Artigo: O aumento da violência 1375

“Sem dúvida, o setor de seguros será diretamente atingido e o preço será caro”

A violência nas ruas de São Paulo está tomando vulto e se tornando perigosa. No Centro, Santa Cecília, Higienópolis, Avenida São João e grande área em volta, os assaltos, ataques a veículos e a pedestres, ameaças e pedradas se tornaram rotina, ao ponto da administração da Santa Casa de São Paulo solicitar à Polícia Militar e à Guarda Municipal que aumentem as rondas em volta do hospital para proteger os colaboradores, principalmente nas horas de entrada e saída, de manhã cedo e no final da tarde.

Recentemente, ao sair da Santa Casa e parar num semáforo da Rua Alagoas, fui abordado por um cidadão com um cartaz que, na sequência, atirou uma pedra no meu carro. O estrago só não foi mais sério porque vi o que ele iria fazer e emparelhei com o veículo ao lado, diminuindo a exposição do meu carro. Mesmo com menos força, a pedra atingiu o vidro da porta de trás.

Ao comentar o fato com outras pessoas descobri que ações como essa têm acontecido regularmente e que principalmente mulheres têm sido assaltadas por marginais que abordam seus carros e, armados com pedras, as intimidam e levam seus celulares.

Também tem sido comum a abordagem de pedestres. Muitas vezes ela acontece em duplas, o que inibe qualquer possibilidade de reação por parte vítima, que, diante da ameaça representada pelos agressores armados com pedras, não reagem e entregam o celular e a carteira. Em bom português, caminhar pelas calçadas desses bairros pode ser uma aventura perigosa, na qual o pedestre, além de correr o risco de ser assaltado, tem que desviar de pessoas que o ameaçam e que são, efetivamente, um perigo para quem caminha pelo pedaço.

É comum dentro da Santa Casa se ouvir relatos de colaboradores e pacientes que foram assaltados ou acuados, a pé e de carro. A situação se deteriorou de tal forma que até semáforos foram furtados no bairro de Higienópolis, não faz muito tempo.

Este quadro triste não é exclusividade dos bairros acima. Ao contrário, ele pode ser visto nas mais variadas regiões da cidade, da Avenida Paulista a Santana, dos Jardins a Santo Amaro e por boa parte da Zona Oeste, próximo ao Ceasa e na Lapa.

Não é um problema de falta de polícia. A polícia estás nas ruas e trabalhando. A origem do fenômeno está na grave crise que maltrata o Brasil desde 2014. Quando nós achávamos que iríamos colocar a cabeça fora d’água, a pandemia do coronavírus caiu feito uma bomba em cima da nação, que, ainda por cima, ficou sem saber muito bem para que lado ir, em função dos sinais equivocados ou embaralhados do Governo Federal, caminhando na contramão de tudo que o mundo tem feito para combater o vírus.

Não há no horizonte sinal de que possa haver qualquer tipo de melhora nos próximos meses. Ao contrário, os prognósticos, com base na interrupção de grande parte da atividade econômica decorrente da epidemia, apontam uma enorme recessão e o agravamento brutal do desemprego, que pode, de acordo com especialistas, atingir um total de mais de vinte milhões de pessoas.

Estes dados são dramáticos e indicam um futuro duríssimo para a população brasileira. O que vem pela frente tem tudo para ser, senão o pior, um dos piores momentos da história do Brasil. E, num cenário de terra arrasada, o aumento da violência é uma consequência lógica, porque a sobrevivência a qualquer custo vem em primeiro lugar, trazendo com ela os piores defeitos do ser humano.

É ruim para todos. E conseguir evitar que ele tome proporções que escapem ao controle é indispensável para o futuro do país. O problema é como fazer isso. Não sei se alguém tem a resposta. Mas ela passa pela adoção de medidas socioeconômicas indispensáveis para garantir um mínimo de capacidade operacional para os empresários e qualidade de vida para grande parte da população. Além disso, não fazer nada vai expor a sociedade ao aumento ainda maior da violência.

