Inscrições abertas para o Encontro ANS Nordeste 647

Inscrições abertas para o Encontro ANS Nordeste

Reguladora reunirá atores do setor em Fortaleza de 2 a 4 de dezembro

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) abriu inscrições para a próxima edição do Encontro ANS, que ocorrerá de 2 a 4 de dezembro, em Fortaleza (CE). O evento é direcionado aos agentes do setor (operadoras e prestadores de serviços de saúde) e discutirá temas relacionados à regulação do mercado de planos de saúde.

A programação inclui palestras e debates dos diretores e técnicos da ANS sobre temas pertinentes às cinco áreas: Gestão, Fiscalização, Desenvolvimento Setorial, Normas e Habilitação de Produtos e Normas e Habilitação de Operadoras. O objetivo é compartilhar informações técnicas a fim de contribuir com um cenário cada vez mais qualificado para o setor de saúde suplementar.

Além das palestras, técnicos da Agência farão atendimentos individualizados aos participantes do evento, nos dias 3 e 4, para tirar dúvidas e prestar orientações sobre temas como Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), Rol de Procedimentos, regularização de débitos, ressarcimento ao SUS e acompanhamento econômico-financeiro das operadoras, entre outros.

Confira a programação.

O Encontro ANS é realizado periodicamente pela reguladora. A última edição ocorreu em São Paulo, de 30/09 a 02/10, e reuniu atores do setor na região Sudeste.

As vagas para o Encontro ANS Nordeste são limitadas à participação de até dois representantes de cada instituição. Os interessados podem obter mais informações através dos telefones (21) 2105-0032/ 0078 ou pelo e-mail encontroans@ans.gov.br

Serviço:

Encontro ANS Nordeste
Data: 2, 3 e 4 de dezembro
Local: Gran Mareiro Hotel (Rua Oswaldo Araújo, 100 — Praia do Futuro I, Fortaleza — CE)
Inscrições: Clique aqui

Superintendente da Susep participa da abertura da Expo ABGR 2019, em São Paulo 8054

A diretoria da ABGR, da esquerda para direita: Jabor Descio Sobrinho, diretor financeiro; Cristiane França Alves, presidente; Jorge Luzzi, presidente do conselho; Ida Patrícia de Sá, 2ª diretora vice-presidente; Rodrigo Paiva Ávila, 1º vice-presidente; Marcelo D'Alessandro, diretor administrativo executivo / Divulgação

Mais de 3 mil visitantes devem participar do maior evento do segmento de gerenciamento de riscos da América Latina

Começa nesta terça-feira, 12, a Expo ABGR 2019. O evento, considerado o maior do segmento de gerenciamento de riscos da América Latina, é promovido pela Associação Brasileira de Gerência de Riscos e acontece até amanhã, no Golden Hall do WTC World Trade Center, em São Paulo. O encontro dispõe de uma superestrutura com espaço para mais de 20 expositores, além de plenárias destinadas a cerca de 20 painéis ministrados por risk managers e líderes de todo o país. A expectativa é reunir cerca de 3 mil visitantes.

A patrocinadora Gold e seguradora oficial do evento é a MAPFRE, que preparou uma participação especial de acordo com a proposta inovadora do encontro. O diretor do Canal Brokers da companhia, Daniel Brazil Protásio, fala a estudantes universitários sobre a carreira neste mercado. A ideia é desmistificar e simplificar o setor de seguros, mostrar um pouco como a área funciona e, principalmente, esclarecer que há oportunidades de construção de carreira para todos os campos de atuação.

Já na quarta-feira (13), o gerente da área de Engenharia de Riscos da MAPFRE Global Risks (Espanha), Cesar López, participa do painel “Engenharia de Risco – Loss Prevention” com representantes de outras seguradoras. Também virão de Madri, especialmente para o evento, o diretor Técnico de Grandes Riscos, José Ruibal, e a diretora de Negócios para a América Latina, Paola Serrano.

