ClubSaúde elenca as doenças que mais impactam no ambiente de trabalho 740

ClubSaúde elenca as doenças que mais impactam no ambiente de trabalho

Melhoria da qualidade de vida diminui risco ocupacional

Como você prepara a sua empresa para lidar com doenças ocupacionais?

Aliás, você sabe o que é considerada uma doença ocupacional?

Luís Alexandre Chicani é CEO do ClubSaúde / Divulgação
Luís Alexandre Chicani é CEO do ClubSaúde / Divulgação

Os riscos ocupacionais estão presentes em qualquer tipo de operação que envolva trabalho, independente do segmento ou forma de atuação. Falar sobre as doenças ocupacionais é vital para saúde do colaborador, mas também essencial para a saúde da empresa e nem sempre os gestores ou dirigentes da equipe estão cientes de que podem estar expostos a algum tipo risco.

Qual é a definição de Doenças Ocupacionais?

As doenças ocupacionais são aquelas desencadeadas durante a atividade laboral, ou seja, enquanto está exercendo o trabalho. A atribuição de doença ocupacional é reconhecida em duas situações, que inclusive parecem ter a mesma definição, mas não tem, são elas: doença profissional e doença do trabalho.

Doença profissional: são aquelas que o indivíduo desenvolve por ação da atividade laboral, ou seja, surge enquanto o profissional realiza sua atividade e não tem influência externa, é apenas relativa a ocupação do profissional.

Doença do trabalho: neste caso, são causadas pela condição de ambiente ao qual o profissional fica exposto enquanto realiza sua atividade laboral.

O Brasil tem sido um dos países com os mais altos índices de afastamentos do trabalho, de 2012 a 2018 foram mais de 4,5 milhões de notificações sobre acidentes do trabalho (catweb SP), sendo que milhares estão relacionados a doenças ocupacionais ou do trabalho , segundo os dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho – SmartLab (tabela de perfil dos afastamentos conforme os tipos de doenças).

“As empresas, especialmente os membros do RH estão olhando com mais cuidado para estes riscos ocupacionais aos quais os trabalhadores estão expostos, principalmente porque a gestão humana está no centro da retenção de talentos nas organizações. Ninguém quer perder bons profissionais, principalmente deixá-lo afastado por alguma doença adquirida no ambiente de trabalho”, afirma Luís Alexandre Chicani, CEO do ClubSaúde.

Aa melhora da qualidade de vida, consequentemente fortalecendo a saúde do colaborador o que diminuirá o risco ocupacional:

Ginástica laboral

Oferecer benefícios preventivos e corretivos. Ajustar a postura, melhorar a flexibilidade, aumentar interação nas equipes e reduzir o absenteísmo são uns dos benefícios obtidos.

Avaliação ergonômica

Ajustes ergonômicos são previstos por lei, mas também auxiliam na valorização profissional, prevenção de doenças ocupacionais, redução do absenteísmo, melhora da produtividade, entre outros.

Incentivo a prática de atividades físicas e combate ao sedentarismo. Divulgação dos benefícios da prática de exercícios, intervenções individuais e coletivas focando nas mudanças de comportamento, campanhas de corrida/caminhada, facilitar o acesso a locais para práticas de atividades físicas no tempo livre.

Pausas programadas

Dar um tempo intensifica as atividades mentais, alivia o estresse, eleva a concentração, aumenta a criatividade e melhora a tomada de decisões. Usar as pausar para andar, meditar ou praticar técnicas de respiração são boas opções.

Incentivo ao consumo de água

A hidratação correta melhora o funcionamento do intestino e evita problemas renais. Oferecer squeeze, divulgar aplicativos que lembram a ingestão de água e disponibilizar águas saborizadas, são opções boas para estimulo do consumo de água.

Incentivo ao consumo de frutas, verduras e legumes

O consumo de vegetais favorece a redução do peso e previne doenças crônicas. Propagar os benefícios, ofertar frutas ou descontos em hortifrútis e pequenas alterações nos cardápios dos restaurantes são ações possíveis e eficazes.

Estimulo a prática de meditação

Meditações de atenção plena já estão claramente associadas a prevenção do estresse e ansiedade. Cada vez mais empresas têm adotado esta prática para melhorar a qualidade de vida de seus colaboradores.

