Seguro Garantia permanece em forte expansão, revela Junto Seguros 1608

Roque de Holanda Melo é vice-presidente da Junto Seguros / Reprodução

Executivo destaca resiliência do setor, mesmo em um ano desafiador

O Seguro Garantia Judicial, em função do aprimoramento legal ocorrido ao longo dos últimos anos, apresenta um crescimento exponencial no Brasil. Segundo o vice-presidente da Junto Seguros, Roque de Holanda Melo, durante evento do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ), esse fato demonstra toda a resiliência do setor, mesmo em um ano desafiador.

“Se por um lado observamos um desaquecimento no que diz respeito às demandas por garantias tradicionais, fruto da redução de investimento em infraestrutura nos últimos anos, por outro, o constante crescimento no volume de emissões na modalidade Seguro Garantia Judicial acaba por compensar esse déficit”, disse Holanda Melo.

O executivo ainda afirmou que permanecem positivas as perspectivas para o Seguro Garantia nos próximos anos. “Podemos observar dois fatores primordiais no seguro garantia judicial: mais e mais empresas estão utilizando essa modalidade, inclusive as pequenas e médias empresas, além de uma expectativa pelo potencial surgimento de grandes demandas tributárias, assim que o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) voltar a julgar processos com valores superiores a R$ 36 milhões de reais”, afirmou o executivo.

Já em relação aos investimentos em infraestrutura, Roque Melo enfatizou que somente para os meses de setembro a dezembro deste ano há uma expectativa de investimento de aproximadamente R$ 100 bilhões em projetos de infraestrutura no Brasil, em diversos segmentos. “Se em ano de recessão global nós estamos observando esse expressivo valor de investimento em infraestrutura, podemos vislumbrar um cenário ainda mais positivo para os próximos anos, uma vez que novos investimentos serão necessários para suprir o backlog relacionado a infraestrutura, o que envolverá, inclusive, toda a cadeia produtiva com impacto positivo, também, para o mercado de seguros em geral”.

Nova Lei de Licitações

Ainda durante a palestra, o executivo comentou que há três aspectos relevantes, quando o assunto é a Nova Lei de Licitações. “Em primeiro lugar, entendo que a lei representa um grande avanço no que diz respeito às contratações públicas, especialmente em função dos prazos mais objetivos nos pagamentos e nas faturas; a possibilidade de suspensão ou rescisão do contrato por parte do contratado; a previsão de cláusula arbitral; meios alternativos de resolução e inúmeros outros aspectos que trouxeram mais segurança jurídica para as contratações públicas”, explicou Holanda Melo.

O executivo ainda mencionou o artigo 22, “que traz uma inovação importante: a matriz de risco dos contratos. Relacionada àqueles fatores imponderáveis, ou seja, que podem acontecer no futuro, porém cujas consequências são de difícil mensuração desde o início da contratação. Para tais fatores, é essencial que haja a correta previsão e alocação das respectivas responsabilidades, caso venham a ocorrer no decorrer do contrato”.

Por fim, Roque de Holanda Melo falou sobre o percentual de garantia. “Para contratos com valor de até 200 milhões de reais, os percentuais de garantia continuam os mesmos da lei atual, com pequena variação semântica, até 5%, ou até 10%, no último caso mediante justificativa técnica. Para esses contratos, muda-se muito pouco, portanto, no que diz respeito ao Seguro Garantia. Porém, para os contratos acima de R$ 200 milhões, referido na lei como contratos de grande vulto, a lei faculta a exigência de Seguro Garantia com cláusula de retomada e percentual de até 30%”. Para tais contratos, o executivo destacou que “a responsabilidade do agente público na correta escolha do percentual de garantia, posto que quanto menor o percentual, menores serão as chances de a seguradora efetuar a retomada e conclusão da obra. Nesse sentido, baseado na experiência internacional, sempre que a intenção do segurado for contar com uma garantia que permita a retomada e conclusão da obra, o percentual de garantia deverá ser de 30% do valor do contrato”, finalizou.

Brasil pode congelar os preços como fez a Argentina? 572

Brasil pode congelar os preços como fez a Argentina?

Para Economista da ESPM, isso é quase impossível, devido aos traumas vividos pelo país na década de 80

O congelamento de preços na Argentina anunciado, na última quarta-feira (13), e adotado como um “remédio” contra a escalada da inflação é uma situação isolada, segundo Cristina Helena Pinto de Mello, Economista da ESPM.

Para a especialista, esse tipo de medida encontraria muita resistência no país, sobretudo devido aos traumas gerados por ações parecidas durante a década de 80. “A história mostra que o congelamento de preços, com a interferência nas regras do mercado e na precificação de produtos e serviços, não funciona. Esse tipo de medida até controla os preços, mas por um período muito curto de tempo. Pela experiência passada no Brasil, isso deve ser fortemente evitado”, diz.

