Setor de seguros contribuiu para que queda do PIB não fosse ainda maior 8028

Marcio Coriolano, presidente da CNseg, participou do CCS-RJ Connection 2020

O Brasil registrou uma assustadora queda de 9,7% no Produto Interno Bruto (PIB), no último trimestre. A boa notícia é que o mercado segurador foi responsável por contribuir para que a queda no setor de serviços não fosse ainda maior. Foi o que destacou o presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano, durante participação no Connection 2020, em entrevista ao repórter do JRS, William Anthony. O evento híbrido acontece até ás 21h da quarta-feira, dia 2, e foi organizado pelo Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) em parceria com a Educa Seguros.

“Todos que militam no mercado de seguros dizem que os atributos principais deste segmento são produção, emprego e renda. No caso dos seguros empresariais as empresas investem em proteção de acordo com sua capacidade de produção. No caso do emprego formal estão relacionados os seguros de vida corporativos e os planos de saúde, por exemplo. Quando se fala em renda ela impacta indistintamente em todos os ramos de seguros. Este é o combustível dos seguros massificados – como vida, previdência e automóvel”, exemplificou Coriolano ao lembrar da grave crise econômica que atingiu o Brasil entre os anos de 2015 e 2016. “A recessão deste período atingiu esses três aspectos. Diversos setores foram afetados e não foi diferente com o mercado de seguros, que começou a se recuperar em 2018 e registrou um crescimento de 12,2% em 2019”, completou.

Entretanto, o presidente da CNseg lembra que o mercado segurador sempre reage positivamente aos ciclos econômicos. “O setor rapidamente captura oportunidades e existem muitas possibilidades de crescimento no Brasil”, explicou.

O correspondente do JRS em São Paulo, William Anthony, e o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, durante a entrevista / Divulgação / CCS-RJ
O correspondente do JRS em São Paulo, William Anthony, e o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, durante a entrevista / Divulgação / CCS-RJ

Para Marcio Coriolano, a diferença deste momento atravessado pela sociedade é que a crise está diretamente ligada a questão de mobilidade. “As pessoas e mercadorias ficaram sem poder se locomover. Isso gerou a crise econômica. A resiliência, específica no setor de seguros, e sua capacidade de reação mostraram que o primeiro trimestre chegou a ser melhor em 2020 do que em 2019. O problema foi o segundo trimestre. Abril foi o período mais difícil, neste mês a queda foi na ordem de 22%, em comparação com o mesmo período do ano passado. O setor registrou uma breve recuperação em maio, impulsionada pelos planos PGBL e VGBL – que ficou em evidência por conta da queda da rentabilidade da poupança. Em junho o mercado já obteve crescimento”, analisou ao citar as reformas, inovação e demais questões regulatórias.

Durante o bate-papo, de aproximadamente 40 minutos, o especialista reiterou que os colaboradores da CNseg “não pararam de atuar em defesa e no amparo das associadas, grupos técnicos e programas educacionais”. “A Confederação reagiu da mesma forma que o mercado, que estava absolutamente preparado para isso de forma moderna e tecnologicamente avançada. Em uma semana estávamos com a maioria de nossos colaboradores em home office e isso aconteceu em todo o setor, dada existência dos Planos de Continuidade de Negócios – algo preconizado pelo órgão regulador. O home office possibilitou que a conexão com o segurado se desse em qualquer âmbito da atividade securitária”, resumiu.

Coriolano aproveitou o encontro com os corretores de seguros para destacar que estes profissionais integram duas metades de um mesmo propósito. “Existe quem formula e faz os produtos e quem os distribui. Essa é uma dupla permanente. Uma não existe sem a outra”. No final da entrevista, o convidado disse que o corretor tem o dever de capturar as oportunidades que surgem neste momento de incertezas. “É hora de ficar atento e saber o que cada segmento da população quer e precisa, saber aquilo que está acontecendo no mercado. A consultoria do corretor fica cada vez mais em evidência e o que faz diferença neste momento são capacidade e formação técnica. A vida é feita de desafios e competição. É isso que está em nossa Constituição. É isso que faz as coisas se desenvolverem e acontecerem”, finalizou.

