Corretores esperam novos negócios em seguros cibernéticos com a LGPD 983

Corretores esperam novos negócios com seguros cibernéticos com a LGPD

Evento promovido pela APTS e ENS mostra que os corretores de seguros não estarão livres dos impactos da LGPD. Mas, terão oportunidades de negócios com o cyber risks.

O seminário “LGPD na prática e soluções para Cyber Risks”, promovido pela Associação Paulista dos Técnicos de Seguro (APTS) em parceria com a Escola Nacional de Seguros (ENS), dia 21 de novembro, em São Paulo, se aprofundou na discussão sobre os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para os corretores de seguros, bem como sobre o cenário da segurança cibernética e as perspectivas para os seguros cyber risks.

Aspectos jurídicos

Do ponto de vista legal, a advogada Bárbara Bassani, da TozziniFreire Advogados, explicou que todos os corretores de seguros, independentemente do porte ou da área de atuação, devem se adequar à LGPD. “O corretor é detentor dos dados de seus clientes e deverá protegê-los, preocupando-se, inclusive, com o manuseio por funcionários ou por prestadoras de serviços”, disse. Para advogada Carla Couto, da TozziniFreire, apesar de criticada, a LGPD trouxe mais segurança jurídica.

Bárbara orientou os corretores a obterem o consentimento de seus novos clientes para a oferta de outros produtos. Já em relação à base de clientes anterior à lei, a advogada esclareceu que a LGPD não trata do legado e que essa tarefa ficará a cargo da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). No entanto, sugeriu aos corretores que se unam para defender seus interesses em relação ao legado de dados. “Apresentem estudos, fiquem atentos”, disse.

Gestão de riscos

“Segurança da informação é a espinha dorsal da LGPD”, disse Rodrigo Silva, diretor presidente da Turing Security. Ele lembrou que uma das atribuições da ANPD é receber denúncias, que podem vir até de algum concorrente. “Imagine a ANPD pedir relatório de impactos e o empresário não ter, porque não fez nada, sequer começou. Melhor é evitar o caminho do litigio”, orientou.

Silva explicou que não existe um software que dê conta da gestão de riscos, segurança cibernética e da privacidade e proteção de dados. Ele concluiu que a falta de entendimento da tecnologia traz forte risco à privacidade e proteção de dados. Já em relação às medidas de segurança cibernética (controle de acesso, criptografia, registro de log etc.), deixou claro que não são contra a privacidade, mas essenciais para mantê-las.

Foco nos corretores

A proteção de dados e os riscos cibernéticos são uma grande oportunidade de negócio para os corretores, acredita o diretor da APTS Cláudio Macedo Pinto, fundador da Clamapi, corretora especializada em riscos cibernéticos. Especialmente para os corretores, ele ensinou o caminho das pedras em 13 passos que orientam sobre como se adequar à lei, se proteger de ataques virtuais e vender seguro cyber risks.

Macedo sugeriu começar por pesquisas sobre o assunto, inclusive sobre a atuação de hackers, e estudar vários temas, como segurança da informação, legislação, clausulados das apólices, coberturas e exclusões do seguro e o questionário de risco. Buscar parcerias é importante, bem como proteger os dados da corretora. Por fim aconselhou o corretor a não desistir diante da resistência do cliente. “O cyber será uma espécie de seguro saúde para as empresas”, previu.

Cibersegurança

De acordo com Marcos Nehme, CTO Field e diretor para América Latina e Caribe na RSA Security, a ideia da LGPD é criar confiança e, junto com ela, oportunidades de inovação, apesar da “dor de cabeça” que a implementação provocará. Para ele, todo esse processo é importante para a experiência do cliente, gerando confiança, valor na empresa e lealdade.

Nehme observou que é preciso ter atenção aos novos riscos, como, por exemplo, os e-mails maliciosos que instalam vírus específicos para roubar dados de determinados usuários, que não são detectáveis por antivírus. Dentre os desafios da adequação à LGPD, ele cita a identificação e o cuidado com os dados sensíveis. “Não tenha mais caderninho ou folhas na mesa com dados de clientes. Adote a prática da mesa limpa”, disse. No aspecto da segurança, orientou a ter controle maior sobre quem acessa as informações e a criar processos de autenticação de usuários.

