Sompo Seguros destaca ligações emocionais e ensinamentos de valores em campanha em comemoração ao Dia dos Pais 1293

Criado pela agência REF+, o filme enaltece o papel daqueles que têm papel fundamental ao compartilhar sentimentos e transmitir princípios que contribuem com a formação de cidadãos que adotam atitudes positivas em favor do próximo

Para celebrar os Dias dos Pais, a Sompo Seguros S.A, empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo –, apresenta uma campanha em que destaca o real significado de termo paternar: compartilhar experiências, sentimentos e emoções e contribuir com a formação das pessoas como cidadãos conscientes. Para a marca, essa figura é qualquer pessoa que transmita esses sentimentos, pode ser uma mãe solo, um avô ou até mesmo um tio próximo.

Com o mote “Parabéns a todos que nos ensinaram valores”, o filme aborda a importância dos ensinamentos passados e reforça o conceito de que os exemplos adquiridos nas relações construídas na base do afeto e carinho geram cidadãos com atitudes positivas. No roteiro, histórias de pessoas comuns que, em meio ao isolamento social causado pela Covid-19, fazem sua contribuição para que o próximo fique bem.

Entre os exemplos, há o do avô, com quem Julia aprendeu sobre o respeito, o que a fez compreender a importância de cumprir com o isolamento social. Há também a mãe solo, com quem Pedro aprendeu o carinho, que o levou fazer compras para o seu vizinho idoso. “A Sompo Seguros é uma companhia que tem como missão gerar bem-estar e proteção às pessoas. Com essa mensagem, a empresa estende a homenagem feita a todos que cumprem esse papel de nos ensinar valores para a vida. É importante reconhecer o papel transformador das pessoas com quem estamos emocionalmente ligados em nossa formação como cidadãos”, afirma Francisco Caiuby Vidigal Filho, presidente da Sompo Seguros.

Criada pela agência REF+ e produção da Black Door Filmes, a ação ressalta o posicionamento institucional da companhia, o “Você Sempre Bem”, desenvolvido para orientar a comunicação da companhia junto aos diversos públicos com os quais se relaciona e que busca estimular atitudes positivas na sociedade. “A ação tem o objetivo de levar a sociedade à reflexão sobre como os nossos comportamentos podem contribuir com o bem-estar do próximo e, nesse caso, com o desenvolvimento de pessoas com um olhar coletivo, respeitoso e generoso para com os demais”, explica Fernando Grossi, diretor Comercial e de Marketing da Sompo Seguros.

De acordo com Renato Pereira, sócio e CCO (Chief Creative Officer) da REF+, a estratégia buscou sair do lugar-comum e estereotipado de retratar a data apenas com a figura masculina. “Esse filme é uma maneira de homenagear todas as pessoas que assumem a responsabilidade de paternar e que transmitem os seus valores e ajudam na formação de pessoas com mais respeito e amor ao próximo”, complementa.

O plano de mídia engloba filme de 30” com veiculação em TV aberta e ações em mídias sociais.

Para assistir ao filme, acesse o link: bit.ly/SompoCDP

Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção 404

Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção

Mudanças incluem o aumento do limite de pontos para até 40 e aumento na validade da CNH

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (22) parte das emendas do Senado ao Projeto de Lei 3267/19, que altera o Código de Trânsito Brasileiro. O texto de origem do Poder Executivo segue para sanção do presidente da República.

Além do aumento na validade da CNH para dez anos para condutores com menos de 50 anos de idade, a proposta torna todas as multas leves e médias puníveis apenas com advertência, caso o condutor não seja reincidente na mesma infração nos últimos 12 meses. O projeto cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), uma espécie de listagem de bons condutores.

Ao ser sancionada, se for mantida a integralidade do texto aprovado pelo Congresso, todas as mudanças feitas pelo projeto valerão depois de 180 dias da publicação da futura lei. Caso ainda haja veto, os parlamentares retomam a análise dos dispositivos.

O projeto aprovado exige o transporte de crianças menores de dez anos e com menos de 1,45 metro nas cadeirinhas que sejam adequadas à sua faixa etária. Originalmente, abrandava a multa por descumprimento da regra, mas os senadores resgataram a condição de “gravíssima” da infração.

O texto também determina que ela somente se aplique aos casos de rodovias de pista simples e exige que os veículos novos sejam fabricados com luzes de rodagem diurna.

