Troféu JRS 2020: Qual a corretora de seguros destaque do ano de 2020? 18169

Troféu JRS 2020: Qual a corretora de seguros destaque do ano de 2020?

Votação vai até às 23h59min do dia 23 de setembro no site do JRS

Chegou a hora do público eleger a Corretora de Seguros Destaque do Ano de 2020. A votação desta categoria do Troféu JRS 2020 vai até às 23h59min do dia 23 de setembro. Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de reconhecimento, que acontece em formato Drive-In, completamente adaptada às recomendações para evitar a disseminação do covid-19. O evento será realizado no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS).

Vote na etapa Corretora de Seguros (PF ou PJ) até às 23h59min do dia 23 de setembro:

A votação acontece no site do JRS e no hotsite do Troféu JRS. Nesta quarta terminou a escolha do Prestador de Serviços Destaque do Ano de 2020. Além da atual etapa, voltada à empresas que atuam no mercado de corretagem de seguros ou corretores Pessoas Físicas, também será eleita pelo público a Seguradora Destaque do Ano de 2020.

Faça campanha para sua empresa favorita

Abaixo disponibilizamos alguns itens para facilitar a criação de materiais para as redes sociais. Não esqueça de marcar @jrs.digital no Instagram!

Cronograma e regras:

  • Podem ser votadas seguradoras devidamente habilitadas pela Susep.
  • Podem ser votadas corretoras PF e PJ devidamente habilitadas pela Susep.
  • Podem ser votadas entidades, empresas e organizações prestadoras de serviços para o ecossistema de seguros.
  • Cada pessoa tem direito a um voto atrelado ao seu nome e e-mail.
  • Nomes e e-mails que estiverem duplicados, serão desconsiderados.
  • E-mails inválidos serão votos desconsiderados.
  • Data das etapas:
    Etapa Prestadoras de Serviço: de 20h do dia 13 de setembro às 23h59min do dia 16 de setembro.
    Etapa Corretoras de Seguros: de 20h do dia 17 de setembro às 23h59min do dia 23 de setembro.
    Etapa Seguradoras: de 20h do dia 24 de setembro às 12h do dia 27 de setembro.
  • Os vencedores serão convidados a participar da cerimônia de reconhecimento, no dia 27 de setembro, no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS). Será ofertado apenas um convite para um veículo com até 4 pessoas por vencedor. O promotor desta ação não arcará com custos de deslocamento e/ou hospedagem dos vencedores.
  • Serão divulgadas prévias diárias com o resultado das votações, através do Instagram do JRS, entre os dias 14 e 26 de setembro, por volta das 18h.

 

Ver essa foto no Instagram

 

🔥🔥🔥Qual a Corretora de Seguros Destaque do Ano de 2020? 🔥🔥🔥 . Chegou a hora do público eleger a Corretora de Seguros Destaque do Ano de 2020. A votação desta categoria do Troféu JRS 2020 começa nesta quinta (17) e vai até às 23h59min do dia 23 de setembro. Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de reconhecimento, que acontece em formato Drive-In, completamente adaptada às recomendações para evitar a disseminação do covid-19. O evento será realizado no Estacionamento 4 do Aeroporto Internacional de Porto Alegre (RS). . A votação acontece no site do JRS e no hotsite do Troféu JRS. Nesta quarta terminou a escolha do Prestador de Serviços Destaque do Ano de 2020. Além da atual etapa, voltada à empresas que atuam no mercado de corretagem de seguros ou corretores Pessoas Físicas, também será eleita pelo público a Seguradora Destaque do Ano de 2020. . Saiba mais em @jrs.digital ou nos links disponíveis na bio e nos stories! 🏆

Uma publicação compartilhada por JRS | Seguro Sem Mistério (@jrs.digital) em

Patrocinadores:

