Catástrofes naturais resultaram em US$ 270 bilhões em perdas

Perdas seguradas foram de US$ 111 bilhões, conforme indica levantamento da Swiss Re

No ano passado, as catástrofes naturais resultaram em uma perda econômica global total de US$ 270 bilhões e perdas seguradas de US$ 111 bilhões – a quarta maior nos registros sigma. O dado mostra tendência contínua de longo prazo de perdas seguradas, aumentando entre 5% e 7% ao ano em todo o mundo. Embora o furacão Ida tenha sido o desastre natural mais caro em 2021, os eventos secundários mais uma vez foram responsáveis pela maioria das perdas seguradas por catástrofes naturais ao longo do ano. A inundação na Europa em julho, por exemplo, foi o desastre natural mais caro já registrado na região. Apesar das perdas seguradas recorde de inundações, a lacuna de proteção global associada continua grande.

Publicidade

“As inundações afetam quase um terço da população mundial, mais do que qualquer outro perigo. Somente em 2021, testemunhamos mais de 50 eventos graves de inundação em todo o mundo”, disse Martin Bertogg, Head of Catastrophe Perils na Swiss Re. “Dada à escala de devastação, o risco de inundação merece a mesma atenção e rigor de avaliação de riscos do que perigos primários, como furacões”, completou.

As perdas por inundações continuarão aumentando com as mudanças climáticas e a urbanização

As mudanças climáticas têm causado eventos cada vez mais frequentes e mais extremos. O crescimento populacional, o rápido desenvolvimento urbano e o acúmulo de riqueza econômica em áreas propensas a desastres estão contribuindo para as crescentes perdas por catástrofes. 2021 foi mais um ano de intensa atividade de catástrofes naturais, incluindo inundações devastadoras na Europa Ocidental, China, EUA, entre outras partes do mundo. Já no primeiro trimestre de 2022 pudemos observar grandes inundações no leste da Austrália, causando devastação generalizada e perdas substanciais seguradas.

“As perdas por inundações estão se tornando cada vez mais crescentes”, sinalizou Jérôme Jean Haegeli, economista-chefe do Grupo Swiss Re. “No ano passado, tivemos outro alerta. Há uma urgência em ações que aumentem a resiliência das sociedades em todo o mundo. Juntamente com o setor público, as re/seguradoras estão bem equipadas para afastar o desenvolvimento de áreas de alto risco e investir em medidas de proteção, como por exemplo infraestrutura verde. Isso mantém os ativos seguráveis e, ao mesmo tempo, melhora as perspectivas de crescimento”, acrescentou.

Publicidade
Icatu Seguros no JRS

Os registros sigma mostram que as inundações são, de longe, o perigo natural mais frequente. Na última década, houve aproximadamente três vezes mais eventos de inundação do que os ciclones tropicais. As inundações também estavam causando mais de um terço de todas as fatalidades relacionadas a catástrofes naturais. As perdas econômicas das inundações totalizaram 23%, a segunda maior depois dos ciclones tropicais.

O Swiss Re Institute informa que, na última década, apenas 5% das perdas graves por inundações estavam seguradas em mercados emergentes e 34% em economias avançadas, indicando uma grande lacuna de proteção global. A maior lacuna na proteção contra inundações está na Ásia, com apenas 7% das perdas econômicas cobertas pelo seguro. Por outro lado, na Europa, 34% das perdas por inundações são seguradas.

O último relatório sigma apresenta principalmente dados globais. O novo infográfico da Swiss Re fornece informações adicionais sobre a lacuna de proteção global e os perfis de risco de dez países (Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, Japão, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos).

Devido a arredondamentos, alguns totais podem não corresponder à soma dos valores separados / Swiss Re Institute
Devido a arredondamentos, alguns totais podem não corresponder à soma dos valores separados / Swiss Re Institute

Treinamento aborda prevenção às inundações

No próximo dia 5 de abril (terça-feira), às 9h, a seguradora do grupo, Swiss Re Corporate Solutions, realizará o webinar “Sua empresa está preparada para a próxima inundação?”, quando especialistas vão abordar os cenários causados pelos efeitos das mudanças climáticas e como empresas podem se preparar para este risco. Para participar, faça a sua inscrição aqui.

Artigos Relacionados