R$ 106 milhões em faturamento elevam patamar da Fracel Corretora de Seguros 5177

Confira a íntegra da edição 245 da publicação mensal do JRS

Um legado de sucesso não se constrói da noite para o dia. É preciso muito empenho, dedicação e, principalmente, ouvir o cliente e deixá-lo no centro das atenções de toda e qualquer decisão que será tomada por um determinado negócio. A edição 245 da Revista JRS destaca o trabalho ímpar realizado pela Fracel Corretora de Seguros na missão de proteger a sociedade em geral contra eventuais riscos patrimoniais, empresariais ou pessoais.

As próximas páginas ainda demonstram o resultado operacional da MAPFRE no Brasil, além de reportagens sobre temas diversos que foram destaque neste começo de ano no mercado brasileiro de seguros.

Os riscos cibernéticos, por exemplo, são tidos como o maior desafio para as empresas em 2021. O megavazamento de dados de mais de 230 milhões de brasileiros é atribuído como um dos grandes responsáveis para que este tipo de questão fosse elencada como a que mais preocupa os gestores de negócios pelo segundo ano consecutivo.

Mas também tem esperança: a Chubb Seguros patrocinou a edição 2021 do Australian Open. O evento foi realizado de forma presencial, com a presença de público. Os casos de coronavírus na região foram praticamente totalmente controlados, o que permitiu uma retomada de parte das atividades da sociedade.

Tem ainda o incentivo à capacitação dos parceiros de negócios da SulAmérica. A companhia consolidou seu hub de treinamentos e conteúdos para fomento do conhecimento no mercado. Isso e muito mais nas 52 páginas desta edição. Excelente leitura!

Pedrinhas engajam comunidade em prol de ações sociais 554

José Pedro Vianna Zereu é Gestor de Projetos e Inovação do escritório Agrifoglio Vianna Advogados Associados / Reprodução

Associação Beneficente Amor ao Próximo já recebeu 20 cestas básicas; E a ideia é arrecadar ainda mais

José Pedro Vianna Zereu se juntou ao time da presidente Suellen Farias como Diretor Social do Clube da Pedrinha do Rio Grande do Sul. E já em suas primeiras ações implementou iniciativa que engaja os pedrinhas aniversariantes de cada mês em prol de arrecadação de donativos que serão destinados a entidades beneficentes.

Em abril, as contribuições coletadas serão destinadas a Associação Beneficente Amor ao Próximo, de Porto Alegre. “Eu via as carinhosas postagens do Clube homenageando os aniversariantes, e então pensei que, por não estarmos confraternizando presencialmente, juntar os aniversariantes do mês em um grupo para realizar uma boa ação poderia ser de grande valia tanto para a realização das ações sociais quanto para a interação entre os membros da entidade”, conta sobre a ideia.

Antes mesmo do dia 10 do mês, o grupo já doou mais de 20 cestas básicas. “Começamos agora em abril e os membros aniversariantes já tem um grupo de WhatsApp, em que compartilham as ideias sobre como e o que podemos realizar. A largada foi dada e o movimento já começou a gerar boas ações”, comenta. “Penso que essa proposta pode potencializar o crescimento dos projetos sociais dentro do Clube e fortalecer esse propósito lindo que a presidente Suellen traz como missão pra os pedrinhas”, acrescenta.

Sobre o desafio de estar a frente da pasta social, José Pedro encara com tranquilidade. “Sempre me senti impelido a fazer trabalhos sociais. Já fazia isso de forma modesta na Pequena Casa da Criança, uma ONG no Partenon, em Porto Alegre. Mas internamente sabia que poderia fazer mais. Tive uma vida muito privilegiada comparado com maior parte da população brasileira, tanto em termos afetivos, quanto em condições financeiras. Sinto que a retribuição do que recebi é uma responsabilidade ética”, destaca.

Além disso, o diretor reforça que os pedrinhas podem esperar muita movimentação oriunda da diretoria social, tendo em vista a situação de pandemia que arrasa muitas famílias pelo Brasil a fora. “Apesar de estarmos ainda precisando nos resguardar fisicamente, muita gente que está em situação desesperadora não pode ser negligenciada. As consequências da pandemia estão afetando todos, porém, grande parte das pessoas que já tinham pouco para uma vida digna, pioraram. Ou seja, se faz necessário, mais do que nunca, a ajuda, a compaixão e ações diretas para o cuidado com a vida. Portanto, através da comunicação facilitada pela tecnológica, temos condições de movimentar muita ajuda”, explica. “Convido todos os pedrinhas a participarem dessa pasta comigo. É uma pasta aberta a toda e qualquer consideração que possa potencializar a intenção de tornar melhor a vida de pessoas que estão passando por situações críticas por falta de atendimento as necessidades básicas para vida de um ser humano”, conclui.

