Artigo: Aprendizagem para o mundo de hoje 593

“Grande desafio é tornar a interação digital cada vez mais real e engajadora”

Estamos vivendo, de fato, a era digital. E essa era impõe uma velocidade diferente em tudo aquilo que fazemos, e não pode ser diferente quando o tema é aprendizagem. Temos que investir naquilo que temos de mais importante: o conhecimento. Afinal, como bem dizem, “a educação é a única saída para tudo”.

Neste momento, milhões de crianças, jovens e adultos estão sem frequentar ambientes físicos, como salas de aula, onde muitas instituições adotam estratégias de educação online e por outras mídias para garantir a continuidade da aprendizagem. Isso também aconteceu no T&D.

Os educadores e facilitadores estão se desdobrando para oferecerem aulas envolventes e ao mesmo tempo eficientes. Para isso, estes profissionais estão buscando novas metodologias e ferramentas para estreitar a relação com o aprendiz, além de otimizar o tempo e passar o conhecimento na dose certa. Com isso, trago a seguinte reflexão: o que funciona no presencial, não necessariamente funciona no digital. Não se trata somente de gravar uma palestra, há uma série de conhecimentos andragógicos e pedagógicos para serem aplicados. E mais do que nunca, é preciso entender os diferentes formatos de aprendizagem, pois cada pessoa aprende de uma forma diferente e, no caso dos adultos, é preciso ainda gerenciar o tempo de maneira a conjugar as tarefas domésticas e os compromissos profissionais.

É fato que somos dotados por com uma habilidade automática de filtrar irrelevâncias. Esse são os nossos filtros perceptíveis. Independente da fonte utilizada para transmitir os conhecimentos, filtramos só o que percebemos como relevantes. A informação que passa por nossos filtros, ingressará em nossas memórias de curto prazo onde acontece o processamento ou tratamento das informações. Por essa razão, ao introduzir um conhecimento, devemos focar no essencial para segurar a passagem pelo filtro. Se a informação é percebida como relevante, ela passa para a memória de longo prazo, no entanto, se essa informação não recebe tratamento, ela desaparece em cerca de 10 a 15 segundos. Aqui que entra a importância de compartilhar informações assertivas, curadas, verdadeiras, engajadoras e criativas. Entregando tudo isso usando a tecnologia certa.

Quando trazemos isso tudo para a área de desenvolvimento humano, eu não posso mais, por exemplo, treinar pessoas que estão se desenvolvendo dentro de um universo digital, com metodologias e perspectivas antigas. Não antigas no sentido que elas não funcionam mais, mas antigas no sentido que eu preciso usar tecnologias para facilitar o processo de aprendizagem. Então dentro da área de educação corporativa eu preciso, cada vez mais, não só trabalhar com metodologias ativas e com alternativas digitais, mas também preciso me desafiar a não só levar a aprendizagem para um meio com uso de tecnologia, mas tornar essa aprendizagem engajadora e interativa, apesar dela acontecer com o uso de tecnologia. Confuso? Vou explicar!

É preciso trazer a tecnologia para o desenvolvimento de pessoas pensando nos modelos de entrega que temos que desenvolver, ou seja, chega de blábláblá. Vamos efetivamente usar as tecnologias que fazem parte do dia a dia das pessoas.

Aprendizagem para o mundo de hoje é isso: disponibilizar aquilo que um indivíduo precisa aprender, na hora que ele precisa aprender, no formato que ele acredita que seja o mais adequado e na hora que ele precisa efetivamente deste conteúdo. Não adianta disponibilizar um conteúdo para uma pessoa que não esteja diretamente conectado com o contexto dela.

O grande desafio é tornar a interação digital cada vez mais real e engajadora. Conectar a experiência de aprendizagem com a realidade das pessoas. Não é necessário volumes enormes de conteúdos. Um dia desses alguém comentou comigo que tinha que assistir alguns vídeos que faziam parte de um curso. E sabe como assistiu? Acelerando a velocidade do vídeo. A pergunta é: adianta oferecer volumes gigantescos desnecessários de conteúdos? Não adianta!