Crimes cibernéticos

Considerado um dos melhores hackers do mundo pelo Google e Facebook, o diretor da Elytron Security, João Lucas Brasio, explicou que o seu trabalho como “hacker do bem” é invadir os sistemas de empresas para detectar vulnerabilidades e torná-los mais seguros. Este trabalho é necessário, segundo ele, porque os casos de vazamentos e ataques cibernéticos estão aumentando ano a ano e as perspectivas não são boas. “A tendência é piorar cada vez mais”, disse.

De acordo com Brasio, um dos motivos aumento de crimes cibernéticos é a própria internet, que funciona em três camadas: surface web, em que todos navegam e que responde por apenas 4% de todo o conteúdo; a deep web, cujo conteúdo não é indexado pelos buscadores, como é o caso de exames médicos e operações bancárias, concentrando 90% das navegações; e a dark web, na qual a navegação é anônima e, por isso, é utilizada para pedofilia, tráfico de drogas e crimes cibernéticos.

A lei e os riscos em debate

No talk show mediado por Claudio Macedo Pinto, o debatedor Sergio Oliveira, diretor jurídico da Tokio Marine Seguradora, deixou claro que os corretores poderão responder junto com as seguradoras pelo vazamento de dados, de acordo com a LGPD. “A responsabilidade solidária existe, inclusive a objetiva, aquela não precisa da comprovação da culpa. Por isso, os corretores devem se preocupar”.

Victor Perego, Cyber Underwriter na AIG Seguros, disse que em suas apresentações costuma dividir os objetivos do seguro cibernético em três “pacotes”. No primeiro, para cobrir os custos que a empresa terá para investigar, restaurar o sistema, enfrentar a paralisação (lucros cessantes) e lidar com a crise de imagem. No segundo, para atender ao aspecto regulatório (LGPD), cobrindo custos com peritos, multas e publicidade do vazamento. No terceiro, o seguro cobrirá os custos das ações judiciais de terceiros em decorrência do vazamento de dados.

Uma das premissas básicas do seguro cibernético, segundo Hellen Deungaro Fernandes, gerente de subscrição de Linhas Financeiras na Zurich, é a exclusão de danos materiais ou danos tangíveis. “Se perco meu computador com os dados de clientes, não haverá cobertura para a máquina, mas apenas para o seu conteúdo”, disse. As demais exclusões são danos corporais e a transferência de valores.

Cláudio Macedo informou que a sua corretora, a Clamapi, está trabalhando junto com seguradoras para desenvolver coberturas de riscos cibernéticos exclusivas para pequenas e médias empresas, incluindo corretoras, com valores mais baixos. “A maioria dos corretores não precisa de um seguro de R$ 1 milhão, às vezes, R$ 50 mil já é suficiente”, disse.

Marcas do Grupo Bradesco Seguros são eleitas as preferidas pelos consumidores cariocas 953

Marcas do Grupo Bradesco Seguros são eleitas as preferidas pelos consumidores cariocas

Bradesco Saúde é a vencedora pelo quarto ano seguido e Bradesco Seguros aparece pela primeira vez no topo do ranking

O Grupo Bradesco Seguros segue com motivos para comemorar a sua forte presença no Rio de Janeiro: por mais um ano consecutivo, as marcas que compõem o Grupo apareceram no Marcas Cariocas. O ranking, que revela os produtos e os serviços mais admirados e lembrados por quem mora na Cidade Maravilhosa, é realizado pelo jornal O Globo, em parceria com a Troiano Branding.

Desta vez, a Bradesco Saúde foi a marca mais lembrada na categoria “Planos de Saúde” com 32, 6 pontos. Já a Bradesco Seguros conseguiu, pela primeira vez, o lugar mais alto do pódio no segmento de “Seguros”, com 23,1 pontos.

