evento alusivo à cultura tradicionalista gaúcha, que comemora a Revolução Farroupilha, reúne os operadores do mercado segurador nesta época do ano. “A nossa diretoria deliberou de este ano fazer esse encontro aqui no lugar mais genuíno da preservação das tradições culturais dos gaúchos, pois consideramos importante esse momento para acolhermos todos nossos parceiros que interagem com nosso Sindicato e que fazem acontecer o seguro aqui no nosso Estado”, destaca o presidente do SindSeg/RS, Guacir Bueno.

World Insurance Report 2020: confira o relatório 1471

Seguradoras devem se aliar a ecossistemas abertos e recorrer a parceiros para reter participação de mercado com a entrada das BigTechs

World Insurance Report 2020 da Capgemini e da Efma, publicado hoje, revela que consumidores de todas as idades estão adotando uma “mentalidade millenial” e confiando cada vez mais em suas próprias pesquisas por meio de vários canais para obter informações e adquirir os produtos de seguros. Os consumidores estão recorrendo a players não tradicionais, como BigTechs (*1) e fabricantes de produtos, para ofertas inovadoras e personalizadas com experiência aprimorada do cliente (CX) e estão cada vez mais confiando em canais digitais diante da pandemia de Covid-19.

Para permanecer relevante, cita o relatório, as seguradoras existentes devem agir, reavaliando seus portfólios e aproveitando parcerias para se tornarem “Seguradoras Inventivas”. Isso envolve moldar os produtos existentes para atender às necessidades e preferências dos clientes em rápida evolução.

A mentalidade milenar transcendeu a idade

A adoção digital não é mais uma função da idade; para aqueles com acesso à web e à mídia social, a pesquisa e a compra direta de seguros on-line se tornou popular em todas as gerações. O relatório da Capgemini mostra que o número de clientes Geração X e pessoas de mais idade (*2) fazem transações diárias on-line e móveis, como compras ou pagamentos de contas, dobrou, passando de 30% dos entrevistados da Geração X e idosos em 2018 para 64% em 2020. O bloqueio do Covid-19 impulsionará ainda mais essa tendência, pois os consumidores serão forçados a usar os canais digitais nas transações diárias, independentemente da idade ou do conhecimento técnico.

Existe uma nova equação de confiança no seguro

O World Insurance Report 2020 agrupa os clientes de seguros de hoje em quatro categorias – pioneiros (*3), inquisitivos (*4), experimentais (*5) e seguidores (*6) – com base em seu comportamento social e preferências de compra. Os clientes de hoje não confiam exclusivamente em um canal na sua decisão de compra. Em graus variados, eles confiam na pesquisa on-line, incluindo comentários, depoimentos de familiares e amigos, bem como em conselhos de corretores e agentes, e se sentem capacitados para tomar decisões independentes de compra de políticas.

Os possíveis clientes procuram conveniência, e empresas não tradicionais, como as BigTechs, com agilidade digital ou fabricantes de produtos, oferecem uma experiência inigualável ao cliente, atraindo cada vez mais clientes a se arriscarem em um novo fornecedor. O apetite pelo seguro das BigTechs está se acelerando rapidamente: enquanto apenas 17% dos participantes da pesquisa do World Insurance Report 2016 disseram que considerariam comprar um seguro das BigTechs, o número dobrou em 2020 para 36%.

A hiper personalização é fundamental

O relatório recomenda que, para permanecerem relevantes para os clientes, as seguradoras precisam se conectar melhor com seus segurados, proporcionando-lhes um envolvimento hiper-personalizado e orientado pela experiência. Simplificando, as seguradoras precisam oferecer os produtos certos, no momento certo e através dos canais certos. Além disso, como as preferências do cliente estão evoluindo mais rapidamente do que nunca, é altamente necessária uma avaliação contínua por meio do gerenciamento de dados em tempo real, para que as experiências do cliente evoluam de acordo com as necessidades e desejos dos consumidores.

