Vocação comercial e trabalho em equipe norteiam carreira de Danielle Saad 55605

Danielle Saad Ribeiro é gerente da Sucursal de Curitiba da Bradesco Seguros / Foto: Divulgação

Confira entrevista exclusiva com a Superintendente Comercial da Sucursal de Curitiba da Bradesco Seguros

Em julho ela está completando quatro anos e meio de morada na capital de seu Estado natal. Já conseguiu, assim, matar as saudades do Paraná, com o plus de estar vivenciando uma fase de evolução profissional e de, palavras dela, conquistas diárias. Ao JRS, a Superintendente Comercial da Sucursal Curitiba da Bradesco Seguros conta que o convite da liderança da companhia para assumir a posição na capital paranaense, ocorrido em 2017, foi um verdadeiro presente, uma oportunidade que rende dividendos profissionais e motivacionais até hoje.

Empolgada por estar na linha de frente da seguradora e ainda por cima entre os conterrâneos, Danielle Saad Ribeiro, 40 anos, contudo, não deixa de mencionar a satisfação que teve em conhecer pessoas e ambientes nas outras localidades em que trabalhou, em 15 anos de Bradesco Seguros. “Sou grata pela oportunidade de ter conhecido o mercado de São Paulo, em uma das cidades mais industrializadas do interior, conhecer a cultura do Rio Grande do Sul e atuar junto ao povo gaúcho e hoje estar em Curitiba, trabalhando junto a um dos públicos mais exigentes do país, pela forte cultura europeia que a região possui”, enfatiza a executiva, nascida e criada em Ponta Grossa, quarto município mais populoso do Paraná, no qual ela também começou a carreira, atuando como supervisora de seguros no segmento de agências.

Danielle também guarda memórias marcantes do seu segundo destino profissional, a cidade de Americana, em São Paulo, onde nasceu a filha Valentina e onde a executiva participou da implantação piloto do Projeto Sinergia, que unificou a área comercial da Bradesco Seguros, tornando a equipe daquela região identificada na categoria de profissionais multirramo. “Quando Valentina tinha 1 ano de idade, fui promovida para Novo Hamburgo, região metropolitana de Porto Alegre, e me encantei com a cultura local e a pujança dos negócios. Recordando Novo Hamburgo, posso dizer que foram três anos de pleno desenvolvimento da cultura multirramo junto aos corretores. As conquistas foram inesquecíveis”, salienta, ao fechar a linha do tempo de posições que ocupou no Grupo Bradesco, antes de chegar à função atual. Saiba mais detalhes, nas próximas linhas, produto de entrevista exclusiva aos veículos do JRS:

JRS: De que maneira esses 15 anos de Bradesco Seguros contribuíram para a trajetória de Danielle Saad?

Danielle Saad: Considero que ter experiência não é algo mensurável pelo tempo de estrada que você tem. Nem a idade faz você ser experiente. Ter experiência consiste em tentar fazer de forma diferente inúmeras vezes a mesma coisa, a exemplo de Thomas Edison, que tentou de mil modos diferentes inventar a lâmpada.

A combinação de regiões por onde passei, áreas em que atuei, equipes que conduzi em diferentes cenários e condições de mercado, me trouxe experiência e contribuiu para o meu desenvolvimento. É algo além de você ser uma pessoa motivada. Isolada, a motivação não leva à entrega de resultados. Ela precisa estar atrelada a um planejamento construído em equipe, adaptado a cada realidade. Isso é um processo, é tempo, não tem receita. É preparação e experiência.

JRS: O que de mais importante você destaca no trabalho em equipe?

D.S.: A maturidade nos mostra que não há outro caminho para que as entregas aconteçam de forma saudável que não seja o trabalho em equipe. Quando se tem um planejamento para dar a direção de como realizar as suas entregas, precisamos que a equipe esteja envolvida na construção, para que o compromisso exista na execução.

