Corretor de Seguros, um consultor nobre e fundamental 633

Fábio Lessa é diretor Comercial da Capemisa Seguradora / Divulgação

Confira artigo de Fabio Lessa, diretor comercial da Capemisa Seguradora

O Corretor de Seguros tem uma responsabilidade social muito importante na construção de um mundo melhor. É parceiro de longa jornada para uma mentalidade mais consciente sobre a importância da proteção e do planejamento para o futuro, apoiados na educação financeira das gerações.

A Capemisa Seguradora se esforça para estreitar e aprimorar essa relação no dia a dia. O trabalho é feito para que o Corretor possa ter uma rotina mais eficiente, planejando suas ações, estruturando sua estratégia de prospecção comercial com embasamento e profundidade e investindo sempre na abertura de novas frentes de negócios. Seu desenvolvimento e capacitação profissional fazem parte de um olhar especial da empresa na contribuição ao mercado e qualificação da indústria de seguros.

O Corretor é tão fundamental naquilo que faz, trazendo uma reflexão diária sobre a importância de proteger a vida das pessoas e famílias que, mesmo com o uso intensivo de meios digitais, sua assessoria “olho no olho” ainda é o grande diferencial. A tecnologia encurtou as distâncias e otimizou contatos, mas o relacionamento próximo preserva ainda mais a confiança das relações comerciais entre o cliente e a seguradora. E quem não valoriza essa relação de troca?

O Corretor é o profissional que mais conhece sobre produtos, métodos de trabalho, filosofias empresariais e comportamento de consumo: necessidades reais das pessoas. Ele nos alimenta com retornos importantes, ideias e críticas para o crescimento e desenvolvimento de novas soluções. Faz-se necessário sempre ouvi-lo, por isso.

Por isso, 12 de outubro é um dia de muita celebração, uma data representativa para parabenizar esses profissionais, que devem ser cuidados com uma parceria diária. Aqui, por exemplo, a empresa aposta em relações duradoras. Tanto que criou uma área específica de Treinamento e Capacitação para aproximar o Corretor, incentivando-o no desenvolvimento de sua jornada para conquistar um consumidor cada vez mais exigente
.
Cito outras iniciativas, como os investimentos em tecnologia e inovação e o lançamento da Central do Corretor, plataforma criada a partir da experiência do usuário, inclusive ouvindo feedback de parceiros. Neste ano, a companhia também implementou a formalização digital dos seguros PMEs, além da modernização de produtos Bilhete Premiável Capemisa e Vida Eventos, garantindo mais agilidade no fechamento de contratos.

A empresa também aposta em campanhas como a Sou+Você, que valoriza o poder de venda e o potencial individual com premiações em dinheiro – neste caso, o Corretor tem a vantagem de “concorrer só com ele mesmo”, transformando pontos em renda extra. Outra novidade que retrata muito esse apoio aos Corretores é o projeto ‘Visita ao Oceano Azul’. Lançado este ano, ele oferece ao profissional a oportunidade de conhecer com mais profundidade o universo das PMEs e o potencial desse mercado, no qual a Capemisa tanto se especializou nos últimos anos e por isso consegue trazer informações detalhadas, estudos regionais e levantamentos robustos que servem como direcionamento para o contato com os empreendedores.

Todas essas ações, no fim do dia, aproximam Corretores e clientes. Mais preparados, os profissionais conseguem despontar em um mercado de Seguros competitivo.

Ao Corretor, que sensibiliza a sociedade sobre os imprevistos diante da vulnerabilidade da vida e multiplica para todo o Brasil o significado da palavra segurança, a Capemisa Seguradora quer sempre trazer motivos para comemorar.

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros 417

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros / Foto: Pixabay

Segmentos avançam no ano, mas ritmo de recuperação é desigual

A nova edição da Conjuntura CNseg (nº 58), publicação da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), apresenta um balanço da economia neste ano, suas perspectivas para 2022 e examina o comportamento do setor segurador nesse contexto, com os impactos desiguais nos segmentos de Danos e Responsabilidades, Previdência e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização.