Os consumidores desejam flexibilidade e facilidade ao pesquisar fornecedores de seguros. Por exemplo, mais de 50% desejam um seguro com base no uso, pois oferece hiper personalização e valor ao dinheiro, mas apenas metade das seguradoras oferece esse tipo de opção. Embora as seguradoras tradicionais entendam a importância de entrar em contato com os consumidores no momento certo, elas não estão agindo sobre isso. Às vezes, elas não possuem as ferramentas e técnicas certas para prever quando enviar produtos apropriados, reduzindo sua capacidade de agir no momento certo: apenas 35% das seguradoras estão fornecendo aos agentes as ferramentas digitais que ajudam a determinar os eventos da vida do segurado, como casamento e filhos novos. ou compra de casa. De fato, apenas 25% afirmaram que o rastreamento de dados externos é útil.

Os dados do titular da apólice podem ser capturados usando uma variedade de fontes, dentro do âmbito dos regulamentos de privacidade de dados. Ao aderir aos ecossistemas de APIs abertas, as seguradoras poderiam entender melhor quando os consumidores podem precisar de um novo produto, sugere o relatório.

Além disso, enquanto os consumidores estão recorrendo a sites de comparação e sites da empresa para coletar informações sobre apólices, menos de 30% das seguradoras pensam que seus sites são úteis para compartilhar informações sobre apólices e apenas 37% dizem que sites de comparação ajudam a educar os clientes. As seguradoras podem considerar investir em canais on-line que capacitam os clientes a tomar decisões com o clique de um botão. Sem opções de engajamento omnichannel ininterruptas, as seguradoras tradicionais enfrentam perdas: 75% dos clientes trocariam de seguradora se o serviço de apólice não estivesse disponível em todos os canais.

Os titulares devem se transformar em seguradoras inventivas

As seguradoras devem evoluir rapidamente de produtos de tamanho único para oferecer experiências alinhadas às preferências específicas e individuais dos segurados. Enquanto as BigTechs estão coletando dados em tempo real por meio de assistentes de voz, dispositivos de vestíveis e outros dispositivos de IoT e chatbots interativos, apenas 38% das seguradoras capturam dados de dispositivos de IoT em tempo real e 33% de minas através de sistemas de suporte baseados no processamento de linguagem natural (por exemplo, chatbots).

O relatório conclui que, nesse novo cenário, as que obtiverem sucesso serão as “Seguradoras Inovadoras”, empresas que compreendem as necessidades e preferências dos clientes e que aproveitam os dados disponíveis do ecossistema para fornecer produtos personalizados e sensíveis ao tempo.

“O ambiente competitivo e em rápida mudança de hoje foi inexoravelmente alterado pela pandemia do Covid-19. A adoção digital entre gerações e o impacto sem precedentes da pandemia são razões convincentes pelas quais as seguradoras estabelecidas precisam transformar seus modelos operacionais”, disse Anirban Bose, CEO da Unidade de Negócios Estratégicos de Serviços Financeiros da Capgemini e membro do Conselho Executivo do Grupo. “O jogo final será se tornar a seguradora que oferece experiências hiper-personalizadas para poder competir de frente com a BigTechs. Tem que haver uma razão para os consumidores optarem por ficar com as seguradoras e a hiper-personalização pode ser essa a razão”.

“As seguradoras pioneiras em estratégias estratégicas estão intensificando a colaboração com empresas InsurTech maduras para desenvolver soluções inovadoras, pois, agora mais do que nunca, a experiência do cliente será o diferenciador para as que prosperarem no futuro”, disse John Berry, CEO da Efma.

(*1) As BigTechs são grandes empresas multinacionais de tecnologia, como Google, Amazon, Facebook, Apple, Alibaba etc.

(*2) Clientes da Geração X e mais antigos são clientes nascidos em 1980 ou antes.

(*3) Os pioneiros buscam informações ativamente por meio de análises online e consultam amigos/familiares antes de comprar um produto. Eles dão boas-vindas às novas ofertas de seguros e estão dispostos a pagar mais por uma excelente experiência de suporte pós-compra.

(*4) Os clientes curiosos são conhecedores das mídias sociais e procuram avaliações online, mas estão prontos para experimentar novos produtos e serviços extras em um prêmio apenas se perceberem valor ao fazê-lo.

(*5) Os experimentais não são muito ativos nas mídias sociais ou muito interessados na orientação de familiares/amigos, mas estão prontos para tentar novos produtos.

