Cargas e transportes são importantes termômetros da retomada econômica 363

Eduardo Michelin é Líder da área de transportes, casco marítimos & aeronáutico da Willis Towers Watson / Divulgação

Confira artigo de Eduardo Michelin, Líder da área de transportes, casco marítimos & aeronáutico da Willis Towers Watson

O transporte de cargas no Brasil foi um dos segmentos que mais sofreu com os impactos da pandemia da Covid-19. Fábricas foram fechadas, produções reduzidas, empregos foram cortados e o consumo diminuiu. Porém, com o ano quase no final, já conseguimos enxergar uma luz no fim do túnel.

Dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) mostram um crescimento de 31.5% na contratação de seguros de carga e transporte até o fechamento do primeiro semestre. Quando comparamos com o mesmo período do ano anterior, onde houve uma redução drástica, ainda assim, notamos uma expansão significativa e demonstra um aumento do apetite de consumo no segmento.

Além disso, fatores como a alta da inflação e a variação cambial, nos casos de importação e exportação, afetam diretamente o valor das cargas transportadas e, consequentemente, na movimentação segurada dessas operações. São aspectos que devem ser cuidadosamente avaliados durante as contratações.

Após um ano muito fraco, podemos destacar algumas tendências que devem predominar durante a retomada econômica. Em disparada, como fator determinante dessa expansão está o massivo consumo online. As vendas por meio de plataforma de e-commerce devem movimentar bastante o segmento. Empresas como Mercado Livre, por exemplo, assumem grande representatividade não apenas como plataforma de intermediação de vendas de produtos, mas sim como um forte operador logístico que vem mudando significativamente a relação com o mercado.

Com essa migração do consumo físico para o virtual, o impacto é direto no perfil de contratação do seguro de transportes. Antes, os grandes fabricantes de mercadoria não tinham distribuição porta a porta, as entregas eram realizadas diretamente para os magazines e supermercados, então, o consumo se dava a partir dali. Agora, o volume de entrega direta muda completamente a logística e a negociação com operador, forçando a readequação de tecnologia para os veículos, e como consequência, a necessidade de mudança no perfil do seguro, sendo necessário redesenhar as apólices e rever o processo de gestão de riscos.

Outra tendência que pode ser observada é a elevação da taxa de sinistralidade. Por se tratar de um modelo de transporte mais vulnerável na distribuição de pontas, aumenta também a probabilidade de ocorrências de perdas. As seguradoras passam a ter um cuidado maior para absorver esse tipo de risco, por causa da exposição mais elevada, o que pode acarretar o aumento do preço do seguro.

Além disso, outro fator preocupante é com a elevação dos roubos de carga, que cada vez mais se torna uma preocupação latente para as empresas, pois estes problemas ganham relevância em períodos de crise econômica.

Em relação ao modal de seguro que vem impulsionando o crescimento, vemos o aéreo ganhando cada vez mais relevância, principalmente como transporte de mercadorias de alto valor agregado em segmentos específicos, como hospitais e farmacêutico.

Vale frisar que o transporte rodoviário continua concentrando a matriz de transportes no país, representando 66% das movimentações, seguido por 21,4% de ferroviário, 7,9% de cabotagem, 1,4% de hidroviário e também 1,4% de dutoviário, de acordo com dados do Plano Nacional de Logística.

Diante disso, o gerenciamento de riscos logísticos se torna cada vez mais crucial. A Willis Towers Watson foi a pioneira na prestação de serviços de consultoria independente e focada exclusivamente no seu cliente, aliada à contratação do seguro.

Nossa atuação vai além da comercialização de uma apólice, fazemos todo processo de interação entre as seguradoras parceiras e com o cliente, prestando consultoria acurada no gerenciamento de risco, com profissionais especializados, uso da mais avançada tecnologia, de ferramentas e aplicações diferentes, com o objetivo de fornecer dados e análises de qualidade para a melhor decisão de nossos clientes.

Para o próximo ano, esperamos por uma retomada econômica com aumento do consumo e diminuição do desemprego, sendo o segmento de transporte um importante termômetro no monitoramento dos indicadores financeiros. Embora a projeção de crescimento do PIB seja pequena, nosso segmento deve se mostrar cada vez mais dinâmico e com a necessidade frequente de acompanhamento e revisão das rotinas e aplicação das apólices de acordo com a necessidade de cada cliente.

Sindicatos dos Corretores do MG, de GO, MT, MS e DF anunciam 21º Congrecor para agosto 418

Sindicatos dos Corretores do MG, de GO, MT, MS e DF anunciam 21º Congrecor para agosto / Divulgação

Evento reúne profissionais da corretagem de Minas Gerais e dos Estados do Centro-Oeste

Entre os próximos dias 11 e 13 de agosto acontece a 21ª edição do Congrecor. O Congresso, promovido pelos Sindicatos dos Corretores de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal (Sincors MG / GO / MT / MS e DF), reunirá os profissionais da corretagem de seguros na Pousada do Rio Quente (GO).

