Jornadas de Transformação da D1 miram no mercado de seguros para promover inovação e disrupção no setor 641

Palestras voltadas à transformação digital para o mercado de seguros contaram com a presença de executivos de tecnologia da HDI Seguros e Youse que compartilharam suas experiências de inovação na área de experiência do cliente

Nesta terça-feira,19, a D1- plataforma que ‌viabiliza‌ ‌o‌ ‌processo‌ ‌de‌ ‌transformação‌ ‌digital‌ ‌para‌ ‌a‌ entrega ‌de melhores‌ ‌jornadas‌ de‌ ‌engajamento‌ ‌no‌ ‌envio‌ ‌de‌ ‌comunicações‌ ‌omnichannel, realizou a segunda edição das Jornadas de Transformação, desta vez focada no mercado de seguros.

O evento foi realizado em parceria com o Distrito Fintech e teve a participação da Superintendente de Tecnologia da HDI Seguros, Fernanda Toscano e do CTO da Youse, Rodrigo Brancher, e também contou com apoio do Amigos do CX. O objetivo do encontro foi trazer experiências e insights que despertem inovação e disrupção no setor por meio da tecnologia como ferramenta para melhorar, principalmente, a experiência do cliente.

No encontro, a HDI Seguros apresentou um estudo sobre o mercado atual com base em dados da CNSeg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização) e FNSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais), que aponta que apenas 30% da frota de carros circulantes no Brasil possuem seguro auto.

Já na área de residência, apenas 15% das casas do país possuem cobertura. O déficit mostra uma oportunidade à todas as companhias e o desafio na hora de alcançar esta parcela que ainda não contratou este tipo de serviço.

Pensando nisso, a HDI passou por um um processo de profunda transformação digital que não se limitou apenas às implantações de tecnologia, mas que precisou mudar a cultura de uma companhia tradicional.

Fernanda Toscano explica que todos os projetos começam com estratégias baseadas no uso de design thinking e definição de personas, desta forma eles entram em teste antes da implantação na companhia. Outra mudança foi a simplificação do sistema de cotação pelo site da HDI, um dos pontos mais importantes para a superintendente.

“Quando cheguei na seguradora, não conseguia contratar um seguro, era difícil porque não sabia quais informações colocar para fazer uma cotação, e isso não pode ser assim. A venda de seguros necessita ser pensada para leigos, o cliente precisa ter uma experiência tão agradável como ele tem no Facebook”, afirma Fernanda que contratou os serviços da D1.

Já na Youse, plataforma de venda de seguros online da Caixa Seguradora, a experiência foi completamente diferente, porque a insurtech nasceu em um formato inovador e digital. Mesmo assim, Rodrigo Brancher apontou os pontos importantes para as empresas que desejam ser digitais e inovadoras baseado nas ações da Youse, que se denomina uma empresa nativa digital. Para ele, quando se fala em digital o foco principal são as pessoas, que são divididas em dois grupos: cliente e time.

“O cliente é o ponto de partida e esse é um dos principais valores da Youse. Mas entender o cliente como ponto de partida é uma questão que o mercado associa frequentemente apenas como foco no cliente. Porém, percebemos isso de forma um pouco diferente, porque enxergamos ele como a razão da existência da companhia”, conta Brancher.

“Por isso utilizamos o digital como um meio de acessar diretamente esse consumidor e não somos só nós que pensamos assim, se lembrarmos das empresas referências em cultura centrada no cliente, como a Amazon, por exemplo, o digital pra eles não é só uma tecnologia mais legal, mas sim uma forma de chegar até o cliente e com isso se relacionar direto com ele, permitindo a construção de uma experiência completamente diferente”, complementa.

A D1 realizará mais duas Jornadas da Transformação, uma focada no varejo e a segunda para o setor de saúde, que acontecem ainda no primeiro semestre do ano. Para o CRO da D1 e mediador do meet-up, Alexandre Bazzi, as palestras servem como estratégia de trocas de experiências que tendem a explicar o processo de transformação digital para diferentes áreas do mercado.

“A ideia não é só falar das empresas em si, mas principalmente ouvir esses profissionais para aprender como o que eles estão fazendo para realmente conseguir essa mudança dentro dessas companhias tão diferentes. Isso é uma grande inspiração para todos nós, independentemente de ser uma empresa de software, de seguros, ou uma fintech. Este encontro serve para questionarmos os processos que temos dentro das nossas próprias empresas”, finaliza Alexandre.

Unisincor oferece supercombo e curso com desconto para abril 410

Objetivo é dar subsídio para o corretor de seguros atender melhor o cliente

Com o objetivo de dar subsídio para o corretor de seguros atender melhor o cliente, a Unisincor e a Conhecer Seguros estão oferecendo diversos cursos com desconto, que ficarão disponíveis até o dia 30 de abril. Corretores de seguros associados ao Sincor-SP possuem preços especiais.