Flix anuncia executivos para acelerar expansão 426

Flix anuncia executivos para acelerar expansão / Foto: ChutterSnap / Unsplash Images

Startup investirá nas áreas de tecnologia, marketing e pessoas para ampliar oferta em assistência e seguro residencial

A Flix, primeira seguradora 100% digital brasileira com foco exclusivo na venda de seguros e assistências residenciais, anuncia a chegada de quatro novas lideranças, além de estarem fortalecendo o time de parcerias. Os executivos terão a missão de reforçar a expansão da empresa nas áreas de tecnologia, marketing/growth e pessoas. A insurtech, que apresenta crescimento de 100%, pretende alcançar 200 mil clientes ativos até julho do próximo ano, apoiada na estratégia de oferecer um produto simples, de baixo custo e sem taxas extras por utilização, preenchendo uma importante lacuna do mercado brasileiro, em que cerca de 86% dos domicílios não possuem qualquer tipo de cobertura que proporcionem benefícios para o dia a dia das pessoas.

Para Felipe Barranco, CEO da Flix, a chegada de executivos experientes que acumulam passagens por diferentes players do mercado financeiro, segurador e de varejo, refletem a visão de inovação que a empresa trouxe ao mercado: “Nosso modelo de customização que combina assistências disponíveis, cobertura financeira e custo acessível transformam o seguro residencial em um investimento”, explica.

Fundada em outubro de 2020, a empresa já possui uma carteira com mais de 20 mil segurados ao oferecer uma solução sem carência, multas ou burocracia. Além da cobertura para pessoa física, a insurtech lançou recentemente a Flix2Business, uma plataforma B2B2C, com objetivo de oferecer uma nova frente para distribuição de produtos que tem como objetivo oferecer soluções de fidelização, recorrência e alta fidelidade a parceiros, clientes ou funcionários.

Confira a lista dos executivos que vêm somar ao time da Flix:

Edmundo Brown é o novo Head de Tecnologia da Flix

Edmundo Brown possui 25 anos de mercado e acumula experiência nas áreas de tecnologia da informação em Engenharia de Software, Infraestrutura, Segurança e Governança de TI/Dados. Teve passagens pelo Banco Real, Santander, e Citibank, sempre atuando em projetos de alta complexidade e transformação digital. Nos últimos cinco anos, atuou na área de negócios como head de dados e CRM no Banco Original.

Glauco Menon é o novo Head de Clientes da Flix

Glauco Menon tem larga vivência em negócios corporativos em diferentes ramos do mercado de seguridade, com experiência na gestão comercial de operações complexas e de grande porte. Atuou por quase sete anos como Gerente de Novos Negócios na MAPFRE e três anos no Grupo Segurador Banco do Brasil e MAPFRE, onde trabalhou como Consultor Interno de RH e também Coordenador de RH. O executivo possui em seu histórico profissional experiências nas áreas de T&D, Recursos Humanos e Consultoria Interna, além de ser especializado em operações estruturadas de afinidades, por meio de distribuição tradicional ou digital.

Ricardo Martins é o novo Chief Growth Officer da Flix

Com 15 anos de experiência em marketing, projetos baseados na web e performance digital, Ricardo Martins acumula passagens por grandes agências do mercado publicitário, onde atuou em projetos para marcas como Spotify, Fiat, Jeep, Sodexo, Itaú, Renault e Santander, entre outras. O executivo assume o cargo de CGO e será o responsável pelo desenvolvimento de estratégias focadas em branding e captação.

Daniele Lima é a nova Head de Pessoas e Cultura da Flix

Daniele Lima tem 14 anos de mercado e sólida experiência no mercado de seguros, tendo passado por MAPFRE, Banco do Brasil e Caixa Vida e Previdência. Na Flix será a responsável pela área de Pessoas e Cultura e pela expansão dos times de desenvolvimento, inteligência e produtos.

Erika Medici, da AXA no Brasil, recebe prêmio CEO Destaque 2021 418

Erika Medici é CEO da AXA no Brasil / Divulgação

Reconhecimento é promovido pela Associação Sou Segura

A CEO da AXA no Brasil, Erika Medici, recebeu o prêmio CEO Destaque 2021 da Associação Sou Segura em evento online na última quinta-feira, 02 de dezembro. A distinção reconhece líderes femininas do mercado segurador, que desenvolveram e implementaram mudanças reais pela equidade de gênero.

Para Erika, receber o prêmio é motivo de orgulho pelo reconhecimento profissional e pessoal. “Isso ratifica o trabalho que temos feito na AXA e todo o empenho do nosso Comitê de Diversidade e Inclusão e nossos grupos de afinidades. Ampliar as fronteiras da diversidade é um compromisso do Grupo AXA globalmente, que já demonstra avanços efetivos em relação à equidade de gênero”, reitera.