Opinião de Valor do ISB Brasil aborda “Os reflexos da pandemia na Saúde Suplementar” 446

Encontro virtual acontecerá no dia 29 de julho, a partir das 9h

O ISB Brasil promove, a partir das 9h do próximo dia 29 de julho, o “Opinião de Valor”. O encontro virtual terá transmissão pelos canais do ISB Brasil e do JRS no YouTube e contará com participação de Vera Valente, Diretora Executiva da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde); do Dr. Rogério Scarabel, Diretor de Normas e Habilitação dos Produtos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS); e do Dr. Luis Rodrigo Schruber Milano, Diretor Presidente do Pilar Hospital.

“Este é o lançamento do Opinião de Valor, um programa do ISB Brasil para tratar de assuntos contemporâneos com a produção de conhecimento”, explicou a presidente do ISB Brasil, Joceli Pereira.

O público ainda poderá interagir com a transmissão através do chat ao vivo, com comentários e perguntas aos especialistas convidados. A entidade conta com 37 anos de atuação no mercado segurador, celebrados no último dia 09 de julho. O intuito do ISB Brasil é integrar os profissionais que atuam no ramo de Seguros Pessoais, com a finalidade de promover os ramos de Vida e Benefícios através de cursos, formações e aprimoramento profissional dos operadores do ecossistema segurador.

Diretor da Porto Seguro destaca aposta da companhia em ser referência também em saúde 448

Diretor da Porto Seguro destaca aposta da companhia em ser referência também em saúde / Divulgação

Marcelo Zorzo participou do 6º Trocando Ideias da UCS

A União dos Corretores de Seguros (UCS) realizou seu 6º Trocando Ideias Online de 2021 na noite de 20 de julho para apresentar aos profissionais da corretagem a nova proposta da Porto Seguro no produto saúde.

Marcelo Zorzo, diretor-executivo de Saúde, Odontológico e Ocupacional da Porto Seguro, realizou a apresentação “Um Novo Saúde da Porto Seguro”. Ele exibiu o comercial que começaria a ser veiculado na televisão aberta na mesma data, e que destaca que a Porto Seguro não é apenas para automóvel, mas também seguro saúde, com atendimento moderno pelo aplicativo. O vídeo do produto saúde é parte de uma grande campanha que irá apresentar um a um todos os produtos da Porto Seguro, com o novo slogan “Quem tem Porto, tem”.

Segundo o diretor, a Porto Seguro criou verticais de negócios e uma dessas é a de saúde. “Até um mês atrás saúde estava dentro de uma vertical de seguros, junto com automóvel, vida, residência etc. O saúde foi apartado desta vertical e se tornou independente para, com isso, ganhar foco, especialização, podermos nos comunicar com o corretor de forma mais especializada. A Porto Seguro tem o produto saúde há 30 anos, e todo esse tempo tinha uma crise de identidade, mas agora resolvemos sim acelerar e ter no saúde um dos grandes negócios da companhia, que vai ser objeto de intenso investimento”.

Ele também comentou sobre a criação do conceito Saúde Total, pela Porto Seguro. “Dentro do Saúde Total temos as três vertentes: saúde médico, saúde odontológico e saúde ocupacional”.

Os investimentos na nova vertical saúde contemplam grande aporte de tecnologia. “Queremos ser reconhecidos como empresa moderna, ágil, digital, tecnológica e continuar sendo humana, pois esse é o grande negócio da companhia”, declarou. “A modernidade na área de saúde precisa transbordar para ser percebida. Com essa tecnologia teremos processos intuitivos e automatizados, seremos a primeira operadora que poderá cotar 500 vidas na ponta (pelo corretor). Queremos entregar excelência, coisas que ninguém tenha feito, diferenciação de mercado para o corretor perceber todo o nosso investimento”, pontuou.

Marcelo Zorzo expôs que atualmente a Porto Seguro Saúde possui 1.130 mil vidas de gestão, sendo 310 mil vidas no saúde, 610 mil vidas em odonto, e 160 mil vida em seguros de administrados. “Portanto, já temos mais de um milhão de vidas sob gestão. Temos uma ambição muito grande de sair de 310 mil vidas no saúde para um milhão de vidas até 2026. Isso evidencia o tamanho da seriedade do nosso investimento, por isso criamos uma vertical totalmente apartada para que possamos acordar e dormir pensando no saúde”, disse, enfatizando que a companhia atua com contratações a partir de três vidas.

