Programa de verão da Serasa Experian incentiva presença feminina na tecnologia 837

Quatro alunas selecionadas estão vivenciando a rotina de cientistas de dados no laboratório de inovação da companhia; processo teve mais de cem inscritos

Hoje é Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência e a Serasa Experian, como uma empresa que inclui e incentiva a presença de mulheres em seu quadro de funcionários, celebra a atuação da primeira turma totalmente feminina do Summer Lab, programa de verão do seu laboratório de inovação (DataLab). Até março deste ano, as quatro alunas escolhidas vão vivenciar a rotina de cientista de dados dentro do laboratório, atuando no desenvolvimento de projetos de Data Science focados na busca por alternativas e prototipação de ideias para lidar com os impactos sociais em soluções de machine learning.

É importante que cresça a representatividade feminina no ambiente de trabalho, principalmente em áreas majoritariamente masculinas, como na tecnologia. Com nosso trabalho de verão, queremos trazer o exemplo de que esta é sim uma área onde as mulheres devem se sentir à vontade para aprender e crescer na vida profissional”, diz o diretor do DataLab da Serasa Experian, Marcelo Pimenta.

Com mais de cem inscritos, as selecionadas se destacaram no processo após análise curricular, histórico escolar, carta de apresentação e entrevistas. “Sabemos que, desde pequenas, infelizmente, as mulheres não são estimuladas a seguirem os estudos nas áreas de ciência e tecnologia. Precisamos mudar esta realidade, por isso, aqui no DataLab decidimos fechar essa nova turma dando oportunidades para jovens de diferentes regiões do país, que tinham interesse em participar de uma experiência única e inovadora dentro de uma empresa líder global”, comenta Pimenta.

Alunas selecionadas para o projeto

Três das estudantes selecionadas são de fora da cidade de São Paulo, como Ornella Scardua, que veio do Espírito Santo. Para ela, a maior motivação foi o incentivo à inserção de mulheres na tecnologia e pela oportunidade de adquirir novos conhecimentos. “Não espero menos do que aprender a todo momento e contribuir para redes colaborativas nesse meio dos dados, ao mesmo tempo que possa progredir na minha área e como pessoa”, afirma. A estudante cursa Estatística pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Conheça as outras participantes:

Rafaela Sousa, de Manaus (AM)

Formada em Engenharia de Computação pela Universidade do Estado do Amazonas, Rafaela veio para São Paulo para participar do Summer Lab. Já participou do programa de iniciação científica pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas, além de atuar como cientista de dados em empresas da região. A motivação para participar do Summer Lab veio “do fato de ter que lidar com problemas reais, conhecer novas pessoas e poder trabalhar em equipe”.

Maria Giulia Martins, de Campinas (SP)

Cursando Engenharia da Computação na UNICAMP, Maria Giulia participou do projeto de iniciação científica voluntária na área de Data Science e Data Mining da Universidade. Está em São Paulo para o programa e espera “aprimorar os conhecimentos nas áreas de Data Science e Data Mining e aprender ainda mais sobre estes campos tão em alta hoje em dia”.

Lucy Anne Omena, de São Paulo (SP)

Cursando Ciência da Computação na Universidade de São Paulo, Lucy é a única que mora na capital, em São Mateus. Ela cursou três anos de Engenharia de Inovação no Instituto Superior de Inovação e Tecnologia, quando se envolveu com inteligência artificial e ciência de dados. Com isso, decidiu direcionar os estudos para inovação tecnológica e procurou o trabalho de verão da Serasa Experian para “conhecer pessoas diferentes, aprender a pensar diferente e a conhecer melhor os problemas do mercado de crédito”.

BB Seguridade autoriza aumento de participação da BB corretora na Ciclic 451

Integralização será de até R$25,598 milhões

A BB Seguridade comunicou ao mercado que aprovou a orientação à BB Corretora de Seguros e Administradora de Bens, para votar a favor do aumento de capital da Ciclic Corretora de Seguros, no limite estipulado em até R$ 34,133 milhões.

Considerando a participação no capital da Ciclic, caberá à BB corretora a integralização de até R$25,598 milhões.

A integralização do aporte de capital poderá ser realizada em tranches, sendo a primeira no valor de R$17 milhões.

Já as demais serão executadas até o final de 2022, dependendo do desempenho da Ciclic em indicadores de performance.

A BB Seguridade foi criada em 2012 para fazer parte do segmento de seguros do Banco do Brasil. Já a BB corretora foi constituída como subsidiária integral da BB Seguridade.

