CVG RS homenageia Jota Carvalho, fundador do JRS 2518

Momento aconteceu durante noite de premiação na sexta, 27

Um dos eventos mais esperados pelo mercado segurador, a Festa dos Destaques do Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG RS), homenageou o fundador do JRS, Jota Carvalho. A premiação aconteceu na última sexta-feira (27), na Associação Leopoldina Juvenil, em Porto Alegre.

Carvalho nos deixou no final de agosto e teve uma vida dedicada ao desenvolvimento do setor de seguros no Brasil. “Confesso que podermos fazer uma homenagem a Jota Carvalho me emociona bastante, orei muito para não me emocionar e conseguir controlar a emoção, porque na verdade eu não queria trabalhar na primeira pessoa, mas eu sou muito grata a ele porque a minha carreira foi impulsionada por ele”, contou a presidente do CVG RS, Andreia Araújo. “Tudo que envolvia o Carvalho sempre foi muito genuíno e gratuito. Por algum motivo ele me impulsionou e impulsionou outras pessoas e seremos eternamente gratos, pois como eu falei, é um grande amigo nosso nessa vida e com certeza em outras também”, acrescentou.

Tanto a diretoria do Grupo JRS, quanto seus profissionais, além dos familiares de Carvalho agradecem aos integrantes do CVG RS, organizadora da homenagem e deste nobre evento.

Solange Vieira pode ser a próxima presidente do Banco do Brasil 1475

Superintendente da Susep está entre os cinco nomes cotados para assumir o cargo

De acordo com a CNN Brasil, a superintendente da Susep, Solange Vieira, está cotada para assumir a presidência do Banco do Brasil. A vaga está em aberto desde que Rubem Novaes renunciou ao cargo na última sexta-feira (24).

“A indicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, é de que o próximo presidente do BB será alguém com um perfil “mais dinâmico e mais jovem” que Novaes, de forma a atender as mudanças e inovações do setor financeiro”, afirma a publicação.

Solange Vieira está à frente da Susep desde 2019. Outros nomes cotados são o presidente do Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Marcelo Serfaty, e três integrantes do staff do próprio Banco do Brasil: o vice-presidente VP Corporativo, Mauro Ribeiro Neto, o VP de Gestão Financeira e Relação com Investidores, Carlos Hamilton, e o atual presidente do Conselho de Administração, Hélio Magalhães.

Neo Executiva reestrutura processos com foco na inovação ao cliente 4471

Corretora de 11 anos conta com atuação nacional

A Neo Executiva está aproveitando, em todas as nuances possíveis a uma corretora do segmento, as novas oportunidades que se abrem em decorrência dos hábitos que vêm surgindo durante o distanciamento social, provocado pela pandemia do coronavírus. Por exemplo: o home office facilitou, de forma indireta, o pessoal da empresa a redesenhar as estruturas internas e a modernizar os processos de trabalho. Estando em isolamento social e resguardados, gestores e colaboradores passaram a pensar, em casa, na renovação dos fluxos da corretora.

Além disso, os temores e incertezas decorrentes da covid-19 mudaram o perfil do consumidor, no que diz respeito à percepção dele quanto à importância do seguro de vida para as famílias. E isso foi captado pela Neo Executiva, a qual, a partir dessa constatação, passou a deslanchar um projeto de inovação na prestação de serviços da empresa. “Inovação está presente em cada pensamento, em cada atitude, em cada projeto. Indico essa palavra como símbolo do momento da Neo, no sentido de fazer mais e melhor neste novo cenário. A empresa precisa transformar as novas demandas em entregas, as quais serão possíveis investindo em inovação”, destacam os diretores Julia Fetter Bueno e Luis Henrique Bueno.

O processo já começou, a partir do momento em que a Neo Executiva está fortificando a marca nas plataformas online e passou a atuar cada vez mais em vendas digitais. Em razão da pandemia, o digital se fortaleceu na empresa. “O distanciamento social foi muito duro para a área comercial, dado o perfil da diretoria e das equipes, que sempre gostaram do contato pessoal, do trabalho presencial, do aperto de mão a clientes e parceiros que trabalham nas seguradoras. As próprias viagens às filiais da corretora são motivo de saudades”, relata Julia, que enfatiza também que a adaptação ao trabalho remoto está ocorrendo de forma proativa e, inclusive, gerando frutos.

