ZL Brasil Corretora de Seguros: 12 meses, 15 mil clientes 3848

Confira edição 248 da Revista JRS

É impossível imaginar um mundo sem tecnologia nos dias de hoje, principalmente no universo corporativo. Você chegou a imaginar como seria a situação se não existissem os aplicativos para realização de conferências virtuais, automação ou mensuração de dados?

Cada vez mais torna-se crucial que as empresas fomentem e democratizem o acesso às ferramentas atualizadas para seus colaboradores, de modo a otimizar a gestão de tempo. Assim, sobra tempo para aquilo que realmente importa quando falamos sobre o mundo dos negócios: relacionamento.

É preciso utilizar o atual momento da crise vivenciada pela humanidade como ponto de inflexão para aprimorar as relações humanas no ambiente digital. A indústria de seguros, por exemplo, promove uma série de iniciativas neste sentido. As companhias e demais empresas do setor, por exemplo, buscam promover interações mais humanizadas nas redes, afinal, o momento exige compreensão e empatia por parte das lideranças.

Além disso, cada pessoa deve, individualmente, refletir sobre suas metas e objetivos – sem esquecer do propósito que a motiva para seguir em frente e conquistar resultados ainda mais extraordinários. Isso fica evidenciado na reportagem de capa da Revista JRS 248, que traz a trajetória de sucesso da ZL Brasil Corretora de Seguros. A empresa possui 15 mil clientes já no primeiro ano de atuação. E, muito disso, passa pelo afinamento do fundador Zênio Costa com as técnicas mais modernas de gestão disponíveis no mercado. Mas não apenas isso. O legado de força e dedicação do executivo também foram cruciais para que a empresa atingisse essa posição de destaque em um rápido período de tempo.

Confira essa e outras histórias ao longo das páginas desta edição!

Digitalização de serviços gera facilidade a clientes e contribui para eficiência nos negócios 319

Digitalização de serviços gera facilidade a clientes e contribui para eficiência nos negócios

Confira artigo de Rogério Guandalini, Diretor Comercial, Marketing e Produto da EABR e CEABS Serviços

Rogério Guandalini é Diretor Comercial, Marketing e Produto da EABR e CEABS Serviços / Divulgação
Rogério Guandalini é Diretor Comercial, Marketing e Produto da EABR e CEABS Serviços / Divulgação

A transformação e o impacto do uso das ferramentas digitais no dia a dia de empresas são pontos-chave quando queremos entender como alcançar eficiência nos negócios e satisfação e fidelização de clientes. É preciso, primeiro, ter em mente o novo perfil do consumidor, que vem mudando rapidamente nos últimos anos e que, desde 2020, entende melhor seu papel de protagonista nas relações: ele valoriza mais o seu dinheiro e por isso busca melhores formatos de compra, facilidade nos meios de pagamento, agilidade na entrega e canal eficiente de atendimento.

Essa tendência já é percebida por boa parte das empresas que, por isso, apostam cada vez mais em tecnologia para entregar melhores serviços. De acordo com o estudo Digital Transformation Investment 2020, realizado pela consultoria global IFS, mais de 50% dos participantes planejam aumentar os gastos em iniciativas de transformação digital. E esse movimento não é à toa. Um levantamento do Temkin Group mostra que empresas que investem na experiência do cliente devem incrementar a receita em 70% após três anos.

Nesse contexto, um ponto chama bastante a atenção: as pessoas hoje escolhem como querem ser atendidas, seja via WhatsApp, inteligência artificial humanizada, aplicativos ou call center. Por isso, qualquer empresa que deseje ter excelência em atendimento, deve estar preparada para auxiliar este consumidor e trabalhar para que as jornadas de prestação dos serviços se tornem cada dia mais satisfatórias em qualquer que seja o meio de acesso.

As empresas mais focadas na competência dos negócios vêm implementando novas ferramentas de interação não só com seus clientes, mas também com fornecedores e prestadores de serviços, conectando, assim, toda a cadeia. Também promovem a sinergia entre os times de operações, TI e produtos para desenvolver e avaliar soluções digitais dirigidas ao público final e aos parceiros de negócios, proporcionando comodidade e experiências positivas que resolvam situações do dia a dia. Tudo isso respaldado e atrelado a uma estratégia clara para entregar conveniência, qualidade e segurança.

