Regina Lacerda: O mercado abre as portas para a feminilidade 676

As coautoras do livro Mulheres no Seguro / Divulgação / Arquivo Pessoal

Confira integra do discurso da Coordenadora e Coautora do Livro Mulheres no Seguro e Presidente do Clube das Executivas em Seguros de Brasília (CESB) durante encontro da AIDA Brasil

A CEO da Rainha Seguros, Regina Lacerda, participou do XIV Congresso da Associação Internacional de Direito de Seguro (AIDA Brasil), realizado na cidade de Gramado (RS). Durante o encontro, as autoras do livro ‘Mulheres no Seguro’ reuniram-se para um momento especial de integração e prestígio à obra – que teve sua publicação coordenada por Regina. A executiva também é presidente do Clube das Executivas em Seguros de Brasília (CESB).

O lançamento do livro aconteceu no último dia 28 de abril. ‘Mulheres no Seguro’ tem a Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Escola de Negócios e Seguros (ENS), Porto, ExpreMed, Iilex, MAPFRE e Rio Grande Seguros e Previdência entre seus patrocinadores e apoio institucional da Sou Segura.

Confira a integra do discurso de Regina Lacerda

Em 1991, a princesa Lady Di veio ao Brasil.

A princesa do povo e seu esposo, o príncipe Charles da Inglaterra, teve passagens por Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.

E entre vários lugares em que ela esteve, um me chamou muito a atenção. A princesa visitou a Fundação São Marinho, no centro do Rio de Janeiro, que cuida de crianças e adolescentes em situação de risco, na realidade soropositivos.

Eu, muito jovem naquela época, me encantei com essa postura da princesa. Ela não somente teve um casamento de conto de fadas. Ela parecia uma princesa saída de um livro: linda, doce e com o coração cheio de bondade, disposta a fazer diferença no mundo. Como uma princesa se dispõe a visitar um local como aquele? Ela tinha mesmo um coração de ouro. Virei fã dela, como milhões de outras pessoas.

Falando em mudar o mundo, em 1993, a então Funenseg, hoje Escola de Negócios e Seguros (ENS), cravou um marco no Brasil ao criar a campanha Seguro, uma vocação da mulher. Buscando mulheres para ingressar na profissão de corretora de seguros para aumentar a representatividade, a equidade de gênero no setor, eles contrataram a agência de publicidade Salles para selecionar no território nacional 4 mulheres corretoras de seguros para estrelar a campanha.

Nós fomos as garotas propaganda da agência, Christina, Silvia, Célia e eu, representantes de uma iniciativa pioneira da Funenseg. E quando recebemos nossos cachês, a primeira coisa que fizemos foi doar o valor para a mesma instituição visitada pela Lady Di. Eu também queria mudar o mundo, queria fazer diferença, e parecia que as coisas caminhavam para isso, uma vez que o mercado de seguros oferecia oportunidade de ascensão para as mulheres.

Entretanto, esse futuro parece que ainda não chegou.

 

Ao longo de décadas temos visto grandes homens trabalharem com afinco e muita determinação. Eles criaram um setor tão forte, e tão robusto que representa atualmente 6,7% do PIB, gera mais de 175 mil empregos diretos e faz a gestão de investimentos equivalentes a cerca de R$ 1,3 trilhão, quase um quarto da dívida pública brasileira, que o coloca entre os maiores investidores institucionais do país. Podemos nos orgulhar.

Hoje o setor tem 55% de mulheres no quadro. Elas representam uma poderosa força de trabalho.

Por que digo que ainda não chegamos lá? Quantas desse 55% do mercado de seguros está na liderança?

O mundo dos negócios foi criado pelos homens, e continua, na sua maior parte, operando de uma forma masculina, que exclui as mulheres, que não leva em consideração que as desigualdades históricas resultaram em profundas diferenças de comportamento de consumo.

Por exemplo: lido com centenas de condomínios no Distrito Federal e muitas mulheres são sindicas. Por que não temos mais produtos desenvolvidos e pensados para as mulheres?

A mulher, em todos os setores da seguridade, precisa ser compreendida dentro do contexto histórico de desigualdade pelo qual passou, para comprar mais.