Este também é um compromisso pessoal da CEO. “Entendo que, por ocupar o meu cargo, minha responsabilidade é ainda maior – e desejo interferir positivamente no nosso ecossistema de seguros e avançar para além dele. Desejo ver nossos esforços se traduzindo em impacto!”, explica.

Atualmente, a AXA no Brasil conta com 34 mulheres ocupando cargos de liderança, o que representa 42% do quadro de colaboradores. Ainda, a seguradora desenvolve ações internas de desenvolvimento e capacitação profissional específicas para esse público, a fim de contribuir para a evolução de suas carreiras dentro da companhia.

Com alta adesão, Programa AceleraD’Or de Mentoria entra em fase decisiva 371

Bruno Iannuzzi é CEO da D'Or Consultoria e um dos mentores do Programa AceleraD’Or de Mentoria / Divulgação

Empresas interessadas em participar da iniciativa patrocinada pela D’Or Consultoria serão selecionadas até 13 de dezembro

Em fase decisiva para a escolha das 10 empresas participantes do projeto, o Programa AceleraD’Or de Mentoria, patrocinado pela D’Or Consultoria, teve repercussão positiva e contou com a inscrição dos mais variados perfis de empresas de diversas regiões do Brasil, totalizando 130 inscritos.

Alguns dos Estados que marcaram presença nesta fase de inscrição foram: Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outros.

O programa, que não teve qualquer custo de inscrição e nem para as empresas futuramente selecionadas, conta com um time de especialistas com mais de três décadas no setor e visa auxiliar empresas do mercado nos principais desafios de gestão.

Bruno Iannuzzi, CEO da D’Or Consultoria e um dos mentores do programa, ressalta a importância da iniciativa junto aos corretores. “Estamos muito satisfeitos com o número de interessados em participar do Programa AceleraD’Or de Mentoria e agradecemos todas as empresas que confiam na nossa expertise. Está no DNA da D’Or Consultoria promover o compartilhamento de conhecimento e experiências em um ambiente com profissionais multidisciplinares, auxiliando a alcançarem os objetivos individuais e corporativos de crescimento sustentável, com o compromisso de entrega, qualidade, superação de desafios e zelo pela excelência no que fazemos”.

As 10 empresas selecionadas terão, por três meses, o acompanhamento de especialistas que prestarão auxílio para o crescimento do negócio, em networking, exposição e visibilidade das corretoras mentoradas.

Próximas Etapas

O comitê responsável pela seleção dos participantes está avaliando criteriosamente os inscritos e tem a previsão de fechar os nomes dos 10 participantes até 13 de dezembro, para início da mentoria em 17 de janeiro de 2022.

A mentoria será on-line, mas, com o retorno presencial, haverá a possibilidade de que as corretoras participantes usufruam dos escritórios da D’Or Consultoria em sete capitais do Brasil e vivenciem de perto as oportunidades de negócio com os mentores/especialistas do programa.

5 dicas para evitar incêndios em casa nas festas de final de ano 203

Foto: Myriam Zilles / Unsplash Images

Excesso do consumo de álcool, no natal e ano novo, podem levar à distração na cozinha, além dos fogos de artifício e uso do álcool em gel no ambiente do cozimento

É difícil pensar, mas imprevistos podem acontecer dentro da nossa própria casa, por mais que nos sintamos seguros. Nosso lar pode passar por situações nada agradáveis, como furtos, roubos e até outros incidentes que trazem muito mais que prejuízo financeiro, sem falar do abalo psicológico e da insegurança tão comuns para pessoas vítimas desses acontecimentos. Mas é preciso entender que há como tentar evitá-los tomando alguns cuidados.

Uma das principais ocorrências de acidentes domésticos são incêndios. Eles acontecem devido a vários motivos e podem destruir boa parte dos bens materiais que estão na casa e a própria estrutura física do lar. A reação de cadeia que faz com que o fogo percorra pela casa inteira, destruindo tudo que encontra pela frente, é um das piores com fatores que colaboram com o alastramento do incêndio, e é por isso que se deve tomar muito cuidado.

