Grupo SURA alcança receita consolidada de US$ 4,937 milhões em setembro 357

Gonzalo Pérez é Presidente do Grupo SURA / Divulgação

Lucro líquido acumulado está próximo dos níveis pré-pandemia e totalizou US$ 302 milhões, dos quais US$ 120 milhões foram obtidos no terceiro trimestre

O Grupo SURA reportou ao mercado os resultados consolidados do terceiro trimestre do ano, no qual registrou um crescimento dos proveitos operacionais de 17.4% frente ao mesmo período de 2020, totalizando US$ 4.937 milhões. Este resultado, aliado a um menor aumento das despesas (15.5%), levou a um lucro operacional que subiu 37.3% e a um lucro líquido que subiu 181.2% para US$ 302 milhões nos primeiros nove meses do ano.

Os resultados são apoiados pela dinâmica comercial positiva dos negócios da Suramericana (Seguros SURA) e SURA Asset Management, que continuam reportando crescimento de dois dígitos em prêmios e comissões, assim como a recuperação dos resultados por equivalência patrimonial em outras empresas da carteira, que em setembro avançaram 191.4% em relação ao terceiro trimestre de 2020, impulsionados pelo aumento dos lucros do Bancolombia, o crescimento sustentado dos lucros do Grupo Nutresa e a recuperação dos lucros do Grupo Argos.

“A solidez e diversificação da carteira de investimentos nos permitiu alcançar resultados consolidados no terceiro trimestre que superaram as expectativas e nos aproximaram cada vez mais dos níveis verificados no período pré-pandemia. A evolução comercial positiva dos negócios da SURA é um sinal da confiança dos latino-americanos nos produtos, soluções e serviços através dos quais procuramos contribuir para um desenvolvimento mais harmonioso da região e criar mais valor económico para os nossos acionistas”, afirma Gonzalo Pérez, Presidente do Grupo SURA.

Se considerarmos as receitas consolidadas acumuladas nos últimos 12 meses, as receitas totais obtidas durante 2019 são 10.7% superiores. Por outro lado, dentro do total de despesas e custos, as despesas operacionais estavam sob controle, aumentando em 3.2%, inferior à inflação na Colômbia, e apesar do impacto de dois eventos não recorrentes, que também afetam o lucro líquido final: uma provisão de EPS SURA de COP 114 bilhões, contra despesas ainda não reconhecidas pelo governo por maiores reclamações da Covid-19; assim como uma provisão adicional para o recálculo do imposto diferido devido ao aumento da taxa de imposto de renda de pessoa jurídica na Colômbia, o que significou um impacto contábil de COP 47 bilhões.

“O crescimento acelerado das receitas de prêmios, comissões e método de equivalência patrimonial, vem acompanhado de um controle disciplinado das despesas que, em parte, compensa os impactos do maior índice de sinistros devido à pandemia na Seguros SURA, ao mesmo tempo que o resultado operacional da SURA Asset Management já atingiu os níveis de 2019. Tudo isso reafirma a força dos negócios do portfólio”, diz Ricardo Jaramillo, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios e Finanças do Grupo SURA.

Entre as recentes ações do Grupo SURA como gestor de investimentos, destacam-se as seguintes: a participação, no final de outubro, na Semana do Emissor que se desenvolveu junto com a Trii (aplicativo que facilita a negociação de ações), o que permitiu a chegada de 1.400 novos acionistas pessoas físicas em 183 municípios do país; o Grupo SURA é um dos emissores colombianos que promoveu a negociação de suas ações na Bolsa de Valores de Santiago do Chile, mais um passo para a democratização de sua propriedade; até o momento, foram recompradas na Bolsa de Valores da Colômbia (BVC) ações avaliadas em COP 50,441 milhões, operações que atualmente mostram um retorno acima do custo de capital e continuarão, desde que sejam uma alocação eficiente de capital que gere valor para a Companhia e seus acionistas.

Resultados financeiros das filiais

A SURA Asset Management (especializada em pensões, poupança, investimento e gestão de ativos) teve um aumento de 15.8% na receita de comissões, atingindo US$ 533 milhões, explicado pelo crescimento de dois dígitos nos negócios de poupança-reforma, Inversiones SURA e SURA Investment Management (SURA IM), apoiado por uma melhoria da base salarial na região, principalmente no México e Chile.

O desempenho de Inversiones SURA e SURA IM também foi digno de nota, com quatro trimestres consecutivos de resultados operacionais positivos. Nos três primeiros trimestres do ano, este segmento adicionou US$ 81 milhões em receita, representando 15% do total da empresa. No total, o lucro líquido consolidado da SURA AM fechou em US$ 142 milhões, um aumento de 104% em comparação com os primeiros nove meses de 2020.