Apesar de acreditar que o Brasil não corre o risco de um congelamento, Cristina alerta que, pela proximidade e importância da Argentina como parceira comercial, as medidas tomadas pelo governo de Alberto Fernández podem afetar a economia brasileira. “Um exemplo, seria um possível aceleramento da precificação por conta do receio de congelamento”, afirma.

Mitsui Sumitomo Seguros enfatiza o papel do corretor em transmissão virtual 493

Mitsui Sumitomo Seguros enfatiza o papel do corretor em transmissão virtual / Foto: Divulgação

Seguradora celebrou Dia do Corretor de Seguros com ação especial, no último dia 06 de outubro

Cerca de 450 corretores parceiros participaram do evento para conhecer as estratégias de crescimento da Mitsui Sumitomo Seguros e as iniciativas para potencializar as oportunidades que surgem com a nova regulamentação da Superintendência de Seguros Privados (Susep) e os desafios do mercado de seguros para levar proteção a um número maior de pessoas na sociedade.

“As novas regras da Susep facilitam a criação de produtos e serviços, o que traz benefícios aos corretores, que passam a ter um leque maior de ofertas a seus clientes”, diz Helio Kinoshita, VP da Mitsui Sumitomo Seguros.

Segundo o executivo, o setor passa por uma transição de gerações que desperta um comportamento mais ativo do cliente, integrando o atendimento digital e humano. “Isso traz um desafio para o corretor, que passa a ter uma atuação mais consultiva. Este novo perfil do profissional de vendas gera ainda mais valor no ecossistema de seguros e traz uma necessidade constante de desenvolvimento e atualização”, comenta Helio.

Com expectativa de dobrar a companhia, a Mitsui Sumitomo Seguros apresentou também o significativo crescimento de produção do seguros Auto e Residência. “Nosso planejamento estratégico nos consolida e nos prepara para o futuro de mãos dadas com os corretores, tanto no digital como com nossa Equipe Comercial”, afirma o VP.

No evento também foi apresentado, em primeira mão, o lançamento dos canais digitais e a nova assistente virtual da seguradora, a Miti, que estará presente, virtualmente, para o atendimento por chat ou WhatsApp aos clientes.

Para reforçar a nova realidade digital da seguradora, os corretores participaram de uma palestra com Dado Schneider, Doutor em Comunicação, que abordou o desafio de integrar a agilidade do virtual sem perder a proximidade do atendimento humano.

Para encerrar, foi realizada uma dinâmica de tsuru em origami, arte secular de dobrar o papel em formato do pássaro, uma tradicional lenda japonesa que realiza desejos, de modo a enfatizar a temática do ano da companhia que, segundo a crença, simboliza boa sorte e longevidade.

Samy Hazan demonstra como criar vantagens competitivas em webinar especial de 97 anos do SindsegSC 437

Transmissão foi realizada nesta quinta (14), no canal do Sindicato pelo YouTube

Ontem, 14 de outubro, aconteceu um webinar especial em alusão aos 97 anos do Sindicato das Seguradoras do Estado de Santa Catarina (SindsegSC). Com o tema ‘Criando Vantagens Competitivas Através de Inovações’, o momento contou com apresentação de Samy Hazan e mediação do presidente da entidade, Luciano Vicente da Silveira. Tudo foi transmitido através do Canal do SindsegSC pelo YouTube.

O presidente do SindsegSC destacou a gratificação em saber que, ao longo dos anos, foi construído um legado de muito companheirismo e parcerias no entorno da entidade. “Em 1924, o Comitê Mixto Catharinense de Seguros dava os seus primeiros passos, com homens e mulheres deste mercado que aprenderam a caminhar e a criar a essência da proteção e da instituição do seguro. Somente em 1990 a entidade se tornou o Sindicato das Empresas de Seguros Privados, de Resseguros e de Capitalização no Estado de Santa Catarina (SindsegSC). E foi ao longo desses 97 anos que o SindsegSC se tornou um provedor de conteúdos e incentivador do diálogo aberto com a sociedade, trazendo desafios, perspectivas e muito aprendizado”, explicou. “Desde sempre, o SindsegSC pôde contar com o apoio de grandes parceiros e, hoje, após 97 anos, não é diferente. Estamos aqui com o apoio da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), da Escola de Negócios e Seguros (ENS) e do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de Santa Catarina (SincorSC). São entidades expressivas do mercado de seguros que juntas e unidas fazem a diferença em Santa Catarina e no Brasil”, completou Luciano.