(*6) É improvável que os seguidores acessem informações de produtos/serviços de forma proativa, busquem críticas online, conselhos de familiares/amigos, tentem novos produtos ou paguem mais por serviços extras.

Metodologia do relatório

O Relatório Mundial sobre Seguros 2020 baseia-se em informações de duas fontes principais – a Pesquisa Global sobre Voz do Cliente em 2020 e as Entrevistas de Executivos em Seguros Globais em 2020. Esta pesquisa primária abrange insights de 32 mercados: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Colômbia, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Hong Kong, Hungria, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Marrocos, Holanda, Nigéria, Noruega, Filipinas, Portugal, Arábia Saudita, Cingapura, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

Pesquisa sobre Voz Global de Seguros do Cliente em 2020

A abrangente Pesquisa Voice of the Customer, administrada em janeiro e fevereiro de 2020, em colaboração com a Phronesis, entrevistou mais de 8.000 clientes de seguros em 22 países. A pesquisa procurou obter uma visão profunda do comportamento geral e das preferências do cliente e de como isso molda sua atitude em relação ao seguro. A pesquisa questionou os clientes sobre suas dimensões de personalidade, como estilo de vida, educação e trabalho, comportamento social, comportamento financeiro, preferências de compra e afinidade tecnológica; e comportamento de compra de seguros para suas preferências de produto, canal e horário. Também foram feitas perguntas aos participantes, cobrindo fatores que podem influenciar sua decisão de mudar de seguradora atual, o interesse em adotar novos modelos de seguro e a vontade de comprar apólices de seguradoras não tradicionais.

Entrevistas de executivos de seguros globais para 2020

O relatório também inclui informações de entrevistas de mais de 150 executivos seniores de seguros das principais companhias de seguros em 29 mercados. Esses mercados juntos representam as três regiões – Américas (América do Norte e América Latina), EMEA (Europa, Oriente Médio e África) e Ásia-Pacífico (incluindo o Japão).

Clique aqui e confira a pesquisa completa.

Lloyd’s of London estima pagar entre US$ 3 e US$ 4,3 bi em indenizações 742

Previsões globais de perdas seguradas de US$ 107 bilhões são semelhantes às perdas por catástrofes naturais em 2005

O Lloyd’s de Londres estima pagar entre US$ 3 bilhões e US$ 4,3 bilhões em pedidos de indenizações relacionadas à pandemia de coronavírus, valor semelhante às perdas dos ataques de 11 de setembro, informou no dia 14 de maio. As perdas globais com subscrição e investimentos podem atingir um recorde de US$ 203 bilhões em 2020, acrescentou.

A Zurich Insurance anunciou que espera US$ 750 milhões pela pandemia no segmento de seguros gerais (no life) neste ano. As seguradoras também perderam dinheiro devido à queda dos mercados financeiros, com perdas em investimentos que usam para pagar os sinistros relatados. “Acho que ninguém em nosso setor jamais viu os dois fatos acontecerem ao mesmo tempo”, disse à Reuters o presidente-executivo do Lloyd’s, John Neal. As perdas de investimento foram de US$ 96 bilhões.

As previsões globais de perdas seguradas de US$ 107 bilhões são semelhantes às perdas por catástrofes naturais em 2005, lideradas pelos furacões Katrina, Rita e Wilma e em 2017, incluindo os furacões Harvey, Irma e Maria, informou o Lloyd’s.

As estimativas do Lloyd’s não incluem seguro de vida e consideram medidas contínuas de distanciamento e lockdown em 2020, bem como uma queda no PIB global. A maior parte das perdas de seguros considera o cancelamento ou adiamento de grandes eventos em todo o mundo, incluindo as Olimpíadas, reclamações lucros cessantes e crédito comercial.

Neal disse que o setor de “Property” do Reino Unido representa menos de 2% do mercado dos negócios do Lloyd’s, acrescentando que “quaisquer reivindicações válidas devem ser pagas”.

As seguradoras de vida também estão sendo atingidas pela crise, principalmente porque as medidas de lockdown impedem que os agentes atendam aos clientes. A Prudential disse na quinta-feira que suas vendas no primeiro trimestre na Ásia caíram 24% e espera um segundo trimestre desafiador.