O ponto chave é selecionar os que são essenciais para que as pessoas consigam chegar onde elas precisam. Colocar o participante no centro do processo, usar abordagens para soluções de problemas para que se a gente empatize com essa pessoa e consiga efetivamente fazer com que o conhecimento chegue de uma maneira relevante, engajadora e que seja útil.

Se você é um profissional da área de aprendizagem, entenda do negócio, antes de entender de aprendizagem. Já demos grandes passos nessa direção, mas ainda temos algumas muralhas para serem derrubadas. A nossa principal função é facilitar a vida das pessoas. Com isso em mente, não é só sobre ofertar conteúdo, é compreender o que o outro precisa aprender. É mudar de lentes. É olhar para a vida real!

*Por Flora Alves, idealizadora da metodologia Trahentem® e CLO da SG – Aprendizagem Corporativa.

SulAmérica encerra semestre com sólida posição financeira e de resultados para enfrentar a pandemia e suas consequências 2519

Ainda em meio à crise do novo coronavírus, receitas operacionais e número de clientes demonstram resiliência da Companhia no segundo trimestre

A SulAmérica (B3: SULA11) divulgou hoje seus resultados relativos ao segundo trimestre e primeiro semestre de 2020. A Companhia mantém sua posição de destaque como a terceira maior do setor de saúde suplementar no Brasil em termos de receita: são aproximadamente 4 milhões de beneficiários em Saúde e Odonto, além dos mais de 3 milhões de clientes em Vida, Previdência e Gestão de Ativos.

A pandemia da COVID-19 e o isolamento social impactaram diretamente os resultados da Companhia, como tem sido a marca no mercado de seguros, provocando redução pontual na sinistralidade do trimestre em 11,7 p.p. em relação ao mesmo período de 2019. O índice de sinistralidade do 2T20 ficou em 69,1% e o semestre fechou em 75,4%, já excluindo o segmento de Auto e Massificados, cujos números foram reportados separadamente em função da venda das operações, concluída em julho/20. As receitas fecharam o trimestre em R$ 4,8 bilhões (+5,0%) no 2T20 e R$ 9,7 bilhões (+7,2%) no 1S20. Em relação ao lucro líquido, o total do 2º trimestre para os segmentos que continuam em operação na Companhia foi de R$ 398,7 milhões (+83,4%) e R$ 468,6 milhões (+16,3%) no 1º semestre de 2020.

Considerando o segmento de Auto e Massificados, cujos resultados ainda foram reconhecidos até junho/20, registra-se lucro líquido total consolidado de R$ 498,3 milhões (+91,0%) no 2º trimestre e R$ 578,1 milhões (+19,4%) no 1º semestre de 2020. Com a conclusão da venda destas operações, a SulAmérica estrutura-se com um novo posicionamento estratégico com foco em riscos pessoais, promovendo saúde integral – física, emocional e financeira – por meio da oferta de proteção para todas as fases da vida das pessoas. “A conclusão da transação traz recursos para impulsionar o crescimento e desenvolvimento da Companhia, além de retorno para nossos acionistas”, explica Gabriel Portella, presidente da SulAmérica.

Após quase cinco meses do início da pandemia da COVID-19 e ainda com seu fim incerto, ainda não é possível mensurar todos os seus efeitos futuros, seja em termos de desaceleração econômica e comportamento da sinistralidade nos próximos trimestres, seja em mudanças estruturais pelas quais a sociedade potencialmente passará nos seus modos de viver e agir. “Passado esse período, a certeza que temos é de que estamos no caminho certo, que investimentos e projetos que começamos a desenvolver há alguns anos têm se provado totalmente acertados e se mostraram essenciais nesses últimos meses, trazendo importantes resultados para nossa capacidade de atender plenamente os clientes”, comenta Portella. “Respondemos de forma rápida à situação imposta pela pandemia do novo coronavírus: protegemos nossos colaboradores, estivemos mais próximos ainda de nossos prestadores de saúde e parceiros de negócios, porque estávamos preparados para tal, sempre com foco na sustentabilidade e continuidade da nossa operação, buscando manter nossa estratégia de crescer com rentabilidade, disciplina na gestão de riscos e alocação de capital, ao mesmo tempo em que procuramos gerar valor positivo para a sociedade e os mercados em que atuamos. Seguimos confiantes nas perspectivas de longo prazo para a SulAmérica e na força e sustentabilidade do nosso modelo de negócios”, conclui.

