Clube da Pedrinha RS auxilia na realização de 481 sonhos de Natal 1303

Ação social foi realizada em parceria com o Projeto Amigo de Todos

Com suas ações sociais consolidadas no calendário dos operadores do mercado de seguros gaúcho, o Clube da Pedrinha do Rio Grande do Sul não desacelerou suas campanhas nem mesmo no mês de dezembro. Pelo contrário, no sábado (18), a entidade auxiliou, através de doações arrecadadas, na realização de 481 sonhos de Natal, no Natal Solidário da Associação Meninos e Meninas em Progresso, na cidade de São Leopoldo (RS).

O momento aconteceu em parceria com o Projeto Amigos de Todos, que visa ajudar ao próximo, sendo criança, idoso ou morador de rua. “Foi mais uma linda ação realizada. Muito obrigada a todos que se engajaram e participaram, pois encerramos com chave de ouro as nossas ações do ano”, destaca a presidente do Clube da Pedrinha RS, Suellen Farias, que participou do momento das entregas às famílias locais. “Parabenizo também, mais uma vez, o nosso Diretor Social José Pedro Vianna Zereu por ter idealizado esse sonho, somos muito gratos”, finaliza.

Confira imagens – Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Clic Regulação facilita processos das seguradoras na regulação de sinistros 497

Clic Regulação facilita processos das seguradoras na regulação de sinistros / Foto: Negative Space / Unsplash Images

Sistema foi desenvolvido pela ExperMed e é voltado para processos que envolvem perícias médicas

Impulsionada pelo cenário imposto pela nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a ExperMed desenvolveu o Clic Regulação, um sistema pensado para atender às necessidades das seguradoras em processos de regulação de sinistros que envolvem perícias médicas. “A ferramenta concentra todos os players envolvidos no processo em um ambiente único e seguro, possibilitando às companhias o controle total da operação, oferecendo transparência, mas sem deixar de lado os cuidados com a proteção e privacidade dos dados”, destaca a CEO da ExperMed, Nadine Della Giustina.

Inovadora, a divisão do processo de regulação de sinistro em status possibilita aos gestores acompanhar em tempo real todas as suas etapas. “Através dos gráficos e informações que constam no Dashboard, eles podem, ainda, visualizar a operação como um todo, bem como, de modo individualizado, acompanhar a carteira de sinistros de cada analista da sua equipe”, explica. “Da mesma maneira, cada analista da seguradora terá à disposição o seu Dashboard individualizado contendo todas as informações da carteira de sinistros sob a sua responsabilidade”, acrescenta.

Painel de visualização geral do Clic Regulação, da ExperMed / Divulgação
Painel de visualização geral do Clic Regulação, da ExperMed / Divulgação

Além do Dashboard exclusivo que entre outros dados ainda permite que a seguradora tenha um controle geográfico da sua carteira de sinistros, o Clic Regulação possui uma plataforma de troca de mensagens que elimina procedimentos e fluxos, como o envio desordenado de e-mails, que postergam a conclusão do processo. Confira, abaixo, as vantagens completas de utilizar o Clic Regulação:

