Quase 50% dos clientes brasileiros não confiam em companhias aéreas 1814

Quase 50% dos clientes brasileiros não confiam em companhias aéreas

Falta de transparência das empresas sobre direitos e elegibilidade impulsiona desconfiança

De acordo com um estudo recente da empresa britânica de pesquisa YouGov, encomendado pela AirHelp, empresa líder mundial dedicada a ajudar passageiros aéreos, quase metade (46%) dos brasileiros entrevistados não acreditam no tratamento justo em relação à compensação a passageiros após infração das companhias. O estudo foi realizado entre os meses de junho e julho de 2019 e ouviu 2.106 brasileiros. Em casos de voos cancelados ou de preterição, quando um passageiro, mesmo comparecendo pontualmente para o voo, não consegue embarcar em razão de diversos fatores, como overbooking, cancelamento e atrasos em razão de troca de aeronave ou imprevistos de operação, o consumidor tem direito à compensação financeira.

A baixa confiança nas companhias aéreas é causada por muitos exemplos de violação dos direitos dos passageiros, não apenas por não informá-los sobre seus direitos em caso de interrupção de voos, admitem 60% dos brasileiros que viajam de avião. As companhias aéreas maltratam seus clientes também no momento de pagar a compensação. 50% dos brasileiros que reivindicaram seus direitos devido à interrupção de voo para a companhia aérea responsável receberam o substituto de dinheiro (como vale-refeição, por exemplo), mas não a compensação financeira a que tinham direito. Na Europa, apenas 13% dos passageiros enfrentam situação semelhante.

“Os passageiros aéreos de todo o mundo são constantemente maltratados pelas companhias aéreas e a maioria dos viajantes não sabe como lutar pela compensação a que tem direito. Como organização, estamos lutando em defesa dos passageiros todos os dias e não descansamos até que os viajantes recebam tratamento mais eficiente, compensação financeira e a educação que merecem por parte das companhias aéreas”, diz Christian Nielsen, diretor jurídico da AirHelp. A pesquisa da AirHelp aponta que somente 5% dos brasileiros que viajam de avião conhecem seus direitos em situações de atraso, interrupção e cancelamento de voo.

Passageiros brasileiros não se sentem em posição de lutar por seus direitos

Os passageiros brasileiros não se sentem em posição de reivindicar seus direitos à empresa. O estudo da AirHelp mostra que apenas 49% dos passageiros brasileiros que pensam que são elegíveis entraram com uma compensação financeira à companhia aérea. 80% deles, que solicitaram compensação para a empresa responsável pela cancelamento ou atraso do voo, desistiram de lutar por seus direitos depois de receber a primeira rejeição da companhia aérea. Além da falta de transparência, os passageiros brasileiros precisam lidar com o tratamento inadequado de reclamações por parte das companhias aéreas. Um estudo separado* da AirHelp descobriu que as companhias aéreas rejeitam uma média de 58% das reclamações por motivos ilícitos.

“Os passageiros estão perdendo dinheiro que é legitimamente deles porque as companhias aéreas são desonestas com os direitos de seus próprios passageiros. O processo de pedidos de indenização tornou-se tão desanimador que muitos passageiros desistiram após a reivindicação inicial ter sido rejeitada, destacando o fato de que muitos consumidores se sentem impotentes contra as companhias aéreas. A legislação brasileira está em vigor para capacitar os passageiros e não deve ser usada pelas companhias aéreas como ilusão, permitindo que eles evitem sua responsabilidade legal. Com a alarmante taxa de 95% dos passageiros brasileiros desconhecendo seus direitos, a AirHelp continuará a educar e fornecer os recursos e conhecimentos necessários para garantir que a lei funcione a seu favor”, comenta Christian Nielsen, diretor jurídico da AirHelp.

Entre os motivos mais comuns pelos quais os brasileiros não solicitam a compensação de voo estão a falta de conhecimento sobre como registrar a reclamação e sobre os direitos dos passageiros, além da suposição de que o processo de compensação leva muito tempo.

Passageiros têm respaldo da legislação

Os passageiros brasileiros estão protegidos por uma resolução da Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil (ANAC). A legislação mais relevante para passageiros é conhecida como Resolução ANAC Nº 400, que define claramente as responsabilidades das companhias aéreas em relação aos passageiros quando ocorrem atrasos, cancelamentos e reservas em excesso de voos. Garante ainda vários direitos aos passageiros, especificando com precisão quais tipos de assistência as companhias aéreas precisam fornecer e quando. Sempre que uma companhia aérea deixa de prestar assistência, o Código Brasileiro de Defesa do Consumidor permite que os passageiros reivindiquem uma compensação pelo inconveniente.