Sem dúvida, o setor de seguros será diretamente atingido e o preço será caro, onerando todas as carteiras de empresas que já estão sob pressão. Mas a conta final, essa, será muito mais cara e cairá nas costas de toda a sociedade.

CVG destaca as oportunidades do ramo vida 472

Em nova edição, revista da entidade traz informações sobre seguro e ações realizadas durante a pandemia

Dois momentos dos seguros de pessoas foram abordados na nova edição da revista CVG Notícias. Antes da pandemia de coronavírus, o CVG-SP debateu, em março, as oportunidades dos planos de previdência e do seguro de vida com a participação de um time de especialistas. A matéria de capa desta edição traz os detalhes do evento, revelando a evolução do ramo, que passou a atender à crescente demanda com a oferta de produtos sofisticados.

Outro momento do seguro de vida, após a declaração de pandemia, também é tratado pela revista, em especial na matéria sobre o webinar promovido pelo CVG-SP, no final de abril, com a participação da diretoria executiva. Uma das conclusões do evento é que a pandemia está mudando a percepção da população em relação ao seguro de vida. De acordo com os palestrantes, na contramão de outros ramos, a contratação do seguro de vida está avançando.

Outro assunto da revista relacionado à pandemia é o lançamento da nova série de vídeos Pílulas de Vida. Os vídeos curtos da série, que integram o acervo da TV CVG, contam com as orientações e dicas de diversos especialistas para os profissionais aumentarem seus negócios. Já na seção Análise, o leitor poderá se informar sobre as perspectivas econômicas a partir da previsão de economistas entrevistados.

Na seção Especial, a CVG Notícias fez questão de exaltar o gesto de solidariedade das seguradoras do ramo vida que divulgaram a decisão de indenizar as mortes provocadas pelo Covid-19 em seus contratos vigentes, apesar de a pandemia ser um risco excluído. A matéria traz o depoimento de algumas dessas seguradoras.

Para ler a revista ou baixar o arquivo, clique aqui

Seguros Sura traz seguro sob demanda 100% digital 498

Modalidade de contratação inédita no país visa atender o novo comportamento do consumidor 

Em meio à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, a Seguros Sura, uma das maiores seguradoras da América Latina, acelerou o desenvolvimento de um modelo de negócio inédito no Brasil: o seguro sob demanda.

Mesmo antes da pandemia, a Sura já vinha estudando o comportamento do consumidor brasileiro. Buscando formas de oferecer a melhor experiência para um novo perfil de clientes, a seguradora traz para o mercado um modelo de negócios inovador que oferece ao consumidor a possibilidade de comprar e fazer a gestão do produto de seguro a qualquer momento, de forma digital e flexível e pelo tempo que precisar, por meio de canais de distribuição como instituições financeiras, bancos, empresas de varejo e plataformas digitais.

Para viabilizar este modelo e disponibilizá-lo para o mercado brasileiro, a SURA firmou uma parceria exclusiva com a Trov, empresa líder em tecnologia para o mercado de seguros e que tem expertise global em plataforma de seguros sob demanda. “Encontramos na Trov a expertise necessária e especializada para oferecer uma experiência diferenciada para o consumidor, com plataforma flexível, de fácil navegação e integração, que nos permite pensar na escalabilidade do negócio”, comenta Thomas Batt, CEO da Seguros Sura.

Outro ponto identificado pela Sura em pesquisas e observação do mercado, é que alguns consumidores de seguros têm a percepção de que a contratação convencional faz com que paguem por períodos que não necessitam. O seguro sob demanda atende exatamente a essa questão, pois permite a aquisição de uma cobertura temporária, contratada por um período que o cliente precisar, mais flexível e transparente para o consumidor. “Estamos trazendo para o mercado soluções que visam atender as necessidades de Mobilidade e Conectividade em que o cliente define o produto, as coberturas e limites que melhor atendam às suas necessidades, e faz tudo de maneira 100% digital. Além disso, a plataforma permitirá o cliente passar pela experiência e conveniência de fazer o processo de sinistro digital.”, explica Marcelo Biasoli, Diretor de Estratégia Corporativa e Marketing da Seguros Sura.

