Valores de procedimentos no exterior chegam a ser de 5 a 100 vezes maiores que uma apólice de seguro viagem 1107

Exames obrigatórios podem chegar a 10 mil dólares, e cirurgias de emergência variam de 30 a 100 mil dólares

De acordo com a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), a busca por seguros viagem no Brasil cresceu 19,2% no último trimestre de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado. Entre os motivos para essa mudança de mentalidade do brasileiro, estão a maior conscientização em relação aos acidentes e doenças que podem acontecer na viagem e a importância do suporte em caso de imprevistos, somados à compreensão dos valores praticados no exterior.

Ainda assim, trata-se de uma mudança de comportamento gradual. Por outro lado, com a alta do dólar e do euro, o seguro viagem muitas vezes é visto como um gasto adicional, cujo valor poderia ser revertido em passeios e alimentação na visão de muitos turistas. No entanto, em emergências – que vão desde um roubo ou furto e até mesmo um mal-estar súbito ou acidente – além dos gastos exorbitantes, há toda uma situação a ser administrada.

“Costumamos dizer que não se trata apenas de valores monetários, mas todo o cenário que a pessoa vive naquele momento. Muitas vezes ela precisa lidar com trâmites consulares, emissões de passagens urgentes, repatriações, contato com família para transmitir notícias, e quando ela viaja sozinha, sem apoio de qualquer amigo ou parente do país de origem, as coisas podem ficar até mais delicadas”, comenta Fabio Pessoa, head de Seguro Viagem na Omint. “Para isso, oferecemos um seguro viagem bem estruturado que, além das coberturas, fornece toda a estrutura de intermédio com hospitais, clínicas, companhias aéreas, órgãos governamentais e demais locais”.

O barato sai caro?

De acordo com o executivo, se o viajante visitar outro país sem um seguro viagem, com toda certeza. “Se o turista estiver nos Estados Unidos e sofrer um mal-estar, ele terá que passar por um atendimento médico de emergência em que ele vai desembolsar, em média, 1.900 dólares. Fora os exames, complexos, que podem ir de 4 a 9 mil dólares”, ressalta.

Segundo Pessoa, caso o viajante não tenha seguro viagem e esteja desprovido da quantia a ser paga na ocorrência, ele pode receber uma cobrança de empresas especializadas, mesmo após seu retorno ao país de origem. “Os Estados Unidos, por exemplo, contam com uma estrutura altamente profissionalizada. Enquanto o viajante não quitar suas dívidas, ele pode inclusive ter incidentes diplomáticos”, frisa o executivo.

Enquanto isso, na Europa, os países que fazem parte do Tratado de Schengen exigem cobertura mínima de 30 mil euros para o viajante adentrar no continente. “Mesmo que a Europa apresente sistema público de saúde, há gastos envolvidos. Em todo o território, o valor médio de atendimento é de 540 euros – sendo 495 libras no Reino Unido”, explica.

Verão no Hemisfério Sul, esqui no Hemisfério Norte

Com a chegada do inverno nos Estados Unidos e Europa, regiões como o Estado do Colorado e os Alpes europeus atraem milhares de turistas que querem desfrutar da neve e, consequentemente, esquiar. Segundo Pessoa, é uma das atividades que mais geram lesões e, por isso, é imprescindível que o turista esteja devidamente amparado pelo seguro viagem. “Caso o turista se machuque, dependendo da montanha, não tem como uma ambulância ir busca-lo: ele precisa de um helicóptero. Apenas um voo de descida pode custar 2 mil dólares. Além disso, há os custos com exames de imagem, como tomografia computadorizada e ressonância, que são bastante dispendiosos: nos Estados Unidos, por exemplo, podem chegar a até 10 mil dólares”, alerta.

O executivo ainda esclarece que “em condições como essas, também são frequentes os casos de lesões em membros inferiores, que precisam ser imobilizados. Com isso, o turista tem que voltar de primeira classe, uma vez que ele é inviável seu acondicionamento na econômica, e isso também mobiliza custos. Caso essas condições não sejam atendidas, ele sequer consegue autorização médica para embarcar, tampouco da companhia aérea”.