Na Expo ABGR, a companhia contará com um estande de 50 metros quadrados para recepção de convidados, encontros de relacionamento e networking. Além disso, o espaço trará um simulador com recurso de realidade virtual onde os participantes poderão ter a sensação de pilotar um carro de Fórmula 1 e, quem fizer o melhor tempo na pista, ganhará um ingresso para assistir ao Grande Prêmio do Brasil das arquibancadas do autódromo de Interlagos, em 17 de novembro. A empresa ainda disponibilizará uma estação para carregamento de baterias para celulares e tablets.

A superintendente da Susep, Solange Vieira, já confirmou a sua participação na plenária de abertura, às 9 horas, bem como o jornalista André Trigueiro. Os debates técnicos prometem difundir e revelar conhecimento sobre os mais variados temas da atualidade, tais como: Cyber Risks, LP de Barragens, Compliance, Logística, entre muitos outros que completam 19 palestras, nos dias 12 e 13 de novembro, com os mais notáveis especialistas nessas áreas.

Já a Aon irá apresentar em seu estande os principais riscos apontados pelo estudo Global de Gerenciamento de Risco 2019, que entrevistou mais de 2.600 gerentes de riscos, em 60 países. Além disso, os executivos da empresa Marcelo Homburger, CEO da Aon Brasil, Alexandre Botelho, Diretor de Gestão de Riscos Corporativos e Sheila Garcia, Diretora de Sinistros, participarão dos painéis do evento. “Para nós, participar de um evento da magnitude do Seminário da ABGR é de extrema importância. Além de encontramos com nossos clientes e mercado, contribuímos para a disseminação da cultura de seguros e prevenção de riscos no Brasil”, comenta Marcelo Homburger, CEO da Aon Brasil.

A Marsh Brasil também estará presente na Expo ABGR 2019. A líder de Cyber da Marsh, Marta Schuh, participará da plenária Cyber Risks e LGPD que ocorre no dia 13, às 16h. A ideia é discutir a nova lei de proteção de dados e o atual cenário brasileiro diante das ameaças cibernéticas. O seguro para riscos ambientais também será tema de discussão em uma plenária, no mesmo dia e horário, que contará com a participação da Superintendente de RC e Ambiental da Marsh Brasil, Kátia Papaioannou.

A carteira de Produtos Pessoa Jurídica da Tokio Marine, uma das maiores Seguradoras do País, cresceu 37,5% até setembro, enquanto o mercado registrou um aumento de 12% no mesmo período. Para destacar o excelente desempenho e demonstrar os diferenciais do seu portfólio de soluções para o segmento corporativo, a seguradora também participa do XIII Seminário Internacional e Expo ABGR 2019.

“Nossa ampla linha de produtos e serviços e a atuação conjunta com a área Comercial Corporate tem contribuído para alcançarmos uma sequência de bons resultados no segmento, nos posicionando como um dos principais players do País. Durante a ABGR, demonstraremos nossas soluções, expertise e diferenciais em nosso estande e painéis de discussões técnicas”, afirma o Diretor Executivo de Produtos Pessoas Jurídica da Tokio Marine, Felipe Smith.

Os participantes que visitarem o estande de 50m² da Tokio Marine terão a experiência de realizar uma vistoria por drone. Com óculos de realidade virtual, o convidado fará uma inspeção em uma cidade, conhecendo mais detalhes sobre o serviço de Gerenciamento de Riscos oferecido pela seguradora para os produtos Tokio Marine Agro Safras, Riscos Nomeados e Operacionais, Operador Portuário e Riscos de Engenharia.

Além do Gerenciamento de Riscos, a companhia vai expor na ABGR mais detalhes sobre os serviços de Avaliação Patrimonial e Tokio Marine Soluções Integradas, uma iniciativa exclusiva que agrupa em uma única apólice a cobertura para as fases de construção, teste, transferência ao proprietário e o primeiro ano de operação de parques eólicos e usinas fotovoltaicas.

A presença da Tokio Marine no XIII Seminário Internacional e na Expo ABGR 2019 contempla também a participação em dois painéis. No dia 13, às 14h, o Diretor de Transportes, Valdo Alves, falará sobre Programa de Seguros de Transportes, suas características, aplicações, abrangência e as oportunidades para o segmento a partir do novo marco regulatório que está sendo discutido no Congresso Nacional. Ainda no dia 13, às 16h, o Diretor de Property, Riscos Nomeados, Riscos Diversos e Energy da Tokio Marine, Sidney Cezarino, será um dos debatedores do tema Property & Casualty e a Nova Maneira de Encarar os Riscos.