Os diretores anunciam que, em breve, todos os produtos oferecidos pela Neo Executiva vão estar disponíveis para vendas online. Esta ação responde à nova percepção de que o consumidor passou a ter a respeito do seguro de vida, que é “a coluna vertebral, a raiz das atividades da Neo”, mesmo esta sendo uma corretora plena.

“Sempre foi o tendão de Aquiles, o pouco valor que o consumidor dava ao seguro de vida. Mas isso está mudando como efeito da pandemia. As pessoas estão pesquisando mais sobre seguros de pessoas. Ainda isso não se converteu 100% em compras. Mas essa nova mentalidade das pessoas precisa entrar no radar do corretor de seguros, que tem que ter essa sacada de transformar o cenário de temor e incerteza em oportunidades”, afirmam. “Cabe ao corretor de seguros instigar o cliente a transformar este medo em atitude. E a atitude a ser buscada é o proteger, o recorrer ao seguro de vida como forma de proteger a família e o patrimônio das pessoas”, complementam.

A Neo Executiva foi fundada em 2009, em Porto Alegre, estando expandida hoje para filiais em São Paulo, Florianópolis, Recife e Maceió. A empresa se especializou em seguro de pessoas, trabalhando com foco em apólices coletivas, em parceria com entidades de classe, como sindicatos, associações e cooperativas. A nova fase, que está em momento avançado, vai digitalizar todos os processos de compras dos produtos da empresa, de modo a atender, de forma personalizada, os anseios dos clientes, cada vez mais exigentes.​

CAPEMISA chega aos 60 anos entre as seguradoras independentes mais rentáveis 802

Companhia viu crescer sua carteira de Vida, Previdência e Capitalização, com um aumento de 132% no resultado operacional dos últimos cinco anos

Nascida de uma história de dedicação e proteção à vida das pessoas há 60 anos, a CAPEMISA Seguradora chega ao mês do aniversário de sua fundação comemorando os resultados da atual gestão. Com a meta de estar entre as dez seguradoras independentes mais rentáveis até 2021, a companhia viu crescer sua carteira de Vida, Previdência e Capitalização, com um aumento de 132% no resultado operacional dos últimos cinco anos. Em 2019, a receita operacional da companhia chegou a R$ 374 milhões.

De lá para cá, o presidente Jorge Andrade e sua diretoria implementaram um planejamento estratégico, tático e orçamentário, que reduziu em 38% as despesas administrativas. A nova gestão também passou a envolver e valorizar os colaboradores neste processo de crescimento e investiu em tecnologia para melhorar a experiência dos corretores parceiros e clientes.

“Trouxemos transparência e uma gestão de orientação para resultados. Como uma seguradora especialista em Vida, nosso principal ativo são as pessoas que trabalham com a gente. Essa sensação de pertencimento contribuiu enormemente com todas as estratégias para construirmos um caminho de crescimento”, afirma Jorge Andrade, lembrando que este ano a empresa recebeu o selo conferido pela consultoria Great Place to Work. “Estimulamos essa cultura de desenvolver e capacitar nosso colaborador, de fazê-lo criar e pensar diferente em formas de contribuir para o nosso negócio – que também é dele, que ele que faz acontecer”, explica o presidente.

Parceria com o Corretor e Capitalização

Desde 2015, a companhia também vem se dedicando com especial atenção à força de vendas. Em meio à cultura de transformação digital, os processos de trabalho foram repensados para dar agilidade, flexibilidade e autonomia aos corretores. A companhia recentemente lançou a Central do Corretor e há novas entregas e previstas também para o Meu Portal CAPEMISA, o novo Portal de Clientes.

Em relação à estratégia de segmentação, Jorge Andrade explica que a companhia busca entender as necessidades do cliente para formatar o produto que ele precisa. “Esse cuidado faz com que tenhamos as soluções de Vida para pequenas e médias empresas com maior aceitação e volume de cobertura. Fazemos questão de entender do negócio para criar diferenciais de flexibilidade e inovação, empoderando o corretor”, diz ele.

Além do PME, a companhia passou a apostar na comercialização de Títulos de Capitalização, consolidando-se neste ramo, principalmente após novo marco regulatório, que instituiu a modalidade de filantropia premiável. A CAPEMISA Capitalização, controlada da CAPEMISA Seguradora, arrecadou R$ 426 milhões, em 2019, contribuindo para a melhora no resultado da sua controladora.

