De cada 10 empresas, apenas 3 estão aptas a responder a ataques cibernéticos, aponta Zurich 675

De cada 10 empresas, apenas 3 estão aptas a responder a ataques cibernéticos, aponta Zurich

Constatação é da área de Engenharia de Riscos da seguradora, que mostra necessidade de implementação de Plano de Resposta a Incidentes

O ano de 2021 está sendo marcado por diversos eventos de incidentes cibernéticos, como ataques de hackers tanto em empresas particulares quanto em órgãos públicos. O fenômeno não é recente, tende a ser cada vez mais comum e já estava no radar, como ameaça de risco altíssimo no curto prazo, de acordo com um dos mais respeitados levantamentos mundiais sobre o assunto: o 16ª Relatório de Riscos Globais 2021, feito pela Zurich e outras entidades e que foi divulgado na mais recente conferência do Fórum Econômico Mundial, ocorrida em janeiro.

Localmente, no dia 16 de julho de 2021, foi publicado pelo Governo Federal o Decreto nº 10.748, que visa a manter as medidas de prevenção, tratamento e resposta a incidentes cibernéticos, de forma coordenada entre todos os órgãos da administração pública federal, seguindo a Política Nacional de Segurança da Informação. Ainda que a legislação diga respeito a entidades e autarquias das três esferas de poder, o assunto joga luz às empresas da iniciativa privada, que cada vez mais precisam saber o que fazer numa situação que ameace ou mesmo paralise suas atividades.

Aqui entra o Plano de Resposta a Incidentes, cuja existência faz a diferença para a prevenção e a gestão dessas e de outras ocorrências. Nenhuma empresa está isenta de passar por uma situação inesperada – tanto que o crescimento no número de intrusões nos sistemas de corporações de todo o mundo durante o 1º semestre de 2021 foi 125% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, segundo a consultoria Accenture. E é por isso que a Gestão de Incidentes é tão importante quanto o core business da empresa.

“Gestão de incidentes são as ações que uma empresa toma para prevenir ou conter o impacto de um incidente enquanto este está ocorrendo ou brevemente após ter ocorrido. O processo de resposta a incidentes deve estar muito bem alinhado às políticas estabelecidas e aos objetivos de negócios da companhia”, explica Lilian Moura dos Anjos, Engenheira de Riscos Cibernéticos da Zurich no Brasil.

De acordo com Lilian, recomenda-se que todo Plano de Respostas a Incidentes baseie-se em boas práticas de mercado, que incluem seis fases. A primeira é a Preparação, que lista como a companhia deve estar pronta para agir diante de um incidente. A segunda diz respeito à Identificação, que trata dos critérios para detectá-lo. A terceira enumera como contê-lo: Contenção. Em seguida, vem a quarta fase, a Erradicação, que lista as etapas para eliminar a causa-raiz do problema. O que fazer para restabelecer a normalidade de todos os sistemas, configura-se na quinta fase, que é a Recuperação. Por fim, a última e não menos importante, a fase das Lições aprendidas, que discorre sobre o que fazer para que os mesmos erros não ocorram novamente.

“A inobservância de qualquer uma delas determina o sucesso ou o fracasso na gestão de incidentes – que não deve ser aplicada apenas na execução durante a ocorrência de um evento, visando à sua mitigação, mas também na maneira de preveni-lo”, pondera.

A especialista também recomenda que as corporações, mesmo aquelas que já possuem Planos de Respostas a Incidentes, os testem periodicamente e não os deixem arquivados – leia-se “esquecidos”, seja literalmente ou armazenados na rede da empresa. Ela provoca: “Por que, por exemplo, uma determinada companhia faz, todos os anos, o mesmo exercício de evacuação do prédio em caso de incêndio? Porque a população da companhia muda, porque há alterações de design e porque a prática permite que sejam observados diversos indicadores que precisam ser constantemente revistos e recalibrados, para o caso de o exercício se tornar uma prática necessária frente a um evento real”.

Engenharia de Riscos, área que ajuda as companhias no Plano de Resposta a Incidentes

No Brasil, uma das mais reconhecidas empresas seguradoras, a Zurich, oferece um serviço diferenciado nesse mercado, por dispor de uma área que, entre outras atividades, ajuda as empresas no Plano de Resposta a Incidentes. Trata-se do departamento de Engenharia de Riscos, que atua com três grandes frentes.