O que podemos esperar do futuro? Carros autônomos, viagens para outros planetas, comidas impressas em 3D. São muitas as novidades que podem surgir nos próximos anos, mas será que junto com essas inovações, os riscos também estão sendo avaliados? É pensando nisso que a AIG convida o público da Expo ABGR a tentar imaginar os riscos que os novos negócios podem trazer e como os seguros atuarão.

“Ao celebrarmos 100 anos no mundo e 70 anos no Brasil, nosso desafio é acompanhar as mudanças da sociedade e quais os seguros serão necessários nessas novas relações. Por isso, pensamos em um lugar diferente para estimular nossos clientes e parceiros a pensar conosco os riscos que as inovações podem trazer, de uma forma criativa”, explica Fabio Protasio Oliveira, CEO da AIG.

Como o seguro viagem vai cobrir extravio de bagagens em um trajeto a outros planetas? Quem seria responsabilizado por um acidente de carro sem motorista? No pub do futuro da AIG, uma experiência interativa levará o visitante a diferentes situações imagináveis no futuro, com seus riscos e necessidades possíveis dos seguros, enquanto aprecia bebidas com detalhes tecnológicos.

A AIG também estará presente nas plenárias que serão realizadas durante o evento. Flavio Sá, Gerente de Linhas Financeiras da empresa, estará no painel riscos cibernéticos e a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que entra em vigor no próximo ano. Já Nathália Gallinari, Gerente de Responsabilidade Civil e Seguro Ambiental, participará do painel sobre riscos ambientais, outro tema em destaque no momento. Ambas as participações serão às 16h, no segundo dia do evento (13).

A Zurich, seguradora global com 80 anos de atuação no mercado brasileiro, terá a sustentabilidade como direcionamento para sua participação durante o encontro. Em seu estande, a companhia destacará suas soluções para análise e mitigação de riscos associados à mudança climática, que nos últimos anos, vêm mudando rapidamente e devem continuar neste ritmo. Em seu último Relatório de Riscos Globais, desenvolvido pelo Fórum Econômico Mundial em conjunto com a Zurich, os riscos ambientais continuaram dominando as preocupações de executivos, tanto em impacto quanto probabilidade, em um curto prazo.

“Isso significa que a exposição a danos físicos nas empresas e nas regiões em que operam, além de impactos na cadeia de fornecimento, poderá ser maior. Neste cenário, a reavaliação dos riscos regionais, o monitoramento proativo das cadeias de fornecimento e o fortalecimento da resiliência das empresas tornam-se prioritários”, afirma Roberto Hernández, Diretor Executivo de Seguros Corporativos, Vida Corporativo, Previdência e Resseguros da Zurich.

Além de sua linha de seguros de Grandes Riscos voltados para empresas, como Engenharia, Responsabilidade Civil, Garantia, Proteção Digital, a Zurich ainda destacará algumas soluções de suporte e apoio a seus clientes. Uma delas é o aplicativo Zurich Risk Advisor, que oferece a clientes um autosserviço para avaliação de seus riscos. Em 2019, pensando em atingir a todo o segmento de empresas, a ferramenta ganhou a possibilidade de colaboração remota, em que a avaliação pode ser feita por meio de vídeo streaming, conferindo ao processo mais flexibilidade, capacidade de resposta ao cliente, eficiência na gestão de tempo e dos recursos financeiros.

Durante o evento, executivos da Zurich também estarão junto aos grandes líderes do mercado discutindo os temas mais relevantes para o setor no Seminário Internacional da ABGR. O CEO da Zurich, Edson Franco, integra a plenária principal “Mercado Brasileiro e Gestão de Riscos”, no dia 12, das 16h às 17h30min. Já no dia 13, o Superintendente de Engenharia de Riscos, Carlos Cortés, participa da plenária “Engenharia de Risco – Loss Prevention”, às 10h45min; e o Superintendente de Linhas Financeiras, Fernando Saccon, estará na plenária “Cyber Risks e LGPD “, às 16h.