Cito mais um exemplo: o setor automobilístico. Ele está na nossa frente nesse sentido, certamente com bons resultados. Antes, a mulher levava um homem na hora de comprar o carro. Hoje ela tem o prazer de ir sozinha, sabendo que pertence aquele lugar. A mulher pode chegar numa concessionária dizendo que não entende nada de carro … e não será chamada pejorativamente de loura burra. Está no seu direito.

Precisamos ampliar negócios e nós, mulheres, podemos ajudar. Se a população mundial é composta por homens e mulheres em percentual quase igual, por que haveríamos de considerar somente a metade como capaz de construir nosso futuro?

As mulheres representam capital humano e mercado imensos, crescentes, com demandas de consumos e produtos reprimidos, com potencial para gerar riqueza e desenvolvimento.

A desigualdade entre os sexos impacta de forma negativa no crescimento do setor de seguros. É o que mostram os relatos do livro Mulheres no Seguro, escritos com emoção por mulheres poderosas, que todo dia rompem mais uma barreira. Muitas vezes é como jogar um jogo cujas regras são diferentes para os jogadores.

Homens e mulheres, como seres humanos compartilhando um mundo podem utilizar as vivências para mudar a realidade, em benefício da sociedade.

Este livro inédito, Mulheres no Seguro, surge como interessante experiência para pessoas que lidam com números e resultados. As 30 coautoras, revelam-se personagens repletas de idealismo e garra, que souberam expor suas ideias com grande padrão literário. Demonstram liderança e visão de futuro, mas não escondem o sacrifício sofrido nas trajetórias cheias de obstáculos.

Mulheres no Seguro entra na história porque chama a atenção de gestores e influenciadores para que diminuam, na seguridade, os limites de crescimento ainda impostos às mulheres do setor.

Peço que nos ouçam porque estou falando de bilhões de oportunidades. Por muito tempo, as mulheres foram exploradas, passadas para trás. São milênios de história de exclusão das mulheres de espaços de tomada de decisão e de autonomia.

A jovem sonhadora de 20 anos, que achava que podia mudar o mundo, que desejava que as mulheres fossem mais do que princesas, ainda vive aqui, dentro do meu peito. Mas sei que para fazer diferença preciso de todos vocês, precisamos de todos nós.

Agradeço a generosidade do presidente Dr. Juliano Ferrer e de toda organização do relevante congresso da Associação Internacional de Direito de Seguro (AIDA) por abrir espaço para o lançamento do Livro Mulheres no Seguro.

Presentes no congresso, quinze das 30 coautoras do livro, idealizado por Andreia Roma e publicado pela Editora Leader, de São Paulo, cuja coordenação, tive a honra de fazer.

Termino com o texto escrito pela grande escritora gaúcha Lya Luft, que nos deu a honra extrema de prefacia-lo.

“Não posso dizer quanto e quantas vez escrevi e falei sobre a questão da mulher e seu valor, sua capacidade, sua importância também fora da casa e da família.

Mas cada vez me anima comentar o assunto, que já devia ter sido resolvido e assimilado pela humanidade em toda parte. Vai demorar, eu sei, pois há lugares recônditos, em que questões de informação ou crença nos limitam. Mas o dia vai chegar, em que não se precisará discutir o tema das minorias: crianças, negros, índios e … mulheres. Pois todos esses preconceitos, que revelam ignorância mental, desinformação e insegurança, terão sido, se não resolvidos, ao menos abrandados”.

Regina Lacerda

Coordenadora e Coautora do Livro Mulheres no Seguro
CEO da Rainha Seguros
Presidente do CESB

Grupo Bradesco Seguros e Sincor RJ promovem encontro para corretores 298

Grupo Bradesco Grupo Bradesco Seguros divulga resultados de 2020 / ReproduçãoSeguros divulga resultados de 2020 / Reprodução

No Mês do Seguro, iniciativa visa aproximar parceiros do setor e reforçar novidades da companhia

No mês em que é comemorado o Dia do Seguro, o Grupo Bradesco Seguros e o Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (Sincor RJ) promovem um encontro com corretores com objetivo de estreitar relacionamento, reforçar a importância deles para a disseminação da cultura de proteção, além de apresentar as novidades da seguradora. A ação – um café da manhã com as lideranças e parceiros de negócios – acontece na próxima sexta-feira (20), a partir das 09h30min, na sede do Grupo Segurador no Rio de Janeiro.