Após autorização da Susep, 88i almeja liderança em seguros digitais 464

88i recebe autorização para atuar no ambiente Sandbox

Empresa obteve outorga para operar no ambiente Sandbox

A 88i Seguradora Digital primeira seguradora 100% digital do país voltada para plataformas digitais (distribuição D2D – digital to digital) – anunciou nesta segunda feira (05) que obteve autorização da Superintendência de Seguros Privados (Susep) para atuar, por até três anos, dentro do ambiente Sandbox – modelo com menor custo regulatório e maior flexibilidade para inovações – por meio da portaria 7784

A 88i Seguradora Digital vai operar junto a empresas do segmento de e-commerce, mobilidade, delivery e fintechs na comercialização de soluções configuradas em três ecossistemas de proteção: (1) Vida Digital (celular, tablet, lap top e demais eletrônicos); (2) Vida, Saúde & Bem-Estar (acidentes pessoais e telemedicina); e; (3) Proteção Financeira (impedimento ao trabalho e entregas protegidas).

Saiba mais: 88i recebe autorização para atuar no ambiente Sandbox

A seguradora digital inicia sua operação consolidando alianças estratégicas com grandes players do segmento digital – entre elas, Pic Pay, Vá de Taxi , U4Crypto e Bitfy, possibilitando que as soluções de proteção desenhados para o consumidor final sejam integradas, em até quatro semanas, às plataformas das parceiras. A base dos negócios são tecnologias de ponta de inteligência artificial, dentro da arquitetura e do que existe de mais moderno da Amazon Web Services, e processos inovadores exclusivos da 88i.

O modelo de negócios se apoia no tripé “Simples, Intuitivo e Digital”, orientações que definem as soluções de proteção disponibilizadas nos ecossistemas das empresas: planos intermitentes (liga-desliga), proteção em tempo real, sem carência e a preços competitivos, com um mínimo de exclusões, permitindo que as pessoas tenham custos de cobertura ajustadas às suas necessidades e possibilidades financeiras. A empresa quer replicar no Brasil experiências de sucesso observadas em outros mercados, onde 90% dos clientes passaram a consumir seguros pela primeira vez em função do acesso digital fornecido por seguradoras digitais, como Lemonade (EUA) e ZhongAn (China).

Transformação

Fundada em 2018 pelo economista Rodrigo Ventura como empresa de tecnologia de seguros, a 88i decidiu virar a chave do negócio para os ecossistemas digitais de proteção no ano passado para tornar-se a primeira e única seguradora 100% digital do país, com soluções direcionadas ao B2B2C. Aportes da Domo Investidora e de anjos investidores especializados no mercado digital, possibilitaram avançar nas novas tecnologias e processos inovadores para o mercado digital. “Com nossas soluções vamos apoiar o crescimento destes ecossistemas, assim como a fidelização dos clientes. E mais. Vamos abrir as portas do mercado de seguros para todas as pessoas”, comenta Ventura.

Este ano, Ventura trouxe para a 88i um dos executivos mais renomados de seguros do mundo. Fernando Moreira, que atuou em 35 mercados distintos em processos disruptivos – presidente da HSBC Seguros, CEO Cigna CMC e PingAng ( ambas na China) e Head Global de Seguros da Scotiabank (Canadá) – , assumirá como CEO da 88i Seguros Digitais com a missão de maximizar valor para os clientes e transformar a startup do Sandbox da Susep em líder de mercado de seguros digitais nos próximos cinco anos. Em 2021, a seguradora espera comercializar 50 mil apólices e chegar a R$ 7 milhões em prêmios. Em 2022, mira multiplicar por dez o resultado projetado.

