Artigo: O lado bom da crise 780

Antonio Penteado Mendonça comenta que, em meio à tragédia, o coronavírus trouxe com a pandemia alguns pontos positivos

Diz o ditado que toda moeda tem dois lados. A regra se aplica à vida, mas na vida as possibilidades são maiores, é possível se ter vários lados, todos bons e verdadeiros. Mesmo sendo diferentes, estão todos certos, porque isso depende de quem vê, de onde está e como interpreta.

É assim que, em meio à tragédia, o coronavírus trouxe com a pandemia alguns pontos positivos. O primeiro é a redução da poluição. Não apenas no Brasil, em cidades como São Paulo, mas no mundo inteiro, em praticamente todas as cidades onde a qualidade do ar dependia das emissões dos veículos circulando por elas. Com o isolamento social adotado por quase todos os países, diminuiu a circulação de veículos. Com isso diminuiu a emissão de gases poluentes e, consequentemente, houve uma mudança significativa na qualidade do ar que respiramos.

Esta redução tem efeito extremamente positivo na saúde das pessoas. Com ar mais puro melhora a condição de oxigenação e diminui a quantidade de veneno ingerida pelos pulmões ao longo do dia. O resultado é que, se as novas taxas se mantiverem, deve acontecer uma redução importante nos totais de doenças respiratórias, alergias, doenças cardiovasculares, câncer de diferentes tipos e outras decorrentes do aumento da poluição.

Em outras palavras, estaremos assistindo ao aumento da expectativa de vida dos moradores das grandes cidades e melhorando os índices nacionais, até porque, atualmente, há muito mais moradores nas regiões urbanas do que nas regiões rurais. Isto leva a outro dado bom: pessoas com melhores condições de vida tendem a ser mais saudáveis e, portanto, com menores necessidades de assistência médico-hospitalar, o que leva à diminuição dos custos crescentes e insuportáveis da saúde pública.

O ar mais limpo tem outro aspecto economicamente importante. Com menos elementos agressivos na atmosfera haverá uma redução do desgaste de imóveis, máquinas, bens e equipamentos de todas as ordens. A pintura durará mais, os motores terão vida útil maior, diminuirá a corrosão dos mais diversos materiais, etc.

De outro lado, o isolamento social – ainda que no Brasil em patamares abaixo dos indicados pelos especialistas em saúde–, que reduziu a quantidade de veículos trafegando por ruas e estradas, reduziu também, de maneira lógica, o número de acidentes de trânsito. Consequentemente, houve uma redução no número de vítimas fatais, de inválidos e de pessoas necessitando internação hospitalar ou tratamento nos prontos-socorros. Aí, as vantagens são de duas ordens, uma de curto prazo, representada pela possibilidade da destinação de um maior número de leitos para o combate ao coronavírus, e uma de longo prazo, pela redução de óbitos e invalidezes de todos os graus que desestruturam as famílias e têm alto custo para a Previdência Social.

Se até aqui as notícias são muito boas, elas ficam melhores ainda quando os paulistanos verificam que está acontecendo a redução do número de crimes contra o patrimônio. De acordo com a polícia, que, diga-se, tem estado presente na cidade, há uma nítida diminuição de roubos e furtos de imóveis e veículos. E como as ruas estão mais vazias, há também a redução de roubos e furtos de celulares e do ataque contra pessoas.

Finalmente, mas não menos importante, a diminuição da poluição está criando cenários de sonhos nos fins de tarde. A cor do céu de outono sempre foi a mais bela das quatro estações. Sua profundidade e maior transparência, mesmo com a forte poluição que estreitava os horizontes, fazia a diferença. Agora, com o ar limpo, os pores do sol se transformam em verdadeiras obras primas, como se o Criador quisesse mostrar que os maiores pintores, os mestres das cores e das formas, não passam de alunos de maternal perto das maravilhas que a natureza expõe diariamente nos céus de São Paulo.

Pena que estas notícias boas não consigam contrabalançar o tamanho da tragédia representada pela pandemia do coronavírus. As milhares de mortes e a recessão cobrarão seu preço da sociedade e das seguradoras ainda por um bom tempo.

