O risco de falhas profissionais com a retomada das obras de infraestrutura 615

O risco de falhas profissionais com a retomada das obras de infraestrutura

Confira artigo de Breno Nardy, head de Financial Lines da Austral Seguradora

O cenário de pandemia freou a expectativa de melhora econômica do país em 2020, mas os próximos anos devem trazer investimentos em diversos setores de infraestrutura. Seja em portos, aeroportos, rodovias ou ferrovias, seja em energia, saneamento ou telecomunicações, muitas obras são necessárias para o avanço nacional. Quando se fala em obra, alguns produtos de seguros vêm à mente de corretores e segurados: Riscos de Engenharia e Responsabilidade Civil em Obras. Contudo, tão importante quanto os dois produtos citados é o seguro de Responsabilidade Civil Profissional de Engenheiros, especialmente em um momento em que o país aguarda ansiosamente a retomada de sua economia e a alavancagem de projetos de infraestrutura.

Com os avanços em marcos regulatórios, como o do saneamento, de energia elétrica e de telecomunicações, que vão ampliar a demanda por obras de engenharia, a expectativa do governo federal é de que a infraestrutura seja a protagonista dessa retomada. A União calcula algo em torno de R﹩ 250 bilhões em contratos até o final de 2022 e pelo menos cem leilões de concessões. Com isso, o tema da proteção ganha corpo outra vez e o mercado de seguros encontra oportunidades a serem aproveitadas.

O seguro de Riscos de Engenharia tem função semelhante à do seguro Patrimonial no canteiro de obras. Seu objetivo principal é garantir que o proprietário da obra mantenha seu patrimônio protegido contra imprevistos, desde os equipamentos até a construção em si. Já o seguro de Responsabilidade Civil Geral (RCG) em Obras tem como objetivo indenizar terceiros em função de acidentes que possam ser causados durante a obra. Já com o seguro de Responsabilidade Civil Profissional (RCP), também conhecido como seguro de Erros e Omissões (E&O), o segurado, seja ele engenheiro profissional liberal ou um escritório de engenharia em personalidade jurídica, estará protegido contra os danos que possa vir a causar a terceiros, em função de eventuais falhas profissionais.

Não importa o quão capacitado seja o engenheiro ou quão sofisticados sejam seus equipamentos, todo ser humano está sujeito a erros. Ou pior, todo profissional está sujeito a ser processado por supostos erros sob sua responsabilidade. E cada engenheiro sabe a culpabilidade que sua assinatura em uma ART pode trazer. Podem-se usar tantos coeficientes de segurança quanto forem necessários, que sempre existirá a possibilidade de uma execução incorreta, de uma supervisão negligente, de um material inadequado, entre outros.

O seguro de Engenharia se encerra com a entrega da obra. Qualquer dano que não tenha sido constatado durante a vigência da apólice ficará sem cobertura. Já o seguro de RCP para Engenheiros poderá oferecer cobertura para o dano identificado em período posterior, uma vez que seu gatilho é a falha profissional, não um acidente durante as obras. Muitos dos problemas somente serão descobertos algum tempo após a entrega do empreendimento, como por exemplo o desabamento da ciclovia Tim Maia ou o recente vazamento em barragem do Eixo Norte da transposição do Rio São Francisco. Nesse momento, a apólice de Engenharia não estará mais vigente, enquanto a de E&O poderá estar.

Apesar de erros de projeto serem a cobertura mais disseminada do RCP para Engenheiros e Arquitetos, há apólices que oferecem cobertura também para erro de execução. Nesse sentido, é importante comentar sobre a existência da extensão de cobertura para subcontratados, de forma que o erro sob responsabilidade do segurado poderá ser coberto mesmo que não tenha sido diretamente cometido por ele. Cobertura para a responsabilidade do segurado em Joint Ventures também permite que a seguradora cubra prejuízos sob responsabilidade do segurado, mesmo que indiretamente causados.