Mas a crise também cria oportunidades para novos produtos. O Lloyd’s está subscrevendo riscos de ensaios clínicos e está considerando o seguro de longo prazo após o evento para ajudar as empresas a se recuperarem de pandemias, incluindo o Covid-19.

É improvável que a sala de subscrição do Lloyd’s, que recebe quase 50 mil pessoas, seja aberto antes de agosto, disse Neal. Mas parte da equipe do Lloyd’s pode começar a retornar à torre da City de Londres em junho, acrescentou.

 

Por Denise Bueno, Jornalista especializada na indústria de seguros brasileira e internacional

IRB e AON criam nova ferramenta 586

Serviço promete medir exposição de seguradora à Covid-19

Os resseguradores IRB Brasil e Aon Resseguros estão lançando uma ferramenta que promete analisar a exposição do risco das carteiras de seguros de vida e habitacional das seguradoras e permitir que estimem tecnicamente possíveis perdas com sinistros. A análise também pretende viabilizar a formatação de produtos com coberturas de pandemias sob medida, de acordo com expectativas dos segurados.

A modelagem de risco de pandemia, como é chamada a ferramenta, é um modelo probabilístico que tenta quantificar o impacto da pandemia nas carteiras, com grande quantidade de informações.

Para isso, foram utilizados dados de países da Ásia e Europa, atingidos pelo coronavírus antes do Brasil, com ajustes à realidade da América Latina. Alimentada com dados de cada seguradora, a solução tenta fazer previsões de possíveis perdas com sinistros.

15 anos do Clube da Pedrinha RS: Competência marca gestão de Ana Maria Pinto e diretoria 2523

Ações de auxílio profissional, solidariedade e encontros reforçaram missão da entidade

Diretoria do Clube da Pedrinha (RS)
Ana Maria Pinto, presidente do Clube da Pedrinha RS, recebe os cumprimentos de Clovis Della Flora, executivo do Grupo Autosul e integrante da entidade, em 2018. Arquivo JRS

O Clube da Pedrinha do Rio Grande do Sul completa nesta terça-feira, 19, 15 anos de sua criação. A entidade se destaca por reunir e integrar profissionais da área de seguros, previdência e capitalização, além de gestores de entidades parceiras. Mais do que isso, os pedrinhas são especialistas qualificados e super envolvidos com o mercado em que atuam.

À frente da entidade nas gestões de 2018-2020, a presidente Ana Maria Pinto e sua diretoria marcaram o grupo por uma administração competente e comprometida. Sob a liderança da executiva, que também é Superintendente de Marketing do GBOEX, formada em administração de empresas e pós-graduada em marketing digital, o Clube realizou seus tradicionais encontros mensais, que proporcionaram orientações e atualizações de diferentes palestrantes e a troca entre os integrantes. “A sensação é de missão cumprida, de satisfação de ver o carinho dos integrantes do Clube conosco, do reconhecimento do nosso trabalho por parte de todos”, relata a presidente Ana, que conta com 26 anos de mercado de seguros.

Um dos destaques entre as ações realizadas ao longo da gestão é o Banco de Currículos, disponível no site do Clube. Com o apoio do Sindicato das Seguradoras do Estado (SindSeg RS), este espaço aberto ao público em geral e às empresas, auxilia profissionais a se recolocarem no mercado de trabalho. “Com o apoio da diretoria, realizamos um trabalho com muito comprometimento e seriedade. Exige dedicação por parte de todos, como tudo na nossa vida. E isto nós tivemos, Pedrinhas comprometidos e dedicados em prol das atividades e das relações que fortalecem o Clube da Pedrinha RS”, reforça.

O apoio jurídico, afim de auxiliar os sócios em qualquer dúvida, também é criação da gestão 2018-2020. Além disso, no período, R$ 3.244 foram arrecadados pelos pedrinhas e doado à Confrasol e outras instituições de solidariedade ao próximo, bem como outras ações sociais, como doação de lenços, acessórios de cabeça e cabelos para o Instituto da Mama (IMAMA) e arrecadação de alimentos, foram realizados.