O trabalho em equipe faz com que o empreendedorismo que existe em cada um enriqueça o grupo e nos conduza a soluções novas para os problemas, novos ou antigos, e acelere as entregas, tornando os desafios muito mais leves para todos.
Hoje faço parte do time de Superintendentes do Sul, e nosso líder sempre nos transmite a mensagem abaixo, que, na minha posição de gestora de Sucursal, sempre levo ao meu time. Assim, seguimos todos na mesma direção.

“Quando um time ganha, o passe de todos os jogadores é valorizado”.

JRS: Como se tornar um excelente líder?

D.S.: Um líder precisa ser capaz de atuar em três frentes: inspirar pessoas, mobilizar pessoas e compartilhar as responsabilidades. Para que isso seja possível, a preparação precisa ser constante. Muito além de ser um profissional motivado, entusiasmado, é necessário ao líder um desenvolvimento intelectual, estar se atualizando sempre, ter noções básicas de economia, técnicas de vendas e cultura em geral. Inclusive a psicologia é importante na liderança, pois ajuda o líder ter a empatia necessária junto ao liderado na solução de problemas, tendo a visão a partir da visão do liderado.

É preciso ter motivação para inspirar as pessoas, mas também preparação, afinal “não é o mais motivado que vence e sim o mais preparado”, mas ao mesmo tempo não pode faltar motivação. Somos um time de vendas, que precisa trabalhar em equipe, precisa de energia positiva. Um líder precisa dar o exemplo. Reuniões, feedbacks, tudo isso é importante. Mas tudo se torna definitivamente eficiente, quando está aliado ao exemplo, pois as palavras convencem, mas o exemplo arrasta.

Dessa forma, é possível ter uma equipe preparada e motivada. O líder precisa estar ciente da responsabilidade que lhe cabe naquele tempo e espaço. Enquanto gestor lhe cabe o exemplo e a direção. O desafio é árduo diante das atribuições diárias, mas primordial para o crescimento do líder e da sua equipe.

JRS: Na tua visão, quais os seguros que estão em evidência atualmente?

D.S.: A questão cultural ainda é um dos nossos grandes desafios, por não existir uma preocupação da grande parte da população em se precaver e também por sermos um país castigado por diferenças significativas na distribuição de renda.

Atualmente, porém, a pandemia trouxe um cenário com as pessoas mais preocupadas em ter algum tipo de proteção. Mesmo assim, somos 182 milhões de pessoas sem seguro odontológico, 125 milhões sem seguro de vida, 58 milhões de residências sem seguro, 38 milhões de veículos sem seguro, 152 milhões de pessoas sem plano de saúde e 3 milhões de empresas sem seguro empresarial.

Entendo que o mercado continuará crescendo acima da taxa da economia brasileira, a exemplo dos primeiros meses de 2021, quando tivemos um crescimento de 4% em relação ao mesmo período em 2020, com destaque de 11% no seguro de vida. As seguradoras vão continuar evoluindo tecnologicamente. Vão surgir cada vez mais produtos flexíveis e acessíveis.

Toda vez que o mercado de seguros cresce é sinal de que as pessoas estão consumindo mais proteção, e a característica social do setor se fortalece. Em 2020, o setor devolveu à sociedade 296 bilhões em indenizações. É um valor bem significativo, que poderia ser muito maior, tendo em vista a nossa pequena participação.

De maneira geral o mercado de seguros olha o ambiente com preocupação em relação a gestão de riscos, ajustes das despesas. Aceleradas pela pandemia, novas demandas têm ocupado um espaço importante, com novas necessidades de produtos que sejam de fácil contratação e custo acessível. Nichos importantes vêm aproveitando o momento, caso do seguro agrícola, prestamista, vida e saúde.

A meu ver, o mercado segurador, em todas as suas esferas, precisa se comunicar melhor com a sociedade, trazendo esclarecimento de como nosso segmento é acessível, contribuindo no despertar da população para o consumo.

JRS: Quais as diferenças entre os mercados da Região Sul?