ANS promove reunião extraordinária  1850

Evento foi realizado em formato virtual

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) se reuniu extraordinariamente, de maneira eletrônica, nesta quarta-feira (27) para deliberação de três temas colocados em pauta. Participaram o diretor-presidente substituto e diretor de Normas e Habilitação dos Produtos, Rogério Scarabel, e os diretores Rodrigo Aguiar, de Desenvolvimento Setorial, Paulo Rebello, de Normas e Habilitação das Operadoras, Bruno Rodrigues, de Gestão substituto, e Maurício Nunes, de Fiscalização substituto.

No primeiro item da pauta, os diretores deliberaram sobre análise que constituirá manifestação formal da reguladora à consulta formulada pelo Ministério da Saúde acerca de eventual incorporação de leitos privados à saúde pública. Os diretores da DIFIS, DIPRO e DIOPE votaram a favor da nota técnica proposta pela DIGES, que considera que eventual cessão de leitos deve ser dar em bases negociadas com a rede e no âmbito local, levando em consideração a situação de disponibilidade de leitos públicos e privados.

De acordo com a análise, a requisição de forma não negociada poderia provocar uma desarticulação da rede de assistência à saúde capaz de provocar efeitos prejudiciais ao setor. A operação de planos de saúde é atividade muito sensível a oscilações externas, porque funciona com grande nível de interdependência entre os agentes da cadeia de produção, em que qualquer desequilíbrio na relação de demanda e oferta dos serviços de saúde pode comprometer todo o equilíbrio do setor.

Assim, para reduzir esse risco sistêmico e promover uma efetiva melhora na disponibilidade de leitos para atendimento de toda a sociedade à pandemia, uma eventual requisição administrativa de leitos deveria ocorrer em bases negociadas e de forma descentralizada, observando a composição de momento da utilização de leitos no âmbito público e privado em cada localidade, bem como a situação de cada unidade hospitalar privada, com definição de valores de diárias e prazos de pagamento previamente acordados entre as partes (hospital e ente federativo).

O segundo item da pauta discutiu a proposta de atualização da Resolução Normativa que dispõe sobre o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. Foi aprovada, pelos cinco diretores, a proposta de inclusão de seis exames que auxiliam no diagnóstico para infecção do novo Coronavírus na lista de cobertura dos planos de saúde.

O último item da pauta discutiu solicitação feita pela operadora Sul-América para disponibilização de rede hospitalar temporária em razão da pandemia de Covid-10. O tema também foi aprovado por unanimidade.

Confira aqui os documentos deliberados na 11ª Reunião Extraordinária da DICOL.

Pandemia educou o mercado sobre sustentabilidade 1905

A percepção de que a pandemia vai fazer da agenda sustentável “o novo normal” é reforçada por Thomaz Fortes, gestor de fundos da Warren. Para ele, o coronavírus mostrou a importância de estimar impactos ambientais.

Tendência intocada

Até o ano passado, crescia no Brasil uma tendência de direcionar partes maiores das carteiras dos clientes para investimentos que, além do financeiro, prevejam retorno em áreas como educação, meio ambiente e saúde.

O movimento seguia uma onda mais ampla e antiga no exterior, em especial na Europa, onde há dez anos é crescente a relevância dos critérios ESG nas decisões sobre onde investir. Eram US$ 31 trilhões aplicados em sustentabilidade no mundo em 2019, 34% mais que em 2017, uma alta puxada por fundos de pensão japoneses preocupados com as mudanças climáticas, segundo a entidade Global Sustainable Investment Alliance.

Esse fortalecimento da agenda sustentável se manteve no início de 2020. Em janeiro, a BlackRock, a maior gestora do mundo, com US$ 7 trilhões em ativos, informou que as alterações climáticas haviam se tornado o centro da estratégia de investimentos da casa. No mesmo mês, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, subiu o tom no alerta ao governo brasileiro sobre o tema.
Em fevereiro, um estudo da consultoria KPMG, quantificou esse ritmo acelerado. Após entrevistar 135 gestores de grandes fundos em 13 países, que juntos, totalizaram US$ 6,25 trilhões em ativos, a pesquisa previu que já chega a 45% a proporção de investidores institucionais que dizem escolher onde aplicar levando em conta fatores ambientais, sociais e de governança.
O estudo conclui ainda que foram os investidores privados que puxaram a maior parte desse aumento – também porque acreditam mais que o segmento dê retorno financeiro –, mas que governos em todo o mundo também instituíram mais de 500 medidas, nos últimos dois anos, para estimular o ESG.

