O lugar que os seguros merecem na sociedade brasileira 3844

Marcio Serôa de Araujo Coriolano é economista e presidente da CNseg, a Confederação Nacional das Seguradoras

Confira artigo de Marcio Coriolano, economista e presidente da CNseg

O bem-estar é o bônus daqueles que, previdentes na juventude, reservaram parte de seus ganhos para construir um quadro de estabilidade e previsibilidade na velhice, com o auxílio de um setor que cresce de forma progressiva na economia mundial: o de seguros. Sua grandiosidade se mostra em números: representa 9,6% do PIB na Grã-Bretanha; 8,9% na França; 8,6% no Japão e 7,1% nos Estados Unidos. No Brasil, esse sonho de prevenção a riscos começa a ser despertado com mais ênfase na população, após o longo processo de estabilidade inflacionária, queda da taxa de juros e, agora, com a mudança gradativa do papel do Estado, por meio das reformas em curso.

Atualmente, a receita anual de prêmios do setor representa cerca de 6,5% do PIB nacional. Nosso setor soma R$ 1,3 trilhão em ativos financeiros no País. Além de garantir o bem-estar de empresas e pessoas físicas seguradas, oferece forte contribuição para a poupança nacional e se tornou um dos maiores investidores institucionais do País. O setor é responsável por parte significativa da rolagem da dívida pública (25%) e tem potencializado o financiamento da atividade empresarial, garantindo o funcionamento da economia, mesmo em períodos de baixo crescimento.

A história dos seguros ao longo do processo civilizatório mostra que o setor sempre esteve ligado aos maiores ciclos de desenvolvimento. O Código de Hamurabi, considerado o primeiro marco legal da humanidade, dava força legal a uma atividade financeira que funcionava como uma espécie de “seguro” para as caravanas. Depois, no período das grandes navegações, a Coroa Portuguesa passou a exigir que os navios com mais de cinquenta toneladas contratassem um mútuo quando sua rota incluía as perigosas águas do oceano Atlântico para evitar que algum imprevisto colocasse em risco a saúde financeira dos armadores, uma das forças da economia de então.

No Brasil, companhias estrangeiras, sobretudo as inglesas e americanas, logo foram atraídas pelo ciclo de industrialização. Mas, como um exemplo histórico a ser evitado, parte dessas companhias deixou o País após a onda de nacionalismo pós-Proclamação da República aprovar uma legislação intervencionista. O episódio histórico nos deixa como lição o perigo da mão pesada do Estado, que afasta a livre iniciativa e os negócios.

As mudanças em curso, com a reorganização do papel do Estado, abrem espaço para que as seguradoras ofereçam produtos que aliviam a necessidade da presença do Poder Público no dia a dia do cidadão. As companhias estrangeiras voltaram ao País com força e, junto com as empresas nacionais, as fintechs (bancos digitais) e as insurtechs (startups do mercado de seguros), estimulam uma crescente competição entre gestores, que só traz benefícios aos clientes.

Além de oferecer uma variedade crescente de produtos, as seguradoras estão fazendo a lição de casa: reduziram processos, implantaram novos parques tecnológicos, reviram políticas de tarifas e se adequaram à moderna cultura de compliance e de eficiência. A Reforma da Previdência já está estimulando a nova percepção da população de que caberá a cada um a responsabilidade pela sua poupança de longo prazo. As operadoras de previdência privada deram respostas rápidas e estão oferecendo fundos mais agressivos, com redução de taxas de juros e do valor do tíquete de entrada.

Porém, para manter o novo ciclo virtuoso, o setor necessita da modernização do ambiente de negócios, com um conjunto de novas leis e decisões do Poder Executivo. Um processo de desregulamentação será muito bem-vindo para permitir oferecer à população produtos mais flexíveis. Os limites de capital e provisões técnicas precisam ser revistos para estimular a entrada de novos atores nesse mercado.

Torna-se urgente disciplina da incorporação de novas tecnologias em saúde e a revisão da regra de reajustes de mensalidades dos planos individuais, e ainda a regulação do setor de órteses, próteses e materiais médicos, que necessita parâmetros claros, transparência e controle social para coibir práticas irregulares. Também pende de conclusão o seguro de vida universal, produto que acopla acumulação e capitalização de poupança à cobertura de risco de morte por causas naturais ou acidentais.

