“Esquenta Sancor Seguros” tem bônus ilimitados para renovação auto 1481

Ação oferece R$ 50 a cada renovação, incluindo congêneres, sem produção mínima nem limite de premiação

Já está valendo a nova ação de incentivo para as corretoras da Sancor Seguros. A segunda edição da campanha “Esquenta”, um sucesso de vendas e premiações em 2019, começou no último dia 20 de abril e segue até 31 de maio com muitas novidades. Com regulamento mais simples e pagamento de premiações potencialmente maior, é uma ótima opção de renda extra neste período de isolamento social devido à pandemia do novo Coronavírus.

A cada renovação de seguro auto da Sancor ou de congêneres o corretor recebe R$ 50 de bônus por apólice emitida (após o pagamento da primeira parcela). Não há necessidade de produção mínima e os prêmios são cumulativos e ilimitados. O pagamento será feito por meio de um cartão pré-pago, ou seja, sem necessidade de emissão de Nota Fiscal e isento de impostos ou qualquer outro tipo de desconto. O total de bônus conquistados será creditado uma única vez no fim do período.

“Ano passado a campanha ‘Esquenta’ foi voltada às novas produções e renovações de congêneres, premiamos quem gerou novas apólices para a Seguradora. Agora, a dinâmica é totalmente focada nas renovações, com o grande diferencial de não ter uma produção mínima. Renovou, ganhou. E quantas vezes mais renovar, maior será o prêmio”, destaca o superintendente Comercial e Marketing da Sancor Seguros, Rosimario Correa Pacheco.

A Sancor preparou ainda um pacote de medidas para ajudar os segurados impactados pela COVID-19 e corroborar com o trabalho dos corretores e suas renovações nesse período. “Para os seguros auto estamos oferecendo parcelamento também no boleto em 10 vezes sem juros até 17 de maio e, desde o último dia 15 de abril, todas as renovações de seguros de automóveis Sancor tiveram ampliação de cobertura automática de cinco para sete dias. Outra possibilidade é a autovistoria, disponibilizada para os corretores até 31 de maio. Além de argumentos extras para a venda, as facilidades geram benefício real para o consumidor”, explica o executivo.

Além de ampliar a carteira de clientes, em 2019 a Seguradora pagou mais de R$ 40 mil em prêmios para 145 corretoras participantes da primeira edição da “Esquenta Sancor Seguros”.

Trabalho remoto requer proteção e inovação no mercado segurador 799

Trabalho remoto requer proteção e inovação no mercado segurador

Coberturas especiais para atividade comercial na residência, contratos exclusivos para microempreendedores (MEI), investimentos em tecnologia e inovação são os diferenciais deste ‘novo normal’

A crise epidemiológica do novo coronavírus desencadeou uma dificuldade de mobilidade em todo o mundo. Diante de um momento tão desafiador, empresas precisaram adaptar suas dinâmicas de trabalho às medidas de isolamento social. Mas, afinal, é possível dar continuidade aos negócios de forma segura no formato home office?

Nos últimos meses, o protagonismo do home office traz luz à importância da proteção ao patrimônio. Com isso, o mercado segurador se prepara para mudanças tanto na forma de comercialização como também de produtos que atendam às novidades em riscos trazidas por funcionários trabalhando a distância. “No mercado, produtos como o Residencial Sob Medida, da Bradesco Auto/RE, ganham destaque, pois são moldados para coberturas de atividades comerciais na residência, seguros para equipamentos mais sofisticados instalados nas casas e seguro empresarial, com contratos exclusivos para microempreendedores (MEI). Além de extensão das proteções para máquinas, móveis, utensílios e mercadorias, desastres naturais – cada vez mais recorrentes nas grandes cidades brasileiras, entre outros”, destaca o diretor SaintCalir Lima, da Bradesco Auto/RE.

Mas não basta apenas oferecer proteção. O isolamento social também trouxe o desafio de manter o atendimento de excelência, ágil e eficaz no dia a dia com o cliente. Empresas tiveram que adequar seus produtos, aprimorar operações, digitalizar serviços e criar canais e recursos que atendessem à nova rotina do consumidor. “Investimos em tecnologia e pesquisa com objetivo de aprimorar a experiência de clientes com os produtos. Nos últimos meses, foram criados novos canais de atendimento, serviços e assistências emergenciais e, ainda, reestruturação de processos já existentes”, ressalta.