A CAPEMISA também voltou a atuar com assistência financeira para funcionários públicos e militares das Forças Armadas, dentre outros.

Investimentos em Tecnologia

Os investimentos em tecnologia garantiram cotadores e processos digitais mais ágeis aos corretores. Outras entregas ainda estão por vir, como a assinatura digital, implantação, endosso e renovação onlines, negociação de inadimplência, aviso de sinistros. Todo o relacionamento com clientes e corretores será feito com um clique, preservando a mesma qualidade no atendimento.

Dentro de casa, a empresa investiu na implementação de um sistema de soluções que permitem ao colaborador trabalhar remotamente, já que todos os dados e arquivos estão na nuvem. Durante a pandemia, essas iniciativas garantiram o pleno desenvolvimento do negócio e vão permitir também que a CAPEMISA adote permanentemente o modelo de Home Office, sem qualquer prejuízo às operações.

“Conseguimos manter a continuidade do negócio porque nos preparamos para isso. O planejamento estratégico, tático e orçamentário tem feito grande diferença desde que assumimos, em 2015. Continuaremos nos estruturando para o crescimento dos negócios e melhor experiência dos nossos mais de 2 milhões de clientes, sobretudo com investimentos em tecnologia e inovação”, afirma Jorge Andrade.

Compromisso social

A CAPEMISA Seguradora contribui para a assistência de crianças e idosos em vulnerabilidade social por meio do trabalho realizado pelo Lar Fabiano de Cristo. Atualmente são 49 unidades e instituições parceiras em todo o Brasil, beneficiando mais de 50 mil pessoas.

Com o apoio da Icatu Seguros, peça “Tudo que eu queria te dizer” será transmitida de forma online em agosto 1098

Iniciativa é estrelada pela Ana Beatriz Nogueira

Inspirada no livro homônimo de Martha Medeiros, a peça “Tudo que eu queria te dizer”, estrelada por Ana Beatriz Nogueira, entrará novamente em cartaz. O formato agora é especial: o monólogo será transmitido ao vivo pela plataforma Zoom, durante todos os sábados de agosto, às 18h. Com apoio da Icatu Seguros, a iniciativa é uma forma de valorizar a cultura e o teatro, que passam por um momento delicado devido à pandemia do novo coronavírus e ao mesmo tempo levar entretenimento de qualidade e de forma segura ao público.

Através de cinco cartas fictícias retiradas do livro de Martha Medeiros, Ana Beatriz dá luz às histórias e inquietações de mulheres como Renata, Andressa, Clô, Dirce, Clarissa e Ester. As cartas refletem os dilemas particulares de cada uma dessas personagens, que fazem o público se emocionar, refletir, rir e se reconhecer em várias situações. O espetáculo, intimista por ser um monólogo, é encenado na própria casa da atriz, que completa 35 anos de carreira esse ano.

Para estimular a interação, o público poderá enviar perguntas para Ana Beatriz no chat do Zoom, no dia da transmissão da peça, que serão respondidas pela atriz ao fim do espetáculo.

“A ideia de transmitir a peça em formato streaming é uma novidade bem recebida nesse cenário de distanciamento social, mas também é uma ótima saída para a democratização da cultura, independente do momento em que vivemos, fazendo com que o teatro chegue a todos os lugares, com valores acessíveis”, afirma Ana Beatriz. Os ingressos serão vendidos diretamente no site da Sympla e parte da arrecadação das vendas será doada para o Retiro dos Artistas.

Ao longo de 28 anos, a Icatu Seguros desenvolveu um histórico de apoios e patrocínios que mostram sua ligação com a cultura brasileira, através de projetos que valorizam a preservação da memória e da identidade cultural do país. Peças teatrais, shows, livros e documentários são algumas das iniciativas que contaram com o apoio da seguradora.

“A Icatu acredita que a cultura e o conhecimento são agentes de mudança para a sociedade. Com este apoio queremos levar entretenimento de qualidade e de forma segura ao público, valorizando a arte brasileira“, conclui Rafael Caetano, diretor de Marketing da Icatu Seguros.

