Muito obrigado, Miguel Junqueira Pereira 4338

Muito obrigado, Miguel Junqueira Pereira

Revista JRS edição 239 destaca trajetória da lenda do seguro em reportagem especial

Meio a um cenário de pandemia, julho de 2020 ficará marcado para sempre como o mês em que demos adeus a Miguel Junqueira Pereira. Aos 93 anos e somando inumeráveis contribuições ao mercado de seguros, a lenda do seguro sempre se destacou por sua inteligência, carisma e personalidade ímpar, amável e marcante.

Natural da cidade gaúcha de Taquari, o filho do João de Moraes Pereira e da Almerinda Junqueira Pereira, foi casado com Gelcy Maria Silveira Pereira, com quem teve os dois filhos Sérgio e Marcus. Além disso, o ícone também era avô de Diego, Rodrigo, Matheus, Lucas e Camila.

“Não se ama o desconhecido. Só se ama quem se conhece”, destaca uma das falas mais célebres do líder sindical.

Confira a edição 239 da Revista JRS com este especial e os principais acontecimentos das últimas semanas no mercado brasileiro de seguros:

Argo Seguros prepara mudanças estruturais com foco no crescimento para 2021 945

Newton Queiroz é CEO e presidente da Argo Seguros / Divulgação

Seguradora é especialista no desenvolvimento de produtos de nicho

A Argo Seguros está preparando mudanças em sua estrutura visando seu crescimento futuro. A seguradora – apontada como especialista no desenvolvimento de produtos de nicho – quer garantir não apenas a expansão de prêmio e margem, mas também ampliar sua liderança em inovação, tecnologia e inclusão social através de novos produtos.

“Estamos crescendo, percentualmente, em dígitos duplos nos últimos anos. Foi assim em 2019 e está se repetindo este ano, mesmo com a pandemia. Apesar do momento complexo em que nossa sociedade se encontra, a Argo conseguiu manter os planos originais através de foco e trabalho em equipe. Mesmo tendo isso como um ponto positivo, já tínhamos claro a necessidade de ajustar a estrutura às novas necessidades da empresa e, claro, dos clientes”, disse Newton Queiroz, CEO e presidente da Argo Seguros.

Segundo o executivo, o lançamento de seguros inovadores, como o Instant (intermitente para automóvel), e a concretização de grandes parcerias, como é o caso com a Federação Nacional dos Corretores (Fenacor), está fazendo com que a Argo se torne mais conhecida no mercado, resultando em um fluxo maior de oportunidades.

“Esse é um desafio interessante porque, ao mesmo tempo que é algo positivo e que todo líder gostaria de ter, não podemos perder de vista que a forma em que o crescimento acontece é fundamental para a sustentação dos negócios. Por isso, a necessidade de estar sempre estudando tendências e ajustando a empresa”, explicou o presidente da Argo Seguros.

De acordo com ele, apesar da estrutura passar por ajustes pontuais, os conceitos de Corporate e Consumer seguem ativos e funcionam como referência para o tipo de negócio. Os que são automatizados e/ou semi-automatizados são da área de Consumer. Já os processos que necessitam diretamente de um técnico para cotar, consideramos Corporate, ou seja, médio e grande riscos, dependendo de suas características se aplica em uma das verticais.

“A Argo Seguros, diferente da maioria das empresas, está crescendo e trazendo novos profissionais. Ao mesmo tempo, também conseguimos evoluir em alguns pontos e ter a certeza de que o caminho que estamos buscando está alinhado com o novo mercado. Portanto, a nossa estrutura, assim como produtos e inovações, está sendo ajustada para esse momento presente e futuro. Queremos repetir em 2021 o desempenho dos últimos dois anos”, concluiu Newton.