A Touareg Seguros, corretora que atua em todo Brasil desde 2011, percebeu o aumento na contratação de seguros residenciais durante 2020, no endurecimento da pandemia. De acordo com as ocorrências registradas nos bombeiros, no estado de São Paulo: em março de 2019, foram registradas 2.560 ocorrências de incêndio em todo o Estado de São Paulo. No mesmo período deste ano foram 4.089. Nos primeiros 20 dias de abril, foram registradas 2.589 ocorrências do tipo no Estado contra 2.198 no mesmo período do ano passado – um acréscimo de 18%.

Os danos ocorridos por incêndio são grandes e, geralmente, muito caros de serem restituídos, afinal de contas não é nada barato reconstruir uma casa com danos estruturais. Devido ao fator econômico, muitas pessoas substituíram gás de cozinha por vapor de gasolina, medidas arriscadas e que acabam sendo mais uma das possibilidades de incêndio dentro de casa.

Por conta desses aumentos, André Costa, Diretor da rede Touareg Seguros, lista 5 dicas com as melhores maneiras de prevenir um incêndio em casa neste final de ano:

1 – Evite benjamim ou T

Também conhecido como o adaptador que é capaz de agrupar mais de um equipamento na mesma tomada, os benjamins ou Ts são um grande vilão dos incêndios domésticos. O problema é que, ao aumentar a potência de uma tomada, usando eletrodomésticos em um T, é perigoso. Muitas pessoas costumam colocar um benjamim conectado a outro, o que pode provocar uma queda de energia na casa inteira, superaquecimento ou um curto circuito.

Se esses eletrodomésticos recebem uma alta carga de energia, acabam esquentando o fio. E se as instalações elétricas forem antigas, há uma grande chance de pegar fogo, principalmente se um pano, madeira ou papel estiver próximo da tomada ou da fiação. Por isso, evite-os!

2 – Tenha cuidado na cozinha: atenção a ceia de final de ano e natal

Boa parte das ocorrências em incêndios envolvem panelas com óleo quente. Muita gente se distrai e deixam o óleo esquentar demais. Logo em seguida, jogam algum produto com água, como batatas, peixe, cebola, e causam incêndios. Isso acontece porque quando você joga água dentro da panela com óleo, por conta das substâncias não se misturarem, a água afunda e evapora imediatamente por conta da quentura, jogando pra cima partículas do óleo. E isso pode causar chamas de até dois metros de altura em cima do fogão.

3 – Atenção aos fogos de artifícios

Ao soltar fogos, além de ser prejudicial aos animais e crianças, poluição sonora e do ar, dentre outras consequências, a ação pode levar a incêndios de pequenas e grandes proporções. Por isso, o ideal é que, sobretudo nesta época festiva do ano, realize os fogos em local afastado das pessoas, em áreas abertas e sem fiação elétrica e árvores próximas. Ou não realize: que é o mais indicado.

Em casos de eventos pirotécnicos, a apresentação deve ser feita por profissionais.

4 – Contrate um seguro residencial antes de virar o ano

Com um seguro residencial completo você poderá ter o suporte necessário para reconstruir sua casa em caso de incêndio, por exemplo, podendo viajar com tranquilidade, sabendo que a sua casa estará protegida. Essa medida cobrirá possíveis incidentes como incêndios, vendaval, queda de raio, roubo, danos elétricos, desmoronamento, dentre outros.

Dependendo da empresa, essa contratação pode custar menos do que você imagina. Na Touareg Seguros, você poderá garantir um seguro abrangente, flexível e com uma assistência 24h, com atendimento de chaveiros, eletricistas, encanadores e tantos outros. Não hesite em buscar proteger seu lar e tudo aquilo que passou anos para construir.

5 – Atente-se ao uso de álcool

O álcool 70, retirado das prateleiras no início dos anos 2000 por conta do grande número de incêndios e acidentes, voltou porque é necessário para a assepsia contra o coronavírus. O grande cuidado é se atentar para esperar secar antes de fazer qualquer outra atividade com as mãos, principalmente as que envolvem o fogo, como cozinhar ou acender um cigarro.

O álcool em gel se torna ainda mais perigoso por ter uma combustão quase completa e sua chama ser praticamente invisível. Isso dificulta que as pessoas saibam quando ele está em combustão e acabam colocando outros objetos inflamáveis perto, como pano de prato ou um pedaço de madeira.

A Touareg Seguros está pronta para te receber e colocar tudo que conquistou e construiu em segurança. O imprevisto pode acontecer quando mesmo esperamos!

