Capitalização cresce 12% em sete meses, segundo FenaCap 876

Capitalização cresce 12% em sete meses, segundo FenaCap

Receita dos produtos atingiu R$ 13,6 bilhões entre janeiro e julho

O segmento de Títulos de Capitalização, produtos que conjugam soluções financeiras com sorteios, registrou uma receita de R$ 13,6 bilhões entre os meses de janeiro a julho. O valor representa um

Marcelo Farinha é presidente da FenaCap / Divulgação
Marcelo Farinha é presidente da FenaCap / Divulgação

crescimento de 12,7% em comparação com o mesmo período do ano passado. Os dados são Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), que representa as empresas de capitalização no Brasil.

O presidente da FenaCap, Marcelo Farinha, comentou a onda de crescimento do segmento: “O momento de baixa taxa de juros e a necessidade de criar uma reserva financeira para emergências, coloca os Títulos de Capitalização como um produto que impulsiona o planejamento financeiro de acordo com os objetivos dos consumidores”, analisa o executivo.

Reservas, prêmios e resgates

Ainda de acordo com os dados divulgados pela FenaCap, as reservas técnicas – que correspondem aos recursos de títulos de capitalização ativos – somaram R$ 30,5 bilhões, um crescimento de 4,0%, considerando o mesmo período do ano passado. Foram pagos R$ 671 milhões a clientes sorteados, e R$ 10 bilhões foram devolvidos sob forma de resgates antecipados e finais.

Títulos de capitalização: soluções para vários perfis de clientes

Instrumento de Garantia – Substitui a figura do fiador nas transações de aluguel de imóveis e serve de garantia para operações financeiras e  contratos de qualquer natureza.
Filantropia Premiável – O consumidor cede o direito de resgate da sua reserva para uma instituição filantrópica previamente credenciada pelas empresas de capitalização e participa de sorteios.
Popular – Permite que o consumidor adquira um título de valor acessível com direito ao resgate de até 50% do valor pago e concorra a muitos prêmios ao longo da vigência.
Tradicional – O objetivo dessa modalidade é a formação de uma reserva, de maneira programada, por um prazo previamente conhecido e valor pré-determinado. Dá direito a participar de sorteios e ao resgate de 100% do que foi pago, atualizado pela TR, ao fim do prazo de vigência.
Incentivo – Nessa modalidade, uma empresa de varejo, por exemplo, adquire uma série exclusiva de títulos e cede aos seus clientes o direito a participar de sorteios.
Compra Programada – Essa modalidade permite a acumulação mensal vinculada à aquisição de bens duráveis com sorteio de prêmios.

MEIs no Brasil podem solicitar nova linha de crédito 410

Confira as regras do pacote de linha de crédito e como isso pode ajudar no cenário econômico marcado pela pandemia

Caixa Econômica e SEBRAE se unem para dar condições especiais para microempreendedores brasileiros

A Caixa Econômica Federal (CEF) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) se uniram para ajudar os pequenos empresários que enfrentam problemas em função da crise econômica global provocada pelo novo coronavírus.

A parceria entre as duas entidades vai ampliar as operações de crédito para as MicroEmpresas Individuais (MEIs), com taxas mais baixas e prazos maiores.

A medida é para ajudar os empreendedores a driblarem os impactos da crise econômica provocada pelas medidas de contenção da covid-19 adotadas pelos governos municipais e estaduais.

Ajuda aos MEIs

Com o distanciamento social necessário para o achatamento da curva de disseminação da doença, que pode causar complicações e levar à morte, muitos pequenos negócios sofreram perdas significativas e estavam encontrando dificuldades em conseguir linhas de crédito.

De acordo com dados do Sebrae, cerca de 60% dos pedidos de crédito feitos por esses micros empreendedores são negados pelos bancos.

A negativa acontece porque essas instituições fazem rígidas exigências para que o empréstimo seja concedido e o empreendedor não consegue cumpri-las.