Entre os Patrocinadores Ouro estão Icatu Seguros, Rio Grande Seguros e Previdência, HDI Seguros, Mapfre, SulAmérica, Bradesco Seguros, MAG, Omint Saúde e Seguros, Fracel Corrretora de Seguros, Grupo Caburé Seguros, App Anjo, Grupo Life Brasil, Seguros Sura, Capemisa Seguradora e Agrifoglio Vianna Advogados Associados.
Patrocinadores Prata: Porto Seguro, União Seguradora, Grupo Aspecir, GBOEX, Neo Executiva Corretora de Seguros, ZL Brasil Corretora de Seguros, Caprice, ViverBem, Sancor e Caixa Seguradora.
Patrocinadores Bronze: MBM Seguro de Pessoas, SINDSEG RS, KSA Corretora de Seguros, Expermed e Solaris Corretora de Seguros.

Retomada de atividades externas pode gerar episódios de febre e diarreia em crianças 347

Retomada de atividades externas pode gerar episódios de febre e diarreia em crianças

Após período em isolamento social, a reposta do organismo à reinserção em novos ambientes deve ser acompanhada de perto por pais e responsáveis

Alguns meses se passaram desde que a pandemia da Covid-19 chegou ao Brasil, aumentando o receio das pessoas saírem de casa e contribuindo para o isolamento social. Aos poucos, algumas atividades rotineiras estão sendo retomadas, levando em consideração todas as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos de saúde1. A visita de locais abertos, como parques, e a retomada das aulas estão entre as principais ações discutidas nesta volta.

O retorno gradual às atividades do dia a dia é um fator importante para a saúde mental das crianças2. Um estudo conduzido pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em parceria com a Federação das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) indica que a quarentena gerou alterações de comportamentais em 88% das crianças brasileiras, tais como oscilações de humor, ansiedade, irritabilidade, depressão, tristeza, agressividade e aumento de apetite3. Mas, depois deste período em casa, os pais devem estar atentos a outro fator: a resposta do organismo infantil à reinserção ao ambiente externo.

“Uma criança que está há quase seis meses sem contato regular com o ambiente externo e o convívio social reduziu o seu contato com agentes, como bactérias, por exemplo, que movimentam a defesa natural do sistema imunológico4. Por isso, o retorno a essas atividades pode ser uma porta de entrada para cargas virais”, indica o pediatra Marcello Pedreira, Coordenador do Núcleo de Especialidades Pediátricas no Hospital Sírio-Libanês.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), febre, coriza e diarreia são os sintomas de quadros virais iniciais mais relatados pelos pais e comuns após o contágio por doenças como o rotavírus5, um dos agentes virais mais incidentes em grupos com menos de 5 anos no mundo, particularmente nos países em desenvolvimento6. “É comum que a família chegue ao consultório relatando que a criança está mais quieta, com dores na barriga e febre, sintomas clássicos de episódio virais ainda no início”, afirma o pediatra.

Preparação para o retorno

Ainda que brando os quadros virais, como gripes ou viroses gastrointestinais, podem reduzir a imunidade e facilitar a chegada de infecções bacterianas, principalmente quando o organismo está previamente debilitado ou suscetível. Por isso, de acordo com o especialista, é importante que os pais realizem uma preparação para a retomada. “Um longo período em casa pode trazer algumas mudanças de hábitos que influenciam diretamente no sistema imunológico dos pequenos. É importante neste momento promover uma mudança de hábitos na rotina para garantir um retorno mais seguro das crianças ao ambiente escolar ou atividades externas. Recomendo que os pais levem em consideração alguns passos” relata o especialista.

