Fenacor emite comunicado sobre programa de linha de crédito 1419

Serviço oferece taxas reduzidas aos optantes do Simples Nacional

A Fenacor emitiu um comunicado informando aos corretores de seguros a publicação no Diário Oficial da União, que institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas de Pequeno Porte (Pronampe). O serviço facilita o acesso ao crédito, com taxas reduzidas aos optantes do Simples Nacional.

Na publicação, a Federação explicou que, de acordo com a Lei nº 13.999/20, a linha de crédito concedida no âmbito do Pronampe corresponderá até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício de 2019. As empresas que tiverem menos de um ano de funcionamento, terão o limite do empréstimo em até 50% do seu Capital Social, ou até 30% da média de seu faturamento mensal, verificado desde o início das suas atividades.

Já os recursos recebidos com o Programa, devem servir ao financiamento da atividade empresarial e poderão ser utilizados para investimentos e para capital de giro isolado e associado. Conforme o comunicado, a empresa não poderá destinar esses recursos para a distribuição de lucros e dividendos entre os sócios.

A Fenacor também esclareceu que a União aumentará a participação no Fundo Garantidor de Operações (FGO) em R$ 15,9 bilhões, exclusivamente para cobertura das operações contratadas no Pronampe. As instituições financeiras participantes do Programa devem operar com recursos próprios, mas poderão contar com garantia prestada pelo FGO, com o limite de 85% do valor de cada operação garantida, e com as primeiras perdas da carteira de responsabilidade do Fundo.

Confira o comunicado emitido pela Fenacor:

A Fenacor informa aos corretores de seguros a publicação da Lei nº 13.999/20 (no Diário Oficial da União do dia 19 de maio), que Institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), o qual facilita acesso ao crédito, com taxas reduzidas, aos optantes do Simples Nacional.

De acordo com a Lei nº 13.999/20, a linha de crédito concedida no âmbito do Pronampe corresponderá a até 30% da receita bruta anual da empresa, calculada com base no exercício de 2019.

No caso das empresas que tenham menos de ano de funcionamento, o limite do empréstimo corresponderá a até 50% do seu Capital Social ou a até 30% da média de seu faturamento mensal apurado desde o início de suas atividades, o que for mais vantajoso.

Os recursos recebidos no âmbito do Pronampe servirão ao financiamento da atividade empresarial nas suas diversas dimensões e poderão ser utilizados para investimentos e para capital de giro isolado e associado.

No entanto, a empresa não poderá destinar esses recursos para a distribuição de lucros e dividendos entre os sócios.

As instituições financeiras poderão formalizar operações de crédito no âmbito do Pronampe até três meses após a entrada em vigor da Lei, prorrogáveis por mais três meses, devendo ser observados os seguintes parâmetros:

1 – taxa de juros anual máxima igual à Selic, acrescida de 1,25% sobre o valor concedido; e

2 – prazo de 36 meses para o pagamento;

Na concessão de crédito ao amparo do Pronampe deverá ser exigida apenas a garantia pessoal do proponente em montante igual ao empréstimo contratado, acrescido dos encargos, salvo nos casos de empresas constituídas e em funcionamento há menos de um ano, cuja garantia pessoal poderá alcançar até 150% do valor contratado, mais acréscimos.

As empresas que contratarem as linhas de crédito no âmbito do Pronampe assumirão contratualmente a obrigação de fornecer informações verídicas e de preservar o quantitativo de empregados em número igual ou superior ao verificado na data da publicação da Lei nº 13.999/20, no período compreendido entre a data da contratação da linha de crédito e o 60º dia após o recebimento da última parcela da linha de crédito.

A Lei nº 13.999/20 veda a celebração do contrato de empréstimo com empresas que possuam condenação relacionada a trabalho em condições análogas às de escravo ou a trabalho infantil.

Caso haja autorização por parte das pessoas que contratarem as linhas de crédito no âmbito do Pronampe, o SEBRAE receberá os dados cadastrais relativos às operações concedidas, para ofertar a provisão de assistência e ferramentas de gestão às microempresas destinatárias da linha de crédito.

Poderão aderir ao Pronampe e requerer a garantia do Fundo Garantidor de Operações (FGO) as seguintes instituições: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste do Brasil e o Banco da Amazônia, além dos bancos e as agências de fomento estaduais, as cooperativas de crédito, bancos cooperados, as instituições integrantes do sistema de pagamentos brasileiro, as plataformas tecnológicas de serviços financeiros (fintechs), as organizações da sociedade civil de interesse público de crédito, e as demais instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central, atendida a disciplina do Conselho Monetário Nacional e do Banco Central do Brasil a elas aplicável.

A União aumentará sua participação no FGO em R$ 15,9 bilhões, exclusivamente para cobertura das operações contratadas no âmbito do Pronampe.
As instituições financeiras participantes do Pronampe operarão com recursos próprios e poderão contar com garantia a ser prestada pelo FGO, limitada a 85% do valor de cada operação garantida, com as primeiras perdas da carteira de responsabilidade do FGO.

