Boris Ber: Olhar atento aos novos desafios que vêm por aí 1195

Boris Ber é presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros de São Paulo (Sincor-SP) / Divulgação

Presidente do Sincor-SP aborda de que modo oportunidades com novos produtos e ferramentas exigem participação dos corretores de seguros

Iniciamos o ano cheio de esperanças de tempos melhores, com o avanço da vacinação para controle da pandemia e novidades que devem evoluir o setor de seguros. A evolução virá, mas, como toda mudança, é preciso acompanhar para não perder espaço.

Os corretores de seguros agora têm a chance de uma interlocução mais próxima com a Superintendência de Seguros Privados (Susep) para participação ativa nos rumos da profissão, com um líder da categoria à frente da autarquia. Mesmo cientes de que o órgão regulador atua em prol de todo o setor, é reconfortante saber que há conhecimento técnico sobre o funcionamento de um modelo que vem dando certo.

O mercado de seguros brasileiro seguiu crescendo mesmo na pandemia tendo a população apoiada pelo modelo de distribuição e consultoria dos corretores de seguros. Nosso país, de dimensões continentais, conta com corretores em todos os seus municípios, e quem levou até agora o seguro em todos esses locais foi o corretor de seguros, profissional preparado para conversar com o cliente sobre qualquer risco.

Algumas inovações nos foram colocadas no último ano sem a importante participação daqueles profissionais que atuam na ponta com o cliente contribuindo diretamente para o crescimento do setor. O open insurance é um grande exemplo, foi aplicado como cópia do modelo do open banking sem adaptação ao nosso setor ou à realidade do Brasil.

O modelo é cópia, mas os setores são bastante distintos. Enquanto no bancário trata-se de uma relação direta entre banco e correntista, em seguros há a figura técnica do corretor entre a seguradora e o segurado, atuando como consultor pela necessidade de conhecimento para análise de riscos e coberturas de acordo com cada caso.

Pela definição, “o open insurance aplica as práticas de inovação aberta, por meio do fornecimento de serviços e dados a parceiros, comunidades e startups, a fim de criar novos serviços, aplicativos e modelos de negócios inovadores”. No entanto, com o corretor de seguros, nosso mercado já é “open”. Sendo um profissional de confiança do segurado, o corretor já faz o trabalho de levantar e cruzar suas informações para encontrar as melhores condições, taxas, franquias etc. Como transferir esta confiança para uma simples transação de cotação, sem qualquer análise ou esclarecimento ao segurado? Isso não pode ser perdido ou simplesmente estigmatizado como algo mecânico, em que se envia as condições e recebe de volta uma proposta. Não somos contra a evolução, mas em um setor sensível e fundamental para a sociedade na preservação de empregos, continuidade da vida, não se pode desumanizar o atendimento.

As próprias Sociedades Iniciadoras de Serviço de Seguro (SISS), criadas no âmbito do Sistema de Seguros Aberto / Open Insurance, foram colocadas no mercado ainda sem a definição sobre a participação dos corretores de seguros. As Sociedades Iniciadoras, como participantes de forma obrigatória no Open Insurance, devem ser credenciadas pela Susep e constituídas sob a forma de sociedade anônima. Com isso cria-se um novo ente e alguém terá que pagar esta conta, porque precisará de profissionais altamente gabaritados para fazer esse trabalho que já vem sendo realizado pelo corretor de seguros. Ou seja, mais uma vez digo que o open insurance já existe, que é o trabalho feito pelo profissional corretor de seguros, com todo o seu conhecimento técnico e do cliente.

Outra novidade, que entra em vigor em março, é a Circular 621, que acaba com os seguros padronizados e o processo de aprovação da autarquia para cada produto criado, dando liberdade às seguradoras para oferecer seguros personalizados de acordo com as necessidades dos clientes. A Circular 621 pode ser benéfica ao proporcionar modernização e simplificação na contratação de seguros, mas traz desafios na medida em que os consumidores vão precisar de uma venda ainda mais consultiva por parte dos corretores, pela gama de possibilidades de combos e coberturas que podem ser agregados em uma única apólice.

O compartilhamento dos dados tende a ampliar a concorrência tanto para corretores quanto para seguradoras, com a entrada de novos players interessados na versatilidade dos produtos. Os corretores de seguros precisam ser mais proativos em sua profissão, para manter e ampliar o protagonismo no setor. Precisam encarar os problemas, olhar de perto o que está acontecendo em seu espaço.

Nessa oportunidade de uma interlocução mais próxima com a Susep, é fundamental que os corretores estejam mais atuantes em sua entidade representativa – o Sindicato dos Corretores de Seguros de São Paulo (Sincor-SP), no caso de São Paulo – para nos fortalecermos e defendermos a verdade posição dos profissionais responsáveis pela distribuição de seguros no Brasil. Como exemplo, o Sincor-SP realiza no fim de janeiro um debate com o superintendente da Susep, quando iremos discutir todos estes pontos. Com união e o olhar atento de nossa categoria, os novos tempos serão de boas oportunidades.