O curso online “Seguros de Pessoas” é ministrado pelo professor Nei Vieira Prado Filho, e aborda as modalidades de vida, acidentes pessoais e doenças graves, apresentando características gerais de cada tipo, a questão jurídica do suicídio, limites de garantia, ajustamentos de sinistros, o que pode ser exigido pelo corretor de seguros na condição de melhorias nos produtos, entre outras situações. O treinamento está com descontos de até R$ 99 e pode ser parcelado em até 4x no cartão de crédito.

Mensalmente, a Unisincor disponibiliza três cursos online, um supercombo, com valores reduzidos. Em abril, os cursos online de “Ressarcimentos em seguros: o que o corretor de seguros deve saber”, “Riscos de Engenharia” e “Seguros de Propriedades” podem ser adquiridos com desconto de R$ 120, saindo por 4x de R$ 118, no cartão de crédito.

O primeiro treinamento de “Ressarcimentos em seguros: o que o corretor de seguros deve saber” é apresentado pelo especialista Renato Silviano Tchakerian, abordando assuntos como a sub-rogação da seguradora nos direitos do segurado e o direito a ressarcimento, o regulamento de sinistro, o papel do corretor de seguros e despesas de salvamento.

Já no curso de “Riscos de Engenharia”, os professores Lucas Lopes, Patrícia Murayama e Walter Polido falam sobre coberturas, estabelecimento do valor em risco, franquias, ajustamento de sinistros, obrigatoriedades legais, o que pode ser exibido pelo corretor de seguros, entre outros temas.

E no curso online de “Seguros de Propriedades”, Sérgio Ramos Bezerra aborda os seguros de danos e suas características particulares, bens seguráveis, tipos de apólices, riscos cobertos e excluídos, atuação preventiva do corretor de seguros, além diferenciais na comercialização dos produtos.

Susep intima empresas que atuavam como seguradoras sem autorização 451

Empresas estarão sujeitas à pagarem multa por infração se a atividade for comprovada

Para combater o mercado de proteção veicular, a Susep continua a intimar empresas que atuam como seguradora sem a devida autorização da autarquia.

Dessa vez, os responsáveis pela MV SAT Rastreamento e Associação de Proteção e Assistência Veicular Protection foram intimados a apresentarem defesa no prazo de 30 dias.

Caso a defesa não seja apresentada dento do prazo, o processo será julgado sem as referidas alegações.

De acordo com a autarquia, se forem acolhidas as razões da representação, as empresas estarão sujeitas à pagarem multa por infração, segundo o Decreto-Lei 73/66 e na Resolução 243/11 do CNSP.

Sharecare oferece solução de combate à covid-19 com baixo custo para empresas, planos de saúde e setor público 454

Solução integra tecnologia de ponta e oferece atendimento 24 horas, telemedicina e acompanhamento diário

A pandemia de Covid-19 trará um grande impacto financeiro e estrutural para as organizações. Muitas pessoas afetadas serão assintomáticas ou terão sintomas leves, mas uma parcela relevante das pessoas infectadas – algumas entidades estimam entre 5% e 10%, terá maiores complicações e poderá necessitar de leitos de UTI por períodos de mais de uma semana, podendo inclusive vir a óbito.

Além disso, pessoas com doenças crônicas e ou com idade acima de 60 anos são grupos de risco importantes e precisam tomar cuidado mais estritos, pois a taxa de mortalidade sobe muito nesses casos.

Para tentar mitigar esses danos, a Sharecare, líder global em gestão saúde integrada e digital, desenvolveu uma solução completa, digital e integrada para que organizações como empresas, planos de saúde e o setor público possam oferecer às suas populações o apoio necessário para o enfrentamento dos riscos da Covid-19, desde o momento de prevenção até possíveis casos de sintomas agravados da doença.

Por meio de interações digitais, check-ups diários, suporte de especialistas e telemedicina, os indivíduos são acompanhados de acordo com a fase de cuidado: suporte e acolhimento para as pessoas que estão se cuidando preventivamente e não contraíram a doença e gestão proativa, para os casos com suspeita de diagnóstico positivo da Covid-19. Os produtos têm diferentes níveis de cuidado, com a missão de levar mais segurança e bem-estar para a população, reduzir o risco de infecção pelo coronavírus, reduzir a frequência evitável em pronto-socorro e, principalmente, mitigar o impacto financeiro causado pela pandemia às organizações – tudo isso a um custo médio de poucos reais por pessoa, por mês.

A enfermeira virtual da Sharecare, a Sara, foi adaptada para o Covid-19

A Sara, enfermeira virtual da Sharecare, é responsável pela integração entre a equipe clínica de especialistas (médicos e enfermeiros) e o usuário final. Ela realiza uma checagem diária de possíveis sintomas da Covid-19 e também a triagem do risco, de forma extremamente simples e intuitiva para o indivíduo. De acordo com a situação identificada, diferentes níveis da solução são ativados.

Os pacientes com sintomas mais proeminentes têm a oportunidade de conversar com os médicos de plantão e participar de consulta clínica via telemedicina, evitando a necessidade de deslocamento ao pronto-socorro e exposição a maiores riscos de saúde.

“Sabemos que a Covid-19 trará um impacto imenso para as organizações e, por isso, a Sharecare inovou e desenvolveu novas soluções focadas em mitigar os danos clínicos e econômicos da pandemia. Tomamos muito cuidado para oferecer um produto dinâmico, populacional e efetivo, suportando e acolhendo as pessoas em um momento de muitas dúvidas, incertezas, ansiedades e identificando o mais rápido possível as pessoas que precisam de um suporte maior, para evitarmos idas desnecessárias a unidades de Pronto Atendimento e hospitais. Ao mesmo tempo, procuramos direcionar as pessoas que realmente precisem de Pronto Atendimento para que o façam o mais breve possível. Todos ganham: os funcionários e suas famílias, as empresas, os planos de saúde e o setor público. Este é o verdadeiro propósito da Sharecare. ”, finaliza Nicolas Toth, CEO da Sharecare Brasil.

Após mudança na rotina do trabalho, seguradora lança proteção para equipamentos em home office 500

Novidade visa proteger o patrimônio das empresas como notebooks, laptops, desktops, dock stations, monitores, headsets, e muito mais

Tempos de crise podem ser também momentos de oportunidade para novos negócios. Atenta a mudança na rotina de trabalho por conta do coronavírus, uma seguradora aproveitou para lançar um produto exclusivo, voltado para as empresas que disponibilizaram seus equipamentos para as pessoas trabalharem de casa.

Com o nome de Home Office Protegido, a novidade visa proteger o patrimônio das empresas como notebooks, laptops, desktops, dock stations, monitores, headsets, mouses, teclados e demais periféricos, impressoras, scanners, webcans e equipamentos de vídeo conferências.

“Muitas companhias adotaram o regime de home office como uma solução para que não parassem de produzir durante a pandemia. Com isso, tiveram de comprar (alugar) notebooks e afins, ou instalar os desktops e demais itens nas residências de seus colaboradores. Isso fez com que todos esses equipamentos deixassem de ter cobertura nas apólices de Compreensivo Empresarial (Property), que é um seguro já contratado pelas empresas”, explica Daniel Camargo, Underwitter de Consumer Lines, da Argo Seguros.

De acordo com ele, nenhuma outra seguradora do Brasil oferece algo parecido. “São poucas as companhias que têm produto para esse segmento e, de forma geral, garantem o ressarcimento de bens de quem trabalha nesse regime de home office, não dos equipamentos das empresas contratantes”, esclarece.

Entre os riscos mais comuns estão desde o simples derramamento de um copo de água sobre os equipamentos; até a oscilação da energia elétrica, que pode queimar os componentes; ou ainda a queda dos aparelhos causada por conta de um animal doméstico ou mesmo uma criança brincando por perto.

O Home Office Protegido pode ser adquirido por períodos curtos – por 30, 60, 90 ou 120 dias – e oferece cobertura contra roubo e/ou furto qualificado, danos de causa externa (incêndio, queda de raio, queda, dentre outras), danos elétricos e perda e/ou pagamento de aluguel.

Newton Queiroz, CEO e presidente da Argo Seguros, lembra ainda que o seguro é fundamental para proteger o patrimônio de pessoas e empresas. “Quando acontece um sinistro, o custo para reparar ou repor aquela perda pode comprometer toda a operação e atrasar ainda mais o desenvolvimento dos negócios. Por isso, sempre pensamos em novas formas de comercializar produtos tradicionais ou de introduzir novos produtos em nossa indústria, sempre empregando a tecnologia a serviço de nossos clientes”.

Para o corretor que quiser saber mais detalhes sobre o Home Office Protegido, basta enviar um e-mail para pme@argoseguros.com.br.

Sicoob Credicor-SP distribui rendimentos aos cooperados 482

Montante foi distribuído na proporção direta das operações realizadas e obedecendo às fórmulas de cálculo de 40% para empréstimos, 40% para aplicações financeiras e 20% para saldo médio em conta corrente

Conforme aprovado em Assembleia Geral Ordinária, realizada no dia 11 de março, a Sicoob Credicor-SP começou a creditar em conta corrente dos seus associados as sobras (lucros) apuradas no exercício de 2019, proporcionalmente às operações realizadas.

O montante foi distribuído na proporção direta das operações realizadas e obedecendo às fórmulas de cálculo de 40% para empréstimos, 40% para aplicações financeiras e 20% para saldo médio em conta corrente, decididos na Assembleia.

Os cotistas podem optar por reinvestir em cotas o valor creditado em sobras na conta corrente, garantindo bons rendimentos no patrimônio em 2020.

“Estamos recebendo vários contatos com manifestações surpreendentes, pessoas que receberam valores muito bem vindos principalmente nesse momento, diante do cenário de crise pela pandemia que estamos enfrentando”, declara a gerente da Sicoob Credicor-SP, Geny Schimith.