Outros temas serão abordados durante o seminário como gerenciamento de risco estratégico, garantias contratuais, projeto de lei de livre iniciativa, diversidade aliada à sustentabilidade nas organizações, benefício-saúde, o futuro e tendências do setor logístico e muito mais. O JRS traz todos os detalhes da Expo ABGR 2019 nesta quarta-feira (13).

*Com informações de VTN, CDN, RPMA, Conteúdo Comunicação, CDI e Weber Shandwick.

Governo extingue Seguro DPVAT e DPEM a partir de 2020 14264

Governo extingue Seguro DPVAT e DPEM a partir de 2020

Existência do seguro obrigatório vinha sendo questionada por órgãos de controle; Modelo apresentou fraudes sistêmicas

Questionada pelo Ministério da Economia sobre fraudes, problemas com órgãos de controle e alto índice de reclamações em relação ao Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), a Superintendência de Seguros Privados (Susep) apresentou dados que apontam a baixa eficiência do seguro DPVAT.

Os números mostram que o volume de reclamações do DPVAT é um dos maiores do mercado, sendo a empresa administradora do seguro a segunda colocada no ranking de reclamações da Susep.

Além disso, em 2015, a Polícia Federal deflagrou a Operação Tempo de Despertar com o objetivo de descontinuar fraudes nas esferas administrativa e judicial relativas ao pagamento do DPVAT. Em decorrência da operação, foram executados mandados de prisão temporária, conduções coercitivas, busca, apreensão, sequestro de bens e afastamento de cargo público. Atualmente, o DPVAT é alvo de processos movidos pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e milhares de ações judiciais.

Outro ponto a destacar é o consumo de recursos públicos pelo atual modelo DPVAT. Além de forte atenção dos órgãos de controle, a fiscalização da Seguradora Líder consome em torno de 19% dos recursos de fiscalização da Susep, enquanto a operação representa apenas 1,9% do volume de receitas do mercado supervisionado.

Diante dos fatos, o Ministério da Economia decidiu propor à Presidência da República a extinção do DPVAT. A decisão está em linha com a Lei de Liberdade Econômica (Lei nº 13.874/2019), que estabelece garantias de livre mercado e de livre escolha à população.

Dessa forma, com o desenvolvimento do setor de seguros e com as medidas que vêm sendo implementadas pela Susep, espera-se que o próprio mercado ofereça coberturas adequadas para proteção dos proprietários de veículos, passageiros e pedestres, tal como seguros facultativos de responsabilidade civil e acidentes pessoais.

Hoje, cerca de 30% da frota circulante de veículos no Brasil já conta com essas e outras coberturas. A proteção social, para a camada da população de renda mais baixa, permanece atendida pela rede de seguridade, com instrumentos como o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) nos casos de invalidez em pessoas de baixa renda. É importante lembrar que a justiça pode sempre estabelecer uma indenização em casos de danos causados a terceiros.

Por fim, também foi proposta a extinção do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Embarcações ou por suas Cargas (DPEM), que, na prática, não funcionava há alguns anos, uma vez que não há oferta do produto no mercado.

Susep desregulamenta corretores de seguros 10779

Solange Vieira é superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep)

Decisão foi publicada nesta segunda-feira (11)

Após expedição de uma Medida Provisória pela Presidência da República, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) deixa de regular os profissionais da corretagem de seguros. Durante o 21º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, a superintendente Solange Vieira havia comunicado que a categoria “está madura o suficiente para atuar em um ambiente mais flexível, sem a presença do regulador”.

Agora, os corretores não estão mais sujeitos à habilitação e ao recadastramento, antes feitos pela autarquia. O Brasil conta com quase 100 mil profissionais que atuam na corretagem de seguros. A partir de agora, o nicho parte para a autorregulação.

Confira nota emitida pela Susep, na íntegra:

Com o objetivo de gerar mais eficiência à gestão pública e concentrar esforços em atividades que demandem regulação específica, a Superintendência de Seguros Privados (Susep), por meio de Medida Provisória expedida pela Presidência da República, deixa de regular a categoria de corretores de seguros.