  • Cadastro simples: permite o preenchimento de dados básicos referentes ao sinistro e ao segurado/periciado, assim como a anexação dos documentos que envolvem o sinistro;
  • Proteção de dados e privacidade: com base na Lei nº 13.709/2018, o gestor terá acesso a informações de sinistros, perícias e periciados, cabendo ao analista somente o acesso à carteira de sinistros que está sob sua responsabilidade;
  • Tempo real: todos os colaboradores (players) envolvidos conseguem visualizar, em tempo real, todas as etapas do processo, em um sistema único, online e de fácil manuseio;
  • Dashboard estratégico: permite visualizar a carteira de sinistros, bem como a classificação por tipo de perícia – presencial (em consultório ou domiciliar), teleperícia, documental, documental com especialista e junta médica;
  • Infográficos: permite registrar, por meio de gráficos e tabelas, a evolução das perícias ao longo do (s) ano (s) e por mês, além de informações sobre cada uma delas, por tipo;
  • Controle das coberturas: permite que o gestor da seguradora tenha esteja sempre atualizado sobre as coberturas com maior sinistralidade;
  • Laudos padronizados: permite que os médicos-examinadores sigam procedimentos padrões para o preenchimento da documentação pericial;
  • Status e alertas: o gestor e os analistas (nos sinistros sob sua responsabilidade) são informados, via sistema, de todas as etapas operacionais;
  • Agenda digital: permite que os colaboradores envolvidos (gestores, analistas e médicos) possam receber alertas sobre a evolução/status das perícias, assegurando a marcação de perícias, assim como o controle dos prazos de uma ponta a outra;
  • Exame físico por avatar: os médicos-examinadores têm à disposição um avatar humano para registrar detalhes do exame físico do periciado;
  • Comunicação dinâmica: na aba ‘Mensagens’, os colaboradores podem enviar e receber avisos;
  • Controle financeiro: permite que a seguradora analise custos a partir da relação entre o capital segurado e a indenização paga. A seguradora, inclusive, terá acesso ao controle do risco assumido (indica o limite máximo de cobertura, o valor gasto em cada tipo de perícia, tipos de indenização mais frequentes etc.), o que, consequentemente, gera economia para a empresa;
  • Tabela Susep: permite a consulta do gestor da seguradora à tabela Susep, com dados para cálculos de indenizações que regulam o mercado segurador;
  • Agilidade na conclusão: permite que todo o processo – desde o cadastro até a entrega da documentação para a seguradora – seja eficaz e finalizado em poucos dias;
  • Todos esses diferenciais do Clic Regulação contribuem para uma gestão estratégica de qualidade, assertividade indenizatória e eficiência operacional, refletindo também na redução dos custos e processos por parte das seguradoras;
  • Com a assertividade da regulação administrativa, ao longo do tempo, é possível reduzir a judicialização dos processos por meio de acordos entre seguradoras e segurados anteriores ao ato judicial.
Dashboard do Clic Regulação / Divulgação
Dashboard do Clic Regulação / Divulgação

Solicite um orçamento entrando em contato com a equipe da ExperMed.

Da Zona da Mata de Pernambuco para o universo segurador: a história do Alfaiate do Seguro 2962

José Carlos, o 'Alfaiate do Seguro' / Divulgação/Arquivo Pessoal

Descubra como a história deste profissional começou a mudar por causa do mercado de corretagem

A cidade de Ribeirão, Zona da Mata do Estado de Pernambuco, exportou para o universo segurador uma grande personalidade. Estamos falando sobre José Carlos, mais conhecido como o ‘Alfaiate do Seguro’.

Em entrevista exclusiva ao Jornal do Seguro (JRS), o profissional lembra que nasceu em uma região onde a economia baseia-se na produção de cana-de-açúcar. “Morei em um engenho que ficava há quilômetros de distância da cidade. Muitas vezes ia e voltava caminhando para poder estudar”, comenta ao rememorar a infância e fase de transição para a vida adulta.

A casa onde José Carlos cresceu / Divulgação/Arquivo Pessoal
A casa onde José Carlos cresceu / Divulgação/Arquivo Pessoal
A primeira escola de José Carlos / Divulgação/Arquivo Pessoal
A primeira escola de José Carlos / Divulgação/Arquivo Pessoal

Foi em 2000 que as coisas começaram a mudar. “Foi quando fui ser motorista de ônibus. Trabalhava em média de 12 a 14 horas por dia. Aqui começava minha relação com o Seguro de Vida. A linha que eu operava passava perto da sede da Mongeral Aegon (MAG Seguros). Andava sempre comigo uma corretora de seguros responsável pelos treinamentos dessa companhia. Algumas vezes ela havia me entregado folders sobre Seguro e Vida e nunca dei atenção”, cita José Carlos. “Eu frequentava uma Igreja Evangélica que também era frequentada por um gerente dessa seguradora. Em um mês específico, por terem batido a meta, o executivo convidou o pastor para um culto na sucursal da empresa. Ao chegar no culto encontrei a corretora que sempre andava comigo no ônibus. Perguntou-se pode onde eu estava, pois não me via mais. Eu estava desempregado. Foi aí que ela chamou sua gerente e ela perguntou se eu gostaria de trabalhar lá. Claro que aceitei e fiz os testes prontamente. Na mesma semana em que era para começar como corretor, outra empresa de ônibus me chamou para ser motorista. Agradeci e fui ser corretor”, completa.