O formato de comercialização projetado pela Sura é inédito no Brasil. A contratação do seguro sob demanda poderá ser feita por meio de canais de distribuição, a partir de parcerias com instituições que sejam relevantes em seu mercado de atuação e possuam modelos de negócios escaláveis, como instituições financeiras, bancos digitais, plataformas digitais, empresas de varejo e segmento de utilities, como telefonia, por exemplo. “Acreditamos neste modelo de distribuição pela experiência que temos na gestão destes canais e pela agilidade que trará para que o produto chegue ao consumidor, por meios que ele já está habituado a utilizar, com flexibilidade e conveniência. É uma proposta de valor diferenciada para os canais de distribuição”, comenta Cristiano Saab, VP de Vendas, Canais e Subscrição da Seguros Sura.

O modelo traz vantagens para os parceiros que têm oportunidade de ampliação de seus negócios e suas receitas. Uma startup de entregas, por exemplo, pode passar a oferecer seguro sob demanda para equipamentos eletrônicos, para uma bicicleta, para diversos itens de acordo com o que for mais estratégico para o negócio. “Como a Sura já tem expertise no desenvolvimento de soluções focadas em pessoas e empresas, a escolha do produto a ser segurado vai depender dos parceiros de negócio e das necessidades de seus clientes”, explica Cristiano.

A Sura acredita que o seguro sob demanda impulsionará o desenvolvimento do mercado securitário no país. “Esse novo modelo vai atrair novos consumidores de seguros e contribuirá com o aumento da participação de seguros no PIB do Brasil, que hoje está no patamar de 4%. Além disso, gera oportunidade de negócios para o desenvolvimento do mercado”, afirma Biasoli.

“Nós estamos genuinamente animados com a parceria da tecnologia de seguros sob demanda da Trov com a Sura, empresa com sucesso comprovado no setor de seguros, a fim de atender as necessidades crescentes deste mercado, no Brasil. Juntos, esperamos lançar muitas inovações em seguros na América Latina”, diz Scott Walchek, CEO da Trov.

A Sura espera fechar parcerias com pelo menos três canais de distribuição nos próximos doze meses e quer atingir um mercado que ainda não consome seguros no Brasil e que está mudando seu perfil de consumo.

Unisincor discute proteção do seguro para risco ambiental 465

Evento online contou com a participação da Conhecer Seguros

A Universidade Corporativa Sincor (Unisincor) e a Conhecer Seguros promoveram webinar para abordar o seguro ambiental no Brasil, ramo ainda pouco explorado. O tema foi debatido pelos especialistas Walter Polido, Fábio Barreto e Nathália Gallinari.

Na abertura do encontro, Polido fez uma retrospectiva histórica do ramo, apresentando os modelos internacionais, seu desenvolvimento no Brasil e os diversos movimentos que buscam tornar o seguro ambiental obrigatório. Sobre este último tópico, o especialista ressaltou sua posição contrária à obrigatoriedade. “Muitos falam a favor de tornar o seguro ambiental obrigatório, mas sabemos que determinados riscos não são aceitos pelas seguradoras, ainda mais em um País cheio de desigualdades e com diversas situações preexistentes corriqueiras”.

Polido deu como exemplo o modelo adotado pela Europa, que colocou como obrigatória a apresentação de alguma garantia, entre elas, o seguro. “Esse é o modelo mais moderno e democrático, já que traz um caráter opcional. Observamos que, toda vez que ocorre um sinistro no Brasil, surgem novos projetos de lei para tornar o seguro obrigatório, mas da mesma maneira que eles surgem, acabam morrendo. Isso porque não apresentam uma discussão madura, ouvindo as partes, principalmente as seguradoras, que são as tomadoras dos riscos”, apontou. Por fim, Polido lembrou da importância de o corretor de seguros analisar as situações e apresentar propostas de solução para os riscos ambientais dos seus clientes, sendo este o papel central da sua atividade.