AIG entre as melhores empresas de seguros, segundo Instituto MESC 803

AIG entre as melhores empresas de seguros, segundo Instituto MESC

Pesquisa contou com mais de 2 milhões de opiniões e é focada na satisfação do cliente

Pelo segundo ano consecutivo, a seguradora AIG é reconhecida como uma das melhores empresas em satisfação do cliente no segmento de seguros gerais no Brasil. Realizada pelo Instituto MESC – Melhores Empresas em Satisfação do Cliente, especializado em pesquisas de mercado, treinamento e certificações relativas ao atendimento e satisfação de clientes, a pesquisa avaliou mais de 6 mil empresas e ouviu mais de 2 milhões de opiniões de consumidores entre março de 2019 e março de 2020. A AIG foi premiada ao lado de outras seis companhias do setor de seguros gerais.

“É uma grande satisfação para a AIG ser reconhecida mais uma vez neste prêmio. Isso mostra que estamos no caminho certo e reflete nossa real preocupação para garantir a qualidade no atendimento de nossos clientes segurados e corretores em todo o Brasil”, afirma Eva Batista, líder de Operações na AIG.

As empresas premiadas passaram por duas fases eliminatórias: na primeira, foram desclassificadas todas com o ISC (Índice de Satisfação do Cliente) inferior a 70%. Na segunda fase, a entidade realizou uma auditoria de eficácia de práticas, na qual cada companhia foi avaliada por um especialista – executivo com mais de dez anos de experiência no segmento. Nessa etapa, também foi realizada uma avaliação com um cliente oculto nos canais de atendimento da empresa.

Na avaliação, foram levados em consideração a qualidade de atendimento, o poder de solução e os valores da companhia. “A AIG tem uma atenção especial na agilidade e retorno com qualidade aos atendimentos. Um exemplo disso é a nossa avaliação no site Reclame Aqui, mantendo o nível considerado ótimo e com 100% das reclamações respondidas, o que nos levou, inclusive, a sermos um dos finalistas do Prêmio Reclame Aqui, outra importante premiação, que segue aberta”, completa José Erivam Silva, responsável pelas operações do Contact Center da AIG.

Publicação da MDS aborda futuro do mercado segurador em nível global 163

Publicação da MDS aborda futuro do mercado segurador em nível global

Trata-se de uma das principais corretoras de seguros, resseguros, benefícios e riscos do País

O ano de 2020 é um divisor de águas para o mundo, principalmente em questões ligadas ao bem estar, à segurança, às relações de trabalho e ao meio ambiente. O novo cenário gerado pela pandemia e todas as mudanças trazem um futuro de incertezas. Por isso, a 13ª edição da Fullcover, revista editada pela MDS, uma das principais corretoras do País no segmento de seguros, resseguros, gestão de benefícios e consultoria de riscos, aborda exatamente esse novo mundo e como as pessoas podem administrar os riscos presentes nele a fim de viver uma vida mais segura.

O editorial assinado pelo CEO Global, José Manuel Dias da Fonseca aponta como o setor de seguros terá que ser ainda mais estratégico para fidelizar clientes. “Tempestades nunca antes vistas, furacões, incêndios florestais e pandemias (como a mais recente, do Covid-19, que em tão pouco tempo lançou o caos no nosso modo de vida e economias) ameaçam a sobrevivência da humanidade como espécie. Depois de as nossas ações terem causado a extinção de muitas outras espécies, surge a pergunta: seremos nós a seguir? Durante muitos anos, seguradores e resseguradores estiveram na linha da frente da gestão de risco, porém, nunca antes o número crescente de desafios e incertezas lhes exigiu que identificassem tantas novas formas de gerir o risco ou encontrassem novas soluções”, evidencia o texto que abre a Fullcover #13.