As leis do Brasil permitem que os passageiros reivindiquem custos atrasados como comida, bebida e transporte após um problema de voo – estes são chamados de “danos materiais”. Mas, de acordo com o Código do Consumidor do Brasil, os passageiros também têm o direito de buscar uma compensação pelo que é conhecido como “danos morais”. Isso significa que não há necessidade de os passageiros provar que incorrem em um custo – as leis entendem que tempo perdido, oportunidades perdidas e tratamento inadequado também são importantes e merecem ser recompensados.

A lei se aplica a todos os viajantes aéreos que chegam ou partem de aeroportos brasileiros. O período de rescisão para solicitar indenização é de dois anos (para internacional) e cinco anos (para voos domésticos).

Fundación Mapfre abre inscrições para prêmio internacional de seguros e previdência social 603

Iniciativa, aberta para brasileiros, vai reconhecer com 30 mil euros os trabalhos científicos selecionados

A Fundación Mapfre recebe as inscrições para a 10º edição do Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán, voltado para trabalhos científicos relacionados ao mercado segurador e à previdência social.

Para disputar os 30 mil euros, os projetos devem ter como objetivo contribuir para a visibilidade da atividade seguradora na sociedade e para a promoção da estabilidade econômica por meio da previdência social. Eles também precisam ser inéditos ou terem sido publicados nos últimos três anos. Além disso, é importante que todos possam ser aplicados em outros países ou regiões.

Pessoas físicas ou instituições interessadas em participar podem inscrever seus trabalhos até 30 de junho acessando o site da Fundación Mapfre neste endereço.

Brasesul: Inscrições com condições especiais até o dia 31 de janeiro 716

Menos de 150 dias para o Brasesul 2020, em Foz do Iguaçu (PR)

Encontro acontecerá em Foz do Iguaçu

Corretores de seguros do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná podem aproveitar os valores das inscrições para o Brasesul válidos até sexta-feira, 31 de janeiro. O evento acontecerá nos dias 14 e 15 de maio, no Rafain Palace Hotel & Convention, de Foz do Iguaçu, Paraná, e contará com uma programação de palestras totalmente direcionado à nossa atividade profissional.

Valores das inscrições:

Corretor, Colaborador e Acompanhante de Corretor associado ao Sincor: R$ 165,00
Corretor, Colaborador e Acompanhante de Corretor não associado ao Sincor: R$ 310,00

Segurador com Patrocínio: R$ 330,00
Segurador sem Patrocínio: R$ 650,00

Prestador de Serviço com Patrocínio: R$ 330,00
Prestador de Serviço sem Patrocínio: R$ 550,00

Outros: R$ 550,00

O translado gratuito somente será oferecido no percurso hotel/evento/hotel, e para os participantes que estiverem hospedados nos hotéis Continental Inn, Bourbon Business, Golden Park Internacional Foz, Hotel Luz, Nadai Confort & Spa, Pietro Angelo e Viale Tower, e que forem adquiridos através da agência oficial Tô Indo Viagens & Eventos.

O coordenador do Brasesul 2020, José Antonio de Castro, faz um alerta para que os interessados não deixem para a última hora: “Já há hotéis com acomodações esgotadas”. As seguradoras e apoiadores que já confirmaram que estarão junto com os corretores no Brasesul 2020 são Allianz, Auto Glass, Bradesco, Capemisa, Centauro-ON, Escola de Negócios e Seguros, Essor, Extramed, Fator, Fenacor, Gboex, HDI, Icatu, Liberty, Mapfre, Mitsui Sumitomo, Mongeral, Pasi, Porto Seguro, Previsul, Sancor, Sompo, SulAmérica, Tokio Marine, Seguros Unimed e Zurich.

Inscrições podem ser feitas através deste link.

Som.us realiza evento em Pouso Alegre 499

Encontro foi serviu para apresentar C6 Bank aos corretores

No último mês, a Som.us, assessoria em seguros e resseguros pertencente ao mesmo grupo do C6 Bank, realizou um evento em Pouso Alegre, Minas Gerais, para os corretores de seguros da região sul-mineira. A ideia foi apresentar as vantagens e possibilidades de negócios aos corretores, que serão o grande canal de distribuição dos produtos financeiros do banco.