Outro produto objeto de projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional é o seguro obrigatório para obras públicas acima de R$ 100 milhões, previsto na nova Lei de Licitações. Já a transferência ao mercado daqueles seguros que ainda estão nas mãos do governo – incluídos os de riscos não-programados, como auxílio-doença, acidente de trabalho e licença-maternidade – também poderia criar concorrência na gestão dos benefícios, com melhores taxas para as empresas contratantes e garantia para os trabalhadores.

A virada estratégica do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), após sua privatização, com o sucesso alcançado na B3, reconhecimento do alto grau de governança corporativa e capital pulverizado, mostra quão assertiva é a decisão de permitir que o mercado use todo o seu potencial para oferecer soluções que ajudem o País a se modernizar.

São esses avanços já alcançados, e também aqueles ainda a serem conquistados, que estão na agenda de eventos realizados pelo setor segurador.

*Marcio Serôa de Araujo Coriolano é economista e presidente da CNseg, a Confederação Nacional das Seguradoras.

Edição 235 da Revista JRS destaca momento de transformação mundial 22908

Coronavírus à luz do seguro e outros destaques exclusivos estão na publicação

Especialistas reforçam a todo momento: o mundo não será o mesmo depois do novo coronavírus. Mudança de atitudes, da forma de se relacionar e a adoção de medidas de prevenção não só no âmbito pessoal, mas também no profissional, pegaram o mundo de surpresa. No mercado de seguros não foi diferente, seguradores, corretores e prestadores de serviço tiveram que se adaptar à nova realidade, mantendo toda a sua funcionalidade e atendimento à sociedade brasileira.

Estas e outras reflexões estão disponíveis na versão online da Edição 235 da Revista JRS. Uma excelente leitura!

Allianz Seguros promove nova doação à comunidade Santa Rita 437

Mais de 20 toneladas de itens de alimentos e de higiene foram doados

A Allianz Seguros realizou neste mês mais uma doação de mais de 20 toneladas de alimentos e itens de higiene e limpeza para a comunidade Santa Rita, na zona Leste de São Paulo. Como na primeira vez, a ação ocorreu na Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz (ABA), seguindo os mesmos critérios: respeitando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), com voluntários paramentados com máscaras e luvas, número limitado de pessoas por horário e mantendo a distância de 1,5 metro na fila. A Allianz Seguros já soma mais de 40 toneladas e 60 mil itens doados com mais essa ação, que beneficia cerca de 5 mil pessoas da região.

Para o presidente da Allianz Seguros, Eduard Folch, a nova doação é fruto de um entendimento da importância de manter, por mais um mês, a cooperação às pessoas da comunidade Santa Rita durante esse momento de extrema dificuldade. “Sabemos que muitos provedores das famílias da região tiveram seus trabalhos afetados durante esse período de distanciamento social, dificultando a compra de itens considerados básicos. Nós, da Allianz, estamos voltados à corresponsabilidade social, apoiando ações que amenizem a situação dos moradores locais”, afirma.

Moradora da comunidade, Amanda tem duas filhas e ambas participam das atividades na ABA. Ela recebeu a primeira cesta da Allianz Seguros na sede da entidade, em abril, e foi beneficiada novamente em maio. Desempregada, Amanda relata que a ajuda chega novamente em um momento difícil e valoriza a doação. “A cesta é bastante completa, com insumos o suficiente para nos abastecer por cerca de 20 dias. É até difícil de explicar a alegria de receber essa segunda ajuda da Allianz, porque nós já estávamos quase sem nada em casa”, conta.

A doação foi também uma grata surpresa para Joyce, que trabalha com confecção de bijuterias. Mãe de três meninos, dois que ainda frequentam a ABA, a moradora da região afirma que, devido a recomendação para não sair às ruas, tudo parece ser consumido mais rápido em casa e a cesta foi fundamental para um período o qual o seu emprego tem sido afetado. “Nunca vivemos uma situação dessa. Geralmente, quando param as escolas, a gente continua trabalhando. E, de repente, sair e ver todo mundo de máscaras, ruas vazias, lugares que eram muito movimentados que eu ia bastante por causa do meu trabalho e agora estão sem ninguém, é algo muito difícil”, relata.