D.S.: A Região Sul, com apenas três estados, representa aproximadamente 20% do mercado segurador nacional, ficando apenas atrás do Sudoeste em arrecadação de prêmios. Esses dados já nos dizem que, independente da região ou estado, somos privilegiados. A economia dos três estados é distribuída nos setores de agropecuária, extrativismo, indústria, comércio e serviço, variando de acordo com a região em que você atua.

No Paraná, encontro-me na região de Curitiba, que concentra importantes indústrias automotivas na região metropolitana, pilares da indústria automotiva nacional. A economia é baseada na indústria/comércio e serviços, o que nos traz grandes oportunidades em inúmeras carteiras de seguros.

O campo também nos traz vasta oportunidade no seguro agrícola e RD equipamentos. A alta tecnologia empregada no setor torna o estado destaque na produção de arroz, batata, trigo, milho e soja.

O Vale dos Sinos, região em que atuei no Rio Grande do Sul, tem sua economia pautada na indústria, comércio, serviços e agricultura. A região também é movimentada pelo turismo e pela proximidade com a Capital. E recebe constantemente investimento em diversos setores, que tornam a região pujante.

As duas regiões têm a maior riqueza em comum, um mercado de seguros comprometido, com corretores altamente competentes e antenados no desenvolvimento e necessidade dos seus clientes, tonando possível para as seguradoras a distribuição dos nossos produtos com responsabilidade.

JRS: Quais os resultados alcançados pela Sucursal da Bradesco de Curitiba desde que você assumiu a gerência?

D.S.: Assumi a Sucursal Curitiba em janeiro de 2017, e meu maior desafio foi reestruturar o time e aquecer a proximidade com o mercado. Desde então, de forma geral temos crescimento em todos os ramos de seguros ano a ano. Mas nosso maior ganho é o reposicionamento da seguradora diante do grande desafio de atender os aproximadamente 400 corretores (com atendimento direto) no modelo Multirramo implementado pela companhia.

Hoje estamos bem posicionados e trabalhamos dia após dia com o objetivo de viabilizarmos ao corretor o entendimento dos nossos produtos e processos e funcionarmos como apoio e consultoria comercial para concretização de negócios.

JRS: Para você, como as companhias classificam o papel do corretor de seguros?

D.S.: Os novos hábitos dos consumidores, em decorrência da pandemia, a aceleração digital e a evolução natural das gerações requerem do corretor de seguros uma preparação para este mundo que se tornou híbrido. A meu ver, o corretor de seguros seguirá evoluindo, com o olhar para o cliente como um todo, estudando o cliente para entender suas necessidades, solução unificada, facilidade. O cliente espera ter um consultor para seus assuntos de proteção. A geração de valor vai muito além do preço e define muito mais a fidelidade de um cliente.

A pandemia está deixando um resultado especial para os seguros de vida e residencial. As pessoas nunca ficaram tanto tempo em casa para vivenciar a relação custo x benefícios de um seguro residencial. Também nunca tivemos tanto medo de morrer ou perder alguém próximo.

Os corretores são mediadores, consultores, têm uma missão importantíssima que admiro muito: proteger a sociedade e mudar a realidade de muitas famílias. A Bradesco Seguros está em constate evolução, para entregar produtos mais flexíveis e adaptáveis aos clientes e processos mais fluidos ao corretor. É extremamente importante que os corretores caminhem conosco nesta trajetória.

JRS: Como a Danielle Saad pessoa contribui para a profissional todos os dias?

D.S.: O ano de 2020 com certeza deixará uma marca duradoura na forma e na sensação do trabalho. A possibilidade do trabalho flexível tornou muito mais relevante a importância de habilidades múltiplas, organização e disciplina.

O fato de estar em casa me adaptando às aulas online, e com uma criança pedido minha presença e atendimento das suas necessidades, fez com que eu aprimorasse minha empatia com a equipe. Pude usar das minhas adaptações e dificuldades, para entender melhor meu time.

O que pretendo para a vida está conectado com o que atuo hoje profissionalmente. Tenho plena consciência da exigência da minha carreira e o que tenho que abdicar, mas a vida é feita de escolhas. O que vivo hoje é reflexo do que escolhi lá traz. Estamos plenamente felizes, com sentimento de muito por fazer no futuro junto à Bradesco Seguros.

