Susep recepciona reunião da Comissão de Seguros do Mercosul 872

Susep recepciona reunião da Comissão de Seguros do Mercosul

Foram recebidos representantes do mercado segurador de Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) foi anfitriã de reunião da Comissão de Seguros do Mercosul realizada esta semana, no Rio de Janeiro. O Brasil, como presidente temporário da Comissão, recebeu representantes da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Durante três dias, foram discutidos temas de interesse comum aos países participantes. A Susep foi representada pela equipe da Assessoria de Estudos e Relações Institucionais da autarquia (Aseri).

Mais de 3 mil pessoas já votaram na Seguradora Destaque de 2020 4486

Mais de 3 mil pessoas já votaram na Seguradora Destaque de 2020

Levantamento acontece até o meio-dia de domingo; Vencedora será revelada no Troféu JRS Drive-In

Começou a última etapa das categorias onde o público elege os reconhecidos no 18º Troféu JRS. O evento acontece neste domingo (27), no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre, em formato Drive-In – completamente adaptado às recomendações dos órgãos de saúde para evitar a propagação do coronavírus.

Nas últimas semanas, os internautas escolheram Prestadora de Serviços e Corretora de Seguros Destaques do Ano em enquetes realizadas no site do JRS e hotsite do Troféu JRS. Agora, chegou a vez de conhecermos a Seguradora Destaque. A HDI Seguros conquistou o título nas três primeiras edições do levantamento realizado com o público, em 2016, 2017 e 2018. No ano passado, foi a vez da Bradesco Seguros. Mais de 3 mil pessoas já haviam votado no começo da manhã desta sexta-feira (25).

A votação vai até meio-dia, do dia 27 de setembro de 2020. Podem ser votadas quaisquer seguradoras devidamente autorizadas a operar pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). Para isso é muito simples, basta preencher o formulário da enquete com Nome, E-mail e avançar para a próxima etapa, onde será necessário escrever o nome da Seguradora que você deseja votar. Para enviar seu voto basta clicar em “Votar”. O sistema permite apenas um voto por e-mail válido.

Tutorial
Tutorial

Mais de 12 mil pessoas participaram da votação das Seguradoras em 2019. O resultado será anunciado no palco do Troféu JRS – Drive-In 2020.

O JRS ainda disponibilizou alguns materiais para facilitar o desenvolvimento de campanha por parte das empresas que estão na disputa. Confira nos links abaixo:

Logo do Troféu JRS – Verão Branca ou Vermelha (PDF)
Logo do Troféu JRS – Versão Branca (PNG)
Logo do Troféu JRS – Versão Vermelha (PNG)
Post para Instagram (PNG)
Post para Instagram (PNG)

Patrocinadores:

Ouro: Agrifoglio Vianna Advogados Associados, App Anjo, Bradesco Seguros, Capemisa Seguradora, Fracel Corrretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, Grupo Life Brasil, HDI Seguros, Icatu Seguros, MAG, Mapfre, Omint Saúde e Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, Seguros Sura e SulAmérica.
Prata: Caixa Seguradora, Caprice, GBOEX, Grupo Aspecir, Neo Executiva Corretora de Seguros, Porto Seguro, Sancor, União Seguradora, ViverBem e ZL Brasil Corretora de Seguros.
Bronze: Expermed, KSA Corretora de Seguros, MBM Seguro de Pessoas SINDSEG RS e Solaris Corretora de Seguros.

Serviço:

Votação – Seguradora Destaque 2020
Aberta ao público
Quando? Entre 20h, do dia 24, até meio-dia, do dia 27 de setembro de 2020.
Onde? Site do JRS e hotsite do Troféu JRS.

Trabalho remoto requer proteção e inovação no mercado segurador 669

Trabalho remoto requer proteção e inovação no mercado segurador

Coberturas especiais para atividade comercial na residência, contratos exclusivos para microempreendedores (MEI), investimentos em tecnologia e inovação são os diferenciais deste ‘novo normal’

A crise epidemiológica do novo coronavírus desencadeou uma dificuldade de mobilidade em todo o mundo. Diante de um momento tão desafiador, empresas precisaram adaptar suas dinâmicas de trabalho às medidas de isolamento social. Mas, afinal, é possível dar continuidade aos negócios de forma segura no formato home office?