A presidente salienta que o carinho e respeito com que todos são tratados entre os pedrinhas fez a diferença para uma atuação comprometida. “[Agradeço] aos Pedrinhas, aos Diretores que sem eles não seria possível esta gestão, cada um, em sua respectiva pasta, realizou um excelente trabalho. Agradecer as empresas e as entidades que nos apoiaram em nossas ações; agradecer a nossa imprensa, sempre muito atuante, destacando o Clube e suas atividades: a todos, fica o meu muito obrigada”, afirma.

Ana Maria entrega a presidência a advogada Suellen Farias, sócia da CJosias e Ferrer Advogados Associados, mas segue atuante na diretoria do Clube. “De curto prazo, conduzirei a realização das comemorações dos 15 anos do Clube durante todo o dia 19 de maio, bem como realizar a transmissão de posse para a nova presidente e sua diretoria, da qual também farei parte, junto ao Conselho de Ex-Presidentes, promovendo a integração do grupo. Clube permanecerá contando com um time muito bom de profissionais”, ressalta sobre seus planos futuros.

Ela ainda deixa mensagem especial para marcar os 15 anos. “Ao nosso Clube da Pedrinha desejamos muito mais anos de existência, sempre fiel a sua missão. Vida Longa a todos! Vida Longa Clube da Pedrinha RS! Parabéns! Que venham outros aniversários! Muito obrigada a todos, cada mensagem recebida ficará guardada em nossas memórias, como uma passagem muito linda frente ao Clube. Quem é Pedrinha sempre será Pedrinha”, finaliza.

Presidente do Sindsegrs fala sobre o mercado segurador 809

Guilherme Bini afirmou que as empresas já estão sentindo os impactos econômicos do cenário mundial de incertezas, mas que estão tomando medidas para manter seus clientes segurados

No último sábado (16), o Presidente do Sindicato das Seguradoras do RS (Sindseg-RS), Guilherme Bini, participou do programa Espaço Jurídico, comandado pelo Jornalista Gerson Anzzulin, na rádio Bandeirantes, falando sobre o comportamento do mercado de seguros em meio a pandemia do novo coronavírus.

Bini afirmou que as empresas já estão sentindo os impactos econômicos do cenário mundial de incertezas, mas que estão tomando medidas para manter seus clientes segurados. “Historicamente, o mercado segurador é um dos últimos a ser impactados e um dos primeiros que reage quando a situação normaliza. Vamos passar por mudanças inevitavelmente”, afirmou. Dentre as medidas que estão sendo tomadas estão a manutenção dos prêmios de 2019 e parcelamento em até 10 vezes. Para ele, este cenário deve se manter assim nos próximos dois meses, mas ressaltou que a cada semana o contexto todo é reavaliado.

O Presidente também comentou sobre a adoção do trabalho remoto por parte de todas as seguradoras, medida adotada para garantir a saúde dos colaboradores. “Passamos por três momentos distintos. O primeiro, foi quando deixamos o escritório e fomos para home office. Precisamos nos adaptar a este modelo diferente com a família também em casa. Agora, estamos em um segundo momento, em que já adaptamos nosso trabalho. Posteriormente, teremos uma retomada, mas que não será da mesma forma de como saímos”, garantiu.

As viagens, frequentes para ele, não devem voltar tão cedo, mesmo com a reabertura das matrizes e filiais. Porém, a relação com os corretores acabou ficando mais próxima, segundo ele. “Antes, víamos alguns profissionais uma vez por mês. Agora, temos contato muito mais frequente através de telefone, WhatsApp e videochamadas”, disse.

Bini destacou também que a procura pelo seguro não caiu nos últimos dias, mas houve uma mudança no consumo, com as pessoas procurando os produtos pelos meios digitais. “Os clientes devem voltar de uma forma diferente e nós, seguradoras, tendo que atender de outra forma. Foram mudanças muito radicais muito rápidas e tivemos que nos adaptar a isso”, concluiu.

Um exemplo citado pelo presidente desta nova realidade são as vistorias de automóveis feitas 100% através do mobile, com os segurados realizando suas próprias vistorias. O mesmo acontece com o seguro rural. Ouça a íntegra do programa no link abaixo.

www.sindsegrs.com.br/wp-content/uploads/2020/05/16MAIO-2020-ESPAÇO-JURIDICO-COMPLETO.mp3