O seguro residencial é uma opção para lidar melhor com imprevistos e proteger contra acidentes e danos causados, não somente à estrutura física do imóvel, mas também ao seu conteúdo. A cobertura básica inclui proteção contra incêndio, queda de raio, explosão, impacto de veículos, tumultos, greves, recomposição de documentos pessoais e do imóvel. No entanto, é possível proteger a residência de outros riscos, entre eles, roubo, vendaval, furacão, ciclone, chuva de granizo, danos elétricos, vidros entre outros.
Apesar de ainda não ser possível adiantar como será o mercado no período pós-pandemia, uma mudança já é percebida. “As empresas vão precisar oferecer produtos e serviços cada vez mais personalizáveis, de acordo com perfil e necessidade de cada pessoa. Há o entendimento de que o consumidor percebe ainda mais a necessidade de uma proteção maior oferecida pelo seguro”, conclui.

Reservas da capitalização crescem 2,6% e ultrapassam R$ 31 bilhões 334

Reservas da capitalização crescem 2,6% e ultrapassam R$ 31 bilhões

Setor estima que “o pior já passou”, em relação aos números durante a pandemia

O faturamento do mercado de títulos de capitalização ultrapassou, no mês de julho, os valores de arrecadação observados no período pré-pandemia, o que corrobora o posicionamento do setor de que o pior já passou. “Avaliando a série histórica, a inflexão ocorreu no mês de abril e, a partir daí, retomamos uma tendência de crescimento da casa de dois dígitos, vividos em 2019”, avalia o presidente da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), Marcelo Farinha.

Divulgação
Divulgação

As reservas do mercado de Títulos de Capitalização atingiram R$ 31,3 bilhões entre janeiro e julho de 2020, demonstrando a resiliência do segmento. Esse montante, constituído pelos recursos de clientes com títulos de capitalização ativos, cresceu 2,6% em relação ao mesmo período de 2019, mantendo-se em patamar de estabilidade. Segundo o presidente da Federação, “As informações sobre o desempenho do mercado, divulgadas pela entidade mostram uma tendência da sociedade de busca por ativos seguros em tempos de crise”.

Divulgação
Divulgação

Sorteios em alta

O mercado de Capitalização segue contribuindo para a realização dos sonhos dos brasileiros: entre janeiro e julho, foram distribuídos R$ 565,3 milhões em prêmios a clientes que tiveram títulos sorteados, o que equivale ao pagamento R$ 3,8 milhões por dia útil.

Soluções sob medida

Com soluções cada vez mais aderentes às necessidades dos consumidores, o mercado de Títulos de Capitalização oferece seis modalidades de produtos, incluindo as criadas em 2019: Instrumento de Garantia e Filantropia Premiável, que, apesar de recentes, já respondem por 18% do faturamento do segmento. A primeira garante contratos de qualquer espécie, inclusive nos casos de aluguel de imóveis residenciais e corporativos; já a modalidade Filantropia Premiável é indicada para quem quer se engajar em causas sociais. Em qualquer uma delas, o cliente sempre concorre a prêmios. A arrecadação do Instrumento de Garantia atingiu R$ 1,5 bilhão, em sete meses, enquanto o Filantropia Premiável arrecadou R$ 865 milhões e repassou R$ 392 milhões para instituições filantrópicas parceiras.

Diretor do SindsegNNe aborda LGPD e Seguro de Riscos Digitais 613

Diretor do SindsegNNe aborda LGPD e Seguro de Riscos Digitais

Bate-papo acontece em live no Instagram

O diretor do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (SindsegNNe), Leandro Vasco, participa nesta sexta-feira (02), às 11h1min0, de bate-papo online sobre a Lei Geral de Proteção de Dados no programa 11e10 Convida, que debate o mercado de seguros, comandado por Eduardo Scartezini.

A conversa será transmitida pelo perfil de Scartezini no Instagram (@eduardoscartezini). Na pauta, os desafios trazidos pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para as empresas e como o Seguro de Riscos Digitais pode protegê-las.

