Pedrinhas gaúchos reforçam importância da união da categoria 1241

Presidente do Sincor-RS foi palestrante de encontro, que também contou com a apresentação da chapa candidata para presidir o Clube pelos próximos dois anos

No primeiro encontro de 2020, o Clube do Pedrinha do Rio Grande do Sul convidou o Presidente do Sindicato dos Corretores do Estado (Sincor-RS), Ricardo Pansera, para palestrar sobre o mercado de seguros. O evento ocorreu no restaurante Casa do Marquês em Porto Alegre.

Guilherme Bini, presidente do Sindicato das Seguradoras (SindSeg RS) ressaltou a importância da proximidade dos sindicatos. ˜É o momento de nós levarmos informações, estarmos próximos do sindicato e dos corretores. Os nossos sindicatos precisam andar lado a lado de mão dadas”, afirmou Bini.

Ricardo Pansera iniciou a conversa com os pedrinhas em tom descontraído, em que agradeceu e elogiou a forma de integração entre os presentes. Ele contou um pouco da história do Sincor-RS e da profissão de corretor de seguros. Ele também criticou a Medida Provisória 905, que extingue 13 profissões, incluindo a de corretores de seguros.

“Não só os corretores de seguros, mas as outras categorias também estão unidas trabalhando. Estamos reunindo aos sindicatos das outras categorias para homologar o texto que retira essas profissões da Medida Provisória, que ninguém entendeu a ideia do Governo de querer gerar emprego extinguindo categorias, a exemplo a dos corretores de seguros, que possui 100 mil profissionais pelo país”, explicou Pansera.

Durante o seu discurso também foi abordado a importância Escola de Negócios e Seguros que profissionaliza os corretores de seguros, e diversos pontos históricos foram relembrados como a parceria feita em 1995, com o DPVAT, em que o sindicato investiu no atendimento ao público, ressaltando a importância da parceria e da comunicação entre seguradoras e corretoras, para beneficiar os clientes. Outro dado apontado por Pansera, mostrou uma estatística interna realizada pelo Sincor-RS, em que 89% dos casos de reclamação levados até a Ouvidoria, são solucionados através de uma conciliação.

Em entrevista para a nossa equipe, o presidente da Sincor-RS, destacou a importância do evento: “O pedrinha já é um encontro mensal tradicional com jantares, palestras, então para mim é um privilégio estar aqui fazendo a abertura do ano, conversando com o pessoal sobre a entidade que a gente representa, que é o Sindicato dos Corretores de Seguros, e também falar sobre o momento atual, as perspectivas desse ano. Mas não é uma palestra, é uma conversa entre amigos”.

Pansera também afirmou estar confiante na economia para este ano. “Eu acredito muito numa reviravolta da economia, porque a economia é um termômetro para o mercado de seguros, muito embora o nosso mercado está num momento interessante, já que terminamos 2019 com dois dígitos de crescimento, acima da inflação. Isso é uma perspectiva muito interessante para todos para todos os seguradores e corretores de seguros”, contou.

A noite também foi palco da apresentação da chapa da candidata para presidir o Clube do Pedrinha nos próximos dois anos. Em entrevista, Suellen Castro, atual Diretora Jurídica do Clube, contou um pouco sobre as suas propostas para presidir a próxima gestão. “Para compor a chapa, eu trouxe pessoas que não faziam parte da diretoria ainda, agradeci muito a contribuição de pessoas que já estavam há muito tempo com a gente, que com toda certeza foram fundamentais para o crescimento do Clube. Também quero aumentar o número de pessoas novas e manter aquelas pessoas que são a essência da fundação. Então eu tentei fazer uma mescla, a ideia é fazer uma gestão moderna, mais inovadora. É um desafio gigante mas tem tudo pra dar certo”, contou.

A atual Presidente do Clube do Pedrinhas, Ana Maria Pinto, também falou sobre a sua indicação para a próxima gestão. “A Suellen é a candidata que inscreveu a chapa dela, mas até o final do mês qualquer pedrinha pode apresentar a sua chapa. Não havendo outra chapa, a Suellen passa a presidir a gestão”, disse.

