Abrapp elogia proposta para Nova Previdência, mas alerta para necessidade de aperfeiçoamento

Entidade que reúne fundos de pensão destaca mudanças paramétricas e pede atenção para pontos referentes à capitalização e a “contas virtuais”

A proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo na Câmara dos Deputados é importante e necessária, principalmente na questão das mudanças paramétricas, na avaliação do presidente da Abrapp, Luís Ricardo Marcondes Martins. A previsão de implantação do modelo de capitalização para as novas gerações de trabalhadores é outro ponto destacado por Martins que lembra, no entanto, que alguns pontos da proposta despertam preocupação.

Publicidade
Chubb no JRS

“A Abrapp (Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar) vem defendendo a necessidade de reforma tanto paramétrica quanto estrutural. Por causa do desequilíbrio das contas do INSS, as mudanças paramétricas são necessárias para recuperar o equilíbrio dos Regimes Geral e Público de Previdência no país”, diz Luís Ricardo Martins. Ele explica que o estabelecimento de idade mínima e aumento do tempo de contribuição são uma tendência mundial devido ao aumento da longevidade e mudanças no mercado de trabalho.

Pelo lado das preocupações com a proposta do governo, o presidente da Abrapp lembra que Estados e Municípios deverão instituir, de acordo com o projeto, Regime de Previdência Complementar em um prazo máximo de dois anos e prevê a possibilidade para a administração dos planos dos servidores por entidades abertas – bancos e seguradoras – além das entidades fechadas, segundo Artigo 40 parágrafo 15. “A competição entre abertas e fechadas é positiva, não somos contra, porém é necessário estabelecer condições de igualdade de regras e incentivos”, defende Luís Ricardo.

Ele recorda que a previdência aberta tem produtos financeiros (tipo VGBL) com características muito diferentes aos planos de previdência das fechadas, que possuem caráter previdenciário de longo prazo. “São produtos com regras e finalidade muito diferentes. A governança também é distinta entre as fechadas e as abertas. Por isso, a concorrência acaba não sendo justa”, afirma.

Publicidade

“Contas virtuais” – Outro ponto de preocupação é a adoção do sistema “nocional” para o modelo voltado para as novas gerações. O Estado reconhece o crédito dos valores depositados a favor do segurado, remunera-os a taxas de juros definidas e entrega o benefício de aposentadoria ao final do prazo determinado pela legislação. “A proposta traz a possibilidade de implantação do sistema de contas nocionais ou virtuais, com a adoção de um modelo escritural. A preocupação aqui é que existe a possibilidade de estatização da gestão da poupança previdenciária”, alerta.

Ele explica que a proposta traz, em seu Artigo 115, que a gestão das reservas poderá ser realizada por entidades de previdência públicas e privadas. Além disso, existe a preocupação adicional com o tipo de títulos que serão utilizados para lastrear tais contas e com as taxas de juros aplicadas.

Apesar desses pontos de atenção, Luís Ricardo Martins avalia positivamente também a proposta do modelo de capitalização com a criação de um fundo solidário destinado a garantir uma renda básica – de um salário mínimo – aos futuros aposentados do novo sistema. “A proposta corrige um problema verificado no modelo do Chile, que não garantiu a renda mínima para os participantes do sistema de capitalização”, comenta.

O aperfeiçoamento da proposta de Reforma será defendido pelo sistema Abrapp, Sindapp e ICSS em sua tramitação no Congresso Nacional, bem como, no debate para a elaboração da Lei Complementar para o novo modelo de capitalização. A Abrapp já tem realizado encontros com lideranças do novo governo, como os Secretários Rogério Marinho, Leonardo Rolim e Paulo Valle, com representantes da Casa Civil, além dos novos parlamentares da base governista.

Artigos Relacionados