“Desde a criação do ranking há nove anos, nossas empresas sempre figuram em posições de destaque no Marcas dos Cariocas. A grande novidade desta edição, para nós, foi o primeiro lugar no segmentos de “Seguros”. Acreditamos que essa lembrança dos cariocas é fruto da nossa visão de longo prazo com o Rio, cidade berço do nascimento do Grupo Bradesco Seguros, refletida na nossa recente mudança de sede para a região do Porto Maravilha”, destaca Alexandre Nogueira, diretor de Marketing do Grupo Bradesco Seguros.

Para eleger as empresas preferidas dos cariocas, o levantamento realizou exatas 2.049 pesquisas em diferentes bairros da cidade. Além de “Planos de Saúde”, “Seguros”, categorias como “Artigos Esportivos”, “Supermercados” e “Companhia Aérea” também foram ouvidas.

5 motivos para contratar um seguro de vida 881

5 motivos para contratar um seguro de vida

Executivo da MAPFRE desmistifica o tema e traz orientações para a aquisição da apólice

Levantamento da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg) mostra que os brasileiros estão mais atentos quanto à necessidade de possuir uma proteção de vida. Entre janeiro e setembro deste ano, a arrecadação do mercado segurador com a comercialização de produtos desse segmento cresceu 19,36%, quando comparado ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com o diretor de Vida, Previdência, Capitalização e Odonto da MAPFRE, André Serebrinic, entre os fatores que ajudam a popularizar o seguro estão retomada da confiança dos consumidores e a ampliação da consciência quanto à necessidade de contar uma proteção que resguarde os familiares diante de uma eventualidade. “As pessoas estão cada vez mais atentas ao planejamento financeiro e à adoção de instrumentos que permitam a sustentabilidade financeira dos dependentes, caso ocorra um acontecimento inesperado com os provedores. E isso tem feito com que os brasileiros percebam o seguro de vida como um amparo.”

Para ajudar as pessoas a aprofundarem o conhecimento sobre o seguro de vida e desmistificar o produto, o diretor da MAPFRE lista cinco motivos para os brasileiros contratarem uma proteção:

1. Indenização em vida: Os produtos contam hoje com diversas coberturas para casos de doenças graves nas quais os segurados, uma vez diagnosticada a patologia, recebem as quantias previstas no contrato para utilizar da forma que julgarem mais adequado. O produto MAPFRE Vida Você Mulher, por exemplo, prevê o pagamento da indenização em caso de câncer de mama, útero ou ovário, e conta ainda com diversos benefícios, como dicas de dieta e nutrição, serviço de babá, limpeza doméstica, reparos hidráulicos e elétricos residenciais, chaveiro, amparo psicológico e descontos em medicamentos, entre outros.

2. Indivíduos solteiros ou sem descendentes: Muitas pessoas acreditam que não precisam se preocupar com eventualidades por estarem solteiras ou por ainda não terem filhos. Contudo, o que os brasileiros esquecem é que seus pais, por exemplo, podem ser considerados como dependentes. “É importante levar em consideração todas as pessoas que dependem financeiramente de você e, a partir disso, calcular quanto cada um precisaria para manter o padrão de vida por um determinado período, caso ocorra um incidente”, explica André.

3. Seguro de vida não é caro: A ideia que o seguro de vida é item com valor elevado é mais um mito. O preço da apólice leva em consideração fatores como a idade do contratante, valor da indenização e coberturas obtidas. Por este motivo, a quantia que será paga varia de acordo com o que é adquirido. Contudo, o diretor da MAPFRE, enfatiza que o importante é a pessoa escolher o valor da proteção e as coberturas adequadas ao seu momento de vida, pois assim pagará um valor justo. “O corretor de seguro será de grande ajuda neste processo, pois ele consegue traçar o perfil da pessoa e apontar as soluções mais convenientes naquele momento.”

4. Pagamento imediato: Em muitos casos, após a morte de um familiar, é comum que os herdeiros só tenham acesso aos bens após a conclusão do inventário, que pode levar alguns meses. No seguro de vida, o pagamento da indenização aos beneficiários indicados na apólice é realizado independentemente do inventário ou da partilha de bens. Isso é um ponto importante, principalmente quando a fatalidade ocorre com o provedor da família.