Supremo decidirá interesse jurídico da Caixa no seguro habitacional 463

Ministros também discutirão a competência da Justiça Federal para o processamento e o julgamento das ações dessa natureza

No dia 15 de abril, os ministros do STF julgarão recurso no qual se discute se a Caixa Econômica Federal deve figurar como parte em processos envolvendo seguro habitacional para imóveis financiados pelo SFH – Sistema Financeiro da Habitação.

A matéria teve repercussão geral reconhecida, por maioria de votos, pelo plenário virtual. Discute-se ainda, consequentemente, a competência da Justiça Federal para o processamento e o julgamento das ações dessa natureza.

O caso

O recurso foi interposto pela Sul América Companhia Nacional de Seguros contra decisão do STJ que negou agravo e não reconheceu, no caso, a existência de interesse jurídico da CEF ante a ausência de demonstração dos requisitos necessários para o ingresso na causa.

O STJ, na decisão questionada, definiu critérios cumulativos para o reconhecimento do interesse jurídico da Caixa para ingressar na ação como assistente simples, e, por consequência, atrair a competência da Justiça Federal. Para isso, é necessário que os contratos tenham sido celebrados de 2 de dezembro de 1988 a 29 de dezembro de 2009, período compreendido entre as edições da lei 7.682/98 e da MP 478/09; que o instrumento esteja vinculado ao Fundo de Compensação de Variações Salariais; que haja demonstração documentada pela instituição financeira de que há apólice pública, bem como que ocorrerá o comprometimento do FCVS, com risco efetivo de exaurimento da reserva técnica do Fundo de Equalização de Sinistralidade da Apólice FESA.

O recorrente fundamenta, ainda, a existência de repercussão geral em razão da grande quantidade de processos tramitando no Poder Judiciário, em que se discute a responsabilidade securitária por vícios estruturais em imóveis adquiridos pelo Sistema Financeiro de Habitação.

Repercussão geral

O relator da matéria é o ministro Gilmar Mendes. Em 2018, quando se manifestou pela existência de repercussão geral da matéria, Gilmar observou que, segundo informações da Secretaria do Tesouro Nacional, existe um relevante risco de comprometimento do patrimônio do Fundo de Compensação de Variações Salariais, de natureza pública.

“Ante o exposto, diante da possível existência de interesse jurídico da CEF, o que atrairia a competência da Justiça Federal, manifesto-me pela presença de matéria constitucional e pelo reconhecimento da repercussão geral da questão suscitada, para posterior análise do mérito no Plenário.”

Detalhes do Processo disponíveis em: RE 827.996

Participantes da Prevcom podem deduzir o valor dos aportes extras da base de cálculo do IR 465

Benefício fiscal permite abater o montante aplicado da base de cálculo do IR para diminuir o imposto a pagar, ou aumentar o valor da restituição

Os participantes da Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom) poderão abater R$ 6,7 milhões em contribuições voluntárias da base de cálculo do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), ano-base 2019. Com este beneficio fiscal, os participantes dos planos de previdência complementar podem diminuir o imposto a pagar ou assegurar uma restituição maior na declaração.

As contribuições voluntárias têm crescido todos os anos na Prevcom e a série histórica apurada pela entidade confirma esta tendência. No período de 2013 a 2019 os funcionários públicos transferiram o total de R$ 23,6 milhões em recursos extras para suas contas individuais. O comportamento dos participantes indica que, após 7 anos, os planos da entidade passaram a integrar o portfólio de investimentos dos servidores.

As regras do Imposto de Renda permitem aos contribuintes utilizar os valores extras aplicados nas contas individuais para reduzir a base de cálculo de incidência do imposto, até o limite de 12% do rendimento anual. Além desta vantagem, há ainda um ganho adicional. As contribuições mensais para a Prevcom de até 7,5% do salário de participação também podem ser abatidas no Imposto de Renda.

O prazo para entrega das declarações de imposto de renda se inicia em 2 de março e se encerra em 30 de de abril.

Empreendedorismo e inovação serão pauta de curso em Israel 611

Treinamento ofertado em parceria entre a ENS e Coller School of Management será promovido entre 18 e 22 de maio

O que caracteriza uma sociedade inovadora? E uma seguradora inovadora? Essas e outras questões serão respondidas no Programa de Treinamento no Exterior “Tel Aviv: Inovação e Tecnologias Financeiras – O Modelo Israelense”, que será promovido pela ENS, entre 18 e 22 de maio.

Organizado em parceria com a Coller School of Management – Universidade de Tel Aviv, o curso apresentará os aspectos centrais do empreendedorismo e inovação das empresas israelenses dentro do contexto da economia de alta tecnologia do país.

De acordo com o professor do programa, Samy Hazam, um dos principais objetivos do treinamento é entender quais são os pilares da inovação em Israel e por que o país se tornou a nação das startups. “Vamos reunir líderes globais de empresas locais e internacionais de inovação. Esperamos uma discussão e aprendizado riquíssimos sobre inovação e empreendedorismo”.