JRS: Qual característica você considera que é seu ponto forte?

D.S.: Vocação Comercial, o que me faz amar o que eu faço, e estar em busca de preparação constante, para ser uma líder formadora de pessoas, movida pelo desejo de ser melhor a cada dia. Saber trabalhar com pessoas e enfrentar os desafios crescentes.

JRS: O que você faz nas horas vagas?

D.S.: Recentemente, retomei algo muito valoroso na minha vida, o piano. Minha mãe é pianista, toquei por muitos anos e estava parada havia mais de 15 anos. Retomei as aulas junto com minha filha Valentina e temos vivido momentos lindos. Além do piano gosto de ler, curtir minha casa com a minha família, cozinharmos juntos e fazer passeios nos quais possamos estar em contato com a natureza.

Avanço da vacinação faz projeção de crescimento do PIB global subir para 5,6% 404

Avanço da vacinação faz projeção de crescimento do PIB global subir para 5,6%

Estados Unidos é destaque positivo pelo desempenho na imunização

Um ano e meio após o início da pandemia, o acesso à vacinação é um dos fatores mais fundamentais em nosso dia-a-dia. O mesmo é verdade para a economia global: as perspectivas para regiões onde uma proporção significativa da população já foi vacinada ou está em vias de ser vacinada é significativamente melhor do que para outras.

Assim, a expectativa da Coface de crescimento do PIB global para este ano foi corrigida para cima (+5,6%), principalmente devido às surpresas positivas vindas dos Estados Unidos, cuja classificação nacional aumentou para A2 neste trimestre.

Essas melhores perspectivas de crescimento se refletem no comércio mundial: depois de cair cerca de 5% em volume no ano passado, nosso modelo de projeção indica um crescimento de 11% neste ano. Apesar da recessão em 2020, o volume do comércio internacional em 2021 seria, portanto, quase 6% superior ao nível anterior à crise. Nesse contexto de crescimento robusto do comércio internacional, países exportadores de commodities tem sido beneficiados pela melhora em seus termos de troca. De acordo com os novos modelos de previsão da Coface para 13 commodities, os preços devem permanecer altos pelos próximos seis
meses, no mínimo. Como esperado, vários desses países tiveram suas Avaliações de Risco-País atualizadas neste trimestre, o que inclui Rússia, Arábia Saudita,
Equador, República do Congo, Azerbaijão, Botswana, Guiné e México. Além dos países emergentes e dos Estados Unidos, Austrália e Canadá também tiveram sua avaliação melhorada.

No total, 11 países foram atualizados neste trimestre, nenhum foi rebaixado, apesar do aumento da inflação e das medidas contínuas de ‘stop-and-go’, expressão usada para designar períodos de crescimento e desaceleração em alternância, o que afeta a demanda doméstica em várias das principais economias emergentes nos próximos meses.

Na frente setorial, 53 avaliações setoriais foram atualizadas. Estas dizem respeito principalmente ao setor de metais e, em menor escala, aos setores de papel e madeira.

Confira a avaliação completa realizada pela Coface (.PDF).

Interesse por eventos de promoção de saúde nas empresas cresce 17% durante a pandemia, aponta It’sSeg 389

Interesse por eventos de promoção de saúde nas empresas cresce 17% durante a pandemia, aponta It’sSeg

Levantamento feito pela companhia também mostra aumento na participação dos colaboradores nesse tipo de ação

A pandemia promoveu o aumento do interesse por eventos de promoção de saúde nas empresas. É o que aponta levantamento da It’sSeg, uma das maiores corretoras de seguros do país especializada em gestão de benefícios. De acordo com dados da companhia, houve aumento de 17% no número de palestras realizadas sobre saúde e qualidade de vida nas empresas atendidas, o número subiu de 211 eventos em 2019 para 248 no período entre julho de 2020 e junho de 2021.

