O lugar que os seguros merecem na sociedade brasileira 3583

Marcio Serôa de Araujo Coriolano é economista e presidente da CNseg, a Confederação Nacional das Seguradoras

Confira artigo de Marcio Coriolano, economista e presidente da CNseg

O bem-estar é o bônus daqueles que, previdentes na juventude, reservaram parte de seus ganhos para construir um quadro de estabilidade e previsibilidade na velhice, com o auxílio de um setor que cresce de forma progressiva na economia mundial: o de seguros. Sua grandiosidade se mostra em números: representa 9,6% do PIB na Grã-Bretanha; 8,9% na França; 8,6% no Japão e 7,1% nos Estados Unidos. No Brasil, esse sonho de prevenção a riscos começa a ser despertado com mais ênfase na população, após o longo processo de estabilidade inflacionária, queda da taxa de juros e, agora, com a mudança gradativa do papel do Estado, por meio das reformas em curso.

Atualmente, a receita anual de prêmios do setor representa cerca de 6,5% do PIB nacional. Nosso setor soma R$ 1,3 trilhão em ativos financeiros no País. Além de garantir o bem-estar de empresas e pessoas físicas seguradas, oferece forte contribuição para a poupança nacional e se tornou um dos maiores investidores institucionais do País. O setor é responsável por parte significativa da rolagem da dívida pública (25%) e tem potencializado o financiamento da atividade empresarial, garantindo o funcionamento da economia, mesmo em períodos de baixo crescimento.

A história dos seguros ao longo do processo civilizatório mostra que o setor sempre esteve ligado aos maiores ciclos de desenvolvimento. O Código de Hamurabi, considerado o primeiro marco legal da humanidade, dava força legal a uma atividade financeira que funcionava como uma espécie de “seguro” para as caravanas. Depois, no período das grandes navegações, a Coroa Portuguesa passou a exigir que os navios com mais de cinquenta toneladas contratassem um mútuo quando sua rota incluía as perigosas águas do oceano Atlântico para evitar que algum imprevisto colocasse em risco a saúde financeira dos armadores, uma das forças da economia de então.

No Brasil, companhias estrangeiras, sobretudo as inglesas e americanas, logo foram atraídas pelo ciclo de industrialização. Mas, como um exemplo histórico a ser evitado, parte dessas companhias deixou o País após a onda de nacionalismo pós-Proclamação da República aprovar uma legislação intervencionista. O episódio histórico nos deixa como lição o perigo da mão pesada do Estado, que afasta a livre iniciativa e os negócios.

As mudanças em curso, com a reorganização do papel do Estado, abrem espaço para que as seguradoras ofereçam produtos que aliviam a necessidade da presença do Poder Público no dia a dia do cidadão. As companhias estrangeiras voltaram ao País com força e, junto com as empresas nacionais, as fintechs (bancos digitais) e as insurtechs (startups do mercado de seguros), estimulam uma crescente competição entre gestores, que só traz benefícios aos clientes.

Além de oferecer uma variedade crescente de produtos, as seguradoras estão fazendo a lição de casa: reduziram processos, implantaram novos parques tecnológicos, reviram políticas de tarifas e se adequaram à moderna cultura de compliance e de eficiência. A Reforma da Previdência já está estimulando a nova percepção da população de que caberá a cada um a responsabilidade pela sua poupança de longo prazo. As operadoras de previdência privada deram respostas rápidas e estão oferecendo fundos mais agressivos, com redução de taxas de juros e do valor do tíquete de entrada.

Porém, para manter o novo ciclo virtuoso, o setor necessita da modernização do ambiente de negócios, com um conjunto de novas leis e decisões do Poder Executivo. Um processo de desregulamentação será muito bem-vindo para permitir oferecer à população produtos mais flexíveis. Os limites de capital e provisões técnicas precisam ser revistos para estimular a entrada de novos atores nesse mercado.

