Por unanimidade, Altevir Prado é eleito presidente do Sindseg PR/MS 4063

Nova diretoria assume a partir do dia 15 de fevereiro

O Sindicato das Seguradoras do Paraná e do Mato Grosso do Sul (Sindseg PR/MS) elegeu sua nova diretoria durante a terça-feira, 14. Por unanimidade, o superintende da Bradesco Seguros na Região Sul Altevir Prado foi eleito presidente da entidade, em conjunto com a diretoria, que conta com Gustavo Henrich, vice-presidente da Junto Seguros, como vice-presidente.

A nova diretoria toma posse a partir do dia 15 de fevereiro. SindSeg PR/MS

Altevir Prado possui Mestrado em Economia pela Unisinos e Doutorado em Economia do Desenvolvimento pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com parte do seu doutorado realizado na Espanha, assumiu a Regional Sul da Bradesco Seguros em 2019. “É um sentimento de felicidade e ao mesmo tempo de um enorme compromisso que a gente passa a assumir, oficialmente, a partir de agora. Eu acho que é preciso lembrar que o Sindseg Paraná/Mato Grosso do Sul é uma das instituições mais antigas do país, praticamente centenária, e um dos sindicatos de maior representatividade e de maior respeito em todo país”, destacou ao JRS o novo presidente.

Ele e a diretoria eleita tem à frente o desafio de suceder a equipe que tinha como presidente João Gilberto Possiede, que soma mais de 70 anos de mercado segurador. “A sucessão no Paraná talvez seja uma das mais emblemáticas do país porque estamos continuando o trabalho de João Gilberto Possiede, que é uma lenda no mercado de seguros brasileiro, talvez como Miguel Junqueira foi no Rio Grande do Sul”, lembrou. “Substituí-lo é uma responsabilidade gigantesca. Então tem essa parte emblemática de não ser só uma eleição ou uma sucessão simples, mas, sim, uma sucessão emblemática que marca o encerramento de um ciclo para a abertura de um novo tempo na entidade”, acrescentou.

Prado ainda contou com exclusividade ao JRS que a diretoria eleita, sob seu comando, caminhará sob quatro eixos: ações coletivas e democráticas, respeito à cultura e tradições da instituição, a modernização do Sindseg PR/MS e promoção do protagonismo da entidade. “Estamos prestes a comemorar os cem anos e uma das principais missões, dentro desses quatro eixos, é preparar o Sindicato para os próximos cem anos. Ou seja, construir as bases ao comemorar o centenário e prepará-lo para as próximas gerações, o que é um desafio muito grande”, concluiu.

A trajetória completa do presidente da entidade foi destaque na edição 231 da Revista JRS. Leia em A fantástica trajetória de Altevir Prado.

Diretoria Sindseg PR/MS 2020/2022

Presidente: Altevir Dias do Prado Bradesco Seguros
Vice-Presidente: Gustavo Henrich Junto Seguros
Diretor Financeiro: Moacir Abba de Souza HDI
Diretor 2º Financeiro: Leandro Ariel Poretti Sancor
Diretor Secretário: João Maria Francisco Centauro On

Conselho Fiscal
Conselheiro Efetivo: Vanderlei Scarpanti Mapfre Seguros
Conselheiro Efetivo: Wilson Bessa Pereira AIG
Conselheiro Efetivo: Ulisses Ferreira Caldeira Sompo
Conselheiro Suplente: Luciano Ambrosini Allianz
Conselheiro Suplente: Luciana Maria de Almeida Gomes Porto Seguro
Conselheiro Suplente: Luciana Alves Sobreda Zago Tokio Marine

Conselho de Representantes junto à Fenaseg
Membro efetivo: Altevir Dias do Prado Bradesco Seguros
Membro suplente: Gustavo Henrich Junto Seguros

Presidente da Qualicorp anuncia auxílio financeiro para corretores 499

Bruno Blatt anunciou também uma nova operadora parceira no Rio de Janeiro

O presidente da Qualicorp, Bruno Blatt, anunciou grandes novidades da administradora de planos de saúde coletivos em entrevistas concedidas ao vivo nesta quinta e sexta-feira, 21 e 22 de maio.