O potencial é grande, segundo o executivo, considerando o tamanho do mercado, estimado em dois mil ecossistemas digitais, entre aplicativos de fintechs, plataformas de e-commerce e empresas ligadas à mobilidade e delivery, e por onde circulam em torno de 120 milhões de pessoas. “O mercado brasileiro atua majoritariamente em meios tradicionais e, por isso, ainda não se mostra atraente para o consumidor digital. A 88i Seguradora Digital é a antítese das seguradoras tradicionais. Com nossas soluções, a proteção estará disponível a um ‘clique’. Estamos dando o primeiro passo para uma transformação completa deste mercado, começando com soluções simples, intuitivas e digitais”, conclui Moreira.

Mercado com cautela e inflação chega a 6,10% ao ano 518

Mercado com cautela e inflação chega a 6,10% ao ano

Mercados atentos às negociações sobre o orçamento da União e à condução da pandemia

Na Europa, as bolsas fecharam majoritariamente em alta, como resultado da ata do BCE (Banco Central Europeu) sinalizando a permanência dos estímulos à economia do bloco. Quanto aos dados de conjuntura econômica, a inflação ao produtor (IPP) teve avanço de 1,5% na Zona do Euro e os números de encomendas à indústria na Alemanha aumentaram 1,2%. Frankfurt teve avanço de 0,17%. Paris subiu 0,57%. Madri teve ganhos de 0,47% e Lisboa acelerou 0,09%. Milão foi o destaque negativo, com perdas de 0,73%.

No Brasil, o Ibovespa fechou com alta de 0,59%, em 118.000 pontos. O avanço acompanhou o bom humor externo, além da sinalização do governo em relação ao maior comprometimento com a vacinação em massa e em defesa de Paulo Guedes.

Com os bancos centrais dos Estados Unidos e Zona do Euro ampliando o comportamento dovish, as bolsas em Nova York também fecharam em alta. A redução nos yields dos treasuries também contribuiu para o avanço do mercado. O Dow Jones ganhou 0,17%, o S&P 500 avançou 0,42% e o Nasdaq teve alta de 1,03%.

Na Ásia, a alta da inflação na China pode gerar continuação do enxugamento monetário por parte do banco central do país, fazendo com que as bolsas fechassem majoritariamente em queda no pregão desta madrugada. Na China continental, o Xangai Composto e o Shenzhen recuaram 0,92% e 0,95%, respectivamente. Em Hong Kong, houve queda de 1,07%. E Taiwan teve desvalorização de 0,43%. Seul teve retração de 0,36%. Na contramão, Tóquio teve alta de 0,20%.

Para hoje (09)

Os mercados globais abrem mistos, com dados econômicos e possibilidade de restrição monetária na China.

No Brasil, o IPCA teve alta levemente abaixo das projeções, com avanço de 0,93% ao mês e de 6,10% ao ano. Apesar de ficar abaixo das projeções do mercado, ainda há alta considerável no indicador.

Os mercados também ficarão atentos às negociações em torno do orçamento e à condução da pandemia.

Internacional

Na Europa, a agência Destats divulgou os números da produção industrial, com queda de 1,6%, ante expectativa de alta de 1,5% em fevereiro. E a balança comercial, divulgada pela mesma instituição, teve saldo de US$ 19,9 bilhões em fevereiro, ante projeção de US$ 20 bilhões. No Reino Unido, o índice de preços de imóveis teve alta anual de 6,5% e alta mensal de 1,1% em março.

Nos Estados Unidos, o índice de preços ao produtor avançou acima do esperado em março. O índice amplo teve alta de 4,2% ao ano e de 1,0% ao mês. O núcleo do indicador teve alta anual de 3,1% e, no mês, houve avanço de 0,7%. Ainda serão divulgadas as vendas e estoques no atacado em fevereiro, o relatório WASDE com expectativas para o setor agrícola e a contagem de sondas petroleiras feita pela companhia Baker Hughes.

“Sou segura”: mulher que acredita e desenvolve seu potencial tem destaque no setor de seguros 312

Stephanie Zalcman é Chief Placement Officer (CPO) da Wiz Soluções em Seguros e embaixadora da AMMS / Divulgação

Confira artigo de Stephanie Zalcman, Chief Placement Officer (CPO) da Wiz Soluções em Seguros e embaixadora da AMMS

A diversidade tem ganhado espaço em empresas de todos os setores e, felizmente, também no mercado de seguros, que há muito era tido como masculino. Mulheres e homens pensam diferente e isso traz uma combinação fundamental para atingir alta performance nas equipes.