A proposta proíbe a conversão de pena de reclusão por penas alternativas no caso de morte ou lesão corporal provocada por motorista bêbado ou sob efeito de drogas. Mesmo que não haja intenção, a pena de reclusão não pode ser substituída por outra mais branda, que restringe direitos.

Pontuação

O texto estabelece uma gradação de 20, 30 ou 40 pontos em 12 meses conforme haja infrações gravíssimas ou não. Atualmente, a suspensão ocorre com 20 pontos, independentemente do tipo de infração.

Dessa forma, o condutor será suspenso com 20 pontos se tiver cometido duas ou mais infrações gravíssimas; com 30 pontos se tiver uma infração gravíssima; e com 40 pontos se não tiver cometido infração gravíssima no período de 12 meses.

Os condutores que exercem atividades remuneradas terão seu documento suspenso com 40 pontos, independentemente da natureza das infrações. Essa regra atinge motoristas de ônibus ou caminhões, taxistas, motoristas de aplicativo ou mototaxistas. Se esses condutores participarem de curso preventivo de reciclagem ao atingir 30 pontos, em 12 meses, toda a pontuação será zerada.

Emendas

Os deputados aprovaram oito das 12 emendas do Senado ao texto anteriormente aprovado pela Câmara. Entre elas está a que proíbe converter pena de reclusão por penas alternativas no caso de morte ou lesão corporal provocada por motorista bêbado ou sob efeito de drogas.

Entre os dispositivos retirados pelos parlamentares está o que tornava infração grave punida com multa o ato de transportar ou manter embalagem não lacrada de bebida alcoólica no veículo em movimento, exceto no porta-malas ou no bagageiro.

Segundo o relator, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), o texto deveria trazer exceção para os veículos de transporte turístico, onde a bebida aberta pode estar sendo consumida pelo passageiro e não pelo motorista.

Ministério

Em nota, o Ministério da Infraestrutura disse que a aprovação é um grande grande avanço para a sociedade. “As mudanças são decorrentes da necessidade de atualização na legislação, que completa hoje 23 anos. Então, a proposta teve como objetivo transformar, facilitar a vida do cidadão brasileiro. São medidas com caráter educativo e menos punitivo, que irão contribuir para a redução de acidentes e mortes no trânsito”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Mercado de fusões e aquisições continua em plena atividade na pandemia 489

Mercado de fusões e aquisições continua em plena atividade na pandemia

Empresários continuam recorrendo ao processo na crise, mas tanto compradores como vendedores devem tomar uma série de cuidados com a operação

Já não é mais novidade que a paralisação da economia provocada pela pandemia vem causando problemas estruturais com empresas, como queda no faturamento, demissões em massa, reestruturações e, em casos extremos, falência. E muitas delas passaram a enxergar uma saída recorrendo ao mercado de fusões e aquisições.

Um estudo da consultoria global KPMG aponta que, no primeiro semestre de 2020, o Brasil registrou 513 operações de fusões e aquisições de empresas, número que representa uma queda de apenas 5,5% no comparativo com o mesmo período de 2019. Se observarmos o cenário extremamente negativo por causa da pandemia durante boa parte do semestre, a queda não é considerada muito relevante.

Dentre essas 513 operações, 368 são consideradas operações domésticas, entre empresas de capital brasileiro. As restantes envolveram empresas de capital estrangeiro. Para o especialista em Direito Empresarial e Societário, e professor do Insper e da Faap Marcelo Godke, com todos os cuidados devidamente observados, o processo pode realmente ser uma saída viável.

“Quando 2 ou 3 empresas que atuam no mesmo setor passam por uma queda de faturamento, talvez seja o momento propício para cortarem custos e passarem por esse processo. Tecnicamente não é uma fusão, mas uma incorporação, mas pode ser muito interessante, principalmente com a possibilidade de reduzir custos e estruturas duplicadas, ajudando a salvar as empresas”, relata o professor.

Porém, os empresários devem tomar uma série de cuidados com essas operações. Quem faz o alerta é o especialista em Direito Tributário Eduardo Natal. “São várias as questões a serem observadas, entre elas a avaliação criteriosa dos ativos e da companhia, os cuidados na elaboração dos instrumentos contratuais, questões de mercado e concorrenciais, entre outras”, alerta Natal.

