Rede Lojacorr amplia ecossistema e faz parceria com a Celero 1016

A startup de automação financeira está entre as empresas mais inovadoras e pode agregar em corretoras de seguros

A Rede Lojacorr, maior rede de corretoras de seguros independentes do país, está ampliando a rede de soluções do seu ecossistema e firmou parceria com a Celero Automação Financeira. A startup de planejamento financeiro está entre as empresas mais inovadoras de 2019 e já recebeu aporte monetário milionário da Harvard Angels, e foi acelerada pelas duas maiores instituições de apoio ao empreendedorismo no Brasil, a Endeavor e o Sebrae.

O trabalho da Celero é indicado para pequenas e médias empresas prestadoras de serviço, que precisam organizar e manter a gestão financeira em dia, economizando tempo e dinheiro no departamento financeiro e investindo nas atividades-chave da empresa.

A plataforma faz muito mais do que apenas pagar contas e receber pagamentos. Por isso, o CEO e co-fundador da Celero, João Tosin, oferece dicas básicas para organizar e planejar o departamento financeiro de uma empresa, como: ter pessoas com conhecimento sobre gestão financeira para cuidar das finanças da empresa, não usar a mesma conta bancária para cuidar das despesas pessoais e da empresa e, principalmente, não pagar contas pessoais com o lucro da empresa.

O objetivo da parceria com a Celero, de acordo com Alex Martins, gerente Comercial da Rede Lojacorr, é oferecer para as corretoras da Rede Lojacorr um sistema de Gestão Financeira, voltado especificamente, para pequenas e médias empresas.

Segundo ele, o sistema também precisa substituir os cálculos e contas manuais, além de possibilitar mensurar e prever todo o fluxo monetário da organização, de forma híbrida, que inclui inteligência automatizada com a expertise da experiência especializada.

“Com a Celero, que vem incrementar ainda mais nossa gama de soluções do ecossistema dos corretores, o corretor foca seu trabalho no objetivo da empresa que é vender e executar bem seu fluxo de trabalho, deixando a gestão financeira sendo executada separadamente por uma empresa especializada. Assim, a corretora concentra-se nas estratégias da empresa e não apenas no fluxo de caixa, mas sim no propósito de ajudar o brasileiro a se proteger mais e melhor”, explica.

Tosin acrescenta que a gestão financeira é feita com ferramentas e softwares voltados ao segmento e a Celero fornece essa solução, e concentra medições e análises estratégicas para o empreendedor.

“A solução tem a finalidade de munir as empresas de ferramentas de controle de finanças corporativas inteligentes, capazes de determinar a tomada de decisões empresariais, e ajudar as corretoras a pensar no dinheiro de forma estratégica para que consigam alcançar suas metas”, diz Tosin.

O gestor ressalta que se a corretora controla bem suas entradas e saídas, ela consegue ter um histórico e medir as finanças da empresa. Dessa forma, possui maneiras de ver a sazonalidade de vendas e maiores gastos.

“Isso se chama previsibilidade. Para que o empreendedor tenha comando, equilíbrio e possa fazer essa previsibilidade, é necessário o controle total dos gastos e entradas. Afinal, o aproximado não é total. Cada conta, imposto, fornecedor e insumos deve estar medido integralmente nesse controle”, finaliza João Tosin.

Susep intima empresas que atuavam como seguradoras sem autorização 447

Empresas estarão sujeitas à pagarem multa por infração se a atividade for comprovada

Para combater o mercado de proteção veicular, a Susep continua a intimar empresas que atuam como seguradora sem a devida autorização da autarquia.

Dessa vez, os responsáveis pela MV SAT Rastreamento e Associação de Proteção e Assistência Veicular Protection foram intimados a apresentarem defesa no prazo de 30 dias.

Caso a defesa não seja apresentada dento do prazo, o processo será julgado sem as referidas alegações.

De acordo com a autarquia, se forem acolhidas as razões da representação, as empresas estarão sujeitas à pagarem multa por infração, segundo o Decreto-Lei 73/66 e na Resolução 243/11 do CNSP.