O diretor explicou que o saúde irá atual no modelo físico + digital. “Quando falo que queremos ser uma empresa moderna, ágil, digital, e permanecer sendo humana, o modelo de acolhimento que nos temos não vai mudar. Isso é uma filosofia para nós e tem valor incomensurável. Quando desenhamos os processos digitais pensamos também no cliente analógico, que precisa ligar para falar com um atendente. Seremos digitais, mas ninguém vai ficar à deriva, não vamos esquecer o contato humano”.

O presidente da UCS, Arno Buchli Junior, finalizou a reunião dizendo que a Porto Seguro é uma companhia que sempre atuou com relacionamento forte com os corretores e faltava ser assim no saúde. “O saúde ficou um tempo apartado dos corretores pelas condições que se apresentavam, mas pudemos ver que elas mudaram, a Porto Seguro agora tem preço, qualidade, aceita a partir de três vidas e está disposta a desenvolver o produto. Sendo assim, é um bom momento para aumentar essa parceria com os corretores e nos dedicarmos no saúde também na Porto Seguro”.

Seguradora destaca potencial dos seguros de transportes 542

Seguradora destaca potencial dos seguros de transportes

Companhia lista as oportunidades no segmento e realiza treinamento para corretores

O segmento de seguros de transportes vem registrando crescimento entre 2020 e 2021, o que pode ser explicado pelo aumento nas importações e exportações e a retomada gradativa da atividade econômica no Brasil. De acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), os seguros de transportes nacionais tiveram crescimento de mais de 30% no acumulado até maio de 2021.

Ao mesmo tempo que o segmento de transportes é um dos mais rentáveis do mercado, conta hoje com poucos especialistas no setor – o que representa uma oportunidade para os corretores que desejam expandir suas carteiras. Para alavancar os negócios nessa frente, a Liberty Seguros tem um portfólio diversificado de produtos de transportes, que registraram um crescimento de mais de 21% na companhia em 2020.

A companhia disponibiliza hoje o Transporte Nacional e Internacional, com opções de apólice avulsa ou por averbação, o Transporte Fácil, e o Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga. E, entre os diferenciais da seguradora para corretores, há serviços como o faturamento automático das apólices, a opção de cotador avulso na ponta, contratação online para pequenos clientes, um chat para dúvidas, atendimentos especializados nas áreas de Subscrição e Sinistro.

As coberturas da Liberty estão disponíveis para clientes como os das apólices de Affinity, Empresas de Vida em Grupo e Frotas, e garantem a proteção de diversos tipos de produtos, como para cargas fracionadas ou fechadas de mercadorias com valores determinados por viagem de acordo com o tipo de risco e a operação do segurado, ou seja, diversas opções para pequenos empreendedores, com base no CNAE.

“O segmento de seguros de transportes é extremamente importante para o mercado de seguros, por isso, a Liberty trabalha para oferecer cada vez mais opções que atendam às necessidades dos consumidores desse nicho”, afirma Rafael Citelli, Vice Presidente de Produtos e Analytics da Liberty Seguros, Marcos Siqueira. “Por não ter muitos especialistas espalhados pelo país, muitos clientes acabam ficando desamparados ou até sem saber da importância do produto, e o nosso objetivo é capacitar e informar os parceiros para que eles enxerguem as oportunidades de negócios em transportes”, completa.

A companhia realizou, nesta semana, um webinar para corretores com foco no segmento e contou com a participação de Marcos Siqueira, Diretor de Transporte, Frota e Resseguro da Liberty Seguros e do professor da Escola de Negócios e Seguros (ENS), Vanderlei Moghetti, além de corretores parceiros que trabalham com produtos de transportes – e tem como objetivo educar os participantes sobre o setor. O webinar está disponível na plataforma de treinamento Liberty, que pode ser acessada no Meu Espaço Corretor.

