Agora é a vez do Open Insurance: por onde começar? 539

Eduardo Figueiredo é Diretor de Riscos Corporativos da Willis Towers Watson / Reprodução

Confira artigo de Eduardo Figueiredo, Líder de risco corporativo e corretagem da Willis Towers Watson

O setor bancário brasileiro está começando a experimentar os impactos do Open Banking e isso já traz alguns spoilers do que irá acontecer com o mercado de seguros. Embora ainda esteja engatinhando, o Open Insurance chega para conduzir uma revolução semelhante, promovendo um processo mais colaborativo e novas soluções de negócios.

A implementação dessa estratégia de inovação aberta no Brasil será feita de forma gradual. Estamos há um pouco mais de três meses da data prevista para o início da primeira fase (15 de dezembro) que terá um caráter mais burocrático incluindo o compartilhamento de dados públicos das empresas referentes a produtos e canais de atendimento. Mas será que as seguradoras e demais companhias do setor estão preparadas para iniciar essa transformação? Quais são os desafios que vem pela frente?

A experiência com as insurtechs prova que não se deve nadar contra a corrente das novidades tecnológicas e mudanças de padrões. As empresas mais tradicionais perceberam a necessidade de se envolver e se beneficiar desses novos players, seja por meio de investimentos diretos, incubadoras, parcerias ou colaborações. Quem ignorou essa nova realidade perdeu espaço no mercado.

Do mesmo modo, o Open Insurance é um impulsionador para o caminho da transformação digital e apesar de ser analisado com uma certa cautela pelas companhias do mercado, esse é um futuro inevitável. Portanto, a melhor estratégia é colaborar com as mudanças desenvolvendo novas proposta de valor e principalmente investindo em inovação tecnológica.

Algumas tecnologias trazem eficiência para a indústria de seguros e por isso são essenciais nessa trajetória. Mas também é preciso se concentrar em algumas ações-chave como, por exemplo:

1 – Melhorar a experiência do cliente

Um aspecto fundamental do Open Insurance é conectar seguradoras e corretores para que todos na cadeia de valor, incluindo clientes, possam trocar dados de maneira significativa. É fazer a jornada centrada no cliente, em vez de ter o foco no produto. A partir disso, existem possibilidades reais de criar experiências de compra mais amplas para o cliente, basta saber usar a inteligência de dados de forma eficiente para aproveitar essas oportunidades.

2 – Reduzir o risco por meio da automação

O termo automação é bastante amplo e engloba desde a simples coleta de dados e monitoramento até a implantação de robôs para executar tarefas rotineiras. Essas ações trazem uma enorme eficiência para o processo atuarial de ponta a ponta e proporcionam alguns benefícios como o fato de operar 24 horas por dia e 7 dias por semana. Isso permite que a concentração da mão-de-obra em processos mais analíticos e não operacionais.

O uso típico de software de automação e governança de processos permite que as empresas automatizem dados e fluxos de trabalho analíticos, simplifiquem os processos de negócios e reduzam custos. Ele também permite maior resiliência operacional, aumentando o poder de computação, reduzindo a dependência de indivíduos-chave e diminuindo significativamente a probabilidade de erro humano.

3 – Infraestrutura e a computação em nuvem

A tecnologia em nuvem é hoje fundamental para se ter simplicidade e agilidade nas operações. Apesar disso, a adoção desse tipo de inovação tem sido lenta nas empresas de seguros ao redor do mundo. Inércia operacional, arquitetura de segurança e problemas com recrutamento de talentos devidamente qualificados são alguns dos obstáculos encontrados pelo setor.

Neste cenário, o papel da liderança de tecnologia corporativa é muito significativo para manter o equilíbrio do processo. Uma implementação bem-sucedida trará benefícios como mais tempo gasto em inovação e agilidade nas soluções, o que é fundamental para a competitividade da empresa.