Confira os componentes da chapa de Suellen Castro:

Presidente: Suellen Castro
Vice Presidente: Yara Bolina
Secretária: Daniela Zimmer
Diretor financeiro: Luiz Felipe
Diretor social: Giovani Menger
Diretora Social Adjunto: Gislaine Rodrigues
Diretora de Marketing: Júlia Senna
Diretor de Marketing Adjunto: Marcelo
Diretor de Relacionamento com o mercado: Fernando Menezes
Diretor de Relacionamento com o mercado adjunto: Luis Felipe Paradeda
Diretora Jurídica: Niris Cunha
Diretor jurídico adjunto: Lorenzo

Imagens: Matheus Pé/JRS

 

57,3% dos corretores renovam apólices mesmo durante pandemia 900

Pesquisa da Som.us ouviu 931 profissionais

Uma sondagem da Som.us, consultoria de seguros do grupo do C6 Bank, mostrou que 57,3% dos corretores de seguros têm conseguido renovar praticamente todas as apólices de seus clientes, mesmo com alguma dificuldade, em meio à pandemia. A pesquisa ouviu 931 profissionais do segmento na semana retrasada.

O número de corretores de seguros que conseguiram renovar quase todas as apólices teve piora na semana retrasada, com queda de seis pontos percentuais em relação ao período anterior. O responsável pela área de seguros do banco, Fabio Basilone, diz que o setor vem resistindo bem à crise. Fatores como a flexibilização dos preços e das formas de pagamento, além do aumento da procura por modalidades como seguros de vida, ajudam a explicar o desempenho positivo. Mas, apesar da resiliência do segmento, 30% dos corretores de seguros ouvidos registraram aumento da inadimplência.

Porto Alegre é a sétima cidade em roubos e furtos de veículos 482

Em abril, capital gaúcha registrou redução de 28,79% em relação ao mesmo mês no ano anterior

Normalmente figurando entre as primeiras do ranking, Porto Alegre encerrou abril na sétima colocação dentre as cidades com maior números de roubos e furtos de veículos. No quarto mês do ano, foram 470 ocorrências, contra as 660 do ano anterior, um recuo de 28,79%. No acumulado do ano, a queda chega a 20,64%, passando de 2.829 nos quatro primeiros meses de 2019 para 2.245 em igual período de 2020.

“Além do excelente trabalho desenvolvido pela polícia no Estado, o recuo também reflete o isolamento social adotado em virtude da pandemia de coronavírus. Sempre há o questionamento se uma retração nos índices de criminalidade terão impacto no preço dos seguros, mas é importante ressaltar que mesmo este seja um dos itens que compõe o preço, muitos outros fatores são levados em consideração como idade do condutor, hábitos de uso e até mesmo modelo do veículo”, explica o presidente do Sindicato das Seguradoras do RS (Sindseg-RS), Guilherme Bini.

O dirigente lembra ainda que os cálculos podem ser diferentes até mesmo entre as seguradoras e por isso o indicado é conversar com um corretor de seguros para que ele possa esclarecer dúvidas e orientar para que a pessoa contrate um seguro que atenda às suas necessidades.

Clube da Pedrinha RS renova logotipo e cria conta no Instagram 815

Entidade completou 15 anos em maio

O Clube da Pedrinha do Rio Grande do Sul acaba de renovar o seu logotipo. A entidade, que completou 15 anos em maio deste ano, reúne e integra profissionais da área de seguros, previdência e capitalização, além de gestores de entidades parceiras.

Recém empossada, a diretoria do Clube aproveitou a ocasião da data de aniversário para apresentar o novo visual. “Nada melhor do que aproveitar o momento em que o novo está em alta para reinventar, também, o nosso logotipo”, destaca a presidente do Clube da Pedrinha RS, Suellen Farias.

Além disso, a entidade também criou uma conta no instagram. O @clubedapedrinhars é um espaço em que os pedrinhas e demais colegas de mercado poderão conferir fotos de encontros, se atualizar de algumas informações e participar de lives com convidados especiais. “Este é um primeiro sonho desta gestão, que está iniciando nesse momento tão desafiador, e que temos a certeza de que será um sucesso. Nosso objetivo é manter os membros do clube próximos e continuar, nesse novo formato, o trabalho que vem sendo realizado pelo clube.”, conta Suellen.