5. Seguro com opção de resgate: O mercado segurador já disponibiliza soluções que permitem reaver parte do que foi pago. A MAPFRE, por exemplo, conta com um produto chamado Bien Vivir, que oferece a cobertura por sobrevivência, ou seja, após o período contratado, a pessoa poderá resgatar parte dos valores corrigidos. O grande diferencial é que o preço do seguro não aumenta com a idade, os prêmios e coberturas são corrigidos anualmente pelo IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo). Além disso, o seguro conta ainda com cobertura para casos de doenças graves.

MDS Brasil anuncia parceria com a Genial Investimentos 966

MDS Brasil anuncia parceria com a Genial Investimentos

Referências em seus segmentos, empresas ganham capilaridade e combinam oferta de serviços e soluções aos clientes

Um novo jeito de pensar os negócios e agregar soluções para os clientes. É com este objetivo que a MDS Brasil, uma das principais corretoras do País no segmento de seguros, resseguros, gestão de benefícios e consultoria de riscos, anuncia sua parceria com a Genial Investimentos, uma das maiores plataformas de assessoria financeira e investimentos do Brasil, para unir o melhor da expertise de cada uma combinando suas ofertas de produtos e serviços.

“Somar para gerar mais valor ao cliente. Esta é uma tendência que está se consolidando. Diante deste cenário, nós buscamos a Genial Investimentos para atuarmos em parceria, com foco na troca de conhecimento e serviços. Essa relação trará benefícios aos clientes – empresariais e individuais – das duas companhias”, diz Ariel Couto, CEO da MDS Brasil.

A Genial Investimentos já contava com uma área especializada em Vida e Previdência, com produtos voltados para Pessoa Física. Por meio da parceria com a MDS Brasil, a plataforma passa a agregar a oferta produtos para Pessoa Jurídica. A cooperação entre as empresas prevê que a MDS Brasil ofereça toda a sua gama de seguros (Riscos Empresariais e Benefícios) e seus serviços de gestão de risco aos clientes da Genial. Já os clientes da MDS Brasil terão a oportunidade de acessar opções de investimentos e programas de educação financeira, incluindo palestras e workshops realizados pela equipe de especialistas da parceira.

“Com esta parceria, Genial e MDS ganham não apenas um aumento de capilaridade, como também maior diversificação da oferta, com um portfólio de produtos e serviços complementares que se torna disponível a nossos clientes e colaboradores”, afirma Claudio Pracownik, co-CEO da Genial Investimentos.
O tamanho da oportunidade para ambas as companhias se traduz em números: apenas a MDS Brasil conta com mais de 1 milhão de vidas e mais de 300 empresas em sua base de clientes. Já a Genial Investimentos – que vem dobrando a cada ano – mantém atualmente cerca de 200 mil clientes e aproximadamente R$ 32 bilhões em ativos sob custódia.

De acordo com Pracownik, a colaboração para a criação de soluções inovadoras ajudará a fortalecer o posicionamento das duas organizações em suas áreas de atuação. “A parceria com a MDS Brasil está 100% alinhada à nossa estratégia de negócios. Já atuamos fortemente na propagação de conhecimento sobre o mercado financeiro e queremos estar mais próximos de potenciais clientes, desmistificando alguns conceitos e mostrando que o investimento pode ser feito sob medida e de forma bastante segura”, afirma.

“Seguros e investimentos são áreas correlacionadas e mantêm relação direta com educação financeira: no primeiro caso transfere-se os riscos e no segundo planeja-se aplicação das reservas. A combinação de produtos dos dois segmentos permite aos clientes, sejam empresas ou indivíduos, um melhor planejamento para o futuro”, destaca Couto.