Não há dúvida de que quem opta por incorporar tecnologia em suas soluções colhe bons frutos. No segmento de assistências, por exemplo, essa transformação embasou o surgimento de novos produtos, como serviços de saúde remota, de proteção contra ataques e roubos virtuais e de repaginação e decoração de ambientes domésticos de forma 100% virtual. Neste quesito, vale destacar que as pessoas buscam atendimento virtual, porém humanizado. Não querem ter a sensação de que estão conversando com uma máquina (mesmo sabendo que estão) pois esperam encontrar empatia nesse contato para que suas demandas sejam solucionadas.

No último ano a Europ Assistance elevou em 8 pontos percentuais a qualidade do atendimento aos serviços do seguimento Residencial. Isso, sem dúvida, é resultado da dedicação em entender o perfil do consumidor, o que é importante para ele e traduzir tudo isso em melhoria contínua. Neste caso, com inteligência e business performance foi possível desenvolver uma operação autônoma, inteligente e multiplataforma que ajudou a reduzir em 30% o tempo de atendimento. Em outras palavras: os clientes estão satisfeitos e o suporte é mais prático e objetivo.

E toda a experiência vivenciada com a pandemia e a necessidade de isolamento social ampliou o movimento da digitalização de serviços. Quem, de certa forma, já havia se preparado para toda essa transformação encarou o processo de maneira mais pragmática, adaptou-se mais facilmente às mudanças, assimilou melhor o aumento do acesso aos canais digitais e ainda conseguiu manter – ou melhorar – os indicadores de satisfação.

Sem dúvida, um dos fatores-chave para o sucesso das empresas é a receptividade a atual era da transformação digital. E isso significa conectar-se aos seus públicos de forma genuína, estar disponível e acessível, e entender que o processo deve ser contínuo e evolutivo, com olhar atento a oportunidades e tendências, sem se esquecer de revisitar a jornada junto ao protagonista da história.

*Por Rogério Guandalini - Formado em Tecnologia, com especialização em Vendas e Marketing, pela Fundação Getulio Vargas. Diretor Comercial, Marketing e Produto da EABR e CEABS Serviços

Telemedicina do Qsaúde cresce mais de 370% nos últimos seis meses 662

Telemedicina do Qsaúde cresce mais de 370% nos últimos seis meses

Resolutividade e segurança da teleconsulta são os principais atrativos do serviço, segundo usuários

A operadora de planos de saúde Qsaúde registrou aumento de mais de 370% nas teleconsultas realizadas por seus beneficiários com médicos do serviço de telemedicina do Einstein nos seus primeiros meses de funcionamento. É o que aponta levantamento recente da companhia, realizado entre novembro de 2020 e março de 2021. Só no primeiro trimestre deste ano, o crescimento foi de 132% e pode ser relacionado ao recrudescimento da pandemia em São Paulo.

Ainda segundo a pesquisa, entre as principais queixas médicas que levaram os clientes a buscar o atendimento online estão infecção aguda das vias aéreas superiores (gripes e resfriados), sintomas associados ao Covid-19 e quadros gastrointestinais. No geral, a taxa de resolutividade dos casos atendidos é de 80%. Com isso, o atendimento remoto evita que 8 a cada 10 pacientes sejam encaminhados a um serviço de urgência e emergência e fiquem expostos aos riscos decorrentes de um ambiente hospitalar.

“Oferecemos a todos os beneficiários o serviço de telemedicina com médicos do Einstein, disponível 24 horas. O modelo alia agilidade, conforto e, principalmente, segurança. Acompanhamos de perto os indicadores de resolutividade e os motivos que fazem os clientes a realmente necessitarem do pronto-atendimento. Dessa forma, nosso time de saúde monitora a evolução de cada caso, realiza visitas hospitalares e auxilia na elaboração de um plano de cuidado que contemple estratégias de prevenção e promoção de saúde”, afirma o diretor médico do Qsaúde, o cardiologista Ricardo Casalino.

Telemedicina no Brasil

Após um ano da permissão ao uso da telemedicina no país em caráter emergencial, o atendimento a distância segue crescendo na saúde suplementar e, também, no sistema público de saúde.

Segundo dados da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), as 15 operadoras associadas juntas – entre elas as maiores do país -, chegaram a realizar, em média, 250 mil consultas por mês em 2020.

No Sistema Único de Saúde (SUS), foram mais de 1,8 milhão de teleconsultas até julho de 2020.

Benefícios da telemedicina

Conceitualmente definida pelo uso de recursos digitais de comunicação e tecnologia para troca de informações de saúde a distância, a telemedicina traz muitos benefícios à população. Em meio à crise sanitária global, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) apoia a implementação da telemedicina, que já era utilizada em países como Inglaterra, Portugal, Estados Unidos, Austrália, Índia e Japão.