A iniciativa vem com o entendimento que a categoria está madura para atuar em um ambiente mais flexível, sem a presença do regulador, assim como acontece em diversos outros setores da economia. A autorregulação trará mais eficiência e mais liberdade ao setor de seguros.

Os corretores de seguros não estão mais sujeitos à habilitação e ao recadastramento, antes realizados pela Susep, o que representa menos custos para as duas partes.

Nos últimos anos, com a limitação nos gastos públicos e cortes orçamentários frequentes, a Susep tem buscado aumentar a sua eficiência regulatória. A autorregulação dos corretores aparece como uma opção viável dentro deste processo.

Hoje, os corretores representam cerca de cem mil registros, entre pessoas físicas e jurídicas. Entende-se que o desenvolvimento do setor será mais promissor se for permitido que a própria categoria se organize em torno da atividade de autorregulação, estabelecendo procedimentos próprios.

A autorregulação é um pleito antigo da categoria de corretores e a medida trará benefícios aos próprios profissionais e ao mercado de forma geral, beneficiando, em última instância, os consumidores de seguros.

Sharecare apresenta 5 maneiras de inovação tecnológica para contribuir com a gestão de saúde 580

Sharecare apresenta 5 maneiras de inovação tecnológica para contribuir com a gestão de saúde

Ideia é buscar soluções que otimizem processos e promovam a competitividade

O total de beneficiários de planos de saúde diminuiu 0,3% entre julho de 2018 e o mesmo mês de 2019. O índice parece baixo, mas representa 133,3 mil vínculos. O motivo é o mesmo desde 2014: a crise. O cenário fez com que fossem perdidos mais de três milhões de usuários desde então. Como mudar o cenário? A resposta é: por meio da inovação tecnológica.

A ideia é buscar soluções que otimizem a gestão em saúde. Para fazer isso, a inovação é o caminho necessário. Essa é uma forma de atentar às modificações ocorridas no mercado, conquistar competitividade, aumentar a produtividade da equipe e a administração financeira da operadora.

Como a tecnologia pode ser um diferencial para o negócio? De que forma a gestão de saúde é aperfeiçoada com a inovação e a implementação de ferramentas? A Sharecare elaborou 5 maneiras de alcançar esse propósito, confira:

1. Aumento da segurança das informações

Os pacientes têm direito a manter seus dados confidenciais — e essa é uma exigência da legislação, especialmente com a entrada em vigor da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Por isso, é preciso contar com um sistema que armazene os dados com recursos de criptografia.

Essa ferramenta torna os dados inelegíveis para pessoas não autorizadas. Por isso, ainda que haja uma invasão ao sistema, as informações permanecem protegidas. Para uma operadora de saúde, isso representa confiabilidade e vantagem competitiva.

Por meio dos dados, você descobre informações que ajudam a implementar programas de medicina preventiva e preditiva. Junto a ferramentas de inteligência artificial, big data e internet das coisas (IoT), o foco deixa de ser a doença e se torna a prevenção.

Isso porque há melhoria do gerenciamento de risco. Com dados centralizados e processos definidos, a operadora tem acesso a números mais precisos, que direcionam as ações. O resultado é o aumento da eficiência e a redução de custos, porque você identifica o que faz a diferença para o contexto do plano de saúde.

Em outras palavras, é estabelecida uma gestão mais estratégica, que permite coletar informações seguras e que fornecem uma visão completa da empresa, podendo ser feita em nível macro ou micro. Mas o que isso tem a ver com segurança da informação? Tudo! Com uma solução adequada, as informações são mantidas preservadas, especialmente se a plataforma funcionar em nuvem. Essa tecnologia protege os dados, trabalha com criptografia e outros recursos de proteção.

Além disso, o sistema é acessado a partir de qualquer dispositivo com internet. Com isso, há um controle rigoroso no acesso a programas, aplicações, rede e arquivos de dados. Mais que a preservação contra invasores, também evita que os dados sejam vazados ou alterados.