Essa iniciativa do Grupo busca valorizar a atuação dos corretores cariocas, que são fundamentais na disseminação da importância social e econômica que o seguro desempenha na proteção das pessoas e organizações.

Além da participação dos presidentes do Grupo Segurador e do Sindicato, o encontro contará com a presença de outros executivos da Bradesco Seguros que abordarão desde programas/ferramentas de capacitação e ações de valorização para corretores a diferenciais de produtos e serviços. Para mais informações, os profissionais interessados devem procurar seu gerente comercial, superintendente ou a assessoria responsável.

Allianz atinge € 3,2 bilhões no lucro operacional 405

Allianz atinge € 3,2 bilhões no lucro operacional / Divulgação

Receitas totais subiram 6,2% e atingiram € 44 bilhões

A Allianz acaba de divulgar um relatório sobre sua performance global no primeiro trimestre de 2022. Segundo a empresa, as receitas totais subiram 6,2% no período e somaram € 44 bilhões. O lucro operacional permanece forte com € 3,2 bilhões. Ligeiro declínio de 2,9% reflete impacto de maiores indenizações por catástrofes naturais.

Já o lucro líquido atribuível aos acionistas é de € 0,6 bilhão, com queda de 78,1% devido à provisão adicional de € 1,6 bilhão após dedução de impostos, referente a processos judiciais dos Fundos Estruturados Alpha da AllianzGl U.S. Excluída essa provisão, o lucro líquido foi € 2,2 bilhões, com baixa de 16% devido, sobretudo, a um menor resultado não-operacional.

Coeficiente de capitalização Solvency II fechou robusto com 199%¹. A previsão de lucro operacional em 2022 tem meta confirmada de € 13,4 bilhões, mais ou menos € 1 bilhão². O programa de recompra de ações de até € 1 bilhão está em vias de se efetivar: 2,4 milhões de ações adquiridas por € 500 milhões até o fim de abril de 2022.

“Os resultados deste trimestre demonstram que nossa empresa consegue enfrentar pressões geopolíticas e econômicas significativas. Isso vem se juntar à força dos nossos colaboradores. A Allianz tomou decisões empresariais claras em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia. Também trabalhamos duramente para conseguir acordos justos com os investidores dos Fundos Estruturados Alpha nos EUA e nos encaminharmos para uma solução definitiva”, diz Oliver Bäte, CEO do Grupo Allianz.

Destaques financeiros

Receitas

As receitas totais subiram 6,2% e atingiram € 44 bilhões no primeiro trimestre de 2022. O segmento de Ramos Elementares (P&C) se beneficiou com os preços e volumes mais elevados, enquanto Gestão de Ativos registrou maiores receitas advindas de Ativos sob Gestão. As vendas ampliadas nos Estados Unidos e na Alemanha contribuíram para o crescimento das receitas no segmento de Vida/Saúde.

O crescimento das receitas internas, com ajustes para os efeitos de transposição cambial e consolidação, subiu para a marca robusta de 3,8%, impulsionado por todos os segmentos.

Lucros

O lucro operacional de € 3,2 bilhões recuou 2,9% (€ 3,3 bilhões em 2021) em função das indenizações por catástrofes naturais que quadruplicaram, levando a um declínio no resultado de subscrição no segmento de Ramos Elementares (P/C). Isso foi parcialmente compensado pelo forte resultado operacional no segmento de Ativos sob Gestão graças à média mais elevada de ativos de terceiros sob gestão (Aum). No segmento Vida/Saúde o lucro operacional permaneceu estável.

O lucro líquido atribuível aos acionistas foi de € 0,6 bilhão, com queda de 78,1%. Esse declínio reflete o impacto de uma provisão adicional de € 1,9 bilhão antes da dedução de impostos, referente aos processos judiciais relativos aos Fundos Alfa Estruturados da AllianzGl U.S., que reduziu em € 1,6 bilhão o lucro líquido do Grupo no primeiro trimestre.