Nos últimos meses, o protagonismo do home office traz luz à importância da proteção ao patrimônio. Com isso, o mercado segurador se prepara para mudanças tanto na forma de comercialização como também de produtos que atendam às novidades em riscos trazidas por funcionários trabalhando a distância. “No mercado, produtos como o Residencial Sob Medida, da Bradesco Auto/RE, ganham destaque, pois são moldados para coberturas de atividades comerciais na residência, seguros para equipamentos mais sofisticados instalados nas casas e seguro empresarial, com contratos exclusivos para microempreendedores (MEI). Além de extensão das proteções para máquinas, móveis, utensílios e mercadorias, desastres naturais – cada vez mais recorrentes nas grandes cidades brasileiras, entre outros”, destaca o diretor SaintCalir Lima, da Bradesco Auto/RE.

Mas não basta apenas oferecer proteção. O isolamento social também trouxe o desafio de manter o atendimento de excelência, ágil e eficaz no dia a dia com o cliente. Empresas tiveram que adequar seus produtos, aprimorar operações, digitalizar serviços e criar canais e recursos que atendessem à nova rotina do consumidor. “Investimos em tecnologia e pesquisa com objetivo de aprimorar a experiência de clientes com os produtos. Nos últimos meses, foram criados novos canais de atendimento, serviços e assistências emergenciais e, ainda, reestruturação de processos já existentes”, ressalta.

O seguro residencial é uma opção para lidar melhor com imprevistos e proteger contra acidentes e danos causados, não somente à estrutura física do imóvel, mas também ao seu conteúdo. A cobertura básica inclui proteção contra incêndio, queda de raio, explosão, impacto de veículos, tumultos, greves, recomposição de documentos pessoais e do imóvel. No entanto, é possível proteger a residência de outros riscos, entre eles, roubo, vendaval, furacão, ciclone, chuva de granizo, danos elétricos, vidros entre outros.
Apesar de ainda não ser possível adiantar como será o mercado no período pós-pandemia, uma mudança já é percebida. “As empresas vão precisar oferecer produtos e serviços cada vez mais personalizáveis, de acordo com perfil e necessidade de cada pessoa. Há o entendimento de que o consumidor percebe ainda mais a necessidade de uma proteção maior oferecida pelo seguro”, conclui.

Icatu Seguros reúne gestores de fundos diversificados para discutir o cenário atual e tirar dúvidas de clientes de Previdência 992

Luciano Snel é presidente da Icatu Seguros / Arquivo JRS

Companhia realizou tradicional Encontro com Gestores, na última quarta (22)

O brasileiro vive uma dúvida bastante comum neste momento, em um cenário econômico de juros baixos e incertezas: como investir seus recursos para ter mais rentabilidade a longo prazo? A diversificação da carteira de ativos foi uma das sugestões trazidas por gestores das mais renomadas assets do país no tradicional Encontro com Gestores, realizado pela Icatu Seguros, na manhã da última quarta-feira, dia 22.

Em formato virtual, o evento contou com a abertura do presidente da seguradora, Luciano Snel, e foi mediado pela jornalista Natuza Nery, especializada na cobertura econômica. Esta foi uma oportunidade de o público se conscientizar sobre a importância do planejamento financeiro e entender e sanar dúvidas sobre perfis e novas e diversificadas formas de investimentos, sobretudo de longo prazo. Participaram da edição 2020 o economista Mário Torós da Ibiuna e gestores de investimentos como Antonio Coutinho Correa, da Icatu Vanguarda; Pierre Jadoul da ARX; Arturo Profili, da Capitânia; Sérgio Luiz da Silva, da AZ Quest; Damont Carvalho, da Clarita; Duda Rocha, da Occam; Marcelo Mesquita, do Leblon Equities; Felipe Campos, da Navi; Pedro Sales, da Verde Asset Management. Os temas debatidos foram cenário econômico, multimercado, renda fixa e variável.