Portanto, a prática traz benefícios à confiabilidade e eficiência da gestão. Ainda evita prejuízos derivados da falta de segurança. Para se ter uma ideia, o Brasil é o 4º país no volume de informações vazadas devido a incidentes relativos a vazamentos e invasões maliciosas a sistemas.

Cada um deles gerou 26.523 registros de informação divulgados. O resultado é um prejuízo de 1,35 milhão de dólares por episódio e de 69 dólares por registro. Assim, fica claro que, mais que voltar as ações para o cuidado com o beneficiário, a operadora é protegida de perdas financeiras.

2. Eficiência na gestão

Em tempos de inovação tecnológica, a eficiência na gestão é um dos pontos principais. Para alcançar esse propósito, é necessário contar com softwares, que unificam os dados e fornecem relatórios precisos.

A TI é um dos aspectos cruciais para otimizar os processos, reduzir custos e organizar as informações. Como consequência, há mais chance de se alcançar os objetivos traçados, conforme estabelecido no planejamento estratégico.

Um exemplo simples é o uso do CRM, software de gestão do relacionamento com os clientes. Com essa ferramenta, as informações dos usuários são registradas de forma integrada e organizada. Você percebe, por exemplo, quem tem um uso mais massivo do plano de saúde, identifica potenciais desperdícios e antecipa necessidades.

Com um sistema de gestão empresarial (ERP), fica mais fácil saber como estão as finanças do negócio, o pagamento de parceiros, possíveis inadimplências dos beneficiários e mais. Ainda, é possível otimizar o agendamento online de procedimentos e consultas e até o gerenciamento de mídias sociais.

Os sistemas tecnológicos de inovação, portanto, otimizam as rotinas importantes, padronizam tarefas e processos. Outros benefícios alcançados são:

  • controle dos processos, com identificação de problemas recorrentes e possibilidade de revisão dos contratos, conforme o perfil dos beneficiários;
  • desenvolvimento de ações específicas por grupo de clientes, com maior facilidade de comunicação e iniciativas que ajudam a informar e esclarecer os usuários;
  • planejamento realista dos custos para melhorar a negociação com clínicas, hospitais, laboratórios e médicos e evitar imprevistos. Desse modo, você define cláusulas importantes para os contratos e limites para a cobrança do tipo fee for service;
  • padronização de processos, desde o credenciamento de médicos até o atendimento de pontos de assistência ao beneficiário. Ainda há agilização das operações e melhoria dos fluxos de gestão;
  • alinhamento do gerenciamento comercial à estratégia da operadora para equilibrar a relação entre entradas e saídas de beneficiários. Por exemplo, o sistema impede a realização de pagamentos indevidos nos comissionamentos;
  • verificação de cumprimento das regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com possibilidade de aperfeiçoar os índices de desempenho (IDSS). Com isso, há melhoria dos indicadores de qualidade;
  • centralização das informações, com facilidade de acesso e simplificação das tomadas de decisão.

3. Crescimento do controle financeiro

As operadoras de saúde precisam ter resultados contínuos, a fim de cumprir as garantias exigidas pela ANS. Cuidar da gestão financeira, portanto, é um dos aspectos primordiais.

A prática deve ser executada sem se esquecer a qualidade assistencial. Como trilhar um caminho sustentável? Novamente, a inovação tecnológica contribui para os resultados. Com um sistema adequado, você tem acesso a dados precisos de receitas e despesas, entre outros fatores.

Com um banco de dados alimentado por inteligência artificial, por exemplo, você ainda acompanha os processos adotados por profissionais da saúde. A partir disso, é possível criar manuais de procedimentos médicos, sistemas de bônus por eficiência e o que mais achar necessário para ajudar a operadora a crescer.

Existem várias soluções que contribuem para um bom controle financeiro. Algumas disponíveis no mercado são:

  • MV Operadoras de Saúde: facilita o controle dos processos financeiros, gerenciais e administrativos para simplificar a gestão de contratos e beneficiários, processamentos e auditorias de contas, atividades comerciais e mais;
  • ERP Pirâmide, da Procenge: trabalha com o controle financeiro e de sinistralidade, atendimento das exigências da ANS e melhoria da gestão;
  • SoftExpert: padroniza os processos de gerenciamento e conformidade, reduz as atividades manuais e contribui para o aumento da produtividade e redução de custos;
  • Saúde – TOTVS: integra as informações e processos por meio da interoperabilidade, além de controlar custos e padronizar atividades.