Mas os desafios não pararam por aí. Naquela época, o Alfaiate do Seguro ainda não dominava as ferramentas tecnológicas. “Eu nem sabia o que era um e-mail. Para salvar uma cotação no computador eu levei quase 30 dias para aprender. Em 2009, por vários dias eu comia apenas no café da manhã da seguradora. No resto do dia não comia mais nada porque não tinha dinheiro. Passei muita fome. Eu tinha dois filhos e a minha mais velha ligava dizendo que todo alimento tinha acabado, não tinha nada. Ela me questionava porque eu não voltava a ser motorista, que era mais certo”, lembra. “Minha vida começou a mudar depois que vi uma reportagem na televisão sobre o polo gesseiro de Pernambuco, que fica 800km de Recife. Não posso deixar de agradecer a minha gerente à época, a Márcia Urbana. Sem ela eu não seria o Alfaiate do Seguro”, acrescenta.

Toda essa jornada ensinou algumas lições para José Carlos. O profissional reforça que “nenhum obstáculo é intransponível quando se tem vontade de vencer”. “Você é o que você quiser. Se você tem um sonho, vá em busca. Trabalhe, estude, dedique-se, seja honesto e ético. Pode demorar, mas o sucesso chega”, compartilha.

Na visão do corretor de seguros, foco e persistência são fundamentais para tudo na vida. “Para um profissional da corretagem, em especial, estes dois elementos são o combustível principal. Por muitas vezes os projetos não dão certo. Aí tem auto cobrança, cobrança da família… Bate a vontade de desistir. Mas desistir é para os fracos. A mão do sucesso profissional tem cinco dedos: Caráter, Vocação, Talento, Esforço e Disciplina. Sem isso, ninguém conquista nada”, ensina.

José Carlos, o Alfaiate do Seguro, revela que alguns colegas do setor são extremamente inspiradores em sua jornada, como Márcia Urbana, sócia da Cedro Master Ricardo Tarantello; Emérson Soares, da SEGASP Univalores, Josusmar Souza, da Mister Liber, Tiago Melo, Autor do Livro Xeque Mate; Alberto Júnior, CEO do Grupo Life Brasil. “Tem um colega que sou fã trabalho e admirador como ser humano. O quanto ele ajuda as pessoas e sua generosidade são um grande destaque. Estou falando de Rogério Araújo – simplesmente Rogerinho da TGL. Esse é o embaixador do Seguro de Vida no Brasil”, contempla.

Ao explicar que é motivo de alegria e um verdadeiro privilégio poder contar sua história no mercado de seguros, este verdadeiro ícone do setor deixa uma mensagem especial tanto para corretores que estão começando, como para corretores mais experientes: “Se dediquem, estudem bastante, procurem ouvir o cliente, mantenham uma relação permanente com os clientes, não apenas no momento da venda, ligue no aniversário, no dia de profissão, ligue desejando Feliz Natal, Ano Novo. Esteja presente durante toda jornada do segurado. Entregue o melhor que puder. Faça diferente dos seus colegas. Faça o melhor para seu cliente”, finaliza.

Obras de arte da ‘Coleção Sartori’ estão cobertas pela Solaris Corretora de Seguros 964

Obras de arte da 'Coleção Sartori' estão cobertas pela Solaris Corretora de Seguros / Crédito da foto: Thomas D’Avila/Divulgação

Acervo do Pradense Paulo Sartori será exposto no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS)

Divulgação
Divulgação

A coleção de obras de arte do empresário Paulo Sartori, natural de Antônio Prado (RS), tem demonstrado ser de grande relevância no cenário das coleções privadas no Brasil, figurando entre as principais em território gaúcho. Sócio da Essenza Design Indústria de Móveis, Sartori realiza a exposição “Coleção Sartori: A Arte Contemporânea habita Antônio Prado”, com mais de 400 obras em espaço público e gratuito, a partir deste sábado, 22, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS).