Além da resolutividade de grande parte de casos não caracterizados como urgências ou emergências médicas, a teleconsulta garante mais segurança ao evitar o deslocamento até uma unidade de saúde, em um momento no qual o isolamento social é uma das principais formas de prevenção do contágio do coronavírus. Ainda oferece maior acessibilidade àqueles que, seja por imobilidade ou questões geográficas, não podem ir até um profissional de saúde.

Revista JRS apresenta Raio-X da Saúde no Brasil durante a pandemia 123797

Edição 247 ainda traz outros destaques do mercado segurador

A edição 247 da Revista JRS destaca um panorama geral sobre a saúde no Brasil em tempos de pandemia. Os sistemas público e privado de atendimento sofreram grande pressão com a chegada da segunda onda do novo coronavírus e uma série de ajustes foi promovida para melhor atender e salvar vidas.

O intuito deste levantamento é promover um ponto de inflexão, de modo a observar dados e estatísticas, para poder traçar expectativas e projeções para um futuro próximo. Futuro esse, esperamos, com todos mais seguros e devidamente imunizados.

Além disso, a edição mensal da publicação destaca uma série de avanços tecnológicos e comportamentais do ecossistema de seguros. A Capemisa Seguradora, por exemplo, foi uma das primeiras empresas a anunciar que adotará em definitivo a modalidade de teletrabalho. Você verá também, ao longo das próximas páginas, que não apenas as empresas do segmento têm buscado aprimorar suas operações, como também as entidades representativas. É o caso do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP), que promoveu uma série de novidades no projeto Sincor Digital, um verdadeiro marketplace de soluções e ferramentas que visam dinamizar e auxiliar o profissional da corretagem de seguros a gerir e ampliar sua carteira de clientes.

A ousadia, garra e persistência da Gente Seguradora é ponto de partida para inspirar nossos leitores – que também celebram os 40 anos da Bradesco Vida e previdência e os 15 anos da chegada da Berkley Seguros ao Brasil.

Esta super edição termina com um artigo do Diretor-Presidente da Sabemi Seguradora, Antonio Tulio Lima Severo, que aborda a construção do futuro.

Excelente leitura!

Liberty Seguros anuncia nova edição de relatório sobre tendências do mercado 593

Liberty Seguros anuncia nova edição de relatório sobre tendências do mercado

Economia da experiência, envelhecimento e imediatismo são algumas das tendências de comportamentos apresentados no estudo

O Brasil e o mundo enfrentam um cenário totalmente atípico, e mudanças que estavam em andamento foram aceleradas. O mercado foi forçado a se adaptar rapidamente. Quem já tinha a tecnologia como aliada saiu na frente, mas teve a necessidade de se atentar ainda mais ao comportamento dos consumidores que passam por transformações constantes há mais de um ano.

Desde 2017, a Liberty Seguros viu a necessidade de acompanhar essas mudanças e, por isso, deu início ao desenvolvimento de um relatório com as principais macrotendências que poderão influenciar o mercado de seguros como um todo. Em 2021, quando o mundo enfrenta a maior crise sanitária de sua história, refletir sobre o momento que estamos vivendo e sobre o que devemos esperar para o futuro, é ainda mais relevante.

“Já são mais de 5 anos desenvolvendo esse relatório que ajuda não só a Liberty, mas todo o setor, a seguir alinhados às tendências e possíveis mudanças que podem impactar diretamente os negócios. Precisamos estar sempre atentos e prontos para adaptações, principalmente em um período que tem nos feito rever estratégias e nos ensinado a ouvir cada vez mais a necessidade dos clientes”, comenta Alessandra Lima, superintendente de estratégia e inovação da Liberty Seguros.

Da evolução tecnológica até a importância da sustentabilidade, abaixo estão alguns destaques do estudo.

Evolução tecnológica e conectividade

O crescimento robusto e constante da velocidade de Interconexão entre 2019–2023 é resultado da influência das principais macrotendências e do surgimento da Covid-19. Por isso, adotar serviços totalmente digitalizados tornou-se crucial no cenário atual. Com o aumento na nova demanda por engajamento digital distribuído, as empresas estão tendo que endereçar questões relacionadas a força de trabalho remota, eficiência de rede e latência do fluxo de trabalho. De acordo com Fórum Econômico Mundial, 70% do novo valor gerado ao longo da próxima década será baseado em modelos de negócios habilitados para o digital.