Sharecare oferece solução de combate à covid-19 com baixo custo para empresas, planos de saúde e setor público 451

Solução integra tecnologia de ponta e oferece atendimento 24 horas, telemedicina e acompanhamento diário

A pandemia de Covid-19 trará um grande impacto financeiro e estrutural para as organizações. Muitas pessoas afetadas serão assintomáticas ou terão sintomas leves, mas uma parcela relevante das pessoas infectadas – algumas entidades estimam entre 5% e 10%, terá maiores complicações e poderá necessitar de leitos de UTI por períodos de mais de uma semana, podendo inclusive vir a óbito.

Além disso, pessoas com doenças crônicas e ou com idade acima de 60 anos são grupos de risco importantes e precisam tomar cuidado mais estritos, pois a taxa de mortalidade sobe muito nesses casos.

Para tentar mitigar esses danos, a Sharecare, líder global em gestão saúde integrada e digital, desenvolveu uma solução completa, digital e integrada para que organizações como empresas, planos de saúde e o setor público possam oferecer às suas populações o apoio necessário para o enfrentamento dos riscos da Covid-19, desde o momento de prevenção até possíveis casos de sintomas agravados da doença.

Por meio de interações digitais, check-ups diários, suporte de especialistas e telemedicina, os indivíduos são acompanhados de acordo com a fase de cuidado: suporte e acolhimento para as pessoas que estão se cuidando preventivamente e não contraíram a doença e gestão proativa, para os casos com suspeita de diagnóstico positivo da Covid-19. Os produtos têm diferentes níveis de cuidado, com a missão de levar mais segurança e bem-estar para a população, reduzir o risco de infecção pelo coronavírus, reduzir a frequência evitável em pronto-socorro e, principalmente, mitigar o impacto financeiro causado pela pandemia às organizações – tudo isso a um custo médio de poucos reais por pessoa, por mês.

A enfermeira virtual da Sharecare, a Sara, foi adaptada para o Covid-19

A Sara, enfermeira virtual da Sharecare, é responsável pela integração entre a equipe clínica de especialistas (médicos e enfermeiros) e o usuário final. Ela realiza uma checagem diária de possíveis sintomas da Covid-19 e também a triagem do risco, de forma extremamente simples e intuitiva para o indivíduo. De acordo com a situação identificada, diferentes níveis da solução são ativados.

Os pacientes com sintomas mais proeminentes têm a oportunidade de conversar com os médicos de plantão e participar de consulta clínica via telemedicina, evitando a necessidade de deslocamento ao pronto-socorro e exposição a maiores riscos de saúde.

“Sabemos que a Covid-19 trará um impacto imenso para as organizações e, por isso, a Sharecare inovou e desenvolveu novas soluções focadas em mitigar os danos clínicos e econômicos da pandemia. Tomamos muito cuidado para oferecer um produto dinâmico, populacional e efetivo, suportando e acolhendo as pessoas em um momento de muitas dúvidas, incertezas, ansiedades e identificando o mais rápido possível as pessoas que precisam de um suporte maior, para evitarmos idas desnecessárias a unidades de Pronto Atendimento e hospitais. Ao mesmo tempo, procuramos direcionar as pessoas que realmente precisem de Pronto Atendimento para que o façam o mais breve possível. Todos ganham: os funcionários e suas famílias, as empresas, os planos de saúde e o setor público. Este é o verdadeiro propósito da Sharecare. ”, finaliza Nicolas Toth, CEO da Sharecare Brasil.

Após mudança na rotina do trabalho, seguradora lança proteção para equipamentos em home office 497

Novidade visa proteger o patrimônio das empresas como notebooks, laptops, desktops, dock stations, monitores, headsets, e muito mais

Tempos de crise podem ser também momentos de oportunidade para novos negócios. Atenta a mudança na rotina de trabalho por conta do coronavírus, uma seguradora aproveitou para lançar um produto exclusivo, voltado para as empresas que disponibilizaram seus equipamentos para as pessoas trabalharem de casa.

Com o nome de Home Office Protegido, a novidade visa proteger o patrimônio das empresas como notebooks, laptops, desktops, dock stations, monitores, headsets, mouses, teclados e demais periféricos, impressoras, scanners, webcans e equipamentos de vídeo conferências.