Na hipótese de inadimplemento do contratante, as instituições financeiras participantes do Pronampe farão a cobrança da dívida em nome próprio, em conformidade com as suas políticas de crédito, e recolherão os valores recuperados ao FGO, relativos a cada operação, na proporção do saldo devedor honrado pelo Fundo.

Previdência privada: entenda quando contratar, quanto investir e qual plano escolher 847

Executiva da Porto Seguro dá dicas para quem pretende aderir à ferramenta

Fernanda Pasquarelli, é Diretora da Porto Seguro Vida Previdência e Investimentos na sede da empresa em São Paulo. Foto: Fernando Martinho

Embora os planos de previdência privada sejam lembrados muitas vezes como um investimento complementar aos benefícios pagos pelo INSS, as vantagens proporcionadas pela ferramenta vão além do complemento à aposentadoria. É o que diz Fernanda Pasquarelli, diretora de Vida e Previdência da Porto Seguro.

Segundo a executiva, ao investir em um plano de previdência, as pessoas conseguem manter no futuro tudo o que conquistaram ao longo da vida. “Elas ainda podem realizar projetos pessoais, como um intercâmbio ou a compra de um imóvel, por exemplo”, reforça.

Outra vantagem proporcionada pelos planos de previdência privada é a possibilidade de incluir coberturas de seguros em casos de invalidez e falecimento e pensões ao cônjuge, aos filhos menores ou por um prazo determinado até que a família possa se reequilibrar financeiramente.

Fernanda lista algumas dicas para auxiliar quem pretende contratar um plano de previdência complementar.

Quando investir: embora não exista idade certa para o início das contribuições, o ideal é que isso seja feito o quanto antes. “Quanto mais cedo se contratar uma previdência privada individual, maior será a reserva acumulada lá na frente e com menos esforço, pois as aplicações serão diluídas no tempo” afirma.

Quanto acumular para o futuro: um exemplo de como é importante começar cedo é quando o cliente contrata um plano aos 20 anos de idade. Com R$ 200 por mês, ele terá acumulado em torno de R$ 500 mil quando chegar aos 65 anos. Já quem tem 30 anos de idade precisará aplicar R$ 375 mensais para alcançar a marca de meio milhão de reais na mesma faixa-etária. Isso considerando uma rentabilidade conservadora de 6% ao ano e sem aportes extras.

Quanto aplicar: um plano de previdência privada permite que seu contratante contribua mensalmente a partir de R$ 100, valor que pode aumentar de acordo com a renda e com o planejamento do investidor. Mas também é possível realizar aportes em qualquer momento, no valor que quiser. Aportes são importantes principalmente quando a pessoa começou a investir mais tarde. Ela terá condições de recuperar o que não investiu antes. Uma dica da executiva é aproveitar parte do 13º salário e da Participação nos Lucros para planejar seu futuro financeiro.

Qual plano escolher: na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), o cliente consegue deduzir as contribuições em até 12% da sua renda bruta anual. Nestes casos, o plano funciona como um adiamento do imposto, pois na hora de fazer um resgate ou receber a renda haverá a cobrança do IR. Portanto, a dica é reaplicar no próprio plano os valores a mais da restituição ou do pagamento a menos de IR. Já a modalidade VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é mais adequada para quem declara Imposto de Renda no modelo simplificado. “Embora não seja dedutível do imposto de renda, a tributação sobre o valor de resgate ou de recebimento do benefício será apenas sobre o rendimento acumulado”, conclui Fernanda Pasquarelli.

Susep realiza Webinar sobre o Sistema de Rating 880

Projeto de implementação do sistema será apresentado no evento

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) realizará hoje, 03 de junho, às 11h, um webinar sobre o Sistema de Rating da Autarquia. O objetivo do evento é apresentar o projeto de implementação do Sistema de Rating da Susep e esclarecer como ele se insere no novo modelo de supervisão da autarquia, abordando tanto os aspectos de supervisão prudencial como de conduta. Participarão do webinar os coordenadores de áreas técnicas, a superintendente da Susep, Solange Vieira, e o diretor Vinicius Brandi.

As inscrições para o webinar são limitadas e devem ser realizadas neste link.

A iniciativa visa contribuir para o aperfeiçoamento das atividades de supervisão da Susep, bem como fornecer informações que podem sugerir a adoção de melhores práticas de gestão por parte das empresas supervisionadas.

Roberto Santos participa de projeto do CVG-RJ 802

Roberto Santos é o novo presidente executivo da Porto Seguro / Divulgação

O presidente da Porto Seguro aborda em artigo publicado no site da entidade o novo relacionamento adotado pela seguradora durante a pandemia

Nesta quarta-feira, 3, a série de artigos do CVG-RJ conta com a análise do presidente da Porto Seguro, Roberto Santos, sobre “O novo relacionamento no setor de seguros”. No texto, o executivo explica como a seguradora está lidando com a pandemia e destaca as iniciativas da empresa voltadas para o corretor de seguros.