Durante esse período de distanciamento social, pessoas, empresas e entidades como a ABA estão se esforçando para manter suas atividades de maneira alternativa. As aulas que a Associação costuma dar presencialmente para crianças e adolescentes de 4 a 17 anos, agora estão sendo oferecidas virtualmente pelo canal do Youtube: Portal ABA Digital. A entidade voltará às atividades assim que o Governo do Estado de São Paulo decretar o fim do isolamento social para este segmento atendido.

Sociedade pode enviar sugestões para a Susep 480

Iniciativa busca redução de custos para o setor de seguros

Sociedade pode enviar sugestões para modelo que visa aplicação proporcional das regras prudenciais. Iniciativa busca redução de custos para o setor de seguros, aumento de eficiência do regulador e benefícios ao consumidor com mais concorrência e melhores preços

Nesta segunda-feira (25), a Superintendência de Seguros Privados (Susep) colocou em consulta pública, propostas para aplicação proporcional das regras prudenciais, de acordo com o porte e a complexidade das empresas do setor. As medidas sugerem alteração na resolução 321/2015, do CNSP, e na circular Susep 517/2015, para adequação de requisitos como prazo e modelos de envio de informações.

Há ainda a redução do capital-base para supervisionadas de menor porte e complexidade, que ficaria entre R$ 3,6 milhões e R$ 8,1 milhões, de acordo com o segmento de cada organização. Com a iniciativa, a autarquia visa promover ganhos de custo operacional para o setor e mais eficiência na supervisão. De acordo com a Susep, a medida beneficiará o mercado consumidor de seguros com melhores preços e mais concorrência.

A superintendência afirmou ainda que este é mais um passo na discussão com a sociedade dos modelos para a segmentação do mercado de seguros, evolução e modernização do setor no Brasil.

A íntegra do normativo pode ser acessada pelo link http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/edital-de-consulta-publica-n-9/2020-258324492.

Capemisa contribui para confecção e doação de máscaras de tecido 708

Acessório será distribuído às famílias do Lar Fabiano de Cristo e garante renda extra a costureiras

A Capemisa Seguradora está contribuindo para que famílias assistidas pela entidade possam produzir 5 mil máscaras caseiras, que estão sendo distribuídas a funcionários das casas de apoio, às pessoas atendidas e seus parentes. Cerca de 45 mães costureiras e dez voluntárias de pelo menos 20 instituições estão trabalhando com retalhos de oficinas de costura que eram realizadas no Lar e também tecidos doados para a produção deste novo item de necessidade básica, por conta dos desdobramentos da pandemia de Covid-19 no país.

A iniciativa, segundo a presidente da entidade, Regina Oliveira, vai ajudar a contribuir com a renda de famílias que deixaram de trabalhar neste período de isolamento social. “Além de ajudar a proteger as pessoas assistidas pelas nossas casas, essas mães estão recebendo material e ajuda de custo, estão trabalhando, estão produzindo, o que é muito importante para elas”, conta.

As doações da Capemisa foram enviadas a casas de assistência nas regiões Sudeste, Sul, Norte e Nordeste.

“A nossa seguradora foi criada com a finalidade de arrecadar recursos para a manutenção de diversas obras sociais, em especial, o Lar Fabiano de Cristo. Esses recursos são destinados para cuidar de mais de 3.800 famílias e aproximadamente 18.500 pessoas em todo o país. Neste momento sem precedentes e tão desafiador, nosso apoio a essas casas se torna ainda mais importante”, afirma o presidente da Capemisa, Jorge Andrade.

Sindseg-SC disponibiliza novo Portfólio 668

Material contém as principais ações da entidade

O Sindicato das Seguradoras de Santa  Catarina (Sindseg-SC), divulgou nesta segunda-feira (25), um novo portifólio com diversas informações. No material é possível encontrar informações sobre os Grupos de Trabalho, Quadro Associativo, Estrutura, Qualificação, Trabalho Social, Newsletter, Informativo, Revista, Portal de Informações, Cartilhas, Teatro, Painel, entre outros.

O presidente do Sindicato das Seguradoras de Santa Catarina – Waldecyr Schilling, afirma que o portfólio de forma resumida, apresenta ações e ferramentas disponibilizadas para o mercado de seguros e sociedade. “A força que gera segurança e grandes valores para uma sociedade, começa numa entidade de classe como o Sindseg-SC”, afirmou Schilling.

Para conhecer na integra, visualize aqui ou acesse www.sindsesc.org.br no menu SindsegSC.