Últimas vagas para pós em Gestão Comercial da Escola de Negócios e Seguros 434

Últimas vagas para pós em Gestão Comercial da Escola de Negócios e Seguros

Capacitação tem início previsto para 16 de agosto

Restam poucas vagas para a próxima turma da pós-graduação Gestão Comercial do Seguro, que terá início no dia 16 de agosto. A oferta é para a modalidade online com aulas ao vivo, que permite ao aluno acompanhar de qualquer localidade.

O curso fornece aprendizado acerca do planejamento, controle e gestão dos recursos envolvidos no processo de comercialização. Desta forma, capacita os alunos para que tenham uma visão estratégica do mercado de seguros, dos produtos comercializados e das técnicas de vendas, propiciando aumento do rendimento profissional e potencialização dos resultados individuais e em equipe.

Com duração de 120 horas, o programa é composto por oito disciplinas: Cenários e Ambiente de Negócios; Relações Comerciais e Jurídicas do Seguro; Planejamento Estratégico de Vendas; Customer Experience (CX); Gestão de Equipe de Vendas e Canais de Distribuição; Marketing de Serviços; Negociações Complexas em Seguros; e Inovação e Transformação Digital no Mercado de Seguros.

Para participar é necessária graduação completa ou experiência comprovada de atuação no mercado de seguros, mediante análise curricular e entrevista com a coordenação do curso.

As inscrições e outros detalhes estão disponíveis no site da ENS.

Turbi e HDI Seguros se unem para tornar mais barata a proteção de carros locados 346

Murilo Riedel é CEO da HDI Seguros / Divulgação

Ação visa evitar que usuários tenham despesas inesperadas em caso de danos parciais ou roubo do automóvel

A Turbi, empresa de aluguel de carros por aplicativo, e a HDI Seguros, 5ª maior seguradora de automóveis, fecham parceria para disponibilizar seguro de franquia que reduz a coparticipação a ser paga pelos usuários dos veículos alugados. A novidade tem como objetivo melhorar a experiência dos clientes da startup de mobilidade compartilhada.

A partir de hoje, ao locar um veículo pela Turbi, os clientes contratam a proteção para os casos de colisão ou incêndio parcial do automóvel, com redução de até 82% o valor a ser pago em caso de incidentes.

De acordo com Diego Lira, CEO e cofundador da Turbi, “a origem da redução dos valores de coparticipação é uma demanda dos clientes e não somente voltada à empresa, mas a todo o mercado de locação de veículos”. Em pesquisa realizada pela startup, identificou-se que mais de 70% dos clientes que alugam carros não conhecem os benefícios gerados pela contratação do seguro, tampouco a redução do valor a ser pago em caso de incidentes. Além disso, mais de 30% acreditam que a contratação do seguro cobre 100% das despesas e ignoram a necessidade de pagamento da franquia.

Assim, a nova proteção lançada pela Turbi e pela HDI busca não somente reduzir os riscos de prejuízos financeiros do condutor, como também deixar claro o que está coberto e qual é o valor de coparticipção na franquia a ser pago no caso de algum incidente.

A taxa de seguro dos veículos locados na Turbi, via HDI seguros, variam de acordo com a categoria do veículo e o tempo de locação. Lira conta que “a contratação do seguro é automática na Turbi – assim como mapeamos ser a preferência entre os nossos clientes. Afinal, ninguém gosta de encerrar a locação de um carro com prejuízos financeiros gerados por um possível dano ao automóvel”. O executivo ainda destaca que “transparência no relacionamento com os clientes é um dos pilares das ações da Turbi e é isso que reforçamos ao agregar a expertise da HDI Seguros aos nossos serviços”.

A HDI, tem ampliado sua participação no ecossistema de startups, vê na solução uma oportunidade de expansão de negócios em novos modais de mobilidade e de potencializar sua presença junto às pessoas em suas diferentes formas de locomoção. “Queremos proteger as pessoas durante as suas jornadas, seja qual for as suas formas de mobilidade. Por isso investimos cada vez mais em iniciativas como essa, que torna acessível a proteção dos veículos locados e assim estimula o uso compartilhado, que tem se mostrado uma tendência em vários segmentos de mercado, não só no de automóveis”, afirma Murilo Riedel, CEO da HDI Seguros.