O Retorno anualizado sobre o Patrimônio Líquido (RoE) foi de 3,5% (ano inteiro de 2021: 10,6%).

O Lucro Básico por Ação (EPS) ficou em € 1,38 – baixa de 77,9% (era € 6,23 no ano passado)

Coeficiente de capitalização Solvency II

O Coeficiente de capitalização Solvency II foi de 199% no término do 1º trimestre de 2022, comparado à marca de 209% no final do 4º trimestre de 2021. Incluindo a aplicação de medidas de transição por provisões técnicas, o coeficiente de capitalização Solvency II no final do primeiro trimestre de 2022 ficou em 226%, em comparação aos 239% registrados no final de 2021.

Destaques por segmento

“Mesmo em um trimestre marcado por severos desafios econômicos e geopolíticos, mantivemos nosso lucro operacional do primeiro trimestre próximo do nível robusto do ano anterior. Chegamos perto de cumprir uma quarta parte da nossa meta para o ano inteiro, o que mostra que nossa performance operacional continua no rumo certo. Confirmamos a nossa previsão para o ano inteiro de um de lucro operacional de € 13,4 bilhões, com mais ou menos € 1 bilhão”, comenta Giulio Terzariol, CFO do Grupo Allianz.

• No segmento de P&C (Ramos Elementares), a Allianz reporta forte crescimento interno impulsionado pela precificação saudável e por um robusto crescimento do volume, enquanto aproveita a vantagem do sólido posicionamento em uma economia em recuperação. O lucro operacional foi afetado pelo nível mais elevado da década em indenizações por catástrofes naturais no primeiro trimestre.

• Em Vida/Saúde, a acentuada melhora da margem e do valor dos novos negócios reflete um mix de negócios melhor e um aumento nos volumes na maioria das companhias do Grupo. E isso é um ótimo prenúncio da rentabilidade futura.

• O segmento de Gestão de Ativos apresentou um primeiro trimestre muito forte em termos de lucro operacional. A receita líquida do segmento foi impactada por uma medida relacionada à questão dos fundos Estruturados Alfa, visando lidar com a exposição financeira remanescente em relação ao pagamento de um ressarcimento aos investidores e qualquer resolução dos processos judiciais governamentais. Tal medida não deve afetar a política de dividendos ou o pagamento dos mesmos.

Seguro P&C (Ramos Elementares): bom resultado implícito

As receitas totais cresceram 9,1% no primeiro trimestre de 2022, elevando-se a € 21,5 bilhões (€ 19,7 bilhões no primeiro trimestre de 2021). Com os ajustes por transposição cambial e efeitos de consolidação, o crescimento interno foi acentuado, registrando 6,6%, graças a um efeito de preço, de 4,1%, a um efeito de volume, de 2%, e a um efeito de serviço, de 0,4%. Tal aumento refletiu um saudável crescimento em todas as unidades e em todas as geografias.

O lucro operacional foi de € 1,4 bilhão, com recuo de 9% em relação ao mesmo período do ano anterior (€ 1,5 bilhão), devido a um resultado mais fraco de subscrição, o qual foi afetado por indenizações consideravelmente mais elevadas por catástrofes naturais e, em menor medida, por perdas atricionais. Uma contribuição positiva do resultado do run-off gerou um efeito de compensação parcial. O rácio de despesas teve ligeiro aumento passando para 27,1% (27%) devido aos custos de aquisição maiores principalmente pela alteração no mix de negócio da Allianz Partners.

O Índice Combinado avançou 1,7% e foi a 94,7% (93%). Embora o Índice Combinado na atividade de varejo³ tenha crescido devido sobretudo ao aumento de catástrofes naturais e à normalização da frequência de indenização de seguro Automóvel, esse mesmo índice teve uma melhora significativa na atividade comercial³.

Vida/Saúde: excelente margem de novos negócios

O PVNBP4 ou valor atual dos prêmios dos novos negócios permaneceu estável no primeiro trimestre de 2022, em € 19,4 bilhões (€ 19,5 bilhões no mesmo período do ano passado). A Alemanha registrou menores volumes de venda para produtos capital-eficientes, ao passo que a Itália teve menos vendas de produtos do tipo unit-linked. Essa diferença foi em grande parte compensada por vendas maiores de produtos de renda vitalícia a índice fixo nos Estados Unidos e de produtos híbridos na França.