“Na prática, não restam mais dúvidas sobre a importância da contratação deste produto para empresas de pequeno a grande porte que utilizam a internet para armazenar e compartilhar dados sobre os indivíduos, realizar vendas, etc. Com a chegada efetiva da LGPD, essa necessidade torna-se ainda maior”, adianta o diretor.

Serviço:

11e10 Convida com Leandro Vasco, diretor do SindsegNNe
Data: Sexta-feira (02 de setembro)
Hora: 11h10
Onde: Instagram @eduardoscartezini

Como a telemetria vai conectar o transporte de cargas após a pandemia? 200

Como a telemetria vai conectar o transporte de cargas após a pandemia?

Confira artigo de Alexandre Fagundes, Gerente de Produtos e Marketing da MiX Telematics Brasil

A pandemia trouxe muitas transformações tecnológicas e comportamentais para o mercado global. O que esperávamos que acontecesse em meses ou alguns anos, precisou ser adiantado rapidamente, em função da mudança brusca que sofremos.

Essa aceleração digital está sendo extremamente importante para o mercado de tecnologia em transporte de cargas e logística, não só no Brasil, mas no mundo todo. No caso da gestão de frotas, creio fortemente que a tendência, no transporte, é usar a telemetria para se tornar mais competitivo; só sobreviverão os que forem mais eficientes e competitivos, ou seja, quem realmente criar soluções para resolver as dores dos clientes nesse novo mundo e também quem pensar em reduzir impactos das operações no meio ambiente.

Dados

Hoje em dia estamos imersos em um mar de dados. O que os clientes precisam, no entanto, são informações e, mais ainda, ferramentas de decisão. No caso da telemetria, os veículos trazem um volume imenso de dados e o desafio da telemetria é ser essa ponte que transforma os dados em informações e, a partir destas, criar ferramentas de gestão.

Ao mesmo tempo, a evolução exponencial das soluções de imagem e vídeo com inteligência artificial traz uma nova dimensão de informações para um grande avanço. Por enquanto, o foco é na segurança com soluções de monitoramento, como fadiga e distração do motorista, e da estrada, como distância de segmento e proximidade de veículos.

Mas já há iniciativas para analisar os passageiros dos veículos (uso de máscaras e distanciamento social), identificação do motorista e passageiros (biometria facial), e, no futuro, vejo que as imagens permitirão a confirmação de visitas a clientes, alturas de pontes, condições das estradas, ou seja, muitas novidades estão se aproximando com uma velocidade incrível.

Com a entrada do 5G, aumentará ainda mais a capacidade de transmissão de dados e a Internet das Coisas (IoT) abrirão possibilidades de integrar muitos sensores. Assim, a telemetria pode ser o canal para enviar esses dados para os clientes.

Segmentos

É claro que é a tecnologia beneficia todos os segmentos; sem ela, nesse momento, a vida teria sido bem difícil. Porém, vemos que algumas áreas se beneficiarão mais do mundo pós pandemia. É o caso do setor de delivery e entregas rápidas e locação de veículos on demand.

O agronegócio também foi muito beneficiado, tanto que o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê alta de 2,5% no PIB do setor agropecuário, em 2020. Inclusive, o setor vem investindo pesado em IoT e já está usando soluções para a rastreabilidade de todos os processos, desde o plantio, colheita, transporte e produção dos produtos finais.

Por outro lado, infelizmente, a estrutura de telecomunicações na América Latina ainda é deficitária, mas o 5G e as novas tecnologias abrirão espaço para cobrir esse hiato e atender operações, mesmo em áreas remotas.

Transporte de cargas

No mundo pós pandemia, o foco em coibir o roubo não é mais o diferencial, na gestão de frotas, tanto no Brasil, como em qualquer outro país.

As empresas querem ser mais eficientes que seus concorrentes, ou seja, precisam ter certeza de que estão usando os veículos corretos para a operação, que motoristas estão operando da forma mais eficiente possível, planejar o uso da frota para reduzir gastos desnecessários e o uso da mão de obra para reduzir custos de horas extras e contratações desnecessárias, além de reduzir a exposição dos funcionários ao risco.

