Evento da CDL Porto Alegre discute como conectar negócios a propósitos 782

Evento da CDL Porto Alegre discute como conectar negócios a propósitos

Realizado nesta quarta-feira (25) no Teatro do CIEE, Zoom Propósito inspirou cerca de 300 participantes

A CDL Porto Alegre promoveu, nesta quarta-feira (25), no Teatro CIEE, o Zoom Propósito, reunindo especialistas em negócios que unem a vocação original de empresas às necessidades do mundo. Durante a abertura do evento, o presidente da CDL POA, Alcides Debus, usou o exemplo da própria Entidade para demonstrar a importância de se discutir um tema ainda pouco debatido no Brasil – e ressaltou o quanto é importante, mesmo às vésperas de completar 60 anos, a Entidade permanecer conectada ao seu propósito. “Este é um conceito muito falado em missões no Exterior, como na NRF, a maior feira mundial do varejo, em Nova Iorque. Aqui no Brasil, no entanto, ainda é considerado novidade para muitos empreendedores”, destacou.

Primeiro palestrante do evento, o designer para sustentabilidade André Carvalhal, autor de Moda com PropósitoViva o Fim e A Moda imita a Vida, iniciou sua fala explicando que a sociedade vive o fim de uma era. Para ele, as coisas que conhecemos desde que nascemos acabaram. A partir da tecnologia, o mundo se transformou – e, a este fenômeno, ele chamou “fim do mundo”.

O conceito, de acordo com Carvalhal, é positivo. “É quando muitas coisas perdem o sentido que outras precisam surgir”, disse. Para o autor, inúmeras novas necessidades surgiram neste novo mundo e tanto os empresários quanto os consumidores estão confusos em meio aos desafios. As pessoas estão repensando a própria existência – e isso se reflete no mercado.

Carvalhal apresentou dados de uma pesquisa que mostra que 71% dos brasileiros consomem produtos e serviços que geram identificações com seus valores, ideais e crenças. Essa pesquisa também indica que 91% das empresas deveriam dar a mesma importância para os negócios e para a sociedade em que estão inseridas. Por fim, o palestrante mostrou que 55% dos consumidores brasileiros estão dispostos a pagar mais por marcas que tenham propósito. Aliás, segundo Carvalhal, este percentual só não é maior porque o País está em meio a uma crise econômica.

Segundo palestrante da manhã, o diretor-executivo de Marketing do Grupo RBS, Marcelo Leite, ressaltou que o propósito representa a verdade das marcas. A apresentação de Leite detalhou as temáticas de propósito, propósito com lucro e mostrou o case do Grupo RBS. “O mercado exige movimento, diálogo, transparência e pluralidade. As réguas de exigência são transpostas com muita velocidade e isso tem um impacto brutal nas empresas, pois elas demoram mais para reagir. O papel da marca deve expressar o propósito para engajar o que ela representa”, explicou Leite.

Após o coffee break, foi a vez de a plateia conhecer a história de Camila Hauck, sócia-fundadora da Bendita Horta. Um negócio que existe em Porto Alegre há cinco anos e que foi criado a partir de uma conexão de valores entre vida pessoal e profissional. Com um propósito bem definido – ajudar a mudar o mundo através da alimentação –, a Bendita Horta é um polo de referência para alimentação saudável e saúde. Funciona como um degrau para o início de muitas novas marcas que entram neste mercado da alimentação consciente. Utilizando somente produtos orgânicos e auxiliando toda a cadeia produtiva, a empresa ajuda as pessoas a se alimentarem melhor, com expressivos resultados positivos de negócio. Hoje, com 30 funcionários, o empório e restaurante já se mudou de sede para conseguir abraçar toda a cadeia que movimenta.

As fundadoras da marca Criamigos, Natiele Krassmann Silveira e Verônicah Sella aproveitaram sua vez no palco para contar como suas histórias pessoais e profissionais se conectaram com a marca. Apresentadas ao negócio de criação de ursos de pelúcia em uma missão do Sebrae e da CDL Porto Alegre para a NRF, em Nova Iorque, as sócias estabeleceram como meta “espalhar amor em forma de pelúcia”. Com sede em Gramado, a Criamigos já conta com 10 franquias e se prepara para a abertura de uma loja no shopping Iguatemi, em Porto Alegre, ainda no mês de outubro.