Por outro lado, o levantamento ressalvava que a falta de dados confiáveis sobre o segmento, a ausência de métricas para quantificar os benefícios não financeiros e uma dificuldade em prever os rendimentos nesse segmento eram obstáculos para um crescimento ainda maior.

E, para 74% dos gestores ouvidos, a principal estratégia para ampliar o ESG ainda era engajar os acionistas das empresas investidas. “Porém”, pontuou o estudo da KPMG, “à exceção de casos pontuais entre clientes de altíssima renda, os investidores finais ainda não têm uma ideia clara do valor que está sendo gerado por suas escolhas em priorizar o sustentável, pois falta detalhamento”.

“Alguns números chamaram nossa atenção”, diz Lino Júnior, sócio-líder de gerenciamento de ativos da KPMG no Brasil. “Por exemplo, 84% dos gestores declaram que a mera maximização de retorno já não é o principal objetivo, e 86% dizem que aceitam retorno mais baixo caso o investimento seja em uma companhia que privilegie a sustentabilidade”.

Em desaceleração, nascimento de empresas cresce 5,8% 1916

Dados são do mês de fevereiro

A abertura de novas empresas desacelerou no último mês de fevereiro. Dados do Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian mostram que foram registrados 270.221 novos empreendimentos em todo o país em fevereiro deste ano, o que representa uma alta de 5,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. Trata-se do crescimento mais baixo desde junho de 2018, quando a alta fora de 5,3%.

Já na comparação com janeiro desde ano, sem ajuste sazonal, o índice apresentou baixa de 15,7%, movimento de retração que se repete em todas as naturezas jurídicas dentro da avaliação mês-a-mês.

Na comparação com o ano passado, todos os segmentos apresentaram altas menos expressivas na abertura de novas empresas. O ramo de serviços é o que mais cresceu em fevereiro, com alta de 8,0%. Em seguida está a indústria, com variação positiva de 1,9%. Já o comércio amargou queda de 2,6% na abertura de novas empresas, a mais acentuada desde junho de 2018, quando chegou a marcar -4,2%.

O economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, avalia que a desaceleração observada neste mês é consequência do efeito-calendário causado pelo Carnaval, pois o feriado resulta em uma menor quantidade de dias úteis.

Rabi ainda avalia que o surgimento de novas negócios está ligado a busca dos brasileiros por novas fontes de renda e por mais segurança financeira. “Os novos microempreendedores individuais seguem ganhando volume no Brasil e a previsão é que esse movimento continue nos próximos meses. Embora o cenário de distanciamento social e paralisação de alguns setores possa se estender, estes fenômenos devem ser um dos influenciadores da alta no setor de serviços, uma vez que as empresas de entrega por exemplo, estão sendo alvo da demanda populacional”, analisa o economista.

MEIs representam a maior parte das novas empresas

A maior parte das companhias abertas em fevereiro de 2020 é representada por Microempreendedores Individuais, que são 78,6%, um total de 212.292 empreendimentos. Ante o mesmo período de 2019 houve variação de 1,4%. Ainda na comparação anual, as Sociedades Limitadas lideram a alta com 42,9%, totalizando 24.121. Quando fazemos a mesma relação com as Empresas Individuais, observa-se baixa de 19,9%, que significam 12.301 novos negócios.

Amazonas ganha destaque no primeiro bimestre do ano

No primeiro bimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019 o destaque no número de novas companhias fica para a região Norte, com variação de 22,8%. Na sequência está a região Sul (22,3%), Centro-Oeste (17,7%), Sudeste (11,0%) e Nordeste (10,1%). Em análise estadual dentro do mesmo intervalo de tempo, o Amazonas continua liderando com 41,0%. Apenas 15 Estados estão acima da média nacional de 13,9%. Confira:

Lives no Instagram e curso on-line orientam empresários em dificuldades

Para ajudar os pequenos empresários neste momento desafiador para a economia, a Serasa Experian lançou uma série de iniciativas que podem ser conferidas no site. Entre as ações estão lives semanais no Instagram da Serasa Experian (@serasa_experian), que acontecem todas as quintas-feiras, as 18h, com a presença de especialistas da companhia e convidados especiais dando dicas e orientações para os donos de negócios. Entre as principais temáticas, estão capacitação remota de colaboradores, gestão de pessoas à distância, segurança nas vendas e criatividade para vender.