O lucro operacional permaneceu inalterado em € 1,2 bilhão. A consolidação das operações de aquisição da Aviva, na Polônia, deu uma contribuição positiva, assim como as atuações do negócio Vida em Taiwan, na Espanha e na Alemanha. Isso foi compensado pelo resultado inferior nos Estados Unidos.

A margem de novos negócios (NBM) saltou para 3,5% (2,9%), puxada por um mix de negócio melhorado. Desdobramentos positivos do mercado também deram respaldo para essa margem melhorada. Já o valor dos novos negócios (VNB) teve um salto acentuado de 20% atingindo € 671 milhões (€ 558 milhões no mesmo período do ano passado), graças aos maiores volumes na maioria das entidades em operação.

Gestão de Ativos: lucro operacional acentuado

As receitas operacionais cresceram 12,5% no primeiro trimestre do ano, cravando € 2,1 bilhões como consequência das receitas maiores puxadas pelos Ativos sob Gestão (AuM). O lucro operacional deu um salto de 11,2% em relação ao período do ano anterior e atingiu € 831 milhões (€ 747 milhões no mesmo período do ano anterior). Com os ajustes por efeitos de transposição cambial, o lucro operacional cresceu 5,5%. A relação custo-rendimento (CIR) subiu para 59,8% (59,3%).

Os ativos de terceiros sob gestão totalizavam € 1,878 trilhão em 31 de março de 2022, um recuo de € 89 bilhões em relação ao quarto trimestre de 2021. Isso se deveu a um impacto de mercado desfavorável, da ordem de € 110 bilhões, e a saídas líquidas de € 9 bilhões, parcialmente compensadas por um impacto positivo de € 30,1 bilhões por efeitos favoráveis da transposição cambial.

O total de ativos sob gestão no final do primeiro trimestre de 2022 era de € 2,478 trilhões, refletindo uma tendência em termos de ativos de terceiros sob gestão.

  1. Excluindo a aplicação de medidas transicionais para provisões técnicas.
  2. Como sempre, catástrofes naturais e desdobramentos adversos nos mercados de capitais, bem como os fatores apontados em nossa Nota de Advertência com relação a declarações prospectivas, podem afetar seriamente o lucro operacional e/ou o lucro líquido das operações e os resultados do Grupo Allianz.
  3. A atividade de varejo faz concessões a varejistas, pequenas e médias empresas (PMEs) e frotas, enquanto nossa atividade comercial lida com corporações intermediárias e de grande porte.
  4. PVNBP mostrado após interesses não controladores, salvo quando expresso em contrário.
Divulgação
Divulgação

MAG Seguros revela destino de campanha de vendas 308

MAG Seguros revela destino de campanha de vendas / Foto: Valentin Antonucci / Pexels

Trancoso é o destino dos vencedores da Acelera 2022

Um dos lugares mais paradisíacos e incríveis do Brasil: Trancoso é o destino dos vencedores da Acelera 2022, segunda campanha quadrimestral da MAG Seguros, seguradora especializada em seguro de vida e previdência com mais de 185 anos de atuação ininterrupta no Brasil.

Os 27 vencedores viajarão com acompanhante em outubro e ficarão hospedados no Club Med, um dos resorts mais premium do Brasil no modelo all inclusive.

A Acelera 2022 acontece de maio a agosto. Participam todos os corretores parceiros da MAG Seguros, além dos funcionários de vendas da seguradora.

Os corretores que não são cadastrados na companhia podem entrar em contato diretamente pelo e-mail sejaparceiro@mag.com.br e comercializar um dos portfólios mais completos e modernos do país.

Vale ressaltar que o mercado de seguro de vida vem crescendo e se destacando desde há muitos anos, tendo sido impulsionado com o aumento da conscientização trazida pela pandemia de covid-19. Desta forma, este ramo passa a ser uma grande oportunidade de atuação e geração de novos negócios para corretores que atuam em outros ramos.