  • Dieta equilibrada: é possível que os novos hábitos adotados na quarentena tragam alterações à saúde das crianças e, na volta ao convívio social, é importante contribuir para o reforço do sistema imunológico por meio da alimentação. Isso porque o consumo excessivo de alimentos processados pode gerar uma deficiência de nutrientes, acarretando falta de disposição e enfraquecimento do sistema de defesa, além de elevar a suscetibilidade a diarreias e infecções e comprometer a maturação dos sistemas nervoso, visual, mental e intelectual7.
  • Uso de probióticos: alimentação deficiente, novos hábitos de rotina e a falta de exposição a bactérias da natureza podem provocar a mudança da microbiota intestinal8, isso é, o conjunto de microrganismos e bactérias benéficas que povoam o trato gastrointestinal e colaboram para a saúde do sistema digestivo9.  Essa mudança pode acarretar o desbalanceamento de toda a rotina intestinal, com episódios frequentes de diarreia ou constipação. Nessa situação, a suplementação com probióticos é uma aliada no equilíbrio da flora intestinal, fortalecendo sua defesa e de todo o organismo10.
  • Prática de exercícios físicos regulares: muitas horas em frente à televisão e o computador trazem impactos para a saúde. De acordo com o Barômetro COVID-19, a principal pesquisa da Kantar11, desde o início do isolamento consumo de televisão pelos brasileiros permanece em patamares acima dos anteriores à crise. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que crianças de um a quatro anos de idade devem estar ativas por pelo menos 180 minutos ao longo do dia12. A retomada de caminhadas e pedaladas são essenciais para o retorno à rotina e o controle do peso.
  • Um pouco de sol: A vitamina D deve estar presente na rotina das crianças para promover a fixação do cálcio, solidificando a estrutura óssea e contribuindo para o crescimento e regulação dos sistemas imunológico, cardiovascular e musculoesquelético13. Banhos de sol de no mínimo 15 minutos, antes das 10h e após às 16h, são importantes para o fortalecimento da saúde e bem estar.
  • Higiene como foco: orientar os pequenos para a higienização frequente das mãos com água e sabão é um dos pilares essenciais na prevenção de infecções decorrentes da transmissão cruzada de microrganismos multirresistentes14 e fundamental para o retorno ao mundo externo. Essa atitude pode reduzir em até 30% a contaminação por vírus e bactérias causadoras de viroses, que provocam o desiquilíbrio da microbiota intestinal, levando aos quadros de diarreia15.

Meu filho ficou doente, e agora?

Por conta do isolamento social, as crianças, principalmente aquelas em idade escolar, deixaram de estar expostas a fatores naturais do clima. Este comportamento ocasionou, inclusive, a queda em atendimentos pediátricos em diversas regiões do mundo 16,17.

Mas, com o retorno ao convívio social, quadros de febre ou mal-estar podem acontecer. A indicação inicial do especialista é manter a criança em casa e observar. “Isso evita a propagação do vírus e a piora de um quadro que, na maior parte das vezes, é simples. Caso não perceba uma melhora efetiva na criança em dois ou três dias, procure prontamente o médico ou serviço de saúde”, alerta Pedreira.

Após a orientação e prescrição mandatória do pediatra, é possível controlar os quadros virais simples com o uso de medicamentos analgésico e antitérmico, para a redução de temperatura, alívio de incômodos e dores 18, além de dieta controlada e descanso. Outro ponto essencial, seja para este momento de pandemia ou qualquer outro cenário, é isolar a criança das atividades regulares.

Referências:

  1. Conselhos sobre doença coronavírus (COVID-19) para o público. Organização Mundial de Saúde (OMS). Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public#:~:text=To%20protect%20yourself%20and%20others,sanitizers%20out%20of%20children’s%20reach.
  2. O retorno às aulas presenciais no contexto da pandemia da Covid-19. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2020/05/todos-pela-educacao.pdf
  3. Pediatras alertam para mudanças de comportamento infantil na pandemia. Sociedade Brasileira de Pediatria. Disponível em: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/em-pesquisa-inedita-pediatras-alertam-para-mudancas-de-comportamento-infantil-na-pandemia/
  4. O sistema imunológico (I): Conceitos gerais, adaptação ao exercício físico e implicações clínicas. Alfredo Córdova MartínezI; Melchor Alvarez-MonII. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86921999000300010
  5. Rotavírus (rotavirose): o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Ministério da Saúde. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/rotavirus#:~:text=O%20Rotav%C3%ADrus%20(v%C3%ADrus%20RNA%20da,particularmente%20nos%20pa%C3%ADses%20em%20desenvolvimento.
  6. Sazonalidade do rotavírus. Superintendência de vigilância em saúde de Goiás. Disponível em: https://www.saude.go.gov.br/images/imagens_migradas/upload/arquivos/2014-09/informe-tecnico-nr-4-de-2014-rotavirus.pdf
  7. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-05822015000200211&script=sci_arttext&tlng=pt
  8. Microbiota Intestinal: Você é o que você come. Instituto de Ciências Biomédicas – Universidade de São Paulo (USP). Disponível em: https://microbiologia.icb.usp.br/cultura-e-extensao/textos-de-divulgacao/bacteriologia/bacteriologia-medica/microbiota-intestinal-voce-e-o-que-voce-come/
  9. Microbiota intestinal: um novo órgão? PEBMED. Disponível em: https://pebmed.com.br/microbiota-intestinal-seria-um-novo-orgao/
  10. Enterogermina ® [folheto]. Origgio, IT. Importado e distribuído por Sanofi-Aventis Ltda. Disponível em: https://www.enterogermina.com.br/
  11. Os novos hábitos e seus impactos na jornada de compra e na mídia. Kantar (2020). Disponível em: https://br.kantar.com/mercado-e-pol%C3%ADtica/sa%C3%BAde-e-esporte/2020/thermometer-ed11/
  12. OMS divulga recomendações sobre uso de aparelhos eletrônicos por crianças de até 5 anos. Organização Mundial da Saúde. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-divulga-recomendacoes-sobre-uso-de-aparelhos-eletronicos-por-criancas-de-ate-5-anos/
  13. O sistema endocrinológico vitamina D. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302011000800010
  14. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 2009. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_servicos_saude_higienizacao_maos.pdf
  15. Lavagem das mãos para prevenir a diarreia. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18254044/
  16. Sabará faz alerta para sintomas que não podem esperar. Hospital Infantil Sabará. Disponível em: https://www.hospitalinfantilsabara.org.br/imprensa/sabara-faz-alerta-para-sintomas-que-nao-podem-esperar/
  17. Atraso no acesso ou prestação de cuidados na Itália devido ao medo do COVID-19. The Lancet. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lanchi/article/PIIS2352-4642(20)30108-5/fulltext
  18. Novalgina®. [Bula]. Disponível em: https://www.novalgina.com.br/sobre.html

Ademilar lança grupos de consórcio mais flexíveis 455

Ademilar lança grupos de consórcio mais flexíveis

Valores de crédito variados, lance fidelidade e parcelas reduzidas estão entre as novidades

Com o objetivo de atingir os mais diferentes públicos, a Ademilar Consórcio de Imóveis, que faz parte do Grupo Ademicon, criou dois novos grupos de consórcio. Os lançamentos apresentam faixas de crédito mais amplas, parcelas reduzidas de 70% e 85% e quatro tipos de lance, entre eles o inédito lance fidelidade. Uma das maneiras mais econômicas de se obter crédito, o consórcio pode ser utilizado para aquisição de imóveis novos ou usados, residenciais ou comerciais, no Brasil ou no exterior, além de reforma, construção e quitação de financiamento imobiliário.

O grupo 680 traz opções de créditos de R$ 100 mil a R$ 300 mil. Neste primeiro momento, serão liberados valores de até R$ 160 mil. “Essa variedade nos permite atingir um maior número de pessoas com projetos diferentes”, afirma Handerson Brito, gerente comercial da Ademilar. Outro atrativo é a nova oferta da parcela reduzida. Agora, além da opção de 70%, o cliente pode pagar um percentual de 85% do fundo comum até a contemplação – depois os valores são recalculados. “Se o cliente utilizar o consórcio como uma forma de investimento, a melhor opção é começar pagando um valor menor, com as parcelas reduzidas, que em nossos grupos novos representam apenas entre 0,32% a 0,37% ao mês do projeto. A parcela integral é uma boa escolha para quem quiser adquirir um imóvel para morar, por exemplo. Isso porque o saldo devedor após a contemplação ficará menor em comparação à parcela reduzida”, informa o gerente.

