Swiss Re: Mudanças climáticas levam a uma queda significativa no PIB

Economia global pode encolher 18% se nenhuma contrapartida for tomada

As mudanças climáticas podem ser o maior desafio para a economia global nos próximos anos. Se nenhuma contrapartida for tomada, haverá a ameaça de um aumento da temperatura global de mais de 3ºC nos próximos 30 anos e a economia global encolherá 18%. Este é o resultado de uma análise do Swiss Re Institute.

Publicidade
Icatu Seguros no JRS

Em um cenário negativo com um aumento de temperatura de 3,2 graus Celsius, o PIB da China encolheria quase um quarto (24%) em meados do século. De acordo com a resseguradora, Grã-Bretanha, Canadá e EUA teriam que aceitar uma queda de dez por cento. A Europa seria um pouco mais afetada com menos onze por cento, com
alguns países como Finlândia ou Suíça correndo menos risco (6%) do que a França ou Grécia (13%).

No entanto, mitigar as mudanças climáticas exigiria uma série de medidas. O que é necessário são mais regulamentações sobre preços de CO2 em conexão com incentivos para soluções de compensação de CO2 baseadas na natureza e uma harmonização internacional da taxonomia para sistemas verdes e sustentáveis. Como parte de seus relatórios financeiros, todas as instituições devem divulgar regularmente como pretendem atingir as metas do Acordo de Paris e emissões zero, de acordo com a resseguradora.

“As mudanças climáticas são um risco sistêmico que só pode ser gerenciado em nível global. Mas até agora muito pouco aconteceu. Os esforços dos governos e do setor privado para atingir as metas líquidas de zero devem ser divulgados com transparência. Somente quando os setores público e privado se unirem, a transição para uma economia de baixo carbono poderá ter sucesso. A cooperação global é necessária para garantir que os fundos fluam para os países em perigo. Agora temos a chance de corrigir nosso curso para que o mundo se torne mais sustentável e resiliente”, comenta Jérôme Haegeli, Economista-Chefe da Swiss Re.

Publicidade
Delta

“Nossa análise mostra o que os investimentos trazem em uma economia líquida zero. Se, por exemplo, os investimentos anuais em infraestrutura global de 6,3 trilhões de dólares americanos aumentassem apenas dez por cento, o aumento médio da temperatura poderia ser limitado a menos de dois graus Celsius. Essa é apenas uma fração da perda global do PIB que nos ameaça se não agirmos de forma decisiva”, acrescenta o economista.

*Com informações de Versicherungs Wirtschaft-Heute.

Artigos Relacionados