Tudo que eu queria te dizer

Elenco: Ana Beatriz Nogueira
Direção: Victor Garcia Peralta
Texto: Martha Medeiros
Todos os sábados de agosto, às 18h
Duração: 40 minutos
Vendas pelo site: www.sympla.com.br

Zurich registra crescimento de 50% das vendas de apólices de cyber risks 1612

JRS entrevista com exclusividade Fernando Saccon, superintendente de Linhas Financeiras e Seguro Garantia da Zurich

O home office e o isolamento social característicos deste período de pandemia sublimou a importâncias dos seguros cibernéticos para as pessoas e empresas em geral. O crescimento da modalidade que já era perceptível dentro da indústria do seguro, desde 2018, agora se acentua para toda a população. O executivo Fernando Saccon, superintendente de Linhas Financeiras e Seguro Garantia da Zurich, destaca, em entrevista exclusiva, os serviços da companhia para proteger os segurados dos cyber risks.

JRS: Por que o período de pandemia acarretou o aumento do número de ataques cibernéticos?
Fernando Saccon: Nos últimos dois anos, o número de ataques cibernéticos teve um aumento exponencial em todo o mundo, em especial, no Brasil. Só em 2018, foram registrados 120,7 milhões de ataques relacionados ao Phising (e-mails maliciosos), o mais comum seguido das Fake News, segundo a PSafe, startup líder no desenvolvimento de aplicativos de segurança, performance e privacidade. Em 2019, este número de ataques cibernéticos chegou a 24 bilhões, uma média de 65 milhões por dia.

A pandemia impulsionou ainda mais o crescimento desses ataques, que têm se tornado cada vez mais frequentes, pois os hackers se aproveitam de um momento de vulnerabilidade das pessoas que estão executando seus trabalhos remotamente. O cidadão comum está mais vulnerável num momento como este.

No primeiro trimestre de 2020, foram registrados 1,6 bilhão de delitos, um grande aumento que ocorreu em março, mês em que foi decretada a quarentena. Além disso, a nova forma de trabalho remoto e descentralizado aumenta o risco de ocorrência de diversos tipos de ataques. Por isso, tomar as medidas certas pode minimizar o risco de você ser uma vítima e tornar a navegação pela internet muito mais segura.

Numa situação assim, como o seguro Zurich Proteção Digital pode auxiliar as empresas?
FS: A Zurich utiliza toda a sua expertise para avaliação dos riscos cibernéticos de seus clientes, entendendo-os nos mais diversos segmentos e propondo soluções, além de contar com serviços agregados e dando suporte a nossos clientes a lidarem com a um ataque cibernético, por exemplo. Pensando em todos os portes de empresas, a Zurich desenhou estratégias para que todos possam conhecer e ter acesso à ferramenta.

Começamos com grandes empresas, multinacionais e organizações, que já têm uma cultura de gerenciamento de riscos avançados dentro da sua governança e que estavam à procura desse tipo de proteção, muito em função de ocorrências de 2017. Temos o produto que atende essas grandes empresas de uma maneira bastante ampla, com preços e condições que podem variar bastante de acordo com o perfil de cada um. Vale destacar que temos solução para médias e pequenas empresas, as quais também têm demonstrado bastante interesse e preocupação com o assunto, pois também têm sido alvo de ataques cibernéticos.

Nos últimos meses, a companhia percebeu um aumento na contratação desse produto?
FS: A procura pelo seguro cyber foi potencializada após o período de quarentena, quando as empresas passaram a ser vítimas da escalada de crimes cibernéticos (sequestro e roubo de dados) por meio de “phishing campaigns” (ofertas encaminhadas por e-mail para roubar informações) e “ransomware” (software que restringe o acesso ao sistema infectado, que só é liberado após pagamento de resgate aos criminosos), ambos os mais recorrentes. A Zurich teve um resultado expressivo, com o crescimento de 50% das vendas de apólices para grandes, médias e pequenas empresas de diversos segmentos.

O corretor de seguros é o profissional dedicado a perceber a necessidade do cliente por determinadas contratações. Que dica você dá esses profissionais, para que estejam atentos a essa possível proteção ao seu segurado?
FS: O corretor é fundamental nesse processo de distribuição e multiplicação do conhecimento do produto. A dica que reforçamos é que busquem o conhecimento, temos muito material disponível e uma equipe comercial super preparada para ajudar no que for necessário. É um produto com muita oportunidade no mercado nacional e cujo interesse tem crescido bastante ao longo dos últimos anos, pois tornou-se uma preocupação recorrente das empresas e dos executivos que dirigem seus negócios.