A parceria também é marcada pela sinergia entre as empresas. As duas marcas são reconhecidas por terem a inovação presente no DNA. A MDS Brasil tem investido em ferramentas e iniciativas cada vez mais tecnológicas com o intuito de garantir ofertas arrojadas aos clientes. Já a Genial Investimentos, por sua vez, é uma companhia 100% digital que aposta em um modelo sem burocracia e com assessoria especializada e sem custo.

Referência no mercado, a MDS Brasil faz parte do Grupo MDS. A empresa registrou um incremento de 30% nos prêmios administrados de clientes no primeiro semestre de 2019 – ritmo que deve se manter até o final do ano. A previsão é encerrar 2019 com R$ 2 bilhões de prêmios de clientes colocados em seguradoras, acima dos R$ 1,5 bilhão obtidos em 2018.

Já a Genial Investimentos é parte do grupo Brasil Plural, que tem R$ 80 bilhões ativos sob custódia e administração.

Seminário apontou tendências para seguros e negócios em 2020 544

Seminário apontou tendências para seguros e negócios em 2020

Encontro aconteceu no último dia 5 de dezembro, no Rio

A matriz da ENS, no Rio de Janeiro (RJ), sediou, no último dia 5 de dezembro, o seminário “2020, o que esperar para os negócios e o mercado de seguros?”. Com transmissão ao vivo pela internet, o evento contou com nove palestras, nas quais foram debatidos desafios e oportunidades que deverão surgir na economia nacional, sempre com olhar voltado para o mercado de seguros e segmentos de negócios afins.

A manhã foi reservada a assuntos comportamentais, sobre gestão e também da área de Finanças. O primeiro painel, Consumer Insights, teve moderação da pesquisadora do Coppead/UFRJ, Camila Braga, e apresentações da jornalista Renata Barros e da gerente de Marketing dos Shoppings Rio Design Barra e Leblon, Fabiana Leite.

As especialistas analisaram o perfil e o comportamento do consumidor atual, que busca uma experiência individualizada e sustentável, exercendo posição de protagonismo no momento da compra. “Ele está no centro da decisão, é um indivíduo hiperconectado, consciente e ativista”, afirmou Fabiana Leite.

Na sequência, a professora convidada e consultora da Mais Que Isso, Bianca Dramali, deu continuidade aos debates sobre relações com consumidores, incluindo um viés voltado para colaboradores de empresas. Em ambas as discussões, a humanização entre as partes foi apontada como elemento essencial. “100% dos clientes são pessoas. 100% dos funcionários são pessoas. Se você não entende as pessoas, você não entende de negócios”, declarou Bianca, citando o consultor britânico Simon Sinek.

O seguro em um mundo em transformação

Liderança 4.0 e Gestão & Investimentos foram os temas das duas últimas palestras da manhã. Na primeira, a consultora e assessora de empresas, Anna Cherubina Scofano, explicou as seis dimensões do conceito de Liderança 4.0: humanista, holística, integrada e tecnológica, negócios e resultados, estratégica e criativa.

Já o especialista em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria, Luis Vivanco, apresentou um balanço da economia neste ano e fez projeções para 2020, analisando os cenários interno e externo e recomendando os investimentos que devem ter as maiores rentabilidades nos próximos 12 meses.

A programação da tarde começou com a superintendente Jurídica da Generali, Liliana Caldeira. Ela explicou de que maneiras a gestão jurídica em seguros e resseguros habilita profissionais para lidar com a potencialidade de novos produtos e interagir com a liberdade que a regulação deve propiciar em breve. “O setor de seguros está em transformação, assim como todos os outros segmentos produtivos. E o Direito está sempre atrelado a essa realidade, então, precisamos buscar conhecimentos para acompanhar e dialogar com as mudanças e potencialidades desse novo momento”.

Em seguida, o coordenador da cátedra de Inovação e Operações da ANSP, Sérgio Hoeflich, apresentou o cenário contemporâneo e o perfil dos profissionais de gestão de riscos e seguros. “O mercado securitário sofreu e ainda vai sofrer muitas transformações, por isso, a cada dia se torna mais relevante a criação de programas que se insiram não só no mercado securitário, mas também na cadeia de seguros”.

