Telemetria da Ituran auxilia na gestão dos veículos de projetos sociais dos Amigos do Bem 361

Telemetria da Ituran auxilia na gestão dos veículos de projetos sociais dos Amigos do Bem / Foto: Jon Flobrant / Unsplash Images

105 veículos vão usar a tecnologia em ações que atendem mais de 75 mil pessoas no sertão do Nordeste

Os veículos da Instituição Amigos do Bem passam a ser monitorados pela tecnologia de telemetria da Ituran Brasil. A empresa, líder global em monitoramento, é parceira da instituição e fornece soluções inovadoras para o gerenciamento de uma frota de 105 veículos que cruzam o sertão nordestino em projetos sociais.

“Reconhecemos o impacto dos projetos sociais liderados pela Instituição Amigos do Bem, que atendem mais de 75 mil pessoas no sertão de Alagoas, Pernambuco e Ceará. Com a telemetria, a Ituran pode contribuir com essa grande iniciativa, ajudando a instituição a reduzir custos por meio da gestão da sua frota de veículos”, diz Fabio Acorci, diretor corporate da Ituran. A Ituran irá instalar gratuitamente o rastreador na frota para utilização do Ituranweb, a ferramenta de gestão de frotas da Ituran. “A telemetria ajuda a inibir o uso inadequado dos veículos, excesso de velocidade, direção perigosa e colisões, por exemplo, sem falar na redução de combustível e manutenção dos veículos. Estamos muito felizes em poder ajudar a Amigos do Bem a reduzir esses custos e, assim pode ajudar cada vez mais as pessoas necessitadas”, destaca Acorci.

A tecnologia de telemetria da Ituran utiliza algoritmos de alta complexidade e Big Data dos mais de 2 milhões de clientes que a Ituran possui no mundo, sendo possível fazer uma análise detalhada da performance do motorista, trazendo mais segurança, auxiliando na redução de acidentes. Através da leitura do sistema CAN é possível definir a utilização real do veículo o que permite fazer análises precisas na manutenção que impactam diretamente em oportunidades de redução de custos e segurança no trânsito. Com isso, a instituição Amigos do Bem poderá realizar a gestão da sua frota de forma ágil e eficiente, gerando economia por meio da análise desses dados e orientando ainda uma direção mais segura para o motorista.

“Estamos muito felizes com a parceria com a Ituran. Percorremos quilômetros de distância no sertão nordestino para transformar o cenário de miséria e abandono e a parceria com a Ituran nos ajudará nesse caminho”, afirma Alcione Albanesi, presidente e fundadora dos Amigos do Bem.

A Amigos do Bem atua há mais de 27 anos com projetos de educação, geração de renda e acesso à água, moradia e saúde no sertão nordestino. A instituição atende mais de 75 mil pessoas no sertão de Alagoas, de Pernambuco e do Ceará, sendo 10 mil deles crianças e jovens, e distribui anualmente 845 milhões de litros de água.

Telemedicina e a ‘transformação digital a serviço da vida’ são destaque no Saúde Summit 2021 440

Fernando Ferrari é diretor Geral da DOC24 no Brasil / Divulgação

Encontro integra agenda de um dos maiores eventos do setor do Nordeste

A saúde digital, a gestão, a inovação, as novas tecnologias e a humanização no cuidado foram alguns dos assuntos debatidos pelo Saúde Summit 2021. O encontro fez parte do Saúde Expo e é considerado um dos maiores eventos do setor no Nordeste, reunindo alguns dos principais executivos e profissionais do segmento.

No painel ‘Saúde Digital: a transformação digital a serviço da vida’, por exemplo, estavam Fernando Ferrari, diretor-geral da DOC24 no Brasil, Miguel Isoni Filho, co-fundador & CEO da Fabwork; Thiago Lins Almeida, Oncologista Clínico; e Thammy Marcato, da KPMG & Distrito Leap.

“A tecnologia está transformando diversos setores da sociedade e na saúde não é diferente. A telemedicina, por exemplo, rapidamente se tornou um serviço amplamente aceito e utilizado por médicos e pacientes, porque é capaz de resolver até 80% das demandas por teleconsulta, sem a necessidade de ir presencialmente a um consultório”, explica Ferrari.