Susep reforça que declarações atribuídas a Solange Vieira são inverídicas 2371

Superintendência enviou nota de esclarecimento à toda imprensa no final da tarde de ontem, 27

Após repercutir no mercado a suposta declaração da superintendente da Susep, Solange Vieira, a autarquia reforçou, em nota enviada à toda imprensa no final da tarde desta quarta-feira (27), que as declarações são inverídicas, conforme já havíamos noticiado. Leia abaixo:

Esclarecemos que as declarações atribuídas a Solange Vieira em recente matéria jornalística sobre a pandemia COVID-19 são inverídicas. Reiteramos que, a convite do então ministro Luiz Henrique Mandetta, a economista esteve em março no Ministério da Saúde (MS), para contribuir com os modelos de projeção decorrente da pandemia utilizados por aquela pasta. Na ocasião, foram observados os cenários apresentados e seus impactos, com foco sempre na preservação de vidas. A economista declara seu repúdio a toda e qualquer ilação que impute a alguma análise proferida juízo de valor em sentido contrário ao direito à vida e à saúde para todos, de qualquer idade, a qualquer tempo. Medidas legais cabíveis sobre o assunto estão sendo analisadas.

De acordo com reportagem, Solange Vieira teria considerado bom que as mortes se concentrem entre os idosos; Susep nega 8091

Solange Vieira é superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep)

Superintendente da Susep teria dado declaração durante reunião no mês de março

Portais jornalísticos nacionais divulgaram reportagem de autoria da Reuters, considerada a maior agência internacional de notícias, em que foi atribuída à superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Vieira, declarações polêmicas. De acordo com o texto, Solange teria afirmado: “É bom que as mortes se concentrem entre os idosos… Isso melhorará nosso desempenho econômico, pois reduzirá nosso déficit previdenciário.”

Quem forneceu o relato à agência Reuters foi o epidemiologista que era chefe do departamento de imunização e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, Julio Croda. A informação também foi corroborada por outra autoridade, que, falando sob condição de anonimato, contou que recebeu informação do ocorrido, mas não estava na reunião.

O trecho ainda ressalta que a superintendente da Susep é aliada do ministro da economia, Paulo Guedes, e que esteve envolvida na importante reforma previdenciária do governo no ano passado. “[Ela] também mostrou pouca urgência quando foi apresentada a previsões do Ministério da Saúde em meados de março […]. O ministério previu mortes generalizadas entre os idosos, se o vírus não fosse contido”, destaca a reportagem.

Procurada pelo JRS, a assessoria da Susep retornou que as declarações atribuídas à superintendente não procedem. “Esclarecemos que as declarações do senhor Júlio Croda atribuídas a Solange Vieira em recente matéria jornalística são improcedentes. Reiteramos que, a convite do então ministro Luiz Henrique Mandetta, a economista esteve em março no Ministério da Saúde (MS), para contribuir com os modelos de projeção decorrente da pandemia de COVID-19 utilizados por aquela pasta. Na ocasião, foram observados os cenários apresentados e seus impactos, com foco sempre na preservação de vidas”, diz. O texto enviado por e-mail a nossa redação ainda ressalta que Solange repudia qualquer análise nesse sentido e que medidas legais adequadas serão tomadas: “A economista declara seu repúdio a toda e qualquer ilação que impute a alguma análise proferida juízo de valor em sentido contrário ao direito à vida e à saúde para todos, de qualquer idade, a qualquer tempo.  Medidas legais cabíveis sobre o assunto estão sendo analisadas”.

A Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) disse lamentar e repudiar veemente a declaração de Solange Vieira. “Postura insensível e desumana da superintendente da Susep, em absoluto desrespeito aos familiares dos mais de 25 mil brasileiros mortos em decorrência da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)”, destaca.

A Fenacor ainda considera absolutamente inaceitável e inconcebível que este seja o sentimento de quem lidera a autarquia responsável por supervisionar o mercado de seguros e de previdência privada. “A brutalidade e a falta de empatia demonstradas pela superintendente da Susep causam repulsa na sociedade brasileira e nos faz questionar uma vez mais se ela reúne as mínimas condições para ocupar o posto de comando de um órgão do Governo cujo foco precisa estar direcionado para ajudar as pessoas a superarem a mais grave crise na saúde pública dos últimos 100 anos”, finaliza.

*O título desta reportagem foi alterado para fins de compreensão.