  • A primeira é na análise prévia da maturidade de segurança da informação das empresas, auxiliando-as na transferência de risco por meio da apólice de seguro cibernético e no entendimento do cenário atual.
  • Na segunda frente, a área opera como consultoria, podendo ser contatada caso haja interesse por clientes e não clientes da Zurich, apoiando-os na implementação de melhoria de riscos, treinamentos, implantação do Plano de Resposta a Incidentes, entre outros.
  • A terceira frente da área diz respeito ao compartilhamento de conhecimento e material técnico de forma a apoiar o mercado para que seus clientes tenham riscos cada vez melhor gerenciáveis e, por consequência, carteiras mais saudáveis no mercado segurador.

“Segundo análises da área de Engenharia de Riscos da Zurich, feitas nos últimos anos, apenas 3 de cada 10 empresas avaliadas possuem um plano de resposta a incidentes formalizado”, revela a Engenheira de Riscos Cibernéticos da Zurich no Brasil, Lilian Moura dos Anjos. “Em linha com o objetivo de compartilhar conhecimento e apoiar o mercado a conquistar riscos mais saudáveis, desenvolvemos um documento para auxiliar as empresas a observarem todas as questões que envolvem um Plano de Respostas a Incidentes”, completa.

“Não é por acaso que a sabedoria milenar diz que é melhor prevenir do que remediar. Mas se for preciso fazê-lo, que tudo esteja documentado e testado para que os danos sejam atenuados o máximo possível”, finaliza.

O documento está disponível neste endereço, onde a companhia disponibiliza amplo conteúdo informativo sobre esse e outros temas relacionados à gestão de riscos.

Plano de previdência complementar Prevcom Multi pode ser acessado via aplicativo móvel 387

Plano de previdência complementar Prevcom Multi pode ser acessado via aplicativo móvel

Servidores das prefeituras que integram o sistema multipatrocinado podem baixar ferramenta através das lojas do Android e do iOS

A Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo (Prevcom) desenvolveu um aplicativo móvel (APP) para os participantes do plano multipatrocinado Prevcom Multi. A partir de agora os funcionários inscritos neste sistema previdenciário podem consultar saldo, rentabilidade, benefícios de risco e emitir boletos para contribuição facultativa pelo celular.

A nova ferramenta de acesso está disponível para os servidores das prefeituras dos municípios de Birigui, Guarulhos, Jales, Louveira, Osasco, Ribeirão Preto e Santa Fé do Sul que integram o plano gerenciado pela instituição. Para isto, basta baixar o aplicativo utilizando o App Store e o Google Play. A Prevcom planeja agregar em breve serviços adicionais a esta plataforma interativa.

A Prevcom é uma fundação sem fins lucrativos responsável pela administração de um patrimônio de mais de R$ 2 bilhões dos planos de previdência complementar exclusivos dos estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e da prefeitura de São Paulo além dos benefícios previdenciários dos 7 municípios que integram o Prevcom Multi.

Icatu lança o Raio X, ferramenta voltada aos corretores parceiros para suporte nas vendas de Seguro de Vida 498

Luciana Bastos é diretora de produtos de Vida da Icatu / Divulgação

Simulador identifica as necessidades do cliente e indica a proteção ideal para cada perfil


Para auxiliar o corretor parceiro a realizar um diagnóstico assertivo das necessidades dos seus clientes e, assim, aumentar a eficiência da venda, a Icatu lança o Raio X: uma nova ferramenta que visa facilitar a análise dos corretores para a indicação das coberturas adequadas ao perfil do cliente, auxiliando, assim, em seu planejamento financeiro. O acesso é simples e pode ser feito por computador ou smartphone, diretamente pelo banner em destaque na Casa do Corretor, da Icatu.

Segundo Luciana Bastos, diretora de Produtos de Vida da Icatu, muitas pessoas possuem dúvidas na hora de comprar um seguro. “É um produto de muitas características, seja para definir o capital segurado ou para escolher as coberturas adequadas, o que tem que estar alinhado ao momento de vida do cliente”, explica. “Isso, consequentemente, pode fazer com que os clientes optem pela compra de outros produtos que podem lhe dar um retorno instantâneo, o que significa um desafio para as seguradoras na conscientização do seguro de vida como uma necessidade e um item muito importante dentro do planejamento financeiro”, pontua.