A Serasa Experian também lançou um curso gratuito e on-line que auxilia consumidores a organizar suas finanças pessoais, algo cada vez mais necessário nesses tempos de instabilidade. O conteúdo ensina a elaborar o orçamento doméstico – com dicas de como priorizar pagamentos, dividir ganhos e despesas –, fazer o planejamento e construir uma reserva de emergência e concretizar ambições de curto, médio e longo prazos.

Artigo: Seguros – Uma evolução lógica 1905

“A tela ‘touchscreen’ veio para rapidamente mostrar que é uma assassina impiedosa, tão cruel quanto os celulares”

Os telefones celulares estão sob ataque e seu reinado como principal causa dos acidentes de automóveis pode ter vida curta, muito mais curta do que as demais causas que nas últimas décadas ocuparam o pódio, matando dezenas de milhares de pessoas todos os anos, nas ruas e estradas do Brasil. Não que o celular tenha perdido eficiência ou que ele não faça sua parte cada vez com mais competência. A culpa não é dele, ao contrário, ele se esforça diariamente e com bastante sucesso.

Acontece que o ser humano é cruel e, da mesma forma com que introduziu o celular no mundo dos motoristas, agora acaba de introduzir um equipamento fascinante e tão mortal quanto os telefones de bolso. A tela “touchscreen” veio para rapidamente mostrar que é uma assassina impiedosa, tão cruel quanto os celulares, e que já é responsável por dezenas de milhares de acidentes, com centenas de mortos e feridos espalhados pelo mundo.

O fenômeno não é nacional, ao contrário, nós ainda estamos no começo da caminhada, até porque a maior parte dos veículos brasileiros só agora vai sendo equipado com elas. Não quer dizer que não temos potencial para galgar a rampa do sucesso com enorme rapidez. O mau, o feio e o ruim entram na vida nacional sem maiores barreiras e causam danos irreparáveis muito mais depressa do que imaginam.

Com certeza, um número crescente de acidentes, com e sem vítimas, acontece porque os veículos causadores estão equipados com telas “touchscreen” que, no milésimo de segundo anterior ao evento, estavam sendo tocadas pelos dedos do motorista, em busca de algum serviço de fácil acesso que, embora extremamente rápido, é lento o bastante para distrair o cidadão e levá-lo a causar a batida ou o atropelamento.

Estudos internacionais já detectam o fenômeno e as seguradoras fora do Brasil começam a tomar as medidas necessárias para neutralizar a ameaça, através do aumento do preço do seguro de veículos e de medidas pontuais para minimizar ou desincentivar a prática. Ninguém discute, as telas inteligentes, acionadas por um único toque de dedo, são maravilhosas e representam um avanço fenomenal na vida dos motoristas. Mas elas são também um problema.

Só que, neste momento, apesar do seu potencial de danos, outras estatísticas mostram que existem perigos mais graves do que a capacidade das telas “touchscreen” darem ensejo a milhares de acidentes de trânsito.

Com a decretação do isolamento social, milhares de pessoas pararam de sair de casa e seus veículos estão imóveis, estacionados nas garagens há mais de um mês.

O resultado é que, com a diminuição do número de veículos nas ruas, houve também a redução acentuada dos acidentes e consequentemente a queda do número de mortes causadas pelo trânsito na cidade de São Paulo.

Seria uma notícia para ser comemorada se não houvesse o outro lado da moeda e esse lado é trágico. Se, de um lado, aconteceu a queda absoluta do número de mortes causadas pelo trânsito, de outro, houve o aumento do número de mortes de motociclistas e ciclistas nas ruas da cidade.

É a consequência lógica da realidade das ruas vazias por conta da pandemia. Com as ruas sem movimento e com os “deliverys” se tornando a forma de entrega das encomendas feitas pelos que estão confinados em casa, os entregadores dessas mercadorias se sentiram donos das ruas e, daí pra frente, a quantidade de imprudências e sandices que podem ser observadas em qualquer canto da cidade, em primeiro lugar, assustam e, em segundo, levantam uma pergunta assustadora – por que o número de mortos não é ainda maior?