Entre as novidades está a criação de um auxílio financeiro para corretores parceiros impactados pelo novo coronavírus e que não tenham condições de trabalhar devido à doença. A iniciativa conta com investimento de R$ 2 milhões realizado pela Qualicorp e busca parceiros para expandir o projeto. Com o auxílio, os corretores que vierem a ser contaminados pelo Coronavírus e impossibilitados de realizar vendas receberão R$ 1 mil da Quali para minimizar a perda na renda.

“O corretor de planos de saúde é essencial para que a população tenha acesso à medicina privada. Ele é parte estrutural e precisa ser compreendido e valorizado nessa condição. Esse é o nosso jeito de pensar e trabalhar”, destacou o executivo.

Blatt também anunciou que a Assim é a mais nova operadora de saúde parceira da Qualicorp no Rio de Janeiro, o que contribuirá para aumentar as alternativas de planos de saúde oferecidas pela Companhia na região. Além disso, o presidente deu as boas-vindas ao executivo que acaba de se juntar ao quadro de colaboradores da empresa: Alessandro Courbassier, novo superintendente comercial responsável pelo Estado do Rio de Janeiro e pela região Sul. “Essa chegada marca também a regionalização das nossas atividades de vendas, com foco nas características do consumidor de cada praça”, afirmou.

Sobre os desafios do isolamento, Blatt afirmou que a Qualicorp já tinha planos de desenvolver uma operação cada vez mais digital, pensando inclusive na transição para o modelo de home Office, desde antes da pandemia. “Por que precisamos de um prédio de 15 andares se operamos com 100% de vendas digitais?”, destacando a ferramenta de comercialização online dos planos de saúde, que contribui para que, mesmo durante o momento de pandemia corretores, funcionários e clientes possam efetivar a contratação do plano de saúde sem sair de casa.

Segundo o executivo, a rápida adaptação ao home office só foi possível graças ao engajamento dos colaboradores e ao que chamou de “novo jeito Quali de ser”. “A prestação de serviços só se transforma se houver primeiro uma transformação interna. Vivemos um novo ciclo dentro da empresa: acabamos com hierarquias, adotando uma estrutura mais ágil, leve, colaborativa e participativa”, destacou.

Bruno Blatt detalhou, ainda, as principais iniciativas da Qualicorp em prol da sociedade para auxiliar no combate ao coronavírus. A Companhia, junto com outras empresas, está reformando cerca de 100 leitos na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. A empresa integra, também, um consórcio que construiu 200 leitos no hospital de campanha do Parque dos Atletas, no Rio de janeiro. Ambos atendem exclusivamente pacientes do Sistema único de Saúde (SUS).

A Qualicorp doou, ainda, três mil litros de álcool em gel às comunidades de Paraisópolis (SP) e no Vidigal (RJ), além de enviar unidades para funcionários e corretores parceiros. A empresa aderiu, também, ao movimento ‘Unidos Contra o Coronavírus’, contribuindo com a doação de 3 mil testes para profissionais da saúde pública que atuam combate à pandemia.

ExameTalks – Para a Exame, Blatt também abordou a importância das parcerias público-privadas, sobretudo durante a pandemia. “Esse apoio sempre existiu. Nós, na condição de empresas, temos um importante papel em relação à sociedade também, e estamos mostrando isso. Na minha opinião, esse movimento vai continuar, e não só por meio das doações que ficam como legado, como os leitos reformados em hospitais públicos. Fico muito satisfeito em integrar uma companhia que tem feito sua parte de forma brilhante. Essa proximidade foi essencial para ressignificarmos as relações”, disse.

Além disso, foi colocado em pauta o acesso de idosos à saúde privada. “Desenvolvemos marketplace para produtos e serviços modulares, que possam ser para toda a base, sem diferença para quem está nessa faixa etária. Temos o QualiViva, para gestão de doenças crônicas, de apoio à população com mais de 65 anos. Eles merecem toda a nossa atenção, e precisamos ser criativos para atender a essa dificuldade que existe no mercado. É uma missão para todo o setor”, opinou.

A mensagem final do presidente da Qualicorp, em ambas as participações, é de união e solidariedade. “Essa tragédia abala a todos nós. Devemos tentar canalizar energias para ações positivas. Se cuidar, fazer uma atividade mental ou física para nos fortalecer, repensar a relação familiar e dialogar com nossa família Deixo uma mensagem final de amor, para sairmos mais solidários e mais unidos dessa”, finalizou, garantindo que a Qualicorp continuará fazendo a sua parte.