A CEF disponibilizou uma linha especial de crédito de R$ 7,5 bilhões para os MEI, disponibilizada pelo banco e garantida pelo Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

O Sebrae, responsável pelo fundo, irá destinar ao fundo 50% de sua arrecadação pelos próximos três meses, para fortalecê-lo.

Serão disponibilizados até R$ 12,5 mil para os MEI, com carência de até nove meses e juros de 1,59% e dois anos para o pagamento.

As Microempresas, por sua vez, terão acesso a até R$ 75 mil, com carência de 12 meses e juros de 1,39%, com prazo de até 30 meses para amortização.

Já as empresas de pequeno porte poderão conseguir empréstimos de até R$ 125 mil com a mesma carência de 12 meses, porém, com juros de 1,19% e prazo de 36 meses.

Quem pode solicitar o crédito

A nova linha de crédito especial está disponível para empreendimentos do setor de indústria, inclusive a agroindústria, comércio e serviços.

Podem fazer a solicitação MEIs, Microempresas e empresas de pequeno porte.

No entanto, há condições para a concessão: os empreendimentos precisam ter pelo menos 12 meses de faturamento e não ter nenhuma restrição de Cadastro de Pessoa Física (CPF) nem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

Como solicitar

O primeiro passo é assistir um vídeo de cinco minutos disponibilizado pelo portal do Sebrae . Para ter acesso a esse material é preciso ser cadastrado no site da instituição.

É um procedimento obrigatório para que o empreendedor possa fornecer dados para a CEF e dar sequência ao processo. Depois, é preciso aguardar 72h para a checagem dos dados e avançar na solicitação.

Em seguida, já é possível fazer um pré-cadastro pela internet ou ir a uma agência da Caixa. Será necessário ter em mãos os seguintes documentos:

CNPJ ativo e regular;

CPF ativo e regular de todos os sócios e representantes da empresa;

Contrato social e suas atualizações ou Certificado da Condição do Microempreendedor Individual (CCMEI);

Comprovante de endereço de sócios e representantes da empresa;

As MEIs devem encaminhar ainda o DASN-Smei com 12 meses de faturamento ininterruptos. As demais devem apresentar o extrato do

Simples Nacional com faturamentos de 12 meses ininterruptos.

A partir disso, a Caixa dará as informações necessárias para que o pedido seja concluído.

Outras medidas para auxiliar os MEIs

Além da linha de crédito, o governo federal também estendeu o prazo para o pagamento dos tributos federais do Simples Nacional por mais seis meses a contar da data de apuração.

O Comitê Gestor do Simples Nacional aprovou ainda a extensão dos prazos para o pagamento dos tributos estaduais e municipais para as micros e pequenas empresas.

Elas ganharam mais três meses para o pagamento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) e do Imposto sobre Serviços (ISS) apurados pelo Simples Nacional, com vencimento em abril, maio e junho de 2020. Portanto, os vencimentos agora serão em outubro, novembro e dezembro, respectivamente.

Para as MEIs, o prazo de estados e municípios será o mesmo dado pela União para os vencimentos no mesmo período: seis meses.

A entrega da entrega da Declaração Anual Simplificada para o Micro-Empreendedor Individual (DASN–Smei) também foi estendido, ficando para 30 de junho. Mesmo prazo oferecido para o pagamento da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN).

Por Experta media.

Hapvida espera estabilidade em sinistros em 2020 413

Empresa divulgou crescimento de quase 56% no resultado operacional medido pelo Ebitda, impulsionado por aquisições

A Reuters informou que a operadora de planos de saúde Hapvida espera que o nível de sinistralidade fique estável neste ano e não está vendo mudanças expressivas no nível de inadimplência dos clientes, apesar dos impactos da epidemia de Covid-19 sobre a economia.

A empresa divulgou na noite da véspera um crescimento de quase 56% no resultado operacional medido pelo Ebitda, impulsionado por aquisições que espera que continuem ampliando captura de sinergias nos próximos meses conforme implementa seu sistema de gestão.