“Muitas companhias adotaram o regime de home office como uma solução para que não parassem de produzir durante a pandemia. Com isso, tiveram de comprar (alugar) notebooks e afins, ou instalar os desktops e demais itens nas residências de seus colaboradores. Isso fez com que todos esses equipamentos deixassem de ter cobertura nas apólices de Compreensivo Empresarial (Property), que é um seguro já contratado pelas empresas”, explica Daniel Camargo, Underwitter de Consumer Lines, da Argo Seguros.

De acordo com ele, nenhuma outra seguradora do Brasil oferece algo parecido. “São poucas as companhias que têm produto para esse segmento e, de forma geral, garantem o ressarcimento de bens de quem trabalha nesse regime de home office, não dos equipamentos das empresas contratantes”, esclarece.

Entre os riscos mais comuns estão desde o simples derramamento de um copo de água sobre os equipamentos; até a oscilação da energia elétrica, que pode queimar os componentes; ou ainda a queda dos aparelhos causada por conta de um animal doméstico ou mesmo uma criança brincando por perto.

O Home Office Protegido pode ser adquirido por períodos curtos – por 30, 60, 90 ou 120 dias – e oferece cobertura contra roubo e/ou furto qualificado, danos de causa externa (incêndio, queda de raio, queda, dentre outras), danos elétricos e perda e/ou pagamento de aluguel.

Newton Queiroz, CEO e presidente da Argo Seguros, lembra ainda que o seguro é fundamental para proteger o patrimônio de pessoas e empresas. “Quando acontece um sinistro, o custo para reparar ou repor aquela perda pode comprometer toda a operação e atrasar ainda mais o desenvolvimento dos negócios. Por isso, sempre pensamos em novas formas de comercializar produtos tradicionais ou de introduzir novos produtos em nossa indústria, sempre empregando a tecnologia a serviço de nossos clientes”.

Para o corretor que quiser saber mais detalhes sobre o Home Office Protegido, basta enviar um e-mail para pme@argoseguros.com.br.

Sicoob Credicor-SP distribui rendimentos aos cooperados 479

Montante foi distribuído na proporção direta das operações realizadas e obedecendo às fórmulas de cálculo de 40% para empréstimos, 40% para aplicações financeiras e 20% para saldo médio em conta corrente

Conforme aprovado em Assembleia Geral Ordinária, realizada no dia 11 de março, a Sicoob Credicor-SP começou a creditar em conta corrente dos seus associados as sobras (lucros) apuradas no exercício de 2019, proporcionalmente às operações realizadas.

O montante foi distribuído na proporção direta das operações realizadas e obedecendo às fórmulas de cálculo de 40% para empréstimos, 40% para aplicações financeiras e 20% para saldo médio em conta corrente, decididos na Assembleia.

Os cotistas podem optar por reinvestir em cotas o valor creditado em sobras na conta corrente, garantindo bons rendimentos no patrimônio em 2020.

“Estamos recebendo vários contatos com manifestações surpreendentes, pessoas que receberam valores muito bem vindos principalmente nesse momento, diante do cenário de crise pela pandemia que estamos enfrentando”, declara a gerente da Sicoob Credicor-SP, Geny Schimith.

Chegada da LGPD impulsiona contratações 497

Procura pelo seguro cyber dobrou neste primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2019

A proximidade da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), prevista para agosto, está impulsionando a contratação de seguros contra riscos cibernéticos por parte das empresas.

O mercado aposta no potencial desse tipo de proteção não só porque a lei estabelece pesadas multas em caso de vazamentos de dados, mas também porque o crescimento da utilização da tecnologia vem acompanhado do aumento dos riscos de ataques cibernéticos.

“A procura pelo seguro cyber dobrou neste primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2019”, diz Marta Schuh, superintendente da Marsh.

Na Zurich, a demanda pelo produto aumentou 50% no ano passado, mas sobre uma base ainda pequena, informa Fernando Saccon, superintendente da seguradora. Na AIG, houve alta de 60% nos fechamentos de seguros cibernéticos (“cyber”) em 2019, segundo o gerente Flavio Sá. Sua expectativa é que neste ano o desempenho seja ainda melhor.