Para encerrar o evento, Tobias Chanan, CEO e Co-fundador da Urban Farmcy, mostrou como funciona a sua proposta de transformação da cadeia alimentar, que vai do cultivo ao consumo. Chanan deu uma aula de como é poderoso o processo da alimentação e de como as pessoas ainda pensam pouco sobre isso. A Urban Farmcy funciona hoje em três frentes principais: a Farmacy Kitchen, um restaurante responsável por criar receitas nutritivas que possam substituir o massivo consumo de carnes; as fazendas urbanas, em que, por meio da produção de alimentos em pequenos espaços, cria espaços complementares à agricultura tradicional; e, por fim, a Farmcy Academy, em que, por meio da educação, a empresa apresenta uma plataforma que leva informação responsável e de qualidade.

Ao final do evento, um grande painel exibiu as respostas dos convidados à frase instigante “diga o seu propósito em uma palavra”. Foram citadas de forma mais expressiva: sucesso, gentileza, afeto, transparência, estratégia, saúde, segurança, fortaleza, família e pessoas. As palavras fecharam o ciclo de conhecimento proposto pela CDL POA para inspirar os convidados na caminhada do empreendedorismo com propósito e mais resultados.

Bradesco Seguros orienta: “Moro em apartamento. Devo investir em um seguro residencial?” 1045

Executivo da Bradesco Auto/RE esclarece dúvidas e apresenta informações sobre seguro residencial


Ney Dias, diretor da Bradesco Auto/RE.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre contratar ou não o seguro residencial para um apartamento por acreditar que os riscos são mais baixos nesse tipo de imóvel, principalmente em relação à ocorrência de roubos e furtos. Apesar de estar amparado pela estrutura do edifício e por um seguro do condomínio, afinal é necessário contratar seguro para um apartamento?

Segundo dados do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, o número de incêndios em edificações (residenciais, comerciais, públicos e privados) cresceu 10% entre 2017 e 2018 – de 7.416 casos para aproximadamente 8.165. Por sua vez, o Sindicato das Seguradoras do Rio revelou que o número de indenizações pagas por seguros residenciais até julho de 2019 aumentou 21% em relação ao mesmo período de 2018 em todo o Brasil. Esses dados só corroboram a necessidade de proteção ao imóvel.

Fato é que a ocorrência de algum evento inesperado no seu imóvel — seja ele próprio ou alugado — pode gerar perdas significativas. Além de oferecer uma boa relação custo x benefício para o segurado, se comparada a outras modalidades, o seguro residencial também possui uma variedade de assistências que simplificam a vida de quem contrata, como chaveiro, eletricista e encanador, por exemplo, na cobertura básica. Para esclarecer as principais dúvidas, Ney Dias, diretor-geral da Bradesco Auto/RE – empresa integrante do Grupo Bradesco Seguros –, explica como funciona o produto, esclarece as dúvidas e orienta sobre como adquirir uma proteção vantajosa para seu imóvel.

Patrimônio protegido: segurança e tranquilidade

O seguro residencial é uma opção para lidar melhor com imprevistos e proteger contra acidentes e danos causados, não somente à estrutura física do imóvel, que pode ser habitual ou de veraneio, mas também móveis, roupas, eletrodomésticos, entre outros bens. “O seguro pode ser contratado pelo proprietário ou pelo inquilino do imóvel. É possível contratar coberturas apenas para a residência, só para o que estiver dentro dela ou para ambos”, destaca Ney Dias.

A cobertura básica inclui proteção contra incêndio, queda de raio e explosão. Os planos também oferecem diversas coberturas adicionais, as principais são: danos elétricos, desmoronamento, despesas emergenciais, quebra de vidros, vendaval, roubo e furto, entre outros.

Moradia Temporária

Há casos em que o prejuízo causado ao imóvel impossibilita a permanência dos moradores no local. Neste momento conturbado, seja o segurado proprietário ou inquilino, ainda há preocupação adicional com custos para permanência em outro lugar temporariamente. Assim, em caso de interdição do imóvel segurado, a cobertura acessória para moradia temporária garante despesas como hospedagem e aluguel que o segurado tenha que arcar nesse período.