“A expectativa é de estabilidade ao longo do ano de nossos níveis de sinistralidade, porque por um lado temos menos pressão de cirurgias eletivas agora, mas por outro estamos criando um backlog de cirurgias para o terceiro trimestre”, disse o presidente da Hapvida, Jorge Fontoura Koren de Lima, em teleconferência com analistas.

“Ao longo do tempo isso vai se diluir…de maneira que deve haver estabilidade no ano”, acrescentou. No primeiro trimestre, o índice de sinistralidade da operadora que abriu seu capital na bolsa há cerca de dois anos caiu 1,6 ponto percentual sobre o mesmo período de 2019, para 55,4%, excluindo o SUS.

As ações da Hapvida subiam mais de 3% às 14h20, enquanto o Ibovespa tinha valorização de 1,5%.

O executivo afirmou que a companhia, que já investiu cerca de 70 milhões de reais em ações para combate ao novo coronavírus, está vendo sinais de que o auge da pandemia esteja próximo, mas não deu detalhes.

“Já estamos vendo sinais de que isso pode estar acontecendo em algumas de nossas regiões de atuação. Estamos muito otimistas de que o evento pode estar em curva descendente e estamos discutindo planos de desmobilização de algumas praças”, disse Lima na teleconferência.

A Hapvida tem atuação principalmente no Nordeste e nos Estados do Pará e Amazonas. A empresa tem feito aquisições e expandiu-se mais recentemente para o Sudeste, Centro-Oeste e Sul, ampliando presença física para 12 Estados.

A empresa encerrou o primeiro trimestre com 39 hospitais próprios e 2.754 leitos, ante 26 unidades hospitalares e 1.823 leitos em março de 2019. E o diretor financeiro, Bruno Cals de Oliveira, afirmou que atualmente a empresa dispõe de 3.090 leitos, dos quais 854 de UTI.

Cals afirmou durante a teleconferência que o reajuste médio a ser aplicado nos preços dos planos da empresa será de 8,8%, o que seria 3 a 4 pontos abaixo da média dos principais rivais da empresa, que vende planos corporativos e individuais.

Essa diferença, segundo o presidente da Hapvida, permitirá ao grupo manter postura comercial agressiva, conquistando participação de mercado em um momento em que o setor de medicina privada relata ociosidade por causa da crise, uma vez que cirurgias e outros procedimentos deixam de ser realizados com as pessoas com medo de se contaminarem com o vírus.

Questionado sobre os custos de internação de pacientes com Covid-19, Lima, que também chegou a ser contaminado pelo vírus, disse que os valores subiram para cerca de 10 mil reais ante quase 9 mil no início da epidemia. Ele afirmou, também sem dar detalhes, que a cifra cresceu com a “implementação de novos protocolos e opções terapêuticas que estão dando mais sobrevida” aos pacientes.

FenSeg: o atual momento do seguro rural no Brasil 452

“O dólar mais elevado ajuda na remuneração dos agricultores e também o setor de seguro rural”

Entrevista com Joaquim Neto, presidente da Comissão de Seguro Rural da FenSeg. Ele destaca que esse tipo de apólice é distribuída em áreas mais distantes dos grandes centros urbanos com menor concentração de pessoas. Em seu cotidiano, já tomam todos os cuidados com limpeza para desinfecção, como utilização de luvas e máscaras. “São rotina sanitárias comuns, até mesmo pela natureza de sua atividade. Por isso, acreditamos numa incidência reduzida de casos de Covid-19 e, com isso, não há paralisação da atividades no campo”, explica.

As carteiras de frutas, hortaliças e flores foram as mais impactadas por conta do fechamento de feiras livres, restaurantes e hotéis. Contudo, a produção de grãos teve aumento de safra com recordes. A maioria destes produtos é direcionada à exportação. Com o dólar mais elevado, isso ajuda a remuneração dos agricultores e também o setor de seguro rural.