O novo grupo conta com quatro formas de lance e também várias formas de pagamento: livre (durante 12 meses com oferta máxima fixada em 140 parcelas), limitado (100 parcelas), fixo (60 parcelas) e o inédito lance fidelidade. “Essa novidade é destinada aos consorciados que estão há mais de 24 meses contribuindo com o grupo. Dessa forma, valorizamos os clientes fiéis e tornamos o lance mais justo e acessível a todos,” diz Brito. Com parcelas a partir de R$ 438,79, o grupo tem duração de 240 meses e comporta até 3.333 participantes, o que, com o tempo, refletirá em um grande volume de contemplações mensais.

Valores maiores de crédito

A Ademilar também lançou o grupo 690, que se destaca por oferecer valores maiores de crédito. Poderão ser contratadas cotas de R$ 210 mil a R$ 700 mil. “Esta é a maior faixa de créditos oferecida pela Ademilar”, complementa Brito. O grupo, que tem parcelas a partir de R$ 921,45, disponibilizará primeiramente os valores de R$ 245 mil, R$ 280 mil e R$ 315 mil com a mesma duração do 680, além de iguais formatos de lance. “Um dos grandes diferenciais do produto consórcio é que ele atende a muitos projetos de vida. Acreditamos que ao oferecer opções adicionais de benefícios e flexibilidades poderemos contribuir ainda mais para a realização dos consorciados”, encerra o gerente.

Uso massivo de dados no setor de seguros pode potencializar viés discriminatório e violar direitos individuais 891

Thiago Junqueira é sócio do escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim Advogados e professor do ICDS / Divulgação

Tese de doutorado do advogado Thiago Junqueira analisa o impacto da introdução da inteligência artificial em mecanismos decisórios, com foco no mercado de seguros

Com a promessa de oferecer uma precificação individualizada das apólices, as seguradoras estão expandindo o acesso a dados pessoais dos segurados, elevando o risco de violação da privacidade e da perpetuação de viés discriminatório nos processos decisórios. É o que afirma o advogado Thiago Junqueira, sócio do escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim Advogados e professor do ICDS, em seu livro Tratamento de Dados Pessoais e Discriminação Algorítmica nos Seguros, resultado de sua tese de doutorado defendida na UERJ e publicada pela Revista dos Tribunais.

O especialista analisa as transformações no mercado de seguros, com foco na expressiva adesão ao uso de dados e à inteligência artificial na estruturação do negócio. Em vez do “prêmio fixo”, determinado por cálculos atuariais antes da contratação, o valor da apólice está, cada vez mais, baseando-se no acompanhamento dos “riscos” do segurado, calculados e definidos por algoritmos.

Para seguros de automóveis, os produtos pay as you drive ou pay how you drive ( “pague conforme você usa” e “pague como você dirige”) tiveram forte crescimento no Brasil, especialmente no período da pandemia (de até 200%), ante o recuo nos contratos tradicionais (que chegou a alcançar o número de 60%). Para estes produtos, os smartphones têm servido como ferramentas poderosas para a captura de dados. Em ambas modalidades são inúmeros os benefícios, como produtos mais acessíveis e adequados ao perfil dos segurados, contudo, não podem ser menosprezados possíveis danos causados aos consumidores.

