Odontologia deve fazer parte da integração dos cuidados em saúde 564

Odontologia deve fazer parte da integração dos cuidados em saúde

Visão sistêmica deve contar com participação de empresas, indivíduos e profissionais de saúde, aponta Webinar IESS

A saúde bucal é muito importante para diversas funções do organismo, seja para o bem-estar, autoconfiança e na prevenção e identificação de doenças. Por isso, o Instituto de Estudo de Saúde Suplementar (IESS) reuniu especialistas com diferentes experiências no webinar “Como a odontologia atua para a gestão de saúde”, em transmissão ao vivo no YouTube e nas redes sociais da entidade.

Para os participantes do encontro, é fundamental que todos os programas de promoção de saúde envolvam práticas integrativas de Medicina e Odontologia, permitindo um tratamento mais adequado para a população ao mesmo tempo em que se correlaciona lesões bucais com sinais e sintomas sistêmicos, o ambiente de trabalho e outras condições. “Exatamente por isso, é essencial que o tema faça parte das estratégias em saúde dos indivíduos, profissionais, empresas, operadoras de planos e demais agentes do setor”, apontou José Cechin, superintendente executivo do IESS, em sua fala inicial.

Com mediação de Cechin, o debate contou com a participação do Dr. Oscar Fernando Muñoz Chavez, chefe do Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia de Araraquara – Unesp, da Dra. Maristela Kühl de Camargo Azevedo, dentista e Coordenadora de Produto – Odonto da AON Brasil, e do Dr. Marcos José Silva Costa, cirurgião dentista e Superintendente de Operações da OdontoPrev.

Para a Dra. Maristela, durante muito tempo a Odontologia foi vista apenas em seu aspecto curativo por parte das pessoas, o que tem mudado ao longo das últimas décadas. “Fizemos um levantamento que mostra que o benefício odontológico já é o terceiro mais ofertado pelas empresas, depois de assistência médica e seguro de vida. Isso colabora para atração e retenção de talentos e diminui o absenteísmo. Temos pesquisas que comprovam a redução de afastamentos no trabalho ou nos estudos em decorrência de problemas bucais, o que impacta diretamente na produtividade”, comenta. “Precisamos ter em mente as práticas de atenção primária como na Medicina, porque, muitas vezes, o dentista é o primeiro profissional a identificar problemas de saúde como falta de nutrientes, anemia, diabetes e outros”, completa.

“E é exatamente por isso que, hoje em dia, os grandes centros de saúde possuem dentistas em seu quadro. Porque é sabido que mais de 40% dos problemas coronarianos são provenientes de doenças bucais. O profissional é essencial também nas Unidades de Terapia Intensiva para reduzir chances de novas infecções e aumento do tempo de internação, por exemplo”, aponta Muñoz.

Trazendo a visão das operadoras de planos exclusivamente odontológicos, o Dr. Marcos José Silva Costa reforça a responsabilidade das companhias com a qualidade do serviço prestado. “Temos a obrigação de manter nosso profissional credenciado atualizado e capacitado tanto na questão técnica, de gestão e de visão sistêmica, focando sempre na saúde e bem-estar do paciente”, comenta. “Precisamos mobilizar as empresas contratantes de planos para essa atenção, seja por meio de campanhas internas, programas de promoção da saúde, vídeos, palestras e outras ações que proporcionem uma mudança de mentalidade. Não queremos assustar ninguém, mas mostrar a necessidade de olhar para a saúde bucal como totalmente interligada com a saúde geral”, conclui.

O setor de planos exclusivamente odontológicos registrou crescimento de mais de 1 milhão de beneficiários no período de 12 meses encerrado em agosto deste ano. De acordo com a Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), do IESS, o segmento cresceu 4,1% na variação anual e conta com 25,8 milhões de pessoas.

A íntegra do webinar pode ser vista no Portal IESS e no YouTube. A série de encontros continuará apresentando importantes questões para o desenvolvimento do setor de saúde suplementar nacional com transmissão ao vivo.

Capemisa Seguradora diversifica ações educativas na Semana ENEF 503

Capemisa Seguradora diversifica ações educativas na Semana ENEF

Empresa investe em videoaulas, workshops e num podcast especial para levar conceitos de educação financeira a seus colaboradores

Dentro das atividades da 7ª Semana da Estratégia Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF), a Capemisa Seguradora preparou atividades especiais voltadas aos seus colaboradores. O objetivo da iniciativa é contribuir para o fortalecimento da cidadania ao fornecer e apoiar ações que ajudam na tomada de decisões mais autônomas e conscientes que envolvam a administração de dinheiro. Na empresa, são três atividades online (uma dividida em cinco módulos), até esta sexta, 27 de novembro.