Campanha Green Vida Brasil reforça importância do cuidado com o futuro 435

Campanha Green Vida Brasil reforça importância do cuidado com o futuro / Divulgação

Executivos da Tokio Marine, Assessorias e Corretoras atuam para conscientizar brasileiro sobre relevância de proteção

Cada vez mais o brasileiro tem despertado para a importância de contar com a proteção e tranquilidade do Seguro de Vida. Não apenas para o momento da morte, este tipo de cobertura ainda é útil em casos de perda de renda, incapacidades temporárias ou doenças graves.

“Na Tokio Marine temos muito orgulho em contar que o Green Vida Brasil é um sucesso e poder realizar uma nova edição durante o mês das mães nos motiva ainda mais a auxiliar nossos parceiros corretores a consolidar a importância do Seguro de Vida entre os brasileiros. Nesta edição também vamos trabalhar todas as modalidades do Vida Individual e Simples Vida Empresa, mas vale um destaque para o Vida Mulher Individual, que apresenta coberturas exclusivas para as necessidades do público feminino, reforçando que os benefícios do Seguro de Vida também são para uso em vida”, afirma Marcos Kobayashi, Diretor Comercial Nacional Vida da Tokio Marine.

A ação especial deste mês – dedicada às mamães – conta com apoio do time da NH Assessoria. A organização, que recentemente promoveu sua primeira convenção de negócios, reforça a importância deste trabalho de aculturamento do seguro. “Hoje é dia de conscientizar os segurados sobre a relevância do Seguro de Vida. A ação é voltada para os produtos Vida Individual e Global e conta com incentivos especiais para os corretores que obtiverem destaque na produção”, comentam os sócios da NH – José Alves Silva Neto, Juliane Louzada e Tiago Beuren.

Inovação no DNA: MAG Seguros realiza hackathon para colaboradores 344

Inovação no DNA: MAG Seguros realiza hackathon para colaboradores / Divulgação

Iniciativa, com foco em inovação e tecnologia, começa nesta sexta-feira (20)

Terá início nesta sexta-feira, 20 de maio, a primeira edição do Hackathon MAG, direcionado para colaboradores da MAG Seguros. A empresa, especializada em seguro de vida e previdência com mais de 185 anos de história, é a seguradora independente mais inovadora do país, segundo o anuário Inovação Brasil 2021, do Valor Econômico.

O evento, focado em inovação e tecnologia, acontecerá até domingo e reunirá, na sede da empresa, no Rio de Janeiro, 72 pessoas selecionadas, envolvendo colaboradores da matriz e unidades de negócio. Os participantes terão o desafio de propor e desenvolver soluções que gerem valor e impactem de forma positiva nossos clientes, corretores e parceiros em 44 horas.

“Estamos buscando continuamente promover a cultura da inovação na MAG. Além de atuar neste aspecto, o nosso hackathon contribuirá diretamente para o desenvolvimento de soluções para a nossa companhia, partindo de quem conhece nossos sistemas e processos”, explica Renata Loyola, superintendente de Gestão da Inovação.

“Todos têm muito como contribuir para este desafio que foi lançado. Contaremos com a participação de profissionais dos times de TI e UX que vão ajudar a desenvolver as ideias e tirá-las do papel”, completa Luiz Queiroz, superintendente de Arquitetura Corporativa.

Com mercado aquecido, atuação como corretor de seguros ganha espaço 523

Com mercado aquecido, atuação como corretor de seguros ganha espaço / Foto: Pexels / Divulgação

Panorama atual proporciona oportunidades na indústria de seguros para novos profissionais e operadores já atuantes do setor

O mercado de seguros no Brasil passa por um cenário positivo, registrando arrecadação de R$ 82,14 bilhões nos três primeiros meses de 2022. O montante representa crescimento de 15,4% em relação ao mesmo período de 2021, quando foram movimentados R$ 71,16 bilhões. No ano passado, a alta foi de 11,8% em comparação ao mesmo período de 2020, com faturamento de R$ 306,31 bilhões, segundo os dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Por conta da pandemia de Covid-19, os hábitos mudaram e o foco do consumidor foi seguro de vida, prestamista, funeral, auxílio doença e acidentes pessoais. Dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) mostram que a arrecadação do mercado de seguros de pessoas cresceu 12,72% em 2021. Em termos de valores, foram R$ 51,17 bilhões em prêmios.