Embora o uso do Big Data e da Inteligência Artificial no setor de seguros traga muitos benefícios, inclusive para os consumidores e aponte para decisões mais consistentes e justas , prevenindo fraudes e outras condutas de má-fé dos segurados, o novo sistema não elimina a possibilidade de haver discriminação indireta (não intencional) a determinados perfis nos contratos. “O algoritmo aprende por repetição. Mesmo não sendo desenhado com a intenção de discriminar, ele reproduz preferencias sociais de forma racional e, se não forem tomadas salvaguardas, necessárias irá repetir e perpetuar formas de discriminação”, analisa o professor. “O uso de dados para a precificação dos seguros poderia levar ainda a uma devassa nas informações pessoais do segurado, colocando em xeque seu direito à privacidade, à igualdade, à liberdade de expressão, à liberdade de associação e à identidade pessoal”, alerta.

Em seu livro, Thiago Junqueira demonstra que o titular dos dados tem, na realidade, um controle apenas parcial sobre a fonte de informações utilizada para a tomada de decisão pelos seguradores. A permissão de acesso a dados, como a localização, por exemplo, leva o segurador a formar um perfil bastante sofisticado do segurado, que pode abranger o hábito de frequentar a academia de ginástica, comer em redes fast-food, ir constantemente a farmácias, tabacarias, bares ou casas noturnas, por exemplo. “Caso os seguros realmente marchem para um robusto tratamento de dados pessoais, a maioria das apólices passará a exigir amplo acesso aos dados dos segurados e consequências ainda não devidamente mapeadas poderão ocorrer”, afirma. De acordo com o professor, pode-se vislumbrar o potencial de expansão do uso de novos dados “comportamentais” coletados “indiretamente”, como as atividades on-line do proponente (buscas e compras em sites da internet e utilização de redes sociais), dados oriundos de wearables e telemetria (os aplicativos de celulares ou aparelhos que controlam desde os passos do indivíduo até a forma de direção do veículo), dados financeiros provenientes do uso de cartão de crédito, entre outros.

O que fazer

No mundo digital, os dados pessoais tornaram-se cruciais para as empresas direcionarem seus negócios e aumentarem os lucros. Em seu estudo, Junqueira alerta que uma parte considerável das empresas ainda descuida das implicações sociais e éticas que o uso destes dados pode gerar. A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, embora oferecendo instrumentos capazes de contribuir para o combate à discriminação, mostra-se, em geral, insuficiente, sobretudo no que se refere ao problema da discriminação indireta.

O advogado, contudo, aponta que as possibilidades de controle na inteligência artificial são expressivas. “As empresas podem auditar os resultados de seus algoritmos. E quem foi alvo de uma discriminação também tem direito a uma explicação sobre a decisão automatizada”. Para o professor, no entanto, é mandatória uma mudança cultural e regulatória no país: “A indiferença para a realidade social e os riscos envoltos na tomada de decisões automatizadas devem ser rapidamente alterados. É preciso haver um treinamento de ética e um investimento em diversidade nas seguradoras”, conclui.

Jovens até 30 anos foram os que mais abriram empresas no isolamento 468

Jovens até 30 anos foram os que mais abriram empresas no isolamento

Maior número de aberturas foi verificado nos segmentos de alojamento e alimentação

Levantamento da Serasa Experian mostra que de janeiro a agosto deste ano foram abertas 2.195.945 empresas no Brasil e, desse total, os jovens entre 19 e 30 anos foram responsáveis por 35% das novas instituições. Na comparação com o mesmo período de 2019, o crescimento foi puxado pela faixa entre 31 e 40 anos, com 33% do total de 2.216.426 novas empresas. Veja os dados na íntegra abaixo:

Divulgação
Divulgação

Para o economista da Serasa Experian Luiz Rabi, os números mostram que os jovens estão cada vez mais dispostos a investir em um negócio próprio. “Hoje, o jovem tem mais disposição para desafios e está menos disposto a se manter em um emprego que não tenha a ver com o que ele acredita. Além disso, o mercado formal de trabalho também está difícil para os jovens, que acabam indo para o empreendedorismo”, avalia.