Para lançar a revista, a empresa realizou um café da manhã com executivos da companhia e jornalistas. Além de Ariel Couto, CEO da MDS Brasil e Americas Regional Manager da Brokerslink, também participaram do encontro virtual: Beatriz Cabral (Head Global de Marketing de Performance e Comunicação do Grupo MDS), Paula Rios (Editora-Chefe da Fullcover e Diretora Executiva da HighDome pcc) e Susana Neiva (coordenadora editorial e produção)

“Reunir formadores de opinião para compartilhar, em primeira mão, o conteúdo da revista Fullcover é um privilégio. Por meio das nossas ações, queremos disseminar conhecimento sobre o setor de seguros e gestão de riscos e contribuir com o fortalecimento do nosso mercado”, diz Beatriz. Já o CEO da MDS Brasil reitera o viés de prestação de serviço que marca a companhia e a publicação. “Nós temos que criar soluções para prever e mitigar riscos, trazendo mais segurança para empresas e pessoas. Compartilhar informações e ter um time de especialistas em uma revista 100% focada no nosso mercado é algo que reforça o nosso posicionamento e mostra a nossa vanguarda como companhia global”, finaliza Couto.

A revista pode ser acessada gratuitamente neste endereço..

“Demanda por seguros é ampla”, diz presidente da CNseg em artigo 421

Coriolano é o convidado do próximo Almoço do Mercado Segurador Gaúcho

Confira considerações de Marcio Serôa de Araujo Coriolano, economista e presidente CNseg

Chegamos a um paradoxo: o de planejar o futuro estando em um presente ameaçado gravemente por uma doença, a Covid-19, causada pelo novo coronavírus. O ânimo vem de promissoras vacinas que estão a caminho e dos indícios de que a vida vai, aos poucos, voltando a se movimentar mundo afora. Mas, que futuro é esse? Não é possível afirmar muita coisa porque a sociedade ainda está passando por um grande trauma, e as pessoas devem sair diferentes do “outro lado”. Porém, pelo menos um legado destes tempos difíceis parece claro: a busca por segurança. Neste contexto, o crescimento do mercado de seguros, quando tudo parece ruir em volta, tem ligação direta com a experiência covideana. Ninguém quer ser surpreendido, novamente, por algo que vire a vida de cabeça para baixo, quebre a empresa de uma hora para outra, leve à morte tantas pessoas queridas.

Em junho se comparado ao mês de maio, os seguros alcançaram índices robustos de expansão: quase 33%, potencializado pelo Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), e 18,3%, sem essa alavanca. A demanda é ampla. Estudos apontam para um maior grau de exigência das pessoas em relação à sustentabilidade, às questões sanitárias e ao investimento científico. Tudo isso está relacionado ao seguro. Aprendemos, a duras penas, que a negligência com saneamento, água, floresta, lixo, pode custar muito caro, ceifar vidas. Como a tendência é de que catástrofes ambientais se repitam, a prevenção é prioridade. O desafio é falar de segurança em um cenário pós-pandêmico coalhado de desemprego e baixa renda.

No caso do Brasil, uma rápida olhada para trás, entretanto, evidencia que o novo coronavírus não inventou a crise, apenas agravou o quadro recessivo em andamento. O que a doença alterou, de fato, foi o conceito de risco. Hoje, ninguém quer ouvir o alerta popular sobre a impossibilidade de um raio cair duas vezes sobre a mesma cabeça, porque ficou provado que, sim, ele cai até mais vezes, uma vez que famílias ou patrimônios foram dizimados nesta tempestade.

A Covid-19 provocou o rastreamento consciente, qualificado e global, ao mesmo tempo, de cauções possíveis. Os seguros pessoais e empresariais protegem a vida e o patrimônio; as ações individuais e coletivas protegem o mundo. Essa conta só fecha com a participação dos governos na promoção do desenvolvimento e da igualdade social. Até 2018, por exemplo, 67% da população brasileira ganhavam menos do que dois salários mínimos por mês. A ideia da prevenção está diretamente relacionada à do desenvolvimento. O país precisa crescer para que mais gente tenha acesso a padrões mínimos de renda, alimentação, higiene, saúde e, na esteira, à proteção. A pandemia deu visibilidade a esses problemas seculares e que têm que ser resolvidos.

