Setor de seguros: inovação e resiliência em meio à crise 799

Ronaldo Dalcin, Superintendente Comercial Nordeste da Tokio Marine

Confira artigo de Ronaldo Dalcin, presidente do Sindicato das Seguradoras Norte e Nordeste (Sindsegnne)

Resiliência e inovação foram palavras que caminharam juntas em 2020, mas podemos afirmar que essa expressão já era uma máxima, de certa forma, no mercado de seguros. Por quê? Por dez anos consecutivos, temos apresentados crescimentos maiores que o do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, melhorando a participação da indústria de seguros que, em 2019, encerrou em 6,7% do PIB, retornando mais de R$ 315 bilhões para a sociedade.

A projeção para 2020 é fecharmos com crescimento entre 3% e 4%, o que, dada as condições econômicas, julgo uma performance excelente. Olhando para os próximos anos, sem ser um expert em economia, mas me considerando um otimista incondicional, vejo diversas oportunidades. Por exemplo, o marco do saneamento que foi sancionado esse ano e prevê investimentos entre R$ 500 e R$ 700 bilhões, mais a geração de 700 mil empregos, trará excelentes oportunidades a todos do nosso segmento. A própria construção civil e o aumento significativo nos financiamentos imobiliários dão sinais muito positivos na nossa economia.

A indústria automobilística, também nos últimos meses, já vem demonstrando certa recuperação. Além disso, dados apontam que quase 10 milhões de pessoas foram “bancarizadas” nessa pandemia. Essa inclusão financeira será extremamente salutar para a indústria de seguros. São cenários extremamente positivos que, somados ao aumento do senso de necessidade de proteção por grande parte da população, me fazem crer que teremos uma bela retomada no crescimento do setor já em 2021, arriscando um palpite na ordem de dois dígitos.

É importante destacar, ainda, que a função desempenhada pelas seguradoras e corretores é fundamental para fomentar o crescimento econômico e a geração de renda em grande escala, pela sua participação em todos os setores da economia e da sociedade. De fato, percebi uma grande sinergia entre todos nesse período pandêmico. As seguradoras disponibilizaram diversas facilidades em total apoio aos corretores e segurados, visando a continuidade de seus negócios. Uma clara de demonstração do quanto somos resilientes e adaptáveis.

O isolamento necessário por causa da pandemia, também, nos deixou esse legado: inovação, sim, é sustentabilidade e desenvolvimento para o nosso segmento. A tecnologia inclusiva, com o ser humano no centro das ações, é uma excelente aliada. O consumidor quer mais simplicidade, personalização e agilidade. Por isso afirmo, com plena convicção, que estamos mais experientes e melhor preparados para continuar escrevendo a história do mercado segurador brasileiro e que iremos superar, juntos, mais essa crise.

MEC reconhece cursos de excelência da ENS 413

MEC reconhece cursos de excelência da ENS

Instituição alcançou o conceito 4 no indicador IGC

“A qualidade do processo é o segredo do sucesso”. Na busca constante pela oferta de ensino de excelência, a Escola de Negócios e Seguros (ENS) obteve mais uma conquista. A Instituição alcançou conceito 4 no Índice Geral de Cursos (IGC), indicador que avalia a qualidade das instituições de ensino superior no País. A divulgação dos resultados foi feita no último dia 23 de abril, pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP).

Foram avaliadas 2.070 instituições de ensino, entre públicas e privadas, considerando os 24.145 cursos avaliados, entre 2017 e 2019. Apenas 21,64% das IES tiveram conceito 4. O IGC é calculado com base na média do Conceito Preliminar de Curso (CPC) dos programas de pós-graduação (mestrado e doutorado) atribuídos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e na distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino (graduação, pós-graduação, mestrado ou doutorado). A escala vai de 1 a 5, sendo conceitos 1 e 2 considerados insatisfatórios, 3 regular, e 4 e 5 satisfatórios.

“Estamos extremamente satisfeitos com este resultado, principalmente porque essa era a maior nota que a ENS poderia receber. Somente instituições que oferecem programas de mestrado e doutorado são elegíveis à nota máxima, o que ainda não é o nosso caso”, comentou o diretor de Ensino Superior da ENS, Mario Pinto.

Os estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte foram os que apresentaram os melhores resultados, obtendo, respectivamente, 9,2%, 6,7% e 4,2% de suas instituições de educação superior com faixa 5 no indicador. Na segunda maior faixa do indicador, Rio Grande do Sul (39,4%), Ceará (33,3%) e Distrito Federal (30,6%) foram os que tiveram, proporcionalmente, o maior número de instituições com IGC 4.

Como indicador de qualidade, o IGC integra o conjunto de procedimentos e instrumentos diversificados que avalia as instituições de ensino, de acordo com o que prevê a Lei do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).