Saúde e Odonto: apoio a clientes e parceiros durante a pandemia

Um dos efeitos colaterais do isolamento social foi sentido na sinistralidade dos segmentos de Saúde e Odonto, com meses bastante atípicos no período com uma redução acentuada nas frequências de procedimentos eletivos e não urgentes (consultas, exames e cirurgias), visitas ao pronto-socorro e internações de urgência, o que, no curto prazo, mais do que compensou os custos adicionais que tivemos relacionados ao diagnóstico e tratamento de beneficiários com COVID-19. Atendemos as necessidades dos clientes em sua integralidade em parceria com nossa rede de prestadores de saúde. Entendendo suas necessidades de curto prazo, aprovamos extraordinariamente neste período adiantamentos financeiros para nossa rede de médicos, hospitais e dentistas que somaram mais de R$ 260 milhões dos quais R$ 150 milhões já desembolsados dentro do 2º trimestre. “Cabe frisar que o ano de 2020 será incomum em termos do comportamento da frequência de procedimentos e sazonalidade em função da pandemia, de modo que os resultados de curto prazo não devem ser extrapolados em cenários futuros e temos a expectativa de que boa parte dos procedimentos represados seja retomada ao longo do tempo. A redução na sinistralidade no curto prazo da Companhia ocorre de forma simultânea à redução nas receitas de nossa rede de prestadores e temos sido sensíveis a essa situação, estando próximos aos nossos parceiros”, fala Portella.

Adicionalmente, a plataforma de telemedicina também proporcionou à uma parte relevante de médicos e terapeutas credenciados a manutenção de suas clínicas durante a pandemia. Intensificamos o uso da tecnologia durante este período, o que possibilitou o lançamento de uma série de produtos, serviços e funcionalidades importantes, além da expansão de outras já existentes, que nos permitiram ampliar ainda mais nosso alcance e atendimento aos beneficiários por meio de iniciativas digitais.

As ferramentas que já existiam e estavam disponíveis aos segurados de Saúde e Odonto em nossos aplicativos foram importantes para orientar e garantir o cuidado adequado, com uma adoção acelerada da telemedicina no período, muito bem recebida pelos usuários, permitindo não só a assistência em relação à COVID-19 como também consultas de emergência e a continuidade de tratamentos por meio de teleconsultas eletivas em diversas especialidades. Só no mês de junho, foram aproximadamente 70 mil atendimentos digitais, considerando médicos plantonistas, especialistas, psicólogos e orientações telefônicas. “O cuidado está na essência do nosso modelo de gestão de saúde e o uso de tecnologias e funcionalidades que tem sido objeto de investimentos e desenvolvimentos relevantes da SulAmérica nos últimos anos se mostrou uma ferramenta essencial para a melhor experiência de nossos beneficiários nesse momento adverso”, resume Portella.

No 2T20, registrou-se um aumento do número de beneficiários em planos coletivos de 8,1% em relação a junho/19, demonstrando a resiliência do portfólio da Companhia mesmo em o cenário adverso da pandemia e as consequentes incertezas econômicas.