“Quanto às contratações mais frequentes pelos agropecuaristas, há a soja para a safra de verão e o milho no inverno. São a seca e o excesso de chuvas que preocupam os agricultores”, finaliza Joaquim Neto. Para acessar a matéria que foi ao ar na Rádio CNSeg, basta acessar o link: http://radio.cnseg.org.br/radiocnseg/programas/conheca-os-seguros-gerais-perspectivas-seguro-rural-durante-pandemia-coronavirus/

Liberty Seguros: Movimento na vibe do Vida 425

Seguradora lançou campanha para mostrar de uma forma leve e cheia de energia positiva, que estar seguro é importante em todos os momentos

O movimento na vibe do Vida está no ar!

Algumas coisas a gente não prevê, não é mesmo? Por exemplo, o cenário que estamos vivendo, que requer atenção, cuidado e proteção.

Mas sabe o que pode nos deixar mais tranquilos? Um Seguro de Vida! Quem tem um Seguro de Vida está sempre na “vibe” para aproveitar o que a vida tem de melhor!

Por isso a Liberty Seguros lançou o movimento na vibe do Vida, que vai mostrar de uma forma leve, pra cima e cheia de energia positiva, que estar seguro é importante, vale a pena e a seguradora tem a melhor opção para cada tipo de cliente!

São diversos produtos desenhados para caber em cada perfil e qualquer bolso!

Por exemplo, você sabia que os seguros de Vida Liberty começam a partir de R$15,00 ao ano*? Além disso, os produtos contam com a Cobertura para Doenças Graves, que é a mais completa do mercado, com até 24 tipos de doenças*, inclusive com cobertura para a Covid-19 em todos os produtos*. E mais, os clientes podem estender as coberturas contratadas para cônjuge e filhos* e, se forem sortudos, podem ganhar prêmios com os sorteios mensais*!

Conheça os produtos:

Produtos Vida Individual

Liberty Vida Especial – Segurança completa para toda a família;

Liberty Vida Perfil – Para quem valoriza a qualidade de vida;

Liberty Vida Mais Tranquila – Proteção sem complicação, fácil contratação;

Liberty Acidentes Pessoais Individual – Tranquilidade contra uma série de imprevistos.

Produto Vida em Grupo

Liberty Pequena Empresa – Maior comodidade e segurança no dia a dia em caso de imprevistos;

Liberty Vida Global – Tranquilidade para empresas e colaboradores;

Liberty Prestamistas – Para garantir a quitação dos compromissos financeiros de seus clientes;

Liberty Massmarketing – Segurança e tranquilidade para os clientes das empresas;

Liberty Proteção Educacional – O auxílio para um ensino seguro.

E para reforçar esse movimento, a Liberty preparou uma série de ações. Confira:

Novos lançamentos de coberturas;

Melhorias no produto Vida Global;

Nova campanha de incentivo;

Playlist para cada momento da sua Vibe do Vida;

Treinamento de Mindfulness;

Treinamento online dos produtos individuais e em grupo;

Treinamento das ferramentas e iniciativas Liberty para aumentar seu potencial em vendas.

Presidente da Qualicorp anuncia auxílio financeiro para corretores 439

Bruno Blatt anunciou também uma nova operadora parceira no Rio de Janeiro

O presidente da Qualicorp, Bruno Blatt, anunciou grandes novidades da administradora de planos de saúde coletivos em entrevistas concedidas ao vivo nesta quinta e sexta-feira, 21 e 22 de maio.

Entre as novidades está a criação de um auxílio financeiro para corretores parceiros impactados pelo novo coronavírus e que não tenham condições de trabalhar devido à doença. A iniciativa conta com investimento de R$ 2 milhões realizado pela Qualicorp e busca parceiros para expandir o projeto. Com o auxílio, os corretores que vierem a ser contaminados pelo Coronavírus e impossibilitados de realizar vendas receberão R$ 1 mil da Quali para minimizar a perda na renda.

“O corretor de planos de saúde é essencial para que a população tenha acesso à medicina privada. Ele é parte estrutural e precisa ser compreendido e valorizado nessa condição. Esse é o nosso jeito de pensar e trabalhar”, destacou o executivo.