Como um marketplace de Previdência e a maior diversidade de fundos da indústria, a Icatu Seguros realiza este encontro com o objetivo de democratizar o acesso e desmistificar o investimento, salientando que há oportunidades adequadas para todo tipo de público. Durante a abertura, Snel comentou a fragilidade e vulnerabilidade do do momento atual, em função dos impactos da pandemia, que despertam o brasileiro para uma atenção mais especial à proteção e planejamento do seu futuro e de suas famílias.

“O propósito da Icatu é assistir e proteger as pessoas em todas as fases da sua vida”, disse o executivo, destacando a importância de dar acesso à informação. “Investimos em nossos canais digitais para ampliar a comunicação com o público e torná-la cada vez mais próxima do nosso cliente. Nosso portal de APIs, outra ferramenta fundamental para atender a todos os perfis de investidores, permite que tenhamos parceiros variados, um portfólio completo e preços acessíveis”, explicou Snel.

Painéis com formas diversificadas de investimentos

O painel sobre renda fixa esclareceu dúvidas de clientes em relação à taxa Selic na mínima histórica e títulos públicos com pouco retorno. Os gestores convidados citaram países desenvolvidos que, mesmo em cenário de juros baixos, têm a renda fixa e o CDI como ativos em alta. Os gestores também explicaram sobre investimentos com um nível maior de risco, como multimercado e ações, o que diminui a sensação de conforto causada pelo CDI, reforçando a estratégia de construção de uma carteira de produtos diversificada, sobretudo para equilibrar períodos de instabilidade econômica.

Já no segundo painel, que tratou de fundos multimercado, foram debatidos métodos de superação da atual crise e seu impacto no mundo. Os convidados trouxeram alguns pontos de influência no mercado, desde o risco de reinfecção e novos bloqueios na Europa, passando pela retomada dos blocos econômicos globais, fortalecimento do dólar, eleições norte-americana e suas consequências para a Ásia. Sobre o Brasil, os convidados acreditam que ‘o pior já passou’, mas apontam a necessidade de foco nos ajustes fiscais e acompanhamento dos avanços das políticas sociais.

Os gestores também sinalizaram sobre o momento de recuperação econômica, com melhor resultado da bolsa de valores, inclusive com oportunidades de investimentos em empresas tidas como mais baratas e que vêm se transformando e crescendo com projetos globais. Em um último painel, os participantes avaliam que os efeitos da crise ainda devem perdurar por alguns anos, mas transmitiram um olhar otimista, de que a recuperação será gradual e constante como já vem ocorrendo.

Para o economista Mário Torós, os juros não ficarão em 2% por muito tempo, trazendo um cenário econômico mais estável. Ele reforçou que as discussões sobre a proteção ambiental no Brasil e a pressão estrangeira diante disto são relevantes para o mercado financeiro e para o fortalecimento da imagem do país frente e impacto em potenciais investimentos futuros.

Como a telemetria vai conectar o transporte de cargas após a pandemia? 109

Como a telemetria vai conectar o transporte de cargas após a pandemia?

Confira artigo de Alexandre Fagundes, Gerente de Produtos e Marketing da MiX Telematics Brasil

A pandemia trouxe muitas transformações tecnológicas e comportamentais para o mercado global. O que esperávamos que acontecesse em meses ou alguns anos, precisou ser adiantado rapidamente, em função da mudança brusca que sofremos.

Essa aceleração digital está sendo extremamente importante para o mercado de tecnologia em transporte de cargas e logística, não só no Brasil, mas no mundo todo. No caso da gestão de frotas, creio fortemente que a tendência, no transporte, é usar a telemetria para se tornar mais competitivo; só sobreviverão os que forem mais eficientes e competitivos, ou seja, quem realmente criar soluções para resolver as dores dos clientes nesse novo mundo e também quem pensar em reduzir impactos das operações no meio ambiente.