Vida, Previdência e Investimentos

O segmento de seguro de Vida também registrou os impactos da pandemia. Com as medidas de isolamento social e a retração no segmento de turismo, as receitas de seguro viagem apresentaram redução. As receitas operacionais do segmento somaram R$ 121,1 milhões no 2T20 e R$ 237,9 milhões no acumulado do ano, apresentando reduções de 7,5% e 4,7%, respectivamente. Neste segmento, a sinistralidade aumentou 7 p.p. no trimestre em relação mesmo período do ano anterior, em virtude do impacto da queda nas receitas assim como em virtude das coberturas para os casos de COVID-19.

No segmento de proteção financeira, a SulAmérica Investimentos, nossa gestora de ativos e 3ª maior gestora independente do Brasil, encerrou o trimestre com R$ 45 bilhões em ativos sob gestão, mantendo pelo 11º ano consecutivo a nota máxima (AMP-1) de avaliação de gestores de fundos de investimentos pela Standard & Poor’s.

Em previdência, expandimos a margem bruta e alcançamos mais de R$ 8 bilhões em reservas, aumento de 7,6% em comparação com o mesmo período do ano anterior. A evolução positiva acompanhou, principalmente, o maior volume de contribuições, além do saldo positivo de portabilidade líquida durante o ano de 2020, principalmente no produto VGBL.

Susep promove webinar sobre consulta pública 2429

Tokio Marine inaugura escritório em Passo Fundo (RS)

Tema será a Resolução que permite o financiamento da retenção de riscos por meio de dívida vinculada a riscos de (res)seguros no Brasil (ILS)

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) promoverá hoje, a partir das 11h um webinar sobre o financiamento da retenção de riscos por meio de dívida vinculada a riscos de (res)seguros (ILS – Insurance Linked Securities) no Brasil. O objetivo do evento é esclarecer pontos referentes à minuta de Resolução CNSP que dispõe sobre o tema e está em consulta pública até o dia 10 de agosto.

Mecanismo comumente adotado em mercados internacionais, o ILS é uma nova alternativa para transferência de riscos de seguros e resseguros.

Com a queda da taxa de juros, esta pode ser uma nova opção de investimento para investidores profissionais e para melhorar de custo de captação de do setor de seguros.

O webinar será apresentado pela Superintendente Solange Vieira, pelo Diretor Técnico Eduardo Fraga e pelo Coordenador-geral de Grandes Riscos e Resseguros, Diogo Ornellas.

As inscrições para o evento já estão abertas e são limitadas. Os interessados podem se inscrever neste link​.

Argo Seguros realizará webinar sobre “Responsabilidade Civil Profissional na Prática” 2462

Palestrante será a nova gerente da área de Consumer Lines da companhia, Mariana Bruno

A Argo Seguros – seguradora especialista no desenvolvimento de produtos de nicho, com foco em inovação e tecnologia – realizará uma webinar com o tema “Responsabilidade Civil Profissional na Prática”. O evento, online e gratuito, vai explicar em detalhes como funciona esse seguro e as melhores formas que ele pode ser oferecido pelos corretores.

A palestrante será Mariana Bruno, nova gerente da área de Consumer Lines da Argo Seguros. Com 13 anos de atuação no mercado e passagens por outras grandes empresas do segmento; a executiva acumulou experiências nas áreas de Property, E&O e subscrição de Financial Lines.

“Desenvolvemos esse webinar para mostrar aos corretores como é fácil comercializar e oferecer esse seguro. A ideia é apresentar um raio-x completo sobre um dos ramos de seguro que mais cresce no mercado e que pode ser uma alternativa para ampliar a receita do corretor, sem que ele faça novas prospecções”, explicou.

O seguro de Responsabilidade Civil Profissional cobre danos corporais ou materiais causados de forma involuntária a terceiros, durante o exercício da profissão. Oferece cobertura para empreendedores e profissionais de diversas categorias como médicos, corretores, advogados, dentistas, entre outros.

A Argo Seguros oferece mais de 40 opções em RC Profissional e atualmente é uma das principais seguradoras do Brasil nesse segmento. Aqueles que quiserem participar do webinar podem fazer sua inscrição gratuita através do link http://twixar.me/G0Fm.