Franquias durante a pandemia

Duramente prejudicado com a pandemia, o setor de franquias chegou a registrar queda média de faturamento de 48,2% em abril, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com a reabertura gradual da economia e o aprimoramento de canais de venda digital, o setor vem registrando, aos poucos, uma redução nas perdas, mas ainda está longe da recuperação.

“Como os shoppings sofreram um impacto grande, isso afetou de maneira muito forte o setor de franquias. Muitas fecharam, principalmente quem não tinha capital para segurar a onda. Enquanto a economia não estiver reaberta totalmente e os shoppings em pleno funcionamento, será muito difícil que o setor se recupere de forma plena”, avalia Marcelo Godke.

Para aliviar a situação dos franqueados, o professor indica que o melhor caminho é a negociação. “As empresas que administram os shoppings sabem que os lojistas tiveram uma queda enorme no faturamento e que se forem cobrar plenamente o valor dos aluguéis, eles vão fechar as portas. O ideal é que seja negociado com as partes os contratos de locação e de royalties”, explica Godke.

Já Eduardo Natal espera que o setor melhore assim que passar a fase mais crítica da pandemia e que isso pode causar um reflexo positivo na recomposição da demanda. Entretanto, o especialista não acredita que o retorno seja automático. “A renda do brasileiro caiu e o desemprego aumentou em razão da crise, e isso certamente será refletido os próximos meses”.

Diretor da Bradesco Saúde participa do 6º Healthcare Innovation Show 45

Diretor da Bradesco Saúde participa do 6º Healthcare Innovation Show

Com o tema ‘Recuperação econômica e crescimento do setor de saúde’, diretor-gerente participará da mesa CEO Summit na quinta-feira (24)

O diretor-gerente da Bradesco Saúde, empresa líder de seguro saúde no Brasil, Flávio Bitter, é um dos palestrantes da 6ª Edição Healthcare Innovation Show, que acontece entre os dias 24 e 26 de setembro, pela internet. O executivo participará da mesa CEO Summit, cujo tema será: ‘Recuperação econômica e crescimento do setor de saúde’, a ser realizada na próxima quinta-feira (24), às 14h45. Participam também do debate Signey Klajner, presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein; Helton Freitas, presidente da Seguros Unimed; Roberto Santoro, CEO do Grupo Pardini; e o moderador Mário Leão, VP Executivo do Banco Santander.

Segundo análise do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar – IESS, o mercado de saúde suplementar registrou sucessivas baixas, a partir de abril, resultado do elevado número de demissões, interrupção de atividades econômicas, encerramentos de empresas ou mesmo a perda de poder aquisitivo. Esse encontro será uma oportunidade para levantar questões de como as operadoras de saúde estão enfrentando a crise gerada pela pandemia e quais as medidas para acomodar os altos e baixos nos volumes de beneficiários, assim como as perspectivas para o curto prazo no setor.

Há 20 anos na Bradesco Saúde, Flávio Bitter atualmente dirige as áreas técnicas e de produtos da empresa, além de participar do conselho de administração da Odontoprev e Orizon. Para o executivo, participar do HIS significa uma grande oportunidade para abordar um tema atual e necessário, ao lado de outros líderes do mercado de saúde suplementar. “A pandemia da Covid-19 trouxe mudanças significativas para o setor e contribuiu para acelerar processos relevantes, como a inovação, por meio da telemedicina e outros serviços digitais, e novos modelos de remuneração aos prestadores de serviços médico-hospitalares, tendo a saúde baseada em valor, e a criação de produtos e redes mais conectados e regionalizados. Esse encontro é, portanto, um espaço importante para debatermos perspectivas e desafios no mercado, além de compartilhar a experiência da Bradesco Saúde neste atual cenário”.

O HIS 2020 traz nessa sexta edição temas de grande relevância para o setor, com foco na “disrupção digital aplicada à saúde”. Ao todo, serão 160 palestrantes, entre nacionais e internacionais, sendo 60 fornecedores do setor. O evento acontece entre os dias 24 e 26 de setembro e a transmissão será pela plataforma Grip.

Serviço:

Evento: Healthcare Innovation Show 2020 – tema: “Recuperação econômica e crescimento do setor de saúde”
Data e horário: 24/09 (quinta-feira), às 14h45min
Inscrições: neste endereço.