Mão, contramão, lado direito e esquerdo, ultrapassar pela faixa que divide as pistas, estacionar no meio da rua e o mais que se imaginar se tornou rotina, da mesma forma que um bom número de motoristas de automóveis não está nem aí para o que é certo ou errado. Na sua visão, a rua vazia é dele. E isso liberou a possibilidade de se fazer tudo, quanto mais errado ou proibido melhor.

Neste cenário, o aumento das mortes de motociclistas e ciclistas é a consequência lógica do que vai pelas ruas. E pode piorar.

 

*Por: Antonio Penteado Mendonça

PIB do 2º trimestre pode ter maiores quedas 1559

“A queda mais expressiva, deve acontecer no próximo trimestre, onde o país pode decretar oficialmente uma recessão”

Nesta sexta-feira (29), foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os dados do PIB brasileiro do 1º trimestre. Segundo o IBGE, o PIB apresentou encolhimento de 1,5%, uma queda de 0,03% ao ano. Após a divulgação dos dados, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu compreensão devido ao momento delicado por conta da pandemia. O encolhimento levou o Brasil ao mesmo patamar econômico de 2012. De acordo com os dados, esta é a maior queda em um trimestre desde 2015. Mesmo que dentro do esperado, para alguns especialistas, o encolhimento foi um grande sinal de alerta.

Guto Ferreira, Analísta Político-Econômico da Solomon’s Brain, afirma que o PIB ainda não reflete 100% os impactos da pandemia. “O PIB de 1,5% não reflete ainda a crise do coronavírus (covid-19) como um todo, porque a gente ainda teve 2 meses, janeiro e fevereiro, onde a economia brasileira funcionou praticamente normal, apenas ouvindo os alertas que estavam vindo de fora, mas sem começar a implantar as medidas de restrição, distanciamento e isolamento social”. Para o Analista, a queda mais expressiva, deve acontecer no próximo trimestre, onde o país pode decretar oficialmente uma recessão. “Então, a queda abrupta mesmo vai ser no 2º trimestre, que vai ser ao final de junho. Em julho que deve ser divulgado. Agora é muito claro que se já deu uma queda de 1,5% no primeiro trimestre, também dará uma queda pelo agravamento da situação no segundo trimestre e já é a comprovação que estamos de recessão oficialmente”.

Jefferson Laatus, Estrategista-Chefe do Grupo Laatus, afirma que mesmo com a queda do consumo, o setor de agronegócios foi capaz de amortecer um pouco a queda. “O PIB hoje veio até um pouquinho melhor do que o esperado. A queda grande foi no setor de consumo, mas mais uma vez o agro protegeu o país. O agronegócio aumentou bastante sua produção e exportação, mas enquanto isso, vimos uma queda considerável no consumo das famílias e também uma queda bem expressiva na questão do comércio também”. Laatus pontua que apesar de já apresentar queda no primeiro trimestre, o segundo deve ser mais impactado por conta da pandemia do covid-19. “Mas o PIB veio menos pior, melhor do que o esperado, principalmente o anual. Mas vale lembrar que ainda esse PIB não contempla toda a questão do coronavírus. O próximo trimestre, sim. Quando sair o PIB do segundo trimestre, esse vai contemplar 100% a questão do coranavírus, e aí sim pode vir bem pior”.

Com 12,8 milhões de desempregados no país, no primeiro trimestre deste ano, o consumo caiu. Segundo o IBGE, o consumo das famílias teve queda de 2%, o que ajudou a puxar o PIB para baixo. A Sócia-Diretora da FB Wealth, Daniela Casabona, ressalta que é o menor resultado desde 2015 e afirma que os resultados deste trimestre refletem os impactos da pandemia. “O PIB do trimestre encolheu 1,5%, refletindo o menor resultado desde o segundo trimestre de 2015, o resultado reflete o isolamento social e fechamento da economia em tempos de pandemia que consequentemente ocasionou uma queda no consumo e um forte desemprego”.

Para Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos, o resultado veio dentro do intervalo esperado pelo mercado. “Não houve surpresa alguma, estava tudo na mediana das expectativas, sem afetar os preços de dólar e ações”. Silveira afirma que especialistas ainda estão estudando os impactos no PIB após quase 3 meses em isolamento. “Agora, o mercado estuda como precificar o próximo trimestre após este longo período em isolamento, o que significa que pode ser um trimestre bem mais severo”, finaliza.