Para assistir à entrevista na íntegra, basta acessar:

ExameTalks: https://youtu.be/WM14BVGphWg

Conheça as iniciativas da Qualicorp durante a pandemia:

Campanha #VaiPassar:

https://www.enquantonaopassa.com.br/

Portal Qualicorp Explica – Especial Coronavírus:

https://qualicorpexplica.com.br

CVG RS manifesta sentimentos pelo falecimento de Minas Mardirossian 1744

Executivo foi fundador e primeiro presidente do CVG-RJ 

O Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG RS) manifesta imenso pesar pelo falecimento de Minas Mardirossian, nesta sexta, 22. Ele foi fundador e primeiro presidente do CVG-RJ.

De acordo com nota da entidade carioca, Mardirossian era um profissional dedicado ao mercado de seguros. “[Possuía] notório saber e deixa um vasto legado aos que trilham o segmento de Pessoas e Benefícios no Brasil. Ele foi um ferrenho defensor deste mercado, ao qual se dedicava desde 1957, quando começou a trabalhar na área de produção de seguro de vida em grupo na SulAmérica”, detalha o texto.

“Recebemos com muita tristeza a notícia do falecimento do fundador do CVG-RJ, Minas Mardirossian, uma pessoa querida por todos e que muito contribuiu pra nosso mercado segurador. Registro meus sentimentos a toda família”, expressa a presidente do CVG RS, Andreia Araújo.

 

World Insurance Report 2020: confira o relatório 1400

Seguradoras devem se aliar a ecossistemas abertos e recorrer a parceiros para reter participação de mercado com a entrada das BigTechs

World Insurance Report 2020 da Capgemini e da Efma, publicado hoje, revela que consumidores de todas as idades estão adotando uma “mentalidade millenial” e confiando cada vez mais em suas próprias pesquisas por meio de vários canais para obter informações e adquirir os produtos de seguros. Os consumidores estão recorrendo a players não tradicionais, como BigTechs (*1) e fabricantes de produtos, para ofertas inovadoras e personalizadas com experiência aprimorada do cliente (CX) e estão cada vez mais confiando em canais digitais diante da pandemia de Covid-19.

Para permanecer relevante, cita o relatório, as seguradoras existentes devem agir, reavaliando seus portfólios e aproveitando parcerias para se tornarem “Seguradoras Inventivas”. Isso envolve moldar os produtos existentes para atender às necessidades e preferências dos clientes em rápida evolução.

A mentalidade milenar transcendeu a idade

A adoção digital não é mais uma função da idade; para aqueles com acesso à web e à mídia social, a pesquisa e a compra direta de seguros on-line se tornou popular em todas as gerações. O relatório da Capgemini mostra que o número de clientes Geração X e pessoas de mais idade (*2) fazem transações diárias on-line e móveis, como compras ou pagamentos de contas, dobrou, passando de 30% dos entrevistados da Geração X e idosos em 2018 para 64% em 2020. O bloqueio do Covid-19 impulsionará ainda mais essa tendência, pois os consumidores serão forçados a usar os canais digitais nas transações diárias, independentemente da idade ou do conhecimento técnico.

Existe uma nova equação de confiança no seguro

O World Insurance Report 2020 agrupa os clientes de seguros de hoje em quatro categorias – pioneiros (*3), inquisitivos (*4), experimentais (*5) e seguidores (*6) – com base em seu comportamento social e preferências de compra. Os clientes de hoje não confiam exclusivamente em um canal na sua decisão de compra. Em graus variados, eles confiam na pesquisa on-line, incluindo comentários, depoimentos de familiares e amigos, bem como em conselhos de corretores e agentes, e se sentem capacitados para tomar decisões independentes de compra de políticas.

Os possíveis clientes procuram conveniência, e empresas não tradicionais, como as BigTechs, com agilidade digital ou fabricantes de produtos, oferecem uma experiência inigualável ao cliente, atraindo cada vez mais clientes a se arriscarem em um novo fornecedor. O apetite pelo seguro das BigTechs está se acelerando rapidamente: enquanto apenas 17% dos participantes da pesquisa do World Insurance Report 2016 disseram que considerariam comprar um seguro das BigTechs, o número dobrou em 2020 para 36%.