Falando sobre as coberturas do seguro ambiental, Barreto dividiu em três pilares: o segurado, as reclamações relacionadas a terceiros e a compensação dos danos. O professor da Unisincor também exemplificou clientes em potencial, como indústrias, shoppings centers e empresas focadas em gerenciamento de resíduos. “O ramo é complexo e técnico para se trabalhar, não abre margem para erro ou aventura. Os sinistros não acontecem corriqueiramente, mas quando surgem, trazem como característica principal a severidade”, destacou Barreto.

Pensando no corretor de seguros, Barreto reforçou a parceria das seguradoras em auxiliar no momento da oferta ao cliente em potencial. “O seguro ambiental não é fácil de ser vendido, isso porque o segurado não enxerga sua exposição ao risco. Por isso, como segurador posso dizer que ajudamos o corretor nessa abordagem de vendas, para materializar o dano e tornar os riscos mais perceptíveis ao cliente”.

Já a especialista Nathália Gallinari abordou questões de infraestrutura, exemplificando riscos mais tratados pelas companhias. “Podemos falar sobre escavações, pavimentações e obras em geral que podem gerar poluição atmosférica, assoreamento de rios, liberação de produtos tóxicos no ambiente, cujo processo de descontaminação é bastante complexo”.

Nathália também mencionou as modalidades de produtos e setores com alta na demanda pelo seguro. “Em geral, existe uma flexibilidade para estabelecer apólices de acordo com a realidade do segurado. Em relação ao crescimento na procura, o segmento que mais tem contratado é o setor energético, como também portos, tanto na construção de novos como em dragagens”.

O tema da live “O Seguro Ambiental como Instrumento de Garantia Econômica” será ofertado, em breve, no formato de curso online pela Unisincor.

Idecorr questiona corretores de seguros 559

Em artigo, Diretor de Relações Institucionais afirma que informações falsas atrapalham o setor

O Instituto de Defesa dos Corretores de Seguros (Idecorr), publicou um artigo manhã desta segunda-feira (25), onde questiona os corretores de seguros sobre os ocorridos desde a publicação da Medida Provisória 905/19. O texto é de autoria de José Carlos N. de Souza Diretor de Relações Institucionais do Instituto.

No artigo, José Carlos de Souza faz um alerta e argumenta com os corretores sobre a categoria ter absorvido muitas informações falsas, fazendo com que os profissionais do setor fiquem divididos. Segundo o Diretor, “isso interessa à alguns conhecidos protagonistas neste ensandecido jogo de poder político-sindical que a categoria enfrenta desde então”.

Souza afirmou também que os corretores de seguros estão sendo manipulados por interesses diversos, de pessoas que tentam silenciar, amedorentar, ou manter o setor imobilizado. Para ele, tal atitudes pode levar a ilegalidade funcional que prejudicará os profissionais de corretagem de seguros.

O Diretor de Relações Institucionais do Instituto detalhou ainda, as consequências que podem acontecer com os corretores e a categoria em geral, se a disseminação de fake news continuar. “Basta uma fake news sobre um assunto sensível a todos nós – de origem conhecida, mas não necessariamente fidedigna, para que uma nuvem de dúvidas paire por sobre nossas mentes e nos desvirtuem de assuntos mais importantes, os quais, efetivamente, nos interessam. É o que estamos experimentando desde quando passou a ser ventilado que nossas comissões seriam publicadas nas emissões das apólices a partir de 1º de julho. Nunca foi uma realidade. Jamais houve base legal para tal inverdade”, reforçou Souza.

Confira na íntegra o artigo publicado pelo Idecorr:

Afinal, Corretores de Seguros : Sabemos o que queremos?

Desde a publicação da MP 905/2019, nossa categoria tem absorvido um sem número de desinformações que hora nos levam para “um lado” ou nos carregam para “outro lado”. E seja qual for a definição que “lado” tenha nesse redemoinho de emoções, a verdade é que nos encontramos divididos: e isso muito tem interessado à alguns conhecidos protagonistas neste ensandecido jogo de poder político-sindical que vimos enfrentando desde então!