4 – Análises avançadas de dados

Os conhecimentos que as empresas do mercado de seguros ganham com a análise de dados, ajudam a obter uma compreensão mais profunda para tomar decisões e reduzir os riscos de negócios. Com a troca de informações estimulada pelo Open Insurance, novas oportunidades poderão ser captadas, mas isso depende também da modernização dos processos e equipamentos. Também será preciso investir mais em tecnologias que permitem maior rastreabilidade, gerenciamento e privacidade de dados.

Por fim, fazer a transição para uma maior abertura digital com sucesso exigirá que as equipes de liderança de tecnologia trabalhem em estreita colaboração com a empresa para definir visões claras e desenvolver novas propostas de valor para aproveitar ao máximo essa onda de novidades digitais.

BlackWeek Previsul é encerrada com sucesso em prêmios 1393

BlackWeek Previsul é encerrada com sucesso em prêmios

Em sua primeira edição, campanha premiou corretores participantes com valores em dinheiro

A BlackWeek Previsul, ação especial da Previsul Seguradora durante a Black Friday, foi um sucesso: durante cinco dias, a campanha de incentivo de vendas premiou os corretores participantes com valores em dinheiro. Esta foi a primeira participação da companhia na BlackFriday “A ação demonstrou o potencial de engajamento com nossos corretores, que abraçaram a campanha e trabalharam as vendas do Cota+ nos último dias”, afirma Renato Pedroso, presidente da Previsul Seguradora.

“Para nós, é um motivo de satisfação poder realizar uma campanha como esta com foco no corretor de seguros”, completa Pedroso.

Entre segunda (23) e sexta (27), os corretores que realizaram vendas através do Cota+ dos produtos Acidentes Pessoais Coletivo, Acidentes Pessoais Individualizado e PME já estavam participando.

Para participar de outras ações da Previsul, seja corretor: acesse este endereço e faça seu cadastro digital.

Leandro Martinez é o novo Presidente da Chubb no Brasil 12081

Leandro Martinez é o novo Presidente da Chubb no Brasil / Reprodução

Companhia anuncia mudanças na diretoria em território brasileiro

A Chubb, maior seguradora de propriedade e responsabilidade civil de capital aberto do mundo, anuncia que, Leandro Martinez, atual Diretor Presidente Adjunto, foi nomeado Presidente da Chubb Brasil, sucedendo a Antonio Trindade, que passará a se dedicar exclusivamente à Presidência do Conselho de Administração da Chubb no Brasil, a partir de 1º de setembro.

Antonio irá representar a empresa junto aos órgãos reguladores, apoiando as decisões estratégicas locais, após um período de transição. “A experiência e o perfil do Antonio são ideais para esta posição e representam múltiplas vantagens competitivas para Chubb na indústria de seguros no Brasil. Estou muito feliz que ele tenha aceitado este novo desafio”, disse Marcos Gunn, Vice-Presidente Sênior, Chubb Group e Presidente Regional, Chubb América Latina.

Em sua nova função, Leandro terá responsabilidade geral pelos negócios de seguros gerais da empresa, incluindo propriedade e responsabilidade civil comercial, ramos pessoais tradicionais e especializados e seguros de acidentes e saúde complementar. Ele supervisionará todas as facetas do negócio, incluindo estratégia, produto e desenvolvimento de negócios, operações de subscrição e serviços e desempenho geral do negócio.
“A promoção do Leandro é um reconhecimento à sua trajetória de sucesso e às muitas contribuições, não apenas para nossas operações no Brasil, como também em toda a região da América Latina.

Leandro se juntou à Chubb em janeiro de 2011, como Head de Linhas Financeiras. Dois anos depois, foi promovido a Vice-Presidente Regional, Linhas Financeiras, baseado em Miami. Em 2018, retornou ao Brasil como Vice-Presidente de P&C e, em setembro do ano passado, assumiu como Diretor Presidente Adjunto. Desde então, foi um aliado estratégico na gestão da equipe e dos negócios da Chubb no Brasil.