O índice tem relação direta com o ciclo avaliativo do Enade, que mensura, entre outros aspectos, o rendimento dos concluintes dos cursos de graduação. Para ter o IGC calculado, a instituição deve possuir, no mínimo, uma graduação com CPC atribuído no triênio de referência do Enade. De 2017 a 2019, o exame avaliou cursos de 100 áreas do conhecimento.

180° Seguros recebe R$ 44 milhões em rodada Seed, a maior do setor de seguros da América Latina 400

180° Seguros recebe R$ 44 milhões em rodada Seed, a maior do setor de seguros da América Latina

Liderada por Canary, Dragoneer e Rainfall, aporte vai permitir um salto de crescimento da insurtech no mercado brasileiro

A 180° Seguros, insurtech criada com o propósito de transformar o modelo de distribuir e consumir seguros e assistências no Brasil, acaba de fechar sua rodada Seed no valor de R$ 44 milhões (U$D 8 milhões), liderada pelos fundos Canary, Dragoneer e Rainfall. O aporte é o maior já registrado em startups no setor de seguros no Brasil e na América Latina. O investimento dará o suporte necessário para a insurtech impulsionar a estratégia de consolidação de seu modelo de negócio insurance as a service, com foco no desenvolvimento de produtos e na melhor experiência dos clientes, além de um time interno de primeira linha.

Fundada em 2020, a 180° atua por meio de um modelo B2B2C, provendo uma solução completa para que empresas consigam vender de forma inovadora e digital os produtos de seguros e assistências. Com uma metodologia própria, focada em alta tecnologia, a 180° estuda cada canal de distribuição identificando oportunidades de criar produtos únicos com a venda de seguros na jornada do cliente final, o “Embedded Insurance”.

Com o aporte, a 180° irá pôr em prática seu plano de desenvolver novas soluções de seguros, trazendo inovação e flexibilidade para o mercado. “Os produtos de seguros e assistências vão passar por uma revolução na forma que são distribuídos, assim se tornando parte da jornada de compra dos clientes. O embedded insurance permite que uma oferta seja feita quando o cliente realmente necessita do seguro (por exemplo, ao comprar um apartamento) e, assim, se torna mais personalizado e acessível”, explica o CEO e cofundador da 180°, Mauro Levi D’Ancona. A 180° hoje conta com mais de 20 clientes, incluindo empresas consolidadas e listadas em Bolsa, startups e unicórnios, de setores como imobiliário, financeiro, benefícios e varejistas, entre outros.

Em linha com a tendência de fundos globais de investirem cada vez mais em oportunidades no Brasil, a 180° recebeu o aporte seed liderado por grandes nomes do mercado como Canary, Dragoneer e Rainfall (fundos do Vale do Silício), além de 8VC (também do Vale do Silício), Quartz e Norte. Investidores anjos, incluindo executivos do Nubank e do mercado de seguros também participaram da rodada. Tal relevância se deve, entre outros fatores, pela trajetória do trio de fundadores – Mauro Levi D’Ancona, Alex Körner, e Franco Lamping – que têm experiência consolidada em tecnologia, seguros e startups. A história e o talento dos três se completa, trazendo know-how e toda inteligência por trás dos processos.

“Acreditamos que nossa visão de mercado e estratégia de empresa fez com que fundos tão importantes e que nunca investiram em startups no Brasil no estágio de Seed, confiassem no nosso modelo de negócio, que trará um aumento na penetração de seguros no Brasil de forma simples, acessível e descomplicada”, completa Mauro Levi D’Ancona.

Da mesma forma como aconteceu com as fintechs, o mercado de seguros tem grande potencial de entrada entre os brasileiros e vem se transformando com muita agilidade, especialmente por conta da pandemia. Para o CEO da 180°, o novo ambiente digital foi potencializado pela covid-19 e por uma agenda muito positiva da Susep, o regulador do setor. Os números comprovam: no acumulado de 2020, as receitas do segmento supervisionados pela Susep (Superintendência de Seguros Privados) chegaram a R$ 243,27 bilhões e, para o futuro, a projeção aponta investimentos no setor na ordem de R$ 700 bilhões até 2023, em produtos e serviços mais variados, com preços mais competitivos e seguradoras buscando maior conexão com o consumidor. “Nesse sentido, é preciso comunicar o consumidor sobre as vantagens de acessar o setor de seguros e suas múltiplas possibilidades de serviços e produtos. Há um grande potencial de negócio em múltiplos canais porque o uso ainda é pouco recorrente, e portanto, enxergamos muita oportunidade para alternativas que ofereçam benefícios claros para o consumidor”, completa o CEO.

Companhia amplia coberturas em Seguros Residenciais e Empresariais 407

Seguradora atualiza portfólio e passa a oferecer 19 novos tipos de coberturas, além de limites de até R$ 1 milhão

A Previsul Seguradora anuncia um upgrade nos produtos Residencial e Empresarial. A companhia lança novas coberturas para esses produtos, além de estender os limites em até R$ 1 milhão. Corretores poderão fazer as cotações personalizadas com estas novas coberturas apenas por intermédio dos consultores comerciais.