“Um conjunto entre 350 e 400 obras formam nossa coleção, que tem um leque bastante abrangente e que produz um interessante recorte da produção artística nacional, com especial atenção para a produção gaúcha, desde a década de 80 até hoje. Há algum tempo viemos pensando em alternativas para dar acesso a nossa coleção ao grande público e agora, com a exposição no MARGS, estamos alcançando isso”, destaca.

As obras estão seguradas por intermédio da Solaris Corretora de Seguros. “Desde o transporte das peças e deslocamento também estão sendo feitos por transportadora de São Paulo especializada e cobertas em seguro”, detalha Laureano Fortuna, Diretor da Solaris, que trabalha com expertise neste tipo de seguro já há mais de década.

Um fato interessante é que Paulo Sartori e a família Solaris contam com uma história de longa data. Na juventude, o empresário atuou como Office Boy na corretora de seguros que conta com mais de 50 anos de existência. “Já naquela época ele gostava de pintar e eu comprei dele dois quadros que estavam expostos na parede de minha casa. Alguns anos atrás, quando iniciou as coleções, se deu conta que não tinha nenhum quadro de quando iniciou e me pediu para revender, mas prontamente eu dei os quadros a ele para integrar a coleção”, conta Fortuna.

A mostra, inclusive, conta com o apoio da Solaris Corretora de Seguros e ficará exposta até maio deste ano. “A Solaris é minha corretora desde a conquista do meu primeiro carro, temos hoje com eles todo tipo de seguros, residencial, comercial, empresarial, auto, arte e por aí vai. Sempre confiamos muito no trabalho e atendimento deles e não teria porque ser diferente agora. Além disso, nutrimos um carinho muito especial pela família Fortuna”, finaliza Sartori.

Empossada a nova diretoria do Sincor-RS, liderada por André Thozeski 32808

Cerimônia de posse contou com a presença de lideranças do mercado e representantes políticos

Responsáveis por 8% da força do mercado nacional (dados da Fenacor), os gaúchos empossaram nesta terça-feira (11) o novo presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio Grande do Sul (Sincor-RS), André Thozeski, e sua diretoria. A noite, que aconteceu em Porto Alegre (RS) e seguiu todos os protocolos de saúde e segurança, marcou também o ano em que a entidade completa 80 anos de existência.

“O Sincor-RS sempre teve à frente das suas diretorias pessoas engajadas e comprometidas. Cada de nós, eleitos pelos corretores, estamos comprometidos a trabalhar, a nos doar, a representar os interesses da classe. O presidente não faz nada sozinho, é a equipe, é o time quem constrói”, destacou o presidente empossado, atuante no mercado desde 1983.

Ricardo Pansera, que comandou a entidade nos últimos oito anos, agradeceu a oportunidade de liderança junto aos corretores de seguros gaúchos. Ele continuará integrando a nova diretoria formada. “Agradeço a diretoria e toda equipe de funcionários da entidade que batalham diariamente e tratam o Sincor-RS com muito respeito e amor. Desejo um excelente mandato, pois tenho certeza que Thozeski e sua diretoria com parceiros tão bem instruídos, vão dar continuidade a esse belo trabalho”, comentou.

Presidente (ao centro), Diretoria, Suplentes e Conselheiros do Sincor-RS.

Corretor de seguros, o superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Alexandre Camillo, não pode estar presente de maneira presencial, mas enviou votos de sucesso. “Parabenizo ao Ricardo Pansera e toda sua diretoria por todo o trabalho realizado nas suas gestões e quero desejar muito sucesso a André Thozeski e os novos integrantes da diretoria pelo belíssimo trabalho que tem a frente”, afirmou em mensagem via vídeo.

Para o presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), Armando Vergílio, o Rio Grande do Sul é pródigo em formar lideranças de mercado. “Os gaúchos sempre nos orgulharam muito, pois aqui é um estado que nos entrega representatividade e é um celeiro de grandes profissionais. A André Thozeski eu digo que não faltará apoio em nenhum momento por parte da Fenacor”, disse. Vergílio também exaltou a vacina: “Vamos fazer a nossa parte e vamos nos vacinar”.

O presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg RS), Guilherme Bini, que no ato também representava o presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg) Marcio Coriolano, ratificou a parceria entre as entidades representativas das seguradoras para com as dos corretores. “Somos entidades parceiras e andamos lado a lado. Vamos continuar lutando juntos e nos unir pelos próximos anos, pois o mercado de seguros só é seguro com seguradoras e corretores de seguros”, ressaltou.

Joaquim Mendanha, presidente do Instituto Brasileiro de Autorregulação do Mercado de Corretagem de Seguros (Ibracor) e da CredSeguro, também reforçou o apoio ao Sincor-RS. “Podem contar conosco sempre. Tenho certeza que agora com o nosso novo superintendente, vamos juntos continuar levando o protagonismo do mercado de seguros a todos os setores”, lembrou.

O presidente da Câmara de Porto Alegre, vereador e corretor de seguros Idenir Cecchim (MDB), e o prefeito em exercício do município Ricardo Gomes também marcaram presença na posse da nova diretoria que comandará a entidade que representa os corretores de seguros gaúchos pelos próximos anos.

Nominata da Diretoria Sincor-RS 2022/2025:

  • André Thozeski – presidente;
  • Marcos Pozza – vice-presidente;
  • Ricardo Pansera – vice-presidente Administrativo e Financeiro;
  • Celso Marini – vice-presidente de Relações com o Mercado;
  • Genesi Cassol – diretora de Marketing e Eventos;
  • Tânia Rosa – diretora Social;
  • Marco Antônio Fortuna – diretor de Benefícios e Convênios;
  • Andreas Rafael Mayer – diretor de Formação Técnica;
  • Suplentes da diretoria: Tatiana Petzhold e Jorge Edivan Kath;
  • Conselheiros: Laiza Martins, Antônio Alvarenga, César Blauth e Amauri Bueno.

Confira todas as imagens – Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Tribunal reconhece recebimento indevido de seguro de vida por embriaguez de motorista 483

Tribunal reconhece recebimento indevido de seguro de vida por embriaguez de motorista / Foto: Rodrigo dos Reis / Unsplash Images

TJ-SP reconhece improcedência da pretensão de recebimento da importância segurada

A embriaguez do motorista exclui a responsabilidade da seguradora, prevista em contrato, de pagar o seguro de vida ao beneficiário da vítima fatal de um acidente de moto. Esse foi o entendimento da 26ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo ao rejeitar a apelação do beneficiário do seguro que pleiteava a indenização.

A advogada Janaína Andreazi / Divulgação
A advogada Janaína Andreazi / Divulgação

O escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim Advogados, sustentou, em defesa da seguradora Prudential do Brasil, que o artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro prevê expressamente como crime a condução de veículo por pessoa com concentração de álcool igual ou superior a 0,6 dg/l de sangue “A negativa do pagamento da indenização securitária encontra respaldo no Código Civil, no artigo 768, que trata da perda do direito à garantia do segurado se agravar intencionalmente o risco. Neste caso há clara evidência de existência de nexo causal entre o advento do acidente e o estado de embriaguez do segurado”, afirma a advogada Janaína Andreazi, que liderou a equipe de defesa da seguradora.

Uma testemunha envolvida no sinistro declarou à polícia que o segurado trafegava em alta velocidade na contramão e acabou colidindo com um carro que trafegava regularmente.

O tema é bastante controverso no mercado e na jurisprudência nacional, embora o contrato de seguro de vida preveja a exclusão da cobertura securitária para sinistros resultantes de atos ilícitos praticados pelo segurado. “Importante observar que as cláusulas limitativas de garantias securitárias devem ser interpretadas restritivamente, sob a luz do princípio da boa-fé, que é orientador de todos os contratos – com destaque especial ao contrato de seguro -, sobretudo em se tratando de relação de consumo, de modo que se houver prova de que o incremento do risco foi voluntário e de que a embriaguez do segurado foi causa determinante para a ocorrência do sinistro, é legítima a exclusão da cobertura e o reconhecimento do agravamento”, conclui a advogada Janaína Andreazi

O TJ-SP reconheceu a improcedência da pretensão de recebimento da importância segurada, entendendo que a embriaguez representou fator preponderante de agravamento do risco de acidente, uma vez que a conduta é tipificada como infração de natureza gravíssima pelo artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro e como crime pelo artigo 306 do mesmo texto normativo.