Atualização e Inovação

A terceira palestra da tarde coube a Leonardo Carâp, médico do Ministério da Saúde. Carâp analisou de maneira global o contexto de mudanças e incertezas no setor da Saúde. “Trazer modificações para este segmento é um problema a partir do momento em que consideramos a máxima ‘time que está ganhando não se mexe’. Quando não nos atualizamos o time começa a perder, precisamos investir na Indústria 4.0 e na Saúde 4.0 para não ficarmos obsoletos”.

A importância da transformação digital no marketing foi o assunto enfocado pelo diretor da Abradi-RJ, Fábio Medeiros. Ele abordou maneiras de se relacionar com as ferramentas disponíveis no mercado a fim de entregar uma boa análise das informações e tomar as melhores decisões. “O que está mudando o mercado de seguros, por exemplo, são as insurtechs, que ajudam as corretoras de seguros a recolher dados para avaliar se um cliente tem ou não mais risco do que outro, de acordo com seu comportamento”.

O responsável pela última palestra do seminário foi o pós-graduado em Administração pela FGV/CEAG, Luiz Macoto, que abordou, dentre vários temas, a importância do setor securitário na economia do País. Macoto analisou as tendências e os impactos das novas tecnologias no segmento. “As seguradoras estão inovando, mas isso vem ocorrendo de maneira separada, ou seja, a inovação não se dá diretamente no negócio, de maneira disruptiva. É provável que isso aconteça em breve, mas ainda não verificamos essa tendência no nosso mercado”.

O encerramento do evento foi feito pela coordenadora do CPES, da ENS, Natalia Oliveira. “O intuito desse seminário foi justamente colocar ‘água na boca’ de vocês para que, no próximo ano, tenhamos todos aqui na ENS, para discutir, entender e nos aprofundar nos rumos do mercado de seguros”, finalizou.

Quem não assistiu às palestras pode acessar o conteúdo no canal da ENS no Youtube.

Brasilcap distribui mais de R$ 91 milhões em prêmios até novembro 952

Brasilcap distribui mais de R$ 91 milhões em prêmios até novembro

Dezembro já iniciou com nova milionária: moradora do Rio de Janeiro ganhou R$ 1 mi no sorteio do Ourocap

A Brasilcap, empresa de capitalização da BB Seguros, distribuiu R$ 91,4 milhões em prêmios de janeiro a novembro deste ano, contemplando 18.024 títulos. Esse montante corresponde a uma média de R$ 266,5 mil pagos por dia. Somente no mês passado, foram R$ 6,93 milhões em prêmios, que contemplaram 1.577 títulos.

Neste início de dezembro, dois felizardos já se destacaram também. Uma moradora do Rio de Janeiro, de 68 anos, ganhou R$ 1 milhão no sorteio do Ourocap no último dia 4. E um jovem de 19 anos, do Amazonas, com apenas um título ativo desde junho, faturou a bolada de R$ 700 mil.

Os cinco estados que mais somaram prêmios pagos no ano foram: São Paulo (R$ 21,6 milhões para 3.736 títulos), Minas Gerais (R$ 8,7 milhões para 2.086 títulos), Santa Catarina (R$ 7,6 milhões para 1.260 títulos), Rio de Janeiro (R$ 6,4 milhões para 915 títulos) e Rio Grande do Sul (R$ 5,7 milhões para 1.116 títulos). Em relação à Região Nordeste, a Bahia ficou na frente (R$ 3,7 milhões para 917 títulos), seguido de Pernambuco (R$ 2,5 milhões para 486 títulos

Desde a sua fundação, em 1995, a Brasilcap já entregou um total de R$ 2,25 bilhões em prêmios, que abrangem 646.521 títulos. Atualmente, a Companhia conta com 3,8 milhões de clientes e um portfólio diferenciado de soluções de capitalização, como o estímulo à disciplina financeira com chances de premiação, incremento de negócios para empresas por meio dos títulos de incentivo, garantia ágil e segura para o aluguel de imóveis, contribuição à filantropia, entre outros atributos.