As mulheres têm uma forma especial de lidar com as emoções das pessoas, por isso vocação natural para o mercado que trata da proteção, mas talvez por perfeccionismo ou carga histórica muitas vezes não se sentem capazes de exercer o mesmo cargo que homens. Mesmo estatisticamente sendo mais estudiosas e capacitadas, muitas ainda não se colocam como deveriam. Enquanto a mulher precisa se sentir capacitada para exercer suas funções, a natureza masculina impulsiona o homem naturalmente ao desconhecido, e portanto, estão sempre prontos a assumir posições de decisão com muito mais facilidade.

A Associação da Mulheres do Mercado de Seguros (AMMS), da qual sou embaixadora, apresentou em emocionante evento online na noite de ontem sua nova identidade visual e o mote “Sou Segura”, que se une ao slogan “Rumo ao equal”. A associação tratar justamente de desenvolver a equidade de gêneros no setor, preparar mais mulheres para os cargos de liderança, dando oportunidades para que elas façam mais networking, se preparem e se sintam mais seguras para assumir posições mais altas e também motivar as empresas a se engajarem nesse projeto para que tenhamos mais diversidade nas companhias, especialmente na alta gestão, melhorando o clima organizacional, motivando outras mulheres que estão em cargos menores e consequentemente trazendo maior rentabilidade para suas companhias.

Divulgação
Divulgação

De acordo com a Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), em 2000 as mulheres representavam 49% de profissionais do setor e hoje são aproximadamente 59%, mas embora a maioria dos profissionais de seguros seja de mulheres a participação delas em cargos de liderança ainda é limitada. Há uma maior participação de profissionais femininas em seguros de benefícios e de pessoas e mais masculinos nos ramos elementares, transportes e seguros financeiros.

Existem muitas profissionais preparadas para atingir os níveis de diretoria (C-level) nas empresas do setor. Elas precisam apenas ter mais confiança e estar dispostas a galgar tais posições, acreditar mais no seu potencial e ter menos autocobrança.

Mas o mercado está mudando, o empoderamento feminino tem trazido impacto incrível. Cada vez mais vemos mulheres confiantes e seguras, se desenvolvendo amplamente. É incrível olhar para trás e ter presenciado essa transição cultural.

Hoje sabemos que a igualdade vem da competência e do preparo. Excelentes profissionais sempre terão posição de destaque em nosso mercado, independentemente do gênero.

Aprendi em minha trajetória a ser forte e determinada, a investir em mim buscando ser a melhor especialista e assim competir em igualdade, sem medo de me aventurar no novo. Estamos caminhando para um mercado justo, equânime e acolhedor, onde diversidade é sinônimo de prosperidade.

Associação das Mulheres do Mercado de Seguros lança nova marca 536

Associação das Mulheres do Mercado de Seguros lança nova marca

Anúncio foi realizado em evento virtual

A Associação das Mulheres do Mercado de Seguros (AMMS) anunciou, em evento virtual, o lançamento de uma nova identidade visual. A transmissão foi realizada nesta quinta-feira, 8 de abril, e tem o intuito de representar uma nova era para todas as associadas e mulheres do mercado de seguros. “Estamos chegando a outro patamar, em busca da transformação e do empoderamento das mulheres, em uma trajetória de ressignificância”, destacou a presidente da Associação, Simone Vizani.

O momento contou com apresentação da cantora Édria Tungavidya e participação de diretoras da instituição. A vice-presidente, Camila Davoglio, destacou o momento de amadurecimento da entidade e a jornada resultante de uma “emersão profunda”, em um longo caminho. “Foram vários encontros, por mais de um ano. Realizamos estudos, reflexões e releituras. Observamos o mercado e as necessidades das mulheres do setor. Mapeamos o nosso DNA para fortalecer a voz do nosso gênero. O desafio cresceu a cada etapa, pois percebemos que era preciso mudar a identidade. O resultado, esperamos, será um grande engajamento pela equidade de gênero, que é a causa maior da nossa marca”, frisou.

No final do evento, foram apresentados os depoimentos de diretoras e conselheiras da AMMS, que enfatizaram a relevância do projeto: Margo Black (primeira presidente da AMMS), Márcia Ribeiro, Mariana Valdiero, Liliana Caldeira, Margareth Carvalho, Ana Carolina Mello, Guadalupe Nascimento, Paula Lopes, Patricia Marzullo, Carolina Vieira, Daniela Tseimatzidis, Priscila Costa Russo, Carolina Fortunato e Simone Ramos.

*Com informações de Jorge Clapp.