Cobertura envolvendo terceiros

Outro ponto importante que deve ser observado é cobertura de Responsabilidade Civil Familiar (RCF), que contempla ocorrências envolvendo terceiros. “Se a reforma que você realizou no seu apartamento afetou a casa do vizinho ou se uma planta cai da sua varanda e atinge uma pessoa, se o seu cachorro morde alguém, você pode ficar despreocupado, pois se você contratou esta cobertura, logo, estará protegido das consequências desses episódios”, explica Ney Dias. Estes são exemplos de danos involuntários, corporais ou materiais, causados a terceiros pelo segurado ou por menores de idade sob sua responsabilidade que estão previstos neste tipo de cobertura.

Por fim, é importante não confundir o seguro residencial do apartamento com o seguro de condomínio. No Brasil, por exigência legal, é obrigatório que edifícios possuam seguro de condomínio, que ofereça, no mínimo, proteção contra incêndio ou destruição, parcial ou total. “A maior aceitação do seguro residencial está relacionada à conscientização das pessoas sobre a necessidade de garantir proteção a um dos patrimônios mais importantes que alguém pode conquistar em vida, que é a residência e os seus bens. Esse tipo de seguro oferece diversos benefícios, adequados aos mais variados perfis de clientes”, conclui.

Indenizações do seguro educacional superam R$1 mi no primeiro trimestre de 2020 no RS 1043

Desemprego involuntário, coberto pela modalidade, é a principal causa de sinistros

Nos primeiros três meses de 2020, os sinistros do seguro educacional no Rio Grande do Sul chegaram a R$ 1.651.373, superando com folga os R$ 613.260 de igual período de 2019. “A pandemia do novo coronavírus explica também o desempenho da modalidade. Houve aumento significativo no desemprego involuntário, modalidade coberta pelo seguro, o que resultou num avanço da sinistralidade. Ainda não temos dados concretos da cobertura por morte do responsável financeiro”, destaca o presidente do Sindicato das Seguradoras do RS (SINDSEGRS), Guilherme Bini. O dirigente ressalta que esta modalidade é importante tanto para instituições de ensino quanto para famílias. “O seguro educacional é uma ferramenta muito importante, pois garante para a família que o aluno não precisará deixar a instituição de ensino no caso de impossibilidade de pagamento das mensalidades e dá segurança para as escolas, que não perdem a renda”, explica. Bini destaca ainda que mesmo constando a cláusula de exclusão de pandemia, muitas seguradoras estão indenizando a Morte do Responsável Financeiro do aluno nesta modalidade também, idem aos seguros Individuais e Empresariais Coletivos.

O seguro educacional é oferecido por algumas instituições de ensino e nele estão cobertos a morte do responsável financeiro pelo aluno, invalidez total ou parcial por acidente e a perda de renda do responsável financeiro, o próprio aluno também possui cobertura (dependendo da forma que a apólice foi contratada). No caso de sinistro em decorrência da cobertura básica (Morte do Responsável Financeiro), as apólices costumam cobrir custos de Matrícula, Material Escolar, Repetência, Formatura, Pré Vestibular. Para o caso de Desemprego Involuntário pode ser disponibilizada até mesmo Assistência de Recolocação Profissional. “Na cobertura de Perda de Renda existe uma carência inicial que pode variar entre as seguradoras, mas podendo chegar a 90 dias. Para trabalhador CLT, o mesmo precisa ter comprovação em carteira de 12 meses ininterruptos e o período de indenização pode variar de 03 a 06 meses, dependendo da contratação realizada pela instituição”, salienta o presidente do Sindicato. Para saber se existe alguma cobertura contratada é necessário consultar a instituição de ensino

Pandemia: Bradesco Saúde desenvolve material com dicas de proteção a gestantes e bebês 263

O material foi elaborado pela equipe médica da seguradora integrante do Grupo Bradesco

Para esclarecer dúvidas e ajudar a preservar a saúde de mamães e bebês durante a pandemia do coronavírus, a Bradesco Saúde disponibilizou no hotsite bradescosaude.com.br/coronavirus orientações que reforçam os cuidados necessários durante o período. Entre as recomendações, estão precauções como o uso de máscara ao amamentar, a importância de tocar o bebê sempre com as mãos limpas, manter distância segura entre o berço e a mãe, evitar visitas e tentar manter apenas um acompanhante.