Um dos pontos mais importantes da apólice de E&O é o adiantamento dos custos de defesa. O seguro permite que o segurado contrate advogados para sua defesa e, não havendo algum impeditivo para a cobertura, a seguradora paga antecipadamente os honorários advocatícios. Tais custos costumam ser elevados, muitas vezes sendo a principal preocupação dos contratantes do RCP.

As contratações do seguro podem ser feitas em apólices anuais e renováveis abrangendo todos os projetos sob responsabilidade do segurado ou de maneira pontual, com uma apólice por projeto específico. É possível que o proprietário da obra exija uma apólice de RCP para seu projeto especificamente, mesmo que já exista uma apólice abrangendo todos os projetos elaborados e executados pelo segurado. Isso acontece porque o limite de responsabilidade da apólice específica apenas poderá ser utilizado por aquela obra, não sendo, portanto, consumido por eventualidades em outras localidades.

Caso a perspectiva de crescimento no número de obras necessárias para o desenvolvimento nacional se concretize, surgirão oportunidades para a contratação do seguro de Responsabilidade Civil Profissional de Engenheiros. Dessa forma, não apenas os acidentes costumeiramente cobertos nas apólices de RCG e Engenharia poderão encontrar amparo no mercado segurador, mas também as chamadas falhas profissionais poderão ter a devida cobertura.

Como o conceito muVUCA, desafia líderes e gestores diante da diversidade? 510

Marcelo Trevisani é Chief Marketing Officer da IBM / Reprodução

Confira artigo de Marcelo Trevisani, Chief Marketing Officer da IBM

“A modernidade imediata é “leve”, “líquida” e “fluida” é infinitamente mais dinâmica do que a modernidade “sólida” que suplantou. A passagem de uma a outra acarretou profundas mudanças em todos os aspectos da vida humana” – o trecho é parte da obra de Zygmunt Bauman, que esclarece como se deu essa transição, compondo uma análise brilhante e profunda sobre as condições sociais e políticas, que nos leva a repensar com urgência os conceitos e esquemas cognitivos aplicados na experiência individual humana e sua história conjunta.

Esta “modernidade líquida” pode ser traduzida no conceito VUCA – empregado na década de 90 pelo U.S Army War College (Colégio de Guerra do Exército dos Estados Unidos)-, para explicar o mundo no cenário pós-Guerra Fria. O acrônimo das palavras em inglês Volatility, Uncertainty, Complexes e Ambiguity (em português: Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade, respectivamente) se faz presente ainda hoje em um ambiente altamente crítico e que nos desafia a nos tornarmos melhores líderes e gestores.

Particularmente, brinco e chamo esse conceito de “MUVUCA”, tudo junto e misturado. No entanto, compreender cada um destes termos e saber interpretar como eles se aplicam no universo corporativo é extremamente importante para que as empresas definam estratégias capazes de minimizar os efeitos do mundo VUCA. Entre eles, podemos destacar como principal: a dificuldade de elaborar um planejamento diante das constantes mudanças do mercado.

Dificuldades de expansão diante de cenários complexos

Organizações tradicionais podem prosperar mesmo diante de questões aparentemente desfavoráveis para o seu crescimento, mas podem enfrentar obstáculos em diferentes situações, como:

  • Manter a relevância ao ter que enfrentar o surgimento de novos modelos de negócios ou de uma concorrência;
  • Introduzir um novo produto ou serviço no mercado, considerando incertezas de receptividade por parte do consumidor;
  • Expandir a atuação da empresa em ambientes complexos, como em países com questões políticas e econômicas desfavoráveis;
  • E, por fim, conceber um novo modelo de negócio ou lançar a marca em um mercado emergente.

Não há escolha: ou você se reinventa ou será engolido

Para viver e enfrentar os desafios desse mundo complexo é fundamental adotar a diversidade multi-perspectivas. São esses aprendizados que levarão à resolução dos problemas. Trata-se de um conjunto de verdades, de conhecimentos e pontos de vistas, que, quando combinados, ou interrelacionados nos torna mais preparados para gerar algo novo e capaz de solucionar questões críticas desse mundo “MUVUCA” que, na verdade, é líquido.