O palestrante Samy Hazan é professor da ENS, consultor especializado em transformação digital de seguradoras e corretores de seguros, especializado no ecossistema de inovação de seguros de Israel, veterano da indústria seguradora no brasil e ocupou, ao longo das últimas 3 décadas, vários cargos executivos em seguradoras nacionais e internacionais. Formado em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas (FGV São Paulo), MBA em Gestão Atuarial e Financeira da Universidade de São Paulo (USP), o especialista ainda possui MBA em Marketing e Distribuição da Universidade Católica de Louvain, na Bélgica.

Hazan já esteve presencialmente no SindsegSC em 2009 e 2011, com duas palestras realizadas em Blumenau (SC). “Quem esteve presente sabe o quanto é válido ouvir e aprender com Samy Hazan”, disse o presidente do Sindicato.

Ao longo do webinar, o palestrante trouxe assuntos sobre a Cultura Empresarial, que significa assumir riscos, provar mercados e enfoques, impulsionar a inovação e buscar soluções rapidamente quando for necessário. Samy Hazan também apontou que as forças que impulsionam as mudanças no mercado de seguros são as tecnologias inovadoras, as mudanças de comportamento social, as novas necessidades e os novos riscos.

A Covid-19 gerou uma aceleração de tendências e mudanças preexistentes, o que trouxe desafios para os corretores no espaço digital. Os profissionais da corretagem, neste sentido, precisaram investir em tecnologia e marketing digital, aprender a lidar e organizar múltiplos canais e múltiplas disciplinas, ficar atento ao Compliance e Governança (como a Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD e Normativos, por exemplo), atender da melhor forma as expectativas do cliente (através do omnichannel e soluções instantâneas), além de entender as mudanças contínuas e ágeis para saber transformar dados em inteligência para tomada decisões.

Hazan também comentou o quanto os clientes mudaram, quais eram as formas de criar valor no passado e novas formas de interações e comunicações no espaço digital. Para atender as expectativas do cliente, na visão do especialista, deve haver a evolução de capacidades através de uma maior presença digital, compromisso e comunicação entre os lados.

Logo, para o novo normal, Samy Hazan apresentou a equação do Corretor de Sucesso: o C.A.R.E – que é a soma da Conveniência, Aconselhamento e RElevância, de acordo com o World Insurance Report, da Capgemini.

O palestrante ainda destacou cinco recomendações cruciais diante do contexto atual:

  1. Invista em tecnologia, principalmente em sistemas de controles da Corretora – sistema gerencial;
  2. Implemente técnicas de Marketing Digital, crie conteúdo, divulgue as inovações do mercado para seu cliente;
  3. Invista em sistemas de proteção para LGPD;
  4. Estude e divulgue os novos produtos
  5. Crie uma mentalidade empreendedora, nunca pare de aprender, desaprender e reaprender;

Para complementar, ao final do webinar, Hazan respondeu algumas perguntas sobre inovação e estratégia, como inovar para ganhar vantagens competitivas, quais os riscos de não inovar no novo normal e ainda deixou uma mensagem final para os Corretores de Seguros.

O presidente do SindsegSC, Luciano Vicente Silveira, aproveitou para fazer agradecimentos no final da transmissão: “Gosto de dizer que as entidades jamais existiriam sem as pessoas que lhe dão vida, dinamismo, energia, inteligência e criatividade. Então a todos envolvidos com o SindsegSC, o meu muito obrigado!”.

Próximo webinar

Luciano Vicente da Silveira informou a todos que, no dia 17 de novembro, o SindsegSC realizará mais uma transmissão virtual, agora com a LGPD como tema central de encontro com as Dras. Angélica Carlini e Vanessa Barcellos. O site do SindsegSC abrirá inscrições para o encontro nos próximos dias.

Fundos de pensão têm rentabilidade de 7,26% e patrimônio soma R$ 1,14 trilhão 468

Luís Ricardo Martins é presidente da Abrapp / Reprodução

Pesquisa da Abrapp mostra crescimento do sistema, com 7,4 milhões de beneficiados, superávit de R$ 19,1 bi e disparada do Plano Família

A rentabilidade consolidada das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (os fundos de pensão) foi de 7,26%, acima da Taxa de Juros Padrão, que estabelece o rendimento mínimo das entidades, e que ficou em 6,62%. Os dados são da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp) e referem-se ao fechamento do primeiro semestre deste ano.

O levantamento da entidade mostrou também que o sistema teve crescimento do patrimônio consolidado, que somou R$ 1,14 trilhão, superávit líquido de R$ 19,1 bilhões e crescimento do Plano Família. Os planos instituídos, formados principalmente por entidades ligadas ao funcionalismo público federal estadual e municipal, associações de classe e cooperativas, também estão crescendo, somando 626,7 mil participantes e com patrimônio de R$ 14,495 bilhões.