Dados

Hoje em dia estamos imersos em um mar de dados. O que os clientes precisam, no entanto, são informações e, mais ainda, ferramentas de decisão. No caso da telemetria, os veículos trazem um volume imenso de dados e o desafio da telemetria é ser essa ponte que transforma os dados em informações e, a partir destas, criar ferramentas de gestão.

Ao mesmo tempo, a evolução exponencial das soluções de imagem e vídeo com inteligência artificial traz uma nova dimensão de informações para um grande avanço. Por enquanto, o foco é na segurança com soluções de monitoramento, como fadiga e distração do motorista, e da estrada, como distância de segmento e proximidade de veículos.

Mas já há iniciativas para analisar os passageiros dos veículos (uso de máscaras e distanciamento social), identificação do motorista e passageiros (biometria facial), e, no futuro, vejo que as imagens permitirão a confirmação de visitas a clientes, alturas de pontes, condições das estradas, ou seja, muitas novidades estão se aproximando com uma velocidade incrível.

Com a entrada do 5G, aumentará ainda mais a capacidade de transmissão de dados e a Internet das Coisas (IoT) abrirão possibilidades de integrar muitos sensores. Assim, a telemetria pode ser o canal para enviar esses dados para os clientes.

Segmentos

É claro que é a tecnologia beneficia todos os segmentos; sem ela, nesse momento, a vida teria sido bem difícil. Porém, vemos que algumas áreas se beneficiarão mais do mundo pós pandemia. É o caso do setor de delivery e entregas rápidas e locação de veículos on demand.

O agronegócio também foi muito beneficiado, tanto que o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê alta de 2,5% no PIB do setor agropecuário, em 2020. Inclusive, o setor vem investindo pesado em IoT e já está usando soluções para a rastreabilidade de todos os processos, desde o plantio, colheita, transporte e produção dos produtos finais.

Por outro lado, infelizmente, a estrutura de telecomunicações na América Latina ainda é deficitária, mas o 5G e as novas tecnologias abrirão espaço para cobrir esse hiato e atender operações, mesmo em áreas remotas.

Transporte de cargas

No mundo pós pandemia, o foco em coibir o roubo não é mais o diferencial, na gestão de frotas, tanto no Brasil, como em qualquer outro país.

As empresas querem ser mais eficientes que seus concorrentes, ou seja, precisam ter certeza de que estão usando os veículos corretos para a operação, que motoristas estão operando da forma mais eficiente possível, planejar o uso da frota para reduzir gastos desnecessários e o uso da mão de obra para reduzir custos de horas extras e contratações desnecessárias, além de reduzir a exposição dos funcionários ao risco.

A tolerância quanto à exposição ao risco de acidentes não é mais possível. Isso porque comportamentos de riscos nos condutores, para agilizar a logística, como era feito no passado, custa muito caro e, quem segue por esse caminho, não sobreviverá no mercado.

Por outro lado, sobrevive quem planeja bem, monitora operação de forma eficiente e promove funcionários que trazem os melhores resultados. Ainda assim, é necessário revisar constantemente estratégias, buscando sempre novas tecnologias e melhorando processos para obter melhores resultados.

Transporte de passageiros

Esse é um dos setores mais afetados pela pandemia. O que antes era consenso, de que cidades só se tornariam viáveis com investimento no transporte público, começou a ser questionado devido à exposição das pessoas à contaminação.

Mas a tecnologia vem para ajudar; inclusive, normativas de distanciamento social e uso de máscaras podem ser monitorados por meio de tecnologias de vídeo e imagem. Por enquanto, os custos ainda são altos, mas, com certeza, tendem a reduzir drasticamente, devido à demanda.

Lado positivo

Com toda essa lição trazida pela pandemia, as empresas que valorizarem a telemetria, se tornarão mais competitivas. Como o mercado tende a se reestruturar drasticamente, muitas empresas desaparecerão, o que trará oportunidades.

Modelos de negócios irão desaparecer e novos surgirão; tudo o que entendemos como a “forma correta” de prestar serviços, deve ser questionada e revisada. Isso quer dizer que faremos novas perguntas, como: será que preciso ter frota própria ou terceirizar? Comprar veículos ou alugar? Muitos caminhões ou poucos grandes, entre outros questionamentos.