Nenhum indivíduo detém todo o conhecimento, seja na sociedade ou em uma organização. Vivemos o modelo cartesiano de pensamentos fracionados, segmentados e departamentalizados – no mundo corporativo, o que chamamos de “silos”. Não há conversas ou interatividade. Entretanto, é fundamental que haja a troca, compartilhamento de experiências e informações, visando a construção de novo saber. Mas como?

Precisamos despertar a consciência para esse tema. É no diálogo que identificamos essa capacidade de construir. Uma conversa na qual possa abrir mão, muitas vezes, dos próprios conhecimentos e genuinamente entender o outro. Ter empatia pela outra pessoa é perceber que o conhecimento dela pode transformá-lo.

Empresas, seus líderes e gestores precisam estar abertos isso, pois é por meio dela que comprovamos a soma de saberes, nos possibilitando ir além do que já fomos. Não existe mais a figura do gênio solitário (professor, chefe). Aliás, a solidão de um líder, muitas vezes é provocada por ele mesmo quando não é capaz de criar um ambiente colaborativo, que estimule o compartilhamento e a interação. Como disse o futurista Alvin Toffler “Os analfabetos do futuro não serão aqueles que não sabem ler e escrever, mas aqueles que não sabem aprender, desaprender e reaprender”.

Seguro Rural como ferramenta para gerenciar risco do setor cafeeiro é destaque na SIC 690

Seguro Rural como ferramenta para gerenciar risco do setor cafeeiro é destaque na SIC

Durante o principal evento do mercado de café do Brasil, o especialista Glaucio Toyama explica como produtores e empresários podem minimizar riscos garantindo a eficiência operacional

Da preparação do solo à distribuição, a produção do café possui etapas que precisam ser estrategicamente pensadas para a minimização dos riscos. Foi destacando todo o ciclo do café, que o diretor de seguros da Swiss Re, Gláucio Toyama iniciou sua apresentação sobre a importância do seguro rural no dia 18 de novembro, durante a Semana Internacional do Café. De acordo com ele, o setor precisa evoluir na cultura do seguro e entender que o investimento é de extrema importância para o desenvolvimento do mercado cafeeiro e não enxergá-lo apenas como custo.

O especialista também pontuou que o setor cafeeiro apresenta grandes desafios, já que os produtores precisam ter eficiência operacional e produtiva, bom manejo de pragas e doenças e ainda são reféns de eventos climáticos. “Para dar acessibilidade ao seguro é preciso evoluir no entendimento do cenário e na maior capacitação para que seja analisado o melhor tipo de serviço para cada situação e região, ou seja, construir ofertas personalizadas pautadas em dados e informações reais do produtor”.

Toyama ressaltou que a cultura do seguro rural no Brasil está em crescimento, mas ainda tem um longo caminho para evolução. “Todo projeto nasce com uma expectativa clara de sucesso e o mercado de seguros pode sim, contribuir muito para o desenvolvimento do mercado cafeeiro no país. Nosso desafio permanente é sensibilizar os produtores, ajudando-os a gerar uma cultura de uso do serviço, oferecendo produtos aderentes e conseguindo precificar isso, como se fosse um seguro de automóvel”, finalizou.

Serviço

Semana Internacional do Café 2020 – 100% Digital #conectadospelocafé
De 18 a 20 de novembro.
Cadastro gratuito: neste endereço.

Fuga de motoristas triplica risco de morte em acidentes 510

Fuga de motoristas triplica risco de morte em acidentes

Próximo ao Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito, levantamento do Governo de São Paulo mostra que houve evasão do condutor em mais de 4 mil ocorrências

Levantamento do Respeito à Vida, programa da Secretaria de Governo do Estado de São Paulo coordenado pelo Detran.SP, mostra que o risco de morte em acidentes de trânsito triplica quando há fuga do condutor. A análise contempla dados do Infosiga SP de janeiro a setembro deste ano e aponta 4,1 mil ocorrências com esse perfil, vitimando 331 pessoas, principalmente pedestres. No próximo dia 15, será lembrado o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito.