ExperMed destaca Dia Continental do Seguro: ‘Nascemos voltados para dar suporte às seguradoras’ 400

Nadine Della Giustina é CEO da ExperMed / Foto: Jac Oliveira/Divulgação

Empresa desenvolve soluções para maior eficiência operacional

A Expermed não deixou passar batido o Dia Continental do Seguro, celebrado em 14 de maio último. A CEO, Nadine Della Giustina, fez menção à data em entrevista ao Jornal do Seguro (JRS) para reforçar o quanto o setor tem sido importante para a empresa. “A Expermed tem grande expertise na área de seguros e, por ter clientes de renome do setor no portfólio, valoriza a representatividade que o segmento tem para a empresa”, enfatiza a executiva.

Segundo Nadine, a Expermed nasceu voltada para dar suporte às seguradoras. A começar na área judicial, na qual presta assistência técnica em perícias médicas, buscando com que as companhias tenham vitórias na maior parte das demandas judiciais. Depois, na regulação de sinistros, oferecendo serviços que trazem maior assertividade em indenizações e, em consequência, reduzem a quantidade de judicialização dos processos administrativos. Para completar o pacote, trabalha também com ferramentas que tornam mais dinâmica a subscrição do risco junto às companhias.

Produto Disruptivo

Tendo como diretriz se posicionar como uma empresa disruptiva, a Expermed busca sempre inovar em seus serviços. “O mercado de seguros ainda é carente de inovação, mas tem procurado mudar esse cenário, tanto na hora da contratação do seguro, nas cotações e precificações das apólices, quanto nas demandas internas das seguradoras”, comenta Nadine, que dá como exemplo de produto disruptivo o Clic Regulação, sistema criado pela Expermed.

O Clic Regulação é o único sistema para seguradoras totalmente focado na regulação de sinistros, tendo como proposta gerar economia para as seguradoras, por meio da assertividade nas indenizações, maior controle de demandas e a automatização de processos. Para a Expermed, o Clic Regulação é um produto moldado para dar mais eficiência às operações das seguradoras no País.

Mesmo antes do Dia Continental do Seguro, a Expermed já havia dado um presente e tanto ao setor.

Liberty Seguros lança assistência de telepsicologia para clientes de Vida 414

Liberty Seguros lança assistência de telepsicologia para clientes de Vida / Foto: Andrea Piacquadio / Pexels

Companhia é a primeira a oferecer este serviço para segurados, que será conduzido por profissionais do Hospital Israelita Albert Einstein

A Liberty Seguros, uma das principais seguradoras atuantes no segmento de vida no Brasil, anunciou o lançamento de uma nova assistência, a telepsicologia, oferecido em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein. A empresa é a primeira do mercado a dispor desse tipo de serviço, incluído de forma gratuita no seguro Liberty Vida Perfil. A novidade vem para agregar ao Einstein Conecta, opção que já oferece atendimentos de telemedicina aos segurados do produto.

Em um cenário de aumento na procura por atendimentos psicológicos, o objetivo da Liberty é auxiliar os segurados por meio de opções que atendam às necessidades de cuidados com a saúde mental. Além disso, o lançamento vem para endossar o conceito de cobertura universal de saúde, no qual a saúde mental também deve ser contemplada, dando aos segurados a possibilidade de ter um acompanhamento psicológico profissional remoto, uma prática regulamentada no Brasil.

Entre os temas disponíveis no serviço de telepsicologia, há atendimentos para controle do estresse e ansiedade, apoio emocional, acompanhamento de paternidade e maternidade, suporte aos desafios da geração Z, como a vulnerabilidade advinda da natividade digital e os impactos que isso traz à autoestima, humor e concentração; além de casos voltados para relacionamentos afetivos e psicoterapias breves.

“A telemedicina tem sido indispensável para o bem-estar dos brasileiros nos últimos anos, principalmente durante a pandemia. E, com o aumento da procura por atendimentos de saúde mental, é importante que essas opções sejam igualmente acessíveis no digital”, afirma Alexandre Vicente, Diretor de Seguros de Pessoas da Liberty Seguros. “O objetivo da Liberty com o serviço de telepsicologia é justamente esse: facilitar o acesso dos segurados a atendimentos completos, conduzidos por profissionais confiáveis, sem sair de casa”, completa