O capítulo sobre conjuntura econômica analisa “uma recuperação apenas parcial do forte choque da pandemia da Covid-19” neste ano. Destaca que a recuperação em “V”, alimentada pelos efeitos do Auxílio Emergencial, sobretudo no ano passado, começa a se dissipar agora, afetada pela inflação elevada, câmbio permanentemente desvalorizado e indicadores de atividade com baixo crescimento ou viés negativo nos últimos meses.

De acordo com a análise, nesse quadro, são grandes as chances de o PIB no terceiro trimestre do ano apresentar retração e, portanto, consolidar a chamada recessão técnica (ou seja, dois trimestres de queda seguidos).

Apesar do sucesso da campanha de vacinação e de sua contribuição para a reabertura econômica e a retomada do setor de serviços, a recuperação ainda incipiente dos indicadores de trabalho e a alta da inflação comprometem a renda da população, diminuindo a capacidade de crescimento do consumo, destaca a Conjuntura CNseg.

Em resposta ao quadro macroeconômico, cada segmento do setor de seguros teve um comportamento próprio, informa a publicação. O segmento dos seguros de Danos e Responsabilidades cresceu 14,3% em setembro (R$ 7,8 bilhões) quando comparado com o mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o crescimento é de 15,1% sobre os nove primeiros meses de 2020, totalizando um volume de R$ 65,9 bilhões em prêmios. Sob a ótica de 12 meses móveis, o crescimento deste segmento mostra estabilidade, com avanço de 14,2%, após tendência de alta registrada até o mês de agosto.

Já o segmento Cobertura de Pessoas, em setembro, gerou o montante de R$ 15,6 bilhões em prêmios de seguros e contribuições nos planos de previdência. No acumulado do ano, o volume de R$ 140,5 bilhões é 13,8% maior do que o volume arrecadado no mesmo período de 2020. Os Planos de Risco arrecadaram, em setembro, R$ 4,4 bilhões em prêmios, avanço de 3,6% sobre o mesmo mês do ano anterior e, no acumulado do ano, o total de R$ 37,8 bilhões é 13,7% maior do que o mesmo período no ano anterior.

Nos Planos de Acumulação, que são responsáveis pela maior parte (71%) da arrecadação do segmento de Cobertura de Pessoas, foram quase R$ 11 bilhões em contribuições em setembro, aumento de 1% sobre o mesmo mês do ano anterior. No acumulado do ano, as contribuições ultrapassam R$ 100 bilhões, valor 14,2% maior do que o mesmo período de 2020, indicando que pode estar ocorrendo um movimento de maior conscientização sobre a importância de se estar preparado financeiramente para o futuro.

Na Capitalização, houve uma redução de 5,5% no seu faturamento líquido em setembro, em relação ao mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o volume de faturamento é de R$ 18 bilhões, uma evolução de 5,6% sobre 2020, mantendo ainda um resultado positivo para agregado no ano.

Em Saúde Suplementar, os planos de assistência médica tiveram crescimento de 3,3% no número de segurados em relação a setembro de 2020, atingindo 48,5 milhões de usuários. Desse total, 39,6 milhões de beneficiários são oriundos dos planos coletivos, responsáveis pela maior parte (81%) do total de beneficiários de planos de assistência médica. Na comparação interanual, em setembro, o número de beneficiários de planos coletivos cresceu 4,4%, com a entrada de 1,6 milhão de pessoas. Nos planos individual e familiar houve retração de 1,2%, traduzindo-se na saída de 106 mil pessoas dos referidos planos, na mesma comparação interanual. Nos planos exclusivamente odontológicos, a assistência alcançou mais de 28,7 milhões de pessoas, um avanço de 9,9% sobre setembro de 2020, e os planos coletivos, mais uma vez, representam a maior parte dos beneficiários (82%).

A inteligência artificial para a gestão de riscos em departamentos jurídicos 473

Fabrício Marques de Oliveira é Coordenador da Rede Jurídica MAPFRE / Divulgação

Confira artigo de Fabrício Marques de Oliveira, Coordenador da Rede Jurídica MAPFRE

A transformação digital é constante, rápida e traz consigo ferramentas que colaboram com a evolução da gestão de riscos em departamentos jurídicos.