6 vantagens de investir em previdência privada 328

Luiz Bacellar é CEO da Saks, fintech especializada em previdência privada / Divulgação

Confira artigo de Luiz Bacellar, CEO da fintech Saks

Sempre desconfiei das promessas de enriquecimento rápido. Depois de 15 anos trabalhando no mercado financeiro e olhando para os maiores investidores e empreendedores do mundo, é fácil notar que quase todos levaram um bom tempo para chegar onde estão.

Falando em investimentos, essa mentalidade de longo prazo é muito importante. Afinal, nesse caso, a disciplina de investir todos os meses, trará um impacto tão significativo quanto a rentabilidade do investimento escolhido.

Por isso, se o seu objetivo é acumular patrimônio, seja para construir a sua aposentadoria ou fazer a viagem dos seus sonhos, eu posso te garantir que o melhor meio é a previdência privada.

E não sou o único a acreditar nisso. Conforme a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), a previdência privada aberta atingiu em 2021 um aumento de 91,7% em captação líquida, um total de R$ 11,9 bilhões. Só em maio o setor teve alta de 83,7%, com uma injeção de R$ 3 bilhões.

Para te incentivar a começar a investir na sua previdência privada, separei algumas vantagens dessa modalidade de investimento para você.

As vantagens da previdência privada

1. A previdência privada é uma ótima forma de realizar objetivos

A previdência privada é conhecida tradicionalmente como uma modalidade eficaz para complementar a aposentadoria pública (INSS). Na verdade, o correto é tentar não depender do INSS.

No entanto, pode também auxiliar e financiar outros projetos de vida.

Comprar um carro, uma casa, custear o intercâmbio, abrir um negócio, garantir os estudos dos filhos ou netos. As possibilidades são infinitas.

Quanto antes você começar, maior será o efeito dos juros compostos.

2. Benefícios fiscais

Entre as principais vantagens da previdência estão os benefícios fiscais, já que com esse investimento é possível pagar menos imposto de renda.

Existem dois tipos de plano: o VGBL e o PGBL. O VGBL pode ser contratado por qualquer pessoa e tem todas as vantagens da previdência.

Já o PGBL é mais indicado para quem faz a declaração completa do imposto de renda (IR). Isso porque ele funciona como uma dedução legal com um teto de até 12% da renda bruta anual.

As tabelas de tributação são outra vantagem interessante. Existe a progressiva e a regressiva, elas se adaptam bem a diferentes perfis de investidores e objetivos. Para valores investidos por mais de dez anos com a tabela regressiva, por exemplo, é possível alcançar a menor alíquota de IR do mercado: 10%.

Já a progressiva, tem uma alíquota fixa de 15% no momento do resgate, mas esse valor pode ser compensado na declaração de IR, podendo variar de 0% a 27,5%.

Para escolher o plano certo, analise o seu perfil de investidor, seu objetivo e o tempo do investimento.

3. Ausência de idade mínima

Trata-se de um investimento que não exige idade mínima e por este motivo, acaba sendo a escolha ideal para pais que querem garantir o futuro de seus filhos.

Além de render mais que a poupança, ao fazer a previdência privada no nome dos seus filhos, o patrimônio acumulado já ficará no nome deles.

Quanto mais cedo você começar a investir no futuro dos seus filhos, maior será o patrimônio deles.

4. Resgate rápido e versátil

Você escolhe o melhor momento para realizar o resgate na previdência privada! É possível fazer isso a qualquer momento desde que esteja fora do prazo de carência (60 dias após a contratação ou movimentação de saída). Além disso, você pode usufruir do dinheiro acumulado de três formas:

  • resgate total ou parcial;
  • renda mensal temporária: você converte o valor investido em uma renda mensal, por um prazo determinado;
  • renda mensal vitalícia; o pagamento é recebido até o falecimento do titular.

5. Cria o hábito de poupar e investir

É muito prático investir na previdência privada. Você escolhe quanto quer guardar por mês e a forma de pagamento, se boleto ou débito automático. Isso te ajuda a desenvolver o hábito de poupar e investir todos os meses.