O importante, no final das contas, é extrair as melhores lições desse primeiro semestre de 2020, que foi o mais intenso das últimas décadas, e enxergar a tecnologia com positividade, afinal a telemetria está aí para apoiar iniciativas inovadoras, medindo e indicando caminhos a serem seguidos nos próximos anos.

*Por Alexandre Fagundes, Gerente de Produtos e Marketing da MiX Telematics Brasil. Na empresa desde 2014, o executivo tem como objetivo identificar as tendências de mercado e aplicar elas as necessidades dos clientes em cada segmento de atuação, buscando soluções para atendê-las, seja na matriz, com parceiros ou soluções de mercado. Além disso, Fagundes é responsável por divulgar a marca MiX Telematics no Brasil e gerar leads para as unidades de negócios. Possui formação em Engenharia Elétrica e tem ampla experiência profissional em vendas em grandes contas de tecnologia além da gestão de produtos e marketing. Ainda atuou nas áreas automotiva, de telecomunicações e TI.

Seguradoras e assessorias vislumbram cenário promissor para o mercado 560

Seguradoras e assessorias vislumbram cenário promissor para o mercado

Cenário foi evidenciado durante 2º Encontro Magno das Aconsegs

O mercado de seguros e as assessorias vão sair mais fortalecidos do período pós-pandemia. O setor demonstrou resiliência, capacidade de organização, inovação e preparo tecnológico. Essa foi a mensagem que marcou o 2º Encontro Magno das Aconsegs, que aconteceu nos dias 22 e 23 de setembro, com a presença de executivos de companhias e profissionais do segmento de assessorias.

Realizado pela Aconseg-MG, o evento virtual contou com o apoio das associações de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná.

Presidentes e diretores das seguradoras mostraram-se otimistas quanto à recuperação econômica e fizeram questão de ressaltar a importância das assessorias de seguros como canal de distribuição das companhias. Também avaliaram o atual cenário do segmento e as tendências para o futuro.

O presidente da HDI Seguros, Murilo Setti Riedel, explicou que até pouco tempo a companhia não operava com as assessorias. “Hoje não temos dúvida do valor que essas empresas têm. Elas trazem racionalidade para as seguradoras que não possuem condições de oferecer suporte a todos os corretores. São uma alternativa econômica e tecnológica muito eficiente tanto para corretores de pequeno quanto grande portes”, salientou.

José Adalberto Ferrara, CEO da Tokio Marine, disse que as assessorias são consideradas “verdadeiras sucursais” da companhia tamanha a importância que a empresa dá ao canal. “As assessorias são estratégicas para nós. São como sucursais da companhia, tanto que criamos um portal exclusivo para elas”.

O executivo provocou os empreendedores de assessorias a pensarem “fora da caixa”. Segundo ele, “é preciso olhar o mercado de maneira mais pluralista pela gama de produtos que podemos oferecer aos clientes. Nosso mercado cresce na mesma proporção em que os corretores aumentam a capilaridade de seus negócios. As ferramentas digitais estão aí disponíveis para que possamos ofertar produtos de Norte a Sul do País”.

O diretor comercial da Allianz Seguros, Eduardo Dal Ri, comentou que os novos tempos exigem que as companhias repensem o modelo de trabalho e sua forma de atuação. “Já estamos desenvolvendo isso na Allianz globalmente. O objetivo é atuar sempre de forma eficiente, com processos mais simplificados e produtos adequados às necessidades dos clientes”.

Dal Ri não acredita na tese de que o corretor e as assessorias “vão acabar” por conta do incremento das vendas digitais de seguros e de novos entrantes no mercado. “Essa história já ficou para trás. Seremos cada vez mais exigidos e vamos nos reinventar ouvindo os corretores, assessorias e clientes”, acrescentou.