Icatu Week oferece programação para corretores 2531

Profissionais da Região Sul podem participar da série de bate-papos sobre os produtos da companhia.

A Icatu Seguros preparou uma extensa programação para os corretores profissionais de seguros entre os dias os dias 10 e 14 de agosto. Denominado Icatu Week, o evento abordará todos os dias, às 17h, um de seus produtos em lives exclusivas.

As informações serão disponibilizadas pelos gerentes comerciais especialistas em cada linha de negócios. “Infelizmente, durante a pandemia não podemos cumprir a agenda constante de treinamentos presenciais. Iniciativas como a Icatu Week são alternativas criativas e viáveis para que os corretores não deixem de aprimorar seus conhecimentos”, afirmou o gerente Victor Oliveira.

Confira a programação completa:

Frico prevê crescimento de 22% em 2020 1317

Sócio da corretora de seguros projeta resultados positivos para a empresa, mesmo com a pandemia da Covid-19

Incertezas de quando a pandemia do coronavírus será controlada, empresas com redução de investimentos, crise sanitária gerando crise econômica no país. Todo esse cenário que causa ansiedade na maior parte da força produtiva do Brasil está sendo encarado com resiliência e proatividade pela Frico Corretora de Seguros. Com base em indicadores de desempenho do primeiro semestre, a empresa projeta um crescimento de 22% ao final de 2020, mesmo com o quadro de pandemia. O otimismo não se ressalta somente nos números, mas também está patente no discurso positivo do staff da corretora.

Essa impressão está evidenciada na entrevista exclusiva que o sócio Vicente Glitz, deu nesta semana ao programa Seguro Sem Mistério, produção televisiva do JRS via Canal 20 da NET-RS. Mesmo ciente da crise geral provocada pelo vírus, Glitz enxerga oportunidades para o setor de seguros e as está aproveitando para atualizar as estratégias comerciais da corretora. “Temos muita sorte de o mercado de seguros ser menos afetado pela pandemia que outros setores, como o de supermercados ou de lojas de departamentos”, relata o executivo. “O mercado de seguros precisa continuar acontecendo como sempre aconteceu, só que com uma visão de crise”, complementa o sócio da Frico Seguros, ao descrever quais encaminhamentos a empresa deu a partir do período de quarentena.

O que aconteceu foi uma mudança de foco. Com base na percepção de mercado, os sócios da corretora passaram a apostar nos produtos que funcionam bem nas crises. E, nesse mapeamento, mudaram o alvo para o Seguro Saúde, que cresceu bastante durante os últimos cinco meses, em contrapartida aos elevados reajustes na área de assistência de saúde. Mudaram a mira também em direção às linhas financeiras, as quais estão valorizadas pelo empresariado brasileiro, que precisa proteger seus negócios, com produtos como D&O, E&O, seguro garantia judicial e seguro garantia recursal. “Os empresários passaram a ter a necessidade maior de investir nos seguros de responsabilidade civil, fato que conduziu a Frico a apostar nestes produtos”, comenta Glitz.

Na entrevista à jornalista Júlia Senna, o executivo destacou, ainda, o papel do corretor de seguros como um “consultor no mais amplo sentido da palavra”. “O corretor precisa conhecer muito o setor em que o cliente atua, entender o negócio do cliente, saber dos gargalos, de modo a oferecer um produto num formato personalizado para o segurado”, explica. Para completar a descrição sobre as estratégias atuais da Frico, ele utilizou a expressão “pescar no próprio aquário”, que pode ser traduzido no ato de o corretor oferecer seguro saúde em grupo para quem já tem seguro patrimonial ou oferecer seguro residencial para o segurado de Auto. Enfim, o entrevistado da JRS Digital frisou a importância de o corretor de seguros estar muito atento ao mercado. E atribuiu a projeção positiva quanto ao desempenho da empresa para 2020 ao fato de a Frico se manter sempre em sintonia com os acontecimentos econômicos do planeta.​