Diante desse contexto, o Raio X permite ao corretor prestar um serviço personalizado, que poderá conscientizar o cliente sobre sua necessidade de proteção, com o apoio da Icatu. “Queremos quebrar a barreira de entendimento do produto”, enfatiza Luciana. “Apesar dos meios digitais, que facilitaram a contratação, o seguro de vida é um produto de venda consultiva, o que reforça a importância da figura do corretor no momento da escolha”, afirma. “Com o Raio X, o cliente poderá entender de forma simples e personalizada todas as suas necessidades de proteção. Já o corretor vai aumentar a eficiência de venda, através de atuação cada vez mais consultiva”, completa a diretora.

O Raio X funciona como um simulador, a partir das informações pessoais de cada cliente como ano de aposentadoria, dependentes, informações profissionais, despesas mensais e patrimônio. Após o preenchimento de todos os campos, a ferramenta processa as informações apuradas e gera automaticamente um diagnóstico de proteção personalizado para compartilhar com o cliente. “Queremos auxiliar o corretor no discurso de vendas, otimizando o tempo de pesquisa e análise do perfil do cliente, através de uma plataforma prática, detalhada e totalmente automatizada”, afirma Guilherme Hinrichsen, vice-presidente comercial da Icatu em São Paulo.

Hoje, a Icatu conta com um portfólio completo em Vida, com produtos diversificados como o Essencial, Horizonte e Equilíbrio, em Vida Individual, que conseguem atender diferentes perfis de clientes, todos com uma jornada 100% digital, trazendo a autonomia necessária para a venda e gestão da sua carteira. No segmento empresarial, o portfólio da seguradora contempla a solução Icatu Vida PME, para pequenas e médias empresas. “Além das melhorias em experiência, nas ferramentas e nas jornadas de cliente e corretor, a Icatu vem investindo constantemente nos portfólios de produtos, para atender diferentes perfis de clientes e ampliar a oferta dos nossos corretores parceiros”, conclui o executivo.

Clube dos Seguradores da Bahia recebe executivo da Suhai Seguradora 304

Robson Tricarico é diretor comercial da Suhai Seguradora / Divulgação

Evento online traz seguradora para contar sobre mudanças de hábitos provocados pela pandemia

No dia 30 de setembro, às 19h, o evento “Confraria do Clube do Segurador da Bahia”, receberá o Diretor Comercial da Suhai Seguradora, Robson Tricarico. O painel debaterá as ações da empresa para combater as mudanças de hábitos provocadas pela pandemia, como por exemplo a queda na procura por seguros, insegurança financeira dos clientes, entre outras questões.

De acordo com Tricarico, a Suhai possui como propósito e posicionamento junto aos seus mais de 30 mil parceiros em todo Brasil, não só de identificar as oportunidades que o mercado apresenta, mas também ajudar o corretor a se beneficiar destas oportunidades para incremento de novos negócios.

Durante o evento o diretor falará sobre a criação do estúdio de alta tecnologia e o departamento de marketing exclusivo para criação de conteúdos e ferramentas gratuitas para ajudar o corretor a capturar leads nas redes sociais, realizar parcerias com estabelecimentos comerciais e criar projetos de worksite, além de ações de crosseling de suas carteiras de outros produtos.

Serviço

Clube dos Seguradores da Bahia
Data: 30 de setembro de 2021
Horário: a partir das 19h

Liberty Seguros anuncia Daniela Bouissou como nova Diretora de Transformação 395

Daniela Bouissou é Diretora de Transformação da Liberty Seguros / Divulgação

Executiva é graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais e tem MBA na Universidade de Stanford

A Liberty Seguros apresenta hoje a nova Diretora de Transformação da companhia, Daniela Bouissou. A executiva assume o antigo cargo de Patricia Chacon, CEO da seguradora, para liderar as áreas de transformação da companhia, que inclui marketing, estratégia, CX e digital.

“É com muita alegria que me junto ao time forte e preparado do Grupo Liberty Brasil, que contribuiu para a entrega de excelentes resultados nos últimos anos. Essas conquistas são fruto de um foco incansável na experiência dos clientes, corretores e colaboradores, com a qual também me comprometerei. Com toda a experiência que acumulei de desafios passados, pretendo agregar para continuar a inovar e surpreender os públicos da companhia, com jornadas fluidas e produtos e serviços que atendam às suas necessidades – sempre apoiando a adoção do digital”, explica Daniela.