Destacam-se nesta subsidiária inovações em seu portfólio, como o lançamento de um novo fundo de dívida para infraestrutura, que terá impacto em projetos na Colômbia e no Peru; o lançamento de novas funcionalidades do “qiip”, uma plataforma digital focada na assessoria financeira com presença no México e na Colômbia; e a redução da dívida em COP 185,500 milhões, para amortizações totais este ano de COP 505.500 milhões.

A Seguros SURA (especializada em seguros, tendências e riscos) cresceu 14.4% em prêmios emitidos, que atingiram US$ 4,175 milhões, impulsionada pela boa dinâmica comercial dos seus três segmentos de negócio: Vida (15.3%), Saúde (39.2%) e Geral (8%). Isto, juntamente com um indicador de despesas mais baixo, mitigou parcialmente o aumento dos pedidos, considerando que de janeiro a setembro US﹩ 394 milhões em despesas e custos associados à pandemia foram alocados. Assim, a companhia fechou com lucro líquido de US$ 1 milhão.

Como destaques da gestão regional da Seguros SURA, a EPS SURA, na Colômbia, já aplicou 4,7 milhões de vacinas contra a Covid-19; aumento da produtividade dos canais de assessoria e digital, graças a ajustes nos modelos operacionais e de relacionamento; novas soluções 100% online na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e El Salvador, que aumentaram a perspectiva de novos clientes nestes mercados.

Os resultados até setembro mostram uma perspectiva mais positiva sobre o desempenho consolidado no final do ano e refletem os esforços operacionais para se aproximar dos números alcançados durante 2019, quando não houve impactos da pandemia.

Outros fatos relevantes:

No seu exercício por equilibrar a gestão de capitais, onde não só a parte financeira é relevante, a organização implementou as seguintes ações no período guiadas por critérios ASG, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento harmônico da sociedade:

  • O Grupo SURA atualizou sua política de investimento sustentável, priorizando ainda mais os riscos ambientais, sociais e de governo no processo de análise dos investimentos. Da mesma forma, declarou a exclusão de alguns setores como destino de investimento.
  • A Seguros SURA vem avançando no desenvolvimento de conhecimento para seus clientes, criou um radar de tendências do meio ambiente, onde relatórios de medição de riscos de diagnóstico de temas ambientais são elaborados para os clientes.
  • SURA AM, no marco da COP26, se uniu à Iniciativa Climática de Investimentos na América Latina, a qual busca empoderar aos signatários PRI da região para se tornarem líderes da ação climática no seu território. De mesma forma, realizou sua primeira medição como signatário PRI.

Telemedicina e a ‘transformação digital a serviço da vida’ são destaque no Saúde Summit 2021 439

Fernando Ferrari é diretor Geral da DOC24 no Brasil / Divulgação

Encontro integra agenda de um dos maiores eventos do setor do Nordeste

A saúde digital, a gestão, a inovação, as novas tecnologias e a humanização no cuidado foram alguns dos assuntos debatidos pelo Saúde Summit 2021. O encontro fez parte do Saúde Expo e é considerado um dos maiores eventos do setor no Nordeste, reunindo alguns dos principais executivos e profissionais do segmento.

No painel ‘Saúde Digital: a transformação digital a serviço da vida’, por exemplo, estavam Fernando Ferrari, diretor-geral da DOC24 no Brasil, Miguel Isoni Filho, co-fundador & CEO da Fabwork; Thiago Lins Almeida, Oncologista Clínico; e Thammy Marcato, da KPMG & Distrito Leap.

“A tecnologia está transformando diversos setores da sociedade e na saúde não é diferente. A telemedicina, por exemplo, rapidamente se tornou um serviço amplamente aceito e utilizado por médicos e pacientes, porque é capaz de resolver até 80% das demandas por teleconsulta, sem a necessidade de ir presencialmente a um consultório”, explica Ferrari.

Segundo o executivo, a principal vantagem para os pacientes está no acesso a consultas online, onde quer que eles estejam, 24 horas, todos os dias da semana. Além de evitar os problemas de deslocamento e do tempo de espera na unidade médica, a videoconsulta também impede a exposição a germes e doenças.

“Já para os médicos, os serviços de telemedicina permitem um melhor gerenciamento da sua agenda e oferecem ao profissional um canal seguro para o relacionamento com o paciente, além de acesso ao seu prontuário e geolocalização em tempo real, o que auxilia em caso de emergência durante a consulta”, completa.