Hazam explica que o mercado de seguros em Israel é bastante maduro, do ponto de vista de produtos e canais de distribuição. “Hoje, existem no país canais múltiplos de distribuição, com venda direta convivendo com o modelo de agentes e corretores de seguros”.

O curso oferecerá uma síntese única entre estudos acadêmicos de última geração e experiências práticas em indústrias relevantes, além de mostrar aos alunos diversos aspectos do processo de inovação, tanto no setor financeiro quanto em outros segmentos. “Uma lição muito importante para trazermos de volta para o Brasil”, ressalta o professor.

Para Samy, este é um mercado onde os produtos e serviços prezam pela experiência do cliente. “Principalmente a experiência digital do cliente. Há vários casos hoje onde a jornada do cliente dentro da seguradora é 100% digital. Estamos programando a visita a uma seguradora que tem esse tipo de processo, a um custo operacional muito inferior à média global do mercado. Vamos ver os dois lados da moeda”, explica.

Ainda há vagas para o treinamento e, para participar, é necessário domínio da língua inglesa (o curso será ministrado neste idioma), curso superior completo, experiência de dois anos no mercado de seguros e ocupar cargo de gestão.

Mais informações sobre investimento e conteúdo estão disponíveis no site ens.edu.br, onde podem ser realizadas as inscrições no processo seletivo.

Tecnologia a serviço do corretor: Como as apólices digitais promovem agilidade e melhoria no dia a dia 709

Empresas oferecem recursos tecnológicos que auxiliam o trabalho dos corretores e permitem alcançar maior produtividade

A transformação digital no setor de seguros não se limita apenas às seguradoras, tanto que processos mais ágeis e eficazes também são cada vez mais experimentados dentro das corretoras. A GEO, insurtech pioneira na gestão e comercialização 100% online de seguros, busca oferecer a melhor experiência para as mais de 1000 corretoras cadastradas em seu portal.

A companhia oferece soluções para segmentos comerciais como o de construção civil, imobiliário e de crédito, montados de forma personalizada para atingir as principais demandas do mercado. Foi em busca desse tipo de apólice que a AR Sul Seguros iniciou a parceria com a GEO em 2014, com o Seguro de Risco de Engenharia. A corretora de Porto Alegre identificou rapidamente o impacto no dia a dia da operação ao contar com uma única plataforma digital para todos os processos.

“Há vinte anos nós calculávamos os seguros na mão, dependendo de engenheiros, e hoje nós temos isso na palma da mão. Hoje a gente não tem uma semana para perder com um cálculo de apólice. A GEO consegue fazer essa captação junto com a seguradora, o corretor e o parceiro na hora”, explica André Ribeiro, diretor da corretora.

Além da redução da burocracia para a cotação e a emissão das apólices, a tecnologia também transforma a relação de transparência e confiança entre corretoras e clientes. Como explica Marco Paulo Mascarenhas, da Exclusive Seguros, cadastrada no portal GEO a cerca de 10 anos, ofertando do Seguro Habitacional.

“Hoje o cliente através de um sistema tem acesso a informação, pode abrir o sinistro e analisar as informações. Isso tem nos poupado muito trabalho, e nos dá tempo para olhar outros pontos estratégicos”, resume o executivo.

A corretora, que conta com sede em Minas Gerais e filiais em São Paulo e Rio Grande do Sul, tem uma relação de 10 anos com o portal GEO em apólices de Seguro Habitacional. E considera esse relacionamento crucial no sucesso dos negócios. Segundo Marco Paulo, “essa plataforma digital faz com que a gente economize tempo, reduza os caminhos sem ter a necessidade de inventar a roda. E isso gera uma redução de custo expressiva, junto com a possibilidade de contar com uma equipe que acompanha a tendência do mercado nacional e internacional”.

No caso da GEO, todas as funcionalidades estão disponíveis para acesso dos corretores em um único portal. A plataforma digital também é responsável pelo envio de relatórios para corretores e seguradoras, além de ser capaz de importar dados sem necessidade de alteração prévia de formato por parte do parceiro, possuindo um sistema de faturamento inteligente e aderente a qualquer modelo de sistema que o cliente ou a corretora possa utilizar.

“Com nosso tempo de mercado, buscamos constantemente entender as principais necessidades de corretores, clientes e seguradoras e assim oferecer uma solução mais prática e efetiva para todos eles. Nossa intenção é de aliar tecnologia e conhecimento de seguros para facilitar o trabalho nesse setor tão importante”, resume Rossana Costa, diretora da GEO.