O presidente da Abrapp, Luís Ricardo Martins, ressaltou os resultados positivos do sistema, mesmo em um período de turbulência. Quanto à rentabilidade, ele lembrou que o resultado foi alcançado em um cenário de novo patamar de juros, que trouxe desafios aos fundos de pensão, entre os quais a dificuldade em cumprir metas com a tradicional estratégia de investir em títulos públicos. “O sistema está repensando seus investimentos, buscando um pouco mais de risco, porém seguro, que seja suficiente para cumprir as metas de retorno para os próximos anos. Ainda há muito a fazer nessa área, mas até agora as entidades têm mostrado competência para superar as metas mesmo com os juros em patamares historicamente baixos”, afirmou.

Em relação ao patrimônio total das fundações, Luís Ricardo Martins lembrou que R$ 1,14 trilhão equivale a 14,1% do PIB e que o resultado é cerca de R$ 100 bilhões superior ao do fechamento do ano passado. Destacou também a competência do sistema que mesmo em um cenário de incertezas obteve superávit líquido de R$ 19,1 bilhões.

O levantamento da Abrapp mostrou também que o número de pessoas beneficiadas pelo sistema superou 7,4 milhões, sendo 2,8 milhões de participantes, 3,8 milhões de dependentes e 838 mil assistidos.

Disparada dos Planos Família

O Plano Família, iniciativa da Abrapp que permite a inclusão de parentes de participantes, também registrou resultado positivo. Essa alternativa já conta com 34 planos, beneficiando 80 mil pessoas e com patrimônio de R$ 519 milhões.

Esses números e a crescente demanda das entidades autorizam a Abrapp a prever que no ano que vem esse segmento contará com 120 planos, num total de 500 mil pessoas e com patrimônio de R$ 2 bilhões em 2022.

Divulgação
Divulgação

Atualmente existem 34 planos família. A expectativa da Abrapp é que, no ano de 2022, esse número chegue a 120 planos.

Futuro promissor

Os números positivos fazem prever um futuro promissor, na avaliação de Luís Ricardo Martins: “O sistema já tem mais de 40 anos e nesse período não se abalou com as várias crises que teve de enfrentar. Apesar de todas as dificuldades, mostramos nossa solidez e competência, que ficaram mais uma vez evidentes depois da eclosão da pandemia do Covid-19. Ainda há muito a fazer, mas a experiência mostra que o futuro é promissor, desde que continuemos a trabalhar com o mesmo empenho e eficiência”, finaliza.

Confira o consolidado estatístico da Abrapp neste endereço (.PDF).

Webinar aborda norma que determina proteção de depósitos com a instalação de sprinklers 424

Webinar aborda norma que determina proteção de depósitos com a instalação de sprinklers / Foto: Elevate / Pexels

Encontro acontece em 26 de outubro e é promovido pelo Instituto Sprinkler Brasil

O Instituto Sprinkler Brasil promove, em 26 de outubro, às 16 horas, o webinar “Respondendo suas dúvidas sobre a NBR 16981”. O evento é gratuito e será conduzido por Marcelo Lima, diretor-geral do ISB. O momento contará com a participação do Major PM Marcelo Cezário Di Rago, chefe da Divisão de Análise Centralizada do Departamento de Segurança e Prevenção Contra Incêndio do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Marco Silva, gerente de engenharia de campo da FM Global; e João Carlos Wollentarski Júnior, diretor da Ipê Consultoria e da Protecto-Tec Sistemas contra Incêndio.

As inscrições estão disponíveis neste endereço.

O objetivo do evento é esclarecer dúvidas dos participantes quanto à nova norma ABNT NBR 16981, que trata da proteção contra incêndio em áreas de armazenamento em geral, por meio de sistemas de sprinklers (chuveiros automáticos). “É cada vez mais comum ouvirmos falar em notícias sobre casos de incêndio em depósitos. Esse tipo de ocupação necessita contar com um projeto bem elaborado de proteção contra incêndio, a fim de evitar transtornos e prejuízos às empresas”, aponta Marcelo Lima.

Essa norma levou mais de uma década para ficar pronta e, ao ser lançada recentemente, gerou enorme repercussão no mercado de incêndio. Por ser uma norma complexa, o webinar pretende discutir os erros e dúvidas mais comuns dos projetistas de sistemas de incêndio.

É possível a instalação de chuveiros automáticos em depósitos muito altos? Quais os problemas mais frequentes encontrados pelas seguradoras e corpos de bombeiros em sistemas de sprinklers de depósitos? É possível proteger galpões temporários de lona vinílica com sprinklers? Essas são algumas das questões que o webinar poderá elucidar.

Ainda é possível enviar dúvidas sobre o assunto pelo e-mail webinar.deposito@gmail.com. As questões serão respondidas durante o evento.