Segundo o executivo, a principal vantagem para os pacientes está no acesso a consultas online, onde quer que eles estejam, 24 horas, todos os dias da semana. Além de evitar os problemas de deslocamento e do tempo de espera na unidade médica, a videoconsulta também impede a exposição a germes e doenças.

“Já para os médicos, os serviços de telemedicina permitem um melhor gerenciamento da sua agenda e oferecem ao profissional um canal seguro para o relacionamento com o paciente, além de acesso ao seu prontuário e geolocalização em tempo real, o que auxilia em caso de emergência durante a consulta”, completa.

Promovido pelo Sebrae, o encontro foi destinado especialmente às micro, pequenas e médias empresas.

eBaoTech conquista o XXI Prêmio Mercado de Seguros 384

Rafael Rodrigues é Country Manager da eBaoTech no Brasil / Divulgação

Empresa é referência global em tecnologia para o setor de seguros

A eBaoTech, referência global em tecnologia para o setor de seguros conquistou, no último dia 25 de novembro, o XXI Prêmio Mercado de Seguros – Troféu Gaivota de Ouro, na categoria ‘destaque em soluções tecnológicas para o mercado de seguros’. A cerimônia online reuniu seguradores, corretores, prestadores de serviço e entidades representativas do setor.

Para chegar a esse resultado, a multinacional chinesa passou por diferentes critérios de escolha, como indicação por meio de votação online, histórico e performance da empresa no mercado, além de pesquisas nas principais mídias do setor sobre sua atuação e resultados alcançados no seu segmento.

De acordo com Rafael Rodrigues, Country Manager da empresa no Brasil, a conquista é fruto principalmente do desempenho do InsureMO®, sua plataforma de Middle Office de seguros que pode ser utilizado por empresa que deseje ofertar um seguro em um produto ou serviço.

“A eBaoTech tem crescido bastante nos últimos anos e essa conquista confirma esse excelente momento que vivemos no Brasil. O InsureMO® é uma solução pronta, que serve como ferramenta de alavancagem dos negócios, e por conta disso tem sido cada vez mais utilizada por seguradoras, insurtechs e corretoras que querem desenvolver seu ambiente digital com rapidez”, explica.

A premiação tem como objetivo reconhecer empresas, produtos, serviços e pessoas que tenham contribuído para o crescimento e o fortalecimento do mercado segurador brasileiro.

Zurich dá dicas de como ter segurança no trânsito 411

Tiago Santana é gerente do time de Engenharia de Riscos da Zurich no Brasil / Divulgação

Atenção e manutenção são principais pontos para quem quer ter uma viagem de férias tranquila e segura

As férias estão chegando e, com elas, também os perigos das estradas, já que há perspectivas de haver mais viagens do que no mesmo período de 2020, como prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Com o avanço da vacinação no Brasil e a flexibilização das políticas de combate à Covid-19, é esperado que as famílias brasileiras ocupem as vias de todo país para aproveitarem o período longe de casa.

Um passo primordial para se fazer uma boa viagem de férias é garantir um trajeto sem problemas, para que todos cheguem e retornem com segurança. Porém, com o número maior de automóveis circulando, isso pode ser um desafio. Segundo o Datasus, órgão ligado do Ministério da Saúde, mais de 3,5 mil pessoas morrem em média por mês no trânsito. Mas com a chegada das férias de final do ano, esse número pode subir cerca de 12%. Por isso, redobrar o cuidado nunca é demais.

Segundo o engenheiro Tiago Santana, gerente do time de Engenharia de Riscos da Zurich no Brasil, os cuidados que o motorista precisa tomar são básicos. “Parece que precisamos ser ‘super-heróis’ para nos precaver das possíveis situações de riscos e garantir a segurança no trânsito, mas na realidade, na maioria das vezes, estar atento aos veículos e manter sempre uma direção defensiva, observando as normas vigentes, é suficiente”, afirma o especialista.

Pensando em ajudar os motoristas a se preparem para as viagens de férias, a Zurich separou dicas para que todos possam aproveitar o momento com calma, tranquilidade e, principalmente, segurança.

Respeite as regras de trânsito

As regras de trânsito não estão aí à toa, elas servem proteger motoristas e pedestres, de modo que ninguém saia ferido ou sem vida. Por isso, o motorista precisa estar atento às placas da estrada.

É importante que respeite o limite de velocidade e esteja atento as sinalizações, tanto em placas, como em vias. É somente através dessas sinalizações que ele saberá o local correto de realizar ultrapassagens ou fazer uma conversão. Além disso, quando houver, o motorista deve estar atento e respeitar os semáforos.

Outro ponto essencial é sempre manter uma distância segura do veículo à frente, pois isso garante o tempo necessário para que o veículo freie com tranquilidade, sem causar movimentos bruscos no carro e evitando possíveis acidentes.

Recomenda-se a utilização da “Regra 4-10” de direção defensiva em estradas: devemos sempre manter distância correspondente ao deslocamento percorrido em 4 segundos em relação ao veículo à frente. Por exemplo, se você estiver a 90 km/h (ou 25 m/s), essa distância corresponde a 100 metros. E em casos onde seja necessário ultrapassar outros veículos, devemos sempre estar com campo de visão livre de no mínimo 10 segundos de deslocamento, sem veículos na faixa de ultrapassagem ou curvas na estrada, de forma a garantir a segurança necessária durante o procedimento.

Cuidado com distrações

A melhor forma de se evitar acidentes é ter atenção às vias. Assim, desviar os olhos da pista enquanto dirige pode ser algo fatal. O condutor precisa evitar fazer isto ao conversar com passageiros ou pegar objetos no interior do veículo. Também é importante estar descansado e sem sono para pegar no volante.

Quanto a enviar mensagens ou mexer no celular enquanto dirige: jamais! Planeje o percurso com antecedência, definindo previamente locais de parada e descanso, e, se for realmente necessário usar o telefone, peça ajuda a um passageiro ou pare em um local com segurança.

Manutenção e checklist do automóvel

Uma das formas mais eficazes de se evitar acidentes é garantir a boa manutenção do carro antes de viajar, bem como checar a documentação e itens essenciais com antecedência.

A dica de ouro da Zurich é realizar um checklist geral do automóvel antes de qualquer viagem. “Além de garantir mais segurança, um checklist bem executado previne que o motorista seja surpreendido no meio de uma rodovia, ou até mesmo um local com pouca assistência, o que provavelmente evitará que ele tenha mais gastos”, explica o engenheiro Tiago Santana.

Para ajudar a organizar o checklist dos motoristas, a Zurich preparou uma lista do que é indispensável de checagem antes de qualquer viagem. Confira:

  • Condições das lanternas, faróis e do freio;
  • Calibragem de pneus e estepe;
  • Alinhamento e balanceamento;
  • Fluídos do motor e combustível;
  • Limpadores e desembaçadores dianteiros/traseiros;
  • Macaco, chave de roda e triângulo;
  • Rádio e antena;
  • Sistemas de segurança como alarme, travas elétrica e rastreador;
  • Cadeirinha (se houver criança);
  • Documentos do veículo e dos condutores;
  • Apólice de seguro e número da assistência ao segurado.

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros 416

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros / Foto: Pixabay

Segmentos avançam no ano, mas ritmo de recuperação é desigual

A nova edição da Conjuntura CNseg (nº 58), publicação da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), apresenta um balanço da economia neste ano, suas perspectivas para 2022 e examina o comportamento do setor segurador nesse contexto, com os impactos desiguais nos segmentos de Danos e Responsabilidades, Previdência e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização.

O capítulo sobre conjuntura econômica analisa “uma recuperação apenas parcial do forte choque da pandemia da Covid-19” neste ano. Destaca que a recuperação em “V”, alimentada pelos efeitos do Auxílio Emergencial, sobretudo no ano passado, começa a se dissipar agora, afetada pela inflação elevada, câmbio permanentemente desvalorizado e indicadores de atividade com baixo crescimento ou viés negativo nos últimos meses.

De acordo com a análise, nesse quadro, são grandes as chances de o PIB no terceiro trimestre do ano apresentar retração e, portanto, consolidar a chamada recessão técnica (ou seja, dois trimestres de queda seguidos).

Apesar do sucesso da campanha de vacinação e de sua contribuição para a reabertura econômica e a retomada do setor de serviços, a recuperação ainda incipiente dos indicadores de trabalho e a alta da inflação comprometem a renda da população, diminuindo a capacidade de crescimento do consumo, destaca a Conjuntura CNseg.

Em resposta ao quadro macroeconômico, cada segmento do setor de seguros teve um comportamento próprio, informa a publicação. O segmento dos seguros de Danos e Responsabilidades cresceu 14,3% em setembro (R$ 7,8 bilhões) quando comparado com o mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o crescimento é de 15,1% sobre os nove primeiros meses de 2020, totalizando um volume de R$ 65,9 bilhões em prêmios. Sob a ótica de 12 meses móveis, o crescimento deste segmento mostra estabilidade, com avanço de 14,2%, após tendência de alta registrada até o mês de agosto.

Já o segmento Cobertura de Pessoas, em setembro, gerou o montante de R$ 15,6 bilhões em prêmios de seguros e contribuições nos planos de previdência. No acumulado do ano, o volume de R$ 140,5 bilhões é 13,8% maior do que o volume arrecadado no mesmo período de 2020. Os Planos de Risco arrecadaram, em setembro, R$ 4,4 bilhões em prêmios, avanço de 3,6% sobre o mesmo mês do ano anterior e, no acumulado do ano, o total de R$ 37,8 bilhões é 13,7% maior do que o mesmo período no ano anterior.

Nos Planos de Acumulação, que são responsáveis pela maior parte (71%) da arrecadação do segmento de Cobertura de Pessoas, foram quase R$ 11 bilhões em contribuições em setembro, aumento de 1% sobre o mesmo mês do ano anterior. No acumulado do ano, as contribuições ultrapassam R$ 100 bilhões, valor 14,2% maior do que o mesmo período de 2020, indicando que pode estar ocorrendo um movimento de maior conscientização sobre a importância de se estar preparado financeiramente para o futuro.

Na Capitalização, houve uma redução de 5,5% no seu faturamento líquido em setembro, em relação ao mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o volume de faturamento é de R$ 18 bilhões, uma evolução de 5,6% sobre 2020, mantendo ainda um resultado positivo para agregado no ano.

Em Saúde Suplementar, os planos de assistência médica tiveram crescimento de 3,3% no número de segurados em relação a setembro de 2020, atingindo 48,5 milhões de usuários. Desse total, 39,6 milhões de beneficiários são oriundos dos planos coletivos, responsáveis pela maior parte (81%) do total de beneficiários de planos de assistência médica. Na comparação interanual, em setembro, o número de beneficiários de planos coletivos cresceu 4,4%, com a entrada de 1,6 milhão de pessoas. Nos planos individual e familiar houve retração de 1,2%, traduzindo-se na saída de 106 mil pessoas dos referidos planos, na mesma comparação interanual. Nos planos exclusivamente odontológicos, a assistência alcançou mais de 28,7 milhões de pessoas, um avanço de 9,9% sobre setembro de 2020, e os planos coletivos, mais uma vez, representam a maior parte dos beneficiários (82%).

A inteligência artificial para a gestão de riscos em departamentos jurídicos 472

Fabrício Marques de Oliveira é Coordenador da Rede Jurídica MAPFRE / Divulgação

Confira artigo de Fabrício Marques de Oliveira, Coordenador da Rede Jurídica MAPFRE

A transformação digital é constante, rápida e traz consigo ferramentas que colaboram com a evolução da gestão de riscos em departamentos jurídicos.

Dentre tais ferramentas, a Inteligência Artificial (IA), que possui como característica a aprendizagem autônoma, tem desempenhado função importante tanto para manter a evolução constante e rápida, quanto para colaborar com a gestão do risco.

Afirma-se isso, pois, conforme apresentado no artigo em referência, as funcionalidades da IA são construídas a partir de metodologias que se baseiam na predefinição de regras para estipular as tarefas a serem adotadas pela máquina, bem como preveem regras que, de maneira autônoma, garantem para ela a possibilidade de adquirir experiência e manter a evolução, aprendendo novas ações, tomando melhores decisões e sendo mais assertiva na execução das tarefas que foram definidas para atender uma finalidade.

Em outras palavras, pode-se entender que a Inteligência Artificial é “a ferramenta construída para remediar ou substituir o pensamento humano. É um programa de computador que, mesmo estando sozinho em um data center, em um computador ou um robô, irá apresentar sinais no sentido de ser inteligente – a inteligência será uma habilidade adquirida e aplicada objetivamente para atender uma necessidade do ambiente”.

Em busca disso, nestes mais de 70 anos de história, a IA continua evoluindo a partir da coleta dos dados que são colocados à sua disposição e através das metodologias como “machine learning”, processamento de linguagem natural e sistemas inteligentes, as quais, embora possuam suas particularidades, utilizam-se de tais dados e funcionam como uma forma de viabilizar que a ferramenta atinja a sua finalidade.

Para se ter uma ideia, estas metodologias, com as suas características detalhadas no artigo em comento, viabilizam que dados de diversas fontes sejam coletados – texto, imagem, impressão digital etc. –, interpretados e que, consequentemente, decisões que culminem na automatização de tarefas, tradução de documentos, previsão de resultados, resolução de cálculos matemáticos, sugestão de teses jurídicas e até de diagnósticos médicos, sejam tomadas de forma automática e previsível, visto que o seu desenvolvimento se pauta na experiência dos dados históricos coletados.

Desta forma, considerando a diversidade de assuntos que podem ser moldados e desenvolvidos através desta ferramenta, certo é que sua aplicabilidade para gerir e mitigar riscos em departamentos jurídicos merece ser avaliada, sobretudo, porque atenderá as necessidades específicas da empresa com autonomia, automação e previsibilidade.

Para isso, por sua vez, Fábio Soares e Wagner Osti, ponderam que conhecer o modelo de negócio do departamento jurídico e os objetivos estratégicos da empresa é fundamental para que o gestor do risco possa classificar assertivamente os riscos sob sua gestão e, a partir daí, encontrar oportunidades de utilização da IA.

Em paralelo, Bonelli sinaliza a existência de diversas estruturas de departamentos nas empresas, contudo, salienta a existência de um modelo padrão que compreende a segmentação do departamento entre contencioso, consultivo, societário e contratos, sendo certo que, respeitadas tais divisões, Henrique Sperandio colabora apresentando algumas das funcionalidades que já foram implementadas e são úteis quando aplicadas para gerir riscos em departamentos jurídicos.

Para ele, por exemplo, a interpretação de documentos processuais e de cálculos são de grande valia para controlar e mitigar riscos jurídicos e financeiros na gestão dos processos no segmento contencioso e, no que lhe concerne, sistemas que viabilizam a automatização na elaboração e gestão de contratos e o suporte sobre entendimentos jurídicos seriam funcionalidades importantes para garantir a segurança jurídica e eficiência operacional nos segmentos de contratos e consultivos, respetivamente.

Sobre estas funcionalidades, em que pese existam exemplos para todas as situações acima, destaca-se o sistema Prometea, sistema que foi elaborado pelo Ministério Público Fiscal da Argentina e que, através de áudio e chat, recebe a solicitação, a interpreta e, com base na análise dos dados, fornece posições jurídicas de maneira a subsidiar o usuário na tomada de decisões, facilitando a execução das tarefas e trazendo a segurança jurídica às opiniões emitidas.

Neste cenário, observando as funcionalidades e as metodologias que já foram implementadas em pouco mais de 70 anos e que continuam se desenvolvendo, entende-se que a ferramenta da Inteligência Artificial é importante para manter o desenvolvimento rápido e constante da transformação digital, colaborando, especialmente, com a gestão dos riscos em departamentos jurídicos.