Startup WinSocial promove o acesso de pessoas com doenças crônicas ao seguro de vida

Foram registradas vendas em todos os novos públicos atendidos pela companhia – que faz parte do Grupo MAG

Em menos de um mês após o lançamento de soluções de seguro de vida para novos públicos, a startup WinSocial – que faz parte do Grupo MAG – já registrou vendas em todos os novos públicos atendidos pela companhia: pessoas com diabetes, HIV+, hipertensão, obesidade e com histórico de cânceres de mama, pele não-melanoma e próstata.

Publicidade
FF Seguros

“Isto reforça que existia uma demanda por proteção financeira que não era atendida pelo mercado tradicional. Com as soluções concretizadas pela WinSocial em parceria com a MAG Seguros, este público agora pode ter acesso a produtos de seguro de vida e, desta forma, proteger o seu futuro e de sua família”, explica Rafael Rosas, diretor da WinSocial.

De acordo com dados de sociedades médicas, a estimativa é que cerca de 64 milhões de pessoas têm hipertensão, 47 milhões obesidade, 15 milhões diabetes e 930 mil HIV+. Já o Instituto Nacional do Câncer prevê 177 mil novos casos de câncer de pele não-melanoma por ano e para os cânceres de mama e próstata, 66 mil novos casos por ano (cada). Os números revelam não apenas o potencial de mercado, mas sim a importância deste tipo de solução para abranger uma parcela significativa da população brasileira.

O modelo de negócio da startup privilegia e valoriza as atitudes saudáveis e recompensa financeiramente pessoas que cuidam da saúde, independente de alguma condição pré-existente. A WinSocial conta com um moderno e tecnológico processo de análise de riscos, o que permite não apenas aceitar pessoas com doenças pré-existentes, como praticar um valor mais competitivo e, desta forma, inclusivo.

“Sabemos que cada pessoa é diferente e nosso papel é proporcionar que todos possam ter acesso ao planejamento financeiro. Assim, alinhamos o nosso olhar com a experiência de quase 200 anos da MAG Seguros para juntos, entregarmos produtos e coberturas aderentes”, finaliza Rosas.

Artigos Relacionados