Os corretores foram convidados a abrir uma conta pessoa física para conhecer o banco de forma prática e, assim, vivenciar a jornada do cliente. Essa experiência ajudará os corretores a apresentar, com propriedade, os produtos que o banco oferece ao mercado e as vantagens de ser um cliente C6 Bank.

“Ninguém melhor que o corretor de seguros, que conhece profundamente o seu cliente, para orientá-lo sobre qual a melhor solução financeira para ele”, explica Eduardo Toledo, diretor-presidente de Resseguros na Som.us.

Segundo Fabio Basilone, CEO de Wholesale na Som.us e head de Seguros no C6 Bank, foi uma satisfação juntar esses dois universos, o corretor e o banco, em um dos maiores eventos do ramo em Pouso Alegre. “Estamos construindo uma parceria proveitosa para ambos os lados”, diz Basilone. “Com ela, os corretores ampliam sua oferta de produtos financeiros e seguros e o banco conquista um importante canal de distribuição.”

Manutenção do ar-condicionado evita problemas respiratórios e maior consumo de energia elétrica 610

No verão, Porto Faz explica a importância de consertar e higienizar o aparelho periodicamente

Durante o outono e o inverno, o ar-condicionado costuma ficar desligado na maioria das residências. Com essa falta de uso, o aparelho acumula sujeira, ácaros e bactérias, e ainda pode ocorrer vazamentos de gás nas conexões. Segundo o Porto Faz, serviço da Porto Seguro que conserta e higieniza esse tipo de produto, há uma demanda crescente para manutenção de ar-condicionado e, em 2019, os serviços tiveram um crescimento de 105% em relação a 2018, somente na Grande São Paulo.

Segundo David Pereira, gerente do Porto Faz, o recomendado é que o serviço de manutenção e higienização seja feito a cada três meses. “Muitas pessoas esquecem de fazer a conservação nesses períodos de menor utilização e, quando chega a alta temporada, se deparam com o mal funcionamento do aparelho, com problemas respiratórios devido ao acúmulo de sujeira, ou até mesmo com maior consumo da energia elétrica”, explica.

É possível identificar a falta de manutenção e higienização diante de alguns sinais, como falta de refrigeração e odores. “Caso identifique que o aparelho não está alcançando a temperatura projetada ou emanando cheiros, é importante desligá-lo e chamar um profissional técnico para a vistoria. Muitas vezes o que ocorre é a falta de limpeza dos filtros de poeira. Mas quando o ar deixa de refrigerar, o problema pode estar na fuga do gás refrigerante”, alerta.

Serviços de higienização requer profissionais com produtos e equipamentos específicos. “Os proprietários conseguem limpar apenas os filtros”, sinaliza David. “Já para uma higienização completa, o especialista, além de desmontar a carenagem, aplica produtos que precisam de manuseio técnico, como bactericida e desengraxante”, conclui.

Para saber mais sobre os serviços de conserto e higienização de ar-condicionado, acesse o site do Porto Faz em: www.portosegurofaz.com.br.

Rede Lojacorr participa da Showtec 630

Soluções completas em seguros para o agrobusiness são levadas ao evento com o intuito de ampliar as possibilidades de proteção para o produtor

A Rede Lojacorr, maior rede de corretoras de seguros independentes do Brasil, participou da Showtec 2020, maior evento de tecnologia para o Agronegócio do Estado do Mato Grosso do Sul. O evento aconteceu Maracajú – MS, nos dias 22, 23, 24 de janeiro, e nessa edição apresentou o crescimento do número de expositores e no fluxo de clientes, em torno de 25%.

Durante o evento, a Unidade MS da Rede Lojacorr contatou com 32 produtores de mais de 200 mil hectares de áreas cultivadas, que precisam estar asseguradas. Também foram formalizadas parcerias com duas Revendas de Insumos e uma Cooperativa. “Esse contato vai criar uma sinergia muito importante pra facilitar os acessos dos produtores à Seguros Agrícolas mais completos e custos mais atrativos”, conta.

Na Showtec, a Lojacorr inovou ao levar soluções completas e eficientes para o produtor. “Apresentamos uma forma diferente de proteger as lavouras. O foco foi orientar o produtor a contratar a melhor opção de seguro agrícola, com o intuito de ajudar o brasileiro a se proteger mais e melhor”, explica Sidney Rodrigues, gestor da Rede Lojacorr MS, que contou o apoio comercial dos parceiros Arnaldo Gaspar Filho (engenheiro Agrônomo), Evandro Pletsch (diretor Comercial da Innovar) Santos Neto Advocacia, Tokio Marine e Bradesco Seguros.