As maiores quedas na abertura de empresas foram verificadas em abril e maio, com recuos de 30,03% e 21,66%, respectivamente. O mês de agosto apresentou leve declínio, de 0,7%. Em todos os outros meses houve crescimento nas aberturas de empresas na comparação com 2019.

“Essa queda em abril e maio já era esperada, uma vez que estávamos no começo do isolamento social e as incertezas eram muito grandes. Passado o susto inicial, as pessoas retomaram seus planos de ter o próprio negócio. Garantir a abertura de um negócio foi a alternativa de muitos empreendedores não só para ter uma renda, mas também para aproveitar as oportunidades que surgem nas crises”, pondera.

Quando considerado o Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), os setores de alojamento e alimentação apresentaram as maiores altas, puxado por mulheres empreendedoras. Confira abaixo a participação dos segmentos:

Divulgação
Divulgação

O levantamento mostra, ainda, que o estado de São Paulo continua liderando as aberturas, com 28,8% do total, seguido de Minas Gerais, 11%, Paraná, 7%, Rio Grande do Sul, 5,8% e Santa Catarina, 4,9%.

C6 Bank lança ação ‘Acelerou, Ganhou’ com pontos turbinados para quem bater meta de gastos 475

C6 Bank passa a oferecer até seis cartões adicionais isentos de anuidade

Compras no cartão de crédito podem render até 1.200 pontos extras para quem tem cartão C6 e até 3,5 pontos por dólar gasto para quem tem cartão C6 Carbon

O C6 Bank acaba de lançar a campanha “Acelerou, Ganhou” para os usuários dos cartões de crédito C6 e C6 Carbon (variante Mastercard Black). Na ação, clientes do C6 Bank recebem metas de gastos e, ao atingi-las, ganham pontuação extra no Programa de Pontos Átomos, programa de fidelidade do banco no qual o usuário pode trocar pontos por passagens aéreas e mais de 40 mil produtos e serviços.

Quem tem cartão C6, a modalidade isenta de anuidade do banco, pode ganhar até 1.200 pontos. Já a pontuação do cliente que tem C6 Carbon pode subir de 2,5 pontos para até 3,5 pontos para cada dólar gasto. A bonificação está atrelada ao aumento do gasto na função crédito do cartão. As metas, que são individuais, serão enviadas por e-mail a uma base de clientes selecionada pelo banco.

A ação é válida até 31 de outubro de 2020. O cliente tem até essa data para alcançar as metas recebidas e ter seus pontos Átomos turbinados. O participante precisa possuir e ser o titular de uma conta no C6 Bank aberta, válida e funcional por, no mínimo, um mês. Apenas os clientes que receberem a notificação por e-mail diretamente do C6 Bank terão direito a participar da iniciativa, conforme o regulamento.

No Programa de Pontos Átomos, destinado aos usuários dos cartões C6 e C6 Carbon, os pontos acumulados não expiram e não é preciso esperar a fatura fechar para ter os pontos registrados. É possível trocar pontos Átomos por serviços e produtos de mais de 20 categorias, como passagens aéreas, eletroeletrônicos, artigos para casa e home office, alimentos e bebidas, brinquedos, cruzeiros e salão de beleza. O resgate é feito na loja do programa, a C6 Store, que fica dentro do app C6 Bank.

O programa oferece ainda cashback. O usuário pode trocar os pontos por saldo em reais na conta, sem limite de resgates diários ou de valor trocado.

O cartão C6 tem anuidade gratuita. Já a anuidade do C6 Carbon, de 12 vezes de R$ 85, pode ser zerada conforme os gastos mensais do cliente ou o total investido em CDBs do banco. Usuários do C6 Carbon também são isentos da mensalidade de R$ 30 do RappiPrime por 12 meses e podem usufruir de todas as vantagens do clube de benefícios da Rappi.

As condições da campanha “Acelerou, Ganhou” estão expressas em regulamento. O banco pode prorrogar o período da ação.