Luiz Longobardi Junior é diretor de Mercado e Distribuição da Rede Lojacorr / Divulgação
Luiz Longobardi Junior é diretor de Mercado e Distribuição da Rede Lojacorr / Divulgação

Este panorama favorece oportunidades no mercado de seguros, não somente para quem já atua no setor, mas também para a entrada de pessoas que querem uma nova profissão atuando como corretor de seguros. “O mercado de seguro segue em ascensão em relação às vendas e proteção, e vale apontar que ainda estamos muito abaixo do potencial do mercado, já que apenas 20% da frota de veículos é segurada e 14% das residências possui proteção, entre outros segmentos”, observa Luiz Longobardi Junior, diretor de Mercado e Distribuição da Lojacorr – maior rede de corretoras de seguros independentes do País.

Transformações no mercado de seguros

Os números do setor são fatores favoráveis para a profissão, mas para ser bem sucedido, o diretor afirma que o corretor deve estar sempre aberto para o novo, pois o mercado é dinâmico e está em constante transformação, em vista das necessidades que surgem com o passar dos anos e abrem novos nichos e tipos de seguros. Acima de tudo isso, o corretor deve ter foco constante na proteção da vida, saúde, patrimônio e responsabilidade civil de seus segurados, proporcionando seu bem estar desde o primeiro contato. “O corretor tem que estar sempre presente no mindset do seu cliente como um aconselhador, conhecendo suas necessidades”, explica.

Com a digitalização do mercado, surgiram novas possibilidades, como o Open Insurance (Sistema de Seguros Aberto), em que consumidores de produtos e serviços de seguros, previdência complementar aberta e capitalização, permitem o compartilhamento de suas informações entre diferentes sociedades autorizadas e credenciadas pela Susep, para otimizar o acesso aos seguros. Mesmo com a digitalização, o corretor de seguros ainda continua no centro da negociação, sendo o ponto de confiança do segurado. Para o corretor, o Open Insurance será a oportunidade para customizar a oferta para o cliente e atender exatamente sua necessidade. “Não tenho dúvida de que estamos passando por uma profunda transformação. A pandemia acelerou muitos processos de digitalização e muitos outros estão por vir. Entretanto, o principal é sempre ter o cliente como foco ”, comenta o gestor.

Como se tornar um corretor de seguros

Para que o corretor seja bem sucedido, é necessário ter o conhecimento técnico, mas também definir uma estratégia para prospectar clientes e negócios, além de construir uma rede de relacionamento.

Ednelson Corrêa da Silva, da Corrêa e Cubas Corretora de Seguros / Divulgação
Ednelson Corrêa da Silva, da Corrêa e Cubas Corretora de Seguros / Divulgação

Ednelson Corrêa da Silva é o responsável pela Corrêa e Cubas Corretora de Seguros, em São José dos Pinhais, no Paraná, parceira da Rede Lojacorr. Conhecido como Dino, ele mudou de área há 14 anos, tomando a decisão de se tornar um corretor de seguros após passar 10 anos como vendedor em concessionárias de automóveis, sendo que foi neste segmento que teve contato com o universo segurador. “Nas concessionárias havia corretora de seguros interna e eu apoiava esse serviço. Por isso, acabei aprendendo um pouco sobre o setor”, relata.

Quando mudou de emprego para trabalhar em uma revendedora de veículos, conheceu Sonia Maria da Cunha, da Konrad Seguros, parceira da Rede Lojacorr. Disposto a mudar de ramo e se tornar um corretor de seguros, iniciou um estágio em sua corretora. Além do estágio, Dino fez todos os procedimentos para obter a habilitação da Susep. Realizou também treinamentos e cursos de capacitação pela Rede Lojacorr, da qual se tornou um parceiro, com acesso ao ecossistema da Rede, que hoje conta com mais de 40 companhias seguradoras, possibilitando negociações em todo o Brasil e uma variedade de ramos, o que ajuda na evolução dos profissionais. “Quando comecei, meu foco era seguro de automóvel, um produto mais próximo do meu conhecimento, mas fui aprendendo sobre outros ramos, como o de condomínios, em que me especializei. Comecei em 2008 e um ano depois eu já ganhava o equivalente ao meu salário na loja de automóveis”, afirma.

Idade não é obstáculo

Dino hoje tem 56 anos. Quando mudou de profissão, tinha 41, e desde o primeiro momento percebeu que a idade não seria um empecilho nos novos rumos que traçou em sua vida. “Tive a convicção quando conheci corretores com idade mais avançada trabalhando em plena atividade”, relata.

Com mais de 40 anos de experiência no mercado, Luiz Longobardi confirma a afirmação de Dino. “O mercado de corretagem de seguros talvez seja um dos poucos onde a idade não tem tanta relevância, seja jovem ou mais maduro, desde que se tenha vontade de aprender e se capacitar. O mais importante é gostar de proteger pessoas e patrimônios, estar aberto para o novo, e ter como visão que o corretor pode contribuir de forma muito importante para reduzir significativamente impactos nas vidas das pessoas e empresas”, finaliza.