Assuntos como saúde da mulher, saúde geral, saúde mental e saúde do homem foram os mais abordados nos eventos devido à alta procura e interesse das organizações e seus profissionais, sobretudo nas ações relacionadas a informações sobre a Covid-19 e busca de formas de lidar com questões emocionais em casa e no teletrabalho.

Assunto2019Entre julho de 2020 e junho de 2021Variação
Saúde da Mulher1938+100%
Saúde Geral4368+58%
Saúde Mental6086+43%
Saúde do Homem1822+22%
Alimentação3631-14%
Saúde Não tem Cor353-92%
Geral211248+17%

“Notamos um aumento significativo na demanda por esses eventos, tanto por parte dos clientes que já realizavam ações de boas práticas e qualidade de vida para seus colaboradores antes da pandemia, quanto por parte daqueles que não promoviam esses eventos e se interessaram a fazer com o intuito de aproximação com os funcionários em teletrabalho”, comenta Marcio Tosi, diretor da It’sSeg.

Aumento na participação de colaboradores

Ainda segundo o levantamento, houve maior interação de colaboradores nos eventos promovidos de julho de 2020 a junho de 2021 no formato online comparado às sessões realizadas presencialmente em 2019. A média de participação, que era de 30 a 40 pessoas, passou a ter, no mínimo, 60 a 70 participantes por encontro.

Tosi credita esse aumento à facilidade de acesso aos eventos remotos e à flexibilidade de horário para sua realização. “O formato online atrai mais participantes por possibilitar aos colaboradores que não se desloquem até um auditório, por exemplo, para acompanhar uma palestra, além de permitir que os eventos aconteçam em horários flexíveis, o que dá mais liberdade aos funcionários para participarem”, acrescenta.

FGV abre inscrições para exame de habilitação de corretores de seguros 442

FGV abre inscrições para exame de habilitação de corretores de seguros / Divulgação/FGV

Instituição ingressa no segmento de seguros e passa a certificar profissionais da corretagem

Conforme antecipado pelo Jornal do Seguro (JRS), a Fundação Getulio Vargas (FGV) decidiu ingressar no mercado de seguros e passará a habilitar os profissionais da corretagem. A taxa de inscrição é de R$ 400 e as provas dos ramos de Capitalização, Vida e Previdência acontecem no dia 09 de outubro. O exame para o ramo Danos será realizado no próximo dia 10 de outubro.

Reprodução/LinkedIn
Reprodução/LinkedIn

As inscrições para realização do exame presencial acontecem entre o dia 26 de julho até o dia 09 de setembro. Para a aplicação remota entre 26 de julho e 30 de setembro. Mais informações podem ser obtidas através do e-mail suporteseguros@fgv.br ou pelo (11) 3799-1560.

Baeta Assessoria lança e-book “Como vender mais seguro de vida” 416

Baeta Assessoria lança e-book “Como vender mais seguro de vida” / Divulgação

Segmento cresceu 18,5% nos primeiros cinco meses de 2021

Desde 2018, o segmento mantém uma curva em ascendência. Em 2019, a modalidade cresceu 14,8%. No ano passado, registrou aumento de 11,3% e agora, de janeiro a maio de 2021, segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) houve um aumento de 18,5%.

A expectativa é continuar em ascensão. Segundo João Arthur Baeta Neves, diretor da Baeta Assessoria, o comportamento do consumidor de seguros sofreu modificações, “os brasileiros estão bem mais preocupados com a proteção da sua vida e de seus familiares depois da pandemia”.

Na avaliação do executivo, falar sobre seguro de vida é simples, porque é algo que todos precisam. Mas não é fácil. Mais do que qualquer outro fator, incluindo educação e constante aprendizado, para entrar com tudo nesse ramo, é preciso ter espírito de luta. “O sucesso envolve constante agitação, networking e rejeição até que a venda seja feita”, destaca.