Transformação do mercado – O diretor do Canal Mercado Brasil da Bradesco Seguros, Leonardo Pereira de Freitas, foi o primeiro a falar no segundo dia do evento. Ele acredita que houve um fortalecimento do canal assessoria no período da pandemia. “Vocês conseguiram reagir muito prontamente às demandas específicas do momento, assumindo um papel de protagonismo nesse processo. Vimos uma mobilização grande das assessorias. Sabemos que não foi simples colocar suas equipes em home office rapidamente e continuar atendendo aos corretores com eficiência”, salientou.

De acordo com o executivo, o processo de digitalização está transformando o mercado de seguros de forma rápida. “Todos nós, seguradores, corretores e assessorias, fomos desafiados a acompanhar as mudanças e ter uma postura diferente, para oferecer experiências de consultorias especializadas aos nossos clientes. Cada vez mais ouviremos falar sobre atendimento e vendas empáticas. As pessoas não querem só produtos e, sim, propósitos e valores agregados para sua proteção. Quem entender esse novo cenário sairá na frente”.

O diretor nacional comercial da Suhai Seguradora, Robson Armando Tricarico, também aposta na racionalização e nos meios digitais para promover novos negócios e atrair mais consumidores. “A Suhai já nasceu digital. Para vocês terem ideia, não temos filiais. Oferecemos aos corretores todas as ferramentas necessárias para que eles se conectem ao cliente e façam novas parcerias. O consumidor quer agilidade. As assessorias têm um papel importante no apoio ao corretor nesse sentido e nós estamos aqui para oferecer todo suporte necessário”, ressaltou.

Encerramento do 2º Encontro

Os presidentes das Aconsegs encerraram o evento, que teve a mediação do professor Maurício Tadeu Barros Morais.

Hélio Opipari Junior, presidente da Aconseg-SP, parabenizou a diretoria da Aconseg-MG pela organização do Encontro e destacou tratar-se “de um evento único no mercado, que engrandece o segmento das assessorias”. Segundo o dirigente, o cenário é desafiador mas apresenta oportunidades e as assessorias devem exercer um protagonismo ainda maior no relacionamento com os corretores, “uma vez que a maioria delas são multimarcas e multiprodutos e a proximidade e a relação de confiança proporcionam uma compreensão maior das demandas, necessidades e anseios dos corretores de seguros”.

O presidente da Aconseg-RJ, Luiz Philipe Baeta, disse sentir-se honrado com o convite para o evento. “Participar de um encontro que aborda e celebra o trabalho das assessorias de seguros me honra bastante e julgo que acontece em um momento muito oportuno. Estarmos reunidos nos fortalece para pensar em novos projetos, impulsionar os já existentes e buscar novas formas de dialogar com os atores envolvidos em nossas operações”.

Celso Cunha Azevedo, presidente da Aconseg-RS, também parabenizou os organizadores do Encontro. “Sinto-me lisonjeado em fazer parte deste momento. Saímos daqui mais fortalecidos, com novas ideias e ações para levar aos nossos pares. As apresentações nos levaram a refletir e demonstraram o tamanho do nosso compromisso com os corretores. Muitos já se adaptaram ao novo cenário, mas a grande maioria vai precisar de nosso apoio para gerar negócios em tempos desafiadores”.

Anfitrião do Encontro, o presidente da Aconseg-MG, Robson Augusto Carneiro, agradeceu a presença expressiva das assessorias, seguradoras parceiras e autoridades do mercado. “Muito obrigado pela presença de todos que nos prestigiaram e também aos que colaboraram para que esse evento alcançasse êxito. Tivemos uma oportunidade única de trocar ideais, ouvir as considerações e projetos das companhias, discutir as perspectivas para o futuro. Vamos unir forças com as seguradoras e corretores para que nossa atividade seja cada vez mais valorizada”, finalizou.

Também prestigiaram o evento lideranças do mercado como os presidentes do SindSeg MG/GO/MT/DF, Marco Neves; Sincor-MG, Maria Filomena Branquinho; do CSP-MG, João Paulo Moreira de Mello. O 2º Encontro Magno das Aconsegs contou com patrocínio da Asseg Assessoria de Seguros, Asteseg Assessoria Técnica em Seguros, Classic Assessoria Vida e Previdência, FF Seguros e Gold Service Seguros.