Na quarta-feira, um workshop via Teams, iniciou as ações. Com o tema “Resiliência em momentos de crise – como a educação financeira pode te ajudar!”, o encontro abordou assuntos diversos como a administração das finanças pessoais em tempos de pandemia, compras online, a revisão de gastos e a conceito de que uma relação com dinheiro saudável é uma construção de médio prazo. O evento foi conduzido por Rafael Medeiros, da Consultoria Partiu Poupar, que tem mais de 10 anos de atividade no planejamento financeiro das famílias.

Na sequência, pela plataforma corporativa Educ@p, foram criadas cinco videoaulas com lançamento na quinta, dia 26. Os temas abordados foram Importância da Educação Financeira; Dívidas; Orçamento e Controle de Gastos; Planejamento Financeiro e Introdução ao Tema Investimentos. O material também foi formatado pela Consultoria Partiu Poupar.

Como última ação, no dia 27, o Podcap, podcast educativo da empresa voltado a colaboradores, terá um bate papo apresentado pelo Gerente de Crédito da Capemisa, Cyran Ferreira, com o apoio de Luiz Felipe Bezerra de Souza, estagiário do setor de Recursos Humanos. Para Patricia Pacheco, gerente de RH da seguradora, 2020 trouxe novos desafios no momento de tratar de educação financeira. “Nesse ano, tivemos em mente não apenas a abordagem de temas da relação da pessoa com o dinheiro, como por exemplo a reserva financeira e o papel de investimentos, mas também sobre como lidar com tudo isso em tempos de pandemia, que ainda trouxe a questão das compras online e os mecanismos de delivery. Quisemos debater que nova realidade é essa e como usar o dinheiro, investir em si e em seu bem estar, mas também não gerar dívidas”, explica.

Na Black Friday do RJ da Sorte tem R$ 10 mil por mês por um ano 401

Na Black Friday do RJ da Sorte tem R$ 10 mil por mês por um ano

Sorteio especial deste domingo dá chance aos clientes conquistarem um Jeep Renegade com R$ 45.000 no porta-malas, duas motos Honda, Kit Cozinha dos Sonhos e muitos prêmios em dinheiro

Pesquisa feita pela empresa Conversion apontou que a Black Friday 2020 será maior que a do ano passado. A intenção de comprar produtos aumentou entre os consumidores: em 2019, 84,6% dos brasileiros adquiriram bens e presentes e, em 2020, a expectativa é que esse número suba para 90,4%. A maioria (83,7%) disse que quer aproveitar a data para fazer compras de Natal. Então, que tal garantir um Jeep Renegade 0km e mais R$ 45.000 no porta-malas, duas motos Honda e, como prêmio especial, garantir uma ‘Vida de Bacana’ com o sossego de ter R$ 10.000 por mês pelo período de um ano?

Isso é possível porque neste domingo (29) o RJ da Sorte®, título de capitalização da Capemisa, preparou um sorteio pra lá de especial. Todos que compraram o título ao longo deste mês de novembro estarão concorrendo. É pra todo mundo poder fazer todo tipo de plano: sair do aluguel, investir num negócio, comprar um carro e até repetir o exemplo da Arinalva e pagar as dívidas. E tudo isso por apenas R﹩ 5.

Além desses prêmios especiais, haverá sorteios de R$ 35.000 em dinheiro, um Kit ‘Cozinha dos Sonhos’ com geladeira, fogão, máquina de lavar, lavadora de louças e micro-ondas. No ‘Cadastro da Sorte’, serão 30 sorteios de R$ 1.000; para quem cadastrar o título no site e aplicativo, ou comprar online até 28 de novembro.

O sorteio será ao vivo, a partir de 9h deste domingo (29 de novembro) na TV Band Rio.

Divulgação
Divulgação

Parceria com o PicPay

Agora, além de poder fazer a compra pelo site no cartão de crédito e boleto bancário, o título digital RJ da Sorte® da Capemisa Capitalização pode ser pago com créditos no PicPay.

Vice Presidente Executiva do Seguro PASI destaca força das mulheres do mercado 463

Tania Moura, coordenadora da série Mulheres, Editora Leader; Andréia Roma, coordenadora geral do projeto e CEO da Editora Leader; Fabiana Rezende, vice-presidente executiva do PASI e Regina Lacerda, coordenadora convidada do livro / Divulgação

Fabiana Resende participou do lançamento do livro ”Mulheres no Seguro”

Aconteceu na noite de ontem, 25, com transmissão ao vivo pela Editora Leader, o lançamento do livro “Mulheres no Seguro”, obra que reúne a história de 30 grandes executivas que atuam no setor nas principais cidades do país.