A partir de agora, os corretores parceiros passam a contar com o dobro de opções de coberturas no Seguro Residencial – que saltou de 6 para 12 – e quase três vezes mais coberturas no Empresarial – que foi de 7 para 20 na atualização. Danos por água, impacto de veículos e queda de aeronaves são algumas das novas coberturas do Residencial. No Empresarial, entram para o portfólio coberturas contra roubo de bens e equipamentos portáteis e guarda de veículos, entre outros. Sem contar os limites estendidos para até R$ 1 milhão.

“Há 2 anos, a Previsul lançou os produtos Residencial e Empresarial, com planos fixos, como um primeiro movimento para retomada da comercialização de ramos elementares. Tivemos resultados positivos e nossos corretores começaram a nos demandar novas coberturas e limites. Essa novidade nos torna ainda mais completos no mercado e vem para atender as necessidades dos nossos parceiros”, garante Renato Pedroso, CEO da Previsul.

Além disso, o Cota+, plataforma de cotação usada pelos corretores, também apresenta os planos fixos disponíveis anteriormente e conta com uma nova experiência ao realizar cotações, muito mais moderna, intuitiva e flexível.

AMX Seguros inicia projeto de expansão da Filial Niterói (RJ) 434

Aimoré Maia é CEO da AMX / Divulgação

Cidade conta com infraestrutura de atendimento voltada ao Seguro de Pessoas

Com objetivo de expandir os negócios, a AMX Corretora de Seguros iniciou um planejamento estratégico para abertura da Filial Niterói, no Rio de Janeiro. A cidade sorriso está no radar da empresa, que conta com uma infraestrutura de atendimento voltada para o Seguro de Pessoas. A chegada de um novo espaço faz com que ocorra – de forma direta ou indireta – a oferta de novas oportunidades de trabalho, gerando perspectivas de melhorias junto à equipe que integra o quadro de funcionários e parceiros de negócios. A condução relacionada à viabilidade desse projeto está sendo acompanhada pelo CEO da AMX, Aimoré Maia.

O executivo aponta a necessidade de entrada no município, como uma excelente oportunidade de ampliar a comercialização de contratos de planos e seguros saúde, além de trabalhar outros produtos relacionados ao Seguro de Pessoas. “Na Região Metropolitana, a cidade de Niterói além de ser excelente em viabilidade econômica e no fator qualidade de vida, está perto de municípios vizinhos que possuem uma vasta demanda de pessoas e empresas de diversos portes a serem atendidas. São Gonçalo, Niterói, Maricá, Itaboraí, Tanguá, Rio Bonito, dentre outras, podem ter um excelente potencial, independente da distância. Nós vamos aonde o cliente está!”, declara

O município de Niterói apresenta o segundo maior percentual de trabalhadores com curso superior completo (7,87%), superado somente pelo município do Rio de Janeiro (11,81%). Entre os municípios mais ricos do país, Niterói aparece em primeiro lugar, com 30,7% de sua população inserida na classe A. Quando são consideradas as classes A e B, juntas, Niterói aparece novamente na liderança, com 42,9% de sua população total situada dentro dessas duas faixas de renda. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE de 2010, a cidade é a que possui a maior renda per capita domiciliar do Brasil, com média de R$ 3.037,30 por pessoa, fazendo com que seja considerada a cidade com a população mais rica do Brasil.

Waldecyr Schilling agradece ao mercado catarinense de seguros 455

‘Representar o SindsegSC foi uma missão importantíssima’, explica o executivo

O executivo Waldecyr Schilling / Divulgação
O executivo Waldecyr Schilling / Divulgação

Waldecyr Schilling, que exerceu o cargo de presidente do Sindicato das Seguradoras do Estado de Santa Catarina (SindsegSC) até 30 de abril de 2021, na Gestão 2020/2022, registra o agradecimento às seguradoras associadas, aos diretores, a equipe e todos os corretores de seguros de Santa Catarina – que, de alguma forma, estão envolvidos com a entidade.

De acordo com Schilling, ter representado uma entidade como o SindsegSC, foi ‘uma missão importantíssima’. “O Sindicato é uma entidade que tem seus objetivos alinhados. As pessoas que o integram trabalham com foco na proteção da vida e nas conquistas de cada catarinense através das ações realizadas que multiplicam o objetivo da cultura do seguro. O SindsegSC é uma entidade resiliente, de pessoas guerreiras e comprometidas”, comenta.

“Sou grato por todo o aprendizado, aos amigos que conquistei, e à diretoria – juntos conseguimos realizar e construir em prol do mercado de seguros. Desejo ao Luciano Vicente da Silveira uma gestão de excelência. Estarei sempre à disposição para somar com as seguradoras e corretores do Estado”, finaliza Schilling.