Para implementar alguma dessas soluções, é preciso entrar em contato com a empresa e fazer uma mudança cultural na operadora. Os colaboradores devem mudar sua mentalidade para aproveitaram o potencial máximo. Ainda, é preciso treiná-los para utilizarem as ferramentas.

4. Redução de desperdícios e fraudes

Um dos maiores problemas dos planos de saúde são as fraudes e os procedimentos desnecessários. Para você ter uma ideia, o impacto é de R$20 bilhões por ano, com perdas equivalentes a 15% das despesas assistenciais. Do total, R$11 bilhões foram gastos com hospital e o restante com exames.

Essas duas variáveis são um dos principais gargalos enfrentados na gestão. Elas aumentam a taxa de sinistralidade devido ao alto número de procedimentos solicitados. No entanto, é possível reverter o cenário.

Além de trabalhar a conscientização dos colaboradores, investir na assistência primária e contar com uma equipe parceira, é preciso contar com soluções voltadas para a saúde. A ideia é implementar a inovação tecnológica a partir da gestão integrada.

Por exemplo, por meio de uma plataforma que identifica grupos de risco, é possível tomar decisões acertadas, que contribuem para a melhoria da saúde dessa população. Para a gestão de crônicos, por exemplo, os dados permitem diminuir as complicações de doenças já instaladas.

5. Diminuição das reinternações

Você sabia que 10,55% dos pacientes voltam a se internar depois de 30 dias? Esse é outro fator que pode ser aprimorado com a inovação tecnológica. Com uma plataforma especializada, você oferece um atendimento integrado, com foco na saúde digital e humanizada.

Esse objetivo pode ser alcançado com inteligência artificial e outros recursos tecnológicos de inovação. Com esses sistemas, você recebe os dados em tempo real e tem uma base maior para tomar decisões.

Você ainda pode investir na telemedicina. Dados de um projeto demonstram que os custos de atendimento reduziram 27% com essa prática e as hospitalizações diminuíram 45%. Assim, você consegue alcançar um patamar diferenciado.

Outro fator que interfere de maneira positiva são os apps. Com eles, o beneficiário cuida mais da saúde e você pode coletar dados sobre seus hábitos. Desse modo, cria ações acertadas para fazer um bom gerenciamento de risco.

Como você viu, as inovações tecnológicas permitem alcançar vários benefícios — basta usar os recursos de forma adequada. Sempre foque a saúde integrada, com acesso fácil aos dados. Assim, você toma decisões melhores e financeiramente sustentável para a operadora.

Tokio Marine é eleita uma das Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas 574

Tokio Marine é eleita uma das Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas

Companhia foi reconhecida em premiação realizada pelo Centro de Estudos da Comunicação (CECOM)

A Tokio Marine, uma das maiores Seguradoras do País, foi pelo terceiro ano consecutivo um dos destaques do prêmio Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas, na categoria “seguros”. A pesquisa foi realizada com 25 mil profissionais de imprensa de todo o País durante o último mês de setembro e reconhece a qualidade do relacionamento que as companhias mantêm com os jornalistas. Os principais critérios considerados no estudo são o acesso, a disponibilização e a facilidade de apuração de informações.

Flávio Otsuka é Superintendente de Estratégia de Crescimento e Marketing da Seguradora / Divulgação
Flávio Otsuka é Superintendente de Estratégia de Crescimento e Marketing da Seguradora / Divulgação

“Estamos muito honrados em receber essa premiação. Na Tokio Marine, acreditamos que manter uma relação saudável e transparente com a imprensa é fundamental para nossa prestação de contas à sociedade. Além disso, ao divulgar os temas do setor, os jornalistas nos apoiam na missão de difundir a cultura do Seguro no Brasil”, afirma Flávio Otsuka, Superintendente de Estratégia de Crescimento e Marketing da Seguradora.

A cerimônia de entrega do prêmio aconteceu na segunda-feira (4), no Theatro NET, em São Paulo.