Blatt também anunciou que a Assim é a mais nova operadora de saúde parceira da Qualicorp no Rio de Janeiro, o que contribuirá para aumentar as alternativas de planos de saúde oferecidas pela Companhia na região. Além disso, o presidente deu as boas-vindas ao executivo que acaba de se juntar ao quadro de colaboradores da empresa: Alessandro Courbassier, novo superintendente comercial responsável pelo Estado do Rio de Janeiro e pela região Sul. “Essa chegada marca também a regionalização das nossas atividades de vendas, com foco nas características do consumidor de cada praça”, afirmou.

Sobre os desafios do isolamento, Blatt afirmou que a Qualicorp já tinha planos de desenvolver uma operação cada vez mais digital, pensando inclusive na transição para o modelo de home Office, desde antes da pandemia. “Por que precisamos de um prédio de 15 andares se operamos com 100% de vendas digitais?”, destacando a ferramenta de comercialização online dos planos de saúde, que contribui para que, mesmo durante o momento de pandemia corretores, funcionários e clientes possam efetivar a contratação do plano de saúde sem sair de casa.

Segundo o executivo, a rápida adaptação ao home office só foi possível graças ao engajamento dos colaboradores e ao que chamou de “novo jeito Quali de ser”. “A prestação de serviços só se transforma se houver primeiro uma transformação interna. Vivemos um novo ciclo dentro da empresa: acabamos com hierarquias, adotando uma estrutura mais ágil, leve, colaborativa e participativa”, destacou.

Bruno Blatt detalhou, ainda, as principais iniciativas da Qualicorp em prol da sociedade para auxiliar no combate ao coronavírus. A Companhia, junto com outras empresas, está reformando cerca de 100 leitos na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. A empresa integra, também, um consórcio que construiu 200 leitos no hospital de campanha do Parque dos Atletas, no Rio de janeiro. Ambos atendem exclusivamente pacientes do Sistema único de Saúde (SUS).

A Qualicorp doou, ainda, três mil litros de álcool em gel às comunidades de Paraisópolis (SP) e no Vidigal (RJ), além de enviar unidades para funcionários e corretores parceiros. A empresa aderiu, também, ao movimento ‘Unidos Contra o Coronavírus’, contribuindo com a doação de 3 mil testes para profissionais da saúde pública que atuam combate à pandemia.

ExameTalks – Para a Exame, Blatt também abordou a importância das parcerias público-privadas, sobretudo durante a pandemia. “Esse apoio sempre existiu. Nós, na condição de empresas, temos um importante papel em relação à sociedade também, e estamos mostrando isso. Na minha opinião, esse movimento vai continuar, e não só por meio das doações que ficam como legado, como os leitos reformados em hospitais públicos. Fico muito satisfeito em integrar uma companhia que tem feito sua parte de forma brilhante. Essa proximidade foi essencial para ressignificarmos as relações”, disse.

Além disso, foi colocado em pauta o acesso de idosos à saúde privada. “Desenvolvemos marketplace para produtos e serviços modulares, que possam ser para toda a base, sem diferença para quem está nessa faixa etária. Temos o QualiViva, para gestão de doenças crônicas, de apoio à população com mais de 65 anos. Eles merecem toda a nossa atenção, e precisamos ser criativos para atender a essa dificuldade que existe no mercado. É uma missão para todo o setor”, opinou.

A mensagem final do presidente da Qualicorp, em ambas as participações, é de união e solidariedade. “Essa tragédia abala a todos nós. Devemos tentar canalizar energias para ações positivas. Se cuidar, fazer uma atividade mental ou física para nos fortalecer, repensar a relação familiar e dialogar com nossa família Deixo uma mensagem final de amor, para sairmos mais solidários e mais unidos dessa”, finalizou, garantindo que a Qualicorp continuará fazendo a sua parte.

Para assistir à entrevista na íntegra, basta acessar:

ExameTalks: https://youtu.be/WM14BVGphWg

Conheça as iniciativas da Qualicorp durante a pandemia:

Campanha #VaiPassar:

https://www.enquantonaopassa.com.br/

Portal Qualicorp Explica – Especial Coronavírus:

https://qualicorpexplica.com.br