O levantamento do programa Respeito à Vida analisa a letalidade das ocorrências a partir da relação entre acidentes e fatalidades. Em vias urbanas, as estatísticas do Infosiga SP apontam que há 57,8 acidentes para cada óbito. Já nas ocorrências com fuga do condutor, a relação passa para 18,9 acidentes para cada óbito. Ou seja, a incidência de óbito é 3,1 vezes maior quando há evasão do local. A situação é semelhante nas rodovias. A relação passa de 12,3 para 3,6 acidentes por óbito quando há fuga do condutor, índice 3,4 vezes maior.

“O principal risco desse tipo de atitude é a omissão de socorro, que reduz a possibilidade de sobrevivência das vítimas”, explica o diretor-presidente do Detran.SP, Ernesto Mascellani Neto. “O levantamento traz luz a um problema real de nossas ruas e rodovias. É preciso mudar esse tipo de comportamento, sermos mais prudentes e responsáveis no trânsito”.

Letalidade dos acidentes
Estado de SP

Divulgação
Divulgação

Cerca de 85% dos acidentes com abandono do local pelos condutores ocorreram em vias urbanas, que também abrigam a maior parte das fatalidades (54%). Em 64% dos casos, os acidentes foram no período noturno. Os tipos de acidente mais comuns são os atropelamentos e as colisões traseiras (26% cada).

Segundo o levantamento, entre janeiro e setembro deste ano, houve 4.152 ocorrências com fuga do condutor. Também foi identificado que acidentes com este perfil culminaram na morte de 331 pessoas. Dessas vítimas, 47% eram pedestres, seguidas por motociclistas (32%), ocupantes de automóveis (13%) e ciclistas (8%). O estudo tem como base os boletins de ocorrência que compõem as estatísticas do Infosiga SP.

Meio de transporte das vítimas fatais
Estado de SP – Ocorrências com fuga do condutor

Divulgação
Divulgação

Perfil dos acidentes
Estado de SP – Ocorrências com fuga do condutor

Divulgação
Divulgação

Penalidades

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a fuga do local do acidente é considerada uma infração passível de multa e de até seis meses de detenção. Caso haja feridos, também pode se configurar a omissão de socorro, elevando a possibilidade de detenção para um ano.

“Aproximadamente 94% dos acidentes acontecem por falha humana. Dessa forma, o condutor deve sempre adotar procedimentos e ter iniciativas que evitem o acidente de trânsito. Caso aconteça, o motorista não deve fugir às suas responsabilidades, sendo a mais importante providenciar o imediato socorro à pessoa ferida. Lembrando que o CTB não é omisso nesse aspecto, prevendo, conforme o caso, além da multa, a pena de detenção”, afirma o comandante do Comando de Policiamento de Trânsito do Estado, Coronel Alexander Gomes Bento.

A omissão de socorro é um problema real quando se tem como referência a chamada “hora de ouro”. O conceito, adotado por especialistas no atendimento a vítimas de acidentes, vem de estudos sobre traumas e leva em conta a relação direta entre o tempo de salvamento e a chance de sobrevivência.

“Cada minuto conta. Acionar imediatamente o serviço de socorro é primordial para o devido atendimento médico. Em geral, a estimativa é de que a chance de sobrevivência cai em 10% a cada hora”, destaca Júlia Greve, professora do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da USP.

Canais de emergência

Em caso de acidente, é importante saber quais são os canais de atendimento para solicitar o socorro. Em vias urbanas, o cidadão pode ligar para o 190 (Polícia Militar) e 193 (Corpo de Bombeiros). Há ainda a opção do 192 (SAMU).

Já nas rodovias, podem ser acionadas as equipes de emergência do DER (0800 055 55 10), Polícia Militar Rodoviária (11 3327-2727) e Artesp (0800 727 83 77). Rodovias operadas pelas concessionárias também possuem canais próprios para atendimento médico e mecânico em pista.