A programação do evento contemplará palestras, mesas-redondas e oficinas com conteúdo atualizado e aprofundado sobre temas que atendem aos interesses nacional e regional do setor segurador e da economia em geral.

As inscrições com condições especiais podem ser realizadas através deste endereço.

Seguros Unimed apresenta nova solução em saúde para a cidade de São Paulo 534

Seguros Unimed apresenta nova solução em saúde para a cidade de São Paulo / Reprodução

‘Novo Essencial’ conta com renomados hospitais e laboratórios na rede de atendimento

A Seguros Unimed apresenta uma nova solução em saúde com cobertura centrada na capital paulista e na Grande São Paulo: o ‘Novo Essencial’. O lançamento do produto ocorrerá nesta quarta-feira (19 de janeiro), às 16h, em transmissão aberta especialmente para corretores da região. Para participar basta acessar este endereço.

Com foco no público de PME e coletivo empresarial, a partir de duas e 100 vidas respectivamente, o ‘Novo Essencial’ conta com uma rede de hospitais de renome tais como Hospital Alemão Oswaldo Cruz (Unidade Vergueiro), Hospital das Clínicas e Graac, além de laboratórios como CDB e Lavosier. “O novo produto foi pensado para atender, com excelência, as principais especialidades médicas. Além disso, possui um custo-benefício bastante competitivo para um cuidado efetivo com a saúde”, afirma Rodrigo Aguiar, superintendente Comercial e de Produtos Saúde e Odonto na Seguros Unimed.

Com quatro modalidades de comercialização, sendo dois em modelo de coparticipação, o ‘Novo Essencial’ oferece o rol de serviços da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e tem como diferenciais o reembolso de consultas e terapias ambulatoriais, descontos em redes de farmácias credenciadas e atendimento de urgência e emergência em todo o país, a partir das parcerias com as Unimeds.

Os clientes PME têm ainda outra vantagem na contratação. Ao garantir o seguro-saúde aos colaboradores também contarão com benefício odontológico da Unimed Odonto, sem custo adicional. “A Seguros Unimed está focada em desenvolver soluções em saúde personalizadas e acessíveis, seguindo uma tendência de mercado. Tudo isso sem abrir mão da qualidade característica das empresas do Sistema Unimed Nacional”, ressalta Aguiar.

Serviço

Lançamento do produto ‘Novo Essencial’ da Seguros Unimed.
Público: Corretores (São Paulo).
Data: Quarta-feira (19 de janeiro de 2022).
Horário: 16h.
Acesso: neste endereço (Zoom).

eFestival 2022 abre inscrições para profissionais de saúde e corretores de seguros mostrarem talentos 522

eFestival 2022 abre inscrições para profissionais de saúde e corretores de seguros mostrarem talentos / Divulgação

Festival é reconhecido como um dos mais importantes palcos da música brasileira; SulAmérica é novamente patrocinadora oficial do concurso

As inscrições para a 21ª edição do eFestival começam hoje (17 de janeiro) e seguem até maio. Além do público geral, o “palco mais digital da música brasileira” contará, pelo 2º ano, com a participação de profissionais de saúde e corretores de seguros.

Com mais de 20 anos de história, o eFestival é reconhecido como um dos mais importantes palcos para a descoberta de novos talentos da música brasileira. Alguns dos maiores nomes da MPB já fizeram parte da construção dessa história como Carlinhos Brown, Titãs, Frejat, Pitty, Vanessa da Mata, Maria Rita, Gilberto Gil, Adriana Calcanhoto, Alceu Valença, Daniela Mercury, João Bosco, Paulinho da Viola, entre outros.

O festival é dividido nas categorias Canção e Instrumental. O concurso é idealizado e realizado pela Dançar Marketing – que há 40 anos atua como a mais consistente empresa de marketing cultural do Brasil, e contará mais uma vez com o patrocínio da SulAmérica.

Para os profissionais de saúde e corretores de seguros é obrigatória a apresentação do registro de atividade ativo (Conselho Regional de Medicina – CRM, Superintendência de Seguros Privados – Susep, entre outros) no momento da inscrição. Os artistas têm até o dia 7 de maio para acessarem este endereço e conhecerem sobre o projeto, o tutorial com passo a passo de como se inscreverem, checarem o regulamento detalhado e, claro, efetivarem as inscrições.

Em 2021 o eFestival recebeu mais de 8 mil inscritos de todo o país. Este ano o evento acontece ao longo de 8 meses, divididos em 4 etapas: inscrições, análise curatorial, votação popular, e por último, a premiação.

Os vencedores se apresentarão em agosto em shows em formatos open air e indoor, ao lado de grandes artistas (embaixadores do projeto), nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba.

Grupo Aspecir tem oportunidade para profissional na área Técnica/Atuarial 598

Grupo Aspecir tem oportunidade para profissional na área Técnica/Atuarial / Foto: Thought Catalog / Unsplash Images

Vaga é para atuação na cidade de Porto Alegre (RS)

O Grupo Aspecir, holding com atuação nos segmentos de Previdência Privada, Seguro de Vida e Empréstimos, contrata profissional para atuar na equipe da área Técnica/Atuarial. A posição é para atuação na cidade de Porto Alegre (RS).