E a omissão que antes nos era imposta (tática aplicada há anos para nos deixar na “escuridão do sistema”) agora virou desinformação: descaminho este que nos faz prosseguir em círculos, sem foco ou mesmo sem um objetivo macro a ser alcançado. E em assim sendo, natural que surjam os seguintes questionamentos: Para onde caminhamos, afinal? Queremos liberdade sem responsabilidades? Servimos a um “senhor” ou temos obrigações legais a serem cumpridas? Queremos leis que nos protejam, mas não queremos que estas mesmas leis nos vigiem os passos – o que praticamos no nosso labor diário? Onde escondemos nossa Boa-Fé neste jogo de esconde-esconde?

E nesse louco desatino institucional, seguimos sendo manipulados por interesses diversos e poderosos que, não sem motivação, aplicam suas táticas para ou nos silenciar, ou nos amedrontar, ou simplesmente nos manter inertes – mesmo que isso nos leve a uma ilegalidade funcional que somente nos prejudicará como profissionais da corretagem de seguros que somos.

E neste ir e vir, basta uma Fake News sobre assunto sensível a todos nós – de origem conhecida, mas não necessariamente fidedigna – para que uma nuvem de dúvidas paire por sobre nossas mentes e nos desvirtuem de assuntos mais importantes, os quais, efetivamente, nos interessam: é o que vimos experimentando desde quando passou a ser ventilado que nossas comissões seriam publicadas nas emissões das apólices a partir de 1º de julho, próximo. Nunca foi uma realidade. Jamais houve base legal para tal inverdade.

E por mais que se afirme e se comprove que tudo não passa de uma Mentira, não adianta: tal qual São Tomé, os incautos só acreditarão que tudo não passou de um grande embuste, de uma enorme distração quando, a partir do dia 02/07, as apólices que receberem nos seus escritórios, não vierem com suas comissões espelhadas na apólice. E aí, incrédulos e estupefatos, olharão para seus negócios, para si mesmos e chegarão à seguinte conclusão: Quanto tempo perdido! Quanta energia desperdiçada! Como pude ser tão ingênuo?

E até que lhes cheguem outra narrativa errônea, cambaleantes que estão, irão em direção ao “herói de sempre” a lhes socorrer que, sorridente, lhes dirá:

O Inimigo agora é outro!

José Carlos N. de Souza
Diretor de Relações Institucionais
IDECORR – Instituto de Defesa dos Corretores de Seguros
(11) 3628-4902 – WhatsApp Business

FenSeg: o atual momento do seguro rural no Brasil 542

“O dólar mais elevado ajuda na remuneração dos agricultores e também o setor de seguro rural”

Entrevista com Joaquim Neto, presidente da Comissão de Seguro Rural da FenSeg. Ele destaca que esse tipo de apólice é distribuída em áreas mais distantes dos grandes centros urbanos com menor concentração de pessoas. Em seu cotidiano, já tomam todos os cuidados com limpeza para desinfecção, como utilização de luvas e máscaras. “São rotina sanitárias comuns, até mesmo pela natureza de sua atividade. Por isso, acreditamos numa incidência reduzida de casos de Covid-19 e, com isso, não há paralisação da atividades no campo”, explica.

As carteiras de frutas, hortaliças e flores foram as mais impactadas por conta do fechamento de feiras livres, restaurantes e hotéis. Contudo, a produção de grãos teve aumento de safra com recordes. A maioria destes produtos é direcionada à exportação. Com o dólar mais elevado, isso ajuda a remuneração dos agricultores e também o setor de seguro rural.

“Quanto às contratações mais frequentes pelos agropecuaristas, há a soja para a safra de verão e o milho no inverno. São a seca e o excesso de chuvas que preocupam os agricultores”, finaliza Joaquim Neto. Para acessar a matéria que foi ao ar na Rádio CNSeg, basta acessar o link: http://radio.cnseg.org.br/radiocnseg/programas/conheca-os-seguros-gerais-perspectivas-seguro-rural-durante-pandemia-coronavirus/