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito

Instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas, o terceiro domingo de novembro marca o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito. Este ano, a data será lembrada em 15 de novembro. O objetivo é promover uma reflexão sobre a segurança no trânsito, que mata 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo. No Brasil, são mais de 35 mil fatalidades por ano, a segunda causa externa de morte.

CEO do CIEE defende programa efetivo de geração de emprego para jovens 566

Humberto Casagrande é CEO do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) / Reprodução/CIEE

Confira artigo de Humberto Casagrande, CEO do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE)

Um dos assuntos mais debatidos e comentados do momento tem sido sobre o dispositivo que irá prorrogar, até o final de 2021, a desoneração da folha de pagamento de empresas de 17 setores da economia e que, atualmente, empregam mais de 6 milhões de pessoas nas áreas de call center, comunicação, tecnologia da informação, transporte, construção civil, têxtil, entre outras.

Novamente, o País curva-se diante de um tema com propósito paliativo, que terá data marcada para terminar e que não resolverá os graves e permanentes problemas da geração de emprego e renda da população, que, inclusive, se agravaram nos últimos meses com a pandemia da Covid-19. Mais do que nunca, é preciso reconhecer que falta ao País um projeto estruturado de geração de emprego e renda, que, neste momento, também passa pela retomada da economia, que contemple tanto o lado empresarial para a criação de postos de trabalho – aí incluídas iniciativas do poder público e da iniciativa privada – quanto dos interesses da população economicamente ativa. Mas para isso acontecer, há problemas de fundo para serem resolvidos, como a questão fiscal, visando o equilíbrio das relações contratuais nas empresas, e a geração de uma poupança de longo prazo, pois sem investimento, não teremos perspectivas econômicas promissoras para o Brasil.

Enquanto dirigente de uma entidade – com mais de cinco décadas de existência – que zela pela qualificação e colocação no mercado de trabalho de jovens, não podemos nos conformar com os assustadores dados que a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, com série histórica desde 2012, apontou com relação à empregabilidade dos jovens: a diferença da taxa de desemprego na faixa etária de 18 aos 24 anos e da média dos brasileiros ativos atingiu 16,4 pontos percentuais no segundo trimestre deste ano, que representa uma distância que nunca havia sido registrada antes entre os dois indicadores.

O triste número mostra que, embora o desemprego tenha aumentado para todos entre abril e junho, para a faixa etária de 18 a 24 anos ele atingiu 29,7%, contra 13,3% para a média da população ativa. Nenhum grupo dentro da pesquisa — nas divisões por idade, escolaridade e gênero — foi mais afetado do que esses jovens, cuja taxa de atividade no mercado de trabalho despencou quase nove pontos percentuais, de 68,8% para 59,9%.

Aliado a este problema da falta de emprego, o Brasil também está diante de outra grave situação: a evasão escolar. Se antes da pandemia o País já vinha enfrentando este cenário, agora, o problema pode se transformar numa grave crise socioeducacional e que poderá ser irreversível para o futuro dos nossos jovens se nada for feito a curtíssimo prazo.

Em todos esses meses, a entidade se mobilizou para propor mecanismos que auxiliassem o poder público a encontrar soluções para a geração de emprego. Foi o caso, por exemplo, da proposta de Medida Provisória, encaminhada ao Ministério da Economia, que prevê a abertura de até 400 mil vagas para aprendizes no Brasil e que, por meio de uma petição online, reuniu milhares de assinaturas pelo País. Baseada na Lei de Aprendizagem, a proposta do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) sugere que o governo auxilie no pagamento dos salários dos aprendizes em pequenas e médias empresas.