Economia da Experiência

A experiência na compra e na utilização de produtos e de serviços deve ser memorável, e deve transformar todo o processo de compra e de consumo em algo prazeroso. As empresas passarão a estabelecer padrões de excelência de atendimento para estágios mais experimentais, impulsionados pela digitalização de serviços gerada pela pandemia.

Em pesquisa da Ipsos sobre Tendências Emergentes, 90% declararam que estão procurando ativamente maneiras de simplificar suas vidas. Além disso, 80% das pessoas que declararam estar em busca de conveniência disseram que pagariam por produtos ou serviços que lhe economizariam tempo.

Relacionamento Pró-ativo

Velocidade é vital, ainda mais quando o consumidor está pedindo algo que seja dependente do tempo. Uma pessoa que trabalha em home office, por exemplo, não pode ficar sem internet, estar com a conexão lenta ou, ainda, uma conexão instável. Quando um cliente solicitar algo que não seja custoso ou demande tempo demais, vale a pena superar expectativas e realizar aquilo que ele pediu. Isso deixará o cliente mais do que satisfeito, e a sua marca será lembrada por ele sempre.

Clientes fiéis, que fazem compras recorrentes, geram mais de 80% da receita total de qualquer negócio. Por isso, empresas que conseguem maiores receitas e crescem rapidamente possuem fortes estratégias de Customer Success, focando em um contato proativo com o interesse genuíno de ajudar.

Envelhecimento e Intergeracionalidade

A economia prateada no Brasil, que mira o público com mais de 50 anos, é a terceira maior do mundo, atrás dos EUA e da China. Esta demanda crescente gera um movimento dentro das empresas, que precisam garantir que seus produtos e serviços estejam adequados a este público. No Brasil, muitas empresas já começaram a se adaptar para uma realidade onde o público acima dos 50 anos terá a maior parcela do poder de compra nacional, lançando novos produtos e novos modelos de negócios aderentes a este público.

Empoderamento e Faça você mesmo (DIY)

O Empoderamento & DIY é uma tendência comportamental, derivada do viés cognitivo conhecido como efeito IKEA – loja de móveis sueca internacionalmente reconhecida pela sua política monte-sozinho. De acordo com um estudo desenvolvido por estudiosos de Harvard, Yale e Duke, quando uma pessoa exerce um papel importante ao construir um produto (parcial ou integralmente), ela tende a reconhecer um valor ainda maior neste mesmo produto quando ele se torna finalizado. A mudança no cenário econômico do país fez com que essa tendência crescesse ainda mais. Muitas pessoas passaram a criar produtos caseiros, seguindo dicas na internet, seja por conta do dinheiro, da agilidade em ter a solução, ou seja pelo desejo de ter um produto único que a própria pessoa criou. Com isso muitas empresas passaram a oferecer soluções direcionadas a este público, além de soluções cada vez mais personalizadas.

Individualidade e Privacidade

Existe uma linha muito tênue quando o assunto é uso de dados pessoais. Se por um lado uma maior quantidade de dados possibilitam que as empresas ofereçam uma solução personalizada para seus clientes, por outro lado os clientes podem sentir que sua privacidade está sendo invadida pelas empresas. Existe também o risco crescente de vazamento de informações pessoais de usuários, como aconteceu no Brasil recentemente. Encontrar este equilíbrio entre a individualidade e a privacidade é uma das principais missões das empresas para os próximos anos.

Segundo o Instituto Ponemon, 63% das pequenas e médias empresas sofreram algum incidente com vazamento de dados em 2019. A principal causa citada para isso é a perda ou roubo de equipamentos, seguida por ataques à rede, vulnerabilidades dos dispositivos móveis e e-mails enviados para remetentes errados.

Instantaneidade, Imediatismo, Impaciência

Atuar de forma rápida nas demandas de clientes e parceiros se tornará algo essencial para as empresas, que precisam agilizar respostas e processos para os mesmos. As empresas precisarão saber medir quais momentos deverão ser atendidos com excelência, e quais precisarão ser atendidos com agilidade. Também existe uma grande oportunidade para as empresas explorarem a crescente impaciência dos clientes, oferecendo soluções que amenizem a correria do dia a dia.