Uma das coautoras do livro foi Fabiana Resende, Vice Presidente Executiva do Seguro PASI, que participou presencialmente do evento de lançamento em São Paulo. A executiva agradeceu a todos que lhe ajudaram a alcançar essa grandiosa conquista.

“Ao longo desses 15 anos de carreira, muitas pessoas passaram por minha vida, mas seria injusto não destacar algumas que foram indispensáveis para essa conquista, das quais destaco primeiramente minha equipe que se entregou a mim e permitiu que fosse sua líder. Eles me dão tanta força e apoio que me fazem acreditar que nada é impossível”.

Fabiana também estendeu o agradecimento aos seus pais, que, de acordo com ela, sempre foram seu alicerce, tanto profissionalmente, quanto pessoalmente e ao marido, que sempre foi seu maior incentivador e apoiador.

A executiva ainda contou que quando foi convidada para ser coautora do livro, não tinha noção da magnitude do projeto por fora e nem por dentro. “Por fora, conheci mulheres incríveis que, mesmo trabalhando no mesmo setor que eu, ainda não conhecia: mulheres fortes, trabalhadoras, dedicadas e competentes que foram responsáveis pela transformação do mercado”.

As transformações causadas pelo livro também marcaram internamente a executiva. ”Por dentro, incrivelmente, a sequência de descobertas foi ainda maior. Pude me redescobrir, me analisar, fazer um balanço histórico de minha trajetória. E com isso tive a oportunidade de descobrir que eu também era uma dessas mulheres que tanto lutam e fazem a grande diferença em nosso mercado”, destacou.

“Há muito ainda para ser feito por nossa nação através da proteção securitária, que faz tanta a diferença na vida das pessoas. Contem comigo nessa caminhada”, finalizou Fabiana Resende.

Ficha Técnica:

Título: Mulheres do Seguro
Editora: Editora Leader
ISBN: 978-65-88368-11-4
Páginas: 360
Formato: 22,8 x 15,4
Preço: R$ 69,90
Vendas virtuais: Submarino, Americanas.com, Shoptime, Extra, Casas Bahia, Ponto Frio e Amazon
Vendas físicas: Saraiva, Cultura, Travessa, Livraria da Vila, Martins Fontes, Livrarias Curitiba

Compartilhamento de riscos pode aumentar acesso a saúde 421

Novos modelos de negociação pressupõem ATS para incorporações

A Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) é imprescindível para a incorporação de novos procedimentos e medicamentos. Garante a sustentabilidade de toda uma cadeia que tem recursos finitos que precisam ser sempre melhor aplicados para curar e salvar vidas. Mas, em vista dos custos crescentes dos produtos inovadores, é necessário dar alguns passos além. Um deles é a adoção de modelos de negociação que compartilhem incertezas relacionadas ao desempenho das tecnologias no mundo real.

Compartilhamento de riscos pode aumentar acesso a saúde / Divulgação
Compartilhamento de riscos pode aumentar acesso a saúde / Divulgação

Promovido pela Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), em parceria com biofarmacêutica AbbVie, o webinar “Novos Modelos de Negociação na Saúde Suplementar” reuniu especialistas para discutir essas questões e apontar novos caminhos para a ampliação do acesso à saúde dos brasileiros. “Colocar o paciente no centro do cuidado é o que importa para quem trabalha com saúde”, resumiu a diretora executiva da FenaSaúde, Vera Valente, que moderou o evento.

“O objetivo do compartilhamento de riscos é oferecer mais valor em saúde e mais efetividade nos resultados. Diante da crise pela qual passa o país, podemos ter certeza que os recursos serão ainda mais escassos. Nesse cenário, vamos precisar de ampliar acesso e garantir a sustentabilidade do sistema de saúde”, afirmou ela.

Em modelos de compartilhamento de riscos, fornecedores colocam no mercado novas técnicas e medicamentos sob determinadas condições e sujeitos a desempenho e resultados. O objetivo é oferecer mais valor em saúde para o paciente a preços justos. Sob a supervisão do órgão regulador, no caso a Agência Nacional de Saúde Suplementar, todos os agentes da cadeia produtiva da saúde podem contribuir para estratégias que ampliem o acesso à assistência.