Seguros SURA estará presente no Brasesul 2022 622

José Henrique Gil Cairo é Diretor Comercial da Seguros SURA na Região Sul do Brasil / Foto: Filipe Tedesco / JRS

Evento reúne corretores de seguros do sul do País nos dias 26 e 27 de maio, em Foz do Iguaçu, Paraná

A Seguros SURA irá participar do Congresso Sul Brasileiro dos Corretores de Seguros, o Brasesul, maior encontro de corretores de seguros da região sul do Brasil. O evento será realizado em Foz do Iguaçu, no Paraná, nos dias 26 e 27 de maio.

Para José Henrique Gil Cairo, Diretor Comercial na região sul do Brasil na SURA, “o evento é essencial para que possamos estreitar nosso relacionamento com os corretores, sendo também uma ótima oportunidade para realizarmos novos negócios numa região de grande potencial e evoluirmos com nossas ações nestes estados”, diz.

O evento deste ano traz como tema central “Customer Success” com o conceito “Fidelize, Diversifique e Monetize”, onde será discutido diversos temas que irão enriquecer e agregar ainda mais conhecimento aos participantes do evento. O Congresso é uma oportunidade de aperfeiçoamento para os corretores, com diversas palestras e possibilidade de discutir as dificuldades do dia a dia nos painéis que serão realizados.

A Seguros SURA atua diariamente como parceira dos corretores. “Na SURA criamos constantemente ações que oferecem aos corretores consciência, conhecimento e ferramentas para que eles consigam criar o melhor relacionamento possível com os consumidores e atendam as suas necessidades”, comenta Cairo.

Para mais informações sobre o evento como inscrições e programação, basta acessar aqui.

XP anuncia que irá contar com corretores em seu ecossistema de negócios 940

Daian Moura é Head de Seguros da XP Inc. / Reprodução

Daian Moura – Head de Seguros da empresa – concedeu entrevista exclusiva ao programa Seguro Sem Mistério

Em entrevista exclusiva ao programa Seguro Sem Mistério, o Head de Seguros da XP Inc. – Daian Moura – contou ao jornalista William Anthony que a empresa valoriza e deverá anunciar que – em breve – passará a contar com a parceria dos corretores para distribuição de suas soluções em seguros e demais serviços financeiros. Daian concedeu a entrevista diretamente do Insurance Experience, evento realizado em Israel para promover práticas de excelência e uma verdadeira imersão no universo de seguros da XP Inc.

“O tema seguros deixou de ser um produto e passou a ser um importante serviço. Fala-se muito na visão 360° dos clientes e essa atenção ao setor de seguros vem transformar a relação dos especialistas do mercado financeiro em relacionamento, pois é um tema extremamente relevante quando você fala no planejamento financeiro de médio e longo prazo”, disse o especialista durante a atração – que também é apresentada no Canal 520 da Claro NET HD no Estado do Rio Grande do Sul. “Seguro de Vida hoje é integrante de asset management e, consequentemente, de sugestão de alocação de carteiras”, complementou Daian ao enfatizar a relevância da consultoria para que o brasileiro possa proteger aquilo que é importante.

O Head de Seguros ainda defendeu o modo como o Seguro de Vida agrega valor e traz tranquilidade aos clientes – ainda mais diante de questões como sucessão familiar, um problema que atinge a maior parte das empresas no Brasil – certa vez que a maior parte dos negócios no País é PME de cunho familiar. “O Seguro de Vida tem sua contratação também pensando em garantias para uso em vida. Quando se pensa nas doenças graves você quer o melhor médico e o melhor hospital. Existem as diárias para incapacidades temporárias”, analisou ao também demonstrar que a saúde emocional tem ganhado protagonismo nas coberturas e assistências dos produtos.
“Nosso foco é ser one-stop-shop, sempre com foco na experiência do cliente – que é o centro do nosso negócio. Nosso propósito é, cada vez mais, disponibilizar para nossos escritórios parceiros”, comentou Daian ao apontar a aproximação entre os mercados de finanças e seguros.

O executivo da XP Inc. lembrou que a ideia é estreitar relacionamentos com os clientes e também parceiros de distribuição. “Estamos discutindo internamente como agregar valor para os corretores de seguros que atuam neste mercado. Temos total interesse em trazer estes profissionais para nosso ecossistema para empoderar esses corretores, entregar tecnologia e agregar mais valor para suas atividades, como os próprios investimentos, e também conseguir – muito em breve – disponibilizar uma maneira de conectá-los ao nosso ecossistema”, finalizou.