“Desde março, desenvolvemos diversas frentes para auxiliar na sustentação dos negócios dos nossos corretores parceiros e garantir que as pessoas continuem protegidas, assim como os seus bens”, afirma. O sitewww.cvgrj.com.br, salienta que a maior parte dos funcionários da Porto Seguro está atuando de casa. “E a orientação a parceiros e corretoras é que considerem a possibilidade de trabalhar em home office, concedendo maior segurança e saúde a todos”, acrescenta o executivo.

Roberto Santos enfatiza, ainda, que a companhia vinha investindo, bem antes da Covid-19, em ferramentas tecnológicas. No artigo, ele traz como exemplo emblemático o Portal Corretor Online, canal em que a empresa publica notícias e orientações que mantêm os parceiros próximos das informações da seguradora. O presidente dá destaque, ainda, ao novo perfil da Porto Seguro no Instagram. “O Corretor é Pra Sempre (@corretoreprasempre) aproveitará a linguagem das redes sociais para facilitar o entendimento das notícias divulgadas pela companhia”.
A cada semana, uma nova análise de especialistas do mercado em relação ao momento atual, diante da pandemia do Coronavírus, é publicada no site do CVG-RJ.

Agrifoglio Vianna investe em criatividade para combater o Covid-19 2118

Escritório criou campanha que visa trazer aos colaboradores a sensação de acolhimento na retomada das atividades presenciais

O escritório de advocacia Agrifoglio Vianna decidiu apostar na leveza e no ambiente positivo durante este período de retomada gradual das atividades, sem perder o foco de prevenção contra a pandemia do coronavírus. O projeto traz modificações na sinalização interna do escritório, como forma de conscientizar, informar e trazer segurança aos colaboradores da empresa em relação ao Covid-19. A ideia propõe uma comunicação positiva, trazendo pontos de reflexão e de conforto em todos os ambientes.

Logo na entrada, a pessoa se depara com um totem de álcool em gel interativo e informativo. Ele é ilustrado com ícones que mostram a forma correta de se higienizar as mãos. O totem tem um mecanismo prático, pois, para que o álcool caia do recipiente, basta pisar no suporte do material. O adesivo colado na porta de vidro da sala de espera traz dizeres simples e acolhedores, perguntando como a pessoa está se sentido e convidando-a a respirar profundamente. O objetivo é que, assim, ela entre no ambiente se sentindo segura e abraçada. Esse mesmo acolhimento está explícito na parede atrás da recepção, com um quadro sugerindo que a pessoa carregue consigo sentimentos como esperança, amor, coragem, paz, leveza e serenidade.

Ainda nesse intuito de humanização, mas agora com a ideia de trazer um pouco de cor e alegria para quem lê, um quadrinho menor em outra parede do escritório sugere algumas ações para que a pessoa se sinta bem, como manter o contato virtual com quem ama, refletir sobre pequenos prazeres do dia e criar um momento de autocuidado.

As demais salas do escritório também estão supridas de álcool em gel preso a suportes ilustrados com ícones que reforçam a forma correta de se higienizar as mãos. Segundo os executivos da Agrifoglio Vianna, a ideia aqui é trazer um conhecimento mais profundo, incentivando a pessoa a higienizar suas mãos. Para dar suporte a toda essa sinalização, também foram criados alguns materiais digitais, como um pop up no site do escritório informando aos colaboradores que a empresa está funcionando com todos os cuidados necessários, uma frase apoiando as assinaturas de e-mail e cards informativos para serem enviados pelos canais de comunicação.​

Presidente da Icatu Seguros é o convidado do “Conversa com especialista” desta quinta 2859

Luciano Snel falará sobre momento atual e também fará análises do mercado

Luciano Snel, presidente da Icatu Seguros, é o convidado da live realizada pela companhia nesta quinta-feira, 4, às 11h. O executivo falará sobre as medidas adotadas pela Icatu para enfrentar o momento atual, trazendo também insights do mercado segurador no cenário de crise deflagrado pelo avanço do coronavírus.

A live faz parte da programação “Conversa com especialista”, realizada pela Icatu semanalmente, sempre às quintas-feiras, em seu canal no YouTube, com o intuito de levar informação e esclarecimentos sobre o panorama econômico a clientes, corretores e parceiros. Casas como Adam Capital, Alaska, AZ Quest, ARX, Vinci Partners, Kinea, Schroders e Sparta já participaram dos encontros, além da economista-chefe da Icatu, Victoria Werneck.

Para acompanhar a live ou assistir os encontros já realizados, basta acessar:
https://www.youtube.com/channel/UCVyRx2WhYj1nfFc-BEtjBKw