Nunes & Grossi lança plataforma para comercialização de planos de saúde 487

Nunes & Grossi lança plataforma para comercialização de planos de saúde

Grupo expande seu portfólio online em benefício de corretores parceiros, clientes e colaboradores

Após o recente lançamento da plataforma digital para vendas de planos odontológicos, a Nunes & Grossi Benefícios inova mais uma vez, agora disponibilizando ao mercado uma plataforma de e-commerce para aquisição de planos de saúde.

Totalmente digital, o canal de vendas irá facilitar a comercialização dos planos de saúde por adesão. Além de segurança e praticidade, a nova plataforma otimiza o tempo e reduz a burocracia da ação.

A nova modalidade de comercialização acompanha o cenário atual do Brasil e do mundo, onde todos os setores da economia, inclusive o dos planos de saúde, precisaram se adaptar para continuar suas operações, atendendo as necessidades da sociedade e do mercado.

Uma das funcionalidades da plataforma é um simulador online dos planos de saúde por adesão. Além disso, o corretor parceiro terá a opção de busca por profissionais de saúde e também por entidade, refinando assim a procura pelas melhores opções aos usuários.

Vale mencionar ainda que a nova ferramenta também possibilitará uma melhor gestão de documentos, permitindo preenchimento de contratos, cotações, tabelas de valores e elegibilidade dos clientes, entre outras funcionalidades.

“Ao oferecer um meio digital para contratação dos nossos Planos de Saúde por Adesão, o Grupo Nunes & Grossi Benefícios renova sua premissa em colaborar com o bem-estar de corretores parceiros, clientes e colaboradores, além de disponibilizar uma ferramenta que certamente terá continuidade em um cenário pós-pandemia”, afirma Willy Maxwell, CEO do Grupo Nunes & Grossi.

Lançamento oficial

A nova ferramenta já estará disponível a partir desta terça-feira (22) para o uso de parceiros e clientes, mas seu anúncio oficial ocorrerá por meio de uma transmissão ao vivo no canal da Nunes & Grossi Benefícios no YouTube, na quarta-feira (23), às 16h.

A plataforma será disponibilizada para os corretores parceiros que solicitarem acesso e sua implementação ainda contará com um treinamento feito por gestores, também em formato virtual.

Dívida pública impede renda básica permanente, afirma especialista 402

Dívida pública impede renda básica permanente, afirma especialista

Estima-se que 95% do PIB brasileiro pode estar comprometido

Com a crise econômico-financeira provocada pelo novo coronavírus, desde abril o Governo Federal tem subsidiado milhões de famílias brasileiras com o auxílio emergencial, que começou com parcelas de R$ 600 e caiu para atuais R$ 300. Diante deste cenário, uma dúvida que tem suscitado o debate na sociedade se refere a possibilidade de a União desenvolver um projeto que permita uma renda básica permanente, destinada aos mais vulneráveis.

Para o doutor em Economia, especialista em Finanças Públicas e professor da Universidade Santo Amaro – Unisa, André Martins de Almeida, ainda que com este cenário, é praticamente inviável o País desenvolver uma renda básica permanente, muito por conta da dívida interna que, segundo o Ministério da Economia, deverá chegar, neste ano, a 95% do PIB (Produto Interno Bruto), acumulando um déficit de R$ 866 bilhões.

“Já existem programas sociais no País que de certa forma garante uma renda a população mais vulnerável, como o Bolsa Família. Agora, podemos dizer que o auxílio emergencial é prova de que poderíamos ter uma renda permanente, no formato atual? Minha resposta seria não”, aponta o especialista. “Diante da atual conjuntura das contas públicas, não teríamos sustentabilidade financeira para mantermos um novo programa social de transferência de renda direta, que alcançaria algo próximo a 40 milhões de brasileiros, se levarmos em conta somente a população mais vulnerável”, explica André Martins.

“A liberação de bilhões de reais na economia, sem estudos mais aprofundados, pode superaquecer determinados setores gerando pressões inflacionárias”, lembra Martins. “O que poderia ser feito e, até já é objeto de discussão no âmbito político, seria a unificação de vários programas sociais (Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada, abono salarial, entre outros), com o objetivo de criar um programa de renda permanente”, pondera o especialista, lembrando, também que um programa neste sentido seria mais compensador para o Estado em termos de finanças públicas “de forma que seja sustentável ao longo do tempo e não apenas um programa com fins políticos”, opina o especialista.