Promovido pelo Sebrae, o encontro foi destinado especialmente às micro, pequenas e médias empresas.

eBaoTech conquista o XXI Prêmio Mercado de Seguros 384

Rafael Rodrigues é Country Manager da eBaoTech no Brasil / Divulgação

Empresa é referência global em tecnologia para o setor de seguros

A eBaoTech, referência global em tecnologia para o setor de seguros conquistou, no último dia 25 de novembro, o XXI Prêmio Mercado de Seguros – Troféu Gaivota de Ouro, na categoria ‘destaque em soluções tecnológicas para o mercado de seguros’. A cerimônia online reuniu seguradores, corretores, prestadores de serviço e entidades representativas do setor.

Para chegar a esse resultado, a multinacional chinesa passou por diferentes critérios de escolha, como indicação por meio de votação online, histórico e performance da empresa no mercado, além de pesquisas nas principais mídias do setor sobre sua atuação e resultados alcançados no seu segmento.

De acordo com Rafael Rodrigues, Country Manager da empresa no Brasil, a conquista é fruto principalmente do desempenho do InsureMO®, sua plataforma de Middle Office de seguros que pode ser utilizado por empresa que deseje ofertar um seguro em um produto ou serviço.

“A eBaoTech tem crescido bastante nos últimos anos e essa conquista confirma esse excelente momento que vivemos no Brasil. O InsureMO® é uma solução pronta, que serve como ferramenta de alavancagem dos negócios, e por conta disso tem sido cada vez mais utilizada por seguradoras, insurtechs e corretoras que querem desenvolver seu ambiente digital com rapidez”, explica.

A premiação tem como objetivo reconhecer empresas, produtos, serviços e pessoas que tenham contribuído para o crescimento e o fortalecimento do mercado segurador brasileiro.

Zurich dá dicas de como ter segurança no trânsito 411

Tiago Santana é gerente do time de Engenharia de Riscos da Zurich no Brasil / Divulgação

Atenção e manutenção são principais pontos para quem quer ter uma viagem de férias tranquila e segura

As férias estão chegando e, com elas, também os perigos das estradas, já que há perspectivas de haver mais viagens do que no mesmo período de 2020, como prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Com o avanço da vacinação no Brasil e a flexibilização das políticas de combate à Covid-19, é esperado que as famílias brasileiras ocupem as vias de todo país para aproveitarem o período longe de casa.

Um passo primordial para se fazer uma boa viagem de férias é garantir um trajeto sem problemas, para que todos cheguem e retornem com segurança. Porém, com o número maior de automóveis circulando, isso pode ser um desafio. Segundo o Datasus, órgão ligado do Ministério da Saúde, mais de 3,5 mil pessoas morrem em média por mês no trânsito. Mas com a chegada das férias de final do ano, esse número pode subir cerca de 12%. Por isso, redobrar o cuidado nunca é demais.

Segundo o engenheiro Tiago Santana, gerente do time de Engenharia de Riscos da Zurich no Brasil, os cuidados que o motorista precisa tomar são básicos. “Parece que precisamos ser ‘super-heróis’ para nos precaver das possíveis situações de riscos e garantir a segurança no trânsito, mas na realidade, na maioria das vezes, estar atento aos veículos e manter sempre uma direção defensiva, observando as normas vigentes, é suficiente”, afirma o especialista.

Pensando em ajudar os motoristas a se preparem para as viagens de férias, a Zurich separou dicas para que todos possam aproveitar o momento com calma, tranquilidade e, principalmente, segurança.

Respeite as regras de trânsito

As regras de trânsito não estão aí à toa, elas servem proteger motoristas e pedestres, de modo que ninguém saia ferido ou sem vida. Por isso, o motorista precisa estar atento às placas da estrada.

É importante que respeite o limite de velocidade e esteja atento as sinalizações, tanto em placas, como em vias. É somente através dessas sinalizações que ele saberá o local correto de realizar ultrapassagens ou fazer uma conversão. Além disso, quando houver, o motorista deve estar atento e respeitar os semáforos.

Outro ponto essencial é sempre manter uma distância segura do veículo à frente, pois isso garante o tempo necessário para que o veículo freie com tranquilidade, sem causar movimentos bruscos no carro e evitando possíveis acidentes.