Pesquisa revela panorama das saúdes física, emocional e financeira dos brasileiros durante a pandemia 409

Pesquisa revela panorama das saúdes física, emocional e financeira dos brasileiros durante a pandemia / Divulgação

Levantamento inédito e com alcance nacional realizado pelo Instituto FSB Pesquisa a pedido da SulAmérica, mostra uma população preocupada com a Saúde Integral

O Instituto FSB Pesquisa realizou um levantamento exclusivo, a pedido da SulAmérica, para avaliar a saúde dos brasileiros na pandemia de Covid-19. O estudo foi realizado em setembro de 2021, com uma amostra de 2.010 entrevistas por abordagem online (de todas as regiões do país – nas 27 Unidades da Federação) e traz um panorama nacional inédito das saúdes física, emocional e financeira da população brasileira, ou seja, de sua Saúde Integral.

A pesquisa revela que o brasileiro está “mais apertado” por conta da pandemia de Covid-19. Segundo o levantamento, 6 em cada 10 brasileiros tiveram de reduzir gastos; 66% cortou despesas de casa porque o dinheiro estava curto; 57% diminuíram gastos com transporte e só 43% dos brasileiros poupa dinheiro quando sobra algo no final do mês.

Divulgação
Divulgação

Um outro dado sobre a saúde financeira dos brasileiros é que 56% dos entrevistados deixaram de planejar a compra ou reforma da casa e 46% acreditam que até o próximo ano devem retomar a uma situação de vida similar ao que tinham antes da pandemia. A pesquisa também mostra que a Geração X é a mais endividada: 42% dos adultos (entre 40-60 anos) pegaram empréstimo ou contraíram alguma dívida no último ano.

Divulgação
Divulgação

De acordo com o levantamento, a saúde financeira é a que mais preocupa os brasileiros. A pesquisa revela que 4 em cada 10 brasileiros estão mais preocupados com a saúde financeira do que com as saúdes física e emocional: 67% dos entrevistados dizem que pensam muito antes de gastar dinheiro; 48% dizem saber quando devem procurar orientação de como usar o seu dinheiro e 5 em cada 10 brasileiros já planejam o futuro financeiro.

Divulgação
Divulgação

6 em cada 10 brasileiros que fazem terapia começaram tratamento durante a pandemia

A pesquisa mostra que a saúde emocional da população brasileira está “na UTI” e deve ser tornar uma preocupação cada vez maior: 60% dos entrevistados que se consultam hoje com psicólogos começaram a fazer terapia depois do início da pandemia.

O levantamento confirma ainda que só 10% dos entrevistados afirmam que fazem consultas regulares com psicólogos. A Geração Y é a que mais se consulta, seguida da Geração Z. Para 53% dos brasileiros, a saúde emocional piorou com a pandemia: 53% relataram sentir ansiedade, 42%, alteração de humor e 41%, insônia.

Divulgação
Divulgação

64% da população brasileira diz estar acima do peso

De acordo com o levantamento realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, 6 em cada 10 brasileiros avaliam estar acima do peso e só 30% acreditam estar com o peso ideal. A pesquisa revela ainda que 70% dos entrevistados afirmam que realizar alguma atividade física é a principal forma de mudança para atingir o peso considerado ideal.

Para 54% dos entrevistados na pesquisa, a pandemia dificultou os cuidados com a saúde e o bem-estar: 46% dos brasileiros dizem que cuidam mais ou menos da alimentação; 53% afirmam que diminuíram os exercícios físicos por conta pandemia; 63% revelam ter baixa ou nenhuma frequência de atividades físicas e 55% afirmam que se exercitam com caminhadas.

Já no tempo livre, 56% dos brasileiros assistem à TV, enquanto 52% usam as redes sociais e 42% ficam em casa pra descansar. O estudo revela ainda que 88% da população brasileira tem o hábito de ir ao médico.

Segundo o Instituto FSB Pesquisa, no perfil médio da amostra da população no levantamento, a maioria é do público feminino, de classe C, em idades bem distribuídas, com média de 41 anos, e especialmente localizados na região sudeste do país.

A pesquisa de opinião quantitativa contou com amostra representativa dos brasileiros com acesso à internet no país com idade a partir de 18 anos, nas 27 Unidades da Federação (UFs). A margem de erro no total da amostra é de 2 pp, com intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas entre os dias 15 e 23 de setembro de 2021.