O investimento público proposto seria de 6 bilhões de reais, ou 0,5% do orçamento do Governo Federal destinado à sociedade em resposta à pandemia da Covid-19. Segundo levantamento do CIEE, o custo de um aprendiz para uma empresa é de 30 mil reais em um contrato de dois anos. Ao menos 400 mil vagas seriam viabilizadas com o auxílio do governo. Vale lembrar que, segundo uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), encomendada pela entidade, o impacto direto e indireto dos aprendizes na economia é de R$ 5,6 bilhões anuais. Entretanto, a proposta não teve a merecida atenção por parte do Governo Federal e continua parada, aguardando análise, o que preocupa muito diante do cenário atual.

Ressalto que considero importante iniciativas cujo o objetivo seja preservar os empregos – como a manutenção da desoneração da folha de pagamento –, mas também reforço que o País necessita implementar políticas de geração de emprego e renda, além de políticas educacionais, que sejam efetivas e transformadoras, para mudarmos, definitivamente, o quadro desta geração de jovens, como garantia de um futuro promissor para a nação.

Não “desligue” sua proteção 533

Não "desligue" sua proteção

Confira artigo de Antonio Carlos Costa, presidente do Sindicato das Seguradoras RJ/ES

Amparadas na circular 592 da Superintendência de Seguros Privados (Susep), algumas seguradoras e insurtechs vêm lançando opções de coberturas on demand. São os chamados seguros intermitentes. Trata-se da modalidade pay per use (“pague pelo uso”, em tradução livre). Essa nova modalidade de contratação tem recebido forte apoio da mídia em 2020 aqui no Brasil. Com a tecnologia e a sociedade mudando de forma acelerada, novas ofertas de valor agradam os consumidores e despertam o interesse de novos operadores inseridos nesse novo e surpreendente mundo digital.

Vários aspectos ainda precisam ser discutidos pelo lado dos operadores do setor de seguros. Conseguiremos escalar números significativos de vendas nessa modalidade? Teremos operações sustentáveis considerando a redução de preços médios vis a vis o aumento de perfis de risco agravados na carteira de contratos da seguradora? Teremos faturamento e resultados suficientes para sustentar um significativo aumento em despesas de marketing, especialmente em publicidade, para tornar essa modalidade conhecida e compreendida pela sociedade?

Minha preocupação, sob a ótica do consumidor, reside na comunicação e compreensão. Será que estamos levando aos consumidores a mensagem certa? Ligar e desligar sua proteção requer esclarecimentos importantes. O consumidor precisa entender que seu ativo está sujeito a diversos riscos 24h por dia. Vamos pensar no automóvel. Desligar a proteção do seguro do seu carro ao chegar em casa requer a compreensão de que ainda existem riscos e que passam a ser assumidos pelo segurado. Poderia citar aqui uma infinidade de possibilidades, mas vou lembrar uma ocorrência que foi impactante e não rara. Em julho de 2016, a área de lazer de um condomínio de luxo na cidade de Vitória desabou causando a morte do porteiro e danos a aproximadamente 300 veículos que estavam estacionados na garagem do prédio. A grande maioria desses veículos sofreu perda total e aqueles moradores que tinham seguro de automóvel puderam reparar de imediato seus prejuízos. Já os moradores sem seguro tiveram que esperar o fim do inquérito policial para buscar seu ressarcimento junto aos causadores do dano. Citei este caso para exemplificar que o seguro de automóvel não se restringe a colisões e/ou roubo e furto enquanto o veículo está em uso.

Outra preocupação diz respeito ao gerenciamento do risco. O consumidor precisa entender que ele passa a gerenciar a proteção do seu ativo. Ao contrário do conforto de ter um seguro por prazo previamente determinado e sem interrupções ocasionais da cobertura, na modalidade on demand o consumidor é que faz a análise do seu risco e ativa e desativa a sua proteção. Importante alertar que se trata de tarefa no mínimo preocupante, especialmente vivendo num mundo com tantos desafios e contratempos, já que estaremos transferindo essa responsabilidade para o segurado.

Essa nova modalidade não será a “bala de prata” do preço justo. A contratação do seguro anual já consegue captar qual é a efetiva utilização do veículo ao longo da vigência do contrato, com o conforto de você não precisar ligar e desligar sua cobertura e proteção.

New Report

Close