Pessoa ainda frisa que a Omint é uma das únicas companhias no mercado a apresentar a cobertura de esportes amadores já inclusa. “Esportes de inverno, praticados de forma amadora, não são cobrados como adicional pela Omint, o que assegura ao turista a certeza de contar com uma cobertura altamente qualificada, amparando-o nas mais diversas situações”, finaliza.

 

Jornadas de Transformação da D1 miram no mercado de seguros para promover inovação e disrupção no setor 540

Palestras voltadas à transformação digital para o mercado de seguros contaram com a presença de executivos de tecnologia da HDI Seguros e Youse que compartilharam suas experiências de inovação na área de experiência do cliente

Nesta terça-feira,19, a D1- plataforma que ‌viabiliza‌ ‌o‌ ‌processo‌ ‌de‌ ‌transformação‌ ‌digital‌ ‌para‌ ‌a‌ entrega ‌de melhores‌ ‌jornadas‌ de‌ ‌engajamento‌ ‌no‌ ‌envio‌ ‌de‌ ‌comunicações‌ ‌omnichannel, realizou a segunda edição das Jornadas de Transformação, desta vez focada no mercado de seguros.

O evento foi realizado em parceria com o Distrito Fintech e teve a participação da Superintendente de Tecnologia da HDI Seguros, Fernanda Toscano e do CTO da Youse, Rodrigo Brancher, e também contou com apoio do Amigos do CX. O objetivo do encontro foi trazer experiências e insights que despertem inovação e disrupção no setor por meio da tecnologia como ferramenta para melhorar, principalmente, a experiência do cliente.

No encontro, a HDI Seguros apresentou um estudo sobre o mercado atual com base em dados da CNSeg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização) e FNSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais), que aponta que apenas 30% da frota de carros circulantes no Brasil possuem seguro auto.

Já na área de residência, apenas 15% das casas do país possuem cobertura. O déficit mostra uma oportunidade à todas as companhias e o desafio na hora de alcançar esta parcela que ainda não contratou este tipo de serviço.

Pensando nisso, a HDI passou por um um processo de profunda transformação digital que não se limitou apenas às implantações de tecnologia, mas que precisou mudar a cultura de uma companhia tradicional.

Fernanda Toscano explica que todos os projetos começam com estratégias baseadas no uso de design thinking e definição de personas, desta forma eles entram em teste antes da implantação na companhia. Outra mudança foi a simplificação do sistema de cotação pelo site da HDI, um dos pontos mais importantes para a superintendente.

“Quando cheguei na seguradora, não conseguia contratar um seguro, era difícil porque não sabia quais informações colocar para fazer uma cotação, e isso não pode ser assim. A venda de seguros necessita ser pensada para leigos, o cliente precisa ter uma experiência tão agradável como ele tem no Facebook”, afirma Fernanda que contratou os serviços da D1.

Já na Youse, plataforma de venda de seguros online da Caixa Seguradora, a experiência foi completamente diferente, porque a insurtech nasceu em um formato inovador e digital. Mesmo assim, Rodrigo Brancher apontou os pontos importantes para as empresas que desejam ser digitais e inovadoras baseado nas ações da Youse, que se denomina uma empresa nativa digital. Para ele, quando se fala em digital o foco principal são as pessoas, que são divididas em dois grupos: cliente e time.

“O cliente é o ponto de partida e esse é um dos principais valores da Youse. Mas entender o cliente como ponto de partida é uma questão que o mercado associa frequentemente apenas como foco no cliente. Porém, percebemos isso de forma um pouco diferente, porque enxergamos ele como a razão da existência da companhia”, conta Brancher.

“Por isso utilizamos o digital como um meio de acessar diretamente esse consumidor e não somos só nós que pensamos assim, se lembrarmos das empresas referências em cultura centrada no cliente, como a Amazon, por exemplo, o digital pra eles não é só uma tecnologia mais legal, mas sim uma forma de chegar até o cliente e com isso se relacionar direto com ele, permitindo a construção de uma experiência completamente diferente”, complementa.