Entre os principais requisitos estão: Graduação em Ciências Atuariais (ou em andamento), experiência consolidada no mercado de seguros (ramo Vida) e domínio do Pacote Office. É desejável que a pessoa contratada tenha conhecimento na legislação vigente do setor segurador.

Entre as principais atribuições desta oportunidade estão a análise técnica de riscos, o acompanhamento da carteira de produtos e demais rotinas pertinentes aos setores técnico de seguros e atuarial.

Com carga horária de segunda a sexta-feira, a empresa oferece Vale Transporte, Vale Refeição, Vale Alimentação e Plano de Saúde entre os benefícios.

Gostou? Envie seu currículo com pretensão salarial para vagas@grupoaspecir.com.br!

Divulgação
Divulgação

Notícias de incêndios estruturais aumentam 85,2% em 2021 450

Notícias de incêndios estruturais aumentam 85,2% em 2021 / Foto: Matt Chesin / Unsplash Images

Monitoramento diário realizado pelo Instituto Sprinkler Brasil contabiliza 2.301 reportagens no ano passado

As notícias de incêndios estruturais estiveram em elevação em 2021. É o que revela levantamento do Instituto Sprinkler Brasil, organização sem fins lucrativos que tem como missão difundir o uso de sprinklers nos sistemas de prevenção e combate a incêndios em instalações industriais e comerciais no País. Por meio do monitoramento diário de notícias de incêndios no Brasil, o Instituto conseguiu capturar 2301 ocorrências de incêndios estruturais de janeiro a dezembro do último ano, representando alta de 85,2% ante 2020, quando foram registradas 1244 notícias.

Os números representam uma alta progressiva em comparação com 2018, quando foram capturadas 531 reportagens, acionando um alerta para a falha nas medidas de prevenção. “Acompanhamos o tema há muito tempo e sabemos que os dados que temos por aqui são inferiores ao registrado oficialmente. Os números que temos já apontam que muita coisa precisa ser feita para que tragédias sejam evitadas, mesmo sem acesso às informações oficiais. Sabemos que esses incêndios tradicionalmente acontecem por problemas de qualidade de equipamento, falta de manutenção, erros de projetos e de instalação, problemas de treinamento da mão de obra e falta de interesse, de modo geral, dos proprietários na proteção contra incêndio, que fazem somente o mínimo necessário para ser aprovado pelos bombeiros”, diz Marcelo Lima, diretor-geral do ISB.

Divulgação
Divulgação

Os sinistros contabilizados são os chamados “incêndios estruturais”, ou seja, aqueles que poderiam ter sido contornados com a instalação de sprinklers e ocorreram em depósitos, hospitais, hotéis, escolas, prédios públicos, museus, entre outros. O ISB não inclui nas estatísticas os incêndios residenciais, que apesar de também serem incêndios estruturais, não são objeto de acompanhamento porque a legislação de segurança contra incêndio não se aplica a residências unifamiliares, onde acontece o maior número de ocorrências.

Entre as diferentes categorias de estruturas, os estabelecimentos comerciais (lojas, shopping centers e supermercados) registraram o maior número de notícias na imprensa nos últimos quatro anos, seguidos pelos depósitos e as edificações, como revela o gráfico abaixo.

Divulgação
Divulgação

A legislação de prevenção e combate a incêndios é estadual e está atualizada. A de São Paulo é uma das mais avançadas do País e serve de modelo para grande parte do Brasil. “A questão está em aplicá-la corretamente”, explica Marcelo Lima.

“O estado exige a instalação de sistemas de incêndio, mas não faz qualquer exigência quanto ao nível de qualidade dos equipamentos. Não há certificação, exceto para extintores. Com isso, temos sistemas instalados por todo o Brasil que atendem plenamente à legislação, mas que provavelmente não funcionarão e isso só será descoberto no pior momento, durante uma ocorrência de incêndio”, conclui Lima.

Uso de sprinklers ainda é tímido

Em pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos junto a empresas multinacionais e de capital nacional com mais de 250 funcionários a pedido do ISB, revelou que o grau de adoção de sprinklers nas empresas é baixo. Apenas 36% das 300 companhias entrevistadas pelo Ipsos disseram contar com sistemas deste tipo em suas instalações.

O levantamento mostrou ainda que apenas 14% das entrevistadas disseram contar com sistema deste tipo em todas as suas unidades e 22% declararam contar com o sistema em apenas algumas unidades operacionais.

O estudo detectou que o uso de sprinklers é maior entre as multinacionais. 48% das empresas estrangeiras, com operações no país, ouvidas pelo levantamento, disseram ter sprinklers em suas operações. Entre as empresas nacionais, o índice é de 34%.

O porte também influi na aderência a este tipo de tecnologia. O índice de uso sprinklers em empresas com mais de 500 funcionários é de 45%. Entre empresas menores, com 250 a 499 funcionários, o percentual é de 28%.