Advogada responsável pela CuriE, consultoria em direito e saúde, Renata Curi afirmou que o modelo de compartilhamento de risco subverte o sistema atual, principalmente na maneira como são feitos os pagamentos. “Tanto o pagador quanto o fornecedor da tecnologia assumem que há uma incerteza residual, seja dos estudos clínicos, seja dos dados epidemiológicos”.

Vanessa Teich, superintendente de Economia da Saúde do Hospital Albert Einstein, considera que a ATS é um processo necessário quando há restrição de recursos, ou seja, em qualquer país do mundo. Os avanços, segundo ela, precisam ocorrer em relação à negociação de preços, que hoje enfrenta muitas restrições jurídicas: “Temos a impressão de que, como o sistema suplementar complementa o SUS, é possível oferecer tudo. Mas sempre existe um limite: o que as empresas e as famílias conseguem pagar.”

A necessidade de tornar o modelo de saúde mais sustentável foi consenso entre os participantes do webinar. “Há uma falsa crença de que o sistema é elástico o suficiente para aguentar qualquer tipo de aumento, em especial quando se fala em órgãos de defesa do consumidor ou da Justiça. Mas não. Pelos princípios do mutualismo, os custos são repassados aos beneficiários”, explicou Eduardo Spinussi, gerente geral da Fundação Zerrenner.

De acordo com Renata, os entraves a um modelo de compartilhamento de riscos vão além da questão jurídica. Têm a ver também com a preparação mais precisa dos termos da negociação entre as partes. “É complexo, é custoso. Faltam ao sistema público e privado novas normas. Mas amadurecer o modelo de negócios é também imprescindível, com modelagens matemáticas e epidemiológicas”, disse ela.

Aos fornecedores interessa se arriscar, no sentido de que possam ter mais facilidades de incluir seus produtos no mercado consumidor partilhando riscos, como explicou Vanessa: “O que geralmente faz um fabricante assumir parte do risco é acelerar o acesso dessa tecnologia ao mercado e ganhar volume”.

Os palestrantes também comentaram a viabilidade de criação de uma agência única de incorporação de tecnologias no país, que reúna os trabalhos da Conitec, vinculada ao Ministério da Saúde, e da ANS. “Acho fundamental. Traria grande eficiência para o nosso sistema”, afirmou Spinussi.

Apesar de, em tese, concordarem com a proposta, tanto Vanessa quanto Renata apresentaram objeções de operacionalização, como numa possível definição de preços diferentes para os sistemas público e privado. “Idealmente parece ser um objetivo a ser perseguido, mas a gente vive em um país de diferenças abissais”, disse a advogada da CuriE.

Evento digital da Bradesco Seguros destaca novidades no segmento de automóveis 580

Ney Dias é Diretor da Bradesco Auto/RE / Foto: Julio Bittencourt e Luiz Michelini/Divulgação

Live para corretores apresentou facilidades do processo de renovação simplificada, dados de mercado, e novidades e benefícios de produtos e assistências

Dados de mercado, aprimoramento de serviços e assistências, além de benefícios de produtos e novidades da carteira de Automóveis, esses foram os temas de destaque do evento digital ‘Rede On Live +’, promovido na última terça-feira (24), pela Bradesco Auto/RE, empresa do Grupo Bradesco Seguros. O bate-papo foi conduzido pelo diretor-geral, Ney Dias; pelos diretores de Rede da Organização de Vendas, Américo Gomes, Francisco Rosado e José Pires; pela gerente departamental, Raquel Cerqueira; e o gerente Júlio Mendonça. Cerca de 1,5 mil espectadores, entre corretores, assessorias e profissionais do mercado – das Regionais São Paulo Capital, São Paulo Interior, Rio de Janeiro e Espírito Santo – acompanharam a live e puderam enviar perguntas e sugestões.

Entre os principais assuntos abordados, os executivos destacaram as novidades na carteira para 2021, que irá oferecer cobertura de vidros para veículos blindados, carro reserva sedan médio porte ou táxi executivo, cláusula para bens deixados no veículo, entre outras novidades. Ainda, os atrativos do seguro Auto Frota, que agora possui uma maior flexibilização na contratação de serviços e assistências, de acordo com a necessidade de cada cliente e, por fim, as facilidades da renovação simplificada, que oferece um processo mais ágil para o dia a dia do corretor.

“A indústria de seguros vive um momento de grandes oportunidades. Produtos e serviços mais customizados são imprescindíveis, com foco em maximizar a experiência do cliente. A Bradesco Auto/RE continuará investindo em pesquisas e aprimoramento constante de coberturas, serviços e assistências”, afirma Ney Dias.

New Report

Close