A D1 realizará mais duas Jornadas da Transformação, uma focada no varejo e a segunda para o setor de saúde, que acontecem ainda no primeiro semestre do ano. Para o CRO da D1 e mediador do meet-up, Alexandre Bazzi, as palestras servem como estratégia de trocas de experiências que tendem a explicar o processo de transformação digital para diferentes áreas do mercado.

“A ideia não é só falar das empresas em si, mas principalmente ouvir esses profissionais para aprender como o que eles estão fazendo para realmente conseguir essa mudança dentro dessas companhias tão diferentes. Isso é uma grande inspiração para todos nós, independentemente de ser uma empresa de software, de seguros, ou uma fintech. Este encontro serve para questionarmos os processos que temos dentro das nossas próprias empresas”, finaliza Alexandre.

SulAmérica reporta resultados positivos e reforça apoio ao corretor de seguros 630

Corretores de Seguros foram os pilares para o desenvolvimento e expansão dos negócios da Seguradora

Durante call com investidores de divulgação de resultados do 4T19, na manhã desta sexta-feira, o presidente da SulAmérica, Gabriel Portella, comemorou o crescimento da receita, da rentabilidade, do número de beneficiários, entre outros bons dados, agradecendo e reforçando o apoio da companhia aos profissionais de seguros.

“Foi um ano realmente muito positivo e iniciamos 2020 preparados para continuar nessa trajetória sólida, crescendo com sustentabilidade e confiantes para enfrentar os desafios e as oportunidades de um novo ciclo de crescimento no Brasil. Não poderia deixar de reafirmar neste momento de tantas notícias boas para a SulAmérica, a importância dos corretores de seguros para o desenvolvimento e expansão dos nossos negócios. Eles fazem parte da nossa história e farão parte do nosso futuro”, assegurou ao lado de todos os vice-presidentes da companhia.

“A estratégia da SulAmérica sempre colocou o corretor de seguros como pilar fundamental para o desenvolvimento de seus negócios e isso não mudará”, completou André Lauzana, vice-presidente comercial e de marketing da empresa.

Para conferir os resultados do 4T19 da SulAmérica, clique aqui.

Zurich inicia sua Operação Carnaval 2020 649

Operação segue até o dia 07 de março, e tem como objetivo tornar os serviços mais ágeis

A partir de hoje (21), a Zurich inicia a Operação Carnaval 2020, em parceria com a Mondial Assistance. Uma ação especial da companhia para atender as áreas mais impactadas e de maior fluxo de veículos, nos principais destinos turísticos nesse período do ano.

A operação, que segue até o dia 07 de março (sábado), tem como objetivo tornar os serviços prestados mais ágeis em locais e horários de maior incidência de sinistros, nas regiões Litorâneas do Brasil com concentração de alto volume no país. Dentre as assistências disponíveis para seguro auto e residencial, estarão Guincho, Mecânico, Chaveiro e serviço de Táxi.

Todas as coberturas da Zurich estão bem dimensionadas à necessidade de cada cliente, a fim de oferecer sempre tranquilidade e paz de espírito para os segurados curtirem o Carnaval sem dor de cabeça.

MAG Seguros fecha 2019 com bons resultados 524

Seguradora atingiu mais de 85% das vendas sendo realizadas pela tecnologia de Venda Digital

O ano de 2019 da MAG Seguros foi muito positivo. A empresa cresceu 13% em arrecadação, em comparação ao ano de 2018, superando R﹩ 1.4 bilhão. O Lucro Líquido da seguradora também apresentou o expressivo aumento de 68%, totalizando R﹩ 69,3 milhões. As provisões técnicas superaram R﹩ 1.3 bilhão, 13% a mais do que o registrado no ano anterior.

“Estes resultados estão alinhados com a expectativa da companhia e demonstram o sucesso alcançado nas estratégias e operações da MAG Seguros. Em 2019, demos continuidade aos investimentos em infraestrutura, tecnologia e recursos humanos, buscando a contínua expansão de seus negócios e níveis ainda mais elevados na prestação dos nossos serviços para clientes, corretores e parceiros comerciais”, comenta Raphael Barreto, CFO da MAG Seguros.