Dentre tais ferramentas, a Inteligência Artificial (IA), que possui como característica a aprendizagem autônoma, tem desempenhado função importante tanto para manter a evolução constante e rápida, quanto para colaborar com a gestão do risco.

Afirma-se isso, pois, conforme apresentado no artigo em referência, as funcionalidades da IA são construídas a partir de metodologias que se baseiam na predefinição de regras para estipular as tarefas a serem adotadas pela máquina, bem como preveem regras que, de maneira autônoma, garantem para ela a possibilidade de adquirir experiência e manter a evolução, aprendendo novas ações, tomando melhores decisões e sendo mais assertiva na execução das tarefas que foram definidas para atender uma finalidade.

Em outras palavras, pode-se entender que a Inteligência Artificial é “a ferramenta construída para remediar ou substituir o pensamento humano. É um programa de computador que, mesmo estando sozinho em um data center, em um computador ou um robô, irá apresentar sinais no sentido de ser inteligente – a inteligência será uma habilidade adquirida e aplicada objetivamente para atender uma necessidade do ambiente”.

Em busca disso, nestes mais de 70 anos de história, a IA continua evoluindo a partir da coleta dos dados que são colocados à sua disposição e através das metodologias como “machine learning”, processamento de linguagem natural e sistemas inteligentes, as quais, embora possuam suas particularidades, utilizam-se de tais dados e funcionam como uma forma de viabilizar que a ferramenta atinja a sua finalidade.

Para se ter uma ideia, estas metodologias, com as suas características detalhadas no artigo em comento, viabilizam que dados de diversas fontes sejam coletados – texto, imagem, impressão digital etc. –, interpretados e que, consequentemente, decisões que culminem na automatização de tarefas, tradução de documentos, previsão de resultados, resolução de cálculos matemáticos, sugestão de teses jurídicas e até de diagnósticos médicos, sejam tomadas de forma automática e previsível, visto que o seu desenvolvimento se pauta na experiência dos dados históricos coletados.

Desta forma, considerando a diversidade de assuntos que podem ser moldados e desenvolvidos através desta ferramenta, certo é que sua aplicabilidade para gerir e mitigar riscos em departamentos jurídicos merece ser avaliada, sobretudo, porque atenderá as necessidades específicas da empresa com autonomia, automação e previsibilidade.

Para isso, por sua vez, Fábio Soares e Wagner Osti, ponderam que conhecer o modelo de negócio do departamento jurídico e os objetivos estratégicos da empresa é fundamental para que o gestor do risco possa classificar assertivamente os riscos sob sua gestão e, a partir daí, encontrar oportunidades de utilização da IA.

Em paralelo, Bonelli sinaliza a existência de diversas estruturas de departamentos nas empresas, contudo, salienta a existência de um modelo padrão que compreende a segmentação do departamento entre contencioso, consultivo, societário e contratos, sendo certo que, respeitadas tais divisões, Henrique Sperandio colabora apresentando algumas das funcionalidades que já foram implementadas e são úteis quando aplicadas para gerir riscos em departamentos jurídicos.

Para ele, por exemplo, a interpretação de documentos processuais e de cálculos são de grande valia para controlar e mitigar riscos jurídicos e financeiros na gestão dos processos no segmento contencioso e, no que lhe concerne, sistemas que viabilizam a automatização na elaboração e gestão de contratos e o suporte sobre entendimentos jurídicos seriam funcionalidades importantes para garantir a segurança jurídica e eficiência operacional nos segmentos de contratos e consultivos, respetivamente.

Sobre estas funcionalidades, em que pese existam exemplos para todas as situações acima, destaca-se o sistema Prometea, sistema que foi elaborado pelo Ministério Público Fiscal da Argentina e que, através de áudio e chat, recebe a solicitação, a interpreta e, com base na análise dos dados, fornece posições jurídicas de maneira a subsidiar o usuário na tomada de decisões, facilitando a execução das tarefas e trazendo a segurança jurídica às opiniões emitidas.