Por isso, as dicas do e-book “Como vender mais seguro de vida” revelam pontos importantes para quem deseja entrar no ramo. A publicação é inteiramente gratuita, está disponível para todos os corretores do mercado, sem restrições. A ideia é otimizar a carteira do corretor de seguro e estimulá-lo a mergulhar de cabeça neste nicho promissor. “Vender seguro de vida é um negócio de relacionamento”, afirma o diretor João Arthur Baeta Neves.

Dicas preciosas – Entre as orientações constantes da cartilha estão: trabalhe bem os argumentos; faça vendas cruzadas; vá atrás de amigos e familiares; e use a internet, principalmente as mídias sociais para ver o que está acontecendo na vida dos clientes e prospectar novos leads.

O diretor da Baeta Assessoria, adverte que a venda cruzada provavelmente não ocorrerá na primeira investida e que é preciso inteligência para identificar o momento certo. A chave é ter conscientização do produto; educação; criação de uma necessidade; identificação de interesse; e, finalmente, venda.

Para ter acesso ao e-book, é só acessar este endereço.

Bradesco Saúde lança produto Efetivo Tocantins 324

Flavio Bitter é diretor-gerente da Bradesco Saúde / Divulgação

Com foco regional, plano é voltado para todos segmentos de empresas e disponibiliza rede credenciada em todo País

A Bradesco Saúde acaba de lançar o Produto Efetivo Tocantins, tendo como prestador de referência a rede Medical, que contempla hospitais de referência como o Palmas Medical e o Santa Thereza, ambos localizados na capital. O produto conta com ampla rede credenciada em todo o país. O Efetivo Tocantins é 15,2% mais barato que o plano de entrada na região e está disponível a partir de R$ 176,87. A Bradesco Saúde ocupa, hoje, a 2ª posição do Market Share de vidas do Tocantins.

Com foco regional e abrangência de cobertura e rede de prestadores nacional, o Efetivo tem como pilares a distribuição geográfica da rede e de especialidades para garantir atendimento adequado à população local, com parceiros reconhecidos e custos competitivos. O produto ainda permite o acesso à plataforma de telemedicina Saúde Digital, que disponibiliza uma série de serviços online.

“O produto Efetivo se baseia na parceria com prestadores de referência em cada região, que estão alinhados com nossa estratégia de oferecer um plano de qualidade e eficiência da assistência, buscando minimizar desperdícios de recursos e, com isso, maior previsibilidade dos custos para garantir maior sustentabilidade do setor”, afirma Flavio Bitter, diretor-gerente da Bradesco Saúde.

Dentro das característica e condições especiais do produto, o Efetivo Tocantins é uma opção para pequenos e médios negócios, a partir de três vidas. Esse novo produto da seguradora chega em um momento de crescimento de beneficiários de planos de saúde no Estado em meio à retomada da atividade econômica.

“O grande diferencial do plano Efetivo Tocantins, da Bradesco Saúde, é o valor mais acessível, com cobertura de toda a Rede Medical, incluindo os hospitais Palmas Medical e Santa Thereza, referências na região. Os beneficiários possuem cobertura em todas as especialidades, além de radiologia, UTI, UTI Neonatal, entre outros”, diz o Dr. Guilherme Coutinho Borges, CEO da Rede Medical.

Segundo o órgão regulador, Tocantins registra mais de 115 mil beneficiários de planos de saúde, maior número na série histórica. Apesar disso, a taxa de cobertura é de apenas 7,2%, uma das menores do país, levando em consideração a população de 1,6 milhão de pessoas. Em paralelo, a economia local demonstra sinais de recuperação. A Junta Comercial do Estado registrou mais de 8.500 novas empresas abertas, no primeiro quadrimestre deste ano. O setor de serviços é o principal responsável pela formação do PIB estadual.

“Esse cenário demonstra um enorme potencial de crescimento para o segmento na região, já que o plano de saúde ganhou um interesse ainda maior da sociedade. A estratégia de regionalização da Bradesco Saúde permite trabalhar particularmente cada localidade, de acordo com os hábitos da população. A expansão nacional do plano Efetivo é reflexo de um interesse maior dos empresários sobre esse benefício”, completa Flavio Bitter.