A hiper personalização é fundamental

O relatório recomenda que, para permanecerem relevantes para os clientes, as seguradoras precisam se conectar melhor com seus segurados, proporcionando-lhes um envolvimento hiper-personalizado e orientado pela experiência. Simplificando, as seguradoras precisam oferecer os produtos certos, no momento certo e através dos canais certos. Além disso, como as preferências do cliente estão evoluindo mais rapidamente do que nunca, é altamente necessária uma avaliação contínua por meio do gerenciamento de dados em tempo real, para que as experiências do cliente evoluam de acordo com as necessidades e desejos dos consumidores.

Os consumidores desejam flexibilidade e facilidade ao pesquisar fornecedores de seguros. Por exemplo, mais de 50% desejam um seguro com base no uso, pois oferece hiper personalização e valor ao dinheiro, mas apenas metade das seguradoras oferece esse tipo de opção. Embora as seguradoras tradicionais entendam a importância de entrar em contato com os consumidores no momento certo, elas não estão agindo sobre isso. Às vezes, elas não possuem as ferramentas e técnicas certas para prever quando enviar produtos apropriados, reduzindo sua capacidade de agir no momento certo: apenas 35% das seguradoras estão fornecendo aos agentes as ferramentas digitais que ajudam a determinar os eventos da vida do segurado, como casamento e filhos novos. ou compra de casa. De fato, apenas 25% afirmaram que o rastreamento de dados externos é útil.

Os dados do titular da apólice podem ser capturados usando uma variedade de fontes, dentro do âmbito dos regulamentos de privacidade de dados. Ao aderir aos ecossistemas de APIs abertas, as seguradoras poderiam entender melhor quando os consumidores podem precisar de um novo produto, sugere o relatório.

Além disso, enquanto os consumidores estão recorrendo a sites de comparação e sites da empresa para coletar informações sobre apólices, menos de 30% das seguradoras pensam que seus sites são úteis para compartilhar informações sobre apólices e apenas 37% dizem que sites de comparação ajudam a educar os clientes. As seguradoras podem considerar investir em canais on-line que capacitam os clientes a tomar decisões com o clique de um botão. Sem opções de engajamento omnichannel ininterruptas, as seguradoras tradicionais enfrentam perdas: 75% dos clientes trocariam de seguradora se o serviço de apólice não estivesse disponível em todos os canais.

Os titulares devem se transformar em seguradoras inventivas

As seguradoras devem evoluir rapidamente de produtos de tamanho único para oferecer experiências alinhadas às preferências específicas e individuais dos segurados. Enquanto as BigTechs estão coletando dados em tempo real por meio de assistentes de voz, dispositivos de vestíveis e outros dispositivos de IoT e chatbots interativos, apenas 38% das seguradoras capturam dados de dispositivos de IoT em tempo real e 33% de minas através de sistemas de suporte baseados no processamento de linguagem natural (por exemplo, chatbots).

O relatório conclui que, nesse novo cenário, as que obtiverem sucesso serão as “Seguradoras Inovadoras”, empresas que compreendem as necessidades e preferências dos clientes e que aproveitam os dados disponíveis do ecossistema para fornecer produtos personalizados e sensíveis ao tempo.

“O ambiente competitivo e em rápida mudança de hoje foi inexoravelmente alterado pela pandemia do Covid-19. A adoção digital entre gerações e o impacto sem precedentes da pandemia são razões convincentes pelas quais as seguradoras estabelecidas precisam transformar seus modelos operacionais”, disse Anirban Bose, CEO da Unidade de Negócios Estratégicos de Serviços Financeiros da Capgemini e membro do Conselho Executivo do Grupo. “O jogo final será se tornar a seguradora que oferece experiências hiper-personalizadas para poder competir de frente com a BigTechs. Tem que haver uma razão para os consumidores optarem por ficar com as seguradoras e a hiper-personalização pode ser essa a razão”.

“As seguradoras pioneiras em estratégias estratégicas estão intensificando a colaboração com empresas InsurTech maduras para desenvolver soluções inovadoras, pois, agora mais do que nunca, a experiência do cliente será o diferenciador para as que prosperarem no futuro”, disse John Berry, CEO da Efma.

(*1) As BigTechs são grandes empresas multinacionais de tecnologia, como Google, Amazon, Facebook, Apple, Alibaba etc.

(*2) Clientes da Geração X e mais antigos são clientes nascidos em 1980 ou antes.

(*3) Os pioneiros buscam informações ativamente por meio de análises online e consultam amigos/familiares antes de comprar um produto. Eles dão boas-vindas às novas ofertas de seguros e estão dispostos a pagar mais por uma excelente experiência de suporte pós-compra.