Alternativas estão sendo criadas, adaptadas ou flexibilizadas. Por exemplo, a cobertura intermitente, que pode ser bem-sucedida em apólices de automóveis, celulares e bicicletas, para citar alguns, tem perfil adequado para épocas de orçamentos menores. Mas é interessante notar que a pandemia recuperou a importância do seguro anual de automóveis. O carro se transformou em uma “cápsula móvel” de proteção. Em relação à residência, o isolamento social sacramentou uma mudança de comportamento que veio para ficar: o home office. Muitas moradias passarão a ser, em definitivo, ambiente de trabalho, e essa fusão pode significar economia. De seu lado, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) tem demonstrado estar comprometida a analisar as diferentes modalidades em esforço conjunto.

Mais do que nunca, o sentimento de fragilidade encontra conforto no “seguro emocional” – a fundamental sensação de acolhimento. O diálogo no pós-pandemia terá um foco central: estamos retomando as atividades, houve perdas nos negócios e como viabilizar a proteção à vida, à residência, à saúde, à empresa etc.? O seguro é parte preponderante do desenvolvimento civilizatório e o Brasil, enfim, absorve essa cultura. Esse é o futuro.

*Marcio Serôa de Araujo Coriolano é economista e Presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg)

MAG Finanças fecha parceria com a Contabilizei 636

MAG Finanças fecha parceria com a Contabilizei

Com isso, corretores contam com facilidades em serviço de contabilidade especializado

A MAG Finanças, fintech do grupo Mongeral Aegon, acaba de anunciar a parceria com a Contabilizei, o maior escritório de contabilidade do Brasil e especialista em corretores de seguros. Com este modelo criado, a MAG Finanças oferecerá aos Corretores de Seguros que tenham conta na instituição uma condição diferenciada para planos de contabilidade junto à plataforma de contabilidade online. Neste primeiro momento, o benefício é direcionado para os corretores que também são cadastrados para ofertar o portfólio da MAG Seguros.

“A partir desta parceria vamos permitir que os corretores de seguro tenham acesso a um serviço de contabilidade especializado e de muita qualidade junto à Contabilizei. Isto proporcionará ainda ao corretor uma grande economia, tendo em vista as vantagens dos planos oferecidos e o custo habitual deste tipo de serviço”, comenta Marcos Diniz, diretor da MAG Finanças.

A MAG Finanças garantirá um mês totalmente grátis ao corretor que aderir à parceria, que contará com planos de contabilidade completa a partir de R$ 89 ao mês. Além disso, vale destacar o serviço da Contabilizei de abertura de empresa já incluso no preço da mensalidade, bastando apenas que o corretor pessoa física pague as taxas para se tornar pessoa jurídica. Nota-se que ao se tornar um PJ o corretor adquire grandes vantagens, a principal delas é uma grande economia de na carga tributária paga no recebimento de seu comissionamento. Com a parceria com a Contabilizei o corretor poderá abrir sua empresa de maneira muito mais fácil e sem pagar pelo serviço de abertura.

“Vale ressaltar que já estamos trabalhando para que a MAG Finanças entregue, em breve, uma série de outros benefícios e serviços ao corretor de seguros, como indicadores financeiros que vão ajudá-lo no acompanhamento da sua carteira, provendo índices de liquidez e operacionais, tudo isso disponível em sua mão no APP e no Internet Banking que está sendo construído”, completa Diniz.

A MAG Finanças opera em plataformas digitais e com todos os seus processos dentro dos mais modernos e rigorosos sistemas de compliance e segurança do mercado para garantir aos clientes a solidez e a credibilidade necessárias para um trabalho de excelência e serviços de alta qualidade. A adesão é feita 100% online por meio do aplicativo MAG Finanças, disponível na App Store e Google Play, tanto para smartphones IOS como Android.