Neste cenário, observando as funcionalidades e as metodologias que já foram implementadas em pouco mais de 70 anos e que continuam se desenvolvendo, entende-se que a ferramenta da Inteligência Artificial é importante para manter o desenvolvimento rápido e constante da transformação digital, colaborando, especialmente, com a gestão dos riscos em departamentos jurídicos.

Revista JRS Especial traz os Destaques do Mercado Brasileiro de Seguros em 2021 4635

Edição 255 da publicação é um verdadeiro anuário do setor em nível nacional

Recordar é viver. E lembrar de momentos especiais ao lado de figuras ímpares do mercado de seguros é ainda melhor. Por isso, a edição 255 da Revista JRS destaca a noite inesquecível do dia 29 de outubro de 2021, quando foram revelados os Destaques do Mercado Brasileiro de Seguros durante o 19º Troféu JRS, realizado em formato híbrido com a presença de 1 mil convidados em plateia virtual e presença física dos reconhecidos.

Além disso, a edição 2021 da tradicional cerimônia, mais uma vez, deu voz aos espectadores e leitores do JRS. Pelo sexto ano consecutivo foram realizadas votações onde o público decidiu quem seriam os reconhecidos.

Ao longo das páginas da publicação, que formam um verdadeiro anuário em seguros, você irá rememorar quem foram os agraciados com as honrarias do Troféu JRS, realizado há 19 anos e idealizado por nosso fundador, Jota Carvalho.

“Quando tinha meus 6, 7 anos, meu pai me levava com ele para a primeira redação do JRS. Os que estão há mais tempo no mercado vão se lembrar deste primeiro escritório, bem na Praça da Alfândega – no Centro de Porto Alegre. Nos bancos daquele lugar considerado histórico começava a história do JRS, pelas mãos do nosso fundador Jota Carvalho, meu pai. Através daqueles textos, feitos em uma época em que a internet não era um grande buscador como é hoje, com informações que ele buscava nos bastidores e em publicações locais, ele tinha como missão auxiliar o mercado de seguros a se comunicar e promover sua cultura. Primeiramente essa comunicação aconteceu através de um papel jornal, que tinha 6 páginas e saía tinta nas mãos”, rememorou a CEO do JRS, Júlia Senna.

Austral Seguradora e Austral Resseguradora recebem rating brAAA 339

Austral Seguradora e Austral Resseguradora recebem rating brAAA / Pixabay

Avaliação foi realizada pela Standard & Poor’s (S&P)

A S&P Global reafirmou o rating de crédito da Austral Resseguradora e da Austral Seguradora em brAAA/estável, o mais elevado em sua escala nacional. De acordo com a agência, os ratings das empresas resultam de uma posição de negócios diversificada e uma estrutura para gestão de riscos adequada e em constante evolução.

Segundo os executivos das empresas, essa é mais uma confirmação de que os negócios seguem no caminho certo para impulsionar e transformar o mercado. Aliando credibilidade e solidez, essa conquista reforça o compromisso em entregar soluções inteligentes e duradouras para os clientes.

Oportunidade: seguradora contrata profissionais no RS 779

Oportunidade: seguradora contrata profissionais no RS / Foto: Pexels

Vagas são para Porto Alegre e Caxias do Sul, na Serra gaúcha

Uma das maiores seguradoras em operação no Brasil está em busca de profissionais para contratar no Rio Grande do Sul. Para Porto Alegre, a companhia está com vaga em aberto para profissional interno (operacional) e duas vagas para comercial interno (gerente digital). Em Caxias do Sul, na Serra gaúcha, a empresa procura por um comercial. As oportunidades contam com remuneração e benefícios em conformidade com os postos.

Com cerca de 55 mil funcionários espalhados pelo mundo, a companhia oferece uma ampla gama de produtos e serviços de ramos elementares e de vida em mais de 215 países e territórios. A empresa atende pessoas físicas e jurídicas – de pequenas empresas a multinacionais.

Se interessou? Envie seu currículo para redacao@jrscomunicacao.com.br, que encaminharemos à seguradora solicitante.