Torna-se urgente disciplina da incorporação de novas tecnologias em saúde e a revisão da regra de reajustes de mensalidades dos planos individuais, e ainda a regulação do setor de órteses, próteses e materiais médicos, que necessita parâmetros claros, transparência e controle social para coibir práticas irregulares. Também pende de conclusão o seguro de vida universal, produto que acopla acumulação e capitalização de poupança à cobertura de risco de morte por causas naturais ou acidentais.

Outro produto objeto de projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional é o seguro obrigatório para obras públicas acima de R$ 100 milhões, previsto na nova Lei de Licitações. Já a transferência ao mercado daqueles seguros que ainda estão nas mãos do governo – incluídos os de riscos não-programados, como auxílio-doença, acidente de trabalho e licença-maternidade – também poderia criar concorrência na gestão dos benefícios, com melhores taxas para as empresas contratantes e garantia para os trabalhadores.

A virada estratégica do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), após sua privatização, com o sucesso alcançado na B3, reconhecimento do alto grau de governança corporativa e capital pulverizado, mostra quão assertiva é a decisão de permitir que o mercado use todo o seu potencial para oferecer soluções que ajudem o País a se modernizar.

São esses avanços já alcançados, e também aqueles ainda a serem conquistados, que estão na agenda de eventos realizados pelo setor segurador.

*Marcio Serôa de Araujo Coriolano é economista e presidente da CNseg, a Confederação Nacional das Seguradoras.

Bradesco Seguros desenvolve ação de Boas Festas 778

Grupo Segurador cria vídeo institucional para celebrar o fim do ano com seus clientes e colaboradores

O Grupo Bradesco Seguros lançou na sexta-feira (6) uma ação voltada para seus colaboradores e clientes. A empresa veiculou vídeo institucional de Boas Festas, envolvendo suas redes sociais e canais internos. Com a proposta de celebrar e promover reflexão, a ação reúne imagens de diferentes momentos da vida e destaca que nada faz sentido se não tocarmos o coração das pessoas.

Além de desejar um feliz ano novo, a mensagem traz a proposta de promover um balanço e avaliar o que realmente importa nas diferentes fases da vida, reforçando que o Grupo Bradesco Seguros está presente em todos os momentos, mensagem reforçada pela campanha ‘Com você. Sempre’”.

Com duração de um minuto e quarenta e cinco segundos, o conteúdo foi desenvolvido pelo Grupo TV1.

Momentos e imagens marcantes celebram 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros 4008

Momentos e imagens marcantes celebram 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros

Corretora de origem gaúcha atua em todo o Brasil

Momentos especiais marcaram os 10 anos da Neo Executiva Corretora de Seguros, na última sexta-feira, em Porto Alegre (RS). Diversos parceiros de negócios da empresa participaram da confraternização, que aconteceu em grande estilo, no Iate Clube Guaíba, na capital gaúcha.

Confira o show de imagens registradas pelo fotógrafo especial de JRS, Matheus Henrique Pé:

Ágil e sustentável, Azul Seguros oferece apólice 100% digital aos segurados 298

Ágil e sustentável, Azul Seguros oferece apólice 100% digital aos segurados

Além de agilizar o envio de documentação ao cliente, iniciativa lançada neste ano já reduziu emissão de cinco toneladas de papeis

Priorizando a agilidade e a sustentabilidade, a Azul Seguros implantou a entrega do kit de boas-vindas das apólices de renovação e endosso por meio digital. E a novidade já traz resultados impactantes neste primeiro momento: gerando praticidade aos clientes da companhia, a implantação da apólice digital reduziu a emissão de cinco toneladas de papeis.

Diretor da Azul Seguros, Gilmar Pires ressalta que a iniciativa visa aproximar ainda mais a companhia ao comportamento dos clientes. “Percebemos que os clientes buscam cada vez mais serviços que tragam comodidade e facilidade em seu dia a dia. Por isso, disponibilizar a opção do kit de boas-vindas digital é uma forma de garantir a entrega ao cliente, já que todo o processo é rastreado, e assim possibilitando que tenha acesso rápido aos seus dados do contrato de seguro, além de contribuir para um futuro mais sustentável com menos papel”.