(*4) Os clientes curiosos são conhecedores das mídias sociais e procuram avaliações online, mas estão prontos para experimentar novos produtos e serviços extras em um prêmio apenas se perceberem valor ao fazê-lo.

(*5) Os experimentais não são muito ativos nas mídias sociais ou muito interessados na orientação de familiares/amigos, mas estão prontos para tentar novos produtos.

(*6) É improvável que os seguidores acessem informações de produtos/serviços de forma proativa, busquem críticas online, conselhos de familiares/amigos, tentem novos produtos ou paguem mais por serviços extras.

Metodologia do relatório

O Relatório Mundial sobre Seguros 2020 baseia-se em informações de duas fontes principais – a Pesquisa Global sobre Voz do Cliente em 2020 e as Entrevistas de Executivos em Seguros Globais em 2020. Esta pesquisa primária abrange insights de 32 mercados: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Colômbia, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Hong Kong, Hungria, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Marrocos, Holanda, Nigéria, Noruega, Filipinas, Portugal, Arábia Saudita, Cingapura, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

Pesquisa sobre Voz Global de Seguros do Cliente em 2020

A abrangente Pesquisa Voice of the Customer, administrada em janeiro e fevereiro de 2020, em colaboração com a Phronesis, entrevistou mais de 8.000 clientes de seguros em 22 países. A pesquisa procurou obter uma visão profunda do comportamento geral e das preferências do cliente e de como isso molda sua atitude em relação ao seguro. A pesquisa questionou os clientes sobre suas dimensões de personalidade, como estilo de vida, educação e trabalho, comportamento social, comportamento financeiro, preferências de compra e afinidade tecnológica; e comportamento de compra de seguros para suas preferências de produto, canal e horário. Também foram feitas perguntas aos participantes, cobrindo fatores que podem influenciar sua decisão de mudar de seguradora atual, o interesse em adotar novos modelos de seguro e a vontade de comprar apólices de seguradoras não tradicionais.

Entrevistas de executivos de seguros globais para 2020

O relatório também inclui informações de entrevistas de mais de 150 executivos seniores de seguros das principais companhias de seguros em 29 mercados. Esses mercados juntos representam as três regiões – Américas (América do Norte e América Latina), EMEA (Europa, Oriente Médio e África) e Ásia-Pacífico (incluindo o Japão).

Clique aqui e confira a pesquisa completa.

Lloyd’s of London estima pagar entre US$ 3 e US$ 4,3 bi em indenizações 692

Previsões globais de perdas seguradas de US$ 107 bilhões são semelhantes às perdas por catástrofes naturais em 2005

O Lloyd’s de Londres estima pagar entre US$ 3 bilhões e US$ 4,3 bilhões em pedidos de indenizações relacionadas à pandemia de coronavírus, valor semelhante às perdas dos ataques de 11 de setembro, informou no dia 14 de maio. As perdas globais com subscrição e investimentos podem atingir um recorde de US$ 203 bilhões em 2020, acrescentou.

A Zurich Insurance anunciou que espera US$ 750 milhões pela pandemia no segmento de seguros gerais (no life) neste ano. As seguradoras também perderam dinheiro devido à queda dos mercados financeiros, com perdas em investimentos que usam para pagar os sinistros relatados. “Acho que ninguém em nosso setor jamais viu os dois fatos acontecerem ao mesmo tempo”, disse à Reuters o presidente-executivo do Lloyd’s, John Neal. As perdas de investimento foram de US$ 96 bilhões.

As previsões globais de perdas seguradas de US$ 107 bilhões são semelhantes às perdas por catástrofes naturais em 2005, lideradas pelos furacões Katrina, Rita e Wilma e em 2017, incluindo os furacões Harvey, Irma e Maria, informou o Lloyd’s.

As estimativas do Lloyd’s não incluem seguro de vida e consideram medidas contínuas de distanciamento e lockdown em 2020, bem como uma queda no PIB global. A maior parte das perdas de seguros considera o cancelamento ou adiamento de grandes eventos em todo o mundo, incluindo as Olimpíadas, reclamações lucros cessantes e crédito comercial.

Neal disse que o setor de “Property” do Reino Unido representa menos de 2% do mercado dos negócios do Lloyd’s, acrescentando que “quaisquer reivindicações válidas devem ser pagas”.