Considerando pesquisas realizadas por dispositivos móveis, em dois anos houve:

  • Um aumento de 200% em buscas de expressões como “aberto + agora + perto de mim”,
  • 120% de aumento nas buscas de “rastrear pacote” e
  • 400% na procura de “24 horas + SAC”, o que dá uma amostra de como os consumidores andam impacientes

O relatório ainda traz dados sobre dependência dos aparelhos móveis, reforçando que a maneira mais fácil e eficiente de chegar até um determinado público é por meio dos mobiles, tendo isso como prioridade nas estratégias das empresas. Outra tendência que vem ganhando força no mercado é a Sustentabilidade, já que as empresas precisam rever processos rotineiros, desde o consumo exagerado de recursos até a escolha de fornecedores que respeitem os recursos naturais em sua produção. Novas tecnologias, como o hidrogênio verde, lideram o caminho para um futuro onde a garantia de sobrevivência da cadeia de suprimentos será o grande foco das empresas em suas ações e estratégia.

“O relatório traz dados muito importantes para nos guiar nas tendências dos próximos anos. São mudanças que já estávamos acompanhando e, com certeza, vão exigir ainda mais atenção para as empresas que pretendem se manter competitivas no mercado e para os corretores evoluírem seus negócios”, completa Alessandra.

Para ter acesso ao relatório completo, acesse este endereço.

Cresce 27% o número de clientes com cobertura para Doenças Graves na MAG Seguros 587

Cresce 27% o número de clientes com cobertura para Doenças Graves na MAG Seguros

Produto representou 11% das vendas da seguradora em 2020

A MAG Seguros, seguradora de 186 anos especializada em seguro de vida e previdência, viu seu seguro de Doenças Graves crescer em 2020. A contratação do produto apresentou aumento de 27% em novos clientes em relação ao ano de 2019, representado 11% das vendas da seguradora ano passado. Para 2021, o estimado é que a participação deve ser manter entre 11% a 14%.

Rodrigo Cunha é gerente de Desenvolvimento de Produtos da MAG Seguros / Divulgação
Rodrigo Cunha é gerente de Desenvolvimento de Produtos da MAG Seguros / Divulgação

A empresa conta com o seguro de Doenças Graves em seu portfólio desde 2010, tendo completado dez anos de experiência com o produto recentemente. “Aqui na MAG Seguros nós buscamos desenvolver as nossas soluções de Doenças Graves analisando aquelas doenças com maior incidência. Assim, nós podemos oferecer produtos que façam sentido para as pessoas”, explica Rodrigo Cunha, gerente de Desenvolvimento de Produtos da MAG Seguros. Outro diferencial é o período de carência, um dos menores do mercado, com 60 dias. Além disso, existe a possibilidade de aceitação para clientes que têm ou tiveram casos de diabetes, câncer ou cardiopatias.

O aumento da procura pelo produto se deve ao fato dele ser um seguro de vida de fácil compreensão para o brasileiro, além de ter um grande apelo por trazer proteção para algo muito tangível no dia a dia. Com isso, ele acaba sendo porta de entrada para os clientes adquirirem outros produtos com a MAG Seguros. Além disso, apesar deste tipo de produto não oferecer cobertura para Covid-19, a pandemia influenciou as vendas, uma vez que houve uma maior preocupação dos clientes se protegerem financeiramente em diversos aspectos, inclusive aqueles relacionados a problemas com a saúde.

Com relação ao perfil dos segurados, existe um equilíbrio quanto ao sexo, com idade média de 40 anos. Há também uma predominância de profissionais liberais, como administradores, médicos, advogados e dentistas. Já com quando o assunto é a procura, ela se concentra nas grandes cidades, com uma representatividade acima de 70%.

O produto cobre 28 diagnósticos como: Câncer (nos estágios leve, moderado e grave), AVC, Alzheimer, Parkinson, Infarto Agudo de Miocárdio, Insuficiência Renal Crônica, Paralisia de Membros, Perda da Fala, Visão ou Audição, Coma por Traumatismo Craniano, Danos Cerebrais Anatômicos, Doenças Hepáticas Graves, Pancreatite Crônica, Esclerose Múltipla, Doença do Neurônio Motor, Osteomielite, Queimaduras Graves (3º Grau), Anemia Aplástica, Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas, e necessidade de Transplante de Coração, Pulmão, Rins, Pâncreas, Medula, Fígado, Intestino Delgado ou de Tecido Composto.

“Vale ressaltar que esse aumento também foi reflexo do lançamento dos novos Doenças Graves da companhia no decorrer de 2020, que oferecem as melhores coberturas do mercado brasileiro”, completa Cunha. No início do ano passado, a companhia reformulou o produto e desenvolveu três módulos: Essencial, Plus e Premium. Desta forma, o segurado pode escolher, conforme a sua visão de importância e necessidade, aquela proteção que achar mais conveniente.