Em 2019, a companhia alcançou ainda crescimento de 14% em novas vendas de coberturas de riscos, principalmente individuais. O patrimônio líquido fechou o ano em R﹩ 388 milhões e o capital segurado superou R﹩ 475 bilhões, o que representou crescimento de 14% e 21,1%, respectivamente.

Para 2020, ano em que completou 185 anos, a MAG Seguros tem vários desafios. Em termos de resultados, a companhia projeta um crescimento de 19%. A seguradora também tem como objetivo expandir e fortalecer ainda mais os canais de distribuição de seu portfólio. Outro desafio é a consolidação das novas marcas comerciais do Grupo Mongeral Aegon, que foram anunciadas durante o evento MAGNEXT, que celebrou o aniversário da seguradora, em janeiro.

A tecnologia e a inovação também são dois pontos que seguirão fortemente na pauta de 2020. Vale destacar que, em 2019, a MAG Seguros atingiu mais de 85% das vendas sendo realizadas pela tecnologia de Venda Digital, que permite ao corretor executar todo o processo, desde a sensibilização à implantação de modo 100% digital, ágil e com segurança.

“Somos uma das empresas mais inovadoras do nosso mercado. Continuaremos desenvolvendo novas soluções tecnológicas que contribuam para o dia a dia dos corretores parceiros, facilitem os nossos clientes e que permitam a melhoria da nossa eficiência operacional e otimizem os nossos processos”, acrescenta Barreto.

Mais motivos para celebrar

Por mais um ano, a MAG Seguros seguiu, na lista nacional e do Rio de Janeiro, das melhores empresas para se trabalhar alcançando o sétimo lugar no, segundo a Great Place To Work (GPTW).

Em 2019, a seguradora realizou o lançamento de mais de dez soluções em seguro de vida no seu portfólio, resultado do acompanhamento contínuo das tendências e demandas da sociedade. Vale destacar, ainda, ofertas inéditas para clientes com doenças crônicas, como a diabetes.

Inovação está no DNA da MAG Seguros. Neste aspecto, a seguradora criou a área de Gestão da Inovação, que gere todo ecossistema de mais de 30 iniciativas deste tema. A companhia seguiu com a parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e com o IRB Brasil RE na segunda edição do Insurtech Innovation Program.

Com Universidade Federal do Rio de Janeiro, a MAG Seguros trabalha em iniciativa para o desenvolvimento de estudos atuariais próprios, além da segunda edição do programa interno voltado para os mais de mil colaboradores da MAG Seguros no país.

A causa da longevidade com qualidade de vida ganhou ainda mais corpo em 2019, ano em que a MAG Seguros realizou a inédita exposição ‘Longevidade: os caminhos para viver mais e melhor’, no Rio de Janeiro. A mostra contou com mais de 40 mil visitantes em 45 dias.

Evento incentiva a presença feminina no mercado segurador 642

Palestra acontece dia 02 de abril, na sede no Sincor-MT

Para fortalecer ainda mais a presença feminina em diversos segmentos do mercado de trabalho, o Sincor-MT será palco do evento intitulado “Mulheres no Mercado Segurador”. O objetivo é apresentar o estudo realizado pela Escola de Negócios e Seguros, a ENS, em que se confirma a liderança feminina.

A pesquisa realizada também avaliou aspectos como produtos específicos para esse público, a mulher como consumidora de seguros, a profissional securitária e a profissional corretora de seguros.

O evento também abordará a forma do destaque feminino, as práticas das empresas, além de analisar as dificuldades e oportunidades deste mercado que se mostra em pleno desenvolvimento. Seguido de uma reflexão sobre ações futuras para incrementar a participação feminina nos diversos segmentos.

A palestrante é a Maria Helena Monteiro, Diretora de Ensino Técnico ENS, advogada com MBA Executivo pelo Coppead-RJ. Monteiro também possui mais de 40 anos de experiência em cargos executivos no Brasil e no exterior, com foco principalmente na área de recursos humanos de empresas como IBM, Bob”s, Shell, HSBC e SulAmérica Seguros.

Antes da palestra, será servido um café de boas-vindas.

O evento é gratuito com vagas limitadas.

Para mais informações e inscrições, CLIQUE AQUI