As seguradoras de vida também estão sendo atingidas pela crise, principalmente porque as medidas de lockdown impedem que os agentes atendam aos clientes. A Prudential disse na quinta-feira que suas vendas no primeiro trimestre na Ásia caíram 24% e espera um segundo trimestre desafiador.

Mas a crise também cria oportunidades para novos produtos. O Lloyd’s está subscrevendo riscos de ensaios clínicos e está considerando o seguro de longo prazo após o evento para ajudar as empresas a se recuperarem de pandemias, incluindo o Covid-19.

É improvável que a sala de subscrição do Lloyd’s, que recebe quase 50 mil pessoas, seja aberto antes de agosto, disse Neal. Mas parte da equipe do Lloyd’s pode começar a retornar à torre da City de Londres em junho, acrescentou.

 

Por Denise Bueno, Jornalista especializada na indústria de seguros brasileira e internacional

Prós e contras da prorrogação da LGPD em meio ao cenário de pandemia 5761

Artigo é do advogado Sahil Bhambhani, da Agrifoglio Vianna Advogados Associados

Em abril do presente ano, o Senado Federal aprovou a prorrogação do início da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para janeiro de 2021, sendo que a eficácia das disposições que versam sobre as penalidades foi postergada para agosto de 2021.

É de se entender e apoiar que todos os esforços do país, no momento, sejam destinados a mitigar os efeitos nefastos da pandemia, mas a justificativa dada não possui correlação com elemento essencial à vigência efetiva da LGPD: a implementação da Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD), que ainda não ocorreu. Trata-se do órgão regulamentador da Lei, responsável pela elaboração de estudos e diretrizes da proteção de dados, que funcionará como um elo entre a sociedade e o governo.

A instabilidade regulatória constitui grande óbice ao avanço do país no tema, pois pode implicar em tutela difusa por outros órgãos fiscalizadores, causando insegurança jurídica. Importante denotar, também, que diante da necessidade de isolamento domiciliar de grande parte da população, houve crescimento da utilização das plataformas de teletrabalho e vídeo-chamadas, entre outros, o que ensejou no aumento da circulação de dados pessoais nas plataformas digitais. São informações que continuam a circular sem o tratamento necessário, com possíveis consequências nebulosas para seus titulares.

Sob o prisma econômico, acredita-se que a prorrogação ajudará as empresas, inegavelmente afetadas pela crise, a ganharem tempo para se adequar às diretrizes da Lei. Entretanto, analisando-se a questão sob outro ângulo, o atendimento às disposições legais da LGPD pode constituir um diferencial competitivo para as empresas. Outro ponto importante é a necessidade do Brasil possuir legislação vigente acerca do tema para as empresas locais estarem de acordo com as disposições de outros países – a União Europeia, importante parceira econômica do país, através do General Data Protection Regulation (GDPR), exige que para a troca de dados internacionais entre empresas, o parceiro deve possuir legislação de proteção de dados igual ou superior ao seu nível de proteção. Há o temor, portanto, que as empresas locais sejam prejudicadas no cenário internacional, o que dificultaria ainda mais a retomada do crescimento econômico.

Como se sabe, países como Itália e Espanha, entre outros, sofreram gravemente com o Coronavírus nos meses de março e abril – e foi reforçada a necessidade pela União Europeia (UE) de utilização de dados pessoais anonimizados em meio digital para prever o avanço da doença, avaliar a efetividade das políticas de saúde e ajudar os serviços mais importantes naquele momento. Tudo isto com a atuação do órgão fiscalizador, para que os procedimentos estivessem de pleno acordo com a regulamentação da UE acerca do tratamento destes dados.

A partir do momento em que fosse implementada a ANPD, o Brasil poderia trabalhar da mesma forma, aliando as benesses da tecnologia com o tratamento correto de dados pessoais de seus cidadãos, especialmente os relacionados à saúde, ao passo que são considerados dados sensíveis. Este é o ponto central da questão – a vigência plena da LGPD, com órgão fiscalizador atuante, poderia auxiliar, primordialmente, no combate à pandemia, ao mesmo tempo em que, indiretamente, traria um diferencial para as empresas brasileiras no mercado global.

Não se pretende ingressar em uma dicotomia, com a necessidade de escolha entre a proteção dos dados ou a saúde, mas sim garantir que ambos sejam priorizados e se complementem, afim de mitigar todos os danos causados pela pandemia.