Daniela é graduada em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais e tem MBA na Universidade de Stanford. Durante sua carreira, foi fazendo sua transição para assumir grandes desafios em várias empresas de seguros. Anteriormente, a executiva foi responsável pela área de Relações Institucionais da Multicare Seguros, do Grupo Fidelidade, em Lisboa. Na companhia portuguesa em que atuava antes liderou a gestão da rede de prestadores das principais redes hospitalares e foi responsável por iniciativas de grande relevância para aumentar a produtividade e entregar melhores experiências aos clientes.

Na frente de empreendedorismo, a executiva é co-fundadora e conselheira da Boaconsulta.com, plataforma digital de agendamento de consultas, sistema de gestão clínica e telemedicina disponível desde 2012. A executiva também passou pelo Boston Consulting Group e pela Tempo Assist, onde esteve à frente das soluções de saúde, com foco na satisfação dos clientes e na eficiência de processos.

“Minha gestão seguirá os principais valores da Liberty Seguros, colocando as pessoas em primeiro lugar e utilizando metodologias ágeis de trabalho para viabilizar entregas ainda mais rápidas e precisas. A área de transformação exerce um papel fundamental para apoiar as demais equipes nessa transição, o que nos ajudará a seguir inovando cada vez mais”, complementa Daniela.

Albatroz, a primeira MGA especializada em Seguro de Transporte, começa a operar com corretores 412

Empresa é a primeira agência especializada em subscrição de seguros desse ramo no País

Com o objetivo de otimizar a operação e desburocratizar os trâmites para contratação de seguros de transporte, a Albatroz MGA deu início às operações com corretores no mercado brasileiro. A empresa é a primeira agência especializada em subscrição de seguros desse ramo no País.

Após um breve período de testes da plataforma, a Albatroz firmou seu primeiro contrato com a Essor Seguros, companhia seguradora do grupo Scor, quarto maior ressegurador do mundo. Dessa forma, a empresa passa a representar a seguradora nesse segmento e tem autoridade para administrar o negócio e operar como intermediário entre segurados, seguradoras, assessorias e corretores de seguros e resseguros.

A plataforma une Internet das Coisas (IoT) e Big Data para atender todas as etapas da contratação e manutenção do seguro de transportes. Neste primeiro momento, a MGA – sigla para Manager General Agent (ou Agente Administrativo Geral, em português) – oferece apenas a contratação dos produtos tradicionais de transportes, mas em breve deverão ser lançados também outros mais exclusivos e com combos.

“Configuramos a plataforma pensando diretamente nas necessidades, desejos e ideais para os corretores e seguradoras, permitindo o aumento de capilaridade com produtos disruptivos, inovadores e abrangentes aos seus segurados. Nossa tecnologia visa estender e compartilhar com nossos parceiros a possibilidade de melhor atender os seus segurados, garantindo agilidade e qualidade”, afirma Vanessa Mendonça, diretora de Subscrição e Marketing & Branding da Albatroz MGA.

Entre os benefícios que a plataforma da Albatroz oferece estão a agilidade no processo de cotação, devido a integração de sistemas com a seguradora; o acesso às condições e negociações diferenciadas de mercado; o retorno ágil e responsivo entre a MGA e a seguradora ou resseguradora; e a independência para atender melhor seus clientes através dessas vantagens.

“Hoje um corretor leva dias para receber uma cotação de transportes, podendo passar por mais de uma semana sem a precificação de seu pedido. Com a Albatroz MGA, o corretor terá sua proposta de seguro em mãos em até cinco minutos, podendo ainda emitir a apólice, gerar carta DDR, endossos, acompanhar prêmio pendentes, e outros documentos pertinentes a esta operação. Além, é claro, de contar com relatórios gerenciais de toda sua atividade na plataforma para melhor direcionamento e controle de seus resultados”, garante Salvatore Lombardi, CEO da Albatroz MGA.

Antes de utilizar a plataforma é necessário fazer um cadastro no site da empresa para receber login e senha. Em caso de dúvidas, há um passo a passo no vídeo abaixo, e nas suas redes sociais da empresa no Instagram (@albatroz_mga), no LinkedIn e no Facebook.