O material também traz orientações para caso a mãe ou o bebê apresentem sintomas suspeitos e sobre a importância de seguir o calendário de vacinas. Os conteúdos foram elaborados pela equipe médica da seguradora, a partir de conteúdos técnicos de instituições de referência.

O material de divulgação da ação enfatiza que, até o momento, não existem evidências de que grávidas apresentem maior risco que o restante da população de desenvolver doença grave pelo Covid-19, nem de que o vírus seja transmitido pelo leite materno. Desta forma, as gestantes devem seguir os mesmos protocolos de segurança estipulados ao combate à doença e continuar com acompanhamento médico pré-natal, mesmo as que forem infectadas pelo coronavírus. Uma central para orientação médica gratuita (0800 941 6361), com atendimento 24 horas, está disponível para casos de dúvidas. ​

TJ-SP acata ADI referente à lei de previdência complementar dos servidores públicos do Estado de São Paulo 913

Decisão Judicial determina que adesão automática à previdência complementar deve ser iniciativa do Executivo

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo acatou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) referente à Lei 16.675, de 13 de março de 2018, que instituiu a adesão automática dos servidores públicos do governo paulista aos planos de previdência complementar, administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom). A decisão foi lavrada em 28 de maio, declarando que a iniciativa de propor a lei deveria ter partido do Poder Executivo, não do Legislativo.
A adesão automática é um mecanismo já utilizado por outros entes federativos em seus planos de previdência complementar, como os destinados aos servidores da União, de Pernambuco, Rondônia, Distrito Federal e do município paulista de Guarulhos. O acesso ao benefício ganhou ainda mais relevância após a aprovação da Reforma da Previdência, que estabeleceu o teto do INSS de R$ 6.101,06, como limite para as aposentadorias dos servidores, igualando o valor ao dos trabalhadores da iniciativa privada.
A implantação do Regime de Previdência Complementar visa dar aos funcionários públicos indicativos para projetarem, já a partir da entrada em exercício, de qual será o valor do benefício de aposentadoria. O caráter facultativo, mencionado na decisão do TJ-SP, se mantém preservado e é garantido pelas normas previstas no texto legal. Após a inscrição automática, o funcionário tem prazo de 90 dias para optar por permanecer ou não no plano. Neste período de três meses, esta decisão pode ser tomada de forma consciente, após analisar todas as informações fornecidas sobre o novo benefício de previdência complementar. No caso de cancelamento, é assegurada a restituição integral das contribuições em valores corrigidos.

Rede Lojacorr fecha maio com crescimento de 24% 1239

21 novas corretoras entraram na Rede em maio.

A Rede Lojacorr fechou maio de 2020 com crescimento de 24% no comparativo ao mesmo mês do ano passado. Foram mais de R$ 61 milhões de produção: Seguros R$ 52 milhões (+14%), Consórcios R$ 5 milhões (+94%) e Demais Segmentos R$ 3 milhões (+573%).

De acordo com o diretor comercial da Rede, Geniomar Pereira, 3,5 mil documentos a mais foram protocolados, comparando-se a maio de 2019, sendo que 37 unidades da Rede cresceram, com destaques para Vale do Aço, Sul de Minas, Campinas, Campos Gerais, Curitiba, Mato Grosso, Belém, Pernambuco, Vitória da Conquista e Salvador. Além disso, 90% entre as 10 principais companhias parceiras também tiveram êxito, entre elas: Alfa, SulAmérica, Bradesco, Mitsui, HDI e Sompo.

Das corretoras, 70% obtiveram aumento de produção, com destaque para Ouroseg, Opipari, SACS, Silveira, LDS, Afirmativa, A3 MG e Rosa Tavares. Todos os principais ramos comercializados aumentaram, entre eles Vida 102%, Saúde 68%, Transportes 52%, RD Equipamentos 50%, Rural 46% e Empresarial 20%. Além disso, as quatro Regionais do país tiveram novas entradas de corretoras, totalizando 21 novas corretoras de seguros. “Crescer dois dígitos nesta fase tão complicada, é um grande feito perante ao mercado de seguros. Obtivemos uma performance sensacional que comprova a força da Rede”, afirma Pereira.

A Lojacorr registrou, ainda, um crescimento da venda dos Planos de Consórcios de 94%. “Resultado muito acima da média do segmento e, em números absolutos, tornou-se a 2ª melhor performance desde o início da operação”, acrescenta o gestor.