Aceleradora de Maringá, no Paraná, ajuda empresas a faturar R$ 1,5 milhão mensal e gerarem 350 empregos

Iniciativa que conta com a parceria do Sebrae Paraná, chega ao 5 ano de atividade e já alavancou 60 startups SEBRAE

A Evoa, a primeira aceleradora sem fins lucrativos de Maringá, contribuiu para o crescimento de 60 startups em cinco anos de existência. A união dos diversos segmentos do ecossistema de inovação ajudou a tornar sonhos realidade e a fortalecer a economia local. Os dados atestam: o faturamento dos negócios acelerados nos sete ciclos realizados chega a R$ 1,5 milhão ao mês; também juntos, os negócios geram R$ 500 mil de ISS (Imposto sobre Serviços), anualmente, e 350 empregos diretos.

Publicidade
GBOEX no JRS

Segundo o gerente executivo da Evoa, Matheus Lisboa Cesco, mesmo após a conclusão das acelerações, 75% das startups continuam operando, o que é algo a se comemorar.

“Desde quando começamos, aprendemos e melhoramos os principais programas. Começamos com coworking, com metodologia de programa de aceleração. Hoje, temos uma rede completa, com ideação, pré-aceleração, aceleração e o movimento Unicórnios 2025, para ajudar negócios a chegar ao valor de mercado de US$ 1 bilhão”, comenta Cesco.

Aceleração, hub de networking, Clube Evoa, Unicórnios 2015. As iniciativas da aceleradora são possíveis pelas lideranças voluntárias e instituições mantenedoras, como o Sebrae Paraná, que participou da história da Evoa desde a sua criação, e de investidores como a Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), Cocamar, Cocari, Sancos Seguros e Sicoob. O trabalho coletivo proporcionou para os negócios mais de 150 horas de capacitações e orientação a cada ciclo de aceleração até hoje.

Publicidade
Seguro PASI

O aniversário da Evoa, completado em 18 de agosto, data da apresentação dos resultados a 200 convidados, entre patrocinadoras, empreendedores, mentores e comunidade de inovação, é mais uma amostra da consolidação do ecossistema de inovação maringaense, na avaliação do consultor do Sebrae Paraná, Nickolas Kretzmann.

“Enfrentamos desafios continuamente, mas os resultados começaram a aparecer e provar que esse tipo de habitat de inovação fazia todo sentido para a nossa cidade”, comenta o Kretzmann.

Segundo o consultor, havia desconfiança por parte da comunidade sobre o que era uma aceleradora e de que forma esse tipo de solução poderia ajudar no crescimento de empresas.

“Levamos empresários para o Vale do Silício, onde estão as maiores aceleradoras do mundo, e quando todos depararam com aquela potência, não houve mais dúvida sobre dar o primeiro passo para a construção de um modelo nosso”, lembra Kretzmann.

Sobre o futuro, a aceleradora pretende alavancar também negócios inovadores consolidados, além de startups. Outros objetivos são atrair e reter talentos e continuar ultrapassando os limites do município para além das cidades da região, onde a Evoa já é referência, tornando a iniciativa reconhecida nacionalmente.

O próximo ciclo de aceleração, o oitavo, será aberto em breve. Para os interessados, basta acompanhar o site da aceleradora em evoa.com.br.

Artigos Relacionados