Como disse, na previdência privada, o maior valor está no hábito de investir todos os meses por um bom período de tempo. Você não precisa olhar todos os minutos para a tela para acompanhar a rentabilidade.

6. A portabilidade

Claro que quando digo que o hábito de investir todos os meses é mais importante que a rentabilidade, não estou desprezando o impacto que ela terá nos seus investimentos.

Se você pode ter uma rentabilidade melhor em algum outro plano de previdência, você deve buscar esse resultado.

E essa é uma grande vantagem da previdência. Você não precisa resgatar o dinheiro para migrar para outro fundo de previdência.

Caso não esteja satisfeito com os resultados do seu plano de previdência atual, você pode fazer uma portabilidade. Ou seja, migrar seu investimento para outra instituição ou fundo de investimento.

Desta forma, é possível fazer uma manutenção mais eficiente da sua carteira de investimentos ao longo dos anos e o principal, não paga IR sobre essa movimentação.

Essas são apenas algumas das vantagens da previdência privada. Se você realmente deseja se aposentar de forma digna, e eu acredito que todo brasileiro tem esse sonho, deve considerar esse como o seu principal investimento.

Brasil pode congelar os preços como fez a Argentina? 671

Brasil pode congelar os preços como fez a Argentina?

Para Economista da ESPM, isso é quase impossível, devido aos traumas vividos pelo país na década de 80

O congelamento de preços na Argentina anunciado, na última quarta-feira (13), e adotado como um “remédio” contra a escalada da inflação é uma situação isolada, segundo Cristina Helena Pinto de Mello, Economista da ESPM.

Para a especialista, esse tipo de medida encontraria muita resistência no país, sobretudo devido aos traumas gerados por ações parecidas durante a década de 80. “A história mostra que o congelamento de preços, com a interferência nas regras do mercado e na precificação de produtos e serviços, não funciona. Esse tipo de medida até controla os preços, mas por um período muito curto de tempo. Pela experiência passada no Brasil, isso deve ser fortemente evitado”, diz.

Apesar de acreditar que o Brasil não corre o risco de um congelamento, Cristina alerta que, pela proximidade e importância da Argentina como parceira comercial, as medidas tomadas pelo governo de Alberto Fernández podem afetar a economia brasileira. “Um exemplo, seria um possível aceleramento da precificação por conta do receio de congelamento”, afirma.

GBOEX apresenta novo portal de vendas 355

GBOEX apresenta novo portal de vendas / Divulgação

Iniciativa também é tema de treinamentos realizados para parceiros

Otimização das vendas e gestão simplificada são os resultados conquistados com o novo portal de vendas do GBOEX. A empresa investiu no espaço virtual para permitir a melhor experiência para corretores e clientes. A iniciativa também é tema de treinamentos realizados para os profissionais, que podem utilizar a ferramenta e agilizar as rotinas comerciais.

O “Portal de Vendas Digital GBOEX” é um projeto desenvolvido pela área de Tecnologia da Informação da empresa. A ferramenta tem os objetivos de facilitar os processos, gerar mais segurança na contratação de planos e serviços, garantir praticidade na interação e expandir a capilaridade. “No espaço, é possível ter ampla visão da produção, acompanhar a performance do time de vendas e visualizar o status de cada contrato transmitido”, destaca o superintendente de Tecnologia da Informação, Marcelo Araújo, sobre as funcionalidades do ambiente.

O serviço busca valorizar os corretores com um apoio no gerenciamento dos negócios e pode ser acessado pelos profissionais que já atuam com a carteira GBOEX ou pelos que passarem a integrar o grupo. “No planejamento das ações, a empresa tem como foco o cuidado de quem nos ajuda a proporcionar proteção e segurança para milhares de pessoas. Por isso, empenhamos esforços em recursos que auxiliem os parceiros comerciais”, comenta o executivo.

A plataforma foi planejada para uma navegação intuitiva e prática. O acesso pode ser realizado no Portal do Corretor GBOEX, com o login e a senha.

Mais informações: comercial@gboex.com.br.

Para tudo ficar bem, GBOEX!