A tolerância quanto à exposição ao risco de acidentes não é mais possível. Isso porque comportamentos de riscos nos condutores, para agilizar a logística, como era feito no passado, custa muito caro e, quem segue por esse caminho, não sobreviverá no mercado.

Por outro lado, sobrevive quem planeja bem, monitora operação de forma eficiente e promove funcionários que trazem os melhores resultados. Ainda assim, é necessário revisar constantemente estratégias, buscando sempre novas tecnologias e melhorando processos para obter melhores resultados.

Transporte de passageiros

Esse é um dos setores mais afetados pela pandemia. O que antes era consenso, de que cidades só se tornariam viáveis com investimento no transporte público, começou a ser questionado devido à exposição das pessoas à contaminação.

Mas a tecnologia vem para ajudar; inclusive, normativas de distanciamento social e uso de máscaras podem ser monitorados por meio de tecnologias de vídeo e imagem. Por enquanto, os custos ainda são altos, mas, com certeza, tendem a reduzir drasticamente, devido à demanda.

Lado positivo

Com toda essa lição trazida pela pandemia, as empresas que valorizarem a telemetria, se tornarão mais competitivas. Como o mercado tende a se reestruturar drasticamente, muitas empresas desaparecerão, o que trará oportunidades.

Modelos de negócios irão desaparecer e novos surgirão; tudo o que entendemos como a “forma correta” de prestar serviços, deve ser questionada e revisada. Isso quer dizer que faremos novas perguntas, como: será que preciso ter frota própria ou terceirizar? Comprar veículos ou alugar? Muitos caminhões ou poucos grandes, entre outros questionamentos.

O importante, no final das contas, é extrair as melhores lições desse primeiro semestre de 2020, que foi o mais intenso das últimas décadas, e enxergar a tecnologia com positividade, afinal a telemetria está aí para apoiar iniciativas inovadoras, medindo e indicando caminhos a serem seguidos nos próximos anos.

*Por Alexandre Fagundes, Gerente de Produtos e Marketing da MiX Telematics Brasil. Na empresa desde 2014, o executivo tem como objetivo identificar as tendências de mercado e aplicar elas as necessidades dos clientes em cada segmento de atuação, buscando soluções para atendê-las, seja na matriz, com parceiros ou soluções de mercado. Além disso, Fagundes é responsável por divulgar a marca MiX Telematics no Brasil e gerar leads para as unidades de negócios. Possui formação em Engenharia Elétrica e tem ampla experiência profissional em vendas em grandes contas de tecnologia além da gestão de produtos e marketing. Ainda atuou nas áreas automotiva, de telecomunicações e TI.

Grandes marcas patrocinam o primeiro evento Drive In do mercado de seguros 5589

Grandes marcam patrocinam o primeiro evento Drive In do mercado de seguros

Troféu JRS acontecerá no dia 27 de setembro, em Porto Alegre

O primeiro evento drive in do mercado de seguros já conta com o patrocínio e apoio de grandes players do setor. O Troféu JRS Drive In acontecerá no dia 27 de setembro, em Porto Alegre, respeitando todas as normas de saúde e distanciamento.

“A pandemia nos distanciou fisicamente, mas buscamos especialistas na promoção de eventos nesse estilo para que um dos momentos mais aguardados pelo mercado de seguros acontecesse ainda em 2020. O Troféu JRS Drive In reunirá mais de mil convidados, que curtirão a noite de premiações e atrações de dentro do seu próprio carro. Será um grande momento para o setor brasileiro”, comenta a editora-chefe do JRS, Júlia Senna.

Entre os patrocinadores Ouro estão Agrifoglio Vianna Advogados Associados, App Anjo, Bradesco Seguros, Capemisa Seguradora, Fracel Corretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, Grupo Life Brasil, HDI Seguros, Icatu Seguros, MAG, Mapfre, Omint Saúde e Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, Seguros Sura e SulAmérica. Patrocinadores Prata: Caixa Seguradora, Caprice, GBOEX, Grupo Aspecir, Neo Executiva Corretora de Seguros, Porto Seguro, Sancor, União Seguradora, ViverBem e ZL Brasil Corretora de Seguros. Patrocinadores Bronze: Expermed, KSA Corretora de Seguros, MBM Seguro de Pessoas, SINDSEG RS e Solaris Corretora de Seguros