Como aderir à apólice digital?

O processo é simples. Basta o Corretor informar o e-mail e o telefone válidos do cliente no momento da confecção da proposta de renovação ou endosso. Essas informações são importantes para garantir a entrega. No dia seguinte à emissão do seguro, o cliente recebe o kit de boas-vindas por e-mail. Neste kit, contém: apólice, condições gerais, cartão digital com os telefones da assistência 24 h e o link do SOS Azul, que é uma forma fácil de solicitar auxílio do guincho, dados do Corretor e parcelas (caso tenha). Todas as informações ficam disponíveis para downloads, podendo ser consultados a qualquer momento.

Para mais informações sobre os produtos da Azul Seguros, procure o Corretor de seguros ou faça uma cotação online neste endereço.

A fantástica trajetória de Altevir Prado, Superintendente da Bradesco Seguros na Região Sul 51279

Este e outros destaques do mercado brasileiro de seguros estão na edição 231 da Revista JRS

Uma famosa frase da empresária Mary Kay Ash diz que “Não crie limites para si. Você deve ir tão longe quanto sua mente permitir. O que você mais quer pode ser conquistado”. Vivência e a observação são a melhor forma de se dominar determinadas habilidades, uma vez que para cada pessoa existem questões que fazem mais ou menos sentido para sua trajetória pessoal ou profissional, por exemplo. Neste sentido, a Revista JRS sempre busca apresentar histórias inspiradoras de pessoas relevantes nos segmentos de economia e negócios. Assim foi com Altevir Prado, Superintendente Executivo da Bradesco Seguros na Região Sul. O profissional, referência para o mercado brasileiro de seguros, foi um dos últimos entrevistados por nosso fundador, Jota Carvalho.

A edição 231 da publicação mensal do Jornal Regional de Seguros ainda traz uma cobertura especial da 3ª edição do evento Corretor do Futuro, promovido pela Kuantta Consultoria, no Rio de Janeiro. Outro especial desta edição foi realizado durante o 21º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, que aconteceu em outubro, na Costa do Sauípe (BA). Os destaques do mercado de seguros recheiam as 52 páginas da Revista JRS – tenha uma excelente leitura!

Pedrinhas em Seguros (RS) celebram final de ano em alto estilo 1305

Pedrinhas em Seguros (RS) celebram final de ano em alto estilo

Entidade contará com nova diretoria em 2020

O Clube da Pedrinha em Seguros do Rio Grande do Sul promoveu na noite desta quinta-feira (05) sua comemoração especial de final de ano. O encontro contou com casa cheia e foi recheado de expectativas para o próximo ano.

A atual presidente da entidade, Ana Maria Pinto, enfatizou as ações implementadas pela entidade ao longo de 2019 para fomentar soluções ao mercado segurador da região. “É um orgulho vermos tantas pessoas em confraternização conosco. Este é o reconhecimento da integração e relacionamento que sempre buscamos promover com os operadores do Rio Grande do Sul. Estou muito feliz e destaco a modernização do nosso site e também do Banco de Currículos, em parceria com o Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg/RS)”, comentou.

A nova diretoria da entidade deve ser presidida pela advogada Suelen Farias, que atua na C. Josias & Ferrer Advogados. A executiva comenta o desafio em assumir a gestão da confraria. “Entrei no Clube a convite da querida Yara Bolina e tive a honra de fazer parte da diretoria de diversos presidentes, como o José Coelho e a própria Ana Maria Pinto. É um trabalho muito lindo que está em construção e sempre será guiado pelos ideais formados por nosso veteranos. As expectativas são gigantes diante desse desafio”, explicou.

Confraternização do Clube da Pedrinha (RS) – Todas as imagens: