Liberty Seguros registra crescimento de 10% em prêmios emitidos em 2019 4256

Investimento em vida e produtos não-auto impulsionou resultados da companhia em todas as frentes

O Grupo Liberty Brasil, empresa parte do Grupo Liberty Mutual, um dos maiores conglomerados globais do setor de seguros, registrou um crescimento de 10.3% em prêmios emitidos em relação a 2018, atingindo um total de R$3.9 bilhões. A companhia alcançou lucro líquido de R$172 milhões e crescimento em todas as frentes de negócios: 34.2% em Residência, 26.4% em Property, 15.7% em Vida e 7.9% em Auto.

Em 2019, a Liberty Seguros investiu em ampliar sua participação em seguros não- auto. Ao longo do ano, a seguradora disponibilizou novos produtos e assistências, criou novas ferramentas e opções digitais e aprimorou as já disponíveis, realizou ações focadas no desenvolvimento e reconhecimento aos corretores parceiros.

Também adquiriu uma das principais empresas do mercado de assistência 24 horas para oferecer um atendimento ainda mais ágil e acolhedor e apoiou instituições educacionais e projetos de igualdade de gênero através do seu programa de sustentabilidade.

“É muito gratificante ver a evolução da Liberty nos últimos anos e como a companhia evoluiu mesmo em um cenário político e econômico desafiador. Fechamos 2018 com resultados extremamente positivos e, em 2019, demos passos importantes em direção ao nosso maior objetivo: sermos reconhecidos pela solidez e escolhidos pela experiência e inovação que oferecemos aos nossos clientes e corretores parceiros”, pontua Carlos Magnarelli, CEO da companhia no Brasil.

Experiência cada vez mais acolhedora e digital

Um dos momentos mais importantes entre um novo cliente e a seguradora contratada é o de kit de boas-vindas. Pensando nisso e atendendo à preferência crescente dos consumidores pelo digital, a Liberty lançou no ano passado o Welcome Kit Digital, que dá as boas-vindas a clientes recém-chegados de maneira moderna e eficaz.

Além disso, a companhia investiu em aprimorar ainda mais a experiência do cliente no momento do sinistro reformulando seu acompanhamento de sinistro online, que agora é mais intuitivo para os usuários, sejam eles corretores ou segurados com etapas mais detalhadas que facilitam a comunicação também por meio de dispositivos móveis, como o smartphone.

A empresa também se preocupou em trazer mais agilidade nos atendimentos a clientes e corretores, implementando automatização e bots em sua operação. A Liberty também completou, no início de 2019, a aquisição da Fácil Assist – empresa de assistência 24 horas formada por profissionais com mais de 20 anos de experiência em serviços de gestão de assistência e serviços de call center.

A Fácil, que funciona como uma unidade de negócios independente no Grupo Liberty Brasil, presta serviços de assistência aos produtos de Auto, Vida e Residência.

Pelo quarto ano consecutivo, a seguradora recebeu o prêmio Reclame Aqui – ranking que homenageia as empresas com a melhor reputação em atendimentos a serviços do Brasil. Outro índice importante para a companhia é a métrica de lealdade dos clientes, o NPS. Nos últimos 5 anos, cresceu 5 pontos em relação ao ano anterior enquanto o NPS de corretor registrou um aumento de 17 pontos no mesmo período.

Corretores crescendo junto com a companhia

Em 2019, a Liberty comemorou o primeiro ano do Cresça com a Liberty, posicionamento da seguradora com corretores que engloba todas as iniciativas da companhia com foco no crescimento e no desenvolvimento dos parceiros. Em 2019, o programa impactou mais de 47 mil corretores.

Destaque para duas novidades lançadas com o objetivo de incentivar e capacitar os corretores a serem mais digitais: a Liberty Academia Digital, treinamento inovador que visa habilitar os corretores a promover os produtos de seguro nas mídias sociais, e a ferramenta digital Meu Marketing, que oferece materiais de comunicação para mídias sociais e WhatsApp que podem ser personalizadas com logo do corretor e enviados de forma rápida e prática aos seus clientes.

Construindo um futuro de valor

Neste ano, a Liberty apresentou sua nova estratégia de sustentabilidade para os próximos anos, que contempla 10 temas e compromissos alinhados com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, Dentro desse plano, destacam-se o apoio ao empoderamento feminino, com o Liberty Mulheres Seguras que já treinou mais de 7.600 mulheres e impactou mais de 2 milhões de pessoas em comunicação, além do investimento na formação de jovens com o programa Jovens do Futuro, que até 2019 já formou 300 alunos no curso de especialização em seguros e impactou mais de 4 mil jovens com ações de conscientização.

“Para nós, 2020 será um ano para darmos continuidade a todos os nossos projetos de crescimento. Nosso objetivo será colocar o nosso planejamento estratégico em prática por meio de processos mais simples e fluidos, melhorar cada vez mais as experiências dos clientes e corretores, além de empoderar os nossos funcionários “, completa Magnarelli.

Gerações Z e Y lideram carteira de seguros de vida 719

Rafael Leonel é gerente nacional de Seguros Pessoas da Sancor Seguros / Divulgação

Casamento, nascimento de filhos e constituição de patrimônio são principais motivos que levam consumidores a investirem na garantia

“A idade sempre foi um fator de decisão para contratação de seguro de vida, pois a maturidade faz com que as pessoas entendam melhor a importância da proteção. O problema é que, muitas vezes, isso acontecia tardiamente. Quanto mais cedo se busca esse tipo de apólice, menor é o investimento, entre outras vantagens. E os novos consumidores estão mais atentos a isso”. A afirmação é do especialista em seguros de vida, Rafael Leonel. Segundo ele, a necessidade de dar segurança à família, casamento, filhos e também a preocupação com a constituição de um patrimônio que garanta um bom padrão de vida em caso de morte, doença grave ou invalidez, são fatores que aceleram a tomada de decisão.

Prova dessa mudança de cultura de que, aos poucos, o brasileiro vem contratando seguros de vida mais cedo é o fato das gerações Z e Y, formada por consumidores de até 40 anos, liderarem a carteira de algumas seguradoras e também serem parcela importante das novas contratações. “Juntas, essas gerações representam 51% das cerca de 34 mil vidas seguradas pela Sancor Seguros, por exemplo. Hoje mais da metade das novas contratações na companhia vem de consumidores que têm entre 31 e 50 anos”, conta Leonel, que também é gerente nacional de Seguros Pessoas da empresa.

Na Sancor, 9% dos segurados de vida são da geração Z (até 25 anos), sendo 48% deles homens e 52% mulheres. “Nesta fase da vida muitos jovens ainda não têm total consciência da conveniência de se ter proteção, muitos ainda estão concluindo os estudos e iniciando uma trajetória profissional. A contratação nessa faixa etária ainda é mais comum entre jovens que formam a família mais cedo ou que precisam de seguros pela obrigatoriedade de estágios”, afirma.

O grupo Y, de clientes entre 26 e 40 anos, compreende 42% da carteira da Sancor Seguros (51% homens e 49% mulheres). A geração X (41 a 60 anos) é tradicionalmente bastante significativa também e abrange 42% dos consumidores (61% homens e 39% mulheres). E, por fim, 8% dos segurados têm mais de 61 anos, os Baby Bommers (64% homens e 36% mulheres).

“Um dado interessante é ver como nas faixas de idade mais avançadas não há tanto equilíbrio entre contratações de seguro por homens e mulheres, o que remete a um comportamento mais tradicional e até ultrapassado, de quando o homem era o provedor do lar e de segurança, algo cada vez menos comum e comprovadamente equivocado, já que pesquisas recentes mostram que quase metade dos lares brasileiros é sustentado por mulheres”, analisa Leonel.

O especialista lembra ainda que ter um seguro é importante em todas as fases da vida. Não existe idade ideal para contratar, pois cada fase possui uma necessidade de proteção. A contratação tem muita relação com a educação financeira da população, que precisa ser cada vez mais difundida entre nossas crianças e jovens, para que eles entendam que ter um seguro de vida é a principal ferramenta de proteção pessoal, familiar e financeira que se pode ter”, ressalta.

Na hora de contratar um seguro de vida, segundo Leonel, é muito importante saber detalhadamente quais serão as coberturas contratadas e o prazo de vigência de cada uma delas, bem como os capitais segurados, que devem atender algumas necessidades primordiais, como custear a educação do filhos, manter o padrão de renda familiar por pelo menos 60 meses e eventuais custos de inventário. “Para isso, é importante levar em conta a idade dos filhos na contratação do seguro, a renda média mensal atual e o patrimônio constituído para que se possa fazer a análise correta da necessidade de capital segurado”, orienta.

A Sancor Seguros, integrante do maior conglomerado segurador da Argentina, é a companhia que mais expandiu em seguros de Pessoas (que inclui os de vida) até abril deste ano. Nos dois primeiros meses de 2020 registrou crescimento de aproximadamente 46% contra os 7% do setor. No fechamento do quadrimestre, o aumento no total de prêmios emitidos foi de 35,6% se comparado ao mesmo período do ano passado. Com os resultados, passou a figurar entre as 25 maiores do País no produto, que inclui além de seguros de vida, acidentes pessoais e prestamistas, para pessoas física e jurídica.

Iniciativa motiva idosos a se aventurarem no universo do empreendedorismo 549

Iniciativa motiva idosos a se aventurarem no universo do empreendedorismo

Intuito é promover reinserção em atividades produtivas e no mercado de trabalho

A terceira idade pode significar o início de uma fase para descanso, mas também para novas descobertas e realização de sonhos muitas vezes deixados de lado. É com este objetivo que a tecnologia social Empreendedorismo na Melhor Idade oferece educação empreendedora aos idosos, para que venham a dar sustentabilidade ao seu conhecimento, desta forma, promovendo sua reinserção em atividades produtivas e no mercado de trabalho.

A capacitação empreendedora é um projeto inovador com metodologia dinâmica que possibilita o mergulho nas inovações no mundo dos negócios. Os participantes passam por um treinamento realizado em duas semanas, com temas interligados, em aulas interativas com teorias e práticas. Posteriormente, são disponibilizadas consultorias para assistência e desenvolvimento dos projetos, sanando dúvidas e norteando o plano de negócio. O acompanhamento é individualizado, porém, pode ser assistido por familiares e pessoas envolvidas com os alunos, por meio de parcerias ampliando novas possibilidades.

“O grande impacto é perceber que sempre é possível viver a gestão do conhecimento. Os idosos se encantam com o projeto e os resultados em suas vidas. Se sentem mais jovens, valorizados, aptos a fazerem novos planos de negócios e novos planos de vida. Com muita garra em aprender e realizar sonhos adormecidos”, explica Heliane Gomes de Azevedo, diretora institucional e idealizadora do Instituto de Pesquisa e Projetos Empreendedores (IPPE).

Ela conta que muitos relatam o resgate da autoestima, valorização pela experiência de vida e reconhecimento. E que em seus depoimentos evidenciam cases de sucesso que atestam a importância do projeto em suas trajetórias. Além de reconhecer a bagagem de vida como sendo extremamente importante, o projeto atualiza renasce possibilidades e aproxima casais que participam do curso juntos, estimula a proximidade, troca de ideias, engajamento e benefícios comum. “Os próprios familiares que também frequentam o instituto relatam mudanças positivas ocorridas no ambiente parental, que se encontram mais animados, felizes e com novos projetos de vida e trabalho”, ressalta.

Um leque de possibilidades

As áreas para empreender são as mais variadas, seja no setor de serviços ou produtos. A turma da melhor idade tem suas preferências que permeiam as categorias: economia criativa, beleza, saúde e bem-estar, moda, artesanato, móveis e decoração, construção e reformas, além de alimentos e bebidas. “Muitos alunos despertam seu lado de empreendedorismo social, e até mesmo novas habilidades antes consideradas como hobby. Temos um case de um cantor que se transformou em artista profissional. A criação ou acompanhamento do plano de negócio trabalha o individual para se tornar um projeto que se estende ao coletivo”, detalha a executiva.

Ano de realizações

Certificada no Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2019, a metodologia capacitou mais de 950 idosos. “Ter o selo da Fundação BB em nosso projeto é de suma importância. O reconhecimento e motivação que chancela os esforços em prol do coletivo. A certificação vem enobrecer nossas ações e fortalece a responsabilidade de aprimorar, construir e desenvolver inovações constantes para a sociedade gerando sustentabilidade, inclusão e um novo sentido de vida”, comemora a diretora.

No mesmo ano, a iniciativa conquistou o 1º lugar na categoria Pessoa Jurídica do Prêmio Pró-Longevidade da Rede Longevidade. E durante o segundo semestre de 2019 realizou o projeto “Eu e vocês – Vocês e Eu – Juntinhos”, ministrando minicursos, palestras e workshops.

“Os resultados superaram as expectativas, pois gerou conhecimento, integração, rede de contatos, criação de planos de negócios, remodelagem da vida, melhoria das relações interpessoais e familiares. Do projeto nasceu o intergeracional com alcance de mais 4 mil pessoas em 2019”, destaca.

Eventos incentivam divulgação científica e combatem negacionismo 546

Eventos incentivam divulgação científica e combatem negacionismo

Postgraduate Meeting e Encontro de Iniciação Científica e Tecnológica reunirão pesquisadores, professores e estudantes do Brasil e do exterior

A PUC-Campinas realiza, de 28 a 30 de setembro, dois eventos voltados à divulgação da ciência e da tecnologia. O II Postgraduate Meeting será realizado do dia 28 ao dia 30, e o XXV Encontro de Iniciação Científica e X Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ocorrerão dias 29 e 30 deste mês. Os dois eventos serão online, com transmissões pelas redes sociais da Universidade. A TV PUC-Campinas pode ser acessada neste endereço.

Para a abertura do Postgraduate Meeting, no dia 28 de setembro, às 18h, será realizada a palestra “A Ciência entre a Desinformação e o Excesso de Informação”, com o físico, professor e Secretário de Comunicação da Unicamp, Prof. Dr. Peter Alexander Bleinroth Schulz.

Para o Encontro de Iniciação Científica, a abertura, no dia 29 de setembro, às 8h30min, será com a palestra “Como se Comunicar Melhor sobre Ciência com seus Colegas e o Resto do Mundo”, com Gabriel Andrade Alves, jornalista científico da Folha de S. Paulo.

Os dois palestrantes abordarão as dificuldades, as oportunidades e boas experiências na área de divulgação de ciência e tecnologia. Eles também gravaram um podcast para o canal Olhar Contemporâneo, do site da PUC-Campinas. O podcast pode ser acessado neste endereço.

Entre os temas que abordaram estão a utilização da internet, redes sociais e novas tecnologias para divulgação da ciência, a importância da comunicação para os pesquisadores e as melhores formas de tratar fake news e negacionismo da ciência.

Gabriel destaca que ironizar ou reagir agressivamente a movimentos que costumam negar evidências científicas não funciona. “Na verdade, essas pessoas não negam a ciência. Elas são céticas, desconfiadas, e precisamos entender como pensam e quais são seus argumentos para esclarecer as suas dúvidas”, diz.

Ele também elogia novas iniciativas de divulgar ciência, como eventos abertos e fora das universidades e centros de pesquisa. Mas alerta para a necessidade de avaliar melhor essas iniciativas para que não se tornem apenas eventos voltados para a própria comunidade acadêmica.

O professor Peter também acredita que é preciso melhorar a comunicação e mostrar, principalmente, como o conhecimento científico é construído. “A ciência ainda é respeitada, mas o interesse muitas vezes é somente sobre os resultados e respostas a problemas, como a pandemia da covid-19. Mas poucos divulgam como o conhecimento é construído, que é um processo lento, rigoroso e sistemático”, disse.

Por isso, ele defende que os pós-graduandos passem a ser preparados para falar não só para seus pares, mas também para a comunidade em geral.

O Encontro de Iniciação Científica e o Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação são realizados pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação para qualificar, incentivar, socializar e fortalecer a Iniciação à Pesquisa na Universidade em todas as áreas do conhecimento.

Os alunos também participam de palestras e minicursos, socializam os Planos de Trabalhos realizados e são avaliados pelos docentes pesquisadores da Universidade e por Bolsistas de Produtividade do CNPq.

No Postgraduate Meeting o objetivo é apresentar as pesquisas que se iniciam na Pós-Graduação, a partir da apresentação dos slides em inglês desenvolvidos nos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu pelos alunos ingressantes dos Cursos de Mestrado e pelos alunos do 2º ano dos Cursos de Doutorado, especialmente aqueles apoiados por bolsas de estudo da Universidade ou de agências de fomento externas, como CNPq, Capes e Fapesp.

Para ver programação completa do II Postgraduate Meeting acesse este endereço.

Para ver programação completa do XXV Encontro de Iniciação Científica e X Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação acesse este endereço.

Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção 452

Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção

Mudanças incluem o aumento do limite de pontos para até 40 e aumento na validade da CNH

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (22) parte das emendas do Senado ao Projeto de Lei 3267/19, que altera o Código de Trânsito Brasileiro. O texto de origem do Poder Executivo segue para sanção do presidente da República.

Além do aumento na validade da CNH para dez anos para condutores com menos de 50 anos de idade, a proposta torna todas as multas leves e médias puníveis apenas com advertência, caso o condutor não seja reincidente na mesma infração nos últimos 12 meses. O projeto cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), uma espécie de listagem de bons condutores.

Ao ser sancionada, se for mantida a integralidade do texto aprovado pelo Congresso, todas as mudanças feitas pelo projeto valerão depois de 180 dias da publicação da futura lei. Caso ainda haja veto, os parlamentares retomam a análise dos dispositivos.

O projeto aprovado exige o transporte de crianças menores de dez anos e com menos de 1,45 metro nas cadeirinhas que sejam adequadas à sua faixa etária. Originalmente, abrandava a multa por descumprimento da regra, mas os senadores resgataram a condição de “gravíssima” da infração.

O texto também determina que ela somente se aplique aos casos de rodovias de pista simples e exige que os veículos novos sejam fabricados com luzes de rodagem diurna.

A proposta proíbe a conversão de pena de reclusão por penas alternativas no caso de morte ou lesão corporal provocada por motorista bêbado ou sob efeito de drogas. Mesmo que não haja intenção, a pena de reclusão não pode ser substituída por outra mais branda, que restringe direitos.

Pontuação

O texto estabelece uma gradação de 20, 30 ou 40 pontos em 12 meses conforme haja infrações gravíssimas ou não. Atualmente, a suspensão ocorre com 20 pontos, independentemente do tipo de infração.

Dessa forma, o condutor será suspenso com 20 pontos se tiver cometido duas ou mais infrações gravíssimas; com 30 pontos se tiver uma infração gravíssima; e com 40 pontos se não tiver cometido infração gravíssima no período de 12 meses.

Os condutores que exercem atividades remuneradas terão seu documento suspenso com 40 pontos, independentemente da natureza das infrações. Essa regra atinge motoristas de ônibus ou caminhões, taxistas, motoristas de aplicativo ou mototaxistas. Se esses condutores participarem de curso preventivo de reciclagem ao atingir 30 pontos, em 12 meses, toda a pontuação será zerada.

Emendas

Os deputados aprovaram oito das 12 emendas do Senado ao texto anteriormente aprovado pela Câmara. Entre elas está a que proíbe converter pena de reclusão por penas alternativas no caso de morte ou lesão corporal provocada por motorista bêbado ou sob efeito de drogas.

Entre os dispositivos retirados pelos parlamentares está o que tornava infração grave punida com multa o ato de transportar ou manter embalagem não lacrada de bebida alcoólica no veículo em movimento, exceto no porta-malas ou no bagageiro.

Segundo o relator, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), o texto deveria trazer exceção para os veículos de transporte turístico, onde a bebida aberta pode estar sendo consumida pelo passageiro e não pelo motorista.

Ministério

Em nota, o Ministério da Infraestrutura disse que a aprovação é um grande grande avanço para a sociedade. “As mudanças são decorrentes da necessidade de atualização na legislação, que completa hoje 23 anos. Então, a proposta teve como objetivo transformar, facilitar a vida do cidadão brasileiro. São medidas com caráter educativo e menos punitivo, que irão contribuir para a redução de acidentes e mortes no trânsito”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Mercado de fusões e aquisições continua em plena atividade na pandemia 551

Mercado de fusões e aquisições continua em plena atividade na pandemia

Empresários continuam recorrendo ao processo na crise, mas tanto compradores como vendedores devem tomar uma série de cuidados com a operação

Já não é mais novidade que a paralisação da economia provocada pela pandemia vem causando problemas estruturais com empresas, como queda no faturamento, demissões em massa, reestruturações e, em casos extremos, falência. E muitas delas passaram a enxergar uma saída recorrendo ao mercado de fusões e aquisições.

Um estudo da consultoria global KPMG aponta que, no primeiro semestre de 2020, o Brasil registrou 513 operações de fusões e aquisições de empresas, número que representa uma queda de apenas 5,5% no comparativo com o mesmo período de 2019. Se observarmos o cenário extremamente negativo por causa da pandemia durante boa parte do semestre, a queda não é considerada muito relevante.

Dentre essas 513 operações, 368 são consideradas operações domésticas, entre empresas de capital brasileiro. As restantes envolveram empresas de capital estrangeiro. Para o especialista em Direito Empresarial e Societário, e professor do Insper e da Faap Marcelo Godke, com todos os cuidados devidamente observados, o processo pode realmente ser uma saída viável.

“Quando 2 ou 3 empresas que atuam no mesmo setor passam por uma queda de faturamento, talvez seja o momento propício para cortarem custos e passarem por esse processo. Tecnicamente não é uma fusão, mas uma incorporação, mas pode ser muito interessante, principalmente com a possibilidade de reduzir custos e estruturas duplicadas, ajudando a salvar as empresas”, relata o professor.

Porém, os empresários devem tomar uma série de cuidados com essas operações. Quem faz o alerta é o especialista em Direito Tributário Eduardo Natal. “São várias as questões a serem observadas, entre elas a avaliação criteriosa dos ativos e da companhia, os cuidados na elaboração dos instrumentos contratuais, questões de mercado e concorrenciais, entre outras”, alerta Natal.

Franquias durante a pandemia

Duramente prejudicado com a pandemia, o setor de franquias chegou a registrar queda média de faturamento de 48,2% em abril, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com a reabertura gradual da economia e o aprimoramento de canais de venda digital, o setor vem registrando, aos poucos, uma redução nas perdas, mas ainda está longe da recuperação.

“Como os shoppings sofreram um impacto grande, isso afetou de maneira muito forte o setor de franquias. Muitas fecharam, principalmente quem não tinha capital para segurar a onda. Enquanto a economia não estiver reaberta totalmente e os shoppings em pleno funcionamento, será muito difícil que o setor se recupere de forma plena”, avalia Marcelo Godke.

Para aliviar a situação dos franqueados, o professor indica que o melhor caminho é a negociação. “As empresas que administram os shoppings sabem que os lojistas tiveram uma queda enorme no faturamento e que se forem cobrar plenamente o valor dos aluguéis, eles vão fechar as portas. O ideal é que seja negociado com as partes os contratos de locação e de royalties”, explica Godke.

Já Eduardo Natal espera que o setor melhore assim que passar a fase mais crítica da pandemia e que isso pode causar um reflexo positivo na recomposição da demanda. Entretanto, o especialista não acredita que o retorno seja automático. “A renda do brasileiro caiu e o desemprego aumentou em razão da crise, e isso certamente será refletido os próximos meses”.