Recomenda-se a utilização da “Regra 4-10” de direção defensiva em estradas: devemos sempre manter distância correspondente ao deslocamento percorrido em 4 segundos em relação ao veículo à frente. Por exemplo, se você estiver a 90 km/h (ou 25 m/s), essa distância corresponde a 100 metros. E em casos onde seja necessário ultrapassar outros veículos, devemos sempre estar com campo de visão livre de no mínimo 10 segundos de deslocamento, sem veículos na faixa de ultrapassagem ou curvas na estrada, de forma a garantir a segurança necessária durante o procedimento.

Cuidado com distrações

A melhor forma de se evitar acidentes é ter atenção às vias. Assim, desviar os olhos da pista enquanto dirige pode ser algo fatal. O condutor precisa evitar fazer isto ao conversar com passageiros ou pegar objetos no interior do veículo. Também é importante estar descansado e sem sono para pegar no volante.

Quanto a enviar mensagens ou mexer no celular enquanto dirige: jamais! Planeje o percurso com antecedência, definindo previamente locais de parada e descanso, e, se for realmente necessário usar o telefone, peça ajuda a um passageiro ou pare em um local com segurança.

Manutenção e checklist do automóvel

Uma das formas mais eficazes de se evitar acidentes é garantir a boa manutenção do carro antes de viajar, bem como checar a documentação e itens essenciais com antecedência.

A dica de ouro da Zurich é realizar um checklist geral do automóvel antes de qualquer viagem. “Além de garantir mais segurança, um checklist bem executado previne que o motorista seja surpreendido no meio de uma rodovia, ou até mesmo um local com pouca assistência, o que provavelmente evitará que ele tenha mais gastos”, explica o engenheiro Tiago Santana.

Para ajudar a organizar o checklist dos motoristas, a Zurich preparou uma lista do que é indispensável de checagem antes de qualquer viagem. Confira:

  • Condições das lanternas, faróis e do freio;
  • Calibragem de pneus e estepe;
  • Alinhamento e balanceamento;
  • Fluídos do motor e combustível;
  • Limpadores e desembaçadores dianteiros/traseiros;
  • Macaco, chave de roda e triângulo;
  • Rádio e antena;
  • Sistemas de segurança como alarme, travas elétrica e rastreador;
  • Cadeirinha (se houver criança);
  • Documentos do veículo e dos condutores;
  • Apólice de seguro e número da assistência ao segurado.

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros 416

Nova Conjuntura CNseg avalia economia e desempenho do setor de seguros / Foto: Pixabay

Segmentos avançam no ano, mas ritmo de recuperação é desigual

A nova edição da Conjuntura CNseg (nº 58), publicação da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), apresenta um balanço da economia neste ano, suas perspectivas para 2022 e examina o comportamento do setor segurador nesse contexto, com os impactos desiguais nos segmentos de Danos e Responsabilidades, Previdência e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização.

O capítulo sobre conjuntura econômica analisa “uma recuperação apenas parcial do forte choque da pandemia da Covid-19” neste ano. Destaca que a recuperação em “V”, alimentada pelos efeitos do Auxílio Emergencial, sobretudo no ano passado, começa a se dissipar agora, afetada pela inflação elevada, câmbio permanentemente desvalorizado e indicadores de atividade com baixo crescimento ou viés negativo nos últimos meses.

De acordo com a análise, nesse quadro, são grandes as chances de o PIB no terceiro trimestre do ano apresentar retração e, portanto, consolidar a chamada recessão técnica (ou seja, dois trimestres de queda seguidos).

Apesar do sucesso da campanha de vacinação e de sua contribuição para a reabertura econômica e a retomada do setor de serviços, a recuperação ainda incipiente dos indicadores de trabalho e a alta da inflação comprometem a renda da população, diminuindo a capacidade de crescimento do consumo, destaca a Conjuntura CNseg.

Em resposta ao quadro macroeconômico, cada segmento do setor de seguros teve um comportamento próprio, informa a publicação. O segmento dos seguros de Danos e Responsabilidades cresceu 14,3% em setembro (R$ 7,8 bilhões) quando comparado com o mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o crescimento é de 15,1% sobre os nove primeiros meses de 2020, totalizando um volume de R$ 65,9 bilhões em prêmios. Sob a ótica de 12 meses móveis, o crescimento deste segmento mostra estabilidade, com avanço de 14,2%, após tendência de alta registrada até o mês de agosto.

Já o segmento Cobertura de Pessoas, em setembro, gerou o montante de R$ 15,6 bilhões em prêmios de seguros e contribuições nos planos de previdência. No acumulado do ano, o volume de R$ 140,5 bilhões é 13,8% maior do que o volume arrecadado no mesmo período de 2020. Os Planos de Risco arrecadaram, em setembro, R$ 4,4 bilhões em prêmios, avanço de 3,6% sobre o mesmo mês do ano anterior e, no acumulado do ano, o total de R$ 37,8 bilhões é 13,7% maior do que o mesmo período no ano anterior.

Nos Planos de Acumulação, que são responsáveis pela maior parte (71%) da arrecadação do segmento de Cobertura de Pessoas, foram quase R$ 11 bilhões em contribuições em setembro, aumento de 1% sobre o mesmo mês do ano anterior. No acumulado do ano, as contribuições ultrapassam R$ 100 bilhões, valor 14,2% maior do que o mesmo período de 2020, indicando que pode estar ocorrendo um movimento de maior conscientização sobre a importância de se estar preparado financeiramente para o futuro.

Na Capitalização, houve uma redução de 5,5% no seu faturamento líquido em setembro, em relação ao mesmo mês de 2020. No acumulado do ano, o volume de faturamento é de R$ 18 bilhões, uma evolução de 5,6% sobre 2020, mantendo ainda um resultado positivo para agregado no ano.

Em Saúde Suplementar, os planos de assistência médica tiveram crescimento de 3,3% no número de segurados em relação a setembro de 2020, atingindo 48,5 milhões de usuários. Desse total, 39,6 milhões de beneficiários são oriundos dos planos coletivos, responsáveis pela maior parte (81%) do total de beneficiários de planos de assistência médica. Na comparação interanual, em setembro, o número de beneficiários de planos coletivos cresceu 4,4%, com a entrada de 1,6 milhão de pessoas. Nos planos individual e familiar houve retração de 1,2%, traduzindo-se na saída de 106 mil pessoas dos referidos planos, na mesma comparação interanual. Nos planos exclusivamente odontológicos, a assistência alcançou mais de 28,7 milhões de pessoas, um avanço de 9,9% sobre setembro de 2020, e os planos coletivos, mais uma vez, representam a maior parte dos beneficiários (82%).

Mercado espera alta para Seguro Garantia Judicial em 2022 374

Rafael Gama é diretor comercial da Austral Seguradora / Divulgação

Calcula-se que haja um estoque de R$ 784,5 bilhões em processos tributários

Com o retorno dos julgamentos dos processos judiciais principalmente no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o mercado segurador espera que as grandes demandas que ficaram reprimidas durante estes últimos dois anos de pandemia voltem às mesas de negociação. O mercado de Seguro Garantia passou por mudanças relevantes recentemente. A redução da taxa de juros nos últimos anos, o grande número de novos players neste setor, a mudança do perfil de clientes pós-Lava Jato, e o impacto da pandemia ocasionaram uma redução dos grandes negócios. Com isso, o mercado apresenta uma competitividade agressiva neste momento.

Segundo o diretor comercial da Austral Seguradora, Rafael Gama, calcula-se que haja um estoque de R$ 784,5 bilhões em processos tributários, somente no CARF. Este produto, como se sabe, funciona como alternativa ao pagamento de cauções, depósitos judiciais em dinheiro, penhora de bens e fianças bancárias.

“O ano de 2022 provavelmente será muito desafiador para o mercado como um todo. Considerando um ano de eleição, o cenário político e os impactos na economia, sem crescimento consistente do PIB, provavelmente teremos um calendário mais curto quando falamos de Projetos de Infraestrutura, o que implicará em um posicionamento mais assertivo por parte das seguradoras junto aos seus clientes e parceiros”, explica o executivo.

Contribuindo para um cenário mais positivo e com boas perspectivas para o Seguro Garantia, o Governo promete para 2022 uma agenda agressiva de leilões. Exemplo são as rodovias do Paraná, um conjunto de seis lotes de estradas federais e estaduais que somam 3.368 km e vão demandar R$ 43 bilhões em investimentos, a privatização do Porto de Santos, além dos leilões dos Aeroportos de Congonhas e Santos Dumont.

De forma a se diferenciar e entregar serviços cada vez mais diferenciados aos seus clientes, a Austral Seguradora busca manter seu posicionamento de especialista em grandes projetos de infraestrutura. Também direciona seus esforços e investimentos para uma verdadeira mudança tecnológica e de digitalização dos seus processos. O foco da companhia não é somente entregar uma plataforma digital aos seus clientes, corretores e parceiros. “Pretendemos escutar cada um daqueles que fazem parte do ecossistema do seguro e